Arquivo da tag: habitantes

Ricardo entrega restauração da rodovia PB-111 beneficiando 94 mil habitantes do Brejo paraibano

O governador Ricardo Coutinho entregou, nesta sexta-feira (17), a restauração da PB-111 no trecho Araruna/Cacimba de Dentro/Entroncamento PB-105, totalizando 37,3 km de extensão. A obra representa um investimento de R$ 6,5 milhões com recursos estaduais e vai beneficiar mais de 94 mil moradores das cidades de Araruna, Cacimba de Dentro, Solânea e Bananeiras. Esta é mais uma obra que faz parte de uma série de inaugurações programadas pelo Governo do Estado para os meses de fevereiro e março.

Para Ricardo, as estradas são fundamentais porque promovem a integração dos municípios, favorece o comércio e desenvolve a região. “Nenhuma outra gestão fez tanta estrada como esta. Nós já chegamos a de número 120. Isso significa vida, desenvolvimento e novas perspectivas para o povo. Trouxemos água e estrada para esta região, duas coisas que são fundamentais e que promovem o crescimento das cidades. Só na PB-111 investimos R$ 6,5 milhões”, comentou.

O governador ainda lembrou que, apesar do momento de crise pela qual passa o país, a Paraíba continua se desenvolvendo. “Se olharmos para o Brasil de hoje, vamos perceber que a realidade da Paraíba é diferente da maioria dos estados. Nós conseguimos manter o ritmo de inaugurações de obras como estradas, adutoras e escolas. É um grande desafio dar continuidade aos investimentos nesse período de crise, mas a Paraíba está seguindo em frente”, ressaltou.

A PB-111 passou por correção de defeitos, recapeamento da pista de rolamento e acostamentos em tratamento superficial duplo mais uma camada de micro revestimento produzido com asfalto de alta resistência à ação do tráfego e às intempéries, limpeza dos acostamentos e do sistema de drenagem e sinalização horizontal e vertical. Aproximadamente 655 veículos passam diariamente pelo local.

O superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Carlos Pereira, destacou a evolução da malha rodoviária paraibana nos últimos anos. “Essa é a 120ª estrada que fizemos na gestão. Estou muito feliz porque a Paraíba está quase toda interligada por asfalto com uma malha rodoviária de excelente qualidade. E em pouco tempo não restará mais nenhuma cidade em situação de isolamento asfáltico”, garantiu.

O prefeito de Araruna, Vital Costa, afirmou que é uma satisfação ver a estrada inaugurada. “Receber esse equipamento público pronto é motivo de grande alegria. A restauração da PB-111 vai trazer muitos benefícios para esta região. Agradeço ao governador pela obra e também pela adutora que traz água para o nosso povo”, disse.

O prefeito de Cacimba de Dentro, Valdinele Costa, conhecido como Nelinho, também comemorou a inauguração da restauração da estrada PB-111. “Estamos muito felizes e agradecidos. Este asfalto demorou a ser feito por causa de problemas com a primeira empresa contratada, mas o governador logo resolveu o problema e hoje podemos ver que o asfalto ficou da melhor qualidade. Agora os cidadãos podem ir e vir com segurança por esta estrada”, falou.

“É com grande alegria que recebemos esta obra. Ela é um motivo de orgulho para Araruna e região. Este governador mostra que olha por nossa cidade e trabalha para o bem do povo”, comentou a dona de casa, Socorro Santos.

Reginaldo José mora em Cacimba de Dentro e afirmou que a restauração da estrada era muito esperada. “Faz muito tempo que a gente espera esse asfalto ficar pronto. Pedimos muito e graças a Deus a obra foi feita pelo governador Ricardo Coutinho. Melhorou demais a nossa situação”, garantiu.

