Arquivo da tag: ferro

Homem suspeito de agredir a mulher com barra de ferro e incendiar casa é preso, na PB

Um homem suspeito de quebrar o braço da esposa e atear fogo na casa em que eles moravam foi preso, na tarde desta quinta-feira (9), no município de Santa Rita, Grande João Pessoa, de acordo com a Polícia Civil. O caso aconteceu no dia 13 de janeiro de 2019 e a mulher pretendia arquivar o processo nesta quinta-feira.

Segundo a delegada Paula Monalisa, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, ele é suspeito de tráfico de drogas, roubo e receptação, além de já ter uma outra queixa da mesma vítima, relacionada a violência contra a mulher. O casal tem um filho.

À época do crime, conforme a delegada, a mulher foi levada para a delegacia de plantão, iniciou o procedimento, recebeu o aparelho “SOS Mulher”, que a mantinha em contato com o Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), e teve uma medida protetiva concedida pela Justiça.

Um mandado de prisão foi expedido, mas o suspeito fugiu para o Rio de Janeiro e só retornou esta semana. A delegada informou que, nesta quinta-feira, a vítima foi até a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher do município e contou que voltou a conviver com o marido e que pretendia arquivar o processo. Contudo, Paula Monalisa informou que pediu para que a mulher levasse o marido até a delegacia para ser ouvido.

Em depoimento, ele afirmou à delegada que não quebrou o braço da esposa com uma barra de ferro, como a vítima tinha inicialmente relatado, mas que ele estava tentando abrir o portão com o objeto, quando ela passou e, por isso, acabou a machucando.

Entretanto, de acordo com a delegada, ele negou que o braço tenha quebrado e que tenha dado um tapa no rosto dela. O suspeito afirmou ainda que havia bebido e usado drogas e que não lembro do caso.

Após isso, a delegada cumpriu o mandado de prisão e encaminhou o homem para realizar o exame de corpo de delito. Ele será levado para a carceragem da Central de Polícia Civil, onde deve aguardar a audiência de custódia, que deve ocorrer nesta sexta-feira (10).

G1

 

Mulher é agredida com barra de ferro, na zona rural de Pilõezinhos/PB

sireneUma tentativa de homicídio foi registrada na noite deste domingo (04), na zona rural de Pilõezinhos, na região de Guarabira/PB. As primeiras informações dão conta de que um homem ainda não identificado pela nossa equipe, agrediu a companheira, na cabeça, com uma barra de ferro.  O crime aconteceu no Sítio Miguel.

A vítima identificada apenas como Núbia, foi socorrida por uma ambulância do SAMU de Guarabira e conduzida ao Hospital Regional Antônio Paulino Filho, para receber atendimento médico.

A Polícia Militar foi acionada e conseguiu prender o acusado, em flagrante. Ele foi encaminhado para a Central de Polícia Civil de Guarabira e entregue ao delegado de plantão.

O estado de saúde da vítima é delicado.

Ainda não conseguimos saber o motivo da agressão.

portalmidia

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Aluno de 16 anos agride diretora da escola com barra de ferro

Um garoto de 16 anos invadiu a secretária da escola e agrediu a diretora enquanto a mulher fazia uma ligação para polícia para tentar conter o garoto. O adolescente que já tem histórico de agressão e falta de respeito com outros funcionários da escola não poderá ser transferido de colégio por questões burocráticas. Confira!

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM


 

r7

Policial Militar é morto a golpes de barra de ferro em um bar no Sertão

PM levou vários golpes na cabeça
PM levou vários golpes na cabeça

Um policial militar foi morto a golpe de barras de ferro na madrugada desta quinta (8) na cidade de Conceição, no Vale do Piancó, no Sertão.

Segundo informações da 2º Companhia da Polícia Militar de Conceição, o cabo Damião Oliveira Gambarra, de 46 anos teria pedido um petisco ao dono do bar Erionildo Vidal de Souza, de 38 anos e o pedido não foi atendido. Embriagado, o policial se desentendeu com o dono do bar, não pensou duas vezes e pegou uma barra de ferro para desferir golpes contra a cabeça de Damião. O policial foi espancado até a morte.

Depois de ter cometido crime, o dono do bar pediu a família para ligar para a polícia e se entregou.

