Arquivo da tag: graves

Paiva Netto: As graves consequências dos diversos tipos de suicídio

Ninguém está livre das influenciações espirituais inferiores, as quais, mesmo quando não se revelam num gesto tão extremado como matar-se, encerram consequências que podem configurar verdadeiro suicídio em vida.

Quantas empresas, por exemplo, são levadas à “morte”, ou seja, à falência? Quantos casais estão em conflito, arrastando em seu bojo a felicidade dos filhos? Quantos se entregam à “morte” pelos vícios da bebida, do cigarro, das drogas, que enfermam e destroem nosso veículo físico e distorcem a Alma? E as chagas do ódio, da violência doméstica, do feminicídio, da pedofilia, da efebofilia, dos estupros…? Quantos são drasticamente atingidos, arrancados do mundo por essas barbáries? E as guerras, o desmantelamento econômico de países, os conflitos étnicos de toda sorte?… E a hipnose coletiva que, pelo planeta, enceguece governantes e governados? Todos são Espíritos na carne; portanto, completamente suscetíveis de sofrer o magnetismo inferior desses “invasores de Almas”, que aqui denominamos “lobos invisíveis” ou espíritos obsessores. Contudo, em medida ainda mais vigorosa, qualquer pessoa é capaz de se tornar instrumento benfazejo sob os cuidados das Falanges Divinas, das Almas Benditas. Todos somos médiuns, conforme nos revela Allan Kardec (1804-1869). E poder nenhum é maior que o de Deus.

Reitero a importância da leitura de “Quanto à Abrangência do Templo da Boa Vontade” e “O equilíbrio como objetivo”, páginas nas quais esclareço que o mundo material não mais poderá evoluir sem o auxílio flagrante do Mundo Invisível Superior. (…)

 

Como impedir a ação dos espíritos malignos

Meus Irmãos e minhas Irmãs, que drama enfrentam, muitas vezes, nossos Anjos Guardiães a fim de nos livrar de funestas ambiências, que acabamos atraindo para dentro de nossos lares, de nossas empresas, de nossas igrejas, de nossas comunidades, de nossos países! No entanto, alguém pode dizer: “Mas, Irmão Paiva, eu tento, eu luto; contudo, não consigo afastar esses obsessores espirituais de meu caminho. No ambiente da minha empresa, pelas ruas, em minha casa, nas dos meus entes queridos, eles sempre estão lá, ou acolá, me atormentando, fazendo com que minha competência no trabalho seja abalada; minha felicidade, minha saúde, minha paz sejam postas abaixo. Já não tenho forças…”

Tem forças, sim!!! Quem lhe disse que não? Afaste de si as sugestões de fraqueza, justamente, do aqui ultradenunciado “lobo malfeitor espiritual”. E ore por ele, de maneira que a prece fervorosa toque os recônditos de sua alma, tornando-o, pela transformação do caráter, um bom sujeito. Rogue pelo apoio de seu Anjo da Guarda, ou Espírito Guia, ou Nume Tutelar — seja qual for a maneira que você denomine esses Benfeitores (ainda) Invisíveis.

Como bradava Alziro Zarur (1914-1979): “O Bem nunca será vencido pelo mal”.

 

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com

 

 

Diagnóstico precoce de Hanseníase evita consequências mais graves

O último levantamento da Organização Mundial de Saúde indicou que, apenas em 2017, foram registrados 210.671 novos casos de Hanseníase em 150 países. O Brasil ocupa a 2ª posição nesse ranking, com 26.875 registros, perdendo apenas para a Índia. Mas você sabe o que é a doença? A Hanseníase é uma infecção crônica, transmissível e que tem a capacidade de afetar um grande número de pessoas. No caso dos pacientes diagnosticados e que não fazem tratamento, as consequências podem ser mais graves. Para falar sobre assunto, conversamos com a coordenadora-geral de Hanseníase e Doenças em Eliminação do Ministério da Saúde, Carmelita Ribeiro Filha.

“Como o bacilo tem essa preferência pelo nervo periférico, uma pessoa acometida pela Hanseníase, não são todas, mas algumas desenvolvem incapacidades físicas, ou seja, tem uma mão em garra, um pé em garra, uma mão caída… Então seria muito bom, ou menos pior, se a Hanseníase fosse só essa lesão em pele, tratou, acabou. Não é. A hanseníase tem essas complicações e essa incapacidade, que é o principal motivo do estigma e de discriminação”.

