Arquivo da tag: índice

Paraíba reduz em 28% o índice de latrocínios em sete anos, segundo estudo

O índice de latrocínios no estado da Paraíba regrediu 28% em sete anos, de acordo com estudo publicado no 11º Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança, que será lançado nesta segunda-feira (30) em São Paulo. Já a quantidade de latrocínios no Brasil cresceu 57,8% em sete anos.

De acordo com o estudo, que concentra estatísticas oficiais das autoridades de segurança dos estados, em 2016 foram registrados em todo o Brasil 2.514 assassinatos cometidos durante o ato do roubo ou em consequência dele. Na edição anterior do estudo, divulgada em 2010, o número havia sido de 1.593.

Além da Paraíba, entre as unidades da federação que tiveram os índices de latrocínio diminuídos, as principais quedas foram em Roraima (45%) e Amapá (23%).

Em 19 estados houve aumento nesse tipo de crime. Rondônia (124%), Tocantins (73%) e Rio de Janeiro (70%) foram os estados com maior crescimento. Nos seis estados mais populosos além do Rio de Janeiro, foram registradas altas em São Paulo (1,2%), Bahia (1,4%), Paraná (8,3%), Rio Grande do Sul (17,1%) e Pernambuco (45%). Apenas em Minas Gerais houve recuo, de 10,6%.

O estado da Paraíba também se destaca por aparecer entre as unidades da federação que registraram menos de um caso de latrocínio a cada 100 mil habitantes. A taxa média do país é de 1,2 latrocínios a cada 100 mil habitantes.

Na relação entre o número de latrocínios e a população, o Pará aparece como o mais violento, com 2,6 casos por 100 mil habitantes no ano. Outros quatro estados superaram o índice de 2/100mil: Pará, Goiás, Amapá, Amazonas e Sergipe. Na outra ponta da tabela, Tocantins, São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Minas Gerais ficaram abaixo de um por 100 mil.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Índice de rejeição ao PSDB aumenta após apoio às reformas de Temer

Nos últimos anos, desde quando Lula assumiu à Presidência da República, o PSDB se manteve às sombras do PT, sem conseguir ocupar o espaço de uma verdadeira oposição. Com quatro derrotas consecutivas nas eleições presidenciais (Serra por duas vezes, Geraldo Alckmin e Aécio, em 2014), os tucanos se viam cada vez mais diminuídos.

No cenário mais recente, foi preciso que o PMDB agisse para conseguir tirar o Partido dos Trabalhadores (PT) do poder. Nessa tomada, o PSDB entrou como estepe do partido de Michel Temer, sendo hoje sua principal base de sustentação no Congresso Nacional, mais fiéis até do que os próprios parlamentares peemedebistas, como pôde ser visto na votação da Reforma Trabalhista na Câmara dos Deputados.

Nesse último domingo (7), na coluna Painel do jornal Folha de S. Paulo, foi divulgada uma pesquisa encomendada pelo PSDB para entender os motivos que levaram antigos eleitores do partido a hoje o rejeitarem. O resultado da crescente rejeição, segundo os entrevistados, foi a associação do PSDB às reformas de Michel Temer, principalmente a da Previdência.

Outro fator que fez com que os tucanos fossem rejeitados por antigos eleitores são as constantes denúncias envolvendo nomes importantes dentro da sigla na Lava Jato.

Com informações do Blasting News

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Polícia de Solânea se destaca e tem melhor índice de criminosos presos

O trabalho integrado realizado pelas polícias Civil e Militar de Solânea tem mostrado resultados significativos, como mostrou os dados do Governo do Estado em balanço dos casos de CVLI (Crimes Violentos Letais Intencionais) apresentados na última semana.

A polícia civil de Solânea, 21 DSPC, abrangendo 11 cidades do brejo, atingiu o melhor resultado em percentual de todo o estado em 2016. Com um percentual de 53%, Solânea se coloca em primeiro lugar de autores presos e já apresenta em 2017 com 100% de elucidação dos homicídios ocorridos na respectiva área.