Por Stefanny Marques

No AM, mãe é suspeita de queimar filho de 5 anos com ferro de passar

ferroUma criança de cinco anos teve áreas do corpo queimadas com um ferro de passar roupa, em Manaus. De acordo com a polícia, a própria mãe do menino é suspeita de cometer os maus tratos contra o filho. O caso ocorreu na Rua do Igarapé, comunidade Vila Amazonas, Bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-sul da capital. A avó materna da criança denunciou o crime à polícia.

Fotos mostram o menino de cinco com queimaduras nas costas e nas pernas. De acordo com a avó materna da criança, que preferiu não ser identificada, a própria mãe teria agredido o garoto. Ela fez a denúncia ao Conselho Tutelar da Zona Centro-Sul de Manaus.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Eu denunciei porque se não seria cúmplice disso. Eu não aceito isso, pois nunca fiz isso com ninguém. Mesmo sendo minha filha, não aceito. Isso está me doendo também por ela ser minha filha, mas ela precisa reconhecer o erro dela”, afirmou a avó.

Fotos mostram o menino de cinco com queimaduras nas costas e nas pernas (Foto: Reprodução/TV Amazonas)Fotos mostram o menino com queimaduras nas costas e nas pernas (Foto: Reprodução/TV Amazonas)

Segundo o conselheiro tutelar, Daniel Serrão, a mãe teria agredido o filho porque a criança queimou o sofá da residência. “A mãe foi lá, pegou o ferro mesmo que a criança queimou o sofá e queimou a criança”, revelou o conselheiro.

De acordo com o Conselho Tutelar, esta não foi a primeira vez que a mãe é suspeita de ter agredido o filho. Em maio deste ano, ela teria ferido o menino com um garfo. A denúncia foi feita pela escola municipal que o garoto estuda.

“A equipe da escola viu que a criança chegou com hematomas nas costas e foi verificar. Segundo relato da própria criança, a mãe pegou um garfo e riscou as costas do filho, ainda pegou a cabeça da criança e socou contra a parede”, disse Daniel Serrão.

A denúncia foi encaminhada à Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (Depca). A mãe prestou depoimento, assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e foi liberada. A guarda provisória do menino está com a avó materna e a situação seguiu para o Juizado da Infância e Juventude. Segundo a Polícia Civil, caso, em um mês, ninguém da família declare que poderá ficar com o menino, ele deverá seguir para um abrigo.

 

G1

Criança de 3 anos morre após ser atingida por portão de ferro no Agreste

sireneUma criança de 3 anos morreu neste domingo (19), após ser atingida por uma forte pancada na cabeça provocada pela queda de um portão. A fatalidade ocorreu na zona rural da cidade de Puxinanã, no Agreste paraibano.

Segundo informações do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, o menino brincava na casa de um vizinho quando o portão caiu por cima dele.

Ainda de acordo com a unidade hospitalar, a criança foi socorrida às pressas para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.

O corpo foi encaminhado para o Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) de Campina Grande. O sepultamento da criança deverá ocorrer nesta segunda-feira (20).

 

 

Hyldo Pereira

Cuidados com alimentação rica em ferro ajuda a prevenir anemia

Thinkstock
Thinkstock

Baixo desempenho no trabalho, dificuldade de concentração, excesso de sono, tontura, palpitações, falta de ar, perda de apetite. Você se sente assim? Cuidado, pois você pode estar com anemia.

Existem vários tipos de anemia, mas a mais comum é a ferropriva, ou seja, pela deficiência de ferro no organismo. Ela é caracterizada pela deficiência no tamanho ou no número de células sanguíneas (glóbulos vermelhos) ou, ainda, na quantidade de hemoglobina que elas contêm, trazendo como consequência a limitação das trocas de oxigênio e gás carbônico entre o sangue e as outras células do corpo – o que acaba trazendo uma série de problemas, como os citados acima.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Um dos testes mais comuns para checar a presença de anemia é verificar a parte interna no olho: se ela estiver pálida, é melhor procurar um especialista para confirmar o diagnóstico e receber o tratamento adequado.

Mas, como diz o velho ditado, é melhor prevenir do que remediar. E para tanto basta investir em uma dieta equilibrada, rica em nutrientes – especialmente ferro, é claro. Existem dois tipos de ferro nos alimentos: o heme e o não heme. O primeiro é encontrado nas carnes, principalmente as vermelhas, e é absorvido de modo mais eficaz pelo organismo. O segundo é encontrado nos vegetais (verduras, leguminosas, cereais e frutas), porém, tem uma absorção menor pelo organismo.

