Arquivo da tag: Haddad

Haddad deseja sucesso a Bolsonaro e pede que ‘estimule o melhor de todos nós’

O candidato derrotado no segundo turno, Fernando Haddad (PT), escreveu uma mensagem em sua conta no Twitter nesta segunda-feira (28) para desejar sucesso ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Haddad também disse esperar que o Bolsonaro “estimule o melhor de todos nós”. Ele afirmou que escreveu para o novo presidente de “coração leve” e “com sinceridade”.

“Presidente Jair Bolsonaro. Desejo-lhe sucesso. Nosso país merece o melhor. Escrevo essa mensagem, hoje, de coração leve, com sinceridade, para que ela estimule o melhor de todos nós. Boa sorte!”, escreveu Haddad.

Haddad também escreveu: “E como disse ontem, eu coloco a minha vida à disposição desse país. Não tenham medo, nós estaremos aqui. Nós estamos juntos. Nós estaremos de mãos dadas com vocês. Nós abraçaremos a causa de vocês. Contem conosco. Coragem, a vida é feita de coragem. Viva o Brasil!”

Na manhã desta segunda-feira, Haddad saiu de casa na Zona Sul de São Paulo. Disse que sobre o presidente eleito já se manifestou pelas redes sociais. E afirmou: “Volto a dar aula , volto a ser professor. Foram 90 dias de licença e fui pegar material pra trabalhar”. Haddad é professor da USP e do Insper.

Também na noite de domigo, a jornalista da GloboNews, Natuza Nery, informou que ligou para Haddad para saber por que ele não telefonou para parabenizar Bolsonaro. De acordo com Natuza, Haddad respondeu: “Ele me chamou de canalha e disse que se eleito mandaria me prender. Achei que não tinha o menor clima, além de não poder prever a reação”.

Resultado do segundo turno

Com 55% dos votos válidos, Bolsonaro será o 38º presidente do país. Ele interrompeu um ciclo de vitórias do PT, que ganhou as disputas para o Palácio do Planalto desde 2002.

No discurso da vitória, Bolsonaro afirmou que o novo governo será um “defensor da Constituição, da democracia e da liberdade”.

G1 

 

Bolsonaro tem 53% dos votos válidos e Haddad, 47%; diz Vox Populi

Pesquisa CUT/Vox Populi divulgada nesta quinta-feira (25) mostra o candidato Jair Bolsonaro com 53% dos votos válidos, seis pontos percentuais à frente de Fernando Haddad (PT), que tem 47%. O instituto ouviu 2 mil eleitores entre 22 e 23 de outubro. A margem de erro é 2,2%. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00709/2018.

No cenário espontâneo, quando os entrevistadores perguntam em qual candidato o eleitor votaria sem apresentar opções, Bolsonaro aparece com 44% das intenções contra 39% de Haddad.

A pesquisa do Vox Populi também mostra que 17% dos eleitores estão indecisos. 12% afirmaram que não votarão em ninguém, em branco ou deverão anular o voto. Já 5% não sabem em quem vão votar ou não quiseram responder. Todos os números são os mesmos apresentados pela pesquisa anterior, realizada entre 16 e 17 de outubro.

O candidato petista tem 41% de rejeição contra 40% do pesselista. Nas regiões, Haddad vence apenas no Nordeste: 60% a 25%. Nas demais, a vantagem é de Bolsonaro: 51% a 29% no Sudeste; 51% a 33% no Sul; e 50% a 34% no Centro-Oeste e Norte. Os presidenciáveis estão tecnicamente empatados na intenção de voto entre as mulheres: 40% para Bolsonaro e 39% para Haddad. Entre os homens, 49% para o capitão reformado e 37% para o ex-ministro da educação.

