Arquivo da tag: esse

Maranhão desdenha de partido comandado por Benjamin na Paraíba: ‘ninguém sabe que partido é esse’

zé maranhãoO ex-governador José Maranhão e pré-candidato do PMDB a deputado federal desdenhou da importância política do recém-criado Partido da Solidariedade (SDD), comandado na Paraíba pelo seu sobrinho, o deputado federal Benjamin Maranhão. “Ninguém sabe que partido é esse. Apenas que ele é de Paulinho da Força. Comparar o partido de Ulisses Guimarães com o de Paulinho da Força não tem como”, declarou em entrevista a Rádio Rural de Guarabira.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Maranhão aproveitou para afirmar que o PMDB teria espaço para abrigar a sua candidatura e a de Benjamin para a Câmara Federal.

Blog de Luís Tôrres

Saúde notifica mais 500 novos casos de hanseníase na Paraíba; campanha é realizada durante esse mês

hanseniaseDe acordo com dados do Núcleo de Doenças Endêmicas da Secretaria de Estado da Saúde (SES), em 2012 foram notificados 710 novos casos de hanseníase no Estado, enquanto que em 2013 esse número caiu para 544 casos novos. Para alertar sobre a doença,  o Governo do Estado  realizou  no mês de janeiro uma programação especial em alusão à Campanha Estadual da Hanseníase. Na manhã da última sexta-feira (31) foi  realizado uma ação no Parque Sólon de Lucena (Lagoa), onde profissionais das equipes de saúde da família, da Secretaria de Saúde de João Pessoa e do Núcleo de Doenças Endêmicas da SES montaram uma  tenda  para  a distribuição de panfletos, orientando e tirando todas as dúvidas da população sobre Hanseníase

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Com o slogan “Hanseníase tem cura. Procure saber se você tem a doença. Procure tratamento”, a campanha realizou diversas atividades, durante todo o mês, em parceria com os profissionais do Complexo Hospitalar de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga, como palestras, divulgação de sinais e sintomas da hanseníase e exames de pele.

Segundo a chefe do Núcleo de Doenças Endêmicas da SES, Mauricélia Holmes, a mobilização não vai se encerrar em janeiro. “Vamos realizar capacitações com profissionais de Esperança e, em seguida, uma campanha no município. Depois vamos realizar esse mesmo momento em Mamanguape, e isso vai acontecer até maio, porque a partir daí nós realizaremos, juntamente com o Ministério da Saúde, a segunda etapa da Campanha da Hanseníase e Geohelmintíases, onde vamos trabalhar com os escolares menores de 15 anos”, disse.

Sobre a doença – A hanseníase é uma doença infecciosa e atinge a pele e os nervos dos braços, mãos, pernas, pés, rosto, orelhas, olhos e nariz. O tempo entre o contágio e o aparecimento dos sintomas é longo, variando entre dois e cinco anos. É importante que, ao perceber algum sinal, a pessoa com suspeita de hanseníase não se automedique e procure imediatamente um serviço de saúde.

É preciso observar manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo e áreas da pele que não coçam, mas que causam a sensação de formigamento e ficam dormentes, com diminuição ou ausência de dor, da sensibilidade ao calor, ao frio e ao toque.

Todos os casos de hanseníase têm tratamento e cura. A doença pode causar incapacidades físicas, evitadas com o diagnóstico precoce e o tratamento imediato, disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). O tratamento, gratuito e eficaz, pode durar de seis a doze meses. Os medicamentos devem ser tomados todos os dias, em casa, e uma vez por mês no serviço de saúde. Também fazem parte do tratamento exercícios para prevenir as incapacidades físicas, além de orientações da equipe de saúde.

Grupo de Auto-cuidado – O Hospital Clementino Fraga conta com encontros do grupo de auto-cuidado. Os encontros são realizados na primeira quarta-feira do mês. Nos grupos de auto-cuidado, os pacientes convivem com outras experiências e aprendem a perceber as características de suas lesões, o que possibilita uma tomada de decisão de tratamento mais acertada. Os encontros do grupo são abertos a todos.

Oficina de Calçados – Buscando ajudar os pacientes de hanseníase, o Hospital Clementino Fraga conta com uma oficina onde são produzidas sandálias adaptadas, férulas e outras adaptações, necessárias para ajudar o paciente da doença no dia a dia. O processo de confecção das peças é 100% artesanal. Aqui nós produzimos todas as adaptações necessárias para ajudar ao paciente de hanseníase, além de férulas (para ajudar pacientes que apresentam pé caído, faltando assim a força muscular), sandálias adaptadas e adaptações de diversos tipos. No ano de 2013 foram produzidos 220 pares de sandálias adaptadas, além de 138 demais tipos de adaptações.

Paulo Cosme