Assim, é importante garantir a ingestão da quantidade ideal de ferro nas refeições, consumindo especialmente carne vermelha, a maior fonte de ferro. Feijão, beterraba e vegetais de folhas escuras, como brócolis, espinafre e agrião, também são ricos no nutriente.

Algumas pessoas têm que ficar mais atentas à possibilidade de desenvolver anemia. Entre elas, estão as mulheres com fluxo menstrual intenso, assim como quem tem úlcera, gastrite ou crises com hemorroida. Gestantes também precisam de cuidado especial. Na gravidez, mais ferro é necessário para a maior produção de hemoglobina.

Vegetarianos correm o risco de desenvolver anemia e, além do ferro, precisam receber periodicamente a vitamina B12, cuja deficiência pode levar a outro tipo de anemia, a perniciosa. “As fontes alimentares que fornecem a vitamina B12, obrigatoriamente, têm que ser as de alimentos de origem animal, pois essa vitamina não existe no reino vegetal”, alerta Júlio Sérgio Marchini, professor de Nutrologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP.

 

Ricos em ferro

“A dieta para prevenir anemia tem que conter alimentos ricos em ferro, como carnes, feijão, folhas verdes escuras, como brócolis. Alimentos enriquecidos também são importantes para contribuir com o consumo adequado”, diz a nutricionista Márcia Regina Vítolo, professora da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).

Porém, se a pessoa já tem anemia, muitas vezes apenas a alimentação não basta para repor o nutriente, sendo necessário complementá-lo. “Se uma pessoa já tem anemia deve obrigatoriamente consultar um médico para descobrir a causa e fazer o tratamento específico. Muitas vezes somente a alimentação é incapaz de tratar a anemia, sendo necessária a suplementação terapêutica por dois ou três meses”, diz Marchini.

Ele enfatiza ainda que, mesmo com a suplementação, a alimentação não pode ser negligenciada, para que não ocorra mais perda de ferro.

Aproveitando ao máximo

A absorção de ferro pelo organismo pode ser potencializada pela ingestão de outros alimentos. A vitamina C, por exemplo, auxilia a absorção e mobilização do ferro armazenado. Além disso, ela transforma o ferro não heme em heme, aumentando sua absorção. Assim, beber suco de laranja durante uma refeição, ou então temperar uma salada de folhas verdes escuras com limão, vai fazer com que o organismo aproveite muito mais o ferro dos alimentos.

Alimentos amargos – como jiló, agrião e chicória – também auxiliam o organismo a aproveitar melhor o nutriente, pois estimulam a secreção de enzimas digestivas, facilitando a absorção do ferro.

Por outro lado, existem alimentos que prejudicam essa absorção. É o caso do cálcio, que pode diminuir em até 60% a absorção do ferro pelo organismo. Assim, deve-se evitar consumir leite e derivados em uma refeição rica em ferro. “Por exemplo, num bife à parmegiana, o cálcio do queijo prejudicará a absorção do ferro da carne. O mesmo acontece se ingerir iogurte, queijo branco, milk shake, em uma mesma refeição com fontes de ferro”, explica o nutrólogo e clínico geral Roberto Navarro, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

Não é só o cálcio que prejudica a absorção de ferro. As fibras, assim como os taninos e fitatos (encontrados no café, chá preto ou chá mate) também diminuem o aproveitamento do nutriente. Portanto, é necessário evitar o consumo excessivo de pães e massas integrais na mesma refeição que contenha fontes ricas em ferro.

A conduta mais perigosa, no entanto, é ter uma alimentação pouco saudável, muito gordurosa e pobre em variedade e nutrientes. “O que está errado, por exemplo, são os hábitos alimentares inapropriados, como se alimentar somente de um tipo de alimento, não tendo variedade de fontes de nutrientes diferentes necessários para o bom funcionamento do organismo”, afirma Marchini.

Perigos da anemia

O ferro atua no processo respiratório de transporte de oxigênio e dióxido de carbono no organismo e faz parte do processo de respiração celular.  “Os glóbulos vermelhos precisam de ferro para se formar. E eles são responsáveis por levar o oxigênio através do organismo”, explica Navarro. Segundo o nutrólogo, os anêmicos possuem menos formação de glóbulos vermelhos, então, sua oxigenação será menor. As consequências disso são os problemas citados no início do texto.

