Arquivo da tag: Federais

Mortes com acidentes de moto sobem 21% em rodovias federais da PB em 2019, diz PRF

O número de acidentes graves e mortes envolvendo motociclistas aumentou nas rodovias federais da Paraíba no primeiro trimestre de 2019, em comparação com o mesmo período no ano passado. Entre janeiro, fevereiro e março morreram 23 pessoas. O número é 21% maior que o registrado no primeiro trimestre do ano passado.

Os dados foram divulgados pela assessoria de imprensa da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que mostram ainda que o número de acidentes que deixaram vítimas gravemente feridas aumentou 46%, em relação ao ano passado. No primeiro trimestre desse ano foram 135 acidentados gravemente.

Os dados são preocupantes. Em 2018 foram registrados 699 acidentes envolvendo motos, sendo que 585 pessoas tiveram ferimentos leves com apenas escoriações, 282 com ferimentos graves e 65 morreram no local do acidente.

Homens morrem mais

Ainda no levantamento feito pela PRF, foi possível identificar que a maior parte dos acidentes de moto ocorrem com pilotos na faixa etária de 20 a 39 anos. Do total de vítimas graves em decorrência de acidentes de trânsito com motocicletas, 215 eram homens, o que representa 76,24%.

Quando os dados são referentes às vítimas fatais esse percentual é ainda maior. O número de homens mortos em acidentes de trânsito com motocicletas foi de 92%, o que significa 60 óbitos do total de 65 vítimas fatais.

Fiscalização

Depois de divulgar esse levantamento, a PRF informou que está intensificando a fiscalização de motociclistas para verificar as condições do veículo e dos condutores. A PRF destaca que na Paraíba, observa que muitos condutores não são habilitados e que muitos veículos não possuem condições de trafegar com segurança.

Foto: Walter Paparazzo/G1/Arquivo

G1

 

Protestos do MST interditam estradas federais na Paraíba

(Foto: Aline Oliveira/Jornal da Paraíba)

Um protesto realizado por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) interdita a BR-230 no início da manhã desta quinta-feira (21). De acordo com os manifestantes, o bloqueio acontece próximo a cidade de Cruz do Espírito Santo e o ato também acontece simultâneamente na BR-101, na cidade de Pedras de Fogo.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), as manifestações começaram por volta das 8h (horário local), no KM 55 da BR-230 e no KM 110 da BR-101.

De acordo com os manifestantes, o protesto visa uma audiência com a superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A coordenação do MST responsável pelos protestos explica que 150 famílias estão acampadas na sede do Incra há três dias aguardando a audiência. Ainda de acordo com a coordenação, o protesto segue até que a audiência seja feita.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

MEC libera R$ 1,2 bilhões para universidades e institutos federais

Se descordarem de resultados, escolas terão até o dia 5 de junho para recorrer
Foto: Agência Brasil

O Ministério da Educação (MEC) autorizou nesta quinta-feira (5) a liberação de R$ 1,2 bilhão para universidades e institutos federais em todo o país.

As universidades federais receberão R$ 925,12 milhões, dos quais R$ 397,6 milhões  são para custeio e R$ 114,2 milhões para investimento.

Já os institutos federais serão contemplados com R$ 366,3 milhões. Para a assistência estudantil, o órgão liberou mais de R$ 275,1 milhões de limite.

Desde o início do ano, o MEC repassou R$ 5,8 bilhões em recursos financeiros para as instituições federais vinculadas à pasta.

O Ministério também já liberou para as universidades e institutos federais R$ 43,51 bilhões para o custeio da folha de pagamento de pessoal.

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Decreto inclui pessoas com deficiência em cotas de universidades federais

As universidades federais e os institutos federais de ensino técnico de nível médio deverão reservar parte das vagas destinadas às cotas de escolas públicas a estudantes com deficiência. A reserva deverá ser na mesma proporção da presença total de pessoas com deficiência na unidade federativa na qual está a instituição de ensino, segundo o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A nova regra, publicada hoje (24) no Diário Oficial da União, altera o Decreto 7.824/2012, que regulamenta o ingresso por cotas nas instituições federais.

