Arquivo da tag: estiagem

Governo decreta situação de emergência em 177 municípios da PB afetados pela estiagem

O Governo da Paraíba decretou situação de emergência em 177 municípios afetados pela estiagem. O decreto foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (1º). A situação de emergência é pelo período de 180 dias.

Conforme a publicação, a estiagem prolongada tem gerado prejuízos importantes e significativos às atividades produtivas do Estado da Paraíba, principalmente a agricultura e pecuária dos municípios afetados. Além disso, também prejudicou a recargas dos mananciais.

A situação de emergência vale apenas para áreas dos municípios comprovadamente afetados pelo desastre. Dessa forma, o Poder Executivo Estadual fica autorizado a abrir crédito extraordinário relativo à situação.

De acordo com o decreto, ficam dispensados de licitações os contratos de aquisição de bens e serviços necessários às atividades de resposta ao desastre, locação de máquinas e equipamentos, de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação do cenário do desastre, desde que possam ser concluídas no prazo estipulado em lei.

G1

 

Governo da Paraíba decreta situação de emergência em 177 municípios afetados pela estiagem

O Governo da Paraíba decretou um estado de emergência para 177 cidades afestadas por estiagens. O decreto foi publicado no Diária Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (2). A situação de emergência é pelo período de 180 dias. Confira a lista das cidades na página 4 do DOE.

Conforme o decreto, a situação de anormalidade é valida apenas para as áreas dos municípios comprovadamente afetados pela estiagem, segundo prova documental estabelecida pelo Formulário de Informação de Desastre (FIDE) e pelo croqui das áreas afetadas.

O Poder Executivo Estadual fica autorizado, portanto, a abrir crédito extraordinário para a situação existente nessas cidades. Além disso, também está autorizada a convocação de voluntários para reforço das ações de responsabilidade ao desastre natural.

De acordo com o decreto, ficam dispensados de licitações os contratos de aquisição de bens e serviços necessários às atividades de respostas ao desastre, locação de máquinas e equipamentos, de prestação de serviços e de obras relacionadas com a reabilitação do cenário do desastre, desde que possam ser concluídas no prazo estipulado em lei.

Foto: Artur Lira / G1

G1

 

Governo do Estado decreta emergência em 196 cidades afetadas pela estiagem

secaO governador do Estado, Ricardo Coutinho (PSB), decretou situação de emergência em 196 municípios paraibanos por seis meses. De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (05), a medida foi por conta da estiagem.

Entre as cidades citadas pelo Governo estão: Campina Grande, Patos, Cajazeiras, Sousa, São Bento, Pombal, Areia e Guarabira.

Clique aqui e confira a lista completa.

Pelo decreto, o Governo fica autorizado a abrir Crédito Extraordinário para combater a escassez, além de poder convocar voluntários para reforçar as ações causadas pela estiagem.

Por conta da situação de emergência, ficam dispensados da necessidade de licitação os contratos de aquisição de bens e serviços necessários, locação de máquinas e equipamentos, prestação de serviços e de obras. O decreto entrou em vigor a partir da data de publicação.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Outono começa segunda-feira e previsão alerta para agravamento da estiagem no Nordeste

seca_no_nordesteO outono começa na próxima segunda-feira (20) no Hemisfério Sul, às 7h29, horário de Brasília, enquanto no Hemisfério Norte, será o início da primavera.

A estação começa com o equinócio de outono. Nesta segunda, dia e noite têm praticamente a mesma duração. À medida que a estação avança, os dias ficam menores e as noites maiores até o início do inverno, em 21 de junho.

“O que marca as estações é o fato de o eixo de rotação da Terra estar inclinado em relação ao plano de órbita do planeta. Se não fosse inclinado, todo o tempo cada localidade teria a mesma quantidade de radiação solar chegando”, explica a astrônoma Josina Nascimento, pesquisadora do Observatório Nacional (OB).

No outono, os raios solares já não vão mais incidir diretamente no Hemisfério Sul, mas começam a incidir de forma inclinada, diminuindo a quantidade de radiação que chega. Por isso, o outono apresenta temperaturas mais amenas.

“Essa diferença de temperatura é mais visível à medida que se está longe da Linha do Equador. Quem está na Linha do Equador praticamente não vê diferença de estação. Mas quanto mais ao Sul você está no Hemisfério Sul, ou mais ao Norte, no Hemisfério Norte, essa diferença fica mais evidente. Para nós, do Rio de Janeiro, que estamos nos trópicos, é praticamente verão o ano todo”, comentou a astrônoma.

