Arquivo da tag: Fé

Semana Santa Cultural é realizada em Solânea com Fé, Arte e Cultura

semana santaA cidade esteve turisticamente movimentada e o pertencimento brejeiro gritou com a integração de grupos culturais de cidades vizinhas (Bananeiras e Serraria) em nossa semana. Com uma programação essencialmente cultural, o evento afiou o discurso da laicidade do estado, dando espaço para diversas religiões adentrarem a programação (houve um bate-papo ecumênico de olhares entre 05 lideranças religiosas acerca do período pascoal).

Além do incentivo as brincadeiras populares com apresentação de Babau. O evento aconteceu em dois espaços: Praça Principal e Cine Teatro da cidade e teve a presença maciça do público em sua maioria Solanenses, assim também como muitos turistas que visitavam a região do Brejo nesse feriado.

A Semana contou também com lideranças políticas e religiosas, como o Rev. Beto Tomé, capelão do Exercito Britânico e reverendo na Igreja Anglicana na Inglaterra. Um dos maiores eventos turístico-cultural do período da Semana Santa no Brejo Paraibano, com realização total do Governo Municipal.

A Semana Santa Cultural: Fé, Arte e Cultura, foi realizada pelo Departamento Municipal de Cultura da Prefeitura Municipal de Solânea e teve o seu encerramento na noite de sábado (15) com o Cine Teatro lotado para ver a encenação da Paixão de Cristo da cidade de Serraria, aplaudida de pé. Frisamos e a parceria com a Secretaria de Turismo de Serraria.

Dicult

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Auto do menino Deus reuniu fé, tradição e cultura em Bananeiras

auto de natalCom um texto em verso e um passeio por danças folclóricas como Boi de Reis e cavalo marinho e danças orientais, como a dança do ventre; o auto do menino Deus reuniu fé, tradição e cultura. A narrativa que conta a história do nascimento do menino Jesus, contou com 150 crianças e adolescentes que fazem parte da Escola Pública Municipal de Teatro de Bananeiras, a única no estado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O espetáculo que faz parte da programação do Natal Iluminado, evento promovido pela Prefeitura Municipal, foi apresentado na noite deste sábado, 20 de dezembro, em frente à igreja matriz da cidade. Um grande público prestigiou o evento.

Jucinaldo, diretor da escola de teatro, disse que a ideia foi reunir elementos populares para representar o nascimento do Menino Jesus.

O Prefeito do município, Douglas Lucena, que prestigiou o evento, disse ter ficado emocionado e confessou ter se surpreendido com a qualidade na representação dos alunos na apresentação do auto. Douglas acrescentou que o espetáculo é o evento mais esperado do ano, porque reúne emoção e sentimento.

Na praça Epitácio Pessoa a programação contou com o show do Douglas Gomes. Próximo sábado (27) tem apresentação da Orquestra Lira dos Artistas e Vando Sertanejo, na Praça, e Coral Agnus Dei.

Programação

Dia 27 Dezembro Sábado Praça Epitácio

19h30: Coral Agnus Dei -1º igreja Batista de Bananeiras

Orquestra Lira dos Artistas -Bananeiras

Vando Sertanejo e Banda

 

Dia 31 Dezembro Quarta Feira Praça Epitácio

 

00h00 Girândola – Queima de Fogos

00h30 – Música na Praça

 

Para saber mais da Programação acesse www.bananeiras.pb.gov.br

Assessoria

Bispo de CG pede a cristãos para prepararem o coração para celebrar com fé o Natal

Dom DelsonAs luzes do Natal que embelezam as cidades nesse período do ano; os presépios montados em locais estratégicos, a presença do “papai noel”; e os enfeites que decoram as casas e as lojas, materializam o chamado espírito de Natal. É o tempo mágico que todos os anos tornam os corações dos homens mais sensíveis para celebrar no nascimento do “Emanoel” Deus Conosco anunciado pelos profetas. Entretanto, devido ao consumismo, muitos cristãos acabam se esquecendo do verdadeiro sentido da festa que teve sua origem na gruta de Belém há mais de 2 mil anos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Nesta época acontecem muitas confraternizações nos grupos, comunidades, empresas, pois, tradicionalmente, os cristãos encerram o ano, um ciclo e esperam dias melhores. Mas qual o verdadeiro sentido para estas confraternizações? Para ajudar os cristãos a se prepararem bem para celebrar o Natal, a igreja católica, através do seu calendário litúrgico, abre a partir deste domingo (30), o Advento, que significa tempo de espera para a vinda do Senhor. Este ano, o Advento começa neste domingo e se prolonga até a tarde do dia 24 de dezembro, em que começa propriamente o Tempo de Natal.

