Arquivo da tag: estupro

Homem é preso por estupro após adolescente afirma relação sexual e gravidez, em Guarabira

Um homem de 26 anos foi preso na tarde desta segunda-feira (21) acusado por estupro de vulnerável, desacato, desobediência, resistência e lesão corporal, no município de Guarabira, no Agreste da Paraíba. O fato foi registrado por volta das 12h, no Conjunto Ana Kelly.

Segundo a polícia militar, o acusado estava agredindo uma adolescente e teria tirado o bebê à força do colo dela. “Ele pegou sem minha autorização e levou o bebê para um local impróprio”, disse a menor de 14 anos, que ao tentar impedir, foi empurrada e derrubada ao chão.

Durante ocorrência, os policiais militares Tenente Danilo e Cabo Rogério foram agredidos e desacatados pelo acusado e a irmã do mesmo. “Ele estava muito agressivo, resistiu à prisão e desobedeceu às determinações legais da polícia, tentando fugir pelo quintal da casa”, relatos da polícia.

A irmã do acusado, tentando impedir sua prisão veio a jogar uma cadeira na direção da guarnição, atingindo o braço e o pescoço de um dos policiais. A adolescente de 14 anos relatou que mantém relações sexuais com o acusado desde os seus 12 anos de idade, vindo a engravidar do mesmo e dar a luz, aos 13 anos.

Diante dos fatos, as partes envolvidas foram encaminhadas até a delegacia de Polícia Civil para as devidas providências.

Blog do Pedro Júnior

 

 

Casal de irmãos é preso em Guarabira suspeito de estupro de vulnerável, desacato, desobediência, resistência e lesão corporal

Um casal de irmãos, ele com 26 e ela com 23 anos de idade, foi preso por policiais do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) nesta segunda-feira (21), na cidade de Guarabira, suspeito de estupro de vulnerável, desacato, desobediência, resistência e lesão corporal. A ocorrência teve início quando os policiais foram acionados para atender a uma solicitação onde uma jovem com um bebê estaria sendo agredida por um homem que dizia ser o marido dela. Quando os militares chegaram ao local informado, a vítima, de 14 anos, informou que o pai da sua filha, um bebê de dois meses, teria peço a criança à força e, sem a sua autorização, a teria levado. Na tentativa de impedi-lo, ela foi empurrada e derrubada no chão por ele.

As guarnições de Rádio Patrulha e do CPU (Coordenador de Policiamento da Unidade), tenente Danilo, se dirigiram até a residência do suspeito, que foi localizado, porém, ao tentar verbalizar com ele, o oficial foi desacatado e contra ele foram desferidas palavras de baixo calão. Diante da situação, a guarnição adentrou na residência e deu voz de prisão ao suspeito que, muito agressivo, ainda resistiu à prisão e desobedeceu às determinações legais da polícia. Ele ainda tentou fugir pelo quintal da residência, mas foi localizado e capturado pela guarnição comandada pelo cabo Rogério, momento em que a irmã do acusado, tentando impedir a prisão dele, jogou uma cadeira na direção da guarnição, atingindo o braço e o pescoço do policial.

A irmã do suspeito, que também passou a proferir ofensas contra os policiais, foi detida junto com ele e os dois foram conduzidos à delegacia. A criança foi entregue à mãe, que relatou que mantinha relações sexuais com o suspeito desde os 12 anos de idade, o que caracteriza o estupro de vulnerável. As partes envolvidas foram conduzidas à delegacia.

 

Assessoria 4º BPM

 

 

Condenado por estupro na PB é inocentado após 2 anos preso

Um inocente cumprindo pena de 18 anos de reclusão por estupro contra duas enteadas menores de idade. Essa é parte recente da vida do agricultor Genário Cândido Diniz, de 47 anos, que ganhou liberdade no dia 25 de setembro, mas só esteve livre de fato dois dias depois, após ficar dois anos preso na Cadeia Pública de Santa Luzia, na região de Patos, a mais de 300 km de João Pessoa (PB).

Acostumado a trabalhar desde cedo, a vida de Genário mudou em 2017, quando ele foi condenado em decisão monocrática por estupro contra as enteadas, na época com 9 e 12 anos. O suposto crime foi denunciado pelas meninas e a mãe delas, que mantinha um relacionamento amoroso com Genário.

Na denúncia formal, o Ministério Público da Paraíba (MPPB), levando em consideração o depoimento das vítimas e da mãe delas, relatou que os supostos abusos ocorreram entre 2015 e 2016 em uma casa onde a família morava, no município de Junco do Seridó.

Falsos depoimentos levaram à condenação

Levado à Justiça, Genário foi julgado culpado e começou a cumprir pena em agosto de 2017 na Cadeia Pública de Santa Luzia, ficando em uma ala dedicada a presos por crimes sexuais. Durante o período na prisão, sofreu por um crime que não cometeu e guardava esperança de voltar à liberdade.

