Arquivo da tag: Exemplo

Bananeiras: Idosa dá exemplo de honestidade e cancela Bolsa Família após aposentadoria 

O cidadão brasileiro já está até acostumado a ver, quase que diariamente no noticiário, exemplos de corrupção que vão desde pequenos até grandes atos. Maria Aparecida poderia ter sido mais uma a buscar o caminho da desonestidade. Mas, ao contrário disso, ela decidiu fazer diferente e fazer o certo.
Depois de uma vida inteira de trabalho e de ter passado anos dependendo do Programa Bolsa Família para conseguir manter a mesa de sua família farta, Dona Maria conseguiu, enfim, se aposentar.
Moradora do Sítio Gambá, município de Bananeiras, no Brejo paraibano, Dona Maria Aparecida, logo após receber o benefício da aposentadoria, foi até o CRAS e realizou o desligamento voluntário do Bolsa Família e teve sua atitude elogiada, já que muitos outros paraibanos não têm a mesma atitude.
Para se ter uma ideia de que a decisão de Dona Maria, apesar de ser a mais correta, nem sempre é a tomada por todos, em junho deste ano o Ministério da Cidadania recuperou mais de R$ 27,1 mil de 15 beneficiários do Bolsa Família na Paraíba. Essas pessoas estavam recebendo o benefício de forma indevida. Foi a primeira vez que o Governo Federal conseguiu reaver recursos que estavam sendo pagos a pessoas que não atendiam aos critérios de elegibilidade do programa.
Redação FN

 

‘Nordeste hoje dá exemplo para Sul e Sudeste’, avalia João Azevêdo

Nesta quarta-feira (27), o governador João Azevêdo (PSB) falou sobre os recentes encontros entre os governadores do Nordeste afirmando que, atualmente, a região serve como exemplo para as outras do Brasil. Ele ainda lembrou que o empréstimo de US$ 50 milhões conseguindo junto ao Banco Internacional foi conseguido pelo bom rating da Paraíba.

“O Norte/Nordeste, que já foi visto como problema do país, agora é de outra forma porque dos dez dos treze estados tem nota A ou B economicamente. Os governadores estão mostrando como se faz uma gestão séria, com compromisso com o povo. Os ricos do sul estão em crise e o Norte/Nordeste está dando exemplo de gestão”, declarou.

O socialista exaltou o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste (Consórcio Nordeste), assinado pelos líderes estaduais no último dia 14 de março no Maranhão. A união entre os nove estados prevê o desenvolvimento em diversos projetos, além da parceria econômica, política, infraestrutural e educacional entre as unidades federativas.

“Vai ser fundamental. Imagine o que é um estado comprar cinquenta tratores, vai fazer uma concorrência, mas tem uma coisa chamada escala de produção. Posso juntar todos os estados e o consórcio fazer uma compra de 400 tratores e o preço vai baixar. Soro para hospital, por exemplo, na Paraíba é um volume absurdo. Se todos se juntarem, pode até trazer uma fábrica porque a produção vai ser tão grande que vai ser necessário. A ideia é tão boa que os governadores do Sul e Sudeste se reuniram dois dias depois para fazer o mesmo”, arrematou.
paraiba.com.br

 

Supermercado Central da Economia em Solânea é exemplo de excelência e empreendimento

centralEm matéria de economia, organização, qualidade, preocupação com os direitos trabalhistas e muita atenção a todos os seus clientes, o Supermercado Central da Economia (Solânea – PB) vem se destacando por se enquadrar em todos os requisitos de excelência empreendedora.

Pensando nisso a direção do supermercado realizou nesta segunda-feira (20) uma reunião de grande porte com todos os seus funcionários. O encontro contou com apresentações culturais, palestras motivadoras, sorteio de prêmios e um momento para pensar a organização administrativa junta aos seus funcionários.

O empresário Solanense, Ivanildo Alves diz está satisfeito com tudo que vem construindo e ressalta “pensamos em um empreendimento que atenda a necessidade da população, todos ganham”.

O Supermercado Central da Economia tem duas lojas, uma localizada na Rua José Amâncio Ramalho, nº 42, Centro de Solânea – Paraíba e a segunda está localizada na rua Celso Cirne, nº 365, Centro – Solânea.