O bispo diocesano de Campina Grande Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz explicou o sentido da data, e disse que a partir de hoje, os cristãos passarão a viver um tempo rico de preparação para o Natal. O religioso lembrou que o mundo cristão se movimenta neste tempo, preparando-se para o nascimento de Jesus Cristo. Segundo ele, a mística que orienta esta fase é de atenção e expectativa diante do que se vai celebrar. “ Deus vem! Ele vem ao encontro do homem que deve estar preparado, alerta e vigilante” alertou.

Dom Manoel Delson explica que a Igreja orienta os católicos a terem duas atitudes fundamentais neste período. A primeira, intensificar a leitura e a meditação da Palavra de Deus; a segunda, abrir-se ao próximo, penitenciando-se e realizando obras de caridade e amor ao próximo.

“É que o melhor exercício de purificação para ir ao encontro de Deus é mergulhar na sua Palavra e deixá-la penetrar nas profundezas das próprias entranhas. A mensagem divina tem força de renovar a pessoa por dentro. Quanto mais se tem contato com o que Deus diz, mais transformado para melhor torna-se o indivíduo. A penitência leva o ser humano a reconhecer os pontos que precisa melhorar. Isso é um gesto grandioso de humildade, que abre a pessoa para dar passos elevados e poder, de verdade, estar preparado para o encontro com o Deus que nasce e com o próximo que está aí do lado”, apelou.

Para Dom Delson, “a espera que os cristãos costumam fazer, passa naturalmente pela preparação das coisas: arrumar a casa com enfeites característicos, roupa nova, presentes para os amigos, comidas, bebidas, confraternizações, etc. No entanto, tudo isso tem significado se estiver relacionado com a preparação interior e o desejo de verdadeiramente encontrar-se com Deus. “Recomenda-se, então, intensificar a oração: colocando-se diante de Deus, ouvindo-o com alegria e satisfação” afirmou.

Ele enfatizou ainda que “sem este estar com Deus, sem ouvir sua Palavra, sem arrumar o coração, as demais ações preparatórias ficam esvaziadas de sentido. “Deste modo, o Advento é tempo de assumir atitudes novas de solidariedade, de compaixão pelos outros, especialmente pelos mais pobres, enfermos, fragilizados pela vida e pela exclusão social. Um ato de amor tem poder fantástico de mudar, de curar e transformar vidas.

PBAgora

II Semana Santa Cultural em Solânea: fé, arte e cultura na serra, acontecerá nos dia 17, 18 e 19

A Diretoria de Cultura de Solânea divulga a programação da II Semana Santa Cultural que este ano terá como tema “fé, arte e cultura na serra”. Serão três dias de muita cultura voltada a memória de morte e ressureição do salvador da humanidade, Cristo Jesus. As atividades culturais serão todos em praça pública para que todos tenha acesso aos bens culturais no município. Este ano a celebração toma uma proporção maior em relação ao ano passado, uma vez que contaremos com mais manifestações artísticas e culturais, se apresentando no palco principal e na Praça 26 de Novembro, no centro de nossa cidade.