“As provas que o juiz usou para condenar Genário foram apenas os depoimentos das menores. Não houve exames de conjunção, nada. Entramos com recurso, passamos dois anos de agonia tentando mostrar à Justiça que um homem inocente estava condenado e apelamos em recurso”, afirmou o advogado de Genrário, João Martins.

No recurso, a defesa conseguiu provar que a mãe induziu as filhas a mentir e acusar Genário de estupro. Tudo teria sido motivado por uma “disputa” pela casa onde eles moravam, que havia sido deixada pelo pai das garotas para elas.

Conforme o advogado, as meninas não gostavam de Genário e começaram a dizer que ele estava namorando com a mãe delas e tinha ido morar na casa para tomá-la para ele, mesmo sem isso ter sido pensado por ele. Ao saber da reclamação das filhas, a mãe induziu as garotas a acusarem Genário de estupro.

“A polícia tomou depoimentos, o Ministério Público denunciou e o caso foi parar nos tribunais, culminando com a condenação sem as devidas provas. Recorremos ao Pleno do TJ e conseguimos comprovar a inocência de Genário mostrando que tanto a mãe como as meninas prestaram falso testemunho na polícia e ao MPPB. Genário nunca encostou nas garotas. Felizmente, os desembargadores viram a injustiça que havia sido cometida e reformaram a sentença, agora em decisão definitiva”, relatou o advogado.

Saída para casa

“Nunca imaginei que iria passar por isso, que iria ser preso por um crime que eu não cometi. Foi muito difícil passar esses dois anos preso, mas o que me alentava era que o pessoal de lá escutou minha história. Me trataram bem. Nunca sofri agressão na cadeia, mas fiquei doente por muito tempo. É um lugar que eu não quero voltar. Vou para casa, abraçar minha irmã, meus sobrinhos e ligar para meus dois filhos. Estou muito feliz, graças a Deus estou livre”, contou Genário ao Portal Correio minutos após deixar a Cadeia de Santa Luzia.

Genário ainda precisou esperar por dois dias para se ver livre de onde nunca deveria ter entrado. Na saída da Cadeia, Genário levou uma sacola com pertences pessoais e deixou para trás a vida de apenado, retornando ao município onde a família mora, em Equador, no Rio Grande do Norte.

“Foi uma luta que a gente conseguiu vencer. Demorou dois anos para reversão da errônea condenação. Ainda tivemos que aguardar dois dias para que o alvará de soltura ficasse pronto. Foi e é uma luta incansável nossa contra a morosidade da Justiça, dos processos penais. A partir de hoje, Genário volta a ser um homem livre, sem dívida com a Justiça”, finalizou o advogado João Martins.

(Foto: João Martins)

Portal Correio

 

 

Ex-zelador é condenado por casos de estupro em banheiro de escola, em João Pessoa

O ex-zelador de uma escola particular foi condenado pela Justiça por participar dos casos de estupro praticados contra crianças e adolescentes dentro do banheiro do colégio. O julgamento aconteceu na última segunda-feira (14), em João Pessoa. A condenação foi de 24 anos e seis meses de reclusão em regime fechado.

No dia 11 de março, três adolescentes foram apreendidos em João Pessoa suspeitos de estuprarem uma criança de oito anos dentro de uma escola particular. As apreensões aconteceram em decorrência de mandados judiciais após processo que tramita em segredo de justiça desde maio de 2018. O ex-zelador suspeito de participar nos estupros foi preso no dia 15 de março.

Pelo menos quatro crianças e adolescentes foram tratadas como supostas vítimas do caso. A investigação seguiu em segredo em justiça.

Primeiro caso

A investigação começou em maio de 2018, com a denúncia da primeira vítima, uma criança de 8 anos, que disse ter sido estuprada dentro do banheiro do colégio Geo. O processo começou a tramitar em segredo de justiça desde o primeiro depoimento.

Os abusos vieram à tona após a mãe de uma das vítimas receber um aviso da escola que comunicava que o filho dela estava indo com muita frequência ao banheiro. Além disso, a criança também passou a ter um “comportamento agressivo e também choroso”. “Em conversa com a mãe, a vítima contou sobre os abusos e a investigação foi iniciada”, disse a delegada Joana D’arc Sampaio.

G1

 

Policiais do 4º BPM prendem em Guarabira homem com mandado de prisão por estupro de vulnerável

Policiais do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) prenderam nesta quinta-feira (17) um homem acusado de estupro de vulnerável no momento em que ele comparecia à Delegacia de Polícia Civil de Guarabira para resolver problemas particulares e foi verificado que havia contra ele um mandado de prisão expedido pela 2ª Vara Criminal da cidade, pela acusação de estupro de vulnerável.