Assessoria para o Focando a Notícia

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Bananeiras é exemplo de Desenvolvimento Econômico em evento do Sebrae

douglasA convite do Sebrae Paraíba, o Prefeito Douglas Lucena estará no dia 28 de março na cidade do Conde para participar do Seminário de Desenvolvimento Econômico e Territorial do Litoral Sul, que tem o objetivo mobilizar, integrar e envolver lideranças.

Com a palestra “A experiência de desenvolvimento da cidade de Bananeiras e do Brejo Paraibano”, Douglas falará sobre o processo turístico que a cidade de Bananeiras e o Brejo vem passando ao longo do tempo e como esse processo contribui para o desenvolvimento econômico da região.

Cidade com extraordinário potencial turístico, Bananeiras desponta no cenário nacional com a mistura de arte, história, paisagens naturais e aventura. Com riquezas naturais e históricas, a cidade de possui em seus casarios e pontos turístico a mistura do turismo para quem quiser vivenciar experiencias.

Assim, o Seminário que acontecerá nesta terça (28) quer contribuir com o reconhecimento do estágio atual de desenvolvimento do Litoral Sul e estimular o sentimento de compromisso e corresponsabilidade de todos para transformação positiva dos indicadores econômicos e sociais da região.

 

Ascom-PMB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Bananeiras recebe visita técnica e Casa do Empreendedor é exemplo para outros municípios da Paraíba

visitaEm visita nesta quinta-feira (16), comitiva do município de Cabaceiras/PB, esteve em Bananeiras para conhecer e trocar experiências sobre a gestão. Composta pelo Prefeito de Cabaceiras Tiago Costa, alguns secretários e equipe técnica do Sebrae, foram recebidos em um dos cases de sucesso de Bananeiras, a Casa do Empreendedor.

O programa de apoio ao empreendedorismo, desenvolvido pela Casa do Empreendedor tem como prioridade a concessão de crédito produtivo orientado. Além disso, busca incentivar a geração de ocupação e renda entre os empreendedores locais, bem como fortalecer a economia solidária, o microempreendedor individual, o microempresário, o empresário de pequeno porte e as cooperativas de produção do município.

Assim, torna-se exemplo para outros municípios que procuram meios para fomentar a sua economia local. Neste mês de abril, o programa completará 4 (quatro) anos de atuação investiu cerca de R$ 1.700,00 (Hum milhão e setecentos mil Reais) acreditando na expansão das microempresas.

O Prefeito Douglas Lucena, proferiu palestra “Bananeiras: Cidade Empreendedora”, para os presentes e pode trocar informações apresentando os avanços que foram realizados com o empreendedorismo e o turismo na região.

A casa do Empreendedor, o calendário turístico, os diversos empreendimentos que se instalam a cada dia como; condomínios, hotéis e restaurantes chama a atenção e servem de exemplo a ser seguido por outros estados. A gestão municipal tem desempenhado seu papel para que Bananeiras cresça cada dia mais com ações de desenvolvimento.

Ascom- PMB 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Presidente da Cagepa diz que 24 municípios estão em colapso por falta de água e cita Bananeiras como exemplo

aguaA situação de falta de chuvas na Paraíba preocupa o presidente da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba, Cagepa, Marcus Vinícius. Na tarde de hoje, durante entrevista, o presidente destacou que 24 municípios estão em colapso, mas descartou crise de água na grande João Pessoa.

Marcus Vinícius reconheceu esforço do Governo do Estado para garantir água na região metropolitana de João Pessoa e disse que eventuais falhas no abastecimento tem relação com a manutenção e distribuição: “O investimento de R$ 133 milhões garante água para mais 25 ou 30 anos para João Pessoa. Isso tudo nos faz afirmar que a oferta de água para a grande João Pessoa pode nos garantir que não teremos racionamento. Mas, também cabe a nós reconhecer problemas na rede de distribuição”, explicou.

