Arquivo da tag: estelionato

Suspeito de praticar crime de estelionato em diversos estados é preso na Paraíba

A Polícia Civil da Paraíba, por meio da sua Delegacia de Defraudações e Falsificações, em João Pessoa, prendeu, neste domingo (21), um homem suspeito de praticar crimes de estelionato em diversos estados do Brasil. Segundo investigações, ele teria aplicado golpes em Belo Horizonte, Salvador, Recife e Natal.

J. F. S, de 42 anos, mais conhecido como Gordo, foi preso quando realizava o “pagamento” de mercadorias anunciadas por terceiros de boa-fé em um conhecido site de vendas. Segundo a PC, no quarto da pousada, onde o suspeito estava hospedado, foram apreendidos diversos objetos comprados com cheques clonados, dentre eles uma sanfona marca Maestrina de 80 baixos e um violão.

Imagem reprodução – Foto: Ascom

Os policiais encontraram ainda diversos cheques clonados devidamente acondicionados, cada um, em envelope identificado com cartão de apresentação de um suposto gerente comercial de uma construtora, método utilizado para dar credibilidade ao golpe.

Imagem reprodução/Foto: Ascom

O homem confessou a prática do crime. Ainda de acordo com ele, só neste domingo, cerca de 10 pessoas seriam enganadas. O suspeito foi encaminhado para a Central de Flagrantes no bairro do Geisel.

 

wscom

 

 

Suspeitos de estelionato e receptação de carros roubados são presos pela PRF na PB

Dois homens de 45 e 59 anos de idade foram presos pela Polícia Rodoviária (PRF) nesta terça-feira (16), na BR-230, em Pocinhos, na Paraíba. No carro em que eles estavam haviam drogas, cheques furtados e notas promissórias com dados falsos, além de documentos falsos. Contra um deles havia um mandado de prisão expedido.

Segundo a PRF, os dois homens estavam em um veículo com placas de Fortaleza, capital cearense. Após uma revista preliminar, foi encontrado com cada um deles uma pequena quantidade de substância semelhante a maconha, que eles alegaram ser para uso pessoal. Na abordagem, o homem de 59 anos, que estava como passageiro, apresentou identidade com nome e demais dados falsos.

Os policiais descobriram que o nome que ele apresentou era falso e, ao consultarem o real nome do suspeito, descobriram que havia um mandado de prisão expedido contra ele. Ainda no procedimento, os agentes da PRF descobriram que os dois homens respondem a vários processos por estelionato, receptação roubo e porte ilegal de arma.

As queixas e processos estão registradas em mais de 5 estados brasileiros e mostraram ainda que as práticas criminosas ocorrem há mais de 10 anos. Os dois homens foram presos e levados para a Delegacia da Polícia Federal, em Campina Grande.

G1

 

Falso padre é preso em João Pessoa suspeito de estelionato

Um homem foi preso na tarde desta sexta-feira (28) acusado de aplicar golpes em bairros da Zona Sul de João Pessoa. O suspeito se passava por padre para sensibilizar as vítimas.

De acordo com a polícia, mais de dez empresas que atuam no ramo de locações e organizações de eventos teriam sido lesadas pelo suspeito.

Após a prisão do falso padre, a polícia convoca os empresários que teriam sido lesados por ele para comparecem à Central de Polícia, no bairro do Geisel, na Capital.

Confira vídeo do momento da prisão:

PB Agora

 

 

Dona Inês: vereador denúncia gestão por supostos crimes de estelionato e falsidade ideológica

Na Sessão Ordinária de segunda-feira (01), o Vereador Damásio Berto (PSD), fez uma denúncia grave na tribuna da Câmara de Dona Inês-PB.

De acordo com Vereador, o Prefeito João Idalino (PSD), teria cometido supostos crimes de estelionato, falsidade ideológica e desvio de recursos públicos, trazendo a tona farta documentação que comprovam os fatos narrados: cópias dos empenhos, notas fiscais e cheques, de supostos serviços na contratação de uma retroescavadeira para limpeza de barreiros no montante de R$ 56.720,00, do FPM.