Atualmente, as instituições federais já devem reservar pelo menos 50% das vagas para estudantes que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas. Dentro dessa reserva, pelo menos metade deve ser preenchida por estudantes com renda familiar bruta igual ou inferior a um salário mínimo e meio por pessoa, o equivalente a R$ 1.405,50. Essas regras estão mantidas.

O decreto de 2012 já estabelecia também a reserva de vagas a estudantes pretos, pardos e indígenas, na mesma proporção da presença na unidade federativa. Agora, foi incluída também a reserva para estudantes com deficiência.

As instituições de ensino terão 90 dias para se adaptar. Nesse prazo, o Ministério da Educação deverá editar os atos complementares necessários para a aplicação dos novos critérios.

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Universidades e Instituto Federais disponibilizam 35 vagas para professores na PB

ufpbAs Universidades Federais da Paraíba e de Campina Grande estão com pelo menos 14 vagas abertas para professores de várias áreas. Já o IFPB, encerra hoje as inscrições para 21 vagas em todo o estado. Como os processos são diferentes, algumas das vagas já estão com inscrições abertas enquanto outras devem ser abertas durante a semana.

A UFPB disponibiliza 10 vagas distribuídas nos campi de João Pessoa, Mangabeira e Areia. Estão disponíveis vagas para professores das áreas de Sociologia, Saúde, Matemática, Filosofia, Economia e Zoologia. No edital publicado no Diário Oficial da Uniãoé possível conferir os detalhes de cada uma das vagas e o prazo de inscrição.

Já a UFCG disponibiliza quatro vagas para professores substitutos nos campi de Campina Grande e Patos, nas áreas de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Mecânica e Medicina Veterinária. Os detalhes das inscrições podem ser conferidos nos editais publicados.

O Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB) encerra nesta segunda-feira (10) inscrições para preenchimento de 21 vagas destinadas a professores substitutos. As oportunidades são disponíveis para todas as regiões do estado nas áreas de segurança do trabalho, ciências biológicas, informática básica, programação e banco de dados, sistemas operacionais, programação, física, educação física, legislação e construção civil.

O formulário de inscrição está disponível no portal do IFPB. A taxa de inscrição é R$ 100. Os candidatos irão passar por prova de desempenho, com caráter eliminatório e classificatório, e prova de títulos, caráter classificatório.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Cinco deputados federais da PB estão sob investigação no STF e acumulam 17 ações

stfCinco deputados federais da Paraíba estão sob investigação no Supremo Tribunal Federal (STF) e, juntos acumulam 17 processos. O levantamento foi feito pelo portal de notícias Congresso em Foco e divulgado nesta quarta-feira (29).

Aparecem na lista como investigados os deputados Aguinaldo Ribeiro (PP), líder do governo na Câmara; Efraim Filho, líder do DEM na Câmara; Rômulo Goveia (PSD); Veneziano Vital do Rêgo (PMDB); e Benjamin Maranhão. As acusações vão de corrupção, crimes contra a lei de licitações a formação de quadrilha.

O campeão em processos no STF é o deputado Veneziano Vital do Rêgo com 11 processos. Aguinaldo e Rômulo respondem a duas ações cada um. Já Benjamin e Efraim tem um processo contra eles no STF.

Leia a matéria completa:

Aguinaldo Ribeiro (PP-PB)

Inquérito 3989 – Corrupção passiva, lavagem de dinheiro e quadrilha

Inquérito 3146 – Crimes contra a lei de licitações

Benjamin Maranhão (SD-PB)

Ação Penal 676 – Quadrilha ou bando e crimes da lei de licitação

Efraim Filho (DEM-PB)

Inquérito 3653 – Crime contra lei de licitações e jurisdição e competência – Em 7 de março de 2016, a então relatora ministra Cármem Lúcia havia determinado o arquivamento. No entanto, o inquérito não foi arquivado e foi enviado à PGR, que está com vista do caso.