Secom-PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Brasil tem mais de 206 milhões de habitantes, segundo o IBGE

populaçãoO Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) publicou nesta terça-feira (30), no “Diário Oficial da União”, a estimativa da população brasileira, na qual aponta que o Brasil tem 206.081.432 habitantes. Em agosto de 2015, o mesmo levantamento estimou a população, à época, em 204.450.649.

O Estado de São Paulo é o mais populoso, com 44.749.699. O estado com a menor população é Roraima, que tem 514.229 habitantes.

Veja abaixo a população de cada estado e do Distrito Federal, segundo o IBGE:

Rondônia: 1.787.279
Acre: 816.687
Amazonas: 4.001.667
Roraima: 514.229
Pará: 8.272.724
Amapá: 782.295
Tocantins: 1.532.902
Maranhão: 6.954.036
Piauí: 3.212.180
Ceará: 8.963.663
Rio Grande do Norte: 3.474.998
Paraíba: 3.999.415
Pernambuco: 9.410.336
Alagoas: 3.358.963
Sergipe: 2.265.779
Bahia: 15.276.566
Minas Gerais: 20.997.560
Espírito Santo: 3.973.697
Rio de Janeiro: 16.635.996
São Paulo: 44.749.699
Paraná: 11.242.720
Santa Catarina: 6.910.553
Rio Grande do Sul: 11.286.500
Mato Grosso do Sul: 2.682.386
Mato Grosso: 3.305.531
Goiás: 6.695.855
Distrito Federal: 2.977.216

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Eleições: Paraíba tem 15 cidades com mais eleitores que habitantes

eleiçõesDados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indicam que 305 municípios têm mais eleitores que habitantes, se levada em conta estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) da população residente por município para 2011 – os dados são os mais atualizados do instituto e foram publicados no “Diário Oficial da União”.

Na Paraíba, em 15 cidades o eleitorado supera a população. A maior diferença é em Parari, na região do Cariri, que tem 1.242 habitantes e 1.868 votantes.

O percentual de municípios onde o total de eleitores é maior do que a população é de 5,5% dentre 5.564 cidades do país com ambos os números disponíveis – o IBGE possui dados de 5.568 municípios. O Brasil tem uma população estimada de 192.376.496 habitantes para 2011. O TSE contabilizou, em julho deste ano, 140.394.103 eleitores aptos a votar no país e outros 252.343 que votam no exterior – cerca de 70% da população brasileira.

De acordo com o TSE, nem sempre o domicílio eleitoral é o mesmo que o domicílio civil, e alguns municípios desenvolvem características específicas que levam a essa situação, o que, segundo o tribunal, não configura necessariamente fraude (leia mais abaixo a justificativa do TSE).

AS 20 CIDADES COM MAIOR DESPROPORÇÃO ENTRE ELEITORADO E POPULAÇÃO
Município População Eleitorado Relação eleitor/habitante
Oliveira de Fátima (TO) 1.043 1.986 1,90
Passagem (RN) 2.910 4.580 1,57
Águas de São Pedro (SP) 2.770 4.213 1,52
Chapada de Areia (TO) 1.340 2.025 1,51
Parari (PB) 1.242 1.868 1,50
Senador José Bento (MG) 1.829 2.525 1,38
Serra da Saudade (MG) 811 1.107 1,36
Guaramiranga (CE) 4.058 5.412 1,33
Borá (SP) 806 1.071 1,32
Senador Cortes (MG) 1.987 2.625 1,32
Córrego Novo (MG) 3.088 4.058 1,31
União Paulista (SP) 1.618 2.116 1,30
Avelinópolis (GO) 2.446 3.171 1,29
Lagoa de Velhos (RN) 2.669 3.426 1,28
Ermo (SC) 2.049 2.625 1,28
Brejo de Areia (MA) 5.264 6.700 1,27
Catolândia (BA) 2.631 3.337 1,26
Severiano Melo (RN) 5.801 7.347 1,26
Aroeiras do Itaim (PI) 2.441 3.081 1,26
Sem-Peixe (MG) 2.822 3.545 1,25
Fontes: IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica) e TSE (Tribunal Superior Eleitora

Oliveira de Fátima, no Tocantins, é a cidade com maior disparidade entre população e eleitorado. O município tem 1.986 eleitores contra 1.043 habitantes, quase o dobro do total de moradores.

