Arquivo da tag: fazenda

Bando invade fazenda, faz moradores reféns, mas acaba preso em flagrante

Moradores de uma fazenda no município de Boa Vista,  no Cariri Paraibano passaram por maus momentos ao serem vítimas de um assalto.

De acordo com a polícia, na noite deste sábado (28), quatro bandidos, fortemente armados, invadiram o local e fizeram várias pessoas reféns.

Numa ação que durou poucos minutos, o bando fugiu levando, além de vários objetos, um veículo Fiat Strada e uma moto Honda. As vítimas conseguiram contatar a Polícia Militar que iniciou as investigações e buscas.

Na madrugada deste domingo (29), os policiais prenderam os assaltantes e recuperaram todos os objetos roubados.

Os bandidos foram e encaminhados à Central de Polícia de Campina Grande-PB.

Paulo Cosme/Flávio Fernandes

 

 

Madeira, garimpo, fazenda e queimadas 

IMAGENS AÉREAS DE REGIÕES DA AMAZÔNIA MOSTRAM SUCESSÕES DE CLAREIRAS QUE FORAM QUEIMADAS APÓS A RETIRADA DA MADEIRA DE LEI, CHAMADA OURO VERDE DEVIDO A SEU IMENSO VALOR COMERCIAL.

Madeireiros, garimpeiros e fazendeiros, são profissões que, aparentemente, nada há de comum em suas atividades.

No mês de agosto, o clima costuma ser muito quente e seco na região centro-oeste e também em algumas áreas da região norte.

É nessa época que a turma do garimpo abre as clareiras nas matas para exploração e coleta de metais e pedras preciosas.

Enquanto o garimpeiro busca o ouro amarelo, os madeireiros estão à procura das madeiras de lei chamadas de ouro verde.

Como a exploração dessas clareiras dura pouco tempo, o fazendeiro com sua insaciável cobiça por mais terras, espera que os madeireiros saiam para ele possa fazer a limpeza das áreas, mediante o uso do fogo.

Assim, as queimadas são causas e consequências dos desmatamentos para extração de madeira de lei, pedras e metais preciosos.

Há relatos que fazendeiros dão apoio a essas atividades, quando fornecem ajuda durante os arrastões das árvores, usando enormes tratores que puxam cinturões formados por destruidoras correntes de aço.

A crise provocada pelo desflorestamento da Amazônia entrou para as listas de alerta operacional de instituições financeiras, internacionais e avança com mais protestos, e claros sinais de boicotes, aos produtos “Made in Brazil”.  

IMAGENS AÉREAS DE REGIÕES DA AMAZÔNIA MOSTRAM SUCESSÕES DE CLAREIRAS QUE FORAM QUEIMADAS APÓS A RETIRADA DA MADEIRA DE LEI, CHAMADA OURO VERDE DEVIDO A SEU IMENSO VALOR COMERCIAL.

 

 

 

Bandidos invadem fazenda, agridem família e roubam 200 ovelhas de raça no município de Belém

Cerca de oito homens armados invadiram, na madrugada desta quinta-feira(11), a fazenda Riacho da Picada, zona rural do município de Belém, Brejo paraibano, e, além de agredir e amordaçar moradores, roubaram 200 ovelhas da raça White Dorper, de propriedade do pecuarista Danilo Sérgio Lucena de Lima.

Entrevistado por nossa equipe Stúdio Rural, via Rádio Serrana de Araruna, Danilo falou sobre o ocorrido, sobre realidades de invasões enfrentadas pelos proprietários rurais da região com elevado número de saques, roubos e agressões, sobre o prejuízo por ele enfrentado dentre outras informações. “O pessoal rendeu um caseiro que tenho e arrobaram a casa dele, prenderam ele e a mulher dele e furtaram mais de 200 animais, pertences da casa do rapaz, carteira de identidade dele, bateram no rapaz, ameaçaram ele também, foi um caminhão que foi pra buscar os animais, esse pessoal já estava sabendo, é um pessoal já especializado nessa prática que acontece aqui na nossa região”, explica Danilo Sérgio Lima ao dialogar com nosso público ouvinte Serrana de Araruna AM 590 kHz.