A pesquisa CUT-Vox Populi foi realizada entre 22 e 23 de outubro. Foram feitas 2.000 entrevistas pessoais e domiciliares com eleitores de 16 anos ou mais, residentes em áreas urbanas e rurais, de todos os estados e do Distrito Federal, em capitais, regiões metropolitanas e no interior de todos os estratos socioeconômicos. Os entrevistadores foram em 121 municípios. A margem de erro da pesquisa é de 2,2%, estimada em um intervalo de confiança de 95%.

Folha de PE

Bolsonaro tem 35% dos votos válidos; Haddad tem 27%, veja os números de nova pesquisa

Levantamento encomendado pelo banco BTG Pactual à FSB Pesquisa mostra que Jair Bolsonaro, candidato ao Planalto do PSL, tem 35% dos votos válidos. Fernando Haddad (PT) aparece com 24%. Os votos válidos são aqueles dados apenas aos candidatos –sem considerar os brancos e os nulos.

A empresa entrevistou por telefone 2.000 eleitores nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 p.p. e o intervalo de confiança é de 95%. O levantamento (íntegra) foi realizado nos dias 29 e 30 de setembro de 2018. O registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é BR-05879/2018.

PESQUISA ESTIMULADA
Jair Bolsonaro é líder com 31% das intenções de voto. Em 2º lugar está Fernando Haddad com 24%. Ambos oscilaram dentro da margem de erro em relação a última pesquisa, divulgada em 24 de setembro.

Em 3º aparecem empatados tecnicamente os candidatos Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT), com 11% e 9%, respectivamente. Eis os percentuais apurados:

Eis também a evolução dos candidatos em todas as pesquisas BTG/FSB:

2º TURNO
O levantamento também traz estimativas para o 2º turno. Jair Bolsonaro é testado em todos os cenários e empata, dentro da margem de erro, com Ciro, Haddad e Alckmin. Fica à frente só de Marina Silva. Eis os resultados:

Ciro Gomes (PDT): 45%
Jair Bolsonaro (PSL): 41%
Branco/nulo/nenhum: 12%
Não sabe/não respondeu: 2%

Jair Bolsonaro (PSL): 43%
Fernando Haddad (PT): 42%
Branco/nulo/nenhum: 10%
Não sabe/não respondeu: 5%

Geraldo Alckmin (PSDB): 42%
Jair Bolsonaro (PSL): 41%
Branco/nulo/nenhum: 11%
Não sabe/não respondeu: 6%

Jair Bolsonaro (PSL): 44%
Marina Silva (Rede): 39%
Branco/nulo/nenhum: 15%
Não sabe/não respondeu: 5%

REJEIÇÃO
A candidata mais rejeitada é Marina Silva (Rede), que vem em trajetória de queda nas intenções de voto. Na pesquisa BTG/FSB, 56% dos entrevistados disse que não votaria na ex-ministra de jeito nenhum. Entre os principais candidatos, Ciro Gomes (PDT) é o menos rejeitado (44%).

Fonte: Polêmica PB

Bolsonaro, 28%; Haddad, 22%; Ciro, 11%; Alckmin, 8%; Marina, 5%

O Ibope divulgou nesta segunda-feira (24) o resultado da mais recente pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. A pesquisa ouviu 2.506 eleitores entre sábado (22) e domingo (23).

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Os resultados foram os seguintes:

  • Jair Bolsonaro (PSL): 28%
  • Fernando Haddad (PT): 22%
  • Ciro Gomes (PDT): 11%
  • Geraldo Alckmin (PSDB): 8%
  • Marina Silva (Rede): 5%
  • João Amoêdo (Novo): 3%
  • Alvaro Dias (Podemos): 2%
  • Henrique Meirelles (MDB): 2%
  • Guilherme Boulos (PSOL): 1%
  • Cabo Daciolo (Patriota): 0%
  • Vera Lúcia (PSTU): 0%
  • João Goulart Filho (PPL): 0%
  • Eymael (DC): 0%
  • Branco/nulos: 12%
  • Não sabe/não respondeu: 6%
Pesquisa Ibope - 24 de setembro - Evolução da intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1

Pesquisa Ibope – 24 de setembro – Evolução da intenção de voto para presidente — Foto: Arte/G1

Em relação ao levantamento anterior do instituto, divulgado na terça-feira (18):

Jair Bolsonaro se manteve com 28%;

Haddad foi de 19% para 22%;

Ciro se manteve com 11%;

Alckmin foi de 7% para 8%;

Marina passou de 6% para 5%;

Os indecisos foram de 7% para 6% e os brancos ou nulos, de 14% para 12%.