O TRE de Tocantins diz que não é comum situação como a de Oliveira de Fátima, “mas que, devido ao conceito de domicílio eleitoral ser muito extenso, abarcando vínculos familiares, patrimonial, afetivo dentre outros, podem acontecer casos semelhantes”.

Em segundo lugar, está Passagem, no Rio Grande do Norte, com um total de 4.580 eleitores cadastrados junto à Justiça Eleitoral e uma população de 2.910 pessoas, segundo o IBGE.

A coordenação de Logística de Eleições do TRE do Rio Grande do Norte afirma que a situação da cidade de Passagem é normal, “pois, de acordo com a legislação, o domícilio eleitoral é permitido para quem tanto reside no município como também para quem tem vínculos trabalhistas, familiares, afetivos etc.”. “A pessoa pode transferir seu título se comprovar vínculos fortes com o município para o qual quer estabelecer como local de votação. Isso não configura fraude”, informou o tribunal.

São Paulo, maior cidade do país, conta com uma população estimada para 2011 de 11.316.149 de habitantes e 8.619.170 eleitores.

De acordo com os dados do IBGE e da Justiça Eleitoral, somente duas cidades têm o mesmo número de habitantes e de eleitores. Ambas ficam no Rio Grande do Sul – Nova Boa Vista, com 1.940 habitantes e eleitores, e São José do Inhacorá, com 2.184.

Nos estados
Por estado, Minas Gerais possui 74 cidades com mais eleitores do que habitantes, seguido de Goiás (43), Rio Grande do Sul (34), Rio Grande do Norte (31), Piauí (28), São Paulo (27), Santa Catarina (18) e Paraíba (15). Rio de Janeiro, Sergipe, Rondônia, Mato Grosso e Espírito Santo têm uma cidade cada nessa situação.

TSE justifica
Em nota, o TSE afirma que para votar em determinados municípios, vínculos como os profissionais são aceitos. “O cidadão não precisa ter residência no município onde pretenda fixar-se como eleitor, para isso bastando que comprove vínculos que abonem esse requisito (patrimonial, profissional, comunitário, entre outros).”

“Daí decorre que, em alguns casos, notadamente em municípios que apresentem características especiais geográficas, de desenvolvimento de atividade econômica ou produtiva, ou de atrativos de outra natureza, haja incremento no quantitativo de eleitores, superando a própria população residente”, informou o tribunal. “Não há proporção ideal ou legalmente definida.”

Ainda conforme o TSE, em razão disso, “a relação entre eleitorado e população não conduz, por si só, a indicativo de fraude no alistamento eleitorado” e a realização de revisão de eleitorado é de competência dos tribunais regionais eleitorais quando se tratar de suspeita de fraude.

Já as revisões que levam em conta os requisitos estatísticos, o TSE afirma que vem regulamentando essas revisões desde a implantação do Programa de Identificação Biométrica do Eleitorado. Diz ainda a nota que, salvo em situações excepcionais autorizadas pela Corte, estão vedadas revisões de eleitorado em anos eleitorais.

“Desde 2009, o tribunal vem admitindo tão somente a realização das revisões de eleitorado com identificação biométrica até o primeiro trimestre do ano eleitoral, de forma a assegurar a regularização de situação dos eleitores eventualmente cancelados nos procedimentos revisionais até o fechamento do cadastro imposto pelo art. 91 da Lei nº 9.504/97.”

