Arquivo da tag: hábitos

Bons hábitos durante as festas podem evitar derrames e infartos

Com a chegada das festas de fim de ano, vêm os banquetes e os brindes alcoólicos. Porém, é importante dar uma atenção especial para a saúde vascular e evitar possíveis transtornos que os maus hábitos, acentuados no mês de dezembro, podem causar.

As bebidas alcoólicas, por exemplo, devem ser consumidas com moderação, sempre mantendo uma boa hidratação com água. O cirurgião vascular Flávio Macedo alerta que a pressão alta pode piorar com o consumo de álcool, por isso, pacientes hipertensos precisam estar ainda mais atentos a esses cuidados.

“O hábito de ingerir bebidas alcoólicas em excesso pode causar enrijecimento das artérias, o que facilita a ocorrência de acidente vascular encefálico e infarto agudo do miocárdio, com complicações que podem ser fatais”, explica o médico, que também é membro da Comissão do Departamento de Embolização da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV).

Como é difícil evitar a comilança das festas, a alternativa é substituir ingredientes com gorduras ruins por saudáveis. O especialista explica que óleos vegetais, como o de milho e o azeite de oliva, as castanhas, como as nozes, amêndoas, castanhas de caju e a do Pará, as sementes de linhaça e abóbora, abacate e o peixe são ótimas opções para os pratos de Natal e Ano Novo.

Esses alimentos possuem gorduras que ajudam a aumentar os níveis sanguíneos de HDL – C (colesterol bom) e ajudam a evitar a aterosclerose (acúmulo de gordura na parede das artérias que pode causar obstrução, impedindo a passagem do sangue). Fibras, frutas, verduras, legumes e carnes magras também podem ajudar a compor uma mesa mais saudável.

Para o médico, a adoção de bons hábitos, mesmo durante as festas, é a melhor forma de diminuir a incidência desses problemas e garantir bons momentos com a família e amigos.

Seguem as dicas do médico:

• Não abusar do álcool;

• Preferir comidas leves e menos gordurosas;

• Boa hidratação;

• Reunir poucas pessoas para manter o distanciamento social;

• Uso de máscaras em pessoas que não convivem no mesmo ambiente;

• Preferir ambientes abertos com renovação de ar;

• Não permitir que pessoas com sinais e sintomas de síndrome gripal participem;

• Higienização adequada das mãos.

 

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Agência Brasil

 

 

Pesquisa da UFPB estuda efeitos do distanciamento social nos hábitos e saúde da população

Uma pesquisa da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) feita pelo Departamento de Terapia Ocupacional do Centro de Ciências da Saúde estuda efeitos do distanciamento social no cotidiano das pessoas, em aspectos como sono, trabalho, atividades religiosas e de autocuidado, sobretudo prática de atividades físicas. O objetivo da pesquisa é investigar se o isolamento social em domicílio, para contenção do contágio por Covid-19, alterou a rotina das pessoas adultas.

O levantamento está sendo realizado por meio de questionário on-line. Até a quinta-feira (4), a pesquisa, que teve início em 26 de maio, recebeu pelo menos 200 respostas em menos de dez dias. A meta é atingir 500 participantes.

Segundo os dados preliminares da pesquisa, o distanciamento social também alterou o cuidado com as crianças e com os idosos, atividades de ensino e de lazer. Mas nem todas as modificações foram apontadas, inicialmente, como negativas, a exemplo das relações familiares, que, para algumas pessoas, melhoraram.

O estudo está sendo conduzido pela pesquisadora Berla Moraes, líder do grupo de pesquisa Vida adulta e cotidiano. Os dados poderão ser utilizados como subsídios para que outras estudos sejam feitos. Segundo a pesquisadora, mudanças nas questões emocionais, como medo e ansiedade, podem estar impactando na realização das ocupações cotidianas.

“Acredito que a pesquisa vai contribuir socialmente porque a gente já começou a analisar um pouco e ela já dá indícios de que várias rotinas foram alteradas. Então a gente já começa a perceber que realmente as rotinas tiveram alterações, logo, como terapeutas ocupacionais, pretendemos propor soluções”, disse a pesquisadora.

