Arquivo da tag: falha

IPC diz que falha mecânica causou trágico acidente de ônibus da Sta Rita

onibusUm laudo com mais de 90 páginas do  Instituto de Polícia Cientifica da Paraíba (IPC), divulgado na manhã desta quarta-feira (8), comprova falha mecânica no acidente com um ônibus da empresa Santa Rita, em setembro do de 2013. Na ocasião o veículo perdeu o controle e bateu em um poste deixando três mortos 39 feridos  na BR 230.

De acordo com o perito, Herbert Boson Teixeira Silva, que participou das análises juntamente com Humberto Pontes, diretor do IPC, e Robson Felix Mamede, todas as peças do ônibus foram analisadas para que se tivesse a precisão do que veio a fazer o ônibus perder o controle. O tacógrafo e o comportamento do motorista também foram averiguados.

No entanto, após análise minuciosa, foram descartados falha do motorista tendo em vista que o controle de aceleração do ônibus mostrou que o veículo vinha em uma velocidade normal para a via.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Constatados três abalos mecânicos, conta o perito, a equipe partiu para examinar as peças com a participação de especialistas universitários onde se comprovou que a fadiga por falta de manutenção levou a quebra de uma das lâminas das molas do automóvel, sobrecarregando o sistema e fazendo com que outras peças não suportasse o peso do veículo.

“A conclusão que chegamos foi que o ônibus vinha trafegando na pista quando ouve uma quebra da segunda mola do feixe dianteiro direito. Isso  sobrecarregou  todo o sistema fazendo com que a mola mestre também quebrasse levando a  um rebaixamento do setor dianteiro direito tirando o ônibus da pista e fazendo com que ele colidisse com o poste”, contou  o perito acrescentando:

“Foi uma falha mecânica provocada por um problema de manutenção. Aquelas peças já tinham passado do prazo de troca”, garantiu.

Detalhes do laudo conclusivo estão sendo apresentados em entrevista coletiva, na Central de Polícia, localizada no bairro Varadouro.

No acidente vieram a óbito, Valéria Rodrigues e Wagner Sousa Santos  morreram no local.Valéria Rodrigues estava grávida de cinco meses. A pressão das ferragens contra o corpo dela foi tão forte que o feto saiu do seu corpo, também morto.

Já Marinalva Paulino de Melo, de 43 anos, morreu 40 dias no Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa.

Roberto Targino 

com informações do repórter Caveira 

Ônibus com 60 pessoas fica em chamas após falha mecânica na BR-230

Reprodução/MárcioRangel
Reprodução/MárcioRangel

Uma falha mecânica pode ter sido a causa de um incêndio em um ônibus que transportava 60 passageiros, na manhã desta quarta-feira (18), as margens da BR-230, próximo a um posto da Polícia Rodoviária Federal.

O transporte havia saído da cidade de Pocinhos, localizada no Agreste da Paraíba, a 134 quilômetros de João Pessoa.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Apesar do grande susto, ninguém ficou ferido. De acordo com o motorista do coletivo, Bruno Roberto, ao perceber ma falha mecânica, ele teria estacionado o transporte no acostamento e logo em seguida, as chamas foram iniciadas no motor. O ônibus seguia de Pocinhos para Campina Grande.

Ainda segundo Bruno Roberto, o extintor ainda foi usado na tentativa de debelar as chamas, no entanto, ele não obteve êxito. O coletivo ficou completamente destruído.
portalcorreio

Veja cinco atitudes que a mulher não deve ter quando o homem “falha”

ilustracaoA disfunção erétil ocasional pode acontecer com qualquer um e pelos mais variados motivos. Cansaço, preocupação, bebida em excesso, ansiedade, estresse, nervosismo e o uso de alguns medicamentos que inibem a ereção são algumas das causas para as “falhas” na cama.