Rejeição

O Instituto também perguntou: “Dentre estes candidatos a Presidente da República, em qual o (a) sr. (a) não votaria de jeito nenhum? Mais algum? Algum outro?”.

Neste levantamento, portanto, os entrevistados podem citar mais de um candidato. Por isso, os resultados somam mais de 100%.

  • Os resultados foram:
  • Bolsonaro: 46%
  • Haddad: 30%
  • Marina: 25%
  • Alckmin: 20%
  • Ciro: 18%
  • Meirelles: 11%
  • Cabo Daciolo: 11%
  • Eymael: 11%
  • Boulos: 11%
  • Vera: 10%
  • Alvaro Dias: 9%
  • Amoêdo: 9%
  • João Goulart Filho: 9%
  • Poderia votar em todos: 2%
  • Não sabe/não respondeu: 7%
Pesquisa Ibope - 24 de setembro - Evolução da rejeição da intenção de voto para presidente. — Foto: Arte/G1

Pesquisa Ibope – 24 de setembro – Evolução da rejeição da intenção de voto para presidente. — Foto: Arte/G1

Simulações de segundo turno

  • Haddad 43% x 37% Bolsonaro (branco/nulo: 15%; não sabe: 4%)
Pesquisa Ibope - 24 de setembro - Simulação de segundo turno entre Haddad e Bolsonaro. — Foto: Arte/G1

Pesquisa Ibope – 24 de setembro – Simulação de segundo turno entre Haddad e Bolsonaro. — Foto: Arte/G1

  • Ciro 46% x 35% Bolsonaro (branco/nulo: 15%; não sabe: 4%)
Pesquisa Ibope - 24 de setembro - Simulação de segundo turno entre Ciro e Bolsonaro. — Foto: Arte/G1

Pesquisa Ibope – 24 de setembro – Simulação de segundo turno entre Ciro e Bolsonaro. — Foto: Arte/G1

  • Alckmin 41% x 36% Bolsonaro (branco/nulo: 20%; não sabe: 4%)
Pesquisa Ibope - 24 de setembro - Simulação de segundo turno entre Alckmin e Bolsonaro. — Foto: Arte/G1

Pesquisa Ibope – 24 de setembro – Simulação de segundo turno entre Alckmin e Bolsonaro. — Foto: Arte/G1

  • Bolsonaro 39% x 39% Marina (branco/nulo: 19%; não sabe: 4%)
Pesquisa Ibope - 24 de setembro - Simulação de segundo turno entre Bolsonaro e Marina. — Foto: Arte/G1

Pesquisa Ibope – 24 de setembro – Simulação de segundo turno entre Bolsonaro e Marina. — Foto: Arte/G1

Sobre a pesquisa

  • Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos
  • Entrevistados: 2.506 eleitores em 178 municípios
  • Quando a pesquisa foi feita: 22 e 23 de setembro
  • Registro no TSE: BR-06630/2018
  • Nível de confiança: 95%
  • Contratantes da pesquisa: TV Globo e “O Estado de S.Paulo”

G1

Haddad já tem 34% de potencial de votos, aponta pesquisa

Uma nova pesquisa de intenção de voto, realizada pelo portal “Poder360”, aponta que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já pode transferir 34% dos votos para Fernado Haddad, vice em sua chapa. De acordo com o levantamento, 8% “votariam com certeza” em Haddad apoiado por Lula e 26% “poderiam votar”. Em contrapartida, 52% disseram que “não votariam de jeito nenhum” e 14% não souberam ou não quiseram responder.