A pesquisa considerou para as análises, fatores como a classe social dos entrevistados. “Para pessoas com renda mais baixa, por exemplo, pode haver impacto negativo nos relacionamentos, no nível de satisfação com a rotina, nas ocupações cotidianas. Por isso a pesquisa precisa ser bem divulgada para ampliar seu alcance e chegar a todos os públicos”.

Os resultados serão disponibilizados por meio do perfil do grupo de pesquisa no Instagram e no site do Departamento de Terapia Ocupacional da UFPB. O estudo foi aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa para Seres Humanos (Conep) do Ministério da Saúde.

G1

 

5 hábitos que você não imagina que podem causar dor nas costas

O uso excessivo do smartphone é um dos motivos mais comuns

Não é exagero dizer que, em algum momento da vida, todo mundo já teve dor nas costas. Sejam por um simples cansaço muscular, má postura ou como sintoma de um quadro mais importante, as dores nas costas atingem indivíduos de todas as idades, de crianças a idosos. No Brasil, as dores nas costas são responsáveis pela maior parte dos afastamentos de trabalhadores – são mais de 80 mil casos por ano.

Existem diversas causas para as dores na região das costas, porém aproximadamente 85% dos casos são considerados inespecíficos, ou seja, não possuem uma causa definida, segundo informações do Hospital Sírio Libanês. Nos demais quadros, elas podem ser desencadeadas por problemas como hérnias de disco, tendinites, artrite reumatoide, distensões musculares e até por estresse.

Seja qual for a causa, alguns hábitos rotineiros podem agravar a situação. Listamos abaixo cinco práticas comuns que podem tornar ainda mais intensa a experiência das dores nas costas.

1) Uso excessivo de aparelhos celulares

O uso incorreto de dispositivos móveis como celulares e tablets podem acarretar o quadro denominado de “text neck”, ou Síndrome de Pescoço de Texto. Trata-se de uma sobrecarga na coluna cervical causada pela postura incorreta durante o uso de aparelhos móveis – quanto mais inclinada a cabeça, mais pesada ela fica em relação ao pescoço, podendo alcançar o peso de 27 quilos.

Além de causar danos sérios à coluna cervical a médio e longo prazo, a má postura também pode ser a razão do surgimento da hérnia de disco e dores de cabeça. “O excesso e sobrecarga na região da coluna cervical e lombar pode gerar dor local por causa da posição inadequada que muitas vezes é mantida por horas. Assim, é importante se manter em movimento, e buscar uma postura mais ereta”, explica o Dr. Marcus Yu Bin Pai, médico especialista em dor e acupuntura e colaborador do Grupo de Dor do Hospital das Clínicas da USP.

2) Postura incorreta

Andar com as costas curvadas ou sentar-se na cadeira do escritório de forma desalinhada pode causar dores fortes nas costas e impactar seriamente na saúde da coluna. O uso de cadeiras com encosto ergonômico ajuda a corrigir o problema.

3) Carregar bolsas pesadas

A rotina diária de grande parte da população brasileira requer, muitas vezes, o transporte de diversos itens dentro de bolsas – livros, cadernos, produtos de higiene, alimentos, garrafas com água… A lista pode ser infinita, mas o limite da sua coluna não. Colocar todo o peso em um ombro só pode ser o estopim para as dores nas costas. Opte por dividir o peso em sacolas ou ecobags ou opte por uma mochila com alças largas e confortáveis.

4) Tensão

Preste atenção nos seus ombros agora. Eles estão tensionados ou relaxados? É bem provável que a primeira opção seja a sua resposta. O estresse do dia a dia, a correria, e até mesmo a falta de hábito em manter o relaxamento da região lombar pode causar dores muito fortes que se estendem até os ombros. Esteja sempre atento e evite tensionar a musculatura da região por períodos prolongados.

