Arquivo da tag: gripe

Brasil totaliza 339 mortes por gripe até junho deste ano

O Ministério da Saúde divulgou o número de mortes causadas pelo vírus da gripe no Brasil em 2019 que totalizou 339 até o dia 28 de junho. As análises das últimas semanas mostraram que a circulação do vírus influenza nas seguintes regiões: Paraná, Amazonas e São Paulo.

De acordo com o boletim epidemiológico da Semana 23 de junho, foram registradas mortes devido a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) – causada pelo vírus influenza.

Os casos de influenza chegaram a 1.576 registros, que são considerados os casos mais graves e, por isso, passam por análise laboratorial para identificar o subtipo do vírus.

O ministério informou que o estado do Paraná tem o maior número de mortes do ano, sendo 52 óbitos até o dia 28 de junho. Logo atrás vem o estado do Rio de Janeiro com 41 mortes por gripe. E a terceira posição fica com o Amazonas que registrou 35 mortes e São Paulo com 34.

O que é a vacina da gripe?

A vacina da gripe está disponível na rede pública para gestantes, pessoas com 60 anos ou mais, profissionais de saúde, mulheres que tiveram filhos a menos de 45 dias, crianças de 6 meses a 4 anos de idade, pessoas com doenças crônicas e indígenas. As vacinas são trivalentes, ou seja, imunizam contra três tipos de vírus diferentes. A composição da vacina é recomendada anualmente pela OMS, com base nas informações recebidas de todo o mundo sobre a prevalência das cepas circulantes. Dessa forma, a cada ano a vacina da gripe muda, para proteger contra os tipos mais comuns de vírus da gripe naquela época.

Existem três tipos de vacinas contra influenza:

  • vacinas de vírus fracionados
  • vacinas de subunidades
  • vacinas de vírus inteiros.

 

 

 Minha Vida

 

 

Saúde 74% das mortes por gripe em 2019 foram causadas pelo H1N1

As mortes por gripe no Brasil já somam 199 casos em 2019, de acordo com balanço do Ministério da Saúde até 3 de junho. A maior parte delas (74,4%) foi provocada pelo vírus H1N1.

O número total de mortes é menor do que no mesmo momento do ano passado. Neste mesmo período, a gripe matou 335 pessoas. No entanto, o número de casos de H1N1 aumentou. Em 2018, este vírus estava relacionado com 65% das mortes até a Semana Epidemiológica 21. Neste ano, o aumento foi de quase 10 pontos percentuais.

A campanha nacional de vacinação contra a gripe terminou no fim de maio, com a imunização de 80% do público-alvo, abaixo da meta de 90% de cobertura. Com isso, as doses remanescentes foram disponibilizadas para toda a população.

Algumas cidades e estados, no entanto, podem manter a imunização restrita aos grupos prioritários (idosos, crianças, gestantes, mulheres que deram à luz há pouco tempo, índios, portadores de doenças crônicas, profissionais da saúde, pessoas privadas de liberdade e alguns servidores públicos).

Confira:

  • Rio de Janeiro mantém a vacinação exclusiva para o grupo prioritário até 15 de junho.
  • Tocantins vai manter a vacina para o grupo prioritário e a liberação para o público-geral será determinada por cada prefeitura.
  • Ceará restringe a vacinação ao público-alvo até 14 de junho.
  • Recife mantém a campanha para o público-alvo por tempo indeterminado.

A vacina não é capaz de causar a gripe em quem recebe. Ela permite que o paciente fique imune aos tipos de vírus mais comuns em circulação sem ficar doente.

A vacina produzida para 2019 protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no último ano no Hemisfério Sul, de acordo com determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS): H1N1, H3N2 e linhagem B/Victoria/2/87.

G1

 

 

Paraíba atinge meta de 90% da cobertura vacinal contra gripe

A Paraíba já vacinou 1.067.914 pessoas contra gripe em todo Estado, o que corresponde a 90,04% de cobertura vacinal, segundo dados divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Núcleo de Imunização. Com isso, a Paraíba está entre os cinco Estados do Nordeste que conseguiram alcançar a meta da campanha contra influenza (gripe).

Dos 223 municípios paraibanos, 180 atingiram a meta e 43 ainda não alcançaram a cobertura no grupo prioritário – gestantes; puérperas; crianças de seis meses a menores de seis anos; idosos; indígenas; trabalhadores de saúde; pessoas com comorbidades (doenças crônicas e em situações clínicas especiais); funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade; jovens e adolescentes de 12 a 21 anos, sob medida sócio-educativa; professores das redes pública e privada; policiais civis, militares, Bombeiros e Forças Armadas.