Créditos:Ministério da Saúde

O importante é ficar atento aos sinais do seu corpo. Ao surgimento de qualquer mancha que tenha a perda de capacidade sensitiva de dor, calor ou frio, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. Quanto mais cedo o diagnóstico, menores as chances de sequelas. A Hanseníase tem cura e o tratamento está disponível gratuitamente no SUS. Por isso, não esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações acesse saúde.gov.br/hanseníase.

Créditos:Ministério da Saúde

 

agenciadoradio

 

 

 

Hipertensão: tratamento contínuo evita consequências graves ao organismo

Com alta prevalência no Brasil, atingindo mais de 30 milhões de brasileiros, segundo o Ministério da Saúde, a hipertensão não recebe a atenção que merece diante da sua gravidade. De acordo com o cardiologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Lucas Velloso Dutra, muitas pessoas ainda se medicam apenas quando há o registro de aumento da pressão e ignoram o tratamento contínuo.

Essa tática, comentada pelo especialista, não traz benefícios à saúde e pode piorar o quadro do paciente. “A hipertensão, por ser uma doença crônica, deve ser tratada de forma contínua a fim de se ter um controle pleno. Apenas tratar por demanda aumenta mais as chances de desenvolver consequências graves ao organismo, como AVC e infarto”, explica.

A importância de controle da doença vai além de evitar esses dois problemas. A lista de riscos desenvolvidos pela pressão alta ainda envolve a perda de função de diferentes órgãos, como os rins. Dutra lembra que a enfermidade é um fator de risco para o surgimento de doenças arteriais periféricas, coronárias e também da insuficiência renal.

Considerada uma doença silenciosa, ou seja, sem sintomas aparentes, é preciso atenção redobrada nas formas de prevenção, que incluem acompanhamento médico, prática de atividade física, alimentação saudável, controle do diabetes, não fumar e evitar estresse.

O cardiologista aconselha também a aferição da pressão de forma rotineira, a fim de manter o controle em dia. Porém, é bom ter em mente que essa prática deve ser realizada em momentos específicos, evitando qualquer interferência. “Para a aferição ser mais precisa é importante que a pessoa esteja calma, em um lugar sem barulho”, conclui.

HOSPITAL EDMUNDO VASCONCELOS

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Hospital Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 1.000 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 230 mil consultas ambulatoriais, 145 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,45 milhão de exames por ano. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o primeiro lugar no Prêmio Melhores Empresas para Trabalhar na categoria Saúde – Hospitais, conquistado por dois anos consecutivos, 2017 e 2018.

 

Site: www.hpev.com.br
Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV
Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV
YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV
Linkedin:www.linkedin.com/company/19027549
Instagram:www.instagram.com/hospitaledmundovasconcelos/

Assessoria de imprensa

Pacientes com doenças graves fazem manifestação exigindo direito a remédio no SUS

manifestacao-remedioO movimento ‘STF, Minha Vida Não Tem Preço’ reuniu neste domingo (16), dezenas de pessoas em manifestação na Praça Mauá para sensibilizar a sociedade e gestores sobre a importância de um julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que pode afetar milhões de portadores de doenças raras dependentes do fornecimento de tratamento pela rede pública de saúde. O Supremo vai julgar se cabe ao Poder Público arcar com o fornecimento de remédios de alto custo que não estão incluídos no Sistema Único de Saúde (SUS) e determinar se é obrigação do Estado financiar medicamentos que não têm autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Presente ao ato realizado em frente ao Museu do Amanhã, a dona de casa Simone Arede falou sobre o caso do filho, Thiago, de 31 anos, que tem homocistinúria, doença que exige dieta com restrição proteica. Cada lata do suplemento alimentar para repor as necessidades nutricionais de Thiago custa em média R$1,7 mil, e ele precisa tomar sete latas por mês. “Dependendo do resultado do Supremo, ele pode ficar sem esse remédio e não tenho condição de pagar,” disse Simone, que faz parte do grupo Mães Metabólicas, cujos filhos não podem ingerir proteína. “Nesse grupo há também pessoas com tirosinemia, que fazem uso de um remédio que é muito caro e não tem registro na Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]. Sem esse remédio durante um mês, eles morrem”, afirmou a dona de casa.

