Arquivo da tag: identificação

Falta de registro odontológico trava identificação de corpo de jovem na PB

viviannyA identificação do suposto corpo da vendedora Vivianny Crisley, de 29 anos, está dependendo de um registro odontológico da jovem. Conforme a diretora em exercício do Instituto de Polícia Científica (IPC), Gabriela Nóbrega, a análise da arcada dentária do corpo depende de algum registro odontológico de Vivianny em algum consultório onde ela eventualmente fez acompanhamento dentário. Caso o registro chegue até a polícia, a identificação pode sair em até 24 horas. A expectativa do IPC, ao encontrar o corpo, era de divulgar a identificação do corpo em um prazo de até dez dias.

“O corpo foi encontrado esqueletizado. A confirmação só pode ser feita neste caso de duas formas, ou pela análise da arcada dentária ou por meio de exame de DNA. No primeiro caso, o resultado do laudo é muito mais rápido. Por isso estamos aguardando esse retorno a respeito dos registros odontológicos dela para dar uma resposta rápida à família e também para a própria população”, explicou.

Ainda segundo a diretora do IPC, o delegado do caso, Reinaldo Nóbrega, entrou em contato com a família e repassou que Vivianny Crisley fez durante um tempo acompanhamento dentário em Pernambuco, no período em que morou no estado vizinho e usou aparelho odontológico. A família está buscando junto ao consultório em Pernambuco os registros para encaminhar algum posicionamento à polícia.

Enquanto aguardam um avanço no exame da arcada dentária, o IPC iniciou o processo de confirmação da identidade por meio da análise do material genético do corpo. Segundo Gabriela Nóbrega, foi encontrado muito pouco tecido no cadáver, pelo fato de ter sido queimado. O exame genético na pele é um outro processo mais rápido.

“Foi encontrado um pouco de tecido, de pele, no corpo. Estamos analisando essa pele para saber se ainda existe algum registro genético da vítima. Caso tenha, o processo de análise de DNA é mais rápido”, detalhou. Se o tecido não contiver informação genética, a identificação passa a ser feita pelos ossos do corpo, o mais demorado dos procedimentos.

A análise do DNA pelo tecido ósseo pode durar até 30 dias, pois é preciso passar por um processo de desmineralização, para que ele seja amolecido, e posteriormente confrontado com o material genético fornecido pela família.

Confirmação de identidade em dez dias
A confirmação de que o corpo achado em uma mata na cidade de Bayeux, na Grande João Pessoa, é de fato da vendedora Vivianny Crisley deve sair em 10 dias. A previsão é do Instituto de Polícia Científica (IPC), que iniciou os trabalhos de perícia no corpo na tarde de segunda-feira (7). A mãe de Vivianny Crisley compareceu à sede do IPC para fornecer material genético para exame de DNA. A jovem foi vista pela última vez no dia 20 de outubro, saindo de um bar na Zona Sul de João Pessoa.

Além do avançado estado de decomposição, o corpo que supostamente é da vendedora foi encontrado queimado, fato que prejudicou no reconhecimento por parentes, segundo peritos que investigam o caso. Alguns indícios apontam que o corpo seja de Vivianny, entre eles o cartão de crédito da vendedora desaparecida, parte da roupa que ela usava quando foi vista pela última vez e os calçados.

A perita criminal Roberta Costa Meira, uma das responsáveis pelos exames no corpo, explicou que além da análise dos corpos, objetos encontrados próximos ao cadáver também foram recolhidos para serem examinados em busca de pistas que levem a outros suspeitos. Até a manhã desta terça-feira (8), um suspeito de envolvimento no caso seguia preso.

O outro perito do caso, Rodrigo Farias, adiantou que o trabalho pode indicar também se o corpo sofreu algum tipo de lesão antes de morrer e o dia aproximado da morte. O delegado Reinaldo Nóbrega, que está a frente das investigações, explicou que mais pessoas devem estar envolvidas no desaparecimento e morte.

“Uma atrocidade daquele tamanho seria impossível de somente uma pessoa cometer. Temos o depoimento dessa pessoas presa e ela confirma a participação de outras. Estamos trabalhando em sigilo, mas esperando chegar em todos os envolvidos”, comentou.