O CPU (Coordenador de Policiamento da Unidade) efetivou o cumprimento do mandado de prisão do acusado, que agora está à disposição da Justiça.

 

Assessoria 4º BPM

 

 

Preso o primeiro suspeito de participar de estupro coletivo

Um homem de 23 anos foi preso suspeito de participar do estupro coletivo estupro coletivo registrado no último domingo (13) na cidade de Santa Rita, na Grande João Pessoa.

Ele foi reconhecido pela vítima como sendo um dos homens que praticaram o estupro.

Segundo a delegada Paula Monalisa Cabral, titular da Delegacia de Atendimento à Mulher de Santa Rita, existem provas que demonstram a participação do preso na violência sexual.

Os outros dois homens que também participaram do crime já foram identificados pela Polícia e estão sendo procurados. Inicialmente, cinco eram investigados pelo estupro coletivo, mas agora o número de envolvidos caiu para três.

A vítima, de 21 anos, se encontra internada em um hospital sob a proteção da Polícia Civil. Ela ficou muito debilitada após a violência. O companheiro dela também foi brutalmente violentado.

Segundo as investigações, o homem foi espancado por oito pessoas, sendo cinco adolescentes e três adultos. Todos foram identificados e conduzidos à delegacia nessa segunda-feira (14).

Durante uma entrevista coletiva concedida nesta terça-feira (15), a delegada explicou que o casal estava ingerindo bebida alcoólica, em frente à residência onde moram, na companhia dos homens suspeitos de atuar no espancamento.

Ainda de acordo com a delegada, houve um desentendimento, que resultou na violência.

“O homem foi espancado por oito pessoas e ficou muito ferido. A mulher achava que seu companheiro estava morto. Ela saiu para pedir ajuda, quando foi vítima de estupro”, explicou Paula Monalisa.

Em depoimento prestado à delegada, a vítima reconheceu o grupo como o responsável pelo espancamento, mas não pelo estupro.

“A jovem que sofreu abusos sexuais não reconheceu nenhum desses suspeitos como autores dos estupros. As investigações irão continuar até localizarmos os outros dois envolvidos no crime”, explicou a delegada.

Foto: Divulgação/Polícia Civil

portalcorreio

 

Oito suspeitos de estupro coletivo em Santa Rita são detidos pela polícia, na Paraíba

Oito pessoas suspeitas de participação no estupro coletivo de uma mulher de 21 anos, na madrugada de domingo (13), em Santa Rita, foram presos nesta segunda-feira (14) na Comunidade do Cadeado, também em Santa Rita. De acordo com informações do coronel Pablo, comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar, os suspeitos foram encaminhados para a Delegacia da Mulher, para prestarem depoimentos e passarem por reconhecimento por parte da vítima.

A delegada Paula Monalisa ouviu os suspeitos durante toda a tarde, mas a Polícia Civil não confirma se todos devem permanecer detidos por envolvimento no crime. Segundo testemunho da mulher à delegada, sete pessoas agrediram o marido dela e três teriam praticado o estupro. Nenhum dos detidos foi reconhecido por ela, inicialmente.

Ainda de acordo com a Polícia Militar, os policiais estiveram na casa onde aconteceu o estupro, na localidade conhecida como Matadouro. Na casa de um dos suspeitos foi apreendido cerca de meio quilo de droga, ainda de acordo com a PM. Segundo o coronel Pablo, os suspeitos foram encaminhados para delegacia para prestar depoimentos sobre o estupro.

Inicialmente, no domingo (13), a Polícia Militar informou a participação de seis suspeitos no estupro coletivo. Em depoimento, nesta segunda, a vítima contou que cinco homens tinham participado do crime. Durante a operação deflagrada pelas Polícias Militar e Civil, sete suspeitos foram detidos e encaminhados para Delegacia de Mulher em Santa Rita.

A vítima prestou depoimento à Delegacia da Mulher ainda na noite do domingo, em João Pessoa. A mulher, de 21 anos, contou à Polícia Civil, em depoimento, que estava em casa quando o marido dela chegou.

Assim que entrou na residência, o homem foi puxado para fora pelos suspeitos e foi espancado até desmaiar. Em seguida, o grupo invadiu a casa, tirou a mulher do local e levou ela em um carro até um local conhecido como “matadouro”. No local, a mulher contou que foi estuprada por cinco homens.

De acordo com a delegada, os suspeitos estavam muito alterados e drogados, conforme o relato da vítima à polícia. Uma das linhas de investigação apontam para uma possível vingança contra o marido da vítima, que é presidiário e cumpre pena em regime semiaberto, mas a motivação do crime ainda é incerta e será investigada.

