Arquivo da tag: fábrica

Em Pombal: homem morre após sofrer descarga elétrica em fábrica

Um homem, identificado como José Arimateia Pereira, de 32 anos, morreu nesta sexta-feira (14)  vítima de uma descarga elétrica, em uma fabrica de redes, localizada no bairro Nova Vida, na cidade de Pombal, Sertão da Paraíba.

De acordo com informações, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) chegou a ser acionado, mas apenas constatou o óbito.

O acidente aconteceu quando vítima teria encostado em uma parte da máquina de tear.

O corpo de Dedé, como era conhecida a vítima, foi encaminhado ao Instituto de Polícia Cientifica (IPC) na cidade de Patos, onde será submetido a exames cadavéricos para posteriormente ser entregue aos familiares para velório e sepultamento. As informações são do HW Comunicação.

 

 

pbagora

 

 

Explosão em fábrica na Rússia deixa pelo menos 80 feridos

Uma explosão deixou ao menos 80 feridos na Rússia neste sábado (1º) O incidente ocorreu em uma fábrica de explosivos na cidade de Dzerzhinsk, região central do país.

De acordo com a agência France Presse, 27 pessoas pediram assistência médica segundo um representante do ministério da Saúde local. “São ferimentos leves ou moderados”, disse.

Informações de fontes de notícias locais indicam que 2 pessoas estão desaparecidas.

Explosão em Dzerzhinsk, a 400 quilômetros de Moscou, deixou feridos neste sábado (1) — Foto: Alina Yegorova/AP

Explosão em Dzerzhinsk, a 400 quilômetros de Moscou, deixou feridos neste sábado (1) — Foto: Alina Yegorova/AP

A explosão quebrou as janelas de cerca de 180 edifícios residenciais perto da usina, informou a agência de notícias estatal Tass, citando autoridades municipais.

Ainda segundo a agência, a explosão foi seguida por um incêndio de 100 metros quadrados. Representantes da fábrica afirmaram que havia cinco pessoas trabalhando no local no momento da explosão e foram retiradas de modo seguro.

G1

 

Em Belém, bandidos assaltam fábrica 03 de Maio

Um assalto foi registrado na tarde desta quinta-feira (18) na cidade de Belém, agreste Paraibano.

De acordo com as informações, três bandidos armados assaltaram a fábrica 03 Maio. As imagens do circuito interno de segurança mostram os criminosos rendendo os funcionários adentram a parte administrativa da fábrica e em seguida saem correndo, em um dos criminosos percebe que esqueceu uma bolsa volta para pegar e segue em fuga.

A polícia foi acionada e usa as imagens para localizar os envolvidos na ação criminosa. No vídeo aparecem três, mas a suspeita é que outros estariam dando cobertura, os indivíduos levaram uma quantia em dinheiro.

 

blogdofelipesilva

 

 

Caixas eletrônicos são explodidos em fábrica de Campina Grande

sireneAlguns funcionários foram feitos reféns durante o ataque a caixas eletrônicos de uma fábrica de calçados no bairro do Distrito Industrial, em Campina Grande, na madrugada desta quarta-feira (21). De acordo com a Polícia Militar, dois equipamentos foram explodidios, mas ainda não se sabe quanto em dinheiro foi levado.

A PM foi acionada por volta das 3h40 (horário local). Ao chegar no local, os policiais receberam as informações de um segurança de uma empresa de valores. Ele relatou que quatro homens usando máscaras entraram na empresa cortando uma cerca que dá acesso ao local.

Ainda conforme o segurança, os funcionários foram rendidos enquanto o grupo, fortemente armado, instalava os explosivos e detonavam os caixas. Logo em seguida, os criminosos fugiram em dois carros, um Chevrolet Cruze de cor preta e outro veículo de cor preta e que não foi identificado.

Após isolar o local do crime, a Polícia Militar iniciou buscas em diversas rotas de fuga indicada por testemunhas, mas nenhum suspeito havia sido localizado até as 6h (horário local), segundo o Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop).

Arrombamento
Uma agência dos Correios do município de Gurjão, no Cariri paraibano, foi arrombada também na madrugada desta quarta-feira. As primeiras informações da Polícia Militar dão conta que vários homens violaram o estabelecimento e tentaram levar o cofre, mas não conseguiram e fugiram espalhando grampos em estradas. Ninguém foi preso.

G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Operário morre após ser atingido por máquina em fábrica de João Pessoa

samuUm funcionário de uma fábrica de tecidos morreu após um maquinário cair em cima dele durante o serviço na manhã desta segunda-feira (8) no Distrito Industrial, em João Pessoa. De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Segurança e Defesa Social (Seds), a Polícia Militar recebeu o chamado por volta das 10h. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser chamado, mas o homem não resistiu e morreu no local.