O presidente disse que a última sangria dos açudes paraibanos aconteceu entre os anos de 2010 e 2011 e que a preocupação do governo aumenta por perceber que o mês de maio não registrou a quantidade de chuvas que era esperado.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

No entanto, Vinícius afirmou que os anúncios sobre racionamento serão feitos até o final deste mês: “Estamos esperando o fim do mês para calcular os índices nos reservatórios. O racionamento é uma decisão tomada em conjunto por vários órgãos inclusive a Ana, Agência Nacional de Água”.

A constatação do Governo do Estado é de que 24 municípios estão em colapso, ou seja, o manancial secou, e cidades como Bananeiras, no brejo paraibano, precisaram adotar medidas emergenciais. O presidente reforçou a necessidade de abandonar bandeiras partidárias para sanar o problema: “Estamos trabalhando com ações emergenciais, estamos retomando reservatórios que estavam sendo subutilizados e tentando armazenar água. Por isso reforço a importância das parceria entre os poderes”, frisou.

O gestor da Cagepa defendeu, ainda, que cada um pode contribuir para solucionar problemas relativos a falta de água, desde que tenham atenção com o uso doméstico: “Quando falávamos em seca pensávamos no sertão. Mas agora já estamos no brejo. E isso tudo nos faz refletir sobre como usamos a água em nossa casa e reflete a importância de todos se envolverem”.

Equipes de fiscalização da Cagepa atuam em todo o estado a fim de coibir o desperdício e até mesmo furto de água. Vinícius relatou que foram encontradas adutoras com desvios de água para irrigação irregular: “Estamos encontrando furto de água para que pequenos proprietário irriguem mato. Isso acontece em algumas adutoras, mas nossa fiscalização tem sido constante no sentido de coibir esse uso da água”.

O presidente da Cagepa assegurou que punições podem ser aplicadas aos que praticarem furto e reforçou parceria firmada com a Polícia Militar e o Ministério Público para auxiliar no combate ao desvio e uso indevido de água.

 

blogdogordinho

Obama: Brasil é exemplo de combate à corrupção

OBAMAO principal elogio de Barack Obama à presidenta Dilma, e foram muitos elogios, foi a sua firmeza no combate à corrupção.

Obama disse, literalmente: “Foi preciso que uma mulher chegasse ao poder para se começar a limpar a corrupção no Brasil”.

De fato, os zumbis que saem às ruas pedindo intervenção militar, em inglês, por causa da corrupção, são pobres coitados lobotomizados pela mídia.

Não fosse a autonomia que Dilma deu à Polícia Federal, e o respeito com que tratou o Ministério Público, mesmo os seus setores mais radicalizados contra o governo, não haveria o combate à corrupção que vemos hoje.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Acho que os coxinhas vão precisar falar outra língua. O inglês não está dando certo.

***

No Portal Metrópole

Na Cúpula das Américas, Obama elogia Dilma e diz que Brasil é exemplo de combate a corrupção

Depois de um ano, a presidente Dilma Rousseff ouviu finalmente um pedido de desculpas do presidente dos EUA pela espionagem da agência americana no Brasil. Em discurso, o presidente Barack Obama soltou série de elogios sobre a presidente e disse que o Brasil é um exemplo de combate a corrupção

Por Redação – com informações do Estadão

A presidente Dilma Rousseff ouviu finalmente do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, um tipo de pedido de desculpas, ainda que não tradicional, pela espionagem levada a cabo pela National Security Agency sobre o governo e empresas brasileiras. Ao responder se a crise estabelecida em 2013 pela descoberta da espionagem estava superada pela marcação da visita aos EUA para junho deste ano, Dilma revelou o que o presidente americano lhe falou durante a reunião bilateral de hoje: ele lhe ligará quando quiser saber algo do Brasil.

“O governo americano não disse só para o Brasil, mas disse para todos os países do mundo que os países amigos, os países irmãos não seriam espionados. E também tem uma declaração do presidente Obama: ele falou pra mim que quando ele quiser saber qualquer coisa, ele liga pra mim. (Eu) não só atendo, como fico muito feliz”, contou.

O encontro dos dois presidentes durou cerca de meia hora. De acordo com a presidente, os dois trataram dos temas de cooperação que o Brasil quer ver avançar na visita, entre eles cooperação na área de energias alternativas, educação, defesa e o programa Open Skies para a aviação civil.

