Arquivo da tag: fechadas

Promotor pede reabertura de escolas fechadas na zona rural de Areia, PB

O Ministério Público entrou com ação civil pública pedindo a reabertura de escolas fechadas no ínicio do ano letivo na zona rural de Areia, no Brejo paraibano. No entanto, de acordo com o promotor de Justiça Nilton Chagas, a medida foi tomada devido ao não cumprimento de requisitos para o fechamento das escolas na zona rural do município.

A prefeitura fechou as escolas alegando que a quantidade de alunos não seria suficiente para formar turmas. Segundo o Prefeito de Areia, João Francisco, o fechamento das escolas faz parte de um processo da Secretaria Municipal de Educação para acabar com o sistema de ensino multiseriado, onde alunos de séries diferentes estudam juntos numa mesma sala de aula.

“Estamos guiados em indicações do Ministério da Educação, no pedido de fechamento das escolas multiseriadas pela Câmara Municipal, Conselho Municipal de Educação e também por documentos da Associação Municipal dos Professores. Todos esses orgãos nos deram indição que a escola multiseriada não é uma escola justa, quando podemos oferecer aos nossos alunos uma educação seriada, onde cada aluno tem sua condição apropriada com colegas de mesmo nível intelectual”, explicou o prefeito.

Nove escolas da zona rural de Areia já passaram pelas medidas da Secretaria de Saúde, desde o ano passado. Após o fechamento das escolas, a prefeitura ofereceu a transferência dos alunos para uma escola e para uma creche na zona urbana, com cerca de 2 km de deslocamento, mas os pais dos alunos não aceitaram a mudança. Por isso, cerca de 49 alunos estavam assistindo aulas nos fundos da escola Maria Emília Maracajá, em barracos improvisados com lonas.

Caso o pedido de liminar do promotor Nilton Chagas seja aceito, as escolas fechadas devem ser abertas imediatamente, até que a Juíza apresente o parecer final sobre a situação.

Ministério Público pede reabertura das escolas da zona rural de Areia

Ministério Público pede reabertura das escolas da zona rural de Areia

 G1

 FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Paralisação deixa João Pessoa sem ônibus, trens e com principais avenidas fechadas

(Foto: Walter Paparazzo/G1)

Os ônibus de transporte público de João Pessoa e os trens que fazem o transporte na Região Metropolitana na capital paraibana estão parados no início da manhã desta sexta-feira (28) devido a paralisação dos motoristas e funcionários da Companhia Brasileira de Trens Urbanos de João Pessoa (CBTU).

Além dos serviços de transportes parados, manifestantes fecharam pelo menos seis avenidas de João Pessoa: Avenida Pedro II, na altura do Jardim Botânico, na Torre; a Avenida Via Expressa Padre Zé, próximo ao Campus da UFPB de João Pessoa; a Avenida Cruz das Armas, nas imediações da feira de Oitizeiro; A Avenida Tancredo Neves, no bairro do Ipês; Acesso Oeste; e Parque da Lagoa, no trecho antes do hipermercado.

Garagem da principal empresa de transporte público de João Pessoa amanheceu fechada nesta sexta-feira (Foto: André Resende/G1)

Garagem da principal empresa de transporte público de João Pessoa amanheceu fechada nesta sexta-feira (Foto: André Resende/G1)

Na saída para o Rio Grande do Norte e para o interior da Paraíba, no entrocamento das BRs 101 e 230, manifestantes também fecharam uma das faixas. As interdições tiveram início por volta das 5h e até as 7h, todas as avenidas estavam fechadas com pneus em chamas.

A Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob) informou que a Avenida Epitácio Pessoa, o Viaduto do Cristo, Avenida Hilton Souto Maior, em Mangabeira e Avenida Beira-rio, não estão interditados e podem ser alternativas para os motoristas.

Avenida Cruz das Armas foi bloqueada na setxa-feira (28)  (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Avenida Cruz das Armas foi bloqueada na setxa-feira (28) (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Serviços paralisados

As agências bancárias em toda Paraíba estão fechadas nesta sexta-feira (28) porque os bancários aderiram à paralisação. Os Sindicato do Professores das escolas privadas de João Pessoa também aunciaram adesão à paralisação desta sexta. As escolas públicas também não vão ter aulas.

A Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) determinou ponto facultativo, para que os servidores que escolherem participar da paralisação não tenham o ponto cortado.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Cinco agências dos Correios serão fechadas na Paraíba

Em muitas outras cidades do estado, a situação se agrava e não há sequer entrega de correspondências (Foto: Walla Santos)
Em muitas outras cidades do estado, a situação se agrava e não há sequer entrega de correspondências (Foto: Walla Santos)

Os Correios anunciaram o fechamento de 250 agências em todo o país, como parte de projeto de fusão de agências, anunciado em fevereiro. O processo vai ser gradativo e começa a ser realizado já neste mês de abril seguindo até o mês de novembro. Na Paraíba cinco agências serão encerradas, três delas em Campina Grande.

Na lista contém a agência filatélica de João Pessoa, que trabalha apenas com selos especializados; a agência dos Correios no bairro da Estação, em Sousa; a filatélica de Campina Grande, que funciona na sede dos Correios no centro da cidade, e as dos distritos de São José da Mata e Galante.

Em março, o Ministério Público Federal (MPF) pediu à Justiça Federal que proíba a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) de prestar atendimentos como Banco Postal por meio de suas agências, devido à falta de garantia de segurança à população na Paraíba. A ação tramita na 2ª Vara da Justiça Federal na Paraíba.

De acordo com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), o fechamento das agências dos Correios pretende tornar rede de atendimento mais eficiente e melhorar a prestação de serviços à população. Atualmente, são mais de 6.500 agências dos Correios pelo país, além de 1 mil franqueadas.

Segundo o órgão, as mudanças serão feitas de maneira gradual e apenas em municípios com mais de 50 mil habitantes.

ClickPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Cinco agências dos Correios na PB serão fechadas este ano

correiosCinco agências dos Correios e Telégrafos devem ser fechadas na Paraíba até setembro deste ano. As mudanças vão acontecer nas cidades de João Pessoa, Campina Grande e Sousa e nos distritos de Galante e São José da Mata.

Segundo a assessoria de imprensa da empresa, na Capital e na Rainha da Borborema o serviço muda apenas nas agências de atendimento exclusivo a colecionadores de selos, ambas situadas nas agências centrais das cidades. As unidades continuarão funcionando nos locais, mas serão transformadas em guichês. Em Sousa, onde atualmente existem duas agências, uma terá suas atividades encerradas por completo.

Mas a maior mudança será mesmo para os moradores dos distritos de Galante e São José da Mata, na Região de Campina Grande, que terão que viajar para outras cidades para receber atendimento.

Ainda conforme os Correios e Telégrafos, todos os servidores das agências encerradas serão remanejados para outras unidades.

Em todo o Brasil, cerca de 250 agências serão fechadas, conforme foi anunciado pela empresa em fevereiro deste ano. De acordo com o divulgado, o objetivo é fundir agências para que a rede de atendimento fique mais eficiente e a prestação de serviços à população seja melhorada.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Professores denunciam atraso de salários e escolas fechadas em Curral de Cima

escolaOs professores de Curral de Cima encaminharam denúncia, junto ao Ministério Público Estadual, sobre atraso de salários, fechamento de escolas, falta de merenda, além de suspensão de transporte escolar. Eles pedem providências urgentes para que o ano letivo não seja perdido e que não se comprometa o próximo, além da garantia do paramento dos vencimentos.

“A situação está crítica em Curral de Cima. O atual prefeito quer inviabilizar a próxima gestão e vem massacrando trabalhadores da educação e estudantes por ter saído derrotado das urnas. Vamos procurar a Justiça pedindo bloqueio de recursos para garantir pagamento de salários”, disse o prefeito eleito, Totó Ribeiro (PSDB).

Os educadores estão sem receber há dois meses e informaram que após o período eleitoral o atual prefeito Nadir Fernandes (PSB), que saiu derrotado das urnas, suspendeu as aulas e fechou as portas das 14 escolas municipais.

Eles alegam que mesmo se as escolas estivessem abertas, não teriam alunos da zona rural, pois o transporte foi suspenso sem nenhuma justificativa. Os estudantes da rede estadual e aqueles que fazem universidade fora também estão prejudicados, pois dependem do transporte escolar.

pbagora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Greve dos bancários entra no 3º dia; mais de 7 mil agências estão fechadas

greveA greve dos bancários entrou no terceiro dia. A paralisação, que começou na terça-feira (6) é por tempo indeterminado. No primeiro dia, segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), ficaram fechadas 7.359 agências, centros administrativos, Central de Atendimento (CABB) e Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) tiveram as atividades paralisadas.