Conforme documentos apresentados por Damásio, há falsidade grosseira nas assinaturas dos cheques do recebedor, tendo em vista que as mesmas não condizem com a do seu RG, e em outros, não existem sequer a assinatura endossada pelo prestador de serviços, conforme mostram os documentos abaixo.

Após a denúncia no plenário da Câmara, o parlamentar exigiu posicionamento de seus pares e que a Mesa Diretora encaminhe esta séria denúncia aos órgãos fiscalizadores, como Tribunal de Contas, Ministério Público Estadual e até a Polícia Federal por se tratar de danos ao erário público.

“Uma verba dessa, que é destinada a população faria uma diferença muito grande na questão social, uma vez que a Campanha da Fraternidade da CNBB está discutindo em todo Brasil, o seguinte tema: Fraternidade e Políticas Públicas”, frisou o Vereador.

  
blogdofelipesilva com Henrique Florêncio

 

Policiais do 4º BPM prendem em Juarez Távora casal acusado de estelionato

Um casal, ele de 22 anos e ela de 23, foi preso por policiais da 2ª Companhia do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) no final da tarde desta quinta-feira (6), acusado de aplicar golpes nas cidades de Juarez Távora, onde foram presos, além de Alagoa Grande, Mogeiro e Itabaiana.

Contra os dois tinham sido expedidos pela 2ª Vara de Itabaiana mandados de prisão preventiva pelo crime de estelionato. O marido e a mulher foram presos no Sítio Caxeiro, localizado na zona rural, pela guarnição formada pelo Sgt Paiva, Cb Souza e Sd Assis.

Com eles foram apreendidos um cheque de uma agência bancária de João Pessoa no valor de R$ 3 mil, além de cartões de crédito e de contas bancárias, além de documentos de um veículo. Entre os golpes que teriam sido aplicados pelo casal e que caracterizaria a modalidade utilizada por eles, está o de uma vítima que reside na zona rural de Alagoa Grande.

No último dia 30 de maio, os dois foram até a residência dela e conseguiram pegar o cartão e a senha dela, realizando várias transações fraudulentas.

O casal foi conduzido pelos policiais militares até a Delegacia de Polícia Civil, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Assessoria 4º BPM

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Filho de prefeito paraibano é preso por estelionato e golpe superior a R$ 230 mil

Foto: divulgação/Polícia Civil
Foto: divulgação/Polícia Civil

A Delegacia de Defraudações e Falsificações prendeu, nesta quarta-feira (08), Davi Foca suspeito de aplicar um golpe superior a R$ 230 mil em empresas de comunicação. Em contanto com o Portal MaisPB o delegado Lucas Sá afirmou que o suspeito é filho do prefeito de Mulungu, Melquíades Nascimento.

De acordo com o delegado, a investigação foi iniciada após quatro vítimas terem procurado a delegacia para denunciar que haviam sido lesadas por Davi na venda de gráficas.

Segundo as vítimas, Davi firmou acordo para compra das gráficas, no entanto, nunca pagou pelas empresas. Ele teria se apropriado e vendido todo o material sem que os pagamentos fossem repassados às vítimas. Somente com a venda das empresas o prejuízo supera R$ 230 mil.

O suspeito também atuou na cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, onde locou uma gráfica. Segundo o delegado, Davi chegou a simular depósitos bancários como pagamento das vítimas.

“Nós tivemos uma certa dificuldade para localizá-lo porque ele ficava circulando entre João Pessoa, Guarabira e Mulungu”, explicou Lucas Sá.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Arnaldo: Governador comete estelionato eleitoral ao enganar povo dizendo que água de Esperança vem de Camará

arnaldoO deputado estadual Arnaldo Monteiro (PSC) acusou o governador Ricardo Coutinho de cometer estelionato eleitoral ao ludibriar o povo de Esperança e de Remígio dizendo que as cidades estão sendo abastecidas pela barragem de Camará, quando, na verdade, continuam recebendo água de Vaca Brava, em Areia. O parlamentar lembrou que foi preciso recorrer ao Ministério Público para que a água que estava represada há três meses fosse liberada um pouco antes da vontade do governador.

