Arquivo da tag: gasolina

Preços do etanol e gasolina no mês de junho na Paraíba são os menores do Nordeste

Os valores do etanol e da gasolina na Paraíba foram os menores do Nordeste no mês de junho, de acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL). A pesquisa também compara os preços dos combustíveis no mês de maio na região nordestina.

Segundo o levantamento, a Paraíba comercializou em junho a gasolina mais barata do Nordeste, com o litro vendido a R$ 3,922, enquanto o maior preço foi do Piauí com R$ 4,417.

Levantamento aponta valores dos combustíveis no Nordeste — Foto: Ticket Log/Divulgação

Levantamento aponta valores dos combustíveis no Nordeste — Foto: Ticket Log/Divulgação

O estado paraibano também vendeu o etanol mais barato, por valor médio de R$ 3,156, enquanto o maior preço foi do Maranhão com R$ 3,699, em junho.

No mês de maio, o menor preço da gasolina também foi o valor vendido na Paraíba, de R$ 3,761, enquanto o Piauí comercializou o produto por R$4,25, o maior preço do Nordeste.

Também foram pesquisados os valores dos combustíveis Diesel, Diesel S-10 e Gás Natural Veicular (GNV). Em comparação com o mês de maio, apenas o etanol não aumentou em junho na Paraíba e apresentou um recuo de 0,7% no valor.

G1

 

Homem perde controle da direção e colide veículo em bomba de gasolina, em João Pessoa

Um homem perdeu a direção do veículo que dirigia e colidiu o carro com a bomba de gasolina de um posto de combustíveis, no bairro da Penha, em João Pessoa, na manhã desta terça-feira (30). De acordo com informações do motorista, ele teria cochilado enquanto dirigia.

Após a colisão no local, houve um princípio de incêndio, que foi combatido por moradores do local. O Corpo de Bombeiros fez o isolamento da área porque houve vazamento de combustível.

O motorista sofreu ferimentos leves na cabeça e esteve consciente durante todo o tempo. No entanto, foi conduzido a um hospital da cidade.

 Foto: Walter Paparazzo/G1

G1

 

Região Nordeste registra o etanol e a gasolina mais caros no início de junho

Apesar do cenário de alta nos preços para o período, alguns Estados ainda mantiveram comportamento de recuo nos preços
A Região Nordeste apresentou cenário de alta nos preços durante os primeiros 15 dias de junho de acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL). Os valores que desde janeiro vinha caindo tiveram uma ligeira alta no período. A gasolina que em maio foi vendida ao preço médio de R$ 4,011 já pode ser encontrada a R$ 4,105, alta de 2,34%. O etanol também teve aumento, 0,86%, chegando às bombas nordestinas por R$ 3,365. Já o preço do diesel comum esteve no mesmo patamar de maio e continua a ser vendido pela média de R$ 3,210 por litro, enquanto o diesel S-10 teve aumento de 0,59% e foi comercializado a R$ 3, 239.

“O comportamento dos preços dos combustíveis foi de alta em todo o País devido ao aumento no repasse às refinarias que já havia sido anunciado em maio. O Nordeste acompanhou esse cenário, mas trouxe um fato diferente quanto ao diesel comum, que manteve a mesma média do fechamento de maio. Pode ser que esse preço tenha uma alteração até o final do mês, mas precisaremos analisar o cenário até lá para entender se essa variação será de acréscimo ou decréscimo”, analisa o Head de Mercado Urbano da Edenred Brasil, Douglas Pina.

Ao analisar os preços nos Estados nordestinos, o IPTL aponta que o Piauí continua vendendo a gasolina mais cara da região por R$ 4,393, um aumento de 3,4% em relação a maio. O Estado também tem o maior valor para o diesel que foi vendido a R$ 3,356, com uma ligeira alta de 0,5%. Já o diesel mais barato está no Rio Grande do Norte, comercializado a R$ 3,025 com recuo de 0,80%. A gasolina mais barata foi encontrada nas bombas Paraibanas por R$ 3,853 mesmo com alta de 2,4%.