A mulher, logo após o crime, foi encaminhada para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, onde recebeu os primeiros atendimento e teve alta ainda no domingo. Nesta segunda-feira (14), ela foi encaminhada para a Maternidade Cândida Vargas, onde passa por uma profilaxia e seguia em observação médica. Em seguida, ela deve ser encaminhada para um abrigo.

O marido dela, de 33 anos, que foi espancado, permanece internado no Hospital de Trauma da capital. Ele passou pelos procedimentos médicos de emergência e segue internado, em quadro clínico considerado estável.

G1

 

Suspeitos de estupro coletivo são detidos pela polícia, na Paraíba

Quatro pessoas suspeitas de participarem do estupro coletivo contra uma mulher de 21 anos, na madrugada deste domingo (13), em Santa Rita, foram detidos no fim da manhã desta segunda-feira (14) na Comunidade do Cadeado, também em Santa Rita. De acordo com a Polícia Civil, dois são adolescentes. A vítima prestou depoimento à Delegacia da Mulher ainda na noite do domingo, em João Pessoa, e reconheceu os quatro suspeitos nesta segunda por meio de fotos. Um outro suspeito ainda está foragido.

A mulher, de 21 anos, contou à Polícia Civil, em depoimento, que estava em casa quando o marido dela chegou. Assim que entrou na residência, o homem foi puxado para fora pelos suspeitos e foi espancado até desmaiar. Em seguida, o grupo invadiu a casa, tirou a mulher do local e levou ela em um carro até um local conhecido como “matadouro”. No local, a mulher contou que foi estuprada por cinco homens.

De acordo com a delegada, os suspeitos estavam muito alterados e drogados, conforme o relato da vítima à polícia. Uma das linhas de investigação apontam para uma possível vingança contra o marido da vítima, mas a motivação do crime ainda é incerta e será investigada.

A mulher, logo após o crime, foi encaminhada para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, onde recebeu os primeiros atendimento e teve alta ainda no domingo. Nesta segunda-feira (14), ela foi encaminhada para a Maternidade Cândida Vargas, onde passa por uma profilaxia e seguia em observação médica. Em seguida, ela deve ser encaminhada para um abrigo.

O marido dela, que foi espancado, permanece internado no Hospital de Trauma da capital. Ele passou pelos procedimentos médicos de emergência e segue internado, em quadro clínico considerado estável.

G1

 

Mulher vítima de estupro coletivo conta à polícia como o crime aconteceu, na Paraíba

A mulher vítima de estupro coletivo na madrugada deste domingo (13), em Santa Rita, prestou depoimento à Delegacia da Mulher ainda na noite do mesmo dia, em João Pessoa. Conforme a delegada Amindonzele Carneiro, que começou a investigar o caso, a vítima confirmou as informações que foram repassaram anteriormente à Polícia Militar.

A mulher, de 21 anos, contou à Polícia Civil que estava em casa quando o marido dela chegou. Assim que entrou na residência, o homem foi puxado para fora pelos suspeitos e foi espancado até desmaiar. Em seguida, o grupo invadiu a casa, tirou a mulher do local e levou ela em um carro até um local conhecido como “matadouro”. No local, a mulher contou que foi estuprada por cinco homens.

De acordo com a delegada, os suspeitos estavam muito alterados e drogados, conforme o relato da vítima à polícia. “Estamos nesse processo de reconhecimento [dos suspeitos] para tentar prendê-los, com um esforço conjunto das delegacias da mulher”, revelou a delegada. Uma das linhas de investigação apontam para uma possível vingança, mas a motivação do crime ainda é incerta e será investigada.

A mulher, logo após o crime, foi encaminhada para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, onde recebeu os primeiros atendimento e teve alta ainda no domingo. Nesta segunda-feira (14), ela foi encaminhada para a Maternidade Cândida Vargas, onde passa por uma profilaxia e seguia em observação médica. Em seguida, ela deve ser encaminhada para um abrigo.

O marido dela, que foi espancado, permanece internado no Hospital de Trauma da capital. Ele passou pelos procedimentos médicos de emergência e segue internado, em quadro clínico considerado estável.

G1

 

AREIA/PB: após ter sido denunciado por estupro, homem mata a esposa e depois tira a própria vida

Na noite desta quarta-feira (02), mais uma tragédia foi registrada na cidade de Areia, região do Brejo do Estado. Após ter sido denunciado pela própria enteada, por suspeita de prática de estupro, um agricultor assassinou sua companheira e depois teria cometido suicídio.

O caso ocorreu na zona rural do município e de acordo com os primeiros levantamentos da polícia, foi praticado há cerca de três dias.

Os dois corpos só foram localizados na noite de ontem, quando familiares do casal perceberam as ausências e resolveram ir até a casa onde os dois moravam.

Ainda segundo a Polícia Civil, o acusado já estava sendo investigado por prática de estupro. Ele teria sido denunciado por abusar sexual de sua própria enteada.

Brejo online