Arquivo da tag: envolvimento

Quatro deputados citados em delação por Livânia negam envolvimento

Quatro dos oito deputados citados em trecho da delação premiada feita por Livânia Farias ao Poder Judiciário, dentro da Operação Calvário, que veio à tona neste fim de semana, se posicionaram até a tarde deste domingo (5) e negaram ter cometido qualquer crime, irregularidade ou malfeito. Leia abaixo as notas divulgadas.

No Termo de Transcrição de 11 páginas, Livânia relata que seis deputados estaduais teriam sido beneficiados pela suposta organização criminosa investigada pela Calvário, por meio do repasse de R$ 1,6 milhão, que teriam sido entregues a Edmilson Soares para serem divididos entre ele, Branco Mendes, Lindolfo Pires, Tião Gomes e Genival Matias.

Outro contemplado seria o então deputado Arthur Cunha Lima Filho, suplente de deputado estadual e filho do conselheiro Arthur Cunha Lima, este último afastado durante a 7ª fase da Operação Calvário, a Juízo Final, que também afastou outro conselheiro, Nominando Diniz, e investiga um terceiro, André Carlo Torres.

Outros dois deputados federais também foram citados. São eles: Efraim Filho (DEM) e Hugo Motta (PRB).

Notas

• Genival Matias

Em primeiro lugar, quero deixar claro que confio e apoio as investigações da Operação Calvário em todas as suas fases, porém, me causou surpresa a citação sem provas do meu nome em depoimento, sobre uma suposta entrega de recursos.

Afirmo que não tenho qualquer participação nesses fatos e tenho a tranquilidade de não ter recebido absolutamente nada além do que foi declarado oficialmente no período eleitoral.

Estou à disposição da Justiça para esclarecer quaisquer fatos e desde já disponibilizo meu sigilo bancário e fiscal.

Sigo confiando na justiça e respeitando às instituições.

• Tião Gomes

Rechaço com veemência toda e qualquer citação inverídica que aponta recebimento de recursos ilegais por minha pessoa. Estou indignado, mas absolutamente tranquilo que a verdade será restabelecida. Em 40 anos de atuação na vida pública, tendo oito mandatos de deputado, nunca me envolvi em nenhum ato ilícito e meu patrimônio é condizente com minha realidade. Neste momento, coloco-me inteiramente à disposição da Justiça, mesmo sabendo que meu nome não está inserido entre os investigados.

Nunca tratei qualquer assunto sobre recursos com o deputado Edmilson Soares e tampouco autorizei que alguém tratasse ou recebesse valores em meu nome.

Coloco meu sigilo bancário, telefônico e fiscal à inteira disposição, reafirmando que nossas campanhas foram realizadas dentro da lei e feitas com dinheiro limpo tendo todas as contas aprovadas pela justiça eleitoral. Portanto, nada devemos e nada tememos. Confiamos na Justiça.

• Branco Mendes

Durante toda a minha vida sempre procurei me nortear pelos princípios da ética, moralidade, verdade e transparência. Tanto é verdade que nesses quase 30 anos de vida pública não tenho uma mancha, processo ou conta rejeitada. Posso andar de cabeça erguida em qualquer lugar, pois prezo por valores sagrados, pelos ensinamentos dos meus saudosos pais e, principalmente, pela admiração das minhas três filhas.

Não abaixarei a minha cabeça um minuto, pois não serão acusações irresponsáveis e mal interpretadas que macularão o maior patrimônio que conquistei na vida, que são a minha honra, seriedade e a vontade de fazer o BEM pelos paraibanos. Digo tudo isso sem hipocrisia e sem medo algum. Seguirei firme nos meus propósitos e crenças, tendo a certeza de que o tempo há de restabelecer toda a verdade.

• Efraim Filho

Tomei ciência pela imprensa da citação do meu nome, nas investigações em curso, como que no ano de 2014 tivesse recebido ajuda de campanha para apoiar a chapa do então governador. Absolutamente nego essa ilação feita contra mim, sem apresentar uma prova ou sequer uma data. As contas da minha eleição 2014 foram analisadas, julgadas e aprovadas pela justiça eleitoral.

Ao rechaçar totalmente essa inverídica acusação, e mesmo sem estar no rol de investigados pela operação, coloco meu sigilo bancário, telefônico e fiscal a disposição da justiça. Quem não deve não teme.

 

 

portalcorreio

 

 

Governador descarta renúncia e nega envolvimento na Operação Calvário: ‘Governos estão separados desde 31 de dezembro de 2018’

Em entrevista coletiva concedida na manhã desta segunda-feira (23), o governador João Azevêdo negou envolvimento nas ações que vêm sendo investigadas pela Operação Calvário, colocando-se, ainda, à disposição da justiça para esclarecer o que for necessário. Além disso, o governador afastou qualquer possibilidade de pedir a renúncia do cargo.