Se não tratada, a anemia pode evoluir e levar a problemas mais sérios, como déficit de crescimento, diminuição do sistema imunológico, dor nas pernas, queda de cabelo, unhas frágeis e infecções frequentes. “Casos de anemia profunda podem levar a óbito, pois a falta de oxigenação prejudica o coração, que é um músculo que também precisa de força para se contrair”, explica Navarro.

Assim como a deficiência de ferro pode causar anemia, o excesso do nutriente também pode ser prejudicial ao organismo. O nível recomendado de ferro no sangue em um adulto saudável é de 40 a 160 microgramas. Índices acima disso são um sinal de problema e podem provocar vômitos, diarreia, lesões intestinais e até problemas cardíacos. “Vários estudos apontam que o excesso de ferro pode aumentar a incidência de doenças cardíacas, além de lesões no fígado”, aponta Vitolo.

GRUPOS DE RISCO

Algumas pessoas têm que ficar mais atentas à possibilidade de desenvolver anemia. Entre elas, estão as mulheres com fluxo menstrual intenso, assim como quem tem úlcera, gastrite ou crises com hemorroida. Isso porque essas pessoas sofrem com sangramento crônico (contínuo ou repetido), e acabam perdendo mais ferro do que a alimentação pode repor. Por isso é preciso consumir mais ferro nas alimentações, ou alimentos enriquecidos com o nutriente, e, em alguns casos, é necessário o uso de suplementos.
Gestantes também precisam de cuidado especial. Na gravidez, mais ferro é necessário para a maior produção de hemoglobina. Portanto, além dos alimentos, recomenda-se suplementação durante o segundo e o terceiro trimestre de gestação.
Os vegetarianos também correm o risco de desenvolver anemia. “Em função de não consumirem as carnes que possuem o ferro de alta biodisponibilidade (alto aproveitamento), sua alimentação deve ser mais planejada e cuidadosa”, explica Vitolo. Nesse caso, é necessário procurar fontes vegetais ricas em ferro e, é recomendável, conversar com nutricionista para ver a necessidade ou não da suplementação do elemento.
Além do ferro, os vegetarianos precisam receber periodicamente a vitamina B12, cuja deficiência pode levar a outro tipo de anemia, a perniciosa. “As fontes alimentares que fornecem a vitamina B12, obrigatoriamente, têm que ser as de alimentos de origem animal, pois essa vitamina não existe no reino vegetal”, alerta Marchini.

 

 

Uol

Cagepa substituiu adutora de PVC por ferro no centro de Bananeiras para evitar rompimentos

DSCN2343A Cagepa, Gerência Regional do Brejo, está executando trabalhos de substituição de adutora na cidade de Bananeiras. O trecho, localizado no centro da cidade, no acesso ao município de Solânea, tinha sérios problemas de rompimentos e provocava transtornos deixando o tráfego de veículos prejudicado.

Na quinta-feira (7), a gerente Eulina Dantas Bezerra fez uma visita à obra para verificar como está ficando o serviço. “Desde quando ingressamos na Cagepa sofríamos com rompimentos aqui nessa área da praça de Bananeiras, exatamente no centro da cidade e isso nos incomodava bastante. Estamos substituindo 300 metros de adutora de PVC para adutora de ferro fundido de 150 ml e a nossa expectativa é que não ocorra mais rompimentos por aqui”, disse a gerente.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De acordo com o coordenador do escritório local da empresa, Luis Jorge, “há mais de 10 anos sofríamos com ocorrências de estouramento da adutora nesse trecho. Os transtornos causados eram grandes e com a substituição para ferro, nessa área de maior pressão da água, espero que não tenhamos mais problemas”, disse Jorge.

Os trabalhos estão sendo realizados aproveitando-se os dias em que o sistema está desligado devido ao racionamento de água e com isso se evita o desperdiço.

DSCN2345

DSCN2346

DSCN2350

DSCN2356 (1)

 

Focando a Notícia com Assessoria

Mioma aumenta fluxo menstrual e pode levar à falta de ferro no sangue

menstruacaoA anemia causada pela deficiência de ferro no organismo provoca fraqueza, desânimo, falta de atenção, queda de cabelo e também prejudica a memória, o aprendizado e o desenvolvimento.

Porém, a causa desse problema nem sempre é a alimentação e por isso deve ser investigada, como alertaram o ginecologista José Bento e o hematologista Rodolfo Cançado.