Fernando Haddad (PT) é vice na chapa de Lula
Fernando Haddad (PT) é vice na chapa de Lula

Foto: Leonardo Benassatto / Reuters

O “DataPoder360” entrevistou por telefone 5.500 moradores de 329 municípios das 27 unidades da federação, entre os dias 24 a 27 de agosto, segundo o “Poder360”.

Ao questionar se o eleitor “votaria com certeza”, “poderia votar” ou “não votaria de jeito nenhum” em cada um dos principais candidatos, o levantamento apontou um chamado “potencial de voto”. Nesse panorama, o maior potencial de voto aparece para um “candidato apoiado por Lula” sem nome definido, com 25% de “votaria com certeza” e 17% de “poderia votar”. A soma (42%) é maior do que a da própria candidatura do ex-presidente, que tem 30% de “votaria com certeza” e 7% de “poderia votar”.

Ciro (9%), Bolsonaro (8%), Alckmin (7%), Alvaro (6%) e Marina (5%) aparecem a seguir na tabela de “voto com certeza”. Ciro, Marina e Alvaro aparecem empatados com 26 por cento no “poderia votar”, ante 27 por cento de Alckmin e 17 por cento de Bolsonaro.

Na ponta da rejeição, Bolsonaro é o que aparece com o maior percentual de “não votaria de jeito nenhum”, com 67 por cento, contra 62 por cento de Alckmin, 61% de Marina e Ciro, 60% de Lula, 55 por cento de “candidato apoiado por Lula” e 52% de “Haddad apoiado por Lula” e Alvaro.

Intenções de voto

De acordo com a pesquisa, nas intenções de voto, Lula lidera com 30%, seguido por Bolsonaro com 21%. Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) aparecem com 7% cada, enquanto Marina Silva (Rede) tem 6 por cento, com os três candidatos tecnicamente empatados dentro da margem de erros, que é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Alvaro Dias (Podemos) aparece com 3%; e Cabo Daciolo (Patriota) e Henrique Meirelles (MDB) têm 2%.

Apesar de Lula estar preso desde o início de abril cumprindo pena pela condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o que deve inviabilizar sua candidatura com base na lei da Ficha Limpa, o portal Poder360 informou que a pesquisa não testou cenários sem o ex-presidente para se focar em questionamentos específicos para saber o potencial de voto dos candidatos.

Reuters 

Sem candidatura de Lula, PT pode apoiar Ricardo para presidente, revela Haddad

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), negou, nesta quinta-feira (05), durante coletiva de imprensa antes de sua exposição no “Seminário Cidades Democráticas”, no Espaço Cultural, em João Pessoa (PT), que o PT esteja trabalhando para que ele seja o candidato a presidente do partido em 2018.

“Não estamos trabalhando com essa hipótese. Estamos convencidos de que Lula será o candidato”, comentou.

Ele ainda lembrou que seu nome não é o único que pode ser utilizado como opção para o comando executivo nacional em 2018. Dentre os citados, está o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB).

“Está cheio de bons colaboradores, eu não sou o único. Muito governador bacana, não só do PT. O governador da Paraíba, que é uma pessoa próxima ao presidente Lula, em Pernambuco, o governador do PSB, tem o Ciro Gomes. O brasil tem quadros”, disse.

Haddad enfatizou a importância do Legislativo municipal no processo de escutar as demandas das camadas sociais na hora de pensar em políticas para a cidade.

“Os vereadores têm uma importância fundamental, representam e colaboram com a municipalidade e para o bom debate. Eles são reféns do interesse social das cidades”, destacou.