Danilo disse acreditar que os meliantes levaram os animais para a região do Rio Grande do Norte com possibilidade de buscar vender o produto em feiras de animais de Novas Cruz, Campestre, Tangará, dentre outros municípios da região Agreste e Trairi do Rio Grande do Norte, garantindo que um boletim de ocorrência foi feito lavrado na delegacia local e que espera providência por parte das autoridades além de colaboração por parte da população. “As pessoas podem também entrar em contato com meu telefone: 83 9 9995 1131”, apela ao contar com nosso público ouvinte na Paraíba e Rio Grande do Norte.

Fonte: Stúdio Rural / Programa Domingo Rural

 

 

Dom Aldemiro recebe prefeito de Solânea e impulsiona projeto de instalação da Fazenda da Esperança

Na manhã desta quarta-feira (13), na cúria diocesana, o bispo diocesano de Guarabira, Dom Aldemiro Sena, manteve audiência com o prefeito de Solânea Kayser Rocha, para tratar da possível cessão de um terreno para a instalação da Fazenda da Esperança no território da Diocese de Guarabira. O vereador de Solânea, Jucian Jad, acompanhou o prefeito.

Segundo o prefeito Kayser, espaço pretendido será doado para os devidos fins assim que obtiver a aprovação da equipe técnica da Fazenda da Esperança. Dom Aldemiro, bispo referencial do Regional Nordeste 2 para a Pastoral da Sobriedade, tem como meta a instalação de uma unidade para tratamento e recuperação de dependentes químicos. “Cada um fazendo sua parte, esse projeto será realidade”, conclamou o bispo.

Com 35 anos de experiência na recuperação de dependentes químicos, a Fazenda da Esperança é uma comunidade terapêutica, a maior obra da América Latina, que regenera vidas e famílias. Ao todo, são 130 unidades espalhadas pelo mundo. Desse montante, 86 estão distribuídas pelo Brasil, enquanto as outras estão espalhadas em 22 países do mundo.

O sucesso da Fazenda da Esperança, se deve ao programa de recuperação, o qual se baseia em processos pedagógicos que elevam a autoestima e resgatam a dignidade dos seus acolhidos, que em 2017 assistiu em média três mil jovens e suas famílias. Esse programa de recuperação é baseado em um tripé que consiste basicamente no trabalho, na espiritualidade e na convivência. Tanto que todos os acolhidos vivem numa irmandade que de tão unida é capaz de devolver aos acolhidos o real sentido da vida, do amor a si e ao próximo, bem como da importância da comunhão.

Além disso, a Fazenda da Esperança também trabalha junto à família, pois ela é uma das peças fundamentais para o sucesso da recuperação do jovem acolhido, através do Grupo Esperança Viva (GEV). O objetivo da ação é estruturar a família, mas mesmo quando ela não atende a esse convite – que não tem caráter obrigatório – o tratamento continua e o jovem recuperado tem a oportunidade de amar a sua gente como ela é.

Como resultado, a Fazenda da Esperança é responsável pela recuperação de centenas de milhares de pessoas, que em sua grande maioria se voluntariam para ajudar outros que necessitem de ajuda. A verdade é que a Fazenda da Esperança é maior do que si mesma, tanto que em 2007, durante uma visita a sede em Guaratinguetá-SP, o então Papa Bento XVI destacou a importância e a missão das Fazendas da Esperança – Levar a esperança, que é Jesus Cristo, ao maior número de pessoas possível.

Foto: Eraldo Luis

Pascom – Pastoral da Comunicação

 

 

Meirelles anuncia renúncia do ministério da Fazenda para viabilizar candidatura à Presidência

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, decidiu renunciar ao cargo para se filiar ao MDB e tentar viabilizar sua candidatura para o Palácio do Planalto. Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, o ministro bateu o martelo em conversa com o presidente Michel Temer na última sexta-feira (23).