Em discurso na Cúpula das Américas, a presidente ouviu elogios do presidente Barack Obama: “Vejam só o exemplo do Brasil, em combate a corrupção… Precisou-se que uma mulher chegasse ao poder para se começar a limpar a corrupção”, disse ele.

Descontraída, a presidente agradeceu quando foi elogiada pela elegância. E, ao ser perguntada se o presidente americano havia comentado sua nova silhueta – Dilma perdeu 16 quilos -, respondeu: “Olha, ele não elogiou. Mas eu gostaria que tivesse elogiado.”

 

brasil247

Câmaras Municipais seguem exemplo da ALPB e antecipam eleições para as Mesas Diretoras

votaçaoSeguindo o exemplo da Assembleia Legislativa da Paraíba na antecipação das Mesas Diretoras, várias Câmaras Municipais do Estado estão antecipando o pleito para escolha dos novos dirigentes. Em Pocinhos, Fagundes e Puxinanã, por exemplo, as eleições serão realizadas nos próximos dez dias.

Nos dois principais colégios eleitorais, João Pessoa e Campina Grande, os próximos dirigentes já foram eleitos em pleitos antecipados. Na capital, Durval Ferreira (PP) terá mais dois anos no comando na Casa de Napoleão Laureano, enquanto Pimentel Filho (Pros) presidirá pela primeira vez o Poder Legislativo em Campina.

Em Bayeux, o vereador Júnior do Kipreço (PSD) foi eleito o próximo presidente do Poder Legislativo para o biênio 2015/2016. Em Patos, a atual presidente da Câmara, Nadir Rodrigues (PMDB), foi reeleita antecipadamente para os próximos dois anos no comando da Casa de Juvenal Lúcio. Em Cajazeiras e Queimadas, as eleições também foram antecipadas.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Metas da nova mesa Diretora- Em Campina, o novo presidente da Câmara Municipal de Campina Grande juntamente com os demais membros da Mesa Diretora, vereador Pimentel Filho (Pros) traçaram como metas para o biênio 2015-2016 a implantação de um painel eletrônico de votação em plenário e a instalação da TVCâmara com sinal aberto. Pimentel substituirá Nelson Gomes (PRP)

Além de Pimentel, integram a nova Mesa Diretora Orlandino Farias (1º vice-presidente); Marinaldo Cardoso (2º vice-presidente); Murilo Galdino (1º secretário) e Ivan Batista (2º secretário). “Vamos dar continuidade ao trabalho do atual presidente Nelson Gomes e modernizar ainda mais a Câmara Municipal. A atual gestão, da qual sou secretário, vai abrir licitação para aquisição do painel eletrônico. Outro desafio será instalar a TV Câmara com sinal aberto para toda a cidade, uma vez que já temos hoje a rádio e a TV pela internet, transmitindo as sessões em tempo real”, assinalou Pimentel Filho.

PBAgora

Bolsa Família é exemplo de política em que todos ganham, diz estudo da ONU

O mais recente Relatório para o Desenvolvimento Humano, da Organização das Nações Unidas, defende um conjunto de medidas de proteção social e regulação estatal para combater a pobreza e a desigualdade no mundo.

O estudo afirma que os programas Bolsa Família, do Brasil, e Oportunidades, do México, são “exemplos de políticas ganha-ganha”.

Para a ONU, as iniciativas tiveram um duplo papel após 2008. No curto prazo, suavizaram os efeitos negativos da crise internacional sobre o poder de compra dos mais pobres, ajudando a manter o nível de consumo. Adicionalmente, trouxeram benefícios de longo prazo uma vez que as famílias, para receberem o benefício, precisam manter os filhos na escola.

bolsa-familia-folhapress-andre-felipe1

Programas de transferência de renda, diz o estudo, foram importantes para diminuir o impacto que a população sofreu com o aumento dos preços de alimentos que se seguiu à crise de 2008.

Segundo o relatório, o Bolsa Família contribuiu com 20% a 25% da redução da desigualdade no país em 2008 e 2009, ao custo de 0,3% do PIB (Produto Interno Bruto).