Homem preso suspeito do caso
Um homem foi preso suspeito de envolvimento no desaparecimento de Vivianny Crisley, ocorrido em 20 de outubro, após uma festa no bairro dos Bancários, em João Pessoa. A informação foi confirmada pelo delegado Reinaldo Nóbrega nesta segunda-feira (7). De acordo com ele, o suspeito confessa participação no crime. Um corpo que pode ser de Vivianny foi encontrado na tarde desta segunda, em uma mata no município de Bayeux, na Grande João Pessoa.

A Polícia Civil acredita que o corpo seja da jovem. “Tem que ser muita coincidência para não ser [o corpo]. O par de sandália foi reconhecido pela amiga, temos imagem de câmera de segurança [da boate onde ela sumiu] e verificamos que é a mesma”, disse o delegado.

Reinaldo Nóbrega confirma uma prisão de suspeito, mas informou que não pode detalhar o assunto porque a investigação corre sob sigilo. “A polícia efetuou a prisão de uma dessas pessoas, mas como está o inquérito sob sigilo, esperamos que nos próximos dias possamos apresentar todo o desenrolar desse caso. Inclusive, ele confessa envolvimento”, afirmou.

A investigação ainda aponta que há outras pessoas envolvidas no caso. Depoimentos serão colhidos ao longo da semana para a conclusão do inquérito.

As imagens da câmera de segurança do local em que a mulher foi vista pela última vez estão em análise com a Polícia Civil, no entanto, as informações preliminares dão conta que as imagens não são conclusivas e não contribuem muito com a investigação.

Corpo em Bayeux
O corpo encontrado na tarde desta segunda-feira estava em estado de decomposição. De acordo com o perito Rodrigo Farias, do Instituto de Polícia Científica (IPC), o corpo pode ser de Vivianny Crisley, desaparecida desde o dia 20 de outubro, no bairro dos Bancários, em João Pessoa, no entanto, apenas resultados de exames podem comprovar a suspeita.

Entre os indícios da perícia, estão um cartão de crédito encontrado com o nome da vítima e uma sandália que ela estaria usando na noite em que foi vista pela última vez, saindo de um bar na Zona Sul de João Pessoa.

A perita Roberta Costa Meira informou que no local foram encontrados vestígios que levam a crer que o cadáver é de uma mulher, mas só o exame de DNA deve confirmar o sexo e se o corpo é de Vivianny.

Serão realizados exames de DNA com a família de Vivianny para confirmar ou não a suspeita da identidade do corpo. De acordo com a perícia, ainda não é possível concluir se o corpo foi morto no local ou se apenas foi abandonado na mata.

A jovem de 29 anos era mãe de uma criança de oito meses. De acordo com as últimas informações da Polícia Civil, os suspeitos do desaparecimento de Vivianny não foram identificados. Durante a investigação, um celular foi encontrado no município de Bayeux, sendo divulgado que seria da jovem. No entanto, o delegado informou que o aparelho estava em perícia para que o pertencimento do objeto pudesse ser confirmado.

G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Na Paraíba, 121 cidades contarão com sistema biométrico de identificação

biometriaMais de 1,8 milhão de paraibanos votarão com identificação biométrica nas eleições deste domingo (2).  Isso representa 66% de todo o eleitorado paraibano, o dobro da média nacional, que é de 33%. São 121 municípios, incluindo grandes colégios eleitorais do estado, como João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita, Bayeux e Patos.

Os 1.855.476 eleitores com identificação biométrica só precisam levar para o local de votação um documento oficial com foto. O documento é exigido para evitar que alguém deixe de votar caso  a leitura biométrica apresente algum problema. O coordenador das Eleições do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), Fábio Falcão, ressalta que o título de eleitor é importante apenas para que o eleitor possa consultar o seu local de votação.

Quem reside em um dos 121 municípios com votação biométrica e não realizou o recadastramento dentro do prazo estabelecido não poderá votar nestas eleições.