5) Prática incorreta de exercícios físicos

Isso mesmo: os exercícios físicos são essenciais para manter a boa saúde geral do corpo humano, porém, quando realizado sem supervisão profissional ou quando há uma sobrecarga incorreta durante a prática, a coluna sofre as consequências. Se ao praticar qualquer atividade física surgirem dores nas costas que persistem e não se parecem com dores musculares normais decorrentes da movimentação, procure ajuda do ortopedista.

Como prevenir

Apesar da grande gama de possibilidades desencadeadores das dores lombares, existem ações que ajudam a prevenir o surgimento ou até mesmo o agravamento do quadro.

  • Manutenção do peso corporal adequado

  • Prática regular de atividade física

  • Abandono do hábito de fumar

  • Utilização de cadeiras confortáveis durante o expediente

  • Prática de alongamento

  • Uso de colchões adequados para a sua estrutura física

  • Tratamentos alternativos – acupuntura, ventosaterapia e yoga entram na lista.

Na persistência das dores, é indispensável buscar auxílio médico para correto diagnóstico.

 

Aline Matos

 

Seis hábitos que evitam enjoos na gravidez

A temida “FASE DOS ENJOOS” acontece geralmente no início da gravidez e termina após o fim do primeiro trimestre. ”O incômodo é sério e causa bastante desconforto para muitas, por isso trouxe algumas dicas práticas do que fazer para ALIVIAR os sintomas e aproveitar sua gravidez com mais tranquilidade, ” explica Dr. Domingos Mantelli, ginecologista e obstetra.

Mantenha-se hidratada! Vale água, sucos de frutas (especialmente cítricas) e água de coco;

Evite ingerir líquidos durante as refeições, isso pode agravar as náuseas;
Faça refeições menores e em maior frequência durante o dia (a cada 2h ou 3h);
O limão será seu novo melhor amigo! Pingue algumas gotinhas na boca quando se sentir enjoada;
Evite se deitar logo após as refeições. Aguarde pelo menos 15min;
Coma muita fruta cítrica! Uva verde, kiwi, laranja e até… o limão.

Dr. Domingos Mantelliginecologista e obstetra – autor do livro “Gestação: mitos e verdades sob o olhar do obstetra”. Formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e residência médica na área de Ginecologia e Obstetrícia pela mesma instituição. Dr. Domingos Mantelli tem pós-graduação em Ultrassonografia Ginecológica e Obstétrica, e em Medicina Legal e Perícias Médicas.

Site: http://domingosmantelli.com.br

Redes Sociais:

Instagram: @domingosmantelli

https://www.instagram.com/domingosmantelli/

 

Ginecologista aponta os hábitos que prejudicam a saúde íntima na estação mais quente do ano

O verão é a época em que as mulheres precisam ficar mais atentas com a saúde íntima. Os fungos e bactérias, naturalmente presentes na flora vaginal, proliferam com mais rapidez em ambientes úmidos.

Segundo a ginecologista, obstetra e sexóloga Dra. Erica Mantelli há um desequilíbrio no PH vaginal. “Esse fator associado à baixa imunidade do corpo, faz com que haja um aumento nas secreções, corrimentos e até algumas doenças como, por exemplo, a candidíase”, explica a médica.

Para evitar os problemas, a ginecologista alerta que o principal erro está nos hábitos mais simples. “O biquíni molhado, por exemplo, é o principal vilão da vagina no verão. As mulheres entram no mar ou na piscina e continuam com a parte íntima úmida. Isso acarreta no desenvolvimento de fungos e bactérias. O ideal é sempre levar uma troca na bolsa e se manter seca durante o dia.”, ressalta.

 

O uso incorreto de absorventes diários também são um erro. “Como são feitos de algodão, a vagina fica ainda mais úmida e isso pode desencadear secreções e corrimentos. Absorventes diários são apenas adequados para situações de emergência ou durante o ciclo menstrual, deixando claro que o recomendável é trocá-lo de quatro em quatro horas, mesmo se o fluxo sanguíneo for baixo”, completa Dra. Erica.

Cuidados simples fazem com que o verão seja mais proveitoso e sem desagrados. O sabonete íntimo é indicado para o uso sem exageros. “Todo e qualquer medicamento, sendo natural ou não, deverá passar pela avaliação médica”, conclui.