A II Semana Santa Cultural de Solânea inicia-se na próxima quinta-feira,17, á partir das 16:00h, seguindo a seguinte programação: cantoria de viola na citada praça, com a dupla de repentistas Ronaldo Cipriano e Auremir Caetano, cantando versos relacionados á Paixão de Cristo e a noite, á partir das 20:00h, haverá uma mostra de jovens talentos da música com seleções de canções cristã e participação especial de Beatriz Oliveira(vencedora do show de calouros no I Festival da Primavera de Solânea). Na sexta-feira , 18 , as apresentações acontecerão apenas á noite: ás 20:00h, música instrumental seguida de apresentação do Coral Agnus Day da 1ª Igreja Batista da Cidade de Bananeiras, às 20:30h, e para encerrar a noite da sexta-feira “da paixão”, a apresentação do grupo Pau e Cordas de Chorinho da cidade de Solânea, encantando com belas canções cristã. No Sábado de aleluia, dia 19 de abril, haverá às 16:00h, a apresentação da via-sacra da comunidade são João Batista mostrando a encenação da via dolorosa de nosso senhor Jesus. A noite para encerrar a programação da II Semana Santa Cultura de Solânea, haverá a encenação do espetáculo, que pelo segundo ano consecutivo se apresenta em Solânea, “O Cristo da Paixão” , musical da 1ª igreja Batista de Bananeiras.

A Diretoria de Cultura(DICULT) de Solânea convida todos para participar e viver mais este momento de celebração no município. Certo da participação de todos, convido-os a saírem de suas casas e se  dirigir a praça 26 de Novembro para prestigiarem nossos artistas, precisamos nos dar a oportunidade de viver cultura. Vamos nos emocionar com esta programação cultural, pensada com carinho para melhor presentear o nosso povo”. Falou o diretor de cultura Tiago Salvador.

O diretor de cultura também informa que haverá transporte gratuito para locomoção das pessoas nas comunidades mais distantes, até o local da praça onde ocorrem as apresentações, cito, Santa Fé, São João Batista e centro da cidade de Bananeiras para Solânea a partir das 20:00h nos três dias do evento. Tiago Salvador disponibiliza o numero do TELEFONE DA CULTURA, para que as comunidades que ficam distantes e sentirem desejo de vir a praça, entrar em contato com a Diretoria de Cultura, no fone (83) 9327-2060, assim poderão agendar o transporte. “Só não podemos deixar de participar, vamos nos alegrar neste feriadão e ao mesmo tempo recordar do mistério da cruz onde cristo se sacrificou por nós”- disse o prefeito Beto do Brasil.

cartaz

DICULT\PMS\Assessoria de Comunicação

 

Guaratiba, campo da fé, mar da tristeza

cf-7-size-598Quando veio a chuva, voltaram as poças. E o manto d’água sobre o barro avermelhado criou pequenos espelhos que ainda refletem fragmentos do imenso altar preparado para receber Francisco. O papa não vem, nem virão os peregrinos e suas bandeiras coloridas. Os funcionários que acompanharam o lamaçal em Guaratiba nos últimos meses já sabiam que só por milagre o terreno suportaria o evento programado para sábado e domingo. Mas ainda assim a notícia de que nem o pontífice nem os quase dois milhões de fiéis veriam a obra pronta foi uma decepção. “Chorei a noite inteira. Não gosto nem de falar que me dá vontade de chorar de novo. A gente se entregou de corpo e alma. Para mim, foi maravilhoso trabalhar pela vinda do papa”, disse André Luiz Ruela, de 39 anos, que trabalhava na obra de Guaratiba dirigindo caminhão para abastecer os lotes com água potável – um desafio para a estrutura temporária de Guaratiba. Eram 12 veículos nesse trabalho. No dia da missa final, seis ficariam na parte interna do campo, e André tinha negociado para ser um dos motoristas a ver o papa de perto. “Agora, não tenho esperança de ver o papa”, admitiu.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O espetáculo da Jornada Mundial da Juventude é o público

Acompanhe a Jornada Mundial da Juventude no site de VEJA

O Campus Fidei foi entregue para o evento no domingo, depois de seis meses de uma batalha contra as poças d’água que se formavam a cada chuva. Foram 500.000 viagens de caminhões carregando terra para nivelar a área e um mês de jornadas de 24 horas de trabalho ininterrupto, divididas em dois turnos. Na segunda-feira, uma forte chuva atingiu o Rio, e o terreno não suportou. Um trator já havia sido engolido pela lama durante as obras, e um caminhão atolou ao fazer uma entrega na manhã de quarta-feira.