Uma das possíveis causas da anemia são os miomas nas mulheres. Eles aumentam o fluxo menstrual e há uma perda intensa de sangue, o que pode levar à carência ou ausência de ferro no organismo. Nesse caso, a histerectomia, cirurgia de remoção do útero, pode resolver o problema já que consegue retirar esses miomas.

Anemia (Foto: Arte/G1)

Apesar de ser a cirurgia mais comum entre as mulheres, a histerectomia deve ser o último recurso contra doenças e outras complicações.

Existem técnicas que retiram apenas a parte superior do útero e mantém o colo, porém mesmo assim, a irrigação dessas regiões pode se prejudicar e a mulher pode sentir sintomas como calor e perda da libido – em alguns casos, a histerectomia causa também dor na relação sexual.

É regra que na cirurgia se preserve os ovários, a não ser que eles também estejam com algum problema. Após a operação, a mulher não vai mais menstruar e não poderá ter mais filhos, mas poderá manter a qualidade de vida.

Já nos homens, a perda de sangue pode acontecer por causa de doenças inflamatórias ou câncer no intestino. Essa inflamação intestinal pode dificultar a absorção do ferro, o que causa a anemia em grande parte dos adultos.

Para evitar o problema, seja qual for sua causa, é importante detectar antes a carência de ferro no sangue através de um exame simples, barato e disponível no SUS, que avalia os níveis de ferritina, um marcador do estoque de ferro no fígado. Se diagnosticada essa carência, o médico deve agir o quanto antes para impedir que ela evolua para uma deficiência da substância.

Se for diagnosticada a anemia e descoberta sua causa, o médico pode orientar o tratamento da melhor maneira, com a ajuda também de um nutricionista que pode passar uma suplementação de ferro para o paciente seguir corretamente.

Fora isso, a alimentação também pode ajudar com a ingestão de carnes, como o fígado, e a ingestão de vegetais e frutas, como brócolis, espinafre, couve, rúcula, limão e laranja.

Exclusivo para a web
Após o programa, o ginecologista José Bento e o hematologista Rodolfo Cançado participaram de um bate-papo na internet e tiraram dúvidas dos internautas sobre a anemia e a histerectomia. Assista ao lado.

 

 

Papo de verão
O quadro “Papo de verão” com o ginecologista José Bento. O primeiro assunto foi o biquini – o médico alertou para o uso de roupas molhadas.

Com a imunidade mais baixa por causa do calor e o ambiente úmido, a pessoa pode desenvolver o fungo da candidíase, que pode causar dor, corrimento e até infecção urinária. Para evitar isso, é importante lavar e secar as roupas de banho antes de usá-las ou, melhor ainda, levar outros biquinis ou sungas para trocar e não usar os mesmos sempre.

 

 

G1

Mortes e acidentes de trabalho mancham produção de ferro no Maranhão

Em 25 de outubro, o soldador Kennys de Oliveira Silva, de 21 anos, tornou-se a mais recente vítima fatal em acidentes nas siderúrgicas do Polo Carajás, que congrega as fábricas de ferro gusa e aço instaladas no Maranhão e no Pará. Ele trabalhava há apenas dois meses nas obras de expansão do grupo Ferroeste em Açailândia (MA). Dono de uma das maiores indústrias de ferro gusa da região – a Gusa Nordeste –, o grupo está construindo aquela que deve ser a primeira aciaria a funcionar em território maranhense.


Kennys de Oliveira Silva, soldador morto trabalhando obras de expansão do grupo Ferroeste em Açailândia (MA). Foto: Divulgação/Justiça nos Trilhos[bb]

Uma descarga elétrica teria sido a causa do óbito, segundo informações fornecidas à família pelo Instituto Médico Legal (IML). A mãe do jovem, Iorlete Ferreira de Oliveira, aguarda um posicionamento da empresa sobre as circunstâncias do ocorrido. “O que me foi dito é que o resultado da perícia sairia, no máximo, em 30 dias”, informa.

O Sindicato dos Metalúrgicos de Açailândia e Região (STIMA) informa esta foi a quarta morte ocorrida em siderúrgicas maranhenses desde 2010. Numa avaliação preliminar, baseada em conversas com funcionários da Ferroeste, Jarlis Adelino, o presidente da entidade, acredita que o falecimento de Kennys Silva possa ser creditado a “uma fatalidade”. Em relação aos outros três óbitos, no entanto, ele vê a influência de falhas de segurança e problemas na organização do ambiente de trabalho. São casos que remetem, de acordo com o representante sindical, a um funcionário esmagado, a outro que foi atropelado por um caminhão, e ainda um terceiro que caiu de um telhado.