O presidente da Associação de Fibrose Cística do Rio de Janeiro, Cristiano Silveira, tem um filho com essa doença, cujo tratamento exige medicamentos específicos e importados. “Os fabricantes, muitas vezes, não têm interesse comercial em registrar o medicamento na Anvisa, pois são muito poucos pacientes no Brasil. Como o paciente só tem aquele tratamento, acaba acionando a Justiça para ter direito a importar a droga, que já salva vidas lá fora e não chega aqui por questão comercial e burocrática”, disse Silveira. Mais de 4 mil pessoas no País têm fibrose cística, que afeta principalmente os pulmões, pâncreas e o sistema digestivo. “No Brasil, uma pessoa com fibrose cística vive a metade do tempo de uma pessoa com a mesma doença nos Estados Unidos, onde há acesso aos medicamentos necessários.”

Crianças que sofrem de doenças raras foram ao ato em frente ao Museu do Amanhã
Crianças que sofrem de doenças raras foram ao ato em frente ao Museu do Amanhã

Foto: Agência Brasil

A dona de casa Ivanilda Oliveira dos Santos foi à manifestação com a filha Júlia, de 12 anos, que nasceu com mucopolissacaridose (MPS), doença degenerativa que impede o processamento de moléculas do açúcar e prejudica o crescimento e o desenvolvimento motor. “Ela toma o medicamento na veia uma vez por semana durante três horas. Custa cerca de R$20 mil por mês. Sem esse medicamento, ela morre.”

Apesar das limitações ocasionadas pela doença, Júlia cursa o 7º ano na escola perto de sua casa, em São João de Meriti, Baixada Fluminense, faz aulas de dança e circo. “Gosto mais de fazer palhaçaria e malabarismo. Com o tempo, a gente pega a manha”, disse Júlia. “Levo uma vida normal, dentro do possível. Sem o medicamento, vai ficar bem difícil.”

A presidente da Associação Carioca Distrofia Muscular, Maria Clara Migowski Pinto Barbosa, explicou que há mais de 30 tipos de distrofia – doença genética em que os músculos enfraquecem progressivamente -, e o tratamento envolve várias especialidades. “No meu caso, ainda não existe medicamento específico. Mas minha luta hoje é pelos meninos com distrofia de Duchenne (DMD), a mais comum, que tem uma progressão muito forte. No início da adolescência, eles param de andar. Com as novas tecnologias, estão vivendo mais”. Os pais e os dois irmãos de Maria Clara morreram em consequência de doenças raras. “Acho simbólico estarmos aqui no Museu do Amanhã, pois queremos acreditar que há um futuro, há esperança para uma qualidade de vida para esses pacientes.”

A dona de casa Flávia Medela descobriu que o filho, de 12 anos, tinha DMD quando ele estava com 5 anos. “Os médicos achavam que era dor de crescimento. Somente com 9 anos veio o diagnóstico. Há pouco tempo, tive a boa notícia de que ele se encaixa em uma medicação, mas, em seguida, veio a má notícia de que o SUS não cobre esse medicamento. A angústia é grande, porque estamos perdendo muitos meninos com Duchenne. Sei que tem remédio, mas não posso fazer nada pelo meu filho. Se ele tivesse tomado o remédio desde o início, talvez não estivesse perdendo o movimento dos braços e das pernas”.

O ministro do STF Teori Zavascki pediu vista (mais tempo para estudar a ação) no fim de setembro, e o julgamento foi adiado. Já haviam votado os ministros Marco Aurélio Mello, relator do caso, Luís Roberto Barroso e Edson Fachin.

O movimento STF, Minha Vida Não Tem Preço foi criado em setembro por associações de todo o Brasil que representam mais de 50 patologias, entre doenças graves e raras. Eles já recolheram mais de 380 mil assinaturas para pressionar o STF a acolher as ações.

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Denúncias graves ao Comitê do Caixa 2 pode gerar cassação de mandato na PB

presidente_da_oab_cajazeiras_joao_de_deusO presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção de Cajazeiras, João de Deus Filho, informou que há denúncia graves com relação à prática de Caixa 2 nas eleições deste ano, que podem ocasionar cassação de mandato na Paraíba. De acordo com o presidente, os registros são fruto da campanha realizada pela Ordem junto com a população. “Os números são impressionantes”, disse ele.