Confira as cidades paraibanas com votação biométrica

Período de recadastramento Municípios
2009 a 2010 Cabedelo, Pedras de Fogo
2011 a 2012 Piancó, Santana dos Garrotes
2013 a 2014 Aguiar, Boa Vista, Caiçara, Campina Grande, Capim, Catingueira, Cuité de Mamanguape, Emas, Igaracy, Itapororoca, João Pessoa, Lagoa Seca, Logradouro, Mamanguape, Massaranduba, Mataraca, Nova Olinda, Olho d’Água, Serra da Raiz
2015 a 2016 Alagoa Nova, Alcantil, Algodão de Jandaíra, Amparo, Aparecida, Araçagi, Areia de Baraúnas, Areial, Assunção, Bananeiras, Barra de Santana, Barra de São Miguel, Bayeux, Boa Ventura, Boqueirão, Borborema, Cabaceiras, Cacimba de Areia, Cacimbas, Cajazeirinhas, Camalaú, Caraúbas, Caturité, Congo, Coxixola, Cubati, Cuitegi, Curral de Cima, Curral Velho, Desterro, Diamante, Dona Inês, Esperança, Guarabira, Gurjão, Imaculada, Itaporanga, Jacaraú, Juazeirinho, Junco do Seridó, Lagoa de Dentro, Lagoa, Lastro, Livramento, Lucena, Mãe D’água, Marizópolis, Matinhas, Maturéia, Montadas, Monteiro, Nazarezinho, Olivedos, Parari, Passagem, Patos, Paulista, Pedra Branca, Pedro Régis, Pilões, Pilõezinhos, Pombal, Quixaba, Remígio, Riacho de Santo Antônio, Salgadinho, Santa Cruz, Santa Luzia, Santa Rita, Santa Teresinha, Santo André, São Bentinho, São Domingos de Pombal, São Domingos do Cariri, São Francisco, São João do Cariri, São João do Tigre, São José da Lagoa Tapada, São José de Caiana, São José de Espinharas, São José do Bonfim, São José do Sabugi, São José dos Cordeiros, São Mamede, São Sebastião de Lagoa de Roça, São Sebastião do Umbuzeiro, São Vicente do Seridó, Serra Branca, Serra Grande, Soledade, Sousa, Sumé, Taperoá, Tenório, Teixeira, Várzea, Vieirópolis e Zabelê

 

blogdogordinho

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Você sabe quais são os documentos de identificação válidos para o Enem? Confira

enem-2014O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) será aplicado neste fim de semana (8 e 9 de novembro) e você precisa ficar atento aos documentos de identificação válidos que precisa levar para a prova. É preciso lembrar que os fiscais não aceitarão desculpas para a falta dos mesmos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Para realizar as provas do Enem é necessário apresentar um dos documentos abaixo:

Documentos válidos para o Enem

  • Cédulas de identidade (RG), emitida por Secretaria de Segurança Pública, Forças Armadas, Polícia Militar ou Polícia Federal
  • Identidade expedida pelo Ministério da Justiça para estrangeiros
  • Identificação fornecida por Ordens ou Conselhos de Classe, que, por lei, tenham validade como documento de identidade
  • Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), emitida após 27 de janeiro de 1997
  • Certificado de Dispensa de Incorporação
  • Certificado de Reservista
  • Passaporte
  • Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com foto, na forma da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997
  • Identidade funcional em consonância com o Decreto nº 5.703, de 15 de fevereiro de 2006

Em caso de perda, extravio, furto ou roubo, o candidato deve apresentar um Boletim de Ocorrência expedido por órgão policial há, no máximo, 90 dias do primeiro dia de aplicação do exame (dia 8).

O candidato que apresentar documento de identificação original com validade vencida, com foto que não permita a completa identificação dos seus caracteres essenciais ou de sua assinatura, poderá realizar as provas, desde que se submeta à identificação especial, que compreende a coleta de dados e de sua assinatura em formulário próprio.

O exame
Nos dias 8 e 9 de novembro os portões serão fechados pontualmente às 13h (horário de Brasília). Recomenda-se que os candidatos cheguem com uma hora de antecedência.

O primeiro dia de prova terá duração de 4h30. No segundo dia, o candidato terá 5h30 para responder as questões e elaborar uma redação.