Meirelles vai migrar para o partido de Temer mesmo sem a garantia de que será o nome da sigla ao Planalto. Na conversa com o presidente, de acordo com aliados, o ministro disse saber que não tem a preferência dentro do MDB para a candidatura, mas que quer tentar se viabilizar até a decisão final do inquilino do Palácio do Jaburu, em junho.

Caso a candidatura não decole, Meirelles também cogita fazer parte da chapa encabeçada por Temer como candidato a vice. Quem ecoa a tese de uma chapa puro sangue no MDB admite que hoje não há outro nome que queira compor com Temer e sua baixíssima popularidade, de 6%. Em entrevista à revista “IstoÉ”, neste fim de semana, o presidente reforçou sua disposição de concorrer em outubro para, segundo ele, defender o legado de seu governo.

Meirelles ainda indicou como possíveis nomes para sua sucessão os secretários da pasta Mansueto Almeida (Acompanhamento Fiscal) e Eduardo Guardia (Secretaria-Executiva). Guardia tem mais simpatia da equipe econômica e é o favorito para o cargo.

ClickPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

A revisão das tarifas ainda depende de aprovação pelo Ministério das Comunicações (Foto: Reprodução)

O Ministério da Fazenda autorizou, pela segunda vez este ano, o aumento das tarifas cobradas pelos Correios. Na edição de hoje (18) do Diário Oficial da União, o governo autoriza o reajuste “sob forma de recomposição” das tarifas dos serviços postais e telégraficos nacionais e internacionais. O reajuste ocorre em duas parcelas: a primeira de 6,121% será por prazo indeterminado e a segunda, de 4,094% vai vigorar por 64 meses.

A revisão das tarifas ainda depende de publicação de aprovação pelo Ministério das Comunicações, de acordo com o Diário Oficial. Com o aumento, a carta comercial de até 20 gramas passará a custar R$ 1,83. Anteriormente, o valor era R$ 1,23.

Em abril, o Ministério da Fazenda havia autorizado aumento de 7,485% nas tarifas dos serviços postais e telegráficos prestados pelos Correios. Na época, a empresa explicou que os serviços da estatal são reajustados todos os anos, com base na recomposição dos custos, como aumento dos preços dos combustíveis, contratos de aluguel, transportes, vigilância, limpeza e salários dos empregados. As tarifas são atualizadas com base no Índice de Serviços Postais, indicador formado a partir de uma cesta de índices, como INPC, IPCA, e IGP-M.

Por Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Avião com 500 quilos de cocaína decolou de fazenda de Maggi

O piloto do avião interceptado no início da tarde deste domingo (25), pela Força Aérea Brasileira (FAB), no município de Jussara (GO), disse que decolou da Fazenda Itamarati Norte, no município de Campo Novo do Parecis (MT), segundo nota da Aeronáutica divulgada hoje (26). A fazenda é de propriedade do grupo Amaggi, da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

Avião interceptado pela FAB em Goiás tinha mais de 600 quilos de cocaína, informou PM
Avião interceptado pela FAB em Goiás tinha mais de 600 quilos de cocaína, informou PM

Foto: Agência Brasil

De acordo com a Aeronáutica, o local exato da decolagem será investigado.

“O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica esclarece que as informações sobre o local de decolagem da aeronave, matrícula PT-IIJ, interceptada no domingo (25/06), foram fornecidas pelo próprio piloto durante a aplicação das medidas de policiamento do espaço aéreo. A confirmação do local exato da decolagem fará parte da investigação conduzida pela autoridade policial”, diz comunicado da FAB.