“Aqueles municípios que já atingiram a meta devem ofertar a vacina para a população em geral, a depender do estoque existente”, disse a técnica do Núcleo de Imunização, da SES, Márcia Mayara. Ela lembra que não haverá envio de novas doses dessa vacina por parte do Ministério da Saúde. “Dessa forma, a ampliação deverá ocorrer somente naquelas localidades em que houver estoque da vacina influenza. Caberá aos gestores informarem a sua respectiva população se terá disponibilidade de doses e expansão da vacinação”, alertou.

Quem ainda não conseguiu alcançar a meta, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), recomenda aos municípios que continuem priorizando o grupo alvo.

A gripe (Influenza) é uma infecção aguda do sistema respiratório, provocado pelo vírus da influenza A, B, C e D, com grande potencial de transmissão. A vacina é feita com o vírus morto e fragmentado. Portanto, ela é considerada 100% segura e incapaz de provocar a doença nas pessoas que são vacinadas. A imunização protege contra três tipos (ou cepas) do vírus: H1N1, H3N2 e influenza B.

PB Agora

 

 

Vacinação contra a gripe no SUS é aberta para toda a população

Após 50 dias de campanha direcionada para o grupo prioritário, o Ministério da Saúde abre nesta segunda-feira (3) a vacinação contra a gripe para toda a população. Até a última sexta-feira (31), 20% do público-alvo ainda não estava imunizado – faltam 11,9 milhões de pessoas para atingir a meta de 90% de cobertura.

A medida, segundo o ministério, busca evitar o desperdício das doses – a campanha segue até que elas acabem. Mesmo assim, o grupo prioritário continuará tendo prioridade para a aplicação em todas as unidades de saúde. Os principais alvos são gestantes, mulheres que deram à luz há menos de 45 dias, crianças menores de seis anos, idosos, pessoas com doenças crônicas, trabalhadores da área de saúde, professores e povos indígenas.

Seis estados atingiram a meta: Amazonas (98,5%), Amapá (98,5%), Pernambuco (93,6%), Espírito Santo (91,3%), Rondônia (90,4%) e Maranhão (90%). Os estados com menor adesão são Rio de Janeiro (63,7%), Acre (73%) e São Paulo (73,1%).

A escolha do grupo prioritário é determinada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A imunização é a forma mais eficaz de evitar a infecção. A vacina protege contra os três subtipos do vírus que mais circulam no Hemisfério Sul, incluindo o H1N1, principal responsável pelas mortes no Brasil.

Até o último dia 11 de maio, o país teve 807 casos da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por influenza, com 144 mortes no total – 89 óbitos e 407 registros de infecções causadas pelo vírus influeza A (H1N1).

G1

 

 

Mais de 100 cidades da PB ainda não atingiram meta de vacinação contra gripe

Ao todo, 101 cidades da Paraíba não atingiram a metade de vacinação contra a gripe desde que a campanha começou, dia 10 de abril. A ação termina nesta sexta-feira (31) e, até agora, a Paraíba registrou 84,21% da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, que é de 90%.

A partir de segunda-feira (3), toda a população poderá se vacinar, caso os municípios tenham doses da vacina sobrando, após ter conseguido alcançar a meta dos grupos prioritários. Dos 223 municípios paraibanos, 122 atingiram a meta

Quem ainda não tiver conseguido alcançar a meta, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), recomenda aos municípios que continuem vacinando as pessoas dos grupos prioritários. Na Paraíba, até agora, foram vacinadas cerca de um milhão de pessoas.

Além disso, a secretaria informou que não há previsão de receber mais doses do Ministério da Saúde.

A imunização, feita com o vírus atenuado e fragmentado, protege contra três tipos do influenza: H1N1, H3N2 e B. A campanha é voltada para os grupos prioritários, uma vez que, conforme a Secretaria, as pessoas que se encaixam nessas categorias estão mais propensas a desenvolver complicações ou quadros graves, devido à doença.

Grupos de risco

  • pessoas com 60 anos ou mais de idade
  • crianças na faixa etária de 6 meses até 5 anos, 11 meses e 29 dias
  • gestantes
  • puérperas (até 45 dias após o parto)
  • trabalhadores da saúde
  • professores das escolas públicas e privadas
  • povos indígenas
  • grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais
  • adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas
  • população privada de liberdade
  • funcionários do sistema prisional e profissionais das forças de segurança e salvamento (policiais, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas)

G1

 

Paraíba imuniza 83% do público-alvo da campanha de vacinação contra gripe, diz Saúde

Cerca de 83,1% do público-alvo da campanha de imunização contra a gripe já recebeu a dose da vacina na Paraíba, de acordo com dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), contabilizados até as 16h20 desta quarta-feira (29). A meta da ação, que começou no dia 10 de abril e deve seguir até a sexta-feira (31), é atingir 90% de cobertura em cada estado.

