Arquivo da tag: homens

Polícia Militar prende em Pirpirituba homens que compartilhavam bebida alcoólica com menores de idade

Durante a madrugada desta quarta-feira (24), policiais do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) prenderam, na cidade de Pirpirituba, dois homens que compartilhavam bebida alcoólica com menores de idade, proibição que consta no artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente. A guarnição do Destacamento realizava patrulhamento de rotina quando visualizou uma aglomeração em via pública e, ao se aproximar, observou a presença de menores de idade que consumiam bebida alcoólica e apresentavam sinais visíveis de embriaguez, um deles inclusive passava mal e apresentando desequilíbrio e falta de coordenação motora. Entre eles, estavam dois maiores de idade que também ingeriam e compartilhavam a bebida com os adolescentes. Diante do fato, os policiais deram voz de prisão aos dois homens que, em seguida, foram conduzidos à delegacia.

NA TERÇA-FEIRA – No centro da cidade de Guarabira, dois homens foram presos por vias de fato, durante uma briga em via pública, depois que algumas pessoas informaram que estava acontecendo um conflito interpessoal entre eles. Ao chegarem ao local, a guarnição encontrou um dos envolvidos, que confirmou o fato e relatou que o outro homem estava acompanhado da sua ex-companheira e que tinha saído com destino à delegacia, para onde ele também foi levado pelos policiais.

Em Belém, a guarnição comandada pelo capitão Leite realizava diligências de rotina quando se deparou com alguns homens em atitudes suspeitas. Durante a abordagem, foram encontradas com um deles algumas porções de uma substância semelhante à maconha. Ele foi conduzido para a Delegacia de Polícia Civil.

P/5 – Seção de Comunicação Social e Marketing Institucional do 4º BPM

 

 

Cerca de 74% dos casos graves de Covid-19 são acometidos por homens

Cerca de 74% dos casos graves de Covid-19 foram acometidos em pacientes homens, na Paraíba, até o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde desta segunda-feira (1º). Os casos considerados graves são aqueles que requerem internação e os mais graves são situações em que os pacientes precisam de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e intubação.

Apenas 26% desses casos acometem mulheres. De acordo com o secretário executivo de saúde da Paraíba, Daniel Beltrammi, há algumas questões que podem explicar o fato de os homens serem mais atingidos em casos mais graves. Um deles é a obesidade. Conforme o secretário, há uma percepção de mais homens obesos do que mulheres nos casos em questão.

Além disso, ele destacou que nos pacientes mais graves, há o registro pelo menos uma ou duas comorbidades pré-existentes.

Segundo Beltrammi, os homens também são mais gravemente afetados porque “são, certamente, menos cuidadosos, se expõem mais aos riscos, não só pelo fato de muitos se negarem a usar máscaras, mas se negam também ao isolamento”, destacou. Além disso, esses pacientes estão mais expostos a riscos que diminuem a imunidade e podem agravar algum quadro, como o uso de cigarros e excesso de bebida alcoólica.

Conforme o boletim epidemiológico, o maior número de casos graves entre os homens está na faixa etária entre 60 e 69 anos. A única faixa etária em que o número de casos graves de mulheres ultrapassa expressivamente o número de casos graves em homens é entre 20 e 29 anos.

G1

 

PM prende 7 homens por aglomeração em praça de Guarabira

Populares informaram ao Copom do 4ºBPM, por volta da meia noite deste domingo (17), que teriam várias pessoas fazendo aglomeração em plena praça pública, no bairro Esplanada, em Guarabira, descumprindo assim os Decretos Estadual e Municipal, que determinam o distanciamento social, assim como impede a aglomeração de pessoas, para evitar a propagação do Novo Coronavírus (COVID-19).

A Polícia Militar compareceu ao local, com várias viaturas, que confirmada a informação, foi dada voz de prisão as sete pessoas que ali estavam, bebericando, e encaminhados a Delegacia Plantonista, pelo que foram lavrados os procedimentos legais, com base no artigo 268, do Código Penal Brasileiro.