O exame será constituído de uma redação e quatro provas objetivas, contendo cada uma 45 questões de múltipla escolha. No sábado, serão realizadas as provas de ciências humanas e suas tecnologias e de ciências da natureza e suas tecnologias, com duração de 4h30, contadas a partir da autorização do aplicador para início das provas.

No domingo, serão realizadas as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e matemática e suas tecnologias, com duração de 5h30, contadas a partir da autorização do aplicador para início das provas.

 

nordeste1

Projeto de Cássio exige identificação prévia de origem das operadoras telefônicas

Todas as companhias telefônicas serão obrigadas a promover identificação prévia da prestadora de destino das chamadas realizadas pelo usuário. Pelo menos é o que sugere projeto de lei apresentado nesta quarta-feira (12) pelo Senador Cássio Cunha Lima (PSDB/PB). “Apesar dos relevantes benefícios que a portabilidade numérica proporcionou para a comodidade do usuário e a competição no setor, depois da aprovação desta minha proposta, o usuário terá a seu dispor mais um instrumento para reduzir seus gastos com a conta telefônica”, frisou Cássio.

De acordo com a justificativa apresentada pelo Senador Cássio Cunha Lima ao PL (que propõe alterar a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997) o custo das chamadas telefônicas no Brasil tem como relevante componente o valor pago por uma prestadora de serviço pela utilização da rede de outra, conhecido como tarifa de interconexão. Em outros termos, uma chamada originada e terminada na rede da mesma prestadora (chamada intrarrede) é mais barata que uma chamada originada na rede de uma prestadora e terminada na rede de outra (chamada inter-rede), já que dispensa o pagamento do referido valor. Nesse sentido, as companhias telefônicas disponibilizam uma série de planos de serviço com preços distintos entre os diferentes tipos de chamadas.

“Até meados de 2009, como os recursos de numeração utilizados por uma prestadora estavam vinculados a prefixos específicos, era possível para o usuário identificar, mediante observação desses prefixos, se a chamada por ele realizada tinha como destino sua própria operadora, o que permitia um maior controle de gastos”, pondera o senador paraibano. Com a implementação pela ANATEL da portabilidade numérica – facilidade a partir da qual é possível mudar de operadora de telefonia e manter o número original do telefone – esse controle foi inviabilizado. “Isso porque uma prestadora pode deter, na sua base, recursos de numeração antes utilizados por outras empresas”, completou Cássio Cunha Lima.

“Assim, em que pesem os relevantes benefícios que a portabilidade numérica proporcionou para a comodidade do usuário e a competição no setor, faz-se necessária a previsão de outros mecanismos que facilitem a vida do consumidor na fruição dos serviços telefônicos”, ressaltou. Nesse contexto, com a identificação prévia da prestadora de destino da chamada, como proposto na iniciativa em tela, o usuário terá a seu dispor mais um instrumento para reduzir gastos com a conta telefônica. No caso da telefonia móvel, por exemplo, seria possível substituir o chip de uma operadora pelo chip de outra, buscando o menor valor das ligações.

Paraíba Já

Documento profissional reconhecido por lei serve como identificação na hora de votar

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou, no último dia 12/06, que documento de identidade de categoria profissional reconhecido por lei é considerado válido para identificação do eleitor na hora da votação.O artigo 52, parágrafo 3º, inciso I, da Resolução 23.372/2011, que explicita a necessidade de o eleitor se identificar e define como documentos oficiais para tanto a carteira de identidade, o passaporte ou qualquer outro com foto de valor legal equivalente, inclusive carteira de categoria profissional reconhecida por lei.

A consulta foi apresentada ao TSE pela ex-ministra da Pesca e Aquicultura Ideli Salvatti. O questionamento  foi acerca da possibilidade de utilização da licença de pescador profissional como documento hábil para identificação do eleitor no dia da eleição. O Código de Pesca (Lei 11.959/09) vincula o exercício da atividade pesqueira à obtenção da licença.

O relator da consulta, ministro Marco Aurélio, lembrou que a licença de pescador profissional decorre de registro a ser efetuado no cadastro técnico federal e, dessa forma, ganha contorno especial que caracteriza a licença como documento de identidade. A decisão foi unânime.

TRE-PB