Organizado pelo vereador Tibério Limeira e parte das comemorações de 70 anos da Câmara Municipal de João Pessoa, o seminário começou na manhã desta quinta e teve como objetivo mobilizar a sociedade sobre a importância de participar do processo de revisão do Plano Diretor da Capital.

wscom

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Gestão Haddad investiga mais 42 fiscais marajás

haddadO estouro de uma quadrilha na cúpula da máquina de arrecadação da prefeitura de São Paulo, que culminou com a prisão de quatro técnicos da receita municipal, pode ter sido apenas o começo do desmonte de uma das maiores máquinas de corrupção do País. A gestão do prefeito Fernando Haddad investiga outros 42 auditores fiscais da maior cidade do País, que também acumularam patrimônio incompatível com seus rendimentos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Todas as investigações vêm sendo conduzidas pela controladoria-geral do município, comandada por Mário Vinícius Spinelli, e podem redundar em novas prisões. Contra três auditores há indícios de corrupção ativa e passiva, além de improbidade administrativa (leia aqui reportagem a respeito do tema na Folha). Vários deles têm patrimônio superior a R$ 3 milhões e um é até dono de uma mineradora no Piauí. Vários prosperaram ao longo de décadas, ocupando posições estratégicas na máquina municipal, seja nas gestões dos antecessores Gilberto Kassab ou José Serra.

Haddad, que se empenhou pessoalmente nas investigações, e chegou a alugar uma sala próxima ao “ninho” da corrupção para dar apoio à controladoria do município, diz estar fazendo um “acerto de contas” com o passado. Além da construtora Brookfield, que já admitiu o pagamento de R$ 4,1 milhões em propinas aos servidores, outras 15 incorporadoras estão sendo investigadas. A chamada “máfia do ISS” pode ter desviado R$ 500 milhões de São Paulo.

Ao agir para fechar o ralo da corrupção em São Paulo, Haddad busca retomar popularidade, num momento delicado, em que tenta elevar o IPTU da cidade, numa iniciativa contestada pelo Ministério Público, e também renegociar as dívidas de São Paulo com a União. Segundo ele, a investigação não busca efeitos políticos nem a criação de factoides, mas apenas extirpar a corrupção.

Nessa nova fase das investigações, um dos investigados é Mário Apolaro Júnior, diretor na Secretaria Municipal de Finanças. Ele comanda a Divisão de Imunidades, Isenções, Incentivos Fiscais e Regimes Especiais e é também primeiro vice-presidente do sindicato dos auditores do município.

 

brasil247

Haddad diz que vai rediscutir lucro dos empresários de transportes

Fábio Arantes/SECOM
Fábio Arantes/SECOM

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou nessa segunda (15), durante visita à favela de Paraisópolis, na zona sul, que irá discutir com a sociedade o lucro dos empresários do transporte público que atuam na cidade. Segundo o prefeito, a taxa de retorno, que gira em torno de 13%, 14%, estabelecida em 2004, não corresponde mais à realidade. “No inicio do contrato, a taxa de juros do governo Fernando Henrique era superior a 20%, chegava a 40%. Depois, no governo Lula, essa taxa diminuiu muito. Então nós não podemos ter a mesma remuneração do passado, quando as taxas de juros eram muito maiores”, disse. Quando se leva em consideração apenas o volume arrecadado pelas empresas, o lucro fica em torno de 7%.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Atendendo aos clamores por maior transparência na gestão do sistema de ônibus e lotações, Haddad cancelou o edital de licitação para novos contratos que iriam vigorar por 15 anos e publicou tabelas mais completas com dados sobre os valores repassados ao setor. Ainda assim, houve críticas de que as planilhas não eram claras. O prefeito garantiu que há um esforço para traduzir os números e encaminhá-los para os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instaurada da Câmara de Vereadores e para o Conselho Municipal de Transportes, que está em fase de instalação. “São números difíceis de compreender. O leigo tem muita dificuldade de entender planilha”, admite.

“Tanto no Legislativo quanto no Executivo nós vamos esmiuçar detalhadamente todos os números. Até porque precisamos ter força junto ao empresariado para exigir melhor qualidade e menos cobrança por parte dele. Para isso precisamos da força da sociedade para ter clareza com os empresários, que nós respeitamos. Mas queremos transparência na nossa relação com o setor privado”, afirmou.