Dra. Erica Mantelli

Graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro, com título de especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Dra. Erica Mantelli tem pós-graduação em Medicina Legal e Perícias Médicas e Sexologia/Sexualidade Humana pela Universidade de São Paulo (USP). É formada também em Programação Neurolinguística, por Mateusz Grzesiak (Elsever Institute).

Assessoria de Comunicação & Marketing

 

Abusa de café e doces? Veja 6 hábitos alimentares inimigos da produtividade

cansacoQuando o cansaço bate ao longo do dia e o trabalho parece não render, a culpa pode ser do que você comeu (ou não) mais cedo. Abusar dos doces ou pular refeições, por exemplo, pode prejudicar sua produtividade. A solução é prestar atenção ao que comemos –e em como comemos.

Confira abaixo alguns hábitos alimentares inimigos do bom rendimento no trabalho. As dicas foram reunidas em um artigo do site americano EverUp, e republicadas pelo Business Insider.

1) Pular o café da manhã

Getty Images

A sabedoria popular já dizia: “saco vazio não para em pé”. Sair de casa em jejum não é boa ideia. Depois de uma noite de sono, o nível de açúcar no sangue fica baixo e falta energia para o nosso corpo –inclusive o cérebro– desempenhar bem suas funções.

“Coma uma boa fonte de proteína [iogurte, leite, ovos, frios etc.] no café da manhã para estabilizar os níveis de glicose no sangue ao longo do dia e ter energia constante para o corpo e o cérebro”, afirma Erin Palinski Wade, autora do livro “Belly Fat Diet For Dummies” (“Dieta para Gordura da Barriga para Leigos”, em português).

2) Almoço rico em carboidratos

Getty Images

Outra dica que parece simples, mas é importante: a qualidade do que se come no almoço também afeta a produtividade no restante do dia.

O ideal é maneirar nos alimentos ricos em carboidratos simples, como arroz branco, macarrão, pão branco, refrigerantes, sucos concentrados e doces. Por serem digeridos rapidamente, eles causam picos e quedas bruscas de energia.

O melhor é optar por alimentos com carboidratos que são digeridos mais lentamente pelo corpo, como cereais integrais, vegetais e grãos (feijão, lentilha, ervilha etc.).

O ideal é que, após o almoço, o nível de açúcar no sangue fique estável, mantendo uma energia mais contínua até a próxima refeição.

3) Pular o almoço

Getty Images/iStockphoto

Quando você tem muita coisa para fazer em pouco tempo, acha que uma boa tática é deixar o almoço de lado e aproveitar aquela hora a mais para acelerar as tarefas? Está enganado.

Alimentar-se corretamente, com uma refeição nutritiva, melhora o desempenho do cérebro. A falta de energia para o corpo, por outro lado, faz a produtividade cair.

Wade diz que a glicose é a principal fonte de energia para o cérebro, por isso é importante mantê-la em um nível constante ao longo do dia. A autora sugere comer algo em intervalos de duas a quatro horas, ingerindo a energia necessária para permanecer concentrado e alerta.

4) Tomar muito café

Getty Images/iStockphoto

Quando bate o cansaço do meio da tarde, você costuma apostar naquela xícara de café? Ok, a cafeína pode ser uma aliada para conseguir retomar a atenção e completar o que tem para fazer, mas abusar na quantidade pode ter o efeito contrário.

Tomar mais do que quatro xícaras de café por dia pode ter efeitos negativos no corpo, como inquietação, irritabilidade, nervosismo e dores de estômago, o que atrapalha a qualidade do trabalho.

5) Tomar pouca água

Getty Images

A desidratação também pode afetar bastante as funções cerebrais. Beber menos água do que o necessário pode causar impacto na concentração e memória de curto prazo. Mesmo uma desidratação moderada pode afetar o humor, a energia e a habilidade de pensar claramente.

A recomendação clássica de médicos é tomar dois litros de água por dia, mas um estudo científico contesta isso.

6) Abusar dos doces no meio da tarde

Getty Images/iStockphoto

Passadas algumas horas do almoço, quando a fome bate novamente, pode surgir a tentação de atacar aquele chocolate ou bolinho, mas o melhor é tentar controlar esse impulso.