João de Deus explicou que não é possível fornecer detalhes sobre as denúncias de crimes eleitorais, reunidas pelo Comitê de Combate ao Caixa 2. No entanto, o presidente destacou que as ocorrências já foram encaminhadas aos órgãos competentes, como Ministério Público e Polícia Federal, para que sejam apuradas e que há um compromisso da Ordem em manter o total sigilo das informações para que as investigações não sejam prejudicadas.

“Em tese, os fatos estão sendo analisado e fatos que podem gerar efeitos ou consequências de cassação de mandatos e sucessivamente”, alertou o presidente da OAB Subseção de Cajazeiras.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Cigarro traz consequências graves à aparência dos fumantes

cigarroAlém de ser responsável por graves doenças respiratórias, cardiovasculares e câncer, o cigarro também causa danos à beleza. Pele envelhecida precocemente, queda de cabelo, linhas de expressão ao redor dos lábios, mau hálito, dentes, unhas e pontas dos dedos amarelados são sinais visíveis que aparecem no corpo e no rosto daqueles que passam anos de suas vidas ingerindo as substâncias tóxicas do tabaco. Entre os componentes do cigarro, podemos destacar dois grandes vilões: a nicotina, causadora de dependência física e psíquica, e o alcatrão, que contém substâncias cancerígenas.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Quem não quiser estragar a saúde e deseja manter sempre uma aparência jovial, deve ficar bem longe do cigarro. Para as mulheres que fumam o prognóstico não é nada bom. Nelas, as consequências são notadas mais rapidamente devido à flacidez da pele.

Os especialistas explicam que o fumo afeta a quantidade de vitaminas antioxidantes naturais presentes na pele. Isso diminui a resistência da pele aos radicais livres, afetando a produção de colágeno, provocando a flacidez. Até mesmo a cicatrização da pele após cirurgia fica mais complicada para quem fuma, alertam os cirurgiões plásticos.

Os cabelos e o couro cabeludo também são atingidos pelo uso do cigarro. As pessoas que fumam sofrem mais com a queda de cabelo e com a descamação do couro cabeludo. Além disso, os cabelos brancos podem surgir mais cedo em decorrência do fumo. As unhas e dedos ficam com a tonalidade amarelada devido à má circulação sanguínea, enquanto os dentes tendem a ficar escuros e manchados.

Ou seja, o impacto causado pelo cigarro é devastador. O bom é saber que todas essas consequências podem ser evitadas com uma só atitude: apagar o cigarro para sempre.

Processo doloroso

Mas parar de fumar não é fácil. Que o diga a servidora pública Rita de Cássia Luna, 66 anos, moradora do Geisel, e cliente da Unimed João Pessoa. Ela contou que começou a fumar muito cedo por influência das amigas e só parou há dois anos quando o médico sentenciou: “ou deixa o cigarro ou morre.

Segundo Cássia Luna, foi um processo muito difícil, doloroso, mas hoje ela sente na pele e no ar o bem que fez ao acatar a determinação de seu médico cardiologista. “Respiro muito melhor, fico menos cansada. Também senti melhora na minha pele, no cabelo e até no meu cheiro. Lutei muito para largar o vício, mas foi a decisão certa, pois, caso contrário, hoje eu estaria morta”, disse.

Lei Antifumo

Não são só a vontade, a persistência e a perseverança que fazem o fumante parar. Nos últimos anos, os programas públicos de controle do tabagismo têm contribuído para a redução do consumo do cigarro no País. Para proteger ainda mais a saúde da população e fechar o cerco contra o tabagismo, entrou em vigor em dezembro do ano passado a lei federal 12.546, a Lei Antifumo, com regras que proíbem o uso de cigarros em recintos fechados públicos ou privados em todo o território nacional.

Como forma de conscientizar a população no sentido de cobrar o cumprimento da lei que protege o não fumante, o Comitê de Tabagismo da Associação Médica da Paraíba (AMPB), que é formado pela Unimed João Pessoa e outras instituições, promoverá uma série de atividades nesta quinta (29) e na sexta-feira (30) em João Pessoa.