Art. 268 – Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa; Pena: detenção, de um mês a um ano, e multa.

 

portal25horas

 

 

Polícia apreende adolescente e prende três homens suspeitos de assalto a motorista de aplicativo

A Polícia Militar recuperou um carro, apreendeu uma arma de fogo e deteve quatro suspeitos de assaltar um motorista de aplicativo, na cidade de Campina Grande. O crime ocorreu nesse sábado (11).

A equipe da 2ª Companhia do BEPMotos foi informada de um roubo a veículo e realizou cerco policial em conjunto com policiais da Cavalaria, 2º BPM e 10º BPM. Ao localizarem o automóvel, foi feita uma perseguição que se estendeu por várias ruas, chegando por fim ao bairro do Araxá.

Os militares conseguiram abordar o veículo, localizaram um revólver calibre 32 e deram voz de prisão aos homens.

Três dos suspeitos eram adultos e a quarta uma adolescente. Todos foram conduzidos para a Central de Polícia de Campina Grande.

 

clickpb

 

 

Armados com facas, homens invadem ônibus e fazem arrastão em João Pessoa

O assalto aconteceu no início da tarde deste domingo (08) no Centro de João Pessoa. Três homens armados com facas entraram em um coletivo da linha 120 e anunciaram o assalto.

Os suspeitos levaram celulares, carteiras, pulseiras, cordões dos passageiros e o apurado do caixa.

Após o assalto, os homens fugiram com destino ignorado. Até a publicação desta matéria, ninguém havia sido preso.

Marcos Antônio (Águia)

 

 

Após 7 anos em queda, diferença salarial de homens e mulheres aumenta

Natália*, 40 anos e Felipe*, 42 anos, são professores, têm formação semelhante e exercem funções semelhantes, mas ao longo de 20 anos de carreira, Natália sempre ganhou menos que o marido. O caso mais marcante foi há dois anos, quando ela fez uma entrevista de emprego para uma escola particular, em São Carlos (SP), e recebeu a proposta salarial de R$ 800 por mês para lecionar seis aulas de 40 minutos cada, por manhã. “Na semana seguinte, a escola conversou com o meu marido e ofereceu R$ 1,7 mil pelo mesmo trabalho”, diz Natália.

O caso de Natália e Felipe não é isolado. Historicamente, no Brasil, homens ganham mais que mulheres. Após sete anos de quedas consecutivas, em 2019, houve um aumento da diferença dos salários de mulheres e homens de 9,2% em relação a 2018.

Em 2011, homens com ensino superior ganhavam, em média, R$ 3.058, enquanto as mulheres com o mesmo nível de formação ganhavam, em média, R$ 1.865, o que representa uma diferença de salário de 63,98%.

Em 2012, essa diferença começou a cair, passando para 61,78%. Em 2018, chegou a ser 44,7%, com homens ganhando, em média, R$ 3.752 e, mulheres, R$ 2.593. Em 2019, a diferença aumentou e passou a ser de 47,24%, com homens ganhando em média R$ 3.946 e, mulheres, R$ 2.680.

Os dados foram compilados para a Agência Brasil pela Quero Bolsa, plataforma de bolsas e vagas para o ensino superior, com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

“Muitas vezes não é só o currículo que conta, a capacidade, o profissionalismo, mas o simples fato de ser mulher. Se é mulher, você não é contratada porque vai dar problema, como já ouvi muitas vezes”, diz Natália. Ela conta que certa vez, uma escola de Jaú (SP) pediu que ela se comprometesse a não engravidar para não comprometer o ano letivo enquanto lecionasse na instituição. Ela recusou a vaga.

Previsão constitucional

A jornalista Clara*, 52 anos, passou por situação semelhante. Enquanto trabalhou na redação de um jornal em São Paulo, ganhou menos que um colega na mesma posição. “Recebi explicações superficiais sobre a diferença de salário. Mesmo mostrando que fazia a mesma coisa, com o mesmo volume de trabalho, a explicação foi de que cada salário era calculado de um jeito”, diz.