Transição

De acordo com o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o outono é uma estação de transição entre o verão e o inverno e, por isso, no início da estação, os dias ainda são quentes e há chuvas e, ao final do período, os dias começam a ficar mais frios e a chuva diminui em algumas partes do país, anunciando a chegada do inverno.

As regiões Norte e Nordeste têm temperaturas mais frias durante o outono. O trimestre março, abril e maio é chamado de inverno nessas regiões porque, em função do aumento de chuvas, há maior nebulosidade, menos irradiação solar chega para a Terra e a temperatura cai, mas não de forma abrupta.

Para o Centro-Oeste e o Sudeste, incluindo nessa média histórica boa parte da Bahia, o CPTEC indica que o outono é bem caracterizado como um período de transição porque há uma estação chuvosa que se estende de outubro até abril do outro ano, e uma estação seca, que vai de abril até meados de outubro. “Abril fica mais ou menos no meio do outono. Então, tem a transição entre a estação chuvosa em que a gente está agora e a estação seca para essas regiões”, disse a climatologista do CPTEC/Inpe, Renata Tedeschi.

No caso do Sul do país, a chuva ocorre o ano todo, mas durante o outono começam a ser vistas temperaturas amenas. Renata Tedeschi lembra também que, durante o outono, passam a ocorrer frentes frias com mais frequência. “Quando a gente tem frente fria, pode ter chuva associada e queda de temperatura também”.

Em relação às temperaturas outonais, a climatologista disse que principalmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, o início do outono mostra temperaturas ainda quentes, como no verão, mas “quanto mais próximo a gente está do inverno, menor a incidência de raio solar e há temperaturas mais frias”.

Previsão

O CPTEC prevê que as temperaturas fiquem dentro da média histórica em grande parte do Brasil, no trimestre março, abril e maio, com exceção de uma parte do Centro-Oeste, do Sudeste e toda a Região Sul, mais o Cone Sul brasileiro, que devem ter temperaturas oscilando um pouco acima da  média histórica.

No Nordeste, com exceção de quase toda a Bahia, o Maranhão e parte do Piauí, a previsão é de  chuva abaixo da média histórica. A tendência, disse Renata, é piorar a grave situação de estiagem já existente na região.

Para o nordeste da Região Norte, a previsão é de chuva acima da média histórica. No noroeste da Região Norte, a previsão é chuva dentro da média, com possibilidade de algumas áreas ficarem acima da média histórica.

No Sul brasileiro, destacando o Rio Grande do Sul e o oeste de Santa Catarina, a previsão é de chuva dentro da média histórica, podendo ficar um pouco acima em algumas áreas.

Por Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Ricardo se reúne com bispos para discutir ações de enfrentamento à estiagem

ricardo-coutinhoO governador Ricardo Coutinho se reúne, nesta quarta-feira (1º), às 10h, com os bispos da Paraíba e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Adriano Galdino, para discutir ações de enfrentamento à estiagem.

Durante o encontro, que acontece no Palácio da Redenção, serão discutidos os problemas dos municípios que sofrem com a longa estiagem e as ações de enfrentamento aos efeitos da seca. Na ocasião, o governador vai apresentar ações do Plano Emergencial de Enfrentamento à Estiagem, lançado pelo Governo no mês de junho.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Secom-PB

Ricardo anuncia plano emergencial de enfrentamento à estiagem nesta quinta-feira

Foto: Walla Santos
Foto: Walla Santos

O governador Ricardo Coutinho lança, nesta quinta-feira (18), às 10h, no Teatro Paulo Pontes, no Espaço Cultural, o Plano Emergencial de Enfrentamento da Estiagem. Entre as ações, está a construção de barragens subterrâneas, de adutora de montagem rápida e de cisternas, e perfuração de poços artesianos. O plano ainda contempla assistência a municípios atingidos pela estiagem por meio de carros-pipa, entre outras ações.

De acordo com o secretário de Estado da Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio-Ambiente, Ciência e Tecnologia, João Azevedo, o plano será uma das maiores ações tomadas pelo Governo do Estado para enfrentar a seca que, atualmente, atinge 170 dos 223 municípios paraibanos (76,2% do total). “Não tenho dúvidas de que, nesta quinta-feira, a sociedade irá conhecer um plano de uma eficácia extraordinária, mas também de uma importância social muito grande, haja vista que o problema da estiagem é muito sério no Estado, e tem sido tratado com a seriedade merecida pelo governador Ricardo Coutinho”, afirmou.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Decreto – Em abril, o governador Ricardo Coutinho prorrogou a situação de emergência dos 170 municípios do Estado atingidos pela seca prolongada. A situação de emergência foi reconhecida cinco dias depois pelo Governo Federal, conforme publicação no Diário Oficial da União (DOU) de 23 de abril de 2015. O reconhecimento da situação de emergência pelo Governo Federal autorizava, entre outras coisas, o exército brasileiro no abastecimento dos municípios atingidos pela falta d’água.