Em nota, a assessoria do parlamentar fez a seguinte manifestação sobre o inquérito:

“Na tabela exposta na matéria “Os deputados sob investigação no Supremo Tribunal Federal”, há uma incorreção. O caso envolvendo o líder do Democratas na Câmara, deputado Efraim Filho (PB), foi arquivado, fato comunicado à equipe do Congresso em Foco há algumas semanas, quando a reportagem levantou a situação dos líderes partidários”.

Conforme informado pela assessoria do parlamentar, a ministra Cármem Lúcia, então relatora do inquérito até o ano passado, havia determinado o arquivamento no dia 7 de março de 2016. No entanto, o caso ainda não foi arquivado, conforme informações da assessoria do STF. O inquérito está com vista à Procuradoria-Geral da Repúlbica e, atualmente, no tribunal, está sob a relatoria do ministro Ricardo Lewandowski.

Rômulo Gouveia (PSD-PB)

Inquérito 3736 – Crimes contra a Lei de Licitações

Ação Penal 952 – Crimes da lei de licitações

Ao Congresso em Foco, o deputado explicou que as contas relativas à sua gestão quando no Poder Legislativo Estadual foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba.

Em resposta ao questionamento realizado pelo Congresso em Foco, em vista da Ação Penal n° 952, em trâmite no STF, teço as seguintes considerações:

1- a ação diz respeito a ato de gestão praticado quando eu era presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba:
2 – a conduta investigada, como se demonstrará ao final da ação penal, não se traduziu em dolo ou má-fé, tampouco implicou dano ao erário;
3 – ressalto que todas as contas relativas a minha gestão à frente do Poder Legislativo Estadual foram aprovadas, por unanimidade, pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba;

Portanto, aguardo confiante o pronunciamento definitivo do Supremo Tribunal Federal.”

Veneziano Vital do Rêgo (PMDB-PB)

Inquérito 4328 – Investigação penal e improbidade administrativa

Inquérito 4012 – Crimes da Lei de licitações

Inquérito 4017 – Crimes da Lei de licitações

Inquérito 4029 – Peculato e crimes de responsabilidade

Inquérito 4179 – Crimes da Lei de licitações

Inquérito 4222 – Investigação penal

Inquérito 4229 – Crimes da lei de licitações

Inquérito 4041 – Crimes da Lei de licitações e crimes de responsabilidade

Inquérito 4122 – Crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos ou valores

Inquérito 3976 – Crimes de responsabilidade

Inquérito 4085 – Jurisdição e competência e corrupção passiva

Ao Congresso em Foco, o deputado Veneziano afirmou que “todos os questionamentos que têm chegado ao STF têm recebido decisões pelo arquivamento”. De acordo com ele, os processos foram abertos por força de interesse de ordem jurídica de seus adversários.

Ademais, há uma tranquilidade nessas questões. Tive minhas oito contas aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado no período em que fui prefeito de Campina Grande. Minhas contas foram todas aprovadas sem ressalvas. Quem tem oito contas aprovadas não tem como recear dos seus comportamentos”.

blogdogordinho

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Tribunal Regional Eleitoral não acata apelo de juíza e indefere pedido de tropas federais para Mari

treO Tribunal Regional Eleitoral negou, nesta quinta-feira (29), pedido de tropas federais para a cidade de Mari, na Zona da Mata paraibana.

O pedido foi feito pela juíza e a promotora da 4ª Zona Eleitoral na cidade de Sapé após o prefeito e candidato a reeleição, Marcos Martins (PSB), alegar que sofreu tentativa de assassinato a faca.

Tanto o relator da matéria como o membro do Ministério Público entenderam que a Polícia Militar, Civil e Federal teriam condições para manter a segurança e a ordem na cidade.