O delegado da 21ª Seccional de Polícia Civil de Solânea, Diogenes Fernandes, destacou a importância da integração entre polícias. “Isso é um resultado do trabalho intensificado nos últimos 12 meses com a criação da seccional e da 7ª Cia Independente da Polícia Militar, ressaltando também a importância da interação das policias com a população local e efetividade do poder judiciário. A violência existe, mas números como esses mostram que os crimes não estão ficando impunes”, destacou o Delegado Seccional.

Focando a Notícia

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Juro do cartão de crédito atinge 484,6% em dezembro, maior índice desde 2011

cartãoDados divulgados nesta quinta-feira (26) pelo Banco Central (BC) sinalizam que os juros cobrados pelos bancos no rotativo do cartão de crédito tiveram alta de 2,4 pontos percentuais em dezembro e fez com  o índice chegasse  a 484,6% ao ano. Com o resultado, os juros do cartão de crédito atingiu o patamar mais alto desde a série histórica iniciada em março de 2011 pelo BC.

Em novembro do ano passado o Banco Central apontou que os juros do rotativo do cartão de crédito foi de 482,2% ao ano. Ao longo de 2016 esse índice teve alta expressiva de 53,2 pontos percentuais.

No caso do cheque especial, os juros médios cobrados pelos bancos nas operações com pessoas físicas caíram em dezembro, passando de 330,6% ao ano em novembro, para 328,6% ao ano.  Já os juros cobrados pelas operações de crédito pessoal tiveram uma tímida queda ao passar de 29,4% para 29,3% ao ano, na comparação entre os meses de novembro e dezembro.

Consumidor

Na opinião do presidente do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), Roque Pellizzaro, a queda ainda não foi significativa, em especial ao consumidor. “A retração dos juros ao consumidor deve ganhar força apenas quando a inadimplência de fato mostrar recuos mais intensos por conta da melhora da capacidade de pagamento dos consumidores”, disse em nota.

Dados divulgados pelo Banco Central mostram que a queda na taxa de juros básica – a Selic que atualmente é de 13% ao ano – já tem um efeito nas taxas de juros ao consumidor final. No segmento de pessoas físicas, por exemplo, o recuo médio dos juros entre novembro e dezembro foi de 42,7% ao ano para 41,5% em dezembro, ainda que se mantenha acima dos 37,9% de 2015.

“Os dados de crédito de 2016 mostraram que segue o impacto da crise econômica, que elevou o risco de inadimplência e levou à forte retração de crédito”, analisa Pellizzaro. Em 2016 o total de concessões de crédito bancário recuou 8,2%. “Apesar do recuo na concessão de crédito desde o início da recessão, os indicadores de inadimplência bancária não mostraram melhora correspondente”. A inadimplência total passou de 3,4% do total de operações para 3,7% entre o final de 2015 e de 2016, informou o SPC Brasil.

iG

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Choveu em 72 municípios da PB; Areia registra maior índice pluviométrico

aessa_mapa_da_chuvaChoveu em 72  municipais da Paraíba nas últimas 24 horas. Os maiores índices pluviométricos, de acordo com a Agência Executiva da Execução das Águas (Aesa), ocorreram nas regiões Litoral e Agreste. A maior pancada foi registrada em Areia, com 104,2 milímetros, mais que o dobro da média histórica do mês, que é de 43 milímetros.

Também ocorreram chuvas significativas em Serraria (92 mm), Remígio (71 mm), Borborema (67 mm), Alagoa Grande (58,2 mm), Rio Tinto (54,2 mm), Mamanguape (53,8 mm), Logradouro (53,4 mm), Mataraca (52,2 mm) e Alagoinha (51,9 mm). “Chuvas mais fortes no Litoral, Brejo e Agreste são atípicas nesta época do ano. Este tipo de ocorrência costuma ser mais comum a partir de março. Os índices pluviométricos foram provocados pela confluência dos ventos frios, que vieram do Oceano Atlântico, com o calor da nossa costa”, comentou o meteorologista da Aesa, Lindenberg Silva.