A Defesa Civil foi ao terreno e comunicou que não seria mais possível realizar o evento. “Era um clima de morte”, resumia um dos funcionários, que na sexta-feira já desmontava o Campus Fidei. Os operários estão desanimados. Durante os meses de trabalho, acharam que estavam participando de uma obra histórica. Com o tempo, fizeram amizade – entre eles e com a vizinhança. “Não queria participar da desmontagem. Estou aqui há três meses e, durante a semana, durmo no carro. Aqui, um ajudava o outro. É triste, mas não tinha como ser aqui. Se não chovesse, o povo ia comer poeira. Se chovesse, faria lama”, disse Paulo Roberto Costa, de 49 anos.

Alguns peregrinos anteciparam-se e mudaram-se para Guaratiba. Um grupo de 25 jovens, acompanhado do padre Clesio Ribeiro dos Santos, de 34 anos, chegou de Belo Horizonte na madrugada desta sexta-feira. Desembarcaram na casa alugada por 5.000 reais, a 500 metros do Campus Fidei. “Alugamos a casa há sete meses para ficar bem perto do lugar onde o papa rezaria a missa. Agora, corremos o risco de não participar da Jornada. Não tem mesmo jeito. Pelo que vi, o terreno é só terra. Parece Serra Pelada”, disse o padre.

O comércio também terá perdas. Fábio Azevedo, dono de uma loja de conveniência, e Patricia Marques, proprietária de um mercado, se juntaram para montar um esquema de venda de comida e bebida para os peregrinos. Investiram 300.000 reais em produtos, alugaram duas casas há dois meses para fazer a estocagem e a venda ao lado do Campus Fidei. Souberam na quinta que não haveria evento em Guaratiba. “É um descaso com quem está aqui. Desanimador”, reclamou Patricia, que colocou um carro de som nas ruas chamando as pessoas para o mercado, onde ela revenderá as comidas e bebidas. Fábio ficou com a outra parte dos produtos. “Mesmo revendendo mercadoria, a gente perde uns 100.000 reais”, explicou.

Outros investiram menos, como Jaqueline de Paula, de 35 anos, que pegou um empréstimo de 300 reais para comprar massa para fazer salgados. “Vou tentar vender de dia e de noite para o pessoal daqui mesmo. Fazer o que?”, disse Jaqueline. Na quinta, ela estava no ônibus quando soube que não haveria celebração em Guaratiba. Só teve tempo de ligar para o fornecedor e avisou que não queria mais os oito engradados de refrigerante. No outro lado da rua, Cesar da Cruz, dono de um bar, não se conforma com a perda e com a vergonha. “Decepção para nós. Vergonha para o país”, afirmou.

Veja

Lumen Fidei – A Luz da fé, primeira Encíclica do Papa Francisco

papaLumen Fidei – A luz da fé, assim se intitula a primeira Encíclica do Papa Francisco que hoje foi apresentada em conferência de imprensa, no Vaticano. Dirigida aos bispos, sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas e a todos os fiéis leigos, a Encíclica – explica o Papa Francisco – já estava “quase completada” por Bento XVI. Àquela “primeira versão” o atual Pontífice acrescentou “ulteriores contribuições”. A finalidade do documento é recuperar o caráter de luz que é específico da fé, capaz de iluminar toda a existência humana.Quem acredita nunca está sozinho, porque a fé é um bem comum que ajuda a edificar as nossas sociedades, dando esperança. E’ este é o coração da Lumen fidei. Numa época como a nossa, a moderna – escreve o Papa – em que o acreditar se opõe ao pesquisar e a fé é vista como um salto no vazio que impede a liberdade do homem, é importante ter fé e confiar, com humildade e coragem, ao amor misericordioso de Deus, que endireita as distorções da nossa história.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Testemunha fiável da fé é Jesus, através do qual Deus atual realmente na história. Como na vida de cada dia confiamos no arquiteto, o farmacêutico, o advogado, que conhecem as coisas melhor que nós, assim também para a fé confiamos em Jesus, um especialista nas coisas de Deus. A fé sem a verdade não salva, diz em seguida o Papa – fica a ser apenas um bonito conto de fadas, sobretudo hoje em que se vive uma crise de verdade, porque se acredita apenas na tecnologia ou nas verdades do indivíduo, porque se teme o fanatismo e se prefere o relativismo. Pelo contrário, a fé não é intransigente, o crente não é arrogante: a verdade que vem do amor de Deus não se impõe pela violência, não esmaga o indivíduo e torna possível o diálogo entre fé e razão.