Além do mais, a corte considerou tardia uma solicitação para o pleito do próximo domingo (2). Todos os membros da corte acompanharam o relator.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

TSE aprova tropas federais para CG, Esperança, Pombal e Sousa

tropasfederaisO Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, durante sessão realizada nesta quinta-feira (29), o envio de tropas federais para reforçar a segurança das eleições em Campina Grande, Sousa, Pombal, Esperança e mais 11 municípios do interior da Paraíba.

De acordo com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB), José Aurélio da Cruz, afirmou que todos os pedidos apresentados pela Paraíba foram aprovados pelo TSE.

O relator do processo relativo a Campina Grande, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, votou a favor do envio das tropas federais e destacou resposta apresentada pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) que não se opôs ao reforço na segurança durante as eleições. O voto do relator foi acompanhado pelos demais ministros.

A requisição de tropas federais foi feita pelas juízas eleitorais com base no histórico de acirramento e para prevenir os crimes eleitorais.

Na mesma sessão, os ministros do TSE  aprovaram o envio de tropas federais para o município de Pombal. A relatora do pedido, Rosa Weber ressaltou os argumentos apresentadas pela juíza eleitoral, entre eles, o risco da ação de grupos criminosos e bandos armados.

O pedido de tropas federais para o município de Sousa foi relatado e aprovado pelo ministro Luiz Fux. A partir da aprovação, as tropas serão enviadas para os municípios de Sousa, Marizópolis, Lastro, Aparecida, Santa Cruz, Nazarezinho, Vieirópolis, São Francisco e São José da Lagoa Tapada.

O envio das tropas para os municípios de Esperança, Areial e Montadas. Entre os motivos que justificaram o envio está o tráfico de drogas nas cidades.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Desembargadora cita tráfico de drogas e TRE-PB aprova envio de tropas federais para Esperança

esperancaO Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PB) aprovou, durante sessão realizada na quinta-feira (22), o envio de tropas federais para o município de Esperança nas eleições de outubro. Quatro desembargadores votaram a favor do envio e outros três foram contrários ao pedido apresentado pela juíza da 19ª Zona Eleitoral, Francilene Lucena Melo Jordão.

Ao votar a favor do envio, a desembargadora Maria da Graças afirmou que existe no município de Esperança a presença de grupos de traficantes nas campanhas eleitorais. “Por conta disso, eu acompanho o voto pela convocação de tropas federais pela Esperança, pelos fatos passados ocorridos em outras eleições e agora com esse envolvimento de grupos de traficantes”, destacou.

Em seu pedido, a juíza Francilene Lucena citou a violência, ameaças e até envolvimento de narcotraficantes na campanha eleitoral em Esperança.

O juiz Emiliano Zapata destacou durante análise do pedido de tropas federais que a eleição em Esperança é bastante acirrada e fez um histórico dos pleitos passados. Ele também destacou graves relatos feitos pela juíza como a intimidação de candidato e da população por narcotraficante, ofensas em redes sociais, inclusive direcionadas a própria Justiça Eleitoral.

“Fatos que a meu ver se mostram com suficiente concretude para justificar o pedido feito pela juíza. Eu relato também que até por conta da proximidade com a cidade de Campina Grande, em que já conhecemos a necessidade de um reforço das forças de segurança, já demonstra a dificuldade das forças estaduais em relação a Esperança. Então, vejo que há elementos suficientes para solicitarmos reforço federal para o município de Esperança”, afirmou Emiliano Zapata.

O pedido será analisado agora pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Mulheres chefiam só um terço de todas as universidades federais no Brasil

Divulgação/UFSCar
Divulgação/UFSCar

Pela primeira vez em 54 anos da instituição, a UnB (Universidade de Brasília) poderá ter uma mulher à frente da reitoria. A diretora do Instituto de Geociências da instituição, Márcia Abrahão, foi eleita para chefiar a instituição pelos próximos quatro anos, mas ainda depende de ter o nome aceito pela Presidência da República em uma lista tríplice –que, antes, será apreciada na próxima sexta (16) pelo Conselho Universitário.