Até mesmo o excesso de tesão pode acabar levando o homem a brochar: “A mulher tende a interpretar que ela não foi boa suficiente para o parceiro. Mas, muitas vezes, os homens podem pensar o oposto: que ela é ‘tão mulher’ para ele, que ele não daria conta na cama. Com isso, ele fica ansioso demais para satisfazê-la sexualmente e tem uma falha de ereção”, explica Karina Simões, que é psicóloga clínica cognitivo-comportamental, especializada em orientação e educação sexual e em disfunções sexuais e seus tratamentos.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Seja qual for o motivo, a consequência deixa os homens muito sensíveis. “Essa é uma das questões mais fortes com relação à virilidade masculina. Para eles, é muito sério sentir que está sendo criticado nesse aspecto. E, quando a gente pensa em um relacionamento para se investir a longo prazo, é fundamental ser cuidadoso”, diz a terapeuta sexual Arlete Gavranic, membro da Sbrash (Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana) e coordenadora de pós-graduação do Isexp (Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática).
As especialistas alertam que os homens que se sentirem pouco acolhidos e recriminados nessas horas, pensando serem fracos ou impotentes, podem acabar desenvolvendo disfunções sexuais mais graves e, em alguns casos, quadros psíquicos como a depressão.

Por isso, todo cuidado é pouco. Se você também fica sem graça e não sabe como agir nessas horas, comece aprendendo o que não fazer:

1. Não se irrite

É comum as mulheres se irritem, pois acreditam que o problema é com elas. Questionam se o parceiro está pensando em outra, se ela não é boa o suficiente para ele, se tem uma amante etc. Algumas chegam ao extremo de xingar o parceiro. “Com essa atitude, a chance de a disfunção se reverter é muito mais difícil”, diz Arlete. Pior: um problema eventual pode passar a ser constante ou causar uma briga séria entre o casal.

2. Jamais faça comparações

O velho “isso nunca me aconteceu”, que muitos homens dizem nessas horas, também é usado pelas mulheres. “Nunca brocharam comigo antes”, dizem algumas. “Isso é um balde de pedras de gelo”, diz Arlete. “A comparação nessa hora é a pior saída, porque homens detestam ser comparados, principalmente no âmbito sexual”, diz Karina Simões. Além disso, pode gerar ciúme e comprometer futuras relações sexuais.

3. Abandonar a cama

“A parceria nesse momento é fundamental”, afirma Karina. Por isso, também não é a hora de sair da cama e deixá-lo lá, sozinho, sem demonstrar cumplicidade. Fique ao lado dele e seja carinhosa, para que ele não se sinta rejeitado e ainda mais constrangido.

4. Travar uma conversa sobre impotência sexual

A menos que seja uma falha frequente ou que o próprio parceiro levante o assunto, não é indicado aproveitar o momento para falar sobre tratamento para disfunção erétil. Karina e Arlete ponderam que, se for mesmo um problema frequente, vale conversar abertamente sobre um tratamento, de preferência já no dia seguinte. Boa parte das disfunções eréteis tem causa psicológica e cura.

5. Insistir em uma nova tentativa

Tem mulher que fica cobrando do parceiro para que ele fique tentando até conseguir ter uma ereção imediatamente. Dependendo do motivo que levou a “falhar”, não faz sentido a insistência e ela só vai levar o parceiro a mais ansiedade e nervosismo. Por isso, Arlete recomenda a não forçar a barra.

O que fazer, então?

O melhor é continuar namorando, fazer carinhos e deixá-lo se sentir acolhido e sabendo que isso acontece com todo mundo. Se o motivo for cansaço ou bebedeira, vale sugerir repouso, dizer para irem dormir, agindo com naturalidade. Se perceber que o parceiro ainda está com vontade de transar, apesar da “falha”, vale conversar sobre sexo, perguntar sobre as fantasias dele, tentar acendê-lo e incentivá-lo com carinhos –mas sempre sem pressioná-lo.

Pato marca em pênalti após falha tricolor, e Timão vence o São Paulo

nadsonLuis Fabiano, Guerrero, Jadson, Sheik, Ganso, Danilo, Osvaldo, Pato, Rogério Ceni, Paulinho… Se em um domingo de Páscoa um clássico com tantos bons jogadores terminasse 0 a 0, o Paulistão teria de ser benzido. Mas inesperado mesmo é que a vitória fosse decidida por um erro, em vez do talento de um deles. Rafael Toloi recuou a bola de maneira absurda para Rogério Ceni, que teve de dividir com Alexandre Pato. E aí? O goleiro chutou o pé do atacante, ou o atacante entrou de sola no goleiro? O árbitro deu pênalti.