Como dito antes, os doces elevam rapidamente o nível de açúcar no sangue, aumentando bruscamente a energia para o trabalho. Em pouco tempo, porém, esse açúcar no sangue vai diminuir muito e rapidamente, causando sonolência.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

7 hábitos que estão sugando as suas energias

cansaçoAs vezes não temos muito ânimo por estar muito cansando. Mas você sabia que alguns hábitos podem estar sugando as suas energias? Listamos algumas para você.

1. Comer muito açúcar

A ingestão de qualquer nutriente de forma exagerada pode causar prejuízos ao organismo. O consumo de açúcar em grandes quantidades, por exemplo, está relacionado ao ganho de peso, obesidade, diabetes, hipertensão entre outros problemas.

2. Ingerir muita cafeína

Presente no café, chocolate, alguns chás e refrigerantes, a cafeína pode até dar uma sensação de maior disposição, mas em excesso o efeito pode ser justamente o oposto.

3. Pular o café da manhã

Não ingerir o café da manhã faz com que o corpo trabalhe mais lentamente, o que pode dificultar tanto o bom funcionamento do organismo quanto o emagrecimento e manutenção do peso.

4. Passar muito tempo sentado

“Você está cansado? Mas como se passou o dia inteiro sentado?”, se você vive escutando essa frase preste atenção! Sim, ficar muito tempo sentado pode deixar você cansado. Isso porque a musculatura da panturrilha funciona como uma espécie de “coração venoso periférico”, ou seja, quando você se movimenta ela consegue mandar o sangue de volta para o coração mais facilmente.

5. Má postura

A má postura, seja sentado ou em pé, pode causar dores, mas até esse sinal aparecer é possível que tenha se passado muito tempo e isso acabe gerando outras complicações.

6. Falta de exercício

Quando o corpo não se movimenta várias de suas funções são prejudicadas. Desde a circulação, até a força de músculos e ossos. A falta de exercícios, inclusive, pode estar sugando a sua energia, uma vez que um dos efeitos mais expressivos quando se começa a fazer atividade física não é nem a perda de peso, mas sim o aumento da disposição.

7. Desidratação

A desidratação acontece quando o nosso organismo perde mais água do que ele pode tolerar. Esta perda pode ser através da pele, intestino, urina ou respiração – o que causa uma alteração no equilíbrio dos sais minerais dentro do organismo, que pode altear as funções vitais como batimentos cardíacos, contração muscular e o funcionamento cerebral. Dessa forma existe a sensação de sonolência.

Fonte: Minha Vida

Adotar hábitos saudáveis após os 70 faz você viver mais

idososQuanto mais cedo você adotar um estilo de vida saudável, com dieta balanceada e prática de exercícios, maior a sua expectativa de vida. A boa nova, no entanto, é que mesmo quem deixou para pensar nisso com idade avançada consegue aproveitar os benefícios da mudança para viver mais e melhor. Isso é o que diz um novo estudo publicado no periódico British Medical Journal (BMJ) a partir de uma pesquisa foi desenvolvida por especialistas do Karolinska Institutet, da Stockholm University e do Stockholm Gerontology Research Center, na Suécia.

Para chegar a essa conclusão, foram avaliados 1.810 pessoas com idade de, no mínimo, 75 anos. Eles foram acompanhados durante 18 anos e, ao longo desse tempo, os pesquisadores analisaram comportamento, atividades de lazer, estilo de vida, profissões e relacionamentos sociais. Ao final do estudo, quase 92% dos participantes morreram e, entre os sobreviventes, metade viveu mais do que 90 anos.

Os resultados mostraram que metade dos idosos adeptos do tabagismo morreu um ano antes do que os não fumantes. Apontou ainda que, entre todas as atividades de lazer, praticar exercícios foi a mais proveitosa quando o assunto era longevidade. Os idosos que caminhavam, nadavam ou faziam ginástica tiveram uma sobrevida de cerca de dois anos a mais em comparação com os demais.