Se torna, portanto, essencial a evangelização: a luz de Jesus brilha no rosto dos cristãos e se transmite de geração em geração, através das testemunhas da fé. Mas de uma maneira especial, a fé se transmite através dos Sacramentos, como o Batismo e a Eucaristia, e através da confissão de fé do Credo e a Oração do Pai Nosso, que envolvem o crente nas verdades que confessa e o fazem ver com os olhos de Cristo. A fé é uma, sublinha o Papa, e a unidade da fé é a unidade da Igreja. Também é forte a ligação entre acreditar e construir o bem comum: a fé torna fortes os laços entre os homens e se coloca ao serviço da justiça, do direito e da paz. Essa não nos afasta do mundo, muito pelo contrário: se a tirarmos das nossas cidades, ficamos unidos apenas por medo ou por interesse. A fé, pelo contrário, ilumina a família fundada no matrimônio entre um homem e uma mulher; ilumina o mundo dos jovens que desejam “uma vida grande”, dá luz à natureza e nos ajuda a respeitá-la, para “encontrar modelos de desenvolvimento que não se baseiam apenas na “utilidade ou lucro, mas que consideram a criação como um dom”. Mesmo o sofrimento e a morte recebem um sentido do fato de confiarmos em Deus, escreve ainda o Pontífice: ao homem que sofre o Senhor não dá um raciocínio que explica tudo, mas a sua presença que o acompanha. Finalmente, o Papa lança um apelo: “Não deixemos que nos roubem a esperança, não deixemos que ela seja frustrada com soluções e propostas imediatas que nos bloqueiam o caminho para Deus”.

 

 

Rádio Vaticano

Ano da Fé: Padre assessor da CNBB sugere metodologias para aprofundar a fé

“O Ano da Fé deverá exprimir um esforço generalizado em prol da redescoberta e do estudo dos conteúdos fundamentais da fé, que têm no Catecismo da Igreja Católica a sua síntese sistemática e orgânica”, disse o Papa Bento XVI, na Carta Apostólica Porta Fidei, pela qual proclamou o Ano da Fé.

Rodeados de intenções, propostas e desafios, dois verbos se destacam no contexto do Ano da Fé: redescobrir e estudar. Estas são as duas ações que a Igreja Católica pretende desenvolver neste ano cujo o eixo central é a Fé.

“A Porta da Fé está aberta a todos”, disse o Papa, mas todos estão dispostos a entrar por ela? Esta Porta que introduz os fiéis na comunhão com Deus não é uma porta alargada, mas, estreita. Talvez seja por isso que Bento XVI denominou o processo de conhecimento da fé como um “esforço generalizado”, ou seja, não basta crer, é preciso se esforçar para conhecer e, então, crer melhor.

Os atos de “redescobrir e estudar” conclamam uma corajosa e disposta atitude para uma empreitada de trabalhos em prol de uma fé madura e fundamentada.

Mas, por que é tão importante conhecer a Fé? Não bastaria apenas crer em Deus?

De acordo com o Padre Antônio Luiz Catelan Ferreira, Assessor da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), conhecer a fé é a base de tudo. “A fé é um ato livre, é um ato plenamente pessoal. Por isso mesmo envolve o conhecimento dos conteúdos da fé. Faz parte da própria estrutura do ato de fé buscar a compreensão daquilo que se crê.

O padre afirma que o conhecimento da fé não se trata de uma escolha aleatória ou algo que se acrescenta à vida do cristão, antes, é algo que está nos fundamentos do ato de crer. Do contrário, segundo Padre Antônio, a fé sofreria um esvaziamento, sem chegar à sua totalidade.