Pato bateu e decidiu. Virada do Corinthians, que nem foi melhor no jogo, não foi brilhante, mas não perdeu as oportunidades que teve e errou menos. Vitória que mantém uma escrita de sete anos sem perder para os donos da casa no Morumbi. E que coloca o Timão em situação de menos aperto na tabela do Paulistão: está em quarto, com 29 pontos. O Tricolor segue líder, seis pontos à frente do rival e com um jogo a menos.

O São Paulo foi melhor no primeiro tempo, criou ótimas jogadas e contou com talento e dedicação de seus jogadores. Jadson marcou logo no início, e o time controlava o jogo até Danilo, sempre ele, letal nos Majestosos, acertar um lindo chute de pé direito e salvar sua má atuação. Na etapa final, fez diferença a consistência do Corinthians, que nem se esforçou muito para ganhar, mas não cometeu nenhum erro grave como o de Toloi.

Pausa no Paulistão. A Libertadores vem aí! O São Paulo está em situação muito ruim. Vai jogar na quinta-feira na tão temida altitude de La Paz contra o Strongest. Se não vencer, corre o risco de ir para a última rodada precisando derrotar o Atlético-MG no Morumbi, e ainda dependendo de outros resultados para se classificar. Já o atual campeão Corinthians, em posição mais confortável, terá o Millonarios pela frente, na quarta, em Bogotá. Se vencer, praticamente carimba sua vaga. Do contrário, ainda poderá fazer isso diante do frágil San José, na última rodada, no Pacaembu.

Chuta, Ganso? Chuta, Danilo!

Paulo Henrique Ganso fez um bom primeiro tempo. Com movimentação, dedicação de saltar aos olhos na marcação, ótimos passes, inteligência, mas… Teve três chances para chutar a gol, e em todas preferiu tentar encontrar um companheiro. Danilo, por outro lado, tinha atuação pífia até receber com liberdade do lado esquerdo, ajeitar para o pé direito e… Gol! Golaço! Não era o pé bom, mas não importa. Danilo tem talento, tem estrela nos duelos entre São Paulo e Corinthians, onde já fez muitos gols com as duas camisas. Ganso também tem talento. Precisa usá-lo mais.

Quem chutou, e também marcou, foi Jadson, o melhor jogador do São Paulo desde que Lucas se foi. Logo no começo do Majestoso, para afastar qualquer suspeita de um novo 0 a 0 em clássicos no Paulistão. Uma jogada ótima, que teve o drible e o passe de Osvaldo, a visão de Ganso ao deixar a bola passar, e a calma do camisa 10. Com um sistema de marcação frágil, apenas Denilson como volante e Maicon mais recuado, o Tricolor foi melhor, muito por conta da dedicação dos homens de frente.

Luis Fabiano, por exemplo, apareceu em duas boas finalizações que Cássio defendeu, mas também em desarmes e entradas firmes. Firmes, não violentas! Leais. Mas o Timão, sabendo de sua fama, fez de tudo para enervá-lo e jogá-lo contra o árbitro. Por sinal, choraram demais os corintianos, que cercaram Leandro Marinho em dois lances: pediram falta em Alessandro no lance que originou o gol são-paulino, e reclamaram do empurrão de Gil no Fabuloso. Em nenhum deles tinham razão.

Tite começou a partida com Romarinho na direita, Danilo centralizado e Sheik na esquerda. Nenhum deles ia bem, o que comprometia também a atuação de Guerrero. A versatilidade dos atletas permite ao técnico invertê-los. De repente, Emerson estava na direita, Romarinho pelo meio e Danilo na esquerda, onde recebeu para fazer um senhor golaço. Quando recebeu, aliás, o lateral-direito Paulo Miranda, que joga porque é marcador, estava voltando lentamente no meio.

Na jogada mais bonita do primeiro tempo, a bola passou pelos pés de Ganso e Paulo Miranda até chegar em Jadson, e o meia fazer lindo passe para Osvaldo, que bateu de primeira, para fora. Paulinho e Romarinho também tiveram chances pelo Timão. Um clássico cheio de ótimos jogadores, muito melhor do que os outros do Paulistão.

Falta ou pênalti? Pênalti!

Ritmo mais lento. O segundo tempo não teve a intensidade do primeiro. Um vai viajar para a Colômbia, o outro para a Bolívia. Era esperado. Ainda assim, a qualidade dos jogadores em campo fazia com que chances fossem criadas. Luis Fabiano recebeu dois bons passes e finalizou com perigo, mas em ambas as vezes estava impedido.