MaisPB com G1

Ricardo Coutinho entrega rodovia e beneficia mais de 49 mil habitantes do Brejo paraibano

estradaO governador Ricardo Coutinho entregou, nesta quinta-feira (28), a restauração da PB-073, numa extensão de 32,5 quilômetros, que vai beneficiar, diretamente, 49.807 habitantes das cidades de Belém, Tacima, Araruna e Riachão. Na obra foram investidos R$ 9,3 milhões com recursos do Tesouro Estadual. Aproximadamente 1.700 veículos, entre automóveis, camionetas, ônibus e caminhões trafegam diariamente pela rodovia, que ganhou recapeamento proporcionando mais conforto e segurança aos motoristas.

Durante a solenidade, Ricardo destacou o esforço feito pelo Governo para garantir a continuidade das obras. “Estamos fazendo o máximo para dar seguimento aos investimentos e continuar avançando. Uma estrada é o instrumento de desenvolvimento para a cidade. É um prazer voltar à Belém para mais esta inauguração que traz crescimento para a região. Estamos trabalhando para que o Brejo e todo o Estado sigam se desenvolvendo. Essa estrada estava destruída e tivemos o cuidado de fazer toda a restauração visando o benefício da população”, disse o governador.

A PB-073 recebeu a correção de defeitos em segmentos localizados, recapeamento da pista de rolamento com tratamento superficial duplo mais uma camada de micro revestimento que totalizam uma espessura de 4,0 cm, recuperação e limpeza dos acostamentos e do sistema de drenagem e sinalização horizontal e vertical. O prefeito de Belém, Edgard Gama, comemorou a conclusão desta obra que beneficia os moradores da região. “É uma imensa alegria receber esta estrada novinha. Ela vai trazer muitos benefícios para os cidadãos de Belém e cidades vizinhas. Era uma necessidade evidente para o povo. Esse é o caminho que o Governo deve trilhar, sempre fazendo obras em toda a Paraíba” falou.

“Essa estrada que liga Belém até a divisa com o Rio Grande do Norte está totalmente restaurada, permitindo que os motoristas transitem de forma segura. O Governo continua trabalhando para dar melhores condições de vida para os moradores. Por onde formos, seja em que região for, vamos encontrar estradas em boas condições”, enfatizou o superintendente do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Carlos Pereira.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A dona de casa, Maria da Conceição, mora em Belém e ficou satisfeita com a conclusão da obra. “É muito bom ver essa estrada concluída. Antes era cheia de buracos e ficava difícil para irmos resolver nossos problemas em outras localidades, principalmente quando chovia. Agora, com o trabalho do Governo, conseguimos ver a estrada inteira, boa pra qualquer tipo de veículo passar”, frisou.

Secom

Paraíba registra 36 homicídios para cada 100 mil habitantes, segundo Ministério da Justiça

homicidiosEstados do Norte e do Nordeste concentraram mais de 50% dos homicídios dolosos ocorridos no Brasil em 2014, segundo pesquisa divulgada pelo Ministério da Justiça nesta quinta-feira (15). Juntas, as regiões tiveram 24.328 das 46.881 mortes (51,9%). No Sudeste, Centro-Oeste e Sul, o número de assassinatos foi de 22.553. Na Paraíba, foram registrados 1418 homicídios em 2014, o que registra o índice de 36 mortes a cada 100 mil habitantes.

O levantamento faz parte do Diagnóstico dos Homicídios no Brasil, elaborado pelo Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp) do Ministério da Justiça. Esta é a primeira edição da pesquisa.

O documento foi elaborado em parceria com estados e municípios para ser usado como ferramenta para desvendar os motivos que levam aos homicídios e para elaborar políticas públicas de combate à violência.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

De acordo com a pesquisa, o Nordeste é também a região com a maior taxa de mortes no país por grupo de 100 mil habitantes, com índice de 33,76. O índice é mais do que o dobro da região Sul: 14,36. A região Norte fica em segundo lugar, com 31,09 homicídios por gerupo de 100 mil habitante, seguida do Centro-Oeste, com 26,26, e Sudeste, com 16,91.