Apesar do feito – ela se elegeu com mais de 53% dos votos e com três chapas na disputa–, Márcia deve entrar para uma estatística que ainda pouco representa uma população formada majoritariamente por mulheres no Brasil. É o que mostra um levantamento feito pelo UOL com as 63 universidades federais distribuídas pelas cinco regiões do país, nas quais apenas um terço –ou 19 instituições –tem uma mulher como reitora.

De acordo com o levantamento, produzido a partir das informações dos portais das universidades até esta segunda (12), a disparidade entre homens e mulheres chefes na administração superior é mais ampla no Sul, com 18,18% de reitoras em um universo de 11 instituições. As mulheres chefiam a administração apenas na UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre) e na FURG (Universidade Federal do Rio Grande).

Em segundo lugar no ranking de baixa representatividade feminina está o Sudeste, região que concentra o maior número de federais, 19 instituições, mas nas quais apenas 15,8% têm reitoras. São quatro universidades, ao todo: a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a UFV (Universidade Federal de Viçosa), a UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) e a UFTM (Universidade Federal do Triângulo Mineiro).
No Nordeste, 33,33% das 18 universidades federais têm mulheres na chefia da administração – caso da UFPB (Universidade Federal da Paraíba), UFAL (Universidade Federal de Alagoas), UFMA (Universidade Federal do Maranhão), UFOB (Universidade Federal do Oeste da Bahia), UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e da UFRPE (Universidade Federal Rural de Pernambuco).

A região Norte tem 40% de participação feminina em reitorias em suas dez universidades, 40% –as mulheres chefiam a Unifap (Universidade Federal do Amapá), a UFAM (Universidade Federal do Amazonas), a UFOPA (Universidade Federal do Oeste do Pará) e a UFT (Universidade Federal do Tocantins).

No e Centro-Oeste, região com o maior percentual de representatividade feminina em reitorias, 60%, há reitoras na UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), na UFMT (Universidade Federal de Mato Grosso) e na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul).

Homens invisibilizam mulheres

Para a professora de sociologia da educação da Faculdade de Educação da UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora) – onde há reitor e vice-reitora – e integrante do Conselho Estadual da Mulher de Minas Gerais, Daniela Auad, 43, a disparidade entre homens e mulheres na chefia da administração superior mostra o quanto o ambiente acadêmico, “apesar de ele ser o espaço próprio para a reflexão”, ainda reproduz padrões de desigualdade entre os gêneros do restante do mercado de trabalho.

“Ocorre que a universidade não está acima de outras esferas da sociedade, ela é parte do mercado de trabalho para homens e mulheres como qualquer outro espaço. É bem verdade que não basta ser mulher para se ter boas pautas e propostas na disputa da administração superior, mas muitas têm, são muito boas e ainda são minoria nas eleições para reitoria e em cargos de poder”, afirmou a professora.

“As mulheres professoras têm tanta formação e competência na universidade quanto os professores homens; podem ser tão lideranças quanto os homens. Mas, na hora de fechar chapa para disputar a reitoria, eles mesmos não as querem –não é uma mera questão de esquerda e direita. Não somos a caricatura da feminista louca: somos mulheres no mercado de trabalho aptas a e ter excelência na administração superior”, disse Auad.

Na avaliação da professora, que é pesquisadora de gênero e de feminismo, a organização das chapas para reitoria até que é mista, mas de tal forma que “os homens mesmos invisibilizam as mulheres e assumem os cargos de mando”.

“As mulheres no ensino superior são pura resistência – porque tradicionalmente são pensadas para executar tarefas que sejam adaptadas pelo fato de potencialmente serem ‘cuidadoras’, ‘mães’ – elas podem e querem ser chefes. Hoje, até homens que se dizem de esquerda continuam a vem a mulher dessa maneira. Estamos na universidade para fazer pesquisa, docência, extensão e administração superior, não para ser mulheres que assessoram os homens e votam neles –mas também para ser assessoradas e votadas por eles. Equidade também é isso”, afirmou Auad.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br