“A água que foi liberada para Esperança, infelizmente, só vai durar mais uns 90 dias, caso não chova. A água de Camará é imprestável, pois o reservatório tem apenas 1% da sua capacidade. Enganando o povo, por ter interesses políticos, o Governo do Estado represou a água de Vaca Brava para só liberar agora na eleição, pois se tivesse liberado antes a água já tinha acabado. Quis mostrar que tinha resolvido o nosso problema da água, quando não o fez. Reconheço a importância da barragem para a região, mas repudio essa enganação que vem sendo feita com o povo”, comentou.

Arnaldo lembrou que o Ministério Público do Estado (MPE) recomendou que a Cagepa liberasse a água para a população de Esperança, após uma denúncia feita pelo vereador Sizinho Dias. Mesmo com água na barragem de Vaca Brava, a empresa tinha suspendido a distribuição deixando a cidade desabastecida.

“Neste momento de profunda crise a Cagepa, que levava o nosso dinheiro nos vendendo água, agora deu as costas para Esperança. Mesmo com água na barragem de Vaca Brava represada há mais de três meses, a empresa deixou para soltar a água agora na época de eleição”, alertou o deputado.

Para ele, a situação é grave uma vez que a população vem sofrendo com os desmandos do Governo do Estado no município orientado pelo candidato a prefeito Nobinho. “O adversário ligado ao Governo não teve a menor consideração e piedade com o nosso povo. Mandou represar a água para liberar apenas agora em período eleitoral.  E ainda diz que quer o bem do povo, mesmo deixando todos sem água”, disse.

Para o deputado Arnaldo Monteiro, querem fazer da água uma questão eleitoreira, mas diante das denúncias ao Ministério Público e da imprensa, tiveram que ligar a água e agora estão inventando que ela vem de Camará. “Não se pode brincar dessa forma com a vida das pessoas”, lamentou.

Assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Trio carioca é preso em Guarabira suspeito de falsificação e estelionato

Foto: (Walber Virgulino/Polícia Civil)
Foto: (Walber Virgulino/Polícia Civil)

Três pessoas da mesma família foram presas em flagrante suspeitos de falsificação e estelionato. A mulher, de 52 anos, a filha e o genro acessavam empréstimos em nomes de outras pessoas. A prisão aconteceu na sexta-feira (28) em Guarabira e, segundo o delegado Walber Virgulino, o grupo é natural do Rio de Janeiro.

Segundo Virgulino, o grupo era responsável por falsificar documentos de outras pessoas com o intuito de obter cartões de crédito em nome das vítimas. Com eles foram encontrados e apreendidos varias cópias de documentos com dados de outras pessoas, mas com a foto dos suspeitos.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

A mulher mais velha confessou o esquema de falsificação de documentos, contratação de empréstimos e compras em diversas lojas, incluindo shoppings. Ela e a filha devem ser encaminhadas na manhã deste sábado (29) para o presídio feminino em João Pessoa. Já o genro deve ser encaminhado para o presídio de Guarabira.​

G1

Cheques sem fundos e empresas fantasmas: Polícia prende empresários acusados de estelionato

outroDois empresários foram presos no início da tarde desta quarta-feira (6) por policiais da Delegacia de Defraudações e Falsificações de João Pessoa. O empresário da construção civil Guilherme Campelo Rabay Neto, 26 anos, e o empresário Agliberto Serra Peixoto de Vasconcelos, 73 anos, são acusados de estelionato.

As investigações começaram há cerca de quatro meses e, de acordo com o que foi apurado, o empresário Guilherme Campelo realizava várias contratações com uma empresa da construção civil de maneira fraudulenta, emitindo cheques e forjando transferências bancárias.