De acordo com o Banco Central, o país tem 22.676 agências bancárias instaladas no país, segundo dados de julho.

A Fenabran não divulgou balanço de agências fechadas neste 1º dia de greve, ressaltando apenas que a população tem à sua disposição uma série de canais alternativos para realizar transações financeiras.

Segundo a Contraf, uma nova rodada de negociações com os bancos foi marcada para sexta-feira, a partir das 11h, em São Paulo.

Até a última atualização desta reportagem, pelo menos 25 estados e o Distrito Federal tinham agências fechadas.
Reivindicações
A categoria rejeitou a proposta da Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) de reajuste de 6,5%  sobre os salários, a PLR e os auxílios refeição, alimentação, creche, e abono de R$ 3 mil. Os sindicatos alegam que a oferta ficou abaixo da inflação projetada em 9,57% para agosto deste ano e representa perdas de 2,8% para o bolso de cada bancário.

Os bancários querem reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.940,24 em junho), PLR de três salários mais R$ 8.317,90, além de outras reivindicações, como melhores condições de trabalho.

Segundo a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban, o braço sindical dos bancos), a proposta representa um aumento, na remuneração, de 15% para os empregados com salário de R$ 2,7 mil, por exemplo. Para quem ganha R$ 4 mil, o aumento de remuneração será de 12,3%; e, para salários de R$ 5 mil, equivale a 11,1%. O piso salarial para a função de caixa, com o reajuste, passaria a R$ 2.842,96, por jornada de 6 horas/dia.

“É importante ressaltar que as soluções encontradas na mesa de negociação variam conforme a conjuntura econômica e que a proposta apresentada neste ano responde a condições específicas pela qual passa a economia brasileira”, diz a entidade.

Atendimento
Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) lembra que os clientes podem utilizar os caixas eletrônicos para agendamento e pagamento de contas (desde que não vencidas), saques, depósitos, emissão de folhas de cheques, transferências e saques de benefícios sociais.

Nos correspondentes bancários (postos dos Correios, casas lotéricas e supermercados), é possível também pagar contas e faturas de concessionárias de serviços públicos, sacar dinheiro e benefícios e fazer depósitos, entre outros serviços.

Greve passada
A última paralisação dos bancários ocorreu em outubro do ano passado e teve duração de 21 dias, com agências de bancos públicos e privados fechadas em 24 estados e do Distrito Federal. Na ocasião, a Fenaban propôs reajuste de 10%, em resposta à reivindicação de 16% da categoria.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Apagão atinge Grande SP, Rio, PR e ES; metrô tem portas fechadas

metroUm apagão em São Paulo, no Rio de Janeiro, no Paraná e no Espírito Santo desligou parte da energia elétrica desses Estados nesta segunda-feira (19). A energia ainda não foi restabelecida.

O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) não confirma os locais atingidos, mas, por meio de sua assessoria, assegurou que há áreas no país em que o fornecimento foi interrompido.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O Ministério de Minas e Energia informou que não tem conhecimento do ocorrido, mas que está buscando mais informações sobre o problema. Há possibilidade de que outros Estados tenham sido afetados.

Em nota oficial, em sua página na internet, a Eletropaulo disse que o desligamento de seus clientes teria ocorrido por orientação do próprio ONS, que “cortou mais de 700 MW (megawatts) de energia”. No entanto, pouco depois, a empresa informou que a totalidade de sua carga de energia foi restabelecida às 15h50.

A assessoria de imprensa da Light confirmou que foi orientada pelo ONS a interromper o fornecimento em alguns locais, o que teria acontecido a partir das 14h53. No Paraná, a Copel disse que cortou 320 megawatts por determinação do operador. Segundo a empresa, todo o Estado foi afetado.

No Espírito Santo, a EDP Escelsa informou ter feito, também por determinação da ONS, “redução de carga no seu sistema”, na tarde desta segunda que atingiu o fornecimento de energia em parte de oito municípios do Estado. A capital do Estado, segundo a empresa, não foi afetada.

Folha 

TRE nega direito de resposta sobre escolas fechadas

TRE-PBA coligação do governador Ricardo Coutinho teve negado um pedido direito de resposta no guia do senador Cássio Cunha Lima, por conta da notícia de que o atual governo teria fechado mais de 230 escolas. O jurídico da campanha de Ricardo alega que a informação é sabidamente inverídica, uma vez que não houve fechamento de escolas, mas tão somente um reordenamento.