Em João Pessoa, mesmo sem chuvas fortes entre quarta e quinta-feira, já foram anotados 113,9 milímetros ao longo deste mês. A média histórica em dezembro na capital paraibana é 36 milímetros.E a previsão para esta sexrta-feira é de chuvas rápidas. “Poucas nuvens são observadas sobre o estado da Paraíba. O tempo será com nebulosidade variável em todo estado, com possibilidade de chuva rápida, em áreas isoladas, no Litoral, Agreste e Brejo”, informou Lindenberg.

Confira

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Remígio é destaque no Índice de Efetividade da Gestão Municipal

remigioO Tribunal de Contas do Estado da Paraíba apresentou à imprensa, nesta quinta-feira (15), os resultados, em âmbito estadual, do ‘Índice de Efetividade da Gestão Municipal’, que servirão de subsídios aos novos prefeitos para ações em pontos críticos, por exemplo, na educação, saúde, planejamento, gestão fiscal, meio ambiente, tecnologia da informação e proteção das cidades, de acordo com resultados do IEGM.

Dos 223 municípios paraibanos, apenas 22 conseguiram ficar na faixa B, que significa ter uma gestão efetiva. Na microrregião do Curimataú Ocidental, somente o Município de Remígio alcançou o índice obtendo uma nota média geral de 0,6 superando a estadual e a nacional que foram 0,52e 0,56 respectivamente.

Comparando-se com a pontuação média dos 223 municípios paraibanos, por área, ficou assim: O i-Educ PB – que é o índice temático da educação – e o i-Saúde PB – índice temático da saúde – obtiveram notas médias de 0,61 e 0,70.

As notas do município de Remígio nesses mesmos itens são 0,77, na educação, e 0,87 na saúde, enquadrando-se, ambos, na mesma faixa de resultado B, ou seja, efetiva. O i-Fiscal PB obteve nota média de 0,64 enquanto que o Município de Remígio obteve a nota 0.8, indicação de que a gestão também é efetiva, nesta área.

Fonte: Tribunal de Contas da PB

Ascom- Remígio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Enem 2016 termina com 30% de abstenção, MEC considera índice dentro do normal

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/Agência Brasil

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016 termina com um índice de 30% de abstenção de candidatos, a porcentagem é a maior desde 2009. Do total de aproximadamente 8,4 milhões que poderiam fazer o exame neste final de semana, 5,8 milhões compareceram às provas. No ano passado, as abstenções foram de 27,6%, de acordo com balanço geral divulgado hoje (6) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Segundo a secretária Executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, a variação em relação a anos anteriores foi mínima e a pasta considera que as abstenções se mantiveram constantes.

Do total de mais de 8,6 milhões de candidatos inscritos no exame, 271.033 tiveram as provas adiadas para os dias 3 e 4 de dezembro, em função das ocupações das escolas por todo o país. Segundo o Inep, dos 8.356.215 candidatos que poderiam fazer a prova neste final de semana, 5.848.619 fizeram o exame. O Amazonas foi o estado com a maior porcentagem de abstenções, 37,4% dos inscritos. Já o Piauí teve a menor taxa de abstenção, com 22,7%.

“Eu acho que diante do quadro que nós acompanhamos nos últimos dias e semanas, diria que foi um sucesso absoluto o Enem 2016”, disse o ministro da Educação, Mendonça Filho. “Conseguimos fazer com que 97% dos candidatos tivessem condições de participar do Enem. Três porcento terão que fazer o exame em dezembro, que foi a solução mais segura adotada pelo MEC”, acrescentou.