Segundo o levantamento, países com históricos de guerra civil, como o Congo, e com altas taxas de homicídio associadas ao narcotráfico, como a Colômbia, possuem índices menores que o do Nordeste brasileiro. No país africano, a taxa é de 30,8 assassinatos para cada 100 mil habitantes; no sul-americano, 33,4.

Ranking

A Bahia teve 5.450 mortes em 2014 e ocupa o primeiro lugar em números absolutos de homicídios no país. O Rio de Janeiro ocupa o segundo lugar, com 4.610 casos; em seguida aparecem São Paulo, com 4.294 mortes; Ceará, com 4.144; e Minas Gerais, com 3.958 homicídios.

Em números proporcionais à população, o estado com a maior taxa de assassinatos é o Ceará, com indice de 46,9 mortes por grupo de 100 mil habitantes. Sergipe vem a seguir, com 999 homicídios – taxa de 45. O Pará teve 3.232 homicídios e índice de 40. São Paulo tem um dos índices mais baixos, proporcionalmente: 9,8. O índice do Rio de Janeiro é 28.

No Nordeste, há estados com índices considerados baixos, mas que possuem municípios com altas taxas de homicídios, comparadas às maiores do mundo, segundo o estudo. Um exemplo é o Piauí, com um dos índices mais baixos da região – 20,6. Mas a capital, Teresina, tem taxa de 48,2 mortes por grupo de 100 mil habitantes.

No Maranhão, que tem o segundo menor índice da região (19,7) – o município de São José de Ribamar tem 70,2 mortes por 100 mil habitantes. Municípios na Bahia também apresentam situações graves, como Porto Seguro e Simões Filho, com índices de 86,5 e 84,3, respectivamente.

Grupos vulneráveis

Dados do Censo de 2010 do IBGE apontam que a somatória de pretos e pardos representa 50,7% da população brasileira. Em 2013, esse grupo representou 72% das vítimas de homicídio no país. Entre brancos e amarelos, o índice foi de 26%.

De acordo com o levantamento, a taxa de jovens negros vitimados é de 79,4 por cada 100 mil habitantes. Nas regiões Nordeste e Norte, os negros representaram 83,3% das vitimas com idade entre 15 e 29 anos em 2013.

Embora o estudo não traga informações sobre o número total de homicídios por gênero, a conclusão diz que a taxa de morte violenta entre mulheres é relativamente pequena quando comparada à dos homens, mas tem número absoluto “considerável” na comparação com outros países.

Mulheres negras são as maiores vítimas de homicídios: a taxa é de 7,2 para cada 100 mil habitantes – mais do que o dobro do índice de mulheres brancas (3,2). O diagnóstico aponta que as mulheres são vítimas, em maior parte, de parceiros íntimos e de conflitos familiares.

No Nordeste, os municípios com taxas mais altas de mortes de mulheres são Lauro de Freitas (14,76 mortes por grupo de 100 mil habitantes) e Simões Filho (17,81). As maiores taxas estão em Anápolis (9,13) e Luziânia (10), em Goiás, Rondonópolis (11,92), no Mato Grosso, e Serra (15,84), no Espírito Santo.

As taxas de homicídios de idosos e crianças por 100 mil habitantes também foram destacadas na pesquisa. Cabo Frio, Vila Velha, Cariacica e Serra apresentaram altas taxas em todos os casos.

As taxas de homicídios de crianças se apresentaram elevadas em vários municípios – Fortaleza (8.86), Cabo Frio (8,60), Juazeiro do Norte (7.31). No Centro-Oeste, Goiânia lidera, com 3,61, seguida de Distrito Federal (3,03) e Anápolis (2,50).

Os índices de homicídio de idosos mais altos estão em Juazeiro do Norte (18,52), Maceió (18.56), Mossoró (28,13). A mais alta é em Luziânia, com 68,94.