A hipótese de renúncia de João Azevêdo vem sendo especulada desde a deflagração da última fase da Operação Calvário. “Não tenho nenhuma preocupação em renunciar. Não farei isso, tenho respeito com as pessoas e com o compromisso que assumi”, garantiu o governador.

 

(Foto: ClickPB)

clickpb

 

 

Citado em delação, Ricardo Barbosa emite nota e nega envolvimento na Calvário

Citado por Daniel Gomes, líder da Cruz Vermelha Brasileira, em delação ao Poder Judiciário, o deputado estadual Ricardo Barbosa (PSB) emitiu nota,  na tarde desta quinta-feira (19), e desmentiu a acusação de recebimento de dinheiro ilícito, por meio, do escritório do advogado Francisco Ferreira, preso na sétima fase da Operação Calvário – Juízo Final.

Segundo o empresário, o esquema funcionava da seguinte forma, o gabinete do deputado emitia notas como pagamento de serviços jurídicos, e o dinheiro era repassado de volta para Ricardo Barbosa.

“Estou surpreendido com essa declaração difamante, mentirosa e irresponsável. Já estou acionando advogado para processar o Daniel, que não o conheço, nunca estive com ele em ocasião nenhuma de minha vida. Tenho uma relação profissional e de amizade com o advogado Francisco Ferreira, que era meu advogado, do meu gabinete, mas, após a [sua] prisão, houve o destrato”, justificou Ricardo Barbosa em entrevista concedida ao programa Correio Debate, da Rádio Correio 98 FM.

Veja a nota

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Repudiamos com veemência as declarações veiculadas no Programa Correio Debate de hoje, as quais transmitiram trecho da colaboração do sr. Daniel Gomes, com uma denúncia leviana e totalmente desprovida de provas contra nossa pessoa.

A acusação de que meu gabinete houvera contratado o escritório do Advogado Francisco Ferreira de forma irregular não possui qualquer rastro de fundamento.

Entretanto, diante da proporção dos fatos, vimos a público repudiá-la e informar que nossa Assessoria Jurídica, desde que tomou conhecimento dessas acusações, já vem adotando as medidas judiciais cabíveis contra o sr. Daniel Gomes.

Temos ao longo de nossa longeva caminhada pública ou fora dela, e de nossos mandatos na Casa de Epitácio Pessoa, em particular, pautado nossa atuação com toda lisura, compromisso e dedicação.

Por isso rechaçamos, por inteiro, as calúnias e difamações da declaração que nos atinge, não somente pela retilínea conduta de vida pública, mas, também, recuso-me a aceitar ser alvo de denúncias tão sem fundamento ou prova. Esperamos que a Justiça possa dar um basta à prática daqueles que se valem de calúnias e mentiras para macular e enodoar a honra de pessoas íntegras, honestas e de bem.

0
PB Agora

 

Acusado de planejar morte de padrinhos no próprio casamento, na PB, nega envolvimento no caso

Durante júri popular na manhã desta segunda-feira (9), Nelsivan Marques de Carvalho, acusado de mandar matar um casal de padrinhos no dia do próprio casamento, em Campina Grande, disse que não tem nenhum envolvimento no caso e que o nome dele foi colocado no meio do processo, mas não sabe quem o fez e nem o motivo.

Nelsivan Marques de Carvalho é acusado de mandar matar o casal Washington Luiz Alves de Menezes e Lúcia Santana Pereira, que eram seus padrinhos, justamente no dia do próprio casamento. O crime aconteceu em março de 2014, em frente a um salão de festas no bairro do Catolé em Campina Grande. O acusado está preso há seis anos à espera de julgamento.

Ainda em depoimento, Nelsivan Marques de Carvalho alegou que não se recorda do que aconteceu no dia do crime. Conforme a defesa do réu, não há apanhados, diálogos ou qualquer prova material de que o empresário tenha participado do crime.

De acordo com a promotoria, com base no inquérito da Polícia Civil, o crime se resume a uma única coisa: a ganância. Segundo o Ministério Público, Nelsivan teria encomendado a morte dos padrinhos para assumir o controle total de uma faculdade particular da cidade, que também era administrada pelo casal assassinado.

O julgamento acontece no Tribunal do Júri de Campina Grande, após ter sido adiado em agosto de 2018. A Justiça definiu em 2016 que os seis réus envolvidos no duplo homicídio seriam julgados por júri popular. Além de Nelsivan Marques de Carvalho, Maria Gorete Alves Pereira, que é acusada de envolvimento no duplo assassinato, também vai a julgamento nesta segunda-feira.

Quanto a Maria Gorete, a ré disse em depoimento que convivia apenas com um dos homens envolvidos no caso, Gilmar Barreto da Silva, que foi condenado a 37 anos e quatro meses de prisão pelo crime. A ré afirmou ainda que não tem conhecimento dos atos do companheiro. Para a defesa da acusada, a ré não tem nenhum envolvimento no crime e há convicção da absolvição dela no caso.