Esse percentual indica que, em todo o estado, 986.502 doses foram aplicadas. Segundo a SES, a vacina está disponível em todos os 223 municípios paraibanos e, até a terça-feira (28), 47 cidades já haviam atingido a meta.

A imunização, feita com o vírus atenuado e fragmentado, protege contra três tipos do influenza: H1N1, H3N2 e B. A campanha é voltada para os grupos prioritários, uma vez que, conforme a Secretaria, as pessoas que se encaixam nessas categorias estão mais propensas a desenvolver complicações ou quadros graves, devido à doença.

Grupos de risco

  • pessoas com 60 anos ou mais de idade
  • crianças na faixa etária de 6 meses até 5 anos, 11 meses e 29 dias
  • gestantes
  • puérperas (até 45 dias após o parto)
  • trabalhadores da saúde
  • professores das escolas públicas e privadas
  • povos indígenas
  • grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais
  • adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas
  • população privada de liberdade
  • funcionários do sistema prisional e profissionais das forças de segurança e salvamento (policiais, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas)

Outras formas de prevenção devem ser adotadas, como informado pela gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares. Entre essas medidas estão higienizar as mãos com água e sabão ou com álcool gel; evitar tocar os olhos nariz ou boca após manter contato com superfícies que podem estar contaminados; e manter hábitos de alimentação saudáveis.

João Pessoa

A capital paraibana tem uma cobertura vacinal de 72% dos grupos prioritários, o que representa 151 mil doses aplicadas, conforme informado pela Secretaria Municipal de Saúde na manhã desta quarta-feira (29). Em João Pessoa, a meta é vacinar 190 mil pessoas.

G1

 

Vacinação contra a gripe na Paraíba já atingiu 79,5% do grupo-alvo

A poucos dias do encerramento da campanha nacional de vacinação contra a gripe, 79,56% do público-alvo já foram aos postos de saúde se imunizar, na Paraíba. No Brasil, o patamar de vacinação está em 71,6% do público-alvo. A campanha termina na sexta-feira (31).

Entre os grupos prioritários estão bebês, mulheres grávidas, idosos e profissionais das forças de segurança.

A meta é vacinar 90% do público-alvo, formado por 1.185.997 pessoas na Paraíba. Um total de 943.573 já se imunizaram, segundo dados atualizados até esta segunda-feira (27). Portanto, de acordo com o Ministério da Saúde, mais de 242 mil pessoas na Paraíba ainda precisam procurar a unidade de saúde mais próxima para se protegerem.

No País, a meta é vacinar 59,4 milhões de pessoas, o que significa que 16,8 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar.

Tabela de cobertura vacinal por UF – Dados até 27 de maio

Balanço 

Entre a população prioritária, os funcionários do sistema prisional registraram a maior cobertura vacinal, com 101,6 mil doses aplicadas, o que representa 89,7% deste público, seguido pelas puérperas (88,6%), indígenas (82,0%), idosos (80,6%) e professores (78,1%).

Os grupos que menos se vacinaram foram os profissionais das forças de segurança e salvamento (30%), população privada de liberdade (47,2%), pessoas com comorbidades (63,4%), trabalhadores de saúde (69,9%), gestantes (68,8%) e crianças (67,6%).

Também estão entre os estados com maior cobertura, até o momento, Amazonas (93,6%), Amapá (85,5%), Espírito Santo (75,3%), Alagoas (73,4%), Rondônia (72,6%) e Pernambuco (72,2%).

Os com menor cobertura são Rio de Janeiro (45,8%), Acre (49,7%), São Paulo (57,0%), Roraima (57,4%) e Pará (59,2%).

Quem deve se vacinar    

Devem receber a dose de vacina crianças com idade entre 6 meses e menores de 6 anos; grávidas em qualquer período gestacional; puérperas (até 45 dias após o parto); trabalhadores da saúde; povos indígenas; idosos; professores de escolas públicas e privadas; pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

Profissionais das forças de segurança e salvamento também passaram a fazer parte do público-alvo da campanha neste ano. O grupo inclui policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das Forças Armadas, totalizando cerca de 900 mil pessoas.

 

clickpb

 

 

Paraíba atinge 43% de cobertura vacinal contra gripe e SES alerta população

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) emite alerta e chama a atenção da população para a Campanha de Vacinação Contra Influenza, que vai até o dia 31 de maio, especialmente após o segundo óbito por Influenza A (H1N1) na Paraíba.  A cobertura vacinal atual no Estado é de 43,73%.

A gripe (Influenza) é uma infecção aguda do sistema respiratório, provocado pelo vírus da influenza A, B, C e D, com grande potencial de transmissão. A vacina é feita com o vírus morto e fragmentado. Portanto, ela é considerada 100% segura e incapaz de provocar a doença nas pessoas que são vacinadas. A imunização protege contra três tipos (ou cepas) do vírus: H1N1, H3N2 e influenza B.