Esclarece que o reordenamento não foi realizado de forma aleatória, foi seguindo o que disciplinou o Plano Estadual de Educação, implementado através da lei 8.043/2006. Assim, tudo que o governo do Estado fez foi simplesmente dar cumprimento ao que dispôs a lei, lei esta que teria sido sancionada pelo ex-governador Cássio Cunha Lima.
O pedido de direito de resposta foi negado pela juíza Niliane Meira, do Tribunal Regional Eleitoral, que invocou precedentes do Tribunal Superior Eleitoral sobre a matéria. Um deles diz que “para efeito de concessão de direito de resposta, não caracteriza fato sabidamente inverídico crítica à administração baseada em fatos noticiados pela imprensa. A mensagem, para ser qualificada como sabidamente inverídica, deve conter inverdade flagrante que não apresente controvérsias”.
Ela disse que o fato de ter sido juntado ao processo farta documentação para provar que não houve fechamento de escolas, não há como considerar a notícia como sabidamente inverídica. “Com todo o arcabouço probatório juntado aos autos, surge o questionamento quanto ao conceito do que seria sabidamente inverídico. Questiona-se se o sabidamente inverídico necessitaria de 250 páginas para ser provado”.
A magistrada disse que ao invés de pedir direito de resposta, a coligação do governador deveria usar seu próprio propgrama eleitoral para se defender das acusações feitas pelos adversários. “Entrementes, aquilo que precisa ser provado por farta documentação, muitas vezes inacessível à população, não pode ser considerado sabidamente inverídica, mas, melhor que isso, talvez ser esclarecido em espaço próprio a esse fim destinado, qual seja o guia eleitoral”.
E conclui a magistrada em seu despacho: “Vale lembrar que as críticas aos candidatos, ou ao grupo político que os apoia, ainda que irritantes, contundentes, ácidas, não podem ser proibidas, mas devem ser por eles aceitas ou refutadas, se for o caso”.
jornaldaparaiba

Cássio Cunha Lima analisa alianças e diz que na Paraíba as chapas são fechadas na madrugada do dia das convenções

cassioApesar de muitas conversações em torno de formação das chapas majoritárias, o pré-candidato ao governo, Cássio Cunha Lima (PSDB), surpreendeu e lembrou que na Paraíba as composições só são fechadas na madrugada do último dia, que antecede convenções partidárias. Para o senador, até o prazo final para se fechar as chapas, muitos acertos ainda devem ocorrer.Cássio também comentou as declarações do deputado Manoel Junior (PMDB) sobre a aliança entre o PMDB e o PSDB para disputar o Governo da Paraíba. Manoel considerou que a aliança entre os dois partidos é inevitável.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Cássio disse que vê com a alegria “o sentimento de unidade das oposições paraibanas”.

O tucano frisou que as três pré-candidaturas lançadas (PSB, PSDB e PMDB) são competitivas e falou que defende a união dos partidos que fazem oposição ao Governo.

“Tenho defendido que as oposições possam estar coesas para apresentar propostas e soluções para os problemas que a Paraíba enfrenta”, destacou.

Manoel Júnior concedeu entrevista aos radialista Rudney Araújo, Tony e Rony Vieira, da Rádio Rural, durante a Macha dos Prefeitos, em Brasília.

Roberto Targino – MaisPB

Exclusivo: Gustavo Nogueira pede exoneração do cargo em reunião a portas fechadas com RC

gustavo-nogueiraO último cargo de primeiro escalão do PSDB no governo de Ricardo Coutinho (PSDB), Gustavo Nogueira, secretário de Planejamento da Paraíba entregou o pedido de exoneração no final da tarde desta terça (25).

Em conversa por telefone com repórter Anderson Soareas da TV Arapuan, no início da manhã desta (26), Nogueira destacou que entregou pessoalmente o pedido nas mãos do governador.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A reunião aconteceu a portas fechadas e durou algumas horas, o ex-secretário afirmou que a conversa foi ‘altamente cordial, civilizada e respeitosa’.

Nogueira era o último cargo de primeiro escalão tucano que permanecia no governo socialista. A expectativa em torno da entrega aumentou após uma reunião da executiva do PSDB nesta segunda (24) determinando a entrega imediata dos cargos.

Marília Domingues / Anderson Soares