O fiel que procura conhecer melhor a fé gera em si mesmo o aumento do amor por Deus, diz o padre. Quanto mais se conhece a fé, mais se conhece Deus e esse conhecimento produz o desejo de estar cada vez mais unido a Ele. O fato de não conhecer a fé pode frear a sua dinamização própria, ou seja, pode limitá-la aos conhecimentos kerigmáticos que o fiel tem de Deus.

Metodologias de estudo

Considerando a necessidade de estudar a fé, com o mesmo ou maior empenho com que se estuda outros conteúdos nas escolas e universidades, a Igreja oferece meios para que esse trabalho se desenvolva. De acordo com padre Antônio, nas paróquias e dioceses concentram-se as principais formas e metodologias para o estudo da fé. Aqueles que querem ingressar nesta “escola da fé” precisam ficar atentos às formações que acontecem nas Igrejas locais.

Com frequência, são promovidos Círculos Bíblicos, cursos de Teologia para leigos, encontros de formação, Escolas Bíblicas dentre outros eventos. Pode-se ainda contar com leigos que, preparados pela diocese, podem trabalhar na formação dos demais fiéis.

Os meios de comunicação também são uma alternativa para potencializar o processo de formação. Há TV’s, rádios e sites na internet que disponibilizam conteúdo formativo, de cunho doutrinal, eclesial, litúrgico, bíblico e que podem somar aos esforços das Igrejas locais na formação dos fiéis.

Outra dica de padre Antônio é a elaboração de uma “escola da fé”, ou seja, encontros onde se possa estudar o Catecismo e a Bíblia de forma conjunta, mesclando o conteúdo dos dois elementos, sem criar oposição entre eles.

Mas, o padre lembra: “é preciso cuidar desses cursos para que haja sempre uma maneira eclesial de ler a Palavra de Deus. Que sejam cursos em que a palavra do Magistério seja acolhida com integridade e sem suspeitas.”

Material de estudo

A Bíblia e o Catecismo Católico são os principais materiais de estudo recomendados pela Igreja para aqueles que almejam corresponder ao apelo do Papa, neste Ano da Fé. Porém, padre Antônio recomenda ainda como fonte de conhecimento da fé os documentos do Concílio Vaticano II e do Magistério, além dos conteúdos sobre a História da Igreja Católica.

Com os avanços das novas tecnologias, tornou-se acessível a todos estes materiais. No site do Vaticano (www.vatican.va) pode-se encontrar um arsenal de textos e documentos oficiais que irão auxiliar nos estudos. O Catecismo da Igreja Católica (CIC) está disponível pela internet e em muitas livrarias católicas. Além disso, o Catecismo conta com uma versão jovem do seu conteúdo: o YouCat, um presente de Bento XVI aos jovens com uma linguagem adequada a eles. Portanto, não ter acesso aos materiais não servirá de pretexto para quem quer conhecer melhor a Fé.

Fonte: Canção Nova

Ramalho Leite – Um povo de muita fé

Quando a barragem de Sobradinho foi construida, pela sua gigantesca dimensão, houve quem acreditasse que estava se concretizando a profecia do Padre Cícero Romão Batista: “o sertão vai virar mar”. “ Aquele povo tem muita fé…” disse a ministra de Dilma, desdenhando da ingenuidade de um povo que, mais recentemente, também acreditou em outro profeta, o retirante Lula: ” vai  acaba a miséria no nordeste”. Se a primeira predição pretendia se perder na eternidade, a segunda tinha prazo fixo, 2012, quando as águas do Velho Chico chegariam a estas plagas para saciar a sede dos moradores do semiárido.

Quem não acreditaria? O novo profeta era um fugitivo da seca e trilhou o mesmo caminho de milhões de famintos que foram buscar a sua sobrevivência no sul maravilha. Aboletado num pau-de-arara, conheceu como ninguém o sofrimento dos seus patrícios desta parte do País.E pôs mãos à obra. Botou força na transposição das águas do São Francisco. Agora o Brasil toma ciência de que as obras estão paradas, o que foi feito precisa ser restaurado, o custo do investimento duplicou, o prazo foi esquecido, e estamos novamente na fila do carro-pipa.