“Pessoas de todas as idades podem ser acometidas por influenza. Mas algumas são mais propensas a desenvolver complicações ou quadros graves. O vírus sincicial respiratório é um dos principais causadores de doenças respiratórias em bebês e crianças pequenas. Nós precisamos entender que a vacina é um direito das crianças e um dever dos seus responsáveis. Não podemos deixar de perguntar se uma criança está com o Calendário de Vacinação em dia. A vacina contra a gripe é segura e evita casos graves e mortes pela doença”, explica a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares.

Para além da vacina, Talita afirma que outras medidas preventivas podem ser adotadas como a higienização das mãos com água e sabão ou com álcool gel, principalmente depois de tossir ou espirrar ou depois de usar o banheiro; antes das refeições; antes e depois de tocar os olhos, a boca e o nariz; evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies potencialmente contaminadas (corrimão, bancos, maçanetas), além de manter hábitos de alimentação saudáveis, com ingestão de líquidos e realização de atividades físicas.

A gerente executiva alerta que indivíduos com sintomas de gripe devem evitar contato com outras pessoas. Em caso de suspeita, o paciente deve procurar atendimento médico o mais rápido possível.

Este ano, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe teve início no dia dez de abril. Os grupos prioritários a serem vacinados são: indivíduos com 60 anos ou mais de idade, crianças na faixa etária de seis meses e menores de seis anos de idade (cinco anos, 11 meses e 29 dias), as gestantes, as puérperas (até 45 dias após o parto), os trabalhadores de saúde, os povos indígenas, os grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, os adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, a população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, professores de escolas públicas e privadas e policiais civis, militares, bombeiros e membros ativos das forças armadas

 

Secom/PB

 

 

Nova etapa da Campanha contra a Gripe começa nesta segunda

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe entra em uma nova etapa na próxima segunda-feira (22) em todo o país. A primeira fase, que teve início em 10 de abril, vacinou crianças, gestantes e puérperas. A partir da próxima segunda, o Ministério da Saúde abrirá ao restante do público-alvo.

Dessa forma, poderão receber a vacina trabalhadores da saúde, indígenas, idosos, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

De acordo com o ministério, 41,8 mil postos de vacinação estão à disposição da população. Além disso, 196,5 mil profissionais estão envolvidos, bem como a utilização de 21,5 mil veículos terrestres, marítimos e fluviais.

A doença

A influenza é uma doença sazonal, mais comum no inverno, que causa epidemias anuais, sendo que há anos com maior ou menor intensidade de circulação desse tipo de vírus e, consequentemente, maior ou menor número de casos e mortes.

No Brasil, devido a diferenças climáticas e geográficas, podem ocorrer diferentes intensidades de sazonalidade da influenza e em diferentes períodos nas unidades federadas. No caso específico do Amazonas, a circulação, de acordo com o ministério, segue o período sazonal da doença potencializado pelas chuvas e enchentes e consequente aglomeração de pessoas.

Até o final de março, antes do lançamento da campanha, foram registrados 255 casos de influenza em todo o país, com 55 óbitos. Até o momento, o subtipo predominante no país é influenza A H1N1, com 162 casos e 41 óbitos. O Amazonas foi o estado com mais casos registrados, com 118 casos e 33 mortes. Por isso, a campanha foi antecipada no estado.

 

Agência Brasil

 

 

Em Solânea, campanha de vacinação contra a gripe H1N1 começa esta semana

A partir desta quarta-feira, 10, os grupos prioritários crianças de 6 meses até 6 anos e grávidas já podem procurar os PSFs mais próximos para receber a vacina.

A Secretaria de Saúde do Município de Solânea informa a toda a população que na próxima quarta-feira inicia em todos os Postos de Saúde da Família (PSFs) a campanha de vacinação contra a influenza H1N1, que provoca a gripe.

Na primeira etapa, de 10 a 19 de abril, serão imunizadas crianças – com idade entre seis meses até 5 anos 11 meses e 29 dias – e gestantes. Este ano, uma das novidades é a atualização da caderneta de vacinação das crianças de acordo com a situação encontrada pelos profissionais e as indicações do Calendário Nacional de Vacinação. A partir do dia 22 de abril a imunização será aberta para os demais grupos prioritários. O Dia Nacional de Mobilização, o “Dia D” está previsto para 4 de maio.

Grupos prioritários para vacinação
Estão entre os grupos alvos que precisam receber a vacinação: Crianças de seis meses a menores de seis anos; gestantes; puérperas ( mulheres com até 45 dias pós-parto); idosos de 60 anos ou mais de idade; portadores de doenças crônicas não transmissíveis; trabalhadores de saúde; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; adolescentes e jovens sob medida educativa; professores da rede pública e privada.

 Assessoria de Comunicação