Os dados do IPTL ainda apontam para um aumento de consumo do etanol em alguns Estados como Maranhão, Pernambuco e Rio Grande do Norte que em maio não haviam registrados dados de consumo suficientes para análises. O Maranhão inclusive desponta com o etanol mais caro da região nesse início de junho. O combustível foi comercializado a R$ 3,655.

Ainda de acordo com o estudo realizado pela Ticket Log, os preços apresentados nessa primeira quinzena de junho demonstram que, embora existam perfis diferentes em cada veículo, foi mais vantajoso financeiramente abastecer com gasolina em todos os Estados do Nordeste.

Sobre a Ticket Log

A Ticket Log integra a divisão de Frota e Soluções de Mobilidade da Edenred Brasil, juntamente com Repom e Edenred Soluções Pré-Pagas, com o propósito de valorizar o tempo das pessoas para que possam aproveitar mais e melhor a vida. A marca, que atua no mercado urbano, conecta pessoas e empresas a uma mobilidade inteligente por meio de soluções inovadoras que otimizam processos e apoiam no controle da gestão de deslocamento para organizações de todos os tipos e tamanhos.

Com mais de 25 anos de experiência, a Ticket Log conta com 30 mil empresas-clientes, administra, por ano, 1 milhão de veículos em sua base de clientes e quase 2,5 bilhões de litros de combustível, com uma rede de mais de 36 mil comerciantes credenciados. Entre os produtos disponíveis, estão: Ticket Car com a funcionalidade Log&Go, que permite o pagamento de diferentes meios de transporte e serviços veículos, como lavagens ecológicas de automóveis (App Easy Carros), caronas compartilhadas (App Zumpy), serviços de assistência 24h (App Fácil Assist) e recarga do bilhete único (Onboard Mobility); Ticket Fleet e Gestão de Manutenção.

A marca é uma das Maiores e Melhores do Transporte na categoria “Automação e Informática”, no prêmio promovido pela OTM Editora e foi reconhecida como uma das “As 500 Maiores do Sul”, ranking promovido pela revista Amanhã. Também foi eleita uma das melhores empresas para trabalhar na região Sul pela consultoria global Great Place to Work ® Institute (GPTW).

 

Petrobras reduz novamente preços da gasolina e do diesel em refinarias

A Petrobras anunciou, nessa terça-feira (14), uma nova redução nos preços médios dos combustíveis vendidos nas refinarias. A gasolina ficará 8% mais barata e o diesel terá queda de 6%. No acumulado do ano, o preço da gasolina já caiu 48,2% e o do diesel (tipos S10 e S500) caiu 35,4%.

Os preços valem a partir desta quarta-feira (15) e são referentes ao valor vendido pelas refinarias para as distribuidoras. O valor final ao motorista dependerá do mercado, já que cada posto tem sua própria política de preços, sobre os quais incidem impostos, custos operacionais e de mão de obra.

Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio para a gasolina nos postos do país, entre 29 de março e 4 de abril, era de R$ 4,298. O valor do diesel, era de R$ 3,437. O do etanol, de R$ 3,039.

“Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos”, explica, em nota, a Petrobras.

Tipo de combustível

Segundo a companhia, a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A: gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel sem adição de biodiesel. “Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis.

 

Agência Brasil

 

 

Preços do diesel e da gasolina caem até 9,5% a partir desta sexta

A crise econômica mundial causada pela pandemia do novo coronavírus e a disputa entre Rússia e Arábia Saudita sobre o nível de produção do petróleo fizeram baixar o preço dos combustíveis nas refinarias da Petrobras. Segundo a estatal, a gasolina teve redução de 9,5% e o diesel, de 6,5%. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (12).

Em João Pessoa, o preço do litro da gasolina já é achado a menos de R$ 4, conforme pesquisa divulgada nessa terça-feira (10).

Os novos preços estarão em vigor a partir desta sexta-feira (13) nas vendas às distribuidoras, mas os valores finais aos motoristas dependerão de cada posto, que acrescem impostos, taxas e custos com mão de obra. Além disso, o mercado brasileiro é baseado na livre concorrência, fazendo com que cada empresa cobre o que achar melhor, segundo explica a Petrobras.