O banco do Corinthians era melhor. Sai Guerrero, entra Pato. Que time tem esse privilégio? Foi o jovem quem ajeitou de cabeça para Paulinho e causou o lance mais inusitado do jogo. Rogério Ceni, goleiro mais talentoso com os pés, furou, mas se recuperou a tempo de evitar o segundo gol corintiano.

Com a formação inicial, o São Paulo não tinha outra proposta além de tentar a vitória. São jogadores fadados ao ataque. O contra-ataque, então, ficou para o Timão. Mas nenhum time cumpriu sua proposta com apetite suficiente. Por falar em apetite, uma cena que deve ter enchido os dirigentes tricolores de orgulho: Ganso deu um carrinho, levantou socando o ar de raiva pela marcação da falta, e levou cartão amarelo. Corre sangue nas talentosas veias do meia.

Tudo parecia caminhar para o quinto empate consecutivo em clássicos quando Toloi, que havia acabado de desarmar Sheik e Pato com maestria, errou o recuo para Rogério Ceni. O goleiro dividiu com Pato, ficou caído, e ainda teve de amargar o pênalti e um cartão amarelo. Foi a vez dos tricolores reclamarem demais com todos os árbitros possíveis. Queriam uma falta do atacante, que antes do choque entre sua chuteira e a do capitão são-paulino, já havia tocado na bola.

Sem pressão, o anfitrião tentou empatar no fim. Não conseguiu. Vitória  do Corinthians em um bom jogo, que poderá se repetir na fase final.

 

 

Globoesporte.com

Acidente com avião do governador foi falha humana, afirma Rômulo

RomuloO vice-governador da Paraíba, Rômulo Gouveia (PSD), afirmou que o pouso forçado do avião do governador, Ricardo Coutinho (PSB), foi causado por falha humana.

Segundo ele, a hipótese que está sendo levantada é que o piloto esqueceu de baixar o trem de pouso.

Rômulo explicou que no plano de vôo inicial o avião deveria pousar no aeroporto João Suassuna, em Campina Grande. Porém, o aeroporto estava fechado e foi decido que o avião iria pousar no aeroclube de São José da Mata.

– Poucas pessoas conhecem a pista do aeroclube, e por mais que um piloto seja experiente, existe um receio de pousar em um local que não se conhece. Aquela região tem muito vento, e a primeira tentativa de vôo foi frustrada. Na segunda tentativa de pouso, o piloto esqueceu de baixar o trem de aterrissagem. O piloto era experiente, mas era a primeira vez que ele viajava com o governador. Foi uma falha humana natural, e que graças a Deus só houve danos materiais – elucidou o vice-governador.

As declarações repercutiram na rádio Campina FM, nesta segunda-feira (28).

 

 

paraibaonline.

Peritos fazem vistoria do avião de RC e comissão avalia se houve falha humana ou técnica

aviaoUma comissão do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) está tentando identificar, desde a tarde de ontem, sexta-feira (25), a causa do pouso forçado do avião oficial do Governo do Estado. O piloto da aeronave, Nilton Pinheiro, foi o primeiro a ser ouvido pelos peritos.

O piloto tem mais de 3 mil horas de vôo com o modelo de aeronave que se envolveu no acidente. A perícia está prevista para terminar neste sábado e aeronave deve ser retirada da pista. A comissão tem o prazo de um ano para entregar o laudo com todas as explicações técnicas do acidente.

 

O tenente-coronel Luiz Cláudio Veloso, do Seripa, faz parte da comissão que está em Campina Grande periciando o bimotor e disse, neste sábado (26), que não descarta nenhum tipo de erro. “Não descarto falha humana e nem falha técnica”, afirmou. A comissão vai investigar também as condições do aeródromo e meteorológicas.

 

Para o coronel Fernando Chaves, Chefe da Casa Militar, o avião não está em condição de uso, com avarias na hélice e no trem de pouso, e será removido da pista. Segundo os peritos, a aeronave ainda corre risco de vazamento e explosão, motivo pelo qual equipes do Corpo de Bombeiros permanecem em vigília no local.