Outro acusado de envolvimento no crime, Allef Sampaio dos Santos, também sentaria no banco dos réus, mas teve o júri adiado por não apresentar advogado.

Alleff Sampaio dos Santos (centro) também seria julgado nesta segunda-feira por morte de casal em casamento, mas teve o júri adiado por não apresentar advogado — Foto: Artur Lira/G1

Alleff Sampaio dos Santos (centro) também seria julgado nesta segunda-feira por morte de casal em casamento, mas teve o júri adiado por não apresentar advogado — Foto: Artur Lira/G1

Outros três denunciados já foram julgados

Dos seis denunciados pelo Ministério Público, três já foram julgados: Franciclécio de Fárias Rodrigues foi condenado a 54 anos e seis meses de reclusão em regime inicialmente fechado; Gilmar Barreto da Silva foi condenado a 37 anos e quatro meses de prisão; e Samuel Alves da Silva vai cumprir uma pena de 42 anos de reclusão.

Franciclécio é suspeito de agiotagem e Washington lhe devia R$81 mil, pela compra de uma caminhoneta. Nelsivan e Franciclécio teriam planejado as mortes por desentendimentos com o casal de empresários, que eram sócios de Nelsivan em uma faculdade particular de Campina Grande.

Entretanto, os crimes foram executados por Samuel, que confessou na época ter atirado nas vítimas, em depoimento à Polícia Civil. Os assassinatos aconteceram na saída da festa de casamento de Nelsivan, na frente de uma casa de festas, no bairro Catolé.

Crime aconteceu em março de 2014

O crime aconteceu no dia 29 de março de 2014. Terminada a cerimônia, Washington Luiz Alves de Menezes e Lúcia Santana Pereira se despediram dos noivos, por volta das 21h, e foram embora, seguindo em direção ao seu carro, quando foram assassinados. Segundo o MP, os crimes teriam sido encomendados pelo noivo, Nelsivan Marques. Ele teria mandado executar as vítimas para assumir o controle de uma faculdade particular da cidade.

Casal morto depois de festa de casamento em Campina Grande — Foto: Reprodução / TV Paraíba

Casal morto depois de festa de casamento em Campina Grande — Foto: Reprodução / TV Paraíba

 

G1

 

 

Polícia prende 06 pessoas nas cidades de Solânea e Araruna; acusações são de homicídio, roubo de veículos e tráfico de drogas

Uma ação integrada das Polícias Civil e Militar da Paraíba, através da 21ª Delegacia Seccional em Solânea, juntamente com a Polícia Militar, 7ª CIPM, prenderam 06 (seis) investigados por crimes nas cidades de Solânea e Araruna em uma ação policial nas primeiras horas desta terça-feira (16).

A ação concentrada teve início na cidade de Araruna, onde foram presos simultaneamente os investigados Tiago Cavalcante Fernandes, pelo crime de homicídio ocorrido no sábado (13) e do foragido Messias Orlando Firmino de Souza, investigado pela receptação de uma camioneta D 20 furtada em junho de 2016 na cidade de Solânea.

Já na ação realizada na cidade de Solânea foram presas 05 (pessoas) pessoas, sendo uma adolescente, todos pelos crimes de tráfico de entorpecente e associação criminosa para o tráfico, sendo apreendida com estes uma considerada quantidade de droga do tipo maconha e crack destinadas ao tráfico.

Os presos em Solânea são Geovanio Ferreira da Silva, 29 anos, Djailson Rodrigues de Oliveira, 25, Ícaro de oliveira Gonzaga Lins,23, uma adolescente de 17 anos, oriundos de Pilões/PB que vieram a Solânea fazer distribuição de droga.

Os PRESOS na ação serão encaminhados as cadeias de Solânea, Araruna e a adolescente para internação em João Pessoa.

De acordo com Polícia Civil a ação intensiva desta quarta tem o objetivo de reduzir a criminalidade na área da 21ª AISP, com 11 municípios na região de Solânea, sendo um esforço integrado com a Polícia Militar para propiciar maior segurança à população.

 

FN com Polícia Civil

 

 

Operação em Belém prende suspeitos de envolvimento em homicídios e tráfico de drogas

Uma mega operação na cidade de Belém, agreste Paraibano, foi desencadeada pelas policias militar, civil e bombeiros com objetivo de cumprir mandados de prisão e aprender materiais ilícitos.

O delegado Hugo Lucena disse que foram conduzidas 7 pessoas para a delegacia regional em Guarabira e que as investigações já vinham acontecendo há 4 meses para prender acusados de participarem dos últimos homicídios acontecidos na cidade.