O secretário João Azevedo enfatizou a importância da ação do Governo Federal ao reconhecer o estado de emergência, mas pontuou que o Governo do Estado viu a necessidade de ir mais além. “O problema da estiagem é complexo, e precisa de várias frentes de atuação. Por isso, o plano que será anunciado terá condições plenas de dar resposta rápida e, acima de tudo, eficiente para amenizar a difícil situação por que passam os paraibanos dos 170 municípios atingidos pela estiagem”, destacou.

 

 

Secom-PB

Estiagem prolongada deixa 20 localidades da Paraíba sem água

carro pipaCom mananciais secos e a população abastecida por caminhões-pipa, 15 cidades e cinco distritos da Paraíba estão em colapso total no abastecimento de água. Outras 48 regiões do estado, incluindo Campina Grande, sofrem racionamento.

De acordo com o presidente da Companhia de Água e Esgoto da Paraíba (Cagepa), Marcus Vinícius Neves, ao longo dos últimos três anos o estado sofreu estiagem acima do normal. O fenômeno secou vários açudes.

Morador da Montadas, no agreste paraibano, uma das cidades em colapso, o atendente Everton Paiva disse que não tem água nas torneiras há dois anos. A água que abastece o município vem de outras localidades, em caminhões-pipa, e é armazenada em três cisternas da cidade. “O consumo residencial são 20 litros por cada morador”, informou Paiva.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Segundo ele, os caminhões-pipa também estão em falta na região. “Além de ter ficado mais caro, várias cidades próximas estão sem água. Não tem caminhão que dê jeito. Por isso, temos de economizar. Em Montadas, é preciso tomar banho numa bacia, aproveitar a água e jogar no sanitário”.

Conforme os moradores o açude que abastece a cidade de Triunfo, no sertão da Paraíba, secou há dois anos. Para o aposentado José Simão Silva, a saída é comprar mil litros de água por R$ 25 a cada três dias ou esperar o caminhão-pipa.

Simão explicou que normalmente são colocados dois caminhões-pipa por dia em uma única caixa d’água. “As pessoas ficam na fila, se empurram, brigam. Quem é mais esperto e chega cedo, consegue mais água. A lei é esta. Tem gente que percorre 5km de moto para conseguir 40 litros de água. O sofrimento é grande.”

O presidente da Cagepa afirmou que, entre as medidas do governo estadual para atender à população durante a estiagem, estão a disponibilização de carros-pipa e construção de poços artesianos e adutoras emergenciais.

“Estamos com dois terços do território cravados no semiárido. A própria condição climática compromete o abastecimento. No momento, temos mais de R$ 1 bilhão em obras de água e esgoto com recursos garantidos”, concluiu.

Agência Brasil

PB tem 190 cidades em estado de emergência e governo adota medidas para amenizar estiagem

cantareira-secaNos últimos anos, a seca tem castigado o Nordeste. A região concentra nove em cada dez municípios do país que estão com decretos de situação de emergência em vigor atualmente, segundo a Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. Dentro dessa realidade de estiagem a Paraíba se destaca no combate ao desperdício de água, sendo o estado do Nordeste onde se mais se atua na contenção ao desperdício de água.

Em toda a região, cerca de 15,8 milhões de pessoas sofrem com os efeitos da estiagem que, segundo meteorologistas, começou em 2012 e já no ano seguinte foi considerada a pior dos últimos 50 anos pela Organização Meteorológica Mundial.

A situação tende a se agravar nos próximos meses. Até abril, as chuvas na região devem ficar abaixo da média histórica, segundo relatório divulgado esta semana pelo Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em maio, já deve ter início a estação seca, com reservatórios quase sem água.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Na Paraíba, cerca de 190 municípios paraibanos, estão em estado de emergência devido à seca. A Situação de Emergência é válida para os municípios afetados pela escassez ou falta de chuva, o que impede a recarga dos mananciais. Com o decreto, o governo estadual é autorizado a abrir crédito extraordinário para atender às necessidades da população afetada.

A Região Metropolitana de João Pessoa ainda tem uma reserva hídrica suficiente para abastecer a população por até 30 anos mesmo com o seu crescimento populacional e estrutural, segundo informou o secretário de Estado de Recursos Hídricos, do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia, João Azevedo. No entanto, a situação nas regiões do Sertão, continua crítica.