E ninguém pense que foi fácil para  Lula começar aquelas obras. Na Bahia, e principalmente, em Sergipe, levantaram-se vozes egoístas que se diziam donos daquelas águas.Tal qual o Rio de Janeiro e o Espírito Santo que não querem abrir mão dos royalites do petróleo, nossos vizinhos abençoados  pelo “rio da integração nacional”, preferiam nos ver desintegrados e sem água nem para beber.E nem é preciso lembrar que o volume de água que se quer redirecionar para leitos de  rios secos, não passa de dois por cento do que se perde no mar…

Os cariocas  foram à ruas dizer que a Copa do Mundo e as Olimpíadas estão ameaçadas se dividirem com o restante desse imenso Brasil o dinheiro do petróleo. O dinheiro é somente deles desde que furaram o primeiro poço no oceano. Não sei quem é mais egocêntríco: quem pensa ser dono do rio e não quer dividir suas águas com quem tem sede; ou quem pensa ser dono do mar, e não quer repartir suas riquezas com quem tem fome…

E gritam a uma só voz: Veta Dilma! Nós deveríamos estar também nas ruas a proclamar: Sanciona Dilma! Nós precisamos dessa lei que divide com todos a maior riqueza nacional. Desde os anos cinquenta “o petróleo é nosso”, de todos os brasileiros e não apenas de cariosas e capixabas. Sanciona Dilma! Para cobrir as perdas dos municípios brasileiros, contribuintes permanentes da manutenção dos empregos no sul e sudeste, graças às isenções de impostos conferidas a produtos industrializados. Sanciona Dilma! Para compensar o não cumprimento da promessa de que beberíamos ainda esse ano, a água do São Francisco.Sanciona Dilma! Para que, aquele povo que tem muita fé, como diz a ministra, volte a acreditar no futuro e esqueça essa ideia equivocada de que, no Brasil de hoje, a prioridade é o FULECO, o mascote da Copa, e não o homem com um caneco, à procura de um pote com água…

PS. Soube depois do escrito acima que a Presidenta Dilma vetou a distribuição dos royalites de petróleo com os não produtores na forma preconizada pela Câmara e Senado. Tenho certeza de que se ela tivesse lido meus argumentos, o resultado seria outro…eu sou daquele povo que tem fé!

 

RAMALHO LEITE  (Ex-deputado e jornalista )

 O texto é de inteira responsabilidade do assinante

Padre Bosco – O Ano da Fé

 

 Para celebrar os 50 anos do Concilio Vaticano II e os 20 anos do Catecismo da Igreja, o Papa Bento, convocou a Igreja, no dia 11 de outubro para celebrar o Ano da Fé. O propósito do Papa é que possamos aprofundar as motivações da nossa Fé.

Na carta de Paulo aos Hebreus, encontramos um belíssimo texto no capitulo 11 da Carta aos Hebreus. O autor da Carta descreve de forma bonita o que é a Fé e como ao longo da história a vida foi guiada pela Fé.

A Fé não é como a Ciência, por isso, ela é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos. Portanto, não se trata de uma promessa ou de uma possibilidade. A Fé na verdade, nos põe no horizonte do que Deus já garantiu para nós.  Pela Fé também temos a prova de que existem as coisas que não pudemos ver. (Hebreus capitulo 1). Por esta palavra inicial sobre a Fé já fica por demais evidente que a vida cristã depende exclusivamente da Fé. Como vislumbra o versículo 2 do mesmo capitulo, “Foi pela Fé que as pessoas do passado conseguiram a aprovação de Deus”. É que elas não chegaram como nós a contemplar a revelação de Deus em seu Filho Jesus.

Em seguida, o autor da Carta aos Hebreus elenca desde a criação, Abraão e todos os demais como a Fé foi o sustentáculo e a motivação para todos. Vale a pena meditar o testemunho de Fé dos nossos pais na Fé.