Denominada Rede do Mal, a operação teve prisão também na cidade de Caiçara-PB. Foram presos duas mulheres e cinco homens.

 

blogdofelipesilva

 

 

Cinco são detidos por envolvimento com o tráfico de drogas em Alagoa Grande neste sábado

Três homens foram presos e dois adolescentes apreendidos por policiais da 2ª Companhia do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) somente na tarde deste sábado (18), na cidade de Alagoa Grande, acusados de envolvimento com o tráfico de drogas. O primeiro deles foi preso através de mandado expedido pela Justiça e cumprido pelas guarnições do tenente Diniz, cabo Nascimento, cabo Ângelo, soldado Ricardo, soldado Farias e soldado Porfírio.

O mandado foi expedido depois de uma ocorrência registrada há cerca de 15 dias, quando o acusado conseguiu fugir dos policiais, mas acabou abandonando aproximadamente 1 kg de uma substância semelhante à maconha e um revólver, que resultaram na sua prisão por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.

Pouco tempo depois, o Copom recebeu uma denúncia anônima informando que um mototaxista estava indo entregar drogas na antiga Febema. As guarnições de Rádio Patrulha e do Comando da 2ª Companhia foram até o local e constataram a veracidade da denúncia.

No local, os policiais apreenderam pedras semelhantes a crack e ‘trouxinhas’ de uma substância similar à maconha e, além do mototaxista, prenderam um outro homem e apreenderam dois adolescentes. Todos foram encaminhados à delegacia.

Assessoria 4º BPM

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Vereador mais votado é preso suspeito de envolvimento em explosões bancárias

Foto: JORGE MESQUITA
Foto: JORGE MESQUITA

Um vereador do município de Alcantil foi preso nesta sexta-feira (27) por suspeita de envolvimento em explosões de instituições bancárias. Moisés Marques de Sousa (PV), de 36 anos, vereador mais votado do município, foi preso durante uma operação da Polícia Civil, assim como outras oito pessoas.

Moisés obteve 419 votos nas eleições de outubro.

Durante as buscas, foram apreendidas 3 pistolas (.45, 9mm e 380) e aproximadamente R$ 3 mil. Outras duas prisões ocorreram em Alcantil, uma em Campina Grande e outra em Alagoa Grande. A operação foi realizada em conjunto com a Polícia Civil de Pernambuco. Um efetivo de 80 policiais foi empregado na operação.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Homem é preso em JP suspeito de envolvimento em esquartejamento de família na Espanha

familia-esquartejadaUm homem foi preso nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira (28), acusado de participação na morte e esquartejamento da família paraibana na Espanha em setembro deste ano.

As informações a respeito do grau de participação do suspeito ainda não foram divulgadas e a Polícia Civil vai realizar uma entrevista coletiva a partir das 10h.

O sobrinho do casal, Patrick Nogueira confessou na última sexta-feira (28) confessou à Guarda Civil espanhola ser o autor do crime. A promotoria pediu a prisão preventiva Nogueira para o duplo homicídio com a agravante dos dois filhos menores que foram encontrados em sacos de lixo em uma casa no município.

Os paraibanos Marcos Campos e Janaína Santos, junto com os seus dois filhos, foram assassinados dentro de uma casa na província espanhola de Guadalajara, distante 60 km da capital Madri. Os corpos foram encontrados no dia 18 de setembro. O casal foi esquartejado.

paraiba.com.br

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Vereadora nega envolvimento na Operação Sanguessuga e recorre de impugnação no TRE-PB

cristhianeA vereadora do município de Monteiro, Christianne Leal (PHS), que tenta mais um mandato, mas teve o registro de candidatura negado pelo Tribunal Regional da Paraíba (TRE-PB), nesta segunda-feira (26), anunciou nesta terça-feira (27), que seus advogados já recorreram da decisão e disse ter certeza que disputará o pleito do próximo domingo (02).

A parlamentar também negou que sua candidatura foi indeferida por envolvimento na operação Sanguessuga. “Esta afirmação jamais foi dita por nenhum membro do Tribunal Regional Eleitoral”, afirmou.

Christianne Leal ainda frisou que toda população de Monteiro conhece a sua história e o seu passado e sabe que a mesma jamais se envolveu em nenhum tipo de falcatrua. O processo a que se referem os meus adversários, sequer foi julgado no STJ (Superior Tribunal de Justiça), ainda está em fase de julgamento e portanto, de acordo com a Constituição desse País, nenhum cidadão pode ser considerado culpado antes que seja declarada a sentença definitiva do caso.

A vereadora disse que continua sua campanha de forma normal sem se preocupar com a parte jurídica e que tem a consciência que nada deve a Justiça e ao final de tudo provará sua inocência, principalmente aos seus desafetos que tentam sujar seu nome e sua imagem as vésperas de um pleito eleitoral.

MaisPB com Assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br