“Os preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras têm como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos. Além disso, o preço considera uma margem que cobre os riscos 9como volatilidade do câmbio e dos preços).”

De acordo com pesquisa semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), entre os dias 1º e 7 de março, o preço médio ao consumidor no país, para a gasolina, era de R$ 4,531. Para o diesel, o preço médio era de R$ 3,661.

 

Agência Brasil

 

 

Petrobras reduz preços do diesel e da gasolina nas refinarias

A Petrobras cortou em 5% o preço do diesel comum e em 4% o preço da gasolina nas refinarias. Os novos valores, anunciados ontem (28) pela estatal, passaram a valer hoje (29).

Os preços do diesel S500 para térmicas e do diesel marítimo caíram 5,1%. Já o diesel S10 para térmicas teve redução de 5,2% no seu valor.

A queda foi decidida em um cenário de desvalorização do petróleo no mercado mundial. Os contratos do petróleo Brent para abril estavam cotados a US$ 50,52 no fechamento do mercado ontem. Esse valor representa uma queda de 13,64% em uma semana.

O petróleo Brent é um tipo extraído principalmente do Mar do Norte e cotado na Bolsa de Valores de Londres. Ele é a referência no cálculo do valor de cerca de dois terços do petróleo mundial.

A desvalorização é influenciada pelo avanço dos casos de coronavírus pelo mundo, o que gera no mercado o receio de uma eventual desaceleração da economia mundial e, consequentemente, de uma menor demanda por combustíveis.

Preços nos postos

Apesar dos novos valores praticados nas refinarias, não há impacto imediato no preço final pago pelo consumidor nos postos de combustíveis. A variação, nesse caso, depende ainda de outros fatos como o consumo dos estoques armazenados, impostos, margens de revenda e percentual da mistura dos biocombustíveis.

Em virtude do feriado de carnaval, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) irá divulgar o novo Levantamento de Preços e de Margens de Comercialização de Combustíveis somente na próxima terça-feira (3).

Serão apresentados os resultados do período entre 23 e 29 de fevereiro, o que ainda não deverá mostrar reflexos da decisão da Petrobras.

 

Agência Brasil

 

 

Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel a partir desta sexta-feira

A Petrobras reduzirá novamente os preços da gasolina e do diesel em suas refinarias nesta sexta-feira (31).

Será o terceiro corte seguido, acompanhando a queda das cotações internacionais do produto. Em ambos os casos, a redução será de 3%.

O corte será de R$ 0,05 por litro na gasolina e de R$ 0,06 por litro no diesel. O repasse aos postos, porém, depende de políticas comerciais de postos e distribuidoras, que são responsáveis por misturar etanol ou biodiesel e levar os produtos aos consumidores.

Segundo a Petrobras, o valor cobrado por suas refinarias equivale a 30% do preço final da gasolina e 54% do preço final do diesel –o resto são impostos, margens de lucro, etanol e biodiesel. O preço da gasolina nas refinarias já acumula queda de 7,3% no ano. No caso do diesel, a queda acumulada é maior, de 9,8%.

Nos últimos dias, o preço do petróleo vem respondendo aos temores de recuo na economia global com o surto de coronavírus na China. Há uma semana, o barril do tipo Brent, negociado em Londres, vem sendo negociado abaixo dos US$ 60 (cerca de R$ 253).

Na quarta (29), fechou a US$ 58,91 (cerca de R$ 247), 6,7% abaixo da cotação de uma semana atrás e 14% abaixo da cotação do primeiro dia útil do ano, quando o mercado sofria impactos do assassinato do general iraniano Qassem Solemaini.

A política de preços da Petrobras considera o conceito de paridade de importação, que inclui as cotações internacionais dos combustíveis, o câmbio, os custos de transporte e margem de lucro.

Na última sexta (24), de acordo com cálculos do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), o preço da gasolina vendida pela estatal estava R$ 0,07 por litro mais barata do que o preço do Golfo do México, nos Estados Unidos. Já o diesel estava R$ 0,18 por litro mais caro.