Na quinta-feira à tarde, um grafiteiro fará a pintura da logomarca da campanha no muro da Secretaria Municipal de Saúde e no Terminal Rodoviário de Integração, no Varadouro. Já na sexta-feira, as atividades serão realizadas na Praça Vidal de Negreiros, o Ponto de Cem Réis, das 8h às 12h, com uma programação extensa que inclui distribuição de material educativo, contendo informações sobre os maléficos do cigarro à saúde.

Essa campanha da lei Antifumo foi desenvolvida pela ONG Aliança de Controle do Tabagismo e Saúde (ACT) para ser divulgada nacionalmente.

Pesquisa animadora

Fumar é um vício que afeta milhares de pessoas e mata cerca de 200 mil por ano no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Dentro desse universo de mortes causadas pelo cigarro surgiu um fato animador em dezembro do ano passado. Pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde em parceria com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que o índice de pessoas que consomem cigarros e outros produtos derivados do tabaco é 20,5% menor que o registrado cinco anos atrás.

Essa pesquisa reflete uma nova mentalidade da população em relação ao cigarro que pode ser atribuída ao desenvolvimento de campanhas educativas e programas para livrar as pessoas desse mal.

“A sociedade brasileira, ao longo dos últimos anos, vem absorvendo uma nova mentalidade em relação ao cigarro, em que fumar passou de charmoso e elegante a uma atitude nociva e antissocial”, afirmou o médico pneumologista Sebastião Costa, que está à frente das ações que serão realizados nesta quinta e sexta-feira para divulgar a Lei Antifumo na capital paraibana. Médico cooperado da Unimed JP, Sebastião Costa é presidente do Comitê de Tabagismo da AMPB a e coordenador da Comissão de Tabagismo da Sociedade Paraibana de Pneumologia e Tisiologia (SPPT)

Benefícios

Os benefícios obtidos ao se parar de fumar são muitos e já podem ser observados nos primeiros minutos sem o cigarro. Confira abaixo alguns benefícios listados pelo Ministério da Saúde.

– Após 20 minutos sem fumar, a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal;

– Após 2 horas, não há mais nicotina no sangue;

– Após 8 horas o nível de oxigênio no sangue se normaliza;

– Após 2 dias sem fumar, o cheiro e o sabor dos alimentos olfato percebe melhor os cheiros o paladar já degusta a comida melhor;

– Após 3 semanas, a respiração fica mais fácil e a circulação melhora;

– De 5 a 10 anos o risco de sofrer infarto pode ser comparado ao de pessoas que nunca fumaram.

Assessoria

Nova vacina contra a dengue reduz em 95% os casos graves da doença

dengueA nova vacina contra a dengue, que já passou por todas as fases de estudos e testes, mostrou redução de 95,5% das formas graves da doença, inclusive a do tipo hemorrágica, na etapa de testes no Brasil e na América Latina. Até a primeira semana de outubro pelo menos 377 pessoas morreram em decorrência da dengue no país.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A vacina, desenvolvida pelo Laboratório Sanofi Pasteur, é a primeira contra a dengue concluída no mundo. O produto demonstrou proteção de 60,8% contra os quatro tipos da doença. Ou seja: a cada 100 pessoas imunizadas, 60,8 não contraem a doença; e entre as que contraem, 95,5 em cada grupo de 100 não terão as formas graves da dengue.

“Isso significa que praticamente não vamos mais ter casos graves da doença”, avaliou Sheila Homsani, gerente médica da Divisão de Vacinas do laboratório, ressaltando que a imunização também vai reduzir as internações decorrentes da dengue.

Segundo Sheila, os testes demonstraram que a vacina tem níveis de segurança comparáveis aos dos placebos dados aos pacientes. “É uma vacina segura”, enfatizou. A imunização deve ser aplicada em três doses, com intervalos de seis meses.

O laboratório deve entrar com pedido de avaliação da vacina na Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no primeiro trimestre de 2015, e a expectativa é que até o final do ano que vem ela esteja registrada no Brasil para ser vendida e até usada pela rede pública.

 

Agência Brasil

Bandeira no carro pode acarretar multa, acidentes graves ou defeitos no veículo

Alisson Correia
Alisson Correia

Em clima de Copa do Mundo, os torcedores fazem questão de mostrar a paixão pela Seleção Brasileira espalhando ornamentação pela casa, nas vestimentas ou nos automóveis. O que nem todo mundo sabe é que colocar bandeira nos carros pode acarretar desde multas, até acidentes e defeitos no motor; não só com relação àquelas fixadas no capô, mas também para casos de bandeiras em vidros e até mesmo nas pequenas hastes.