Em nota, o grupo Amaggi disse que o “local exato da decolagem da aeronave interceptada ainda será objeto da devida investigação, uma vez que a procedência divulgada até então foi apenas declarada pelo piloto durante abordagem do policiamento áereo”. A empresa nega qualquer ligação com a aeronave e não emitiu autorização para pouso ou decolagem em uma das duas pistas.

A Fazenda Itamarati tem 11 pistas, conforme o grupo, autorizadas para pousos eventuais, usadas para operação de aviões agrícolas, e que não demandam vigilância permanente. De acordo com o grupo, a região de Campo Novo do Parecis “tem sido vulnerável à ação de grupos do tráfico internacional de drogas, dada a dua proximidade com a fronteira do Estado de Mato Grosso com a Bolívia”. Em abril deste ano, a empresa informou ter cooperado com a Polícia Federal quando uma aeronave clandestina tentou pousar com cerca de 400 quilos de drogas em uma das pistas auxiliares.

O bimotor foi interceptado por um avião A-29 Super Tucano da FAB, como parte da Operação Ostium para coibir ilícitos transfronteiriços, na qual atuam em conjunto Polícia Federal e órgãos de segurança pública. De acordo com nota divulgada neste domingo pela Aeronáutica, o avião tinha como destino a cidade de Santo Antonio Leverger (MT). Ninguém foi preso até o momento.

A Polícia Militar (PM) de Goiás informou que o avião interceptado  levava 653,1 quilos de cocaína. A informação inicial era de cerca de 500 quilos de cocaína. Segundo a corporação, foi a maior apreensão da droga no estado. O volume foi avaliado em R$ 13 milhões e, após o refino, poderia quintuplicar a quantidade inicial.

A PM também não informou quem é o dono do avião e a origem da droga.

O piloto da FAB comandou a mudança de rota e o pouso obrigatório no aeródromo de Aragarças (GO). Inicialmente, a aeronave interceptada seguiu as instruções da defesa aérea, mas ao invés de pousar no aeródromo indicado, arremeteu. O piloto da FAB novamente ordenou a mudança de rota e solicitou o pouso, porém o avião não respondeu, sendo classificado como hostil.

O A-29 da FAB executou um tiro de aviso para forçar o piloto a cumprir as determinações e voltou a comandar o pouso obrigatório. O bimotor novamente não respondeu e pousou na zona rural do município de Jussara, interior de Goiás.

Um helicóptero da Polícia Militar de Goiás foi acionado e fez buscas no local. O avião interceptado será removido para o quartel da Polícia Militar de Goiás em Jussara. Ninguém foi preso. A droga apreendida irá para a Polícia Federal em Goiânia, que vai conduzir as investigações.

Desde o início do ano, a polícia goiana apreendeu 13,5 toneladas de entorpecentes.

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Por que expurgaram o Social da Previdência que está na Fazenda?

Por Paulo Cesar Regis de Souza (*)

Paulo César Régis SouzaE uma pergunta que todo o país que trabalha, pensa, contribui, sonha, faz sobre o seu futuro, à sombra da incerteza e do pesadelo.

O Brasil está cansando de assistir, ao vivo e a cores, o mais novo especialista em Previdência, ministro chefe da Casa Civil sobre a reforma da Previdência, muito popular nos setores de portos e transportes que, quando solta um “palpite infeliz” diz que fala em seu nome pessoal. Quando lhes sopram um palpite mais ou menos feliz ele põe na boca do Presidente Temer. Convenhamos que é temerário. Como ocorreu quando disse que o Presidente queria um regime único de previdência para civis e militares, trabalhadores privados e servidores públicos. Antes de 24 horas, desmentiu afirmando que haveria previdência de militares. Realmente não tem como.

Hoje, nem o militar contribui para previdência nem o governo paga o que seria sua cota.

Como se sabe sua excelência se diz especialista em tudo e como tantos outros que está dando entrevistas e vociferando com ares de quem sabe alguma coisa sobre Previdência.