Clara, que tem 30 anos de profissão, ressalta que a equiparação salarial está prevista na Lei 1.723/1952, que assegura que sendo idêntica a função, “a todo trabalho de igual valor prestado ao mesmo empregador, na mesma localidade, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade”.

“Algumas empresas cumprem, outras acham que como a mulher engravida, tem licença maternidade, o custo dela como funcionária é maior. Logo, ela tem que ganhar menos, ou seja, pagar pela licença maternidade. Mas paga muito, muito mais. Não tem fiscalização e, com a crise, infelizmente esse cenário piorou”, diz a jornalista.

Carreiras

Segundo o pesquisador da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) Daniel Duque, exista uma desvalorização de profissões que são majoritariamente ocupadas por mulheres. “Mais mulheres são formadas em profissões como licenciatura, pedagogia, enfermagem, odontologia, em relação a homens. E, mais homens são formados em cursos como engenharia. Parte desse diferencial de homens e mulheres é atribuído a essas diferentes escolhas de cursos” diz, e acrescenta, “Provavelmente, o maior fator foi uma maior desigualdade de retorno entre essas profissões”.

Os dados do Caged mostram que, no ano passado, entre as dez carreiras de ensino superior com maior geração de postos de trabalho, as mulheres recebem, em média, salários menores em sete delas. A maior desvantagem foi encontrada no cargo de analista de negócios, com homens ganhando R$ 5.334 e mulheres, R$ 4.303, o equivalente a 80,67% do salário deles.

Segundo Duque, ao pagar menos às mulheres, o Brasil perde economicamente. “Quando se nega a mulheres oportunidades equivalentes às dos homens no mercado, a gente abre mão de cérebros. Estamos deixando de incorporar no mercado de trabalho no Brasil mulheres que seriam extremamente talentosas”, diz. “Estamos perdendo força produtiva por desigualdade entre gêneros e isso vai impactar a produtividade agregada brasileira e nosso desenvolvimento”.

Mulheres estudam mais

Para o diretor de Inteligência Educacional da plataforma Quero Bolsa, Pedro Balerine, o aumento do número de pessoas com ensino superior fez com que as diferenças salariais entre as profissões e entre os gêneros ficasse mais evidente no ano passado.

“A oferta de ensino superior aumentou bastante de 2012 para cá. As pessoas [que se formaram] estão entrando no mercado de trabalho. Infelizmente, o Brasil ainda está aquém em igualdade salarial entre homens e mulheres”, diz Balerine.

Essa discrepância, segundo o diretor, é injusta: “As mulheres estudam mais, fazem mais pós-graduação, mais mestrado, mais doutorado, não faz o menor sentido ter essa discrepância. Ela é injustiça”.

Os dados copilados pela Quero Bolsa mostram que, apesar da maioria das carreiras pagarem salários menores às mulheres, elas são 57% do total de estudantes no ensino superior. São também maioria na iniciação científica, representando 59,71% do total dos pesquisadores. Na pós-graduação, 54% do total de estudantes são mulheres.

Veja as médias salariais de homens e mulheres nas dez carreiras com maior geração de postos de trabalho:

Analista de negócios: homens ganham R$ 5.334 e mulheres, R$ 4.303

Analista de desenvolvimento de sistemas: homens ganham R$ 5.779 e mulheres, R$ 5.166

Analista de pesquisa de mercado: homens ganham R$ 4.191 e mulheres, R$ 3.624

Biomédicina: homens ganham R$ 2.761 e mulheres, R$ 2.505

Enfermagem: homens ganham R$ 3.417 e mulheres, R$ 3.288

Preparador físico: homens ganham R$ 1.426 e mulheres, R$ 1.326

Nutricionista: homens ganham R$ 2.781 e mulheres, R$ 2.714

Farmacêutico: homens ganham R$ 3.209 e mulheres, R$ 3.221

Fisioterapeuta geral: homens ganham R$ 2.400 e mulheres, R$ 2.422

Avaliador físico: homens ganham R$ 2.107 e mulheres, R$ 2.303

Os nomes foram mudados a pedidos das entrevistadas.