O empresário foi preso em virtude de mandado de prisão preventiva expedido pela 1ª Vara Criminal de João Pessoa. Está não é a primeira vez que Guilherme Campelo tem prisão preventiva decretada pela Justiça. Ele já foi preso antes acusado de fraudar a transferência de um veículo, mas estava aguardando julgamento em liberdade. Guilherme Campelo ainda responde a outros inquéritos policiais relacionados à negociação de veículos e cumprimento de contrato em geral, lesando várias vítimas em João Pessoa e em outras cidades da Paraíba.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

prisoesJá a segunda pessoa presa pelos policiais civis, Agliberto Serra, foi denunciado por fraudes relacionadas á abertura de empresas de seguros fantasmas. O levantamento feito pela polícia mostrou que ele usava as empresas Aries Internacional do Brasil, Golden Corretora, Planeta Corretora e US CASH Corretora de Serviços Financeiros LTDA para realizar contratos com as vítimas, prometendo a abertura de contas correntes, facilidade de crédito e empréstimos consignados prometendo um ganho fácil e retorno garantido nos contratos de investimento. Para praticar estes golpes Agliberto Serra agia em parceria com o filho Wellington Ângelo e Edson Azevedo.

O delegado de Defraudações e Falsificações, Lucas Sá, pediu a prisão preventiva dos três suspeitos, que vão responder pela prática de diversos crimes de estelionato e associação criminosa. Agliberto Serra foi encaminhado para o presídio do Roger. Já os outros dois acusados, Wellington Ângelo e Edson Azevedo, continuam foragidos.

Secom-PB

Deputado Marco Feliciano será julgado por estelionato no STF

Foto: Alan Marques Folha
Foto: Alan Marques Folha

O deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) será julgado pelo plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quinta-feira (22) por uma acusação de estelionato. A PGR (Procuradoria-Geral da República) deu parecer contrário à condenação por falta de provas.

Feliciano é acusado de ter recebido R$ 13,3 mil para realizar dois cultos religiosos no Rio Grande do Sul sem ter comparecido aos eventos. Ele responde por estelionato e será julgado pelo Supremo por ter foro privilegiado. A pena por estelionato pode dar de um a cinco anos de prisão, além de multa.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Em depoimento ao STF em abril do ano passado, Feliciano disse que tentou devolver dinheiro de evento. “Procurei os advogados da pessoa, para minha felicidade descobri que eram evangélicos também, eram irmãos, e falei: ‘Eu quero aqui pagar o que eu devo, quero devolver, e quero devolver com juros e correção para que não fique nenhum tipo de celeuma'”, disse Feliciano ao Supremo.

Durante o depoimento, Feliciano disse ainda que não sabia que, na véspera do evento, a sua assessoria havia confirmado, via e-mail, a sua presença na palestra. Segundo o pastor, a sua agenda é organizada por terceiros.

Caso Feliciano seja condenado, não há definição sobre o que ocorrerá com seu mandato. Ministros do STF defendem uma condenação no Supremo determina a perda imediata do mandato parlamentar, mas membros da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados dizem que essa decisão é prerrogativa da Casa.

O mesmo debate ocorreu com as condenações do julgamento do mensalão. Após intenso embate entre STF e Câmara, os deputados condenados presos renunciaram ao mandato.

O deputado também responde a outra ação penal no STF. Em março deste ano, o ministro do Gilmar Mendes autorizou a abertura de um inquérito para investigar Feliciano pelo crime de preconceito contra religião.

De acordo com o Ministério Público, Feliciano aparece em um vídeo postado na internet profetizando “o sepultamento dos pais de santo” e o “fechamento dos terreiros de macumba”. Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o vídeo pode induzir ou incitar o preconceito.

Se condenado por este outro crime, o deputado poderá receber uma pena de até três anos de prisão e multa.

A Procuradoria solicitou a abertura de inquérito para investigar Feliciano no Supremo após duas representações contra ele serem protocoladas no STF. Uma delas foi apresentada pelo Templo Iniciático de Umbanda da Ordem Cruzada de Nossa Senhora da Guia e a outra redigida por um cidadão que denunciou o vídeo à corregedoria do Ministério Público em São Paulo.

A reportagem tentou falar com o deputado, mas não o localizou até a publicação desta notícia.

No ano passado, Feliciano presidiu a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Sua gestão conturbada por projetos polêmicos defendidos por ele como a “cura gay” e amplamente criticada por representantes de entidades que defendem os direitos humanos.

Uol