Mas o segredo mesmo está em combinar estilo de vida saudável, participação em pelo menos uma atividade de lazer e vida social movimentada, o tripé rende até 5,4 anos a mais de vida quando comparado à rotina de hábitos saudáveis, mas sem atividade de lazer e pouca interação social.

Longevidade

Um estudo publicado no Journal of Internacional Medicine mostrou que hábitos de vida têm maior influência sobre a longevidade do que a própria genética. Diante desse dado, separamos alguns pontos fundamentais para aumentar seu tempo de vida e viver com mais qualidade. Confira:

1. De acordo com um estudo publicado no Circulation: Journal of the American Heart Association, praticar exercícios físicos regularmente aumenta a expectativa de vida mesmo de pessoas acima do peso. Além disso, aumentar progressivamente a carga do treino reduzia em 19% o risco de doenças cardíacas e AVC e em 15% o risco de morrer por outras doenças.

2. Dormir também tem um importante papel na longevidade. Uma pesquisa realizada pela American Academy of Sleep Medicine mostrou que 46% dos participantes que relataram não ter boa saúde também não dormiam bem.

3. Adotar uma postura positiva diante da vida também é fator importante para aumentar a expectativa de vida, segundo um estudo conduzido por pesquisadores do Albert Einstein College of Medicine. A maior parte dos voluntários da pesquisa com idade próxima aos 100 anos eram extrovertidos e viam o mundo sob uma perspectiva otimista e despreocupada.

4. Ter uma dieta equilibrada também é sinal de boa saúde. Um estudo da Sahlgrenska Academy at the University of Gothenburg, na Suécia, descobriu que consumir vegetais e peixes em grande quantidade e limitar a ingestão de produtos de origem animal pode favorecer a longevidade.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

10 hábitos que estão prejudicando seus rins sem você saber

rinsOs rins são um dos órgãos vitais do corpo e sua missão é eliminar as toxinas organismo através da urina.

Fazendo isso, eles regulam os níveis de minerais, como cálcio e fosfato.

Além do mais, podem regular a pressão sanguínea enquanto produzem hormônios essenciais, que são indispensáveis para o bom funcionamento do organismo.

Os rins também ajudam na formação de células vermelhas do sangue, que são responsáveis pelo transporte de oxigênio e nutrientes através do corpo.

Quando os rins estão doentes, podemos detectar sintomas, como vômito, mau hálito, mudança da cor da urina, tonturas, comichão na pele, problemas respiratórios, dor súbita, anemia, fadiga ou cansaço e sensação de frio o tempo inteiro.

Se você notar algum desses sinais de alerta, é bom procurar seu médico.

Mas o que causa a destruição da função renal?

São vários fatores.

Os mais comuns são:

1. Consumir pouca água

A falta de água no organismo pode levar a uma lesão renal significativa.

O sangue fica tão concentrado que o fluxo para os rins é reduzido.

Dessa forma, a capacidade dos rins de eliminar as toxinas do corpo é impedida, causando muitos problemas de saúde.

A quantidade recomendada de água por dia é de pelo menos  2 litros, no caso de uma pessoa adulta.

No entanto, certifique-se de não exagerar, pois o excesso de água pode dificultar a função renal.

E é importante também consumir uma água de boa qualidade.

Substâncias como cloro e flúor, por exemplo, são bastante prejudiciais.

2.  Segurar o xixi

Esta é uma das causas mais comuns de danos aos rins.

Segurar a urina por muito tempo acaba acumulando bactérias na bexiga.

Essas bactérias nocivas causam infecções no sistema urinário. Além disso, manter a urina na bexiga, causa pressão nos rins e leva à insuficiência renal.

3. Fumar

O cigarro é muito prejudicial e todo mundo sabe disso.

Ele danifica todos os órgãos do corpo, incluindo os rins.

Vários estudos têm encontrado uma ligação entre tabagismo e doença renal, e de acordo com a Associação Americana de Pacientes Renais (AAKP), o tabagismo é a principal causa de insuficiência renal terminal (doença renal em estágio final).