Para enfrentar a situação de seca que atinge 190 cidades que estão em situação de emergência, várias ações estão sendo feitas. Uma delas é a perfuração de poços. A Companhia de Desenvolvimento de Recursos Minerais na Paraíba (CDRM) perfurou nos últimos quatro anos 1.180 poços que resultou em 60% positivos (708). Uma queda de 15% se comparado ao início da estiagem.

O Estado também apresentou queda de três pontos percentuais no desperdício em comparação ao ano anterior, já que em 2012, havia registrado 39,3% em perdas de água, segundo o SNIS.

De acordo com o diretor Administrativo e Financeiro da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), Jorge Gurgel de Souza, a melhoria é resultado dos investimentos massivos do Governo do Estado nos últimos anos. “É prioridade do governador Ricardo Coutinho otimizar cada vez mais o abastecimento e a garantia hídrica da população. Por isso, desde 2011, intensificamos as fiscalizações para combater o uso irracional da água tratada”, explicou.

Segundo ele, entre outras medidas, a Cagepa substituiu 309 mil hidrômetros, e adquiriu 120 mil novos equipamentos para serem instalados este ano, além de ter reduzido a quantidade de vazamentos. “Estamos reaproveitando a água de lavagem dos filtros para retornar para o sistema, evitando o desperdício, entre outras medidas”, observou.

PBAgora

Estiagem faz Paraíba renovar situação de emergência em 25 municípios por 6 meses

secaA Gerência Executiva de Defesa Civil da Paraíba voltou a reconhecer a situação de emergência por estiagem em mais 25 municípios do estado. O novo decreto foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) no último domingo (9). Com isso, a Paraíba continua com 195 municípios em situação de emergência.

A prorrogação é válida por mais seis meses e abrange as cidades de Alagoa Grande, Araçagi, Areia, Belém, Caldas Brandão, Capim, Cuité de Mamanguape, Duas Estradas, Guarabira, Gurinhém, Lagoa de Dentro, Mamanguape, Matinhas, Mulungu, Pilar, Pilões, Pirpirituba, Pedro Régis, Rio Tinto, São José dos Ramos, São Miguel de Taipu, Serra da Raiz, Serra Redonda, Sertãozinho e Sobrado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Para o gerente executivo estadual de Defesa Civil, coronel Cícero Hermínio, a manutenção do decreto se faz necessário devido à persistência da seca que vem afetando o Nordeste. “Estamos prorrogando o decreto mais uma vez em decorrência da estiagem prolongada. O objetivo é garantir que as cidades listadas sejam providas de recursos da União para o enfrentamento da seca”, destacou.

Com a situação de emergência, o poder executivo fica autorizado a abrir crédito extraordinário face à situação existente. Também permite que sejam dispensados de licitações os contratos de aquisição de bens e serviços, locação de máquinas e equipamentos e também de prestação de serviços e obras relacionadas com os problemas causados pela estiagem, bem como a convocação de voluntários para reforço das ações de resposta ao desastre natural vivido na Paraíba.

 

portalcorreio

Governo Federal reconhece situação de emergência em 170 municípios da PB por conta da estiagem

Padre Djacy Brasileiro
Padre Djacy Brasileiro

Portarias publicadas no Diário Oficial da União desta segunda (27) pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, do Ministério da Integração Nacional, reconhece a situação de emergência em 225 cidades brasileiras, 170 delas na Paraíba. Bananeiras, Queimadas e Cacimba de Dentro são algumas delas.Confira a lista completa.

Com a decisão, o Governo autoriza a transferência de recursos para dois municípios de Santa Catarina investirem na recuperação de danos causados pelo clima ou atendimentos emergenciais.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
As cidades paraibanas cujos decretos municipais de situação de emergência, por causa da estiagem dos últimos meses, foram reconhecidos em âmbito federal. Já em Campo Largo, no Paraná, o motivo foi a chuva de granizo que causou estragos em residências, prédios públicos e infraestrutura. Assim que o decreto municipal é reconhecido em âmbito federal, a prefeitura está apta a pedir e receber recursos da União para a recuperação dos danos ou atendimentos emergenciais.  O decreto vale por 180 dias e pode ser renovado, caso necessário.

As portarias da secretaria autorizam a transferência de R$ 120,6 mil para Xanxerê e R$ 45 mil para Jaborá, ambos em Santa Catarina. Os valores deverão ser gastos em ações de restabelecimento conforme projetos aprovados. O prazo de execução das obras e serviços é de 180 dias e as prefeituras deverão prestar contas dos gastos em até 30 dias após o fim da vigência do convênio.