 

agenciabrasil

 

 

Três homens são mortos a tiros dentro de carro, em Brejo do Cruz, na PB

Três homens foram mortos a tiros na noite desta sexta-feira (6), em Brejo do Cruz, no Sertão da Paraíba. Segundo informações da Polícia Militar, um outro homem que estava com o trio ficou ferido.

O grupo de quatro homens estava em um carro quando foi abordado por uma dupla armada que estava em uma motocicleta. Os dois homens atiraram contra o veículo e fugiram do local onde o crime aconteceu.

A vítima que sobreviveu foi socorrida para o Hospital Municipal Dr. Odilon Maia Filho. A Unidade hospitalar informou que o homem deu entrada no local, foi transferido para outro hospital, mas não soube informar qual.

À PM, ele informou que mora no município de Picuí, no Seridó do estado, e que é vendedor. Ele contou também que estava na cidade trabalhando com os homens que foram mortos.

A polícia ainda não sabe a motivação do crime e continuará investigando o caso. Até as 22h desta sexta, nenhum suspeito foi detido.

G1

 

Homens são presos após fazerem compra com nota de 100 reais falsa em Araçagi

Dois homens foram presos por policiais do 4° BPM (Batalhão de Polícia Militar) neste domingo (8), na cidade de Araçagi, suspeitos de fazerem compra com uma nota de 100 reais falsa. O proprietário de um estabelecimento comercial localizado no Sítio Canafístula, zona rural do município, procurou os policiais e informou que teria recebido a nota falsa de dois homens que compraram uma caixa de cerveja.

O comerciante somente teria percebido que a nota era falsa depois da saída deles, que se dirigiram para a cidade. Imediatamente, a guarnição manteve contato com o solicitante e, ao visualizar o circuito de câmeras, conseguiu identificar os suspeitos. Após diligências, os dois foram localizados e ao serem indagados sobre o ilícito, confirmaram a utilização da cédula falsificada.

A cédula, a vítima e os dois suspeitos foram levados para a Delegacia de Polícia Civil.

VIAS DE FATO – No Conjunto Assis Chateubriand, em Guarabira, cinco mulheres foram presas depois que a guarnição foi acionada para atender a uma ocorrência de vias de fato. Ao chegarem ao local, os policiais constataram a veracidade do fato e que uma das mulheres estava com uma lesão nas costas. Todas as envolvidas foram conduzidas à delegacia.

 

Assessoria 4º BPM

 

 

Resistência ao protetor aumenta risco de câncer entre homens

O verão é um convite para a convivência ao ar livre, mas é preciso evitar a exposição excessiva ao sol e proteger a pele dos efeitos da radiação UV para prevenir os tumores de pele. A orientação vai desde o uso de protetor solar até as barreiras físicas, como roupas adequadas, óculos de sol, chapéus e bonés, entre outros itens.

Segundo estatísticas, o público masculino ocupa o maior número de casos letais da doença e, para alguns tipos de câncer, os homens respondem pelo dobro de ocorrências. “Eles ainda resistem ao uso do protetor solar. Esse é um comportamento que precisa ser modificado como forma de prevenir o câncer da pele”, alerta Ramon Andrade de Mello, médico oncologista, professor da disciplina de oncologia clínica da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e da Escola de Medicina da Universidade do Algarve (Portugal).

O câncer da pele corresponde por 33% de todos os diagnósticos desta doença no Brasil, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer). A instituição registra 180 mil novos casos a cada ano. De acordo com as estatísticas de 2015, o número de mortos pela doença no país foi de 1.012 homens e 782 mulheres.