Ainda segundo a Seds, uma equipe da Polícia Civil e do Instituto de Polícia Científica (IPC) estavam no local por volta das 11h30 para realizar uma perícia. O G1 tentou entrar em contato com a fábrica, mas as ligações não foram atendidas até as 11h45.

G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Quadrilha presa em operação na PB usava fábrica para lavar dinheiro

Coletiva em Campina Grande explicou os detalhes da Operação Fanes (Foto: João Paulo Medeiros/ TV Paraíba)
Coletiva em Campina Grande explicou os detalhes da Operação Fanes (Foto: João Paulo Medeiros/ TV Paraíba)

Os presos durante uma operação de combate a fraudes na concessão de benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, usavam uma fábrica em Cajazeiras, Sertão da Paraíba, para “lavar” o dinheiro desviado. Essas informações e outros detalhes da Operação Fanes, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (9), foram dados em uma entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira, em Campina Grande. De acordo com a polícia, os suspeitos se usavam de uma fábrica de sabão para camuflar a origem ilícita do dinheiro adqurido.

“O que eles conseguiram ganhar fraudando o INSS, eles estavam investindo nessa fábrica de sabão. O lucro das vendas retornava licitamente para eles. A fábrica estava montada para inciar o trabalho em Cajazeiras e o depósito era em Campina Grande”, explicou o delegado Raony Aguiar, da delegacia de combate ao crime organizado.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A Operação Fanes aconteceu em sete cidades paraibanas e em Recife, Pernambuco, numa parceria entre PF, Ministério Público Federal e Ministério da Previdência Social. Estima-se que o prejuízo aos cofres públicos já chegue a R$ 3 milhões desde outubro de 2014, podendo atingir o valor de R$ 100 milhões levando em conta a expectativa de vida dos beneficiários.

Ao todo, 28 pessoas foram presas durante a operação. O delegado Raony Aguiar explicou como funcionava a fraude.

“Pessoas eram incubidas de aliciar terceiros e esses terceiros, com documentos próprios ou falsos, procuravam um servidor do INSS. Então era concedido fraudulentamente o benefício. Concedido o benefício, a quadrilha fazia com que a pessoa que passou a ser titular do benefício irregularmente pedisse um ou dois emprestimos consignados e o valor desses empréstimos eram entregues à quadrilha como forma de recompensa pelo benefício previdenciário concedido”, explicou.

Um total de 17 mandados de prisão preventiva, 11 de prisão temporária e 30 de busca e apreensão foram expedidos e começaram a ser cumpridos no início da manhã desta quarta-feira por 140 policiais e 16 servidores da Previdência Social nas cidades de Campina Grande, João Pessoa, Cajazeiras, Patos, Puxinanã, Mogeiro, Caturité e Recife.

O termo “Fanes” significa criação na língua grega e foi atribuída à operação porque a quadrilha criava beneficiárias para acessarem aposentadorias e pensões. De acordo com as investigações da PF, documentações eram fraudadas para comprovarem exercício de atividade rural. Algumas vezes, segundo a Polícia Federal, os funcionários da Previdência Social autorizavam o benefício com base apenas na entrevista, sem apresentação de documentos.

G1

Vítimas de explosão em fábrica passam por cirurgia plástica e estão em estado grave

traumaO Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena confirmou, na manhã desta terça-feira (7), que é grave o estado de saúde das vítimas da explosão em uma fábrica na cidade de Sousa (Sertão do estado, a 427 km de João Pessoa) transferidas para a Capital.

De acordo com boletim médico, as vítimas de queimadura passaram por cirurgia plástica e permanecem internadas na unidade de saúde. Três trabalhadores da fábrica, homens de 50, 38 e 36 anos, estão em estado grave. A quarta vítima transferida para João Pessoa, um homem de 35 anos, tem quadro clínico considerado gravíssimo pela equipe médica.

A explosão em uma caldeira da fábrica de gênero alimentício Vó Ita Frios aconteceu na manhã dessa segunda-feira (7) e duas pessoas morreram ainda no local. “Devido à força da explosão, os funcionários foram arremessados e morreram na hora. Parte de estrutura da fábrica foi destruída”, informou o sargento Damião Bernardo, do 6º Batalhão de Bombeiros Militar, ao Portal Correio.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Estima-se que pelo menos outras 19 pessoas tenham ficado feridas. Os quatro feridos em maior gravidade tiveram que ser transferidos para o Trauma de João Pessoa, enquanto os outros foram atendidos no Hospital Regional de Sousa.