 

FOLHAPRESS

 

 

Petrobras reduz preço da gasolina e diesel nas refinarias

A Petrobras confirmou, há pouco, redução de 3% no preço do diesel e da gasolina para as refinarias. A medida entra em vigor nesta terça-feira (14). O último reajuste anunciado pela companhia para a gasolina foi em 1º de dezembro do ano passado e,  para o diesel, no dia 21 daquele mês.

A medida não surpreendeu o mercado, disse hoje (13) à Agência Brasil o presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda Soares.

Soares lembrou que, quando começou a tensão entre Irã e Estados Unidos, o preço do petróleo no mercado internacional subiu de US$ 64 para US$ 70 o barril. Como o preço já voltou ao patamar anterior, Soares disse que a tendência é de queda do preço dos dois combustíveis no mercado interno brasileiro. “É absolutamente normal e esperada essa atitude da Petrobras.”

O presidente da Fecombustíveis ressaltou, porém, que, para o consumidor, a redução do preço deve demorar algum tempo, porque as distribuidoras têm que gerir o estoque, estimado entre 15 milhões e 20 milhões de litros. “Só baixa o preço quando ela [distribuidora] vender o estoque que comprou mais caro”. Para chegar à bomba, deve demorar 15 dias, “porque a concorrência é muito grande no setor de revenda”, disse Soares.

Agência Brasil

 

 

Preço da gasolina cai em 69 postos de João Pessoa, diz Procon

A gasolina ficou mais barata em 69 postos de combustíveis de João Pessoa, de acordo com pesquisa do Procon-JP divulgada nesta terça-feira (7). O menor preço encontrado foi de R$ 4,129, R$ 0,69 mais barato que o da última pesquisa.

Foram pesquisados os preços de combustíveis em 103 postos da capital paraibana. O menor preço da gasolina, de R$ 4,129, foi encontrado no posto Ayrton Sena (Bairro dos Ipês). Já o maior valor foi de R$ 4,499 nos postos Big e Select (Tambaú).

De acordo com o Procon-JP, foi registrado que 69 estabelecimentos reduziram, três aumentaram e 30 mantiveram o preço da gasolina em relação à última pesquisa, feita em dezembro de 2019.

Em relação ao álcool, o menor preço foi de R$ 2,799 nos postos BSB (Mangabeira), Texas (Funcionários II), Comercial (Geisel); e o maior foi de R$ 3,399 no posto Select (Tambaú). No total, em 33 locais foram identificados aumentos, enquanto 36 postos reduziram o preço do etanol.

Já o diesel S10 manteve o menor preço em R$ 3,549 no AutoPosto Valentina (Valentina) e o maior é R$ 3,959 no Big Tambaú (Cabo Branco).

O maior preço do Gás Natural Veicular (GNV) foi encontrado em R$ 3,719 no Posto Z (Cidade Universitária) e o menor em R$ 3,589 no Estrela do Geisel (Geisel), mantendo a mesma oscilação registrada na última pesquisa.

G1

 

Preço médio da gasolina nas bombas sobe quase 5% e encerra 2019 em R$ 4,55 por litro, segundo ANP

A gasolina ficou em média 4,85% mais cara nas bombas em 2019, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (30) pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

De acordo com o levantamento, o preço médio do litro do combustível subiu de R$ 4,34 no fim de 2018 para R$ 4,55 no fim deste ano. Na última semana, a alta foi de 0,02%.

O etanol foi o combustível que sofreu o maior reajuste no ano, de 11,51%. O preço médio do litro vendido ao consumidor saltou de R$ 2,83 para R$ 3,15. Na semana, o preço subiu 0,19%.

Já o litro do óleo diesel teve alta de 8,69% no ano, passando de uma média de R$ 3,451 para R$ 3,751. O aumento na última semana foi de 0,24%.

Os preços constituem uma média caculada pela ANP a partir de dados coletados em postos em diversas cidades pelo país. Os preços, portanto, variam de acordo com a região.

G1