Agressões por policiais

O Diagnóstico dos Homicídios no Brasil usa também dados da Pesquisa Nacional de Vitimização publicada em 2013.

O levantamento aponta o índice de agressões e extorsões sofridas pela população por policiais. Os dados indicam as regiões com altas taxas de conflito entre policiais e a população.

Os piores percentuais, entre os entrevistados que declararam terem sofrido agressão ou extorsão por policiais militares ou civis alguma vez na vida, foram identificados no Pará – 14,7% do total. No Amazonas e no Amapá a taxa foi de 13,8% e 13,4%, respectivamente. O Rio de Janeiro apresentou índice de 13,1%. As menores taxas foram no Rio Grande do Sul, com 3,9%, e em Tocantins, 3,5%.

De acordo com o estudo, as unidades da federação que apresentam percentuais iguais ou maiores que 10% “devem estar atentas ao monitoramenteo de seus profissionais, bem como de suas políticas de pessoal, seja por meio de capacitações, de melhoria das condições de trabalho, de respeito aos direitos humanos, profissionais e trabalhistas de seu quadro, seja por meio das políticas de correição”.

Estudo

O diagnóstico apresenta indicadores que buscam levantar quais os fatores de risco que levam ao cometimento de crimes, como a presença de gangues e drogas, violência patrimonial, violência interpessoal, violência doméstica, presença do Estado e conflitos da polícia com a população.

O levantamento também apresenta dados sobre problemas como taxas de evasão escolar, morte por abuso de drogas ilícitas, consumo de álcool e violência doméstica. A pesquisa deverá ser usada para orientar na elaboração de políticas públicas de prevenção à violência.

WSCOM Online com G1

Ricardo inaugura rodovia Tacima-Araruna e beneficia 30 mil habitantes

rodovia-pb057Mais uma obra do Programa Caminhos da Paraíba será inaugurada pelo  governador Ricardo Coutinho nesta sexta-feira (28), às 10h30. Trata-se da restauração da PB-111, trecho Tacima/Araruna, com 14 km de extensão, contemplando uma população de aproximadamente 30 mil habitantes. Na obra, o Estado investiu R$ 1,8 milhão, com recursos próprios.

A restauração beneficia diretamente os municípios de Tacina e Araruna, no Brejo paraibano. Pela rodovia trafegam, diariamente, 654 veículos entre automóveis, camionetas, ônibus, caminhões e motos.

O Diretor de Operações e Transportes do Departamento de Estradas de Rodagem da Paraíba, eng. Hélio Cunha Lima, ao destacar o Programa Caminhos da Paraíba, que contempla uma ampla malha rodoviária, do litoral ao sertão, afirma que a restauração da rodovia Tacima-Araruna foi uma reivindicação da população dos dois municípios, proporcionando a modernização e ampliação da infraestrutura rodoviária, melhoria das condições de tráfego, redução dos acidentes de trânsito e melhor qualidade de vida da população.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Foram executados serviços de correção de defeitos recapeamento da pista de rolamento com micro revestimento produzido com asfalto de alta resistência à ação do tráfego e às intempéries, limpeza dos acostamentos e do sistema de drenagem e sinalização horizontal e vertical.

Secom-PB

Paraíba tem apenas um policial para 423 habitantes

Divulgação/José Marques
Divulgação/José Marques

O déficit de policiais militares e civis na Paraíba sempre foi questionado por algumas autoridades que liberavam números contraditórios. Mas agora existem dados que comprovam a existência de um baixo contingente para fazer a segurança dos cidadãos paraibanos. De acordo com as pesquisas de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e Municipais (Munic), divulgadas nesta quarta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), o Estado tem apenas um policial militar para 423 habitantes.

Isso faz com que a proporção paraibana fique abaixo da nordestina – que é de um PM para 510 pessoas – e do Brasil –  um policial para 473. E, no Nordeste, o Estado fica atrás apenas do Rio Grande do Norte, onde o levantamento identificou a existência de um PM para 378 moradores.