 

Portal Correio

Fábrica clandestina de cachaças famosas é fechada em Cuitegi e Polícia Civil detém três

Divulgação/ Polícia Civil
Divulgação/ Polícia Civil

A Polícia Civil em Guarabira, a 98 km de João Pessoa, encontrou, na manhã desta terça-feira (28), uma fábrica clandestina de bebidas destiladas que funcionava em uma casa na cidade de Cuitegi, a 105 km da Capital paraibana. No local, os policiais apreenderam rótulos falsificados, tonéis, garrafas vazias e cheias e equipamentos para a produção. Três pessoas foram detidas em flagrante e levadas à delegacia durante a operação denominada ‘ Alquimia’.

De acordo com a Polícia Civil, foram expedidos cinco mandados de busca e apreensão em cinco residências. “As investigações se iniciaram há cerca de um mês por intermédio de denúncia anônima que informava sobre um grupo criminoso que estava falsificando cachaças das mais variadas marcas, inclusive cachaças com fama internacional”, falou Walber Virgolino, delegado titular da 8ª DSPC de Guarabira.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Virgolino explicou que os falsificadores adquiriam os vasilhames secos de diversas marcas nos bares de todo o Brejo da Paraíba e depois compravam cachaça de sem um selo de qualidade nos engenhos da região e engarrafavam os frascos. “Os criminosos engarrafavam e lacravam as garrafas com selos falsificados, comprometendo a saúde dos consumidores, a arrecadação da receita estadual e a qualidade das cachaças originais”, falou. Participaram da operação cerca de 30 policias civis. A ação policial contou com apoio do Fisco Estadual.

 

portalcorreio

Polícia encontra fábrica que falsificava Whisky

WhiskyA Polícia Militar da Paraíba localizou, na tarde desta segunda-feira (16),  uma indústria artesanal de falsificação de Whisky, no Bairro do Róger, em João Pessoa.

De acordo com as primeiras informações, os falsificadores compravam um produto de preço inferior e colocavam em embalagens de produtos mais caros no mercado.

Eles confeccionavam os rótulos e adquiriam as tampas para poder fazer com que o Whisky  vendido se passasse como verdadeiro.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

O local foi encontrado após denúncia anônima.  Uma pessoa foi detida e levada a delegacia para prestar esclarecimento.

MaisPB

PF detém delegado que denunciou fábrica de dossiês no governo Lula

romeu-tadeuPor volta da 11 horas desta terça-feira, quatro policiais federais estiveram no escritório do delegado Romeu Tuma Júnior, no bairro do Bom Retiro, em São Paulo, com ordens para conduzi-lo coercitivamente à Superintendência da Polícia Federal. Tuma Júnior se recusou a acompanhar os agentes, alegando que a condução era ilegal.

Mais tarde, ele compareceu à sede da PF para prestar esclarecimentos sobre o livro Assassinato de Reputações — Um Crime de Estado (Topbooks; 557 páginas), que narra os bastidores do que ele viu, ouviu e, principalmente, acompanhou de perto quando ocupou o cargo de ex-secretário Nacional de Justiça do governo Lula.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Tuma Júnior afirmou que passou cerca de 40 minutos na sede da PF, mas não respondeu a nenhuma pergunta. Ele disse que já havia prestado esclarecimentos sobre o conteúdo do livro em procedimento aberto pela Delegacia Fazendária da PF no ano passado. “Hoje só registrei meu repúdio, já havia sido ouvido. Apontei minha repulsa em se conduzir um advogado coercitivamente sem comunicar à OAB. A polícia está aparelhada, a gente nunca sabe o que vai acontecer.”

Na chegada dos policiais ao escritório de Tuma Júnior, houve discussão e muito bate-boca. Os agentes informaram que o delegado deveria acompanhá-los para prestar depoimento na investigação, que tem o objetivo de esclarecer as acusações que ele fez contra membros importantes do governo passado, como o então chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho, e o ex-ministro da Justiça Tarso Genro (hoje governador do Rio Grande do Sul).

Em seu livro, o delegado revelou que a estrutura do governo petista era usada para produzir dossiês contra adversários políticos. Ele também teria ouvido do ministro Gilberto Carvalho a confissão de que o ex-prefeito de Santo André Celso Daniel teria sido assassinado depois de descobrir um esquema clandestino de arrecadação de dinheiro para beneficiar o PT. Atual secretário-geral  da Presidência da República, Carvalho, segundo o relato do delegado, teria confessado também ter transportado dinheiro de corrupção para abastecer o caixa eleitoral do PT.

Tuma Júnior se recusou a acompanhar os agentes, alegando que a condução era ilegal. Ele disse que um dos federais informou apenas que estava cumprindo “ordens de Brasília”. “Estive lá na PF um vez e nem inquérito havia”, disse o delegado. Isso é perseguição política”, afirmou.

 

Veja