Lamentavelmente a cada dia se tem algo a dizer. Já afirmou que as despesas com a previdência estão em ritmo explosivo e que em 2017 o déficit do INSS, apenas da previdência de quem trabalhou no setor privado, que foi de R$ 80 bilhões há dois anos, pulou para R$ 145 bilhões, será de R$ 200 bilhões. E olhando para as estrelas, fulminou: “não há possibilidade de não ser feita a reforma da previdência”

Repetiram com a força e a coragem de fiscalista, graduado em “relação de PIB/receita e PIB/despesa”, que apregoa nas feiras livres que a Previdência vai quebrar.

Se propõem uma idade mínima de 65 anos, para homens e 62 anos para mulheres e professores, com regras de transição. E recorre ao centro de dados do IBGE: A população de zero a 14 anos soma hoje 47 milhões de pessoas e, em 2060, cairá para 28 milhões — quase a metade. Já o número de idosos pulará dos atuais 16 milhões para 52 milhões no mesmo período.

 

Fala-se muito sobre Previdência, menos o que deveria ser falado.

 

Não ouvimos ainda se fazer um único e mísero comentário sobre a reforma da Previdência no lado do financiamento, que onde prioritariamente deveria ser feita a reforma. Só se sabe fazer ameaça de que o Governo não vai pagar benefício, sem reforma! Digo que, com a reforma, o governo enfrentará graves problemas.

 

Só a sonegação contributiva é de 30% da Receita Previdência. Se é de R$ 400 bilhões a receita, a sonegação é de 120 bilhões, que cobriria o déficit que a Fazenda diz existir e recebe aplausos do mercado.

Aliás, peço licença aos especialistas para lhes informar que de 1999 a 2002, na era FHC, a sonegação na Previdência chegou aos R$ 71.507 bilhões, a preços nominais. Na era Lula/Dilma, de 2003 a 2015, superou os R$ 688,5 bilhões. Se não houvesse sonegação, não precisaríamos de reforma estrutural, só gerencial.

Insisto que a reforma deve ser feita no financiamento?

O rombo da Previdência mora dentro do Ministério da Fazenda, desde que a Receita Federal incorporou a Receita Previdenciária, de quase R$400 bilhões e dívida ativa da Previdência de mais de R$ 350 bilhões.

Mais: a contribuição previdência não é imposto, se o fosse teria que ser repartido com os Estados e Municípios. É uma contribuição definida, de fins específicos, que não pode ser usada para outros fins como faz a Fazenda.

Mais:  a Fazenda só arrecada imposto ou contribuição, que é de fonte. Quando não arrecada vira divida administrativa e ativa (que é declaratório) difícil de cobrar.

Mais: a Fazenda não combate sonegação, evasão, elisão, brechas legais, não fiscaliza e não cobra a dívida administrativa e a dívida ativa que está do outro lado da rua, na Procuradoria da Fazenda.  O rombo está na utilização dos recursos da Previdência como instrumento de política fiscal, nas renuncias, desonerações, parcelamentos e reparcelamentos, credito consignado dos velhinhos, nos planos de previdência com R$ 700 bilhões de ativos e nos fundos de pensão, com outros R$ 700 bilhões de ativos, e na Desvinculação de Recursos da União que sega 30% dos recursos previdenciários para uso como instrumento de política fiscal!

Como não adiantou implantar o fator previdenciário para supostamente reduzir o déficit, como pouco adiantaram as reformas de FHC e Lula, todas feitas em cima de benefícios e que transformaram em pó as conquistas sociais e direitos constitucionais dos trabalhadores e servidores!

O mais imoral nos desmandos ocorridos no financiamento, além dos já mencionados, está o alongamento do prazo para os caloteiros públicos (Estados e Prefeituras) e privados. Eles têm desprezo pela Previdência ganharam 30 anos (quase duas gerações) para fingir que pagam e não pagar o que devem.

Vou continuar ouvindo os despautérios sobre. Sei que clamo no deserto das ideias. Não me omito nem temo os poderosos de plantão.