Mas os programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, são apenas uma das iniciativas possíveis para combater a pobreza, reduzir a vulnerabilidade da população e construir resiliência na sociedade, afirma a entidade.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Os governos devem atuar, também, por meio de regulação financeira e de políticas macroeconômicas que possibilitem diminuição da pobreza, segundo o estudo. Ainda, o relatório defende que os países ofereçam à população acesso universal à saúde e à educação e também uma rede de proteção social.

“Todos os indivíduos têm igual valor e têm o mesmo direto de proteção e ajuda. Portanto, é preciso haver um amplo reconhecimento de que aqueles mais expostos a riscos e ameaças, as crianças ou pessoas com deficiência podem requerer apoio adicional para que suas chances na vida sejam iguais às dos demais”, afirmou o estudo.

Salário mínimo

Outro ponto defendido no relatório é o aumento do salário mínimo, apesar de vários economistas no Brasil afirmarem que tal política provocou redução da produtividade das empresas.

“O salário mínimo deve ser aumentado para estimular [a economia] a se mover na direção de atividades de produtividade mais alta”, afirma o texto. Essa frase remete a uma nota de rodapé que diz: “O aumento do salário mínimo foi uma resposta à crise no Brasil e contribuiu para aumentar os salários e a distribuição de renda”.

Em seguida, o texto acrescenta: “As reformas do modelo neoliberal no mercado de trabalho precisam ser cuidadosamente reavaliadas da perspectiva da redução da vulnerabilidade do emprego”.

Opinião

Já manifestei, neste blog, que sou favorável ao Bolsa Família, como política emergencial, para que as pessoas que não tiveram oportunidades possam ao menos se alimentar e tenham um incentivo para não tirar os filhos da escola.

Programas de transferência de renda são necessários e devem ser executados ao mesmo tempo em que se tomam medidas liberalizantes, até que estas produzam seus efeitos de longo prazo. O objetivo tem que ser o de precisarmos cada vez menos de iniciativas como o Bolsa Família.

É perfeitamente viável manter esse tipo de programa social ao mesmo tempo em que se controlam as contas públicas, afinal, o Bolsa Família não custa muito caro. Se conseguimos reservar cerca de R$ 100 bilhões por ano das receitas públicas para pagar juros, vale a pena fazer um esforço a mais para destinar mais R$ 25 bilhões para pessoas em situação de extrema pobreza. Principalmente porque os beneficiários são obrigados a manter seus filhos na escola.

Também já defendi, neste espaço, a importância de saúde e educação pagas pelo conjunto dos contribuintes, como forma de amenizar os impactos negativos da desigualdade de oportunidades.

Mesmo assim, fiquei surpreso com o Relatório para o Desenvolvimento Humano da ONU. Não apenas pela ênfase que seus autores dão às políticas sociais, mas, principalmente, por terem batido de frente com uma ideia que tem sido sustentada por parte dos economistas brasileiros, a de que é preciso impedir o aumento real do salário mínimo para evitar a perda de produtividade no país.

É verdade que os salários nos estratos sociais mais baixos têm subido mais do que a produtividade das empresas. O setor de serviços conseguiu, nos últimos anos, repassar para os preços parte da elevação de custos com pessoal – pressionando, portanto, a inflação. E a indústria, que não consegue fazer esse repasse porque concorre com produtos importados, sofre com isso e demite trabalhadores.

Apesar disso, acredito que a solução para o baixo crescimento econômico do país não deva se basear no congelamento do salário mínimo nem em decisões que levem ao aumento do desemprego.

O problema da baixa produtividade do país pode ser resolvido com outras medidas. Destaco a necessidade de o Estado abrir caminho para o setor privado deslanchar.

Se o governo tratar com respeito o tripé macroeconômico, acelerar o programa de concessões da infraestrutura e parar com intervenções diversas, como no caso da política de preços da Petrobras e da conta de luz, já tornará o cenário um pouco menos hostil ao investimento.

Ainda, temos um consumo do governo que correspondeu a 22% do PIB (produto interno bruto) no ano passado. Se conseguirmos reduzir gradativamente essa participação do Estado na economia, permitindo o desenvolvimento do setor privado, que é mais eficiente (desde que as empresas não vivam da proteção estatal), faremos, aos poucos, uma transição rumo a um ambiente econômico mais produtivo.