O ministro da Educação estima que o adiamento das provas para parte dos candidatos deverá custar cerca de R$ 15 milhões. O Inep vai reciclar as provas que foram impressas e não foram aplicadas neste final de semana e usará o material para a confecção da nova leva de exames.

Eliminações

Nos dois dias de aplicação, 768 candidatos foram eliminados do exame: 641 por descumprimento das regras do edital, 120 por portar objetos eletrônicos identificados por meio de uso de detectores de metal e sete por recusa de coleta de dado biométrico – esta foi a primeira vez que o Enem recolheu as digitais dos candidatos. O número de eliminações é maior que o de 2015 (740), mas inferior ao de 2014 (1.519) e de 2013 (1.522).

O exame registrou ainda 27 ocorrências, sendo 22 de falta de energia e cinco emergências médicas. De acordo com a presidente do Inep, Maria Inês Fini, a falta de luz não prejudicou a aplicação das provas para os estudantes que estavam nesses locais.

Prisões

Operações da Polícia Federal para combater fraudes no Enem resultaram na prisão preventiva de 11 pessoas neste domingo, segundo o chefe da Divisão de Polícia Fazendária da PF, Franco Perazzoni. Cinco foram presas com mandatos de prisão e outras seis em flagrante. Todas elas estavam com escutas nos locais de prova. “Algumas escutas eram tão pequenas que tiveram que ser retiradas com pinças com ímãs na ponta”, disse.

A PF deflagrou hoje duas operações para combater fraudes no Enem. Segundo o delegado, as investigações já vem sendo feitas junto ao Inep e as ações foram possíveis com cruzamentos de dados dos gabaritos e dos inscritos. Ele explica que há principalmente dois tipos de fraudes: aquelas em que especialistas contratados fazem a prova no lugar de candidatos para garantir uma boa nota e aquelas nas quais os gabaritos são transmitidos por escutas via celular para os candidatos. Os preços pagos pelos inscritos variam de R$ 40 mil até R$ 200 mil, quando a prova é feita por outra pessoa.

O delegado defende que o sistema de verificação biométrica implantado neste ano deverá garantir maior segurança ao Enem. As investigações constataram possibilidade de fraudes terem sido feitas em edições anteriores do exame.”A operação ainda está em curso, estamos ouvindo pessoas, há a investigação dos gabaritos anteriores”, disse o delegado.

Taxa de Abstenção

Confira os índices de abstenção das provas do Enem registrados nas últimas edições, desde 2009:

2009 – 37,7%
2010 – 28,8%
2011 – 26,4%
2012 – 27,9%
2013 – 29,7%
2014 – 28,9%
2015 – 27,6%
2016 – 30%

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

TRE-PB garante menor índice de quebra de urnas nas eleições deste domingo (2)

urna-eletronicaNa Paraíba, 11.293 urnas eletrônicas estarão à disposição das eleições este ano. São 9.802 destinadas às seções eleitorais, 21 para MRJ e 1.470 urnas de contingenciamento. De acordo com o coordenador das Eleições 2016 do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), Fábio Falcão, haverá uma redução no índice de quebra de urnas este ano.

Isso se dará não somente pelo volume de novas urnas no pleito, mas também pelo trabalho de manutenção realizado pelo tribunal. “A gente fez dois ciclos de manutenção nas urnas. Todos que apresentaram problemas já foram para a correção e já voltaram. Além disso, realizamos dois simulados para verificar compatibilidade do sistema com a votação biométrica. Na preparação, a gente teve o menor índice de quebra de urna, 1,15%. É o menor índice dos últimos pleitos. Portanto, o índice de quebra sendo pequeno na preparação, significa que também será durante o pleito”, explicou o coordenador.

blogdogordinho

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Casserengue concentra o maior índice de pobreza entre os 223 municípios paraibanos

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Aproximadamente 87% dos paraibanos que vivem em domicílios agrícolas estão em condição de pobreza ou extrema pobreza. O dado é do Atlas da Extrema Pobreza das Regiões Norte e Nordeste do Brasil, produzido pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida) e o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) com base nos dados Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Conforme o Atlas da Extrema Pobreza, dos pouco mais de 596 mil paraibanos que moram em domicílios agrícolas, residências nas quais pelo menos 67% da renda provém do setor agrícola, cerca de 328 mil vivem em condição de pobreza e outros 192 mil em estado de extrema pobreza. São considerados pobres ou extremamente pobres, os brasileiros com renda mensal de R$ 140 e de R$ 70 por pessoa, respectivamente, conforme decreto presidencial de 2011.