O chefe da oficina da Auto Club Honda em João Pessoa, Francisco Fernandes, explicou quais são os problemas mais comuns que podem ser ocasionados com o uso de bandeiras no carro.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo ele, se não estiverem seguramente fixadas, aquelas que são colocadas no capô podem se desprender e provocar desde problemas sérios no motor, até mesmo acidentes graves por prejudicar a visibilidade do motorista. “Elas podem subir para o para-brisa e fechar a visão do condutor ou serem engolidas para dentro do capô, causando estragos no motor”, esclareceu.

Outro detalhe que o especialista apontou tem relação com a velocidade. “As bandeiras interferem na aerodinâmica do veículo, diminuindo a força do carro e exigindo que ele gaste mais combustível para alcançar velocidades maiores”, destacou.

No capô, riscos de acidentes, defeitos ou perda de força do carroFoto: No capô, riscos de acidentes, defeitos ou perda de força do carro
Créditos: Alisson Correia

Além dos riscos com bandeiras fixadas no capô, há também observações importantes a serem apontadas para os que as utilizam nas pequenas hastes, que, geralmente, ficam sobre algumas das portas dianteiras.

 

Bandeiras nas hastes também são perigosasFoto: Bandeiras nas hastes também são perigosas
Créditos: Alisson Correia

De acordo com Fernandes, “se alguma haste estiver mal colocada, ela pode se soltar; caso o motorista esteja em velocidade maior que 60 km, a haste que se desprender pode bater em algum pedestre, em outro carro ou condutor de moto, oferecendo riscos sérios de acidentes. Mesmo leve, a haste pode ficar mais pesada na hora do impacto, devido à velocidade do automóvel da qual ela se desprendeu”. Sobre a bandeirinha, ele reforçou que “se ela se soltar da haste e for levada pelo vento, pode atrapalhar a visibilidade de outros condutores no trânsito, levando, novamente, à questão dos acidentes”.

Além desses problemas, se o motorista fixar uma bandeira em local do carro que o impeça de ter visibilidade no trânsito, trata-se de uma infração grave, na qual ele pode ser punido com multa de R$ 127,69 e ter o carro recolhido se for flagrado em uma fiscalização do Batalhão de Policiamento de Trânsito na Paraíba (BPTran). O Código de Trânsito Brasileiro determina, conforme o artigo 230, inciso 15, que é “proibido conduzir veículo com inscrições, adesivos, legendas e símbolos de caráter publicitário afixados ou pintados no para-brisa e em toda a extensão da parte traseira do veículo”.

Se flagrado, condutor deste veículo pode ser multadoFoto: Se flagrado, condutor deste veículo pode ser multado
Créditos: Alisson Correia

Táxis

A Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob) divulgou a Portaria Nº 026/2014, na qual estabelece regras para que os táxis da frota da Capital utilizem bandeiras nos carros, mas de forma segura e padronizada.

Semob estabelece padrões para os táxisFoto: Semob estabelece padrões para os táxis
Créditos: Divulgação/Semob

Conforme o artigo 2º, “fica ainda permitido o uso de bandeiras em tecido, com haste plástica, medindo aproximadamente 30×15 cm, fixadas em suporte adequado para os vidros dos automóveis”.

Caso o taxista descumpra o que foi estabelecido na Portaria, ele deverá “comparecer à vistoria da Semob no prazo máximo de 24h para regularização, sob pena de serem autuados conforme legislação em vigor”.

Como consta no documento, “os veículos que deixarem de atender ao Caput deste artigo, poderão ser apreendidos e liberados apenas após a regularização, sem prejuízo das sanções previstas em regulamento próprio”.

 

portalcorreio

Dois casos graves de reação à vacina contra HPV são investigados no RS

Getty Images
Getty Images

A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul está investigando dois casos graves de reação à vacina anti-HPV, que vem sendo aplicada na rede pública em adolescentes do sexo feminino entre 11 e 13 anos desde o dia 10 de março. Nos dois casos, as vítimas tiveram convulsões cerca de uma hora após receberam a primeira dose da medicação e precisaram de atendimento médico para reverter o quadro. Ambas passam bem e não correm risco de vida. No Espírito Santo, nove adolescentes passaram mal depois de serem vacinadas na escola em Cariacica.