Habitação

Durante a visita, o prefeito também reiterou a meta de construir 55 mil moradias na cidade até 2016. “Já temos 17 mil (casas) em execução e, até o fim de julho, vamos doar mais terrenos para a Caixa para 3 mil novas unidades. Vamos totalizar, então, novas 20 mil em execução neste mês”, afirmou o prefeito.

Desde a madrugada, cerca de 300 pessoas de movimentos sociais por moradia estão acampadas em frente ao prédio do Executivo municipal, no Viaduto do Chá, na região central. “Tenho reuniões frequentes com movimentos por moradia. Semana passada estive reunido com 10 lideranças de movimentos e esse grupo, em particular, não estava representado. Mas estou aberto a me reunir sempre que precisar para explicar que não vou poder destinar 55 mil moradias só para entidades organizadas”, disse Haddad.

“Não há semana que eu não assine decreto de utilidade pública ou que não ingresse com ação de desapropriação para ter os terrenos necessários para o Minha Casa, Minha Vida”, afirmou o prefeito.

 

por Redação da RBA

Haddad convoca reunião com manifestantes para discutir tarifa

manifestoA Prefeitura de São Paulo informou nesta sexta-feira (14) que vai convocar uma reunião extraordinária do Conselho da Cidade na próxima terça (18) para discutir o transporte público em São Paulo.

Por determinação do prefeito Fernando Haddad, o Movimento Passe Livre (MPL) será convidado para fazer uma apresentação diante dos conselheiros para explicar suas propostas e visões para o setor.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A administração municipal também irá apresentar detalhes sobre a composição de preço da tarifa de ônibus, a evolução da despesa orçamentária com o subsídio e os planos para a melhoria na qualidade do sistema. Depois das duas apresentações, o debate será aberto para a participação dos conselheiros e sugestões de encaminhamento.

Reajuste
O prefeito diz que cumpriu um compromisso de campanha ao dar reajuste abaixo da inflação. As tarifas subiram de R$ 3 para R$ 3,20. “A Prefeitura fez um esforço enorme para que aumento fosse o menor possível”, declarou em entrevista nesta manhã.

Haddad afirmou que a nova tarifa dos ônibus exige o deslocamento de investimento de R$ 600 milhões de outras áreas. Caso fosse aplicado o reajuste da inflação acumulada no período pelo IPC/Fipe, o novo valor seria de R$ 3,40. De acordo com o prefeito, esse foi o menor reajuste dos últimos dez anos.

Mapa protestos SP 0h (Foto: Arte/G1)

Histórico
O protesto desta quinta-feira (13) foi o quarto de uma série iniciada em 6 de junho. A manifestação começou por volta das 17h em frente ao Theatro Municipal, no Centro de São Paulo. Enquanto lojistas fechavam as portas para evitar depredação, a Polícia Militar prendia dezenas para averiguação.

Segundo a PM, foram apreendidos coquetéis molotov, facas e maconha. De acordo com a delegada Vitória Lobo Guimarães, até o início da madrugada, 198 pessoas haviam sido detidas e encaminhadas ao 78º DP, nos Jardins. Todos foram liberados. Quatro vão responder termo circunstanciado; três deles por porte de entorpecentes e um por resistência à prisão. Outras cinco pessoas foram levadas para o 1º DP.

O ato ocupou a Rua Xavier de Toledo, o Viaduto do Chá e seguiu pela Avenida Ipiranga. Ao menos duas pessoas foram presas na esquina das avenidas Ipiranga e São Luís por causa da depredação e pichação de um ônibus.

Os manifestantes, cerca de 5.000 segundo a PM, usavam máscaras e narizes de palhaço. “Não aguentamos mais sermos explorados”, dizia uma das faixas.

A Cavalaria da PM uniu-se ao Choque na Rua Maria Antônia, onde começaram os confrontos. A Universidade Mackenzie, que fica na esquina, fechou as portas.