Reduzindo o peso da burocracia estatal, permitiremos que o setor privado se torne relativamente mais atraente, tanto para investidores como para trabalhadores, a ponto de voltar a crescer, gerar mais impostos e também serviços públicos melhores.

O problema é que essa transição provavelmente terá um custo social de curto ou médio prazo e, ainda por cima, contraria interesses de empresas que vivem de protecionismo estatal ou de ajuda pública. Até agora, nenhum dos candidatos explicou detalhadamente como vai fazer para reduzir o tamanho do Estado, ou seja, quais gastos eles pretendem cortar – se nos postos de saúde, nas salas de aula, nos cargos de confiança, nos concursos públicos (e em quais concursos) etc.

Fonte: Uol

O exemplo de Francisco, um exército num homem só

papa_francisco_aleteia.orgFrancisco é uma revolução em si próprio, um exército num homem só.

E deve servir de inspiração a todos os que desejam mudar alguma coisa mas ficam paralisados com medo das repercussões das mudanças.

A limpeza que ele começa a fazer no Banco do Vaticano – onde a fé se encontra com a moeda numa combinação explosiva e bem pouco transparente – ultrapassa todas as expectativas que eram acalentadas sobre sua gestão.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Quem imaginava que nisso ele não ia mexer – não, pelo menos, tão cedo – acabou de ter mais uma lição sobre os cojones de Francisco.

O caso ganhou interesse adicional no Brasil por causa do afastamento de suas funções relativas ao banco do cardeal brasileiro Odilo Scherer.

Um dos favoritos para se tornar papa no concílio que elegeu Bergoglio, Dom Odilo é, segundo Leonardo Boff, que o conhece bem, “autoritário e reacionário”. O oposto, em essência, de Francisco.

Francisco usa o arsenal completo dos transformadores e inovadores da história. Ele une a retórica à prática, em todos os momentos.

Um bispo comum teria dito: é impossível mudar a Igreja. São 2 000 anos de tradição, conservadorismo etc etc.

Bergoglio agiu, simplesmente. Desde o primeiro dia, ele agiu como se tivesse diante de si algo muito distante de uma missão impossível.

Você já deve ter ouvido gente dizer que não dá para mudar uma empresa, uma cidade, um país. Francisco mudou uma coisa muito mais complexa que tudo isso.

Por isso ele é também uma lição para todos nós. Uma lição de inconformismo e ação.

Uma das maiores expressões da sabedoria oriental diz o seguinte: toda caminhada começa no primeiro passo.

Francisco deu o primeiro passo assim que foi eleito pelos pares, e desde então não parou mais de caminhar, sempre pregando ao mesmo tempo em que marcha adiante.

Palavras valem muito. Atitudes valem muito. Quanto palavras e atitudes se combinam, são imbatíveis.

Francisco prega a simplicidade, porque é a base do combate à desigualdade que marca, assola, envergonha o mundo. E voa de classe econômica. É o pacote completo.

Francisco fez, primeiramente, um trabalho de inclusão. Incluiu os pobres – esquecidos, miseravelmente esquecidos pela Igreja.

Incluiu também os ateus, os homossexuais, os marxistas: ninguém, enfim, está distante do amor, da compaixão e da solidariedade do Deus de Francisco, e nem da Igreja que ele comanda.

Numa de suas frases mais notáveis, Brecht disse que nada deve parecer impossível.

Pois quando isso acontece nos conformamos com iniquidades, absurdos, horrores estabelecidos.

No Brasil moderno, quantas vezes não escutamos que não dá para mudar o sistema político, ou o modelo das prisões, ou as alianças para governar, ou o poder judiciário, ou as verbas publicitárias oficiais que privilegiam a Globo. Também quantas vezes não ouvimos que regular a mídia não dá, e nem tirar os carros das ruas para evitar engarrafamentos colossais?

É o triunfo da cultura da imobilidade, da aceitação.

São raros, são raríssimos os que não se curvam ao “impossível”.

Francisco é um deles. Por isso é o que é. Por isso mesmo os que não crêem, como eu, têm nele um exemplo portentoso.

Vida longa a ele.

Créditos da foto: Arquivo
cartamaior