Paraíba.com.br

Falha no site do Sisu permite acesso a dados de outros candidatos

Candidatos que acessaram o site do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) nos primeiros minutos da abertura das inscrições, na madrugada desta segunda-feira (7), relataram ao G1 que tiveram acesso a dados de outros estudantes, como o nome, telefone, e-mail, e as notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

O Ministério da Educação admitiu que durante alguns minutos o sistema apresentou problemas permitindo a visualização de dados de outros candidatos, mas que não era possível alterar os dados. De acordo com o MEC, o problema foi solucionado. Ainda segundo o ministério, da abertura das inscrições, às 0h05, até as 9h desta segunda-feira, mais de 146 mil candidatos se inscreveram. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) é a instituição mais procurada nestas primeiras horas de inscrição.

O internauta Murilo Gonçalves diz que apareceram os dados de um estudante de nome Rafael (Foto: Arquivo pessoal)O internauta Murilo Gonçalves diz que apareceram os dados de um estudante de nome Rafael (Foto: Arquivo pessoal)

O estudante Murilo Gonçalves disse que teve acesso aos dados de outros dois candidatos, um chamado Felipe e outro Rafael. Os dados apareciam quando o candidato que entrava no sistema clicava na página “Ajuda”. “Este problema mostra que o sistema do Inep é instável e inseguro”, diz o estudante.

A candidata Samara França disse que ao atualizar sua inscrição no Sisu constatou que os seus dados haviam sido alterados. “Apareceram dados de uma pessoa que não conheço. Atualizei novamente e o erro foi corrigido. Porém, ao atualizar novamente minha página no Sisu, outros dados de outra pessoa  apareceram”, afirmou. “Como um site gerenciado pelo governo, permite que uma falha grave dessas ocorra? E se eu fosse uma pessoa de má fé? Tive acesso à informações pessoais de uma pessoa desconhecida, e poderia muito bem fazer uso desses dados.”

O internauta Murilo Gonçalves diz também teve acesso a notas de um estudante chamado Felipe (Foto: Arquivo pessoal)O internauta Murilo Gonçalves diz também teve acesso a notas de um estudante chamado Felipe (Foto: Arquivo pessoal)

Como se inscrever
As inscrições foram abertas por volta de 0h05 desta segunda-feira (7) e serão encerradas às 23h59 de sexta-feira (11). São oferecidas 129.279 vagas no ensino superior em 3.751 cursos de 101 instituições. As inscrições devem ser feitas no site sisualuno.mec.gov.br.

O número de vagas cresceu 16% entre a edição de 2012 e a deste ano. No ano passado, mais de um milhão de candidatos concorreram às 108.552 vagas oferecidas por 95 instituições de ensino superior.

Mapa do G1 mostra onde estão as mais de 129 mil vagas do Sisu 2013 (Foto: G1)Mapa do G1 mostra onde estão as mais de 129 mil vagas do Sisu 2013 (Foto: G1)

Veja a seguir as instruções para participar do processo seletivo deste semestre:

Quem pode participar do Sisu 2013?
Apenas quem fez o Enem 2012 e tirou nota maior do que zero na prova de redação. O resultado no exame é a pontuação utilizada para selecionar os candidatos nas vagas escolhidas. Para se inscrever, basta usar o CPF ou o número de inscrição no Enem, além da senha cadastrada no sistema do Enem, que será a mesma utilizada pelo Sisu. Quem perdeu a senha do Enem deverá recuperá-la no site do exame.

Como funcionam as inscrições?
Os participantes poderão se inscrever em até duas opções de opções de vaga, especificando suas opções em ordem de preferência e incluindo a instituição, o local de oferta, o curso e o turno pretendidos.

Como cada instituição pode definir seus critérios de seleção, é dever do candidato ficar atento para as notas mínimas exigidas em cada curso, além da documentação necessária para a matrícula. A inscrição poderá ser alterada quantas vezes o candidato quiser até as 23h59 do dia 11, mas somente a última inscrição confirmada será considerada pelo sistema.

Diariamente, o sistema emitirá um boletim informando a nota de corte de cada curso, para que o candidato saiba se sua nota do Enem é suficiente para concorrer à vaga, e a classificação parcial do candidato, em seu boletim individual. Porém, a nota de corte não é calculada em tempo real, e sim uma vez ao dia. Por isso, ela não é uma garantir de que o candidato será selecionado para a vaga disputada.