Segundo o major da PM Lídio, o acordo era para que os manifestantes não subissem em direção à avenida Paulista, o que não foi cumprido. “Se não é para cumprir acordo, aguentem os resultados”, disse.

Os manifestantes tentaram subir a Rua da Consolação, por volta das 19h15, e houve dispersão. Parte seguiu até a Avenida Paulista, que voltou a ser interditada por volta das 21h30. Uma parte do grupo fez barricada uma com objetos queimados na Rua Fernando de Albuquerque. A polícia avançou com balas de borracha e gás lacrimogêneo sobre os manifestantes, que revidaram jogando pedras e garrafas em direção aos PMs.

O jornal ‘Folha de S.Paulo’ diz que teve 7 repórteres atingidos no protesto, entre eles Giuliana Vallone e Fábio Braga, que levaram tiros de bala de borracha no rosto. Um cinegrafista foi atingido com spray de pimenta no rosto por um policial.

Um jornalista da revista ‘Carta Capital’ e um fotógrafo do portal ‘Terra’ foram levados para o 78º DP, nos Jardins, na Zona Sul da cidade, mas foram liberados por volta das 19h30. Outros detidos relataram ao G1 terem sido levados à delegacia por portarem vinagre e spray.

A Anistia Internacional mostrou “preocupação com o aumento da violência na repressão aos protestos contra o aumento das passagens de ônibus no Rio de Janeiro e em São Paulo”. “Também é preocupante o discurso das autoridades sinalizando uma radicalização da repressão e a prisão de jornalistas e manifestantes, em alguns casos enquadrados no crime de formação de quadrilha”, disse em nota.

 

G1

Datafolha: para maioria, início do governo Haddad é melhor do que antecessores

Prefeito de São Paulo bate também Kassab, Serra, Marta, Pitta, Maluf e Erundina na avaliação positiva para os primeiros 100 dias de mandato

 (Foto: PT-SP)
(Foto: PT-SP)

Os primeiros 100 dias de Fernando Haddad (PT) como prefeito de São Paulo indicam que, para a maioria da população, seu governo será melhor que os de cinco antecessores imediatos. A constatação faz parte da pesquisa Datafolha publicada nesta quarta (10) pelo jornal Folha de S.Paulo.

Com relação a administração Gilberto Kassab (PSD), 63% acham que Haddad fará melhor, contra 9% que acreditam no contrário. Ele também tem vantagem sobre José Serra (PSDB), 54% a 17%; Marta Suplicy (PT), 47% a 14%; Celso Pitta (PP), 74% a 5%; e Paulo Maluf (PP), 66% a 12%.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ainda de acordo com o Datafolha, 31% dos paulistanos avaliam gestão Haddad como boa ou ótima, 42% acham regular e 14% ruim ou péssimo. Na comparação com as anteriores, o índice de aprovação no período só perde para o governo Marta (34%). Seus antecessores imediatos, Kassab e Serra, tiveram aprovação de 16% e 20%, respectivamente, e desaprovação de 33% e 37%. A desaprovação de Marta também foi de 14% nos primeiros 100 dias.

Para quase metade dos entrevistados (49%), Haddad fez menos do que eles esperavam até aqui. Outros 39% estão satisfeitos com o desempenho. AS áres em que as pessoas esperavam mais são Saúde (27%), Transporte (23%), Infraestrutura (19%), Educação (17%), Segurança (14%), Habitação (5%) e Trânsito (4%).

Sobre a imagem pessoal do prefeito, a maioria o considera democrático (65%), moderno (82%), humilde (71%), muito inteligente (78%), decidido (63%) e sincero (59%), entre outros itens avaliados.

Segundo o Datafolha, foram entrevistadas 1.096 pessoas entre os dias 4 e 5. A margem de erros é de três pontos percentuais.

 

 

Rede Brasil Atual, com Folhaonline