“Desconhecemos qualquer perícia oficial que tenha sido realizada devido às mortes”, coloca Adelino. Segundo ele, existem apenas as perícias feitas pelas próprias empresas. “Acredito que, para serem mais transparentes, elas deveriam ao menos contar com o acompanhamento do sindicato, mas isso não acontece.” O STIMA afirma ainda ser insuficiente, nas siderúrgicas locais, o número de pessoas empregadas em determinadas funções, fato que sobrecarrega funcionários e, consequentemente, traz riscos à segurança. A crise internacional, iniciada em 2008, provocou demissões significativas nas guseiras do Polo Carajás.

Atualmente, a indústria de ferro gusa maranhense emprega cerca de três mil pessoas. De acordo com o sindicato, o setor comunicou à Previdência Social, entre 2011 e 2012, a ocorrência de 177 acidentes de trabalho. Queimaduras e problemas de coluna estariam entre os principais problemas vivenciados pelos trabalhadores no cotidiano laboral do setor.

Estatísticas oficiais
Os dados mais recentes do Anuário Estatístico de Acidentes do Trabalho, publicado pela Previdência Social, apontam, entre 2008 e 2010, a produção de ferro gusa entre os 20 segmentos econômicos que tiveram maior incidência de acidentes de trabalho, doenças ocupacionais e incapacidade temporária de trabalhadores no Maranhão (em proporção ao número de empregos mantidos por cada setor). O Anuário leva em conta mais de 250 atividades econômicas desenvolvidas no estado.

Para Bruno Milanez, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, o cenário na produção de ferro gusa é particularmente preocupante em comparação com outros segmentos da siderurgia. “Na questão da saúde e segurança do trabalhador, houve um avanço muito maior nas siderúrgicas integradas do eixo Sul-Sudeste do que nas guseiras”, pondera. Entre 2002 e 2006, um artigo publicado por Milanez e pelo o pesquisador Marcelo Firpo de Souza Porto indentificou um sistemático aumento de acidentes no setor, em contraste com  tendência de queda em outros segmentos da siderurgia. Os estados do Pará e do Maranhão concentravam, na ocasião, os maiores índices de acidentes.

 Mapa do pólo siderúrgico de Carajás, um dos principais no Brasil. Fonte:“Combate à devastação ambiental e ao trabalho escravo na produção do ferro e do aço”

A exposição dos trabalhadores à poluição atmosférica é outra preocupação levantada pelo padre Dário Bossi, um dos coordenadores da rede Justiça nos Trilhos. Segundo ele, faltam pesquisas sobre os efeitos da fuligem e da fumaça na saúde dos funcionários das siderúrgicas maranhenses. “Eles estão no ponto zero das emissões, então é uma situação preocupante”, ressalta. Em Açailândia, a poluição do ar oriunda do polo guseiro motiva inclusive ações do poder público para o reassentamento de moradores instalados em áreas vizinhas às fábricas.

Outro lado
Procurado pela Repórter Brasil, o grupo Ferroeste respondeu através de seu diretor e acionista, Ricardo Nascimento. Ele informa que a recente morte de Kennys Silva foi objeto de perícia, cujo resultado ainda não estava disponível até o fechamento dessa reportagem. Mas Nascimento adianta que o trabalhador recebeu todos os treinamentos cabíveis, dispunha dos equipamentos de segurança necessários e que toda a assistência possível foi dada à família. “Não houve imprudência da empresa. Foi um acidente, como pode acontecer em qualquer obra do Brasil”, coloca.

A reportagem também procurou o Sindicato da Indústria de Ferro Gusa do Estado do Maranhão (Sifema) para comentar questões sobre saúde e segurança do trabalhador. A entidade afirma que não há sobrecarga de função nas siderúrgicas. “Sobre o número de funcionários na linha de frente de produção, este é compatível com a capacidade de produção determinada em cada empresa”, atesta a entidade, por meio de nota. O Sifema também discorda da existência de dificuldades de acesso do sindicato dos trabalhadores às companhias do setor, “visto que, tanto o sindicato patronal, quanto suas filiadas, sempre mantiveram diálogo aberto com os trabalhadores e seus representantes, e sempre se mostraram disponíveis para prestação de informações solicitadas formalmente”.

Acesse aqui a nota completa encaminhada pela entidade.

reporterbrasil