Os dois casos no Sul foram registrados na semana passada. Um ocorreu em Caxias do Sul e outro em uma cidade não revelada do interior do Estado. Nem a idade e nem a identidade das duas meninas foram informadas pela Secretaria, que também não divulgou os casos publicamente. As reações são consideradas graves pelo Ministério da Saúde porque não há descrição na literatura médica de convulsões como efeitos colaterais após a aplicação da vacina anti-HPV.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo a coordenadora do Programa de Vacinação da Secretaria, Tani Ranieri, as duas adolescentes não precisaram de internação, mas continuam sendo acompanhadas para medir a extensão do problema neurológico que apresentaram. Nenhuma delas tinha histórico de epilepsia, causa mais comum de convulsões, e necessitaram de atendimento de emergência para reverter o quadro. Segundo a coordenadora, o socorro rápido às adolescentes impediu danos maiores.

– Ainda não podemos afirmar que as convulsões foram causadas pela vacina. É necessário ter cuidado nesses casos porque o medicamento pode levar a culpa por problemas anteriores que não eram conhecidos e que foram apenas desencadeados pelo produto, o que não é a mesma coisa – advertiu a coordenadora.

A aplicação da vacina tem como meta proteger cerca de 2,5 milhões de adolescentes contra a infecção pelo HPV em todo o país – 80% da população feminina da faixa etária entre 11 e 13 anos, segundo o IBGE. Até esta terça-feira, cerca de 83 mil meninas já haviam sido vacinadas no Rio Grande do Sul. No Estado, a meta é vacinar pelo menos 206 mil adolescentes de uma população de 258 mil na faixa etária incluída no benefício.

O vírus HPV pode causar câncer de colo de útero em percentual de 0,5% a 1% das mulheres infectadas. Nos homens, o percentual de câncer de pênis é ainda menor – cerca de 0,05% dos infectados.

A vacina, que é a mesma oferecida na rede privada a um custo médio de R$ 400 por dose, é fornecida pelo laboratório norte-americano Merck Sharp & Dohme. O produto protege contra quatro cepas do vírus, considerados os mais oncogênicos dos mais de 500 tipos de HPV já identificados.

A segunda dose será aplicada a partir de setembro, seis meses após a primeira aplicação, com reforço final daqui a cinco anos. A vacinação prossegue até 10 de abril na rede pública de saúde e nas escolas públicas e privadas.

Segundo a Sociedade Gaúcha de Pediatria (SGP), o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos inclui a convulsão na categoria de eventos adversos graves pós-vacina, junto a outros efeitos como tromboembolismo, apendicite e reações alérgicas. Nenhum dos eventos já relatados, entretanto, foi relacionado diretamente à aplicação da vacina de forma científica. Os Estados Unidos já aplicaram cerca de 57 milhões de doses do medicamento.

– Em campanhas massivas como essa, o surgimento de reações adversas raras acaba sempre aparecendo. O recomendável é que a segunda dose não seja aplicada e que essas adolescentes sejam acompanhadas – disse Juarez Cunha, do Comitê de Infectologia e Cuidados Primários da SGP.

Os dois casos já foram relatados ao Ministério da Saúde, que está acompanhando as investigações. Nenhuma autoridade do órgão quis se manifestar sobre as ocorrências.

O Globo

Celular explode e causa ferimentos graves em jovem

celular-explodeSmartphones estão cada vez mais poderosos. Processamento digno de computadores, memória pesada e baterias potentes são partes integrantes nos aparelhos, que se tornaram pequenas máquinas de comunicação — sendo muito mais do que simples telefones móveis. Contudo, nem sempre eles são os objetos mais seguros do mundo, ainda mais quando estão com problemas de superaquecimento.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Uma garota de apenas 18 anos estava trabalhando com o Samsung Galaxy S3 no bolso quando foi surpreendida por uma explosão do aparelho. Por causa da combustão, as calças que ela usava começaram a pegar fogo e foi necessário tirá-las para que não houvesse uma queimadura ainda mais grave — os danos causados já foram bem sérios.
Pela imagem, percebe-se que não foi apenas um superaquecimento o causador do estrago, mas uma verdadeira explosão.
IMAGEM FORTE: Celular explode e causa ferimentos graves em jovem
Da Redação
com Tecmundo e Gizmodo