Reafirmo que é por causa de má gestão, desmandos e desmantelos no financiamento, que a Previdência está no fundo do poço. O debate imposto pelos Padilhas “não resolverá o problema de caixa da Previdência.

Ninguém propõe sustentabilidade do RGPS, esperança, futuro, segurança, tranquilidade aos futuros aposentados.  Só incertezas, maldades, malandragens, espertezas e iniquidades.

Não temo a reforma. Será mais uma. Tivemos três que não resolveram, mas sacrificaram servidores públicos e trabalhadores privados.

Temo isto sim os técnicos, que representam bancos e seguradoras, temo os caloteiros que se beneficiam das benesses fazendárias, temo os que querem privatizar a Previdência, projeto que até o Chile jogou no mar. Há suspeição nos seus planos, não muito claros: fim do Social na Previdência, extinção do Ministério, criar um Conselho de Previdência (sem o Social) na Fazenda, Levar o Conselho de Recursos para o CARF (atolado em escândalos), fundir  a DATAPREV (saudável) com o SERPRO (falido), transferir aos bancos a concessão de benefícios, implodindo o INSS, mandar a Perícia Médica ao Trabalho, usar de forma discricionária os R$ 2,8 trilhões do patrimônio do trabalhador  como instrumento de política fiscal. Isto eu temo.

Busco explicações e justificativas dos que estão transformando o sonho em pesadelo.

Tem solução! Tem.

  1. Cobrar as coletivas/devedores/sonegadores
  2. Acabar comas Pilantrópicas
  3. Acabar com os benefícios criados sem custeio (passar para área social)
  4. Criar Mecanismo de custeio para o rural.

(*) Paulo César Regis de Souza é Vice-Presidente Executivo da Associação Nacional dos Servidores da Previdência e da Seguridade Social – ANASPS

Ministério da Fazenda nega confisco de poupança e aplicações financeiras

ministerio-fazendaO Ministério da Fazenda descartou, hoje (13), qualquer intenção de confiscar a poupança ou outras aplicações financeiras. Em nota, a pasta qualificou de falsas as informações que circulam na mídia social sobre o assunto.

“Tais informações são totalmente desprovidas de fundamento, não se conformando com a política econômica de transparência e a valorização do aumento da taxa de poupança de nossa sociedade, promovida pelo governo, através do Ministério da Fazenda”, destacou o comunicado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De acordo com o ministério, foi detectado um volume expressivo de troca de mensagens, principalmente no aplicativo Whatsapp, dando conta do confisco de aplicações financeiras. Isso motivou a emissão da nota oficial.

Agência Brasil

Proprietário de fazenda é preso em flagrante por roubar água de açude no Agreste da PB

Jornal Correio da Paraíba/Chico Martins
Jornal Correio da Paraíba/Chico Martins

O proprietário de uma fazenda situada no município de Boqueirão, Agreste do estado, foi preso em flagrante por roubar água do açude Epitácio Pessoa, na manhã dessa terça-feira (2). A prisão foi efetuada em operação conjunta entre a Polícia Militar e a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa).

A polícia suspeita de que o homem desviava a água do reservatório para sua propriedade. O fazendeiro foi levado para a delegacia de Polícia Civil de Boqueirão, onde foi autuado em flagrante.

No fim do mês passado, três pessoas foram presas suspeitas de furtar água do açude de Boqueirão. A operação foi realizada pela Promotoria do Consumidor de Campina Grande, Polícia Militar e Cagepa. Na ocasião, foi constatado que três propriedades situadas às margens da adutora usavam a água do açude de forma ilegal.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A fiscalização fez parte do plano de contingenciamento apresentado pela Cagepa no dia 19 de novembro para reduzir as perdas e desperdícios e estimular o uso racional de água nos 19 municípios e três distritos abastecidos pelo Açude Epitácio Pessoa.

 

 

Portal Correio