Já no capitulo 12 encontramos uma passagem, no versículo 2, que nos aponta para o centro da nossa Fé: “Conservemos os nossos olhos fixo em Jesus, pois é por meio Dele que a nossa Fé começa e é Ele quem a aperfeiçoa”. Não é por acaso que as Diretrizes da CNBB, 2012-2015, nos sugerem Partir de Cristo.

Jesus em sua atividade missionaria, ficou admirado com a Fé em ambientes pagãos, como também ficou admirado com a ausência da Fé, mostrando assim a Fé como condição para que Deus possa agir na vida das pessoas.

O Evangelho de Lucas, capitulo 7, Jesus fica impressionado com a Fé de um Centuriao que estava com o empregado doente, reconhecendo que se Jesus dissesse uma palavra já seria suficiente para a cura do seu servo. Vejamos que a Fé passa por uma atitude de total confiança. Jesus ficou admirado.

No capítulo 6 de Marcos Jesus em Nazaré, sua terra não faz milagres porque não acreditam Nele. O profeta não é acreditado em sua terra. Mesmo querendo o preconceito impede de realizar o bem.

Na Carta de São Tiago, capitulo 2, a Fé não é apenas um sentimento, mas um engajamento. A Fé se manifesta através das obras. Muitas vezes encontramos pessoas que questionam o nível de sua Fé, mas esquecem da mensagem de São Tiago que questiona: “Que adianta alguém dizer que tem Fé, se ela não vier acompanhada de ações?” A consequência de uma Fé consciente passa pelo testemunho de vida na comunidade.

Portanto, a Fé é uma resposta de cada pessoa, a ser dada na vida de uma comunidade bem concreta onde a pessoa cria seus vínculos de amizade, de convivência e de vida fraterna. Sem isso, como lembra São Tiago, a Fé passa a ser morta, isto é, sem frutificar.

Como disse o Papa Bento, no dia 11 de outro de 2012, na Abertura do Ano da Fé, somos chamados a descobrir a alegria de Crer. Na verdade, nada é mais triste do que a descrença em Deus e, portanto, na vida e na esperança de um mundo melhor.

Façamos nossas as Palavras do Apostolo Paulo, neste Ano da Fé: “Sei em quem acreditei”. (2Tm 2, 12).

Pe.Bosco

O texto é de inteira responsabilidade do assinante

Santuário de Santa Fé, na Paraíba, tem o primeiro memorial do Nordeste para vítimas do trânsito

 

Começou no último dia 18 e se encerra na terça (25) a Semana Nacional do Trânsito, proclamada pela Organização das Nações Unidas (ONU), que este ano tem como tema “Não Exceda a Velocidade, Preserve a Vida”.

Destacando este acontecimento, o padre José Floren, que é reitor do Santuário Padre Ibiapina, com sede em Santa Fé, na divisa Arara/Solânea (PB), informou na quinta-feira (20/9) que o local tem o primeiro memorial do Nordeste para vítimas do trânsito.

O religioso disponibilizou as fotos para a reportagem do FOCANDO A NOTÍCIA e lembrou que no Brasil morrem 143 pessoas por dia em decorrência de acidentes. “E as cruzes estão aumentando”, acrescentou.

O memorial apresentado pelo vigário retrata uma realidade preocupante. Matéria publicada no site do ministério dos Transportes revela que atualmente, no mundo, cerca de 2 milhões de pessoas morrem por ano vítimas da violência no trânsito, e o número de feridos é ainda mais alarmante.

Segundo o levantamento, os principais fatores que influenciam no crescimento da taxa de mortalidade no trânsito são a relação comportamento e segurança dos usuários e o excesso de velocidade.

O texto cita, ainda, que para tentar coibir esses delitos no Brasil, o Conselho Nacional de Transito (Contran) definiu como prioridade a necessidade de unir esforços intersetoriais, visando à redução dos acidentes de trânsito. “Assim, todos os órgãos do Sistema Nacional de Trânsito trabalharão focados em ações de conscientização nos estados e municípios brasileiros”, conclui.

 

Redação/Focando a Notícia