Entre os 223 municípios, o município de Casserengue, localizado no Agreste paraibano, foi considerado o mais pobre, conforme o Atlas da Pobreza. Completam a lista dos mais pobres: Santana de Mangueira, Gado Bravo, Cacimbas, Dona Inês, Bernardino Batista, Aroeiras, Baraúna, Bananeiras e Riachão.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Até 60% dos domicílios de Casserengue têm renda familiar per capita de R$ 70 mensais, situação considerada de extrema pobreza. Se levado em consideração o percentual de moradores da área rural, a condição de extrema pobreza atinge até 80% dos habitantes de Casserengue. Nessa condição, Baía da Traição, no Litoral Norte também aparece na lista.

Na Paraíba, o percentual de pessoas em condição de pobreza ou de extrema pobreza em relação ao total de habitantes é de 43%. No caso apenas dos domicílio urbanos não agrícolas, onde nenhum dos residentes trabalha com agricultura, o percentual dos paraibanos extremamente pobres cai para aproximadamente 10%.

 

G1

Número de mulheres presas cresce 112% na PB e Estado é o 6º do país com maior índice de aumento

Mulher-presaFlagradas ao tentar entrar em presídios com drogas, celulares, carregadores ou qualquer outro produto, muitas mulheres têm sido presas quase que diariamente na Paraíba. A maioria alega, em sua defesa, que foi obrigada a transportar o objeto para entregar ao marido ou companheiro. E este pode estar sendo o principal motivo para o crescimento do número de mulheres encarceradas no Estado.

De acordo com o Mapa do Encarceramento divulgado pelo Ministério da Justiça, nesta quarta-feira (03), o índice de pessoas presas do sexo feminino aumentou em 112% colocando a Paraíba em 6º lugar no Brasil onde mais se elevou essa taxa. No Nordeste, o Estado aparece em 3º em crescimento do número de mulheres presas. Isso num intervalo de apenas cinco anos.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A Paraíba perde apenas para os Estados de Alagoas (263%), Pará (163%), Minas Gerais (135%), Sergipe (125%) e Amazonas (123%).

Enquanto em 2007 a população carcerária feminina era de 271 na Paraíba, em 2012 esse número passou para 574. O único ano em que houve redução na taxa de mulheres presas no Estado foi justamente no último avaliado pela pesquisa. Em comparação com o ano anterior (2011) houve um decréscimo mínimo de 2,26%. Nesse período o número de encarceradas era de 587.

População carcerária na Paraíba

A Paraíba é o 4º Estado do Nordeste onde há o maior número de pessoas em presídios. Ao todo, o Estado tem uma população carcerária que chega aos 8.723. Pernambuco é o 1º da região com 28.769 presos. Ele vem seguido do Ceará (17.622) e da Bahia (10.251).

O total de encarcerados na Paraíba cresceu 43% em sete anos. Em 2005 o Estado tinha 6.118 pessoas vivendo em presídios. Segundo o Mapa do Encarceramento, para cada 100 mil paraibanos há 232 presos. Essa média é maior que a registrada no Nordeste, que foi de 163 detidos para cada 100 mil habitantes.

Mas, nem todos os presos haviam sido condenados no período da pesquisa. O estudo revela que 38,3% dos encarcerados ainda aguardavam julgamento, enquanto que 61,7% já haviam sido condenados.

 

 

blogdogordinho