VEJA O CALENDÁRIO DO SISU 2013
7 a 11 de janeiro Período de inscrições do Sisu
14 de janeiro Primeira chamada do Sisu
18 a 22 de janeiro Matrícula da primeira chamada do Sisu
28 de janeiro Segunda chamada do Sisu
1º a 5 de fevereiro Matrícula da segunda chamada do Sisu
28 de janeiro a 8 de fevereiro Prazo para participar da lista de espera
a partir de 18 de fevereiro Convocação dos candidatos da lista de espera

Como funciona a seleção?
Após o período de inscrição, o sistema selecionará automaticamente os candidatos com maior pontuação, na quantidade referente ao número de vagas em cada curso. O resultado desta seleção será divulgado na primeira chamada, no dia 14.

Os candidatos selecionados em sua primeira opção de curso devem fazer a matrícula entre os dias 18 e 22 de janeiro. Eles não poderão participar das chamadas seguintes.

Quem for selecionado na segunda opção continuará participando da seleção, inclusive quem fizer a matrícula no mesmo período, e poderá ser convocado na segunda chamada para sua primeira opção de curso. A segunda chamada está prevista para o dia 28.

A matrícula dos convocados na segunda chamada acontece entre 1º e 5 de fevereiro.

Como funciona a lista de espera?
No dia 28 o Sisu abre as inscrições para a lista de espera, que podem ser feitas até 8 de fevereiro. Para se inscrever, é preciso acessar o sistema durante esse período especificado, no boletim de acompanhamento, clicar no botão que correspondente à confirmação de interesse em participar da lista de espera do Sisu.

Dessa lista podem participar tanto quem não foi convocado em nenhuma chamada quanto quem foi selecionado em sua segunda opção – mesmo tendo feito matrícula. Porém, cada candidato só poderá disputar as vagas remanescentes relativas à sua primeira opção.

A lista será divulgada em 18 de fevereiro. A partir daí, a seleção será feita gradativamente pelas instituições.

Como a lei de cotas será aplicada no Sisu?
No ato da inscrição, o candidato também deverá especificar a modalidade de concorrência da qual quer participar. Ele poderá concorrer às vagas reservadas pela Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012.

A lei determina que, até 2016, 50% das vagas das instituições federais sejam para alunos que fizeram todo o ensino médio em escola pública. Além disso, metade deste índice será para alunos com renda familiar até 1,5 salário mínimo. Há ainda um percentual para estudantes autodeclarados pretos, pardos e indígenas de acordo com a proporção desta população no estado da instituição, segundo o IBGE.

Em 2013, pelo menos 30% do total de vagas ofertadas pelas universidades serão preenchidas nestes critérios.

O candidato inscrito no Sisu pode se inscrever no Prouni?
Sim, mas só podem participar do Prouni quem cursou todo o ensino médio em escola pública ou foi bolsista integral em uma particular. A seleção do Prouni também será feita usando a nota do Enem 2012.

Porém, apenas um dos resultados será considerado. Caso o candidato seja aprovado pelo Sisu para uma vaga em universidade pública, mas também receba uma bolsa de estudos do Prouni para uma instituição privada, ele terá que optar por apenas uma delas, já que não é permitido acumular as duas vagas.

O edital com as datas do Prouni em 2013 será divulgado em janeiro, segundo o MEC.

G1

Ministro admite falha de operadores em apagão que atingiu o Nordeste

Relatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o apagão que atingiu oito estados do Nordeste em fevereiro de 2011 mostra que funcionários da subestação onde ocorreu a falha que levou ao desligamento não sabiam como proceder para restabelecer o fornecimento de energia.

Nessa segunda-feira (24), o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, admitiu a falha dos operadores. De acordo com ele, serão tomadas medidas para evitar que problemas semelhantes voltem a acontecer.

Na época, o governo apontou que o problema foi causado por um defeito no sistema de segurança da subestação de Luiz Gonzaga, em Pernambuco, controlada pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), que pertence à estatal Eletrobrás.

Por meio da Lei de Acesso à Informação, o jornal “O Estado de S. Paulo” obteve a transcrição de diálogos entre operadores do sistema elétrico no dia do apagão. De acordo com a reportagem do jornal, as conversas mostram sufoco dos técnicos para restabelecer o fornecimento de energia.

Os diálogos apontam que os funcionários da subestação desconheciam como proceder. Eles precisaram ir atrás do manual de instruções em cima da hora. Segundo a reportagem, quando o abastecimento de todo o Nordeste dependia apenas da abertura de uma chave, os técnicos discutiam se não era melhor fechá-la.