Ao todo, conforme a pesquisa, o efetivo da Polícia Militar da Paraíba conta com 9.263 policiais, sendo 8.563 homens e 700 mulheres. A Polícia Militar atua como polícia ostensiva e na preservação da ordem pública e constitui, ao lado do Corpo de Bombeiros Militar, força auxiliar e reserva do Exército.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Mesmo com um contingente abaixo das médias regional e nacional, a Paraíba respondeu ao IBGE, durante a pesquisa, que não há no Estado um plano de distribuição regional do efetivo ativo da Polícia Militar. Além da Paraíba, disseram não possuir esse plano os Estados do Rio Grande do Norte e Mato Grosso.

Polícia Civil

Com relação a Polícia Civil a situação é ainda mais grave. Segundo o IBGE, a Paraíba tem apenas um policial para 2.172 habitantes. A média do Nordeste é de um policial civil para 2.228 pessoas e a do Brasil é de um para 1.709 moradores.

A Polícia Civil exerce a função de polícia judiciária, sendo, portanto, responsável pela apuração das infrações penais no âmbito dos estados.

 

correiodaparaiba

País tem um policial militar para cada 473 habitantes, aponta IBGE

policial1

Em 2013, o Brasil tinha 425.248 policiais militares, o equivalente a um policial para cada 473 habitantes, segundo dados do estudo Perfil dos Estados e dos Municípios Brasileiros 2014, divulgado hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O total de policiais civis era 117.642. Entre as unidades da Federação, a maior proporção de policial militar por habitante era no Distrito Federal (um para cada 194) e a menor, no Maranhão, um para cada 881.

Menos de 10% do efetivo da Polícia Militar eram mulheres no país. Na Polícia Civil, o percentual era de pouco mais de 26%.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Conforme o estudo, em 2006, 14,1% dos municípios tinham Guarda Municipal. Em 2012, o percentual passou para 17,8%, e em 2014, para 19,4%. De acordo com a gerente da pesquisa, Vânia Pacheco, um dos requisitos para o município acessar o Fundo Nacional de Segurança Pública é ter uma Guarda Municipal, o que pode ter contribuído para o aumento desse efetivo nos últimos anos. “Os municípios vêm se aparelhando para ter essas guardas municipais para ter acesso a esses incentivos federais. E desses, em 19%, em 169 municípios, a Guarda Municipal utilizava arma de fogo”.

O estudo apontou que  90,3% dos municípios (5.030) oferecem testes de HIV e sífilis para gestantes, 81,3%  pormovem ações para a saúde sexual e reprodutiva das mulheres e 54,1% oferecem a Caderneta de Saúde do Adolescente.

Em 2014, 70,6 mil pessoas trabalhavam nas equipes de Saúde da Família. Em 102 municípios, não havia médicos nessas equipes e 125 cidades declararam não ter Equipe de Saúde da Família.

Outo dado mostra que todos os estabelecimentos de saúde estaduais, responsáveis por fazer partos, tinham interligação com um cartório ou posto de cartório nas unidades. Entre os estabelecimentos municipais públicos ou conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS), 46,8% tinham interligação com cartórios e 13,6%, cartório no local. A medida é importante para facilitar o registro de nascimento da criança e evitar a subnotificação civil.

Em relação ao atendimento de emergência, 87,1% dos municípios ofertam o serviço. Porém, 93,4% não têm hospital público ou conveniado com leitos de UTI neonatal.

Segurança alimentar

Em 2014, todos os estados desenvolviam atividades para o acesso ao trabalho formal e à sustentabilidade. Entre os municípios, 98,7% tinham pelo menos uma ação de inclusão produtiva. Ao todo, 26 governos estaduais promovem ações de assistência técnica e extensão rural, sobretudo, para agricultores familiares, pescadores artesanais e aquicultores. A exceção foi o Rio de Janeiro, que não especificou o público-alvo.