Esse mau hábito aumenta a pressão arterial e a frequência cardíaca, reduzindo  o fluxo de sangue nos vasos sanguíneos dos rins.

4. Consumir muita proteína

O consumo de quantidades excessivas de alimentos à base de proteínas, como a carne vermelha, aumenta o risco de doença renal.

Portanto, você deve limitar a ingestão de proteínas e, no caso de problemas renais, verificar com seu médico qual deve ser o percentual do consumo delas em sua dieta, a fim de evitar complicações posteriores.

5. Ingerir sal em exceso

O uso regular de quantidades elevadas de sal danifica os rins e causa diversos problemas de saúde.

Este órgão metaboliza até 95% do sódio consumido através dos alimentos.

No caso de quantidades excessivas de sal, os rins precisam trabalhar muito mais para eliminá-lo, diminuindo sua  função e aumentando a pressão sanguínea.

6. Dormir pouco

Muita gente ignora a importância do descanso.

No entanto, uma boa noite de sono de 7 a 8 horas é essencial para o corpo.

Os tecidos dos órgãos se renovam durante esse período. Se isso não acontece, muitas complicações surgem, principalmente nos rins.

Numerosos estudos têm mostrado que o sono inadequada leva a um aumento da obstrução das artérias (aterosclerose) e a pressão arterial alta, que elevada a probabilidade para o desenvolvimento de doenças renais.

7. Tomar frequentemente analgésicos

Muita gente usa analgésicos e medicamentos  para tratar a dor, reduzir a inflamação e curar vários problemas de saúde.

No entanto, essas drogas danificam os rins e outros órgãos do corpo.

Se você não sabe, os analgésicos podem reduzir o fluxo de sangue para os rins e obstruir a sua função.

Assim, o uso a longo prazo destas drogas pode causar doenças renais crônicas, como a insuficiência renal aguda.

8. Consumir muita cafeína

Excesso de cafeína aumenta a pressão sanguínea e a pressão sobre os rins, provocando problemas renais.

O consumo exagerado de cafeína está diretamente ligado a cálculos renais.

Ressalte-se, porém, que o consumo moderado de café ou chá (com cafeína) não é prejudicial.

Mas você deve evitar a ingestão de bebidas energéticas e refrigerantes com essa substância.

9. Abusar de bebidas alcoólicas

Estas bebidas levam toxinas para os rins e fígado, em excesso, causam danos renais.

Se você costuma beber  muito álcool, saiba que o ácido úrico é armazenado nos túbulos renais, conduzindo à obstrução tubular que eleva o risco de insuficiência renal.

Além disso, o álcool desidrata o corpo e, assim, prejudica a atividade normal dos rins.

10. Menosprezar o tratamento de infecções comuns

Danos nos rins também podem ser o resultado de  negligência.

Se você está com tosse, resfriados, gripe, amigdalite e faringite, então deve procurar se tratar.

O desleixo por uma infecção não tratada pode causar danos nos rins.

Então cuide do seu corpo: fortaleça a imunidade com antibióticos naturais e procure consultar-se com um bom médico.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

curapelanatureza

 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Seis hábitos que agravam a aparência das olheiras e que devem ser evitados

olheirasNão tem jeito: a região abaixo dos olhos denuncia mesmo alguns hábitos ruins, que levam ao escurecimento da área, ao aparecimento de inchaço e a uma aparência abatida. São as famosas olheiras, vilãs da vaidade feminina e que exigem maquiagem potente para serem camufladas. “As olheiras se caracterizam pela alteração da textura, volume e cor das pálpebras inferiores”, conta o dermatologista José Carlos Greco, de São Paulo.

O médico explica que fatores genéticos conferem maior depósito de melanina nesta parte do rosto, deixando-a mais escura. O acúmulo de líquidos provenientes de alterações na circulação local também tem sua parcela de contribuição e leva à formação de edema e inchaço. Soma-se a isso o fato de a textura da pele abaixo dos olhos se alterar pelo processo de envelhecimento natural. Em consequência disso, a pele perde colágeno [proteína que dá firmeza à pele] e torna-se mais flácida. Algumas práticas tornam esse quadro mais agravado, evidenciando o escurecimento e o volume das pálpebras inferiores. Veja, abaixo, algumas atitudes que contribuem para esse problema e repense a sua rotina:

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

1. Exposição ao sol
Os raios solares estimulam a pigmentação local. Por isso, use protetores solares específicos para a área dos olhos e óculos escuros para reforçar a barreira contra a pigmentação.