O oncologista aponta algumas das características do tumor: “Ele tem aparência elevada e brilhante, avermelhada, castanha, rósea ou multicolorida e que sangra facilmente. É ainda uma pinta preta ou castanha que muda de cor e textura, torna-se irregular nas bordas e cresce de tamanho”, orienta Mello. Outra característica é uma mancha ou ferida que não cicatriza e continua a crescer, apresentando coceira, crostas, erosões ou sangramento.

Ramon Andrade de Mello explica que, na maioria dos casos, a cirurgia é o tratamento mais adequado. Dependendo do estágio do câncer, é recomendada a radioterapia e a quimioterapia. “Hoje, já contamos com novos tratamentos que apresentam altas taxas de sucesso terapêutico”, aponta o médico.

 

portalcorreio

 

 

90% dos homens diagnosticados com câncer de próstata precocemente têm cura, afirma especialista

O Instituto Nacional de Câncer (INCA) estima que 1.170 homens sejam diagnosticados com câncer de próstata na Paraíba. Desse total, 180 correspondem ao número de casos registrado na Capital paraibana. Aproveitando esta quarta-feira (27), data em que se comemora o Dia Internacional e Nacional de Combate ao Câncer e seguindo a campanha do Novembro Azul, o médico urologista do Hapvida em João Pessoa, Emerson Medeiros, afirma que 90% dos homens diagnosticados com câncer de próstata precocemente obtêm a cura e fala sobre o tratamento.

“Após diagnóstico da doença, o tratamento para o câncer de próstata pode ocorrer por meio de medicações, cirurgia ou radioterapia. Quanto mais cedo diagnosticar, mais fácil alcançar a cura. Já no caso de pacientes que detectam a doença em estado avançado, não existe mais o tratamento curativo, é preciso partir para radioterapia, quimioterapia, bloqueio hormonal e outras medicações”, explica o médico que complementa: “Uma vez operado, o acompanhamento deve ser contínuo e rotineiro”.

O especialista assegura que a necessidade de uma rotina médica junto ao urologista se dá pelo fato de o câncer de próstata ser uma doença que, na maior parte dos homens, não manifesta sintomas.

“Por não apresentar sintomas, o diagnóstico precoce para doença se dá por meio das consultas e exames de rotina, a exemplo do exame de toque, que é simples, durando em torno de 20 a 30 segundos”, esclarece.

Apesar de na maioria dos casos a doença não apresentar sintomas, Emerson Medeiros alerta para presença da dificuldade ao urinar, sangramento na urina e dor lombar que não cessa. “Esses três sintomas podem apontar para um possível diagnóstico do câncer de próstata”, pontua.

Frequência médica – Emerson Medeiros brinca: “os homens para irem ao médico precisam que haja um estímulo por parte de uma das três mulheres da vida deles: mãe, esposa ou filha”. Apesar da descontração, o especialista afirma que isso mostra como os homens ainda apresentam uma resistência cultural muito forte para procurar um médico. Segundo ele, isso é uma realidade que atinge não só o Brasil, mas diversos países, inclusive, os desenvolvidos.

“A mulher quando alcança a idade de deixar o pediatra segue com suas consultas rotineiras com uma ginecologista. O homem deixa o pediatra e não segue para nenhum especialista, quando deveria seguir acompanhando a saúde do seu corpo com as orientações de um urologista. Mas, em geral, o homem só busca uma especialidade médica quando sente alguma coisa, por achar que é invencível, infalível e nunca vai ter problema algum”, afirma o médico.

Emerson Medeiros afirma que a frequência ao médico urologista varia de acordo com a idade. Aos 40 anos para quem tem histórico familiar de câncer de próstata, necessitando nesse caso de maior atenção; e 45 anos para quem não possui o histórico da doença.

“A idade não anula a possibilidade de a doença surgir antes. Se o homem perceber qualquer diferença em seu corpo deve sempre buscar os cuidados médicos”, conclui.

Assessoria de Imprensa