Quase 91% das prefeituras implementaram alguma ação de inclusão produtiva urbana. As mais citadas foram qualificação (75,4%) e capacitação profissional (86,4%), padrão semelhante ao dos estados.

Os inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais, os beneficiários do Programa Bolsa Família e desempregados foram o principal público-alvo das ações das administrações estaduais e municipais relativas à inclusão produtiva urbana.

Agência Brasil

Brasil tem 202 milhões de habitantes, segundo dados do IBGE

PopulaçãoO Brasil tem, atualmente, uma população de mais de 202 milhões de habitantes, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado foi divulgado nesta terça-feira (30) no Diário Oficial da União. Em números absolutos, são 202.768.562 de pessoas, cerca de 12 milhões a mais do que o registrado pelo instituto no censo de 2010, representando um acréscimo de 5,9%.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A Região Sudeste é a mais populosa, com 85,1 milhões de habitantes. A região menos populosa é a Centro-Oeste, com 15,2 milhões de pessoas. A Região Norte tem 17,3 milhões de pessoas, enquanto o Nordeste tem 56,1 milhões. Já a Região Sul conta com 29 milhões de habitantes.

São Paulo é o estado mais populoso entre os 26 da federação e o Distrito Federal, com 44 milhões de habitantes. Roraima é o menos populoso, com 496,9 mil habitantes. Apesar de ter o menor território entre as unidades da federação, com 5,7 mil km², o Distrito Federal contabiliza 2,8 milhões de habitantes.

As estimativas do IBGE são usadas para cálculos de indicadores econômicos como censos e também servem como parâmetro para a distribuição do Fundo de Participação dos Estados. O fundo é um repasse feito pela União de parte do dinheiro arrecadado com o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e o Imposto de Renda.

Agência Brasil

Criação de novos municípios avança no Senado; no Nordeste, a exigência mínima é de 12 mil habitantes

valdir-rauppO Senado aprovou ontem projeto que abre caminho para a criação de mais de 200 novos municípios do país. No projeto original, podia-se chegar a até 269 novas cidades.

 

O projeto prevê uma “regra de transição” para que, a partir do 13º ano, os novos municípios tenham 10 anos para começarem a receber gradativamente a nova cota do FPM. O texto segue para votação na Câmara dos Deputados.

O projeto determina que os municípios sejam criados preferencialmente nas regiões Norte e Nordeste – que têm menor densidade demográfica.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O texto aumenta o tamanho da popula

ção mínima do município para que ele seja criado, desmembrado ou incorporado. Será de 20 mil habitantes nas regiões Sudeste e Sul e de seis mil no Norte e Centro-Oeste. No Nordeste, a exigência mínima é de 12 mil habitantes.

Pela nova proposta, a formação de novas cidades só será permitida após a realização de estudo de viabilidade municipal e de consulta prévia, mediante plebiscito, às populações envolvidas.

O texto reduz de 10% para 3% da população dos municípios o número de assinaturas necessárias ao requerimento para dar início ao processo de fusão ou incorporação. Ele também deve ter arrecadação própria superior à média de 10% dos municípios do Estado.

“Não se abre a porteira para a criação de municípios, como era no passado”, afirmou o relator do projeto, senador Valdir Raupp (PMDB-RO). Autor da proposta, o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) disse que as novas cidades vão demorar pelo menos dois anos para serem criadas após as regras aprovadas pelo Senado.

O projeto foi apresentado depois que a presidente Dilma Rousseff vetou outra proposta que tratava da criação, fusão e incorporação de novos municípios. O Congresso aprovou o projeto vetado integralmente pela presidente no ano passado.

A justificativa do Palácio do Planalto, na época, foram os impactos fiscais da criação dos novos municípios, estimados em R$ 9 bilhões.

Folhapress