O jornal informa que o relatório da Aneel também aponta várias irregularidades, como aparelhos fora de operação e dificuldade de acesso aos procedimentos operacionais. O documento, segundo a reportagem, diz que o problema técnico teria sido encerrado caso a falha descrita não fosse acompanhada de procedimentos inadequados da equipe da Chesf.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, admitiu que os técnicos da estatal “falharam lamentavelmente” no episódio. De acordo com ele, os problemas identificados foram corrigidos. Ele afirmou ainda que os operadores passam por constante treinamento.

“Eles já são preparados sempre. E são reciclados. Neste caso, falharam lamentavelmente”, disse Lobão. “Nós tomaremos providências mais efetivas para evitar no futuro episódios como esse que tem acontecido”, completou o ministro.

Por conta das falhas, a Chesf foi multada em R$ 32 milhões pela Aneel. Em novembro, após uma série de apagões, o Ministério de Minas e Energia determinou um “pente-fino” em subestações do país. Lobão disse que o resultado dessa ação será conhecido em fevereiro.

G1

Falha no sistema nacional de energia deixa cidades sem luz

Um problema no sistema interligado nacional afetou o fornecimento de energia elétrica em diversos municípios das regiões Sudeste e Sul na tarde deste sábado. Houve blecaute em cidades de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. As causas da falha estão sendo analisadas pelo Operador Nacional de Sistema (ONS).

A interrupção começou a ser normalizada dois minutos depois de iniciados os cortes de carga, segundo a ONS. No Rio Grande do Sul, a distribuidora Rio Grande Energia (RGE) informa que 18% de sua área de concessão foi afetada. Todos os clientes que ficaram sem luz tiveram sua energia restabelecida em cerca de 30 minutos, segundo a assessoria.[bb]

O corte de energia não afetou hospitais, presídios e outros serviços fundamentais, de acordo com a ONS. A interrupção no fornecimento ocorreu com o objetivo de preservar o fornecimento geral do sistema, e deve ser totalmente normalizado ainda esta noite.

Terra

Apagão no Nordeste ‘teve falha humana’, diz diretor-geral da Aneel

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hübner, disse nesta terça-feira (30) que o governo já tem convicção de que o apagão que atingiu todos os estados do Nordeste na sexta-feira (26) teve falha humana e que estão sendo avaliadas medidas para impedir que problemas como esse voltem a acontecer.

“Teve falha humana [no apagão que atingiu o Nordeste], sem dúvida nenhuma”, disse Hübner. “A proteção do equipamento não foi devidamente programada”, completou ele, referindo-se à proteção da linha de transmissão entre as subestações de Colinas (TO) e Imperatriz (MA), que ficou inoperante na sexta-feira. Por conta disso, a segurança do sistema não funcionou, o que teria contribuído para a extensão do apagão.

Hübner afirmou que o governo está discutindo uma série de ações para melhorar a segurança do sistema elétrico nacional. Nas últimas semanas, foram registradas várias falhas no fornecimento de energia no país, o que levou o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, a admitir na semana passada, pela primeira vez, que esses problemas “não são normais.”

“Estamos buscando uma série de ações para coibir esse tipo de falha. O sistema brasileiro, que é tão sofisticado, tem que ter níveis de cobertura, em termos de procedimento, que não pode a ação de um elemento qualquer causar um defeito. Temos que ter essas proteções e é isso que vamos buscar”, disse Hübner.

O relatório final sobre o apagão ocorrido na semana passada em nove estados no Nordeste deve ser finalizado nesta quarta-feira pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), segundo informou o ministro interino de Minas e Energia, Márcio Zimmermann. De acordo com o ministério, a conclusão final sobre o motivo do apagão é do ONS, por meio do relatório.

Na segunda-feira, o ministro também destacou que a proteção da linha de transmissão entre as subestações de Colinas e Imperatriz ficou inoperante, e que, por isso, a segurança do sistema não funcionou “A proteção dessa linha estava inoperante no dia, está sendo apurado agora se houve falha humana ou de procedimento da empresa”, disse.

Na semana passada, o ONS havia dito que a provável causa do apagão foi “um incêndio numa chave seccionadora de um equipamento, entre as subestações de Colinas e Imperatriz, na interligação que liga os sistemas Norte/Nordeste ao sistema Sul/Sudeste”.

G1