2. Alterações no ritmo do sono
Dormir demais ou de menos promove alterações circulatórias que aumentam o depósito de líquidos na região, deixando-a inchada e disforme. “O cansaço estimula a flacidez, acentuando o problema da bolsa de gordura. O estresse favorece a vasodilatação e a produção de melanina, acentuando a olheira”, explica a dermatologista Apolônia Sales. Fazer compressas geladas com chá de camomila pode aliviar a aparência de cansaço. Se o edema for intenso, utilize uma pedrinha de gelo envolto em um lenço e faça pressão suave e rápida para não queimar a região. O sono também deve ser regularizado. “Dormir menos de seis horas por dia pode dificultar a drenagem de líquidos locais, piorando o aspecto das olheiras”, afirma a dermatologista Leticia Castagna, da Clínica Les Peaux, no Rio de Janeiro.

3. Tabagismo
O hábito de fumar regularmente também provoca alterações vasculares, que levam à retenção de líquidos e, consequentemente, ao inchaço. Segundo a médica Apolônia Sales, as substâncias químicas do tabaco causam danos ao colágeno, à elastina [fibras de sustentação da pele] e aos vasos sanguíneos ao redor dos olhos. “O resultado são olheiras e bolsas nos olhos”. Não é novidade que o ideal é deixar de fumar seja pela saúde em geral ou pelas olheiras. A simples interrupção desse vício faz com que a região se recupere. “Estudos demonstram que poucos meses depois de deixar de fumar, o fluxo do sangue do corpo melhora e os danos nos vasos sanguíneos podem ser revertidos até certo ponto”, diz Apolônia.

4. Retirar a maquiagem com muito atrito
Calma e leveza podem preservar a pele da região inferior dos olhos na hora de remover a maquiagem. “Passar o lencinho ou o algodão com demaquilante várias vezes e de forma intensa causa microtrauma nos vasos da região, piorando o quadro”, descreve Leticia Castagna. De acordo com a médica, o ideal é usar um removedor bifásico ou óleo infantil, aplicando uma ou duas vezes na região com suavidade. O que sobrar de maquiagem sai facilmente lavando o rosto com água fria e o sabonete habitual, que deve sempre finalizar o processo.

5. Lavar o rosto com água quente
A água quente causa dilatação dos vasos sanguíneos por causa do aquecimento. “Com mais sangue na região, forma-se uma sombra subcutânea na pele fina das pálpebras, piorando as olheiras”, esclarece Apolônia Sales. Para contornar o problema, o truque é o mesmo utilizado contra as noites maldormidas. Compressas geladas, como a de chá de camomila, diminuem o diâmetro dos vasos. Isso faz com que menos sangue seja levado para a região das olheiras, clareando a área. Rolinhos gelados, feitos de gaze ou algodão, também diminuem o calibre dos vasos e ajudam a drenar a pele.

6. Uso de cosméticos que podem obstruir os poros
A maquiagem é campeã nesse quesito, porque cobre os poros e não deixa a pele respirar. Mas como é impossível deixar de usá-la, a saída é retirar muito bem os produtos aplicados. “Ao longo do tempo, a pele perde a viscosidade e torna-se mais oleosa, o que pode acelera o envelhecimento”, diz Apolonia Sales. Produtos muito densos, como pomadas, e maquiagens que camuflam as imperfeições da pele, como base e pó, também dificultam a respiração cutânea, podendo alterar a circulação e levar à retenção de líquidos no local. Demaquilantes à base de óleo retiram o make da área dos olhos com mais facilidade e eficiência, sem deixar resquícios. “O ideal é evitar produtos obstrutivos, principalmente à noite”, sugere José Carlos Greco.

 

 

Uol