Arquivo da tag: envolvimento

Polícia prende 06 pessoas nas cidades de Solânea e Araruna; acusações são de homicídio, roubo de veículos e tráfico de drogas

Uma ação integrada das Polícias Civil e Militar da Paraíba, através da 21ª Delegacia Seccional em Solânea, juntamente com a Polícia Militar, 7ª CIPM, prenderam 06 (seis) investigados por crimes nas cidades de Solânea e Araruna em uma ação policial nas primeiras horas desta terça-feira (16).

A ação concentrada teve início na cidade de Araruna, onde foram presos simultaneamente os investigados Tiago Cavalcante Fernandes, pelo crime de homicídio ocorrido no sábado (13) e do foragido Messias Orlando Firmino de Souza, investigado pela receptação de uma camioneta D 20 furtada em junho de 2016 na cidade de Solânea.

Já na ação realizada na cidade de Solânea foram presas 05 (pessoas) pessoas, sendo uma adolescente, todos pelos crimes de tráfico de entorpecente e associação criminosa para o tráfico, sendo apreendida com estes uma considerada quantidade de droga do tipo maconha e crack destinadas ao tráfico.

Os presos em Solânea são Geovanio Ferreira da Silva, 29 anos, Djailson Rodrigues de Oliveira, 25, Ícaro de oliveira Gonzaga Lins,23, uma adolescente de 17 anos, oriundos de Pilões/PB que vieram a Solânea fazer distribuição de droga.

Os PRESOS na ação serão encaminhados as cadeias de Solânea, Araruna e a adolescente para internação em João Pessoa.

De acordo com Polícia Civil a ação intensiva desta quarta tem o objetivo de reduzir a criminalidade na área da 21ª AISP, com 11 municípios na região de Solânea, sendo um esforço integrado com a Polícia Militar para propiciar maior segurança à população.

 

FN com Polícia Civil

 

 

Operação em Belém prende suspeitos de envolvimento em homicídios e tráfico de drogas

Uma mega operação na cidade de Belém, agreste Paraibano, foi desencadeada pelas policias militar, civil e bombeiros com objetivo de cumprir mandados de prisão e aprender materiais ilícitos.

O delegado Hugo Lucena disse que foram conduzidas 7 pessoas para a delegacia regional em Guarabira e que as investigações já vinham acontecendo há 4 meses para prender acusados de participarem dos últimos homicídios acontecidos na cidade.

Denominada Rede do Mal, a operação teve prisão também na cidade de Caiçara-PB. Foram presos duas mulheres e cinco homens.

 

blogdofelipesilva

 

 

Cinco são detidos por envolvimento com o tráfico de drogas em Alagoa Grande neste sábado

Três homens foram presos e dois adolescentes apreendidos por policiais da 2ª Companhia do 4º BPM (Batalhão de Polícia Militar) somente na tarde deste sábado (18), na cidade de Alagoa Grande, acusados de envolvimento com o tráfico de drogas. O primeiro deles foi preso através de mandado expedido pela Justiça e cumprido pelas guarnições do tenente Diniz, cabo Nascimento, cabo Ângelo, soldado Ricardo, soldado Farias e soldado Porfírio.

O mandado foi expedido depois de uma ocorrência registrada há cerca de 15 dias, quando o acusado conseguiu fugir dos policiais, mas acabou abandonando aproximadamente 1 kg de uma substância semelhante à maconha e um revólver, que resultaram na sua prisão por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.

Pouco tempo depois, o Copom recebeu uma denúncia anônima informando que um mototaxista estava indo entregar drogas na antiga Febema. As guarnições de Rádio Patrulha e do Comando da 2ª Companhia foram até o local e constataram a veracidade da denúncia.

No local, os policiais apreenderam pedras semelhantes a crack e ‘trouxinhas’ de uma substância similar à maconha e, além do mototaxista, prenderam um outro homem e apreenderam dois adolescentes. Todos foram encaminhados à delegacia.

Assessoria 4º BPM

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Vereador mais votado é preso suspeito de envolvimento em explosões bancárias

Foto: JORGE MESQUITA
Foto: JORGE MESQUITA

Um vereador do município de Alcantil foi preso nesta sexta-feira (27) por suspeita de envolvimento em explosões de instituições bancárias. Moisés Marques de Sousa (PV), de 36 anos, vereador mais votado do município, foi preso durante uma operação da Polícia Civil, assim como outras oito pessoas.

Moisés obteve 419 votos nas eleições de outubro.

Durante as buscas, foram apreendidas 3 pistolas (.45, 9mm e 380) e aproximadamente R$ 3 mil. Outras duas prisões ocorreram em Alcantil, uma em Campina Grande e outra em Alagoa Grande. A operação foi realizada em conjunto com a Polícia Civil de Pernambuco. Um efetivo de 80 policiais foi empregado na operação.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Homem é preso em JP suspeito de envolvimento em esquartejamento de família na Espanha

familia-esquartejadaUm homem foi preso nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira (28), acusado de participação na morte e esquartejamento da família paraibana na Espanha em setembro deste ano.

As informações a respeito do grau de participação do suspeito ainda não foram divulgadas e a Polícia Civil vai realizar uma entrevista coletiva a partir das 10h.

O sobrinho do casal, Patrick Nogueira confessou na última sexta-feira (28) confessou à Guarda Civil espanhola ser o autor do crime. A promotoria pediu a prisão preventiva Nogueira para o duplo homicídio com a agravante dos dois filhos menores que foram encontrados em sacos de lixo em uma casa no município.

Os paraibanos Marcos Campos e Janaína Santos, junto com os seus dois filhos, foram assassinados dentro de uma casa na província espanhola de Guadalajara, distante 60 km da capital Madri. Os corpos foram encontrados no dia 18 de setembro. O casal foi esquartejado.

paraiba.com.br

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Vereadora nega envolvimento na Operação Sanguessuga e recorre de impugnação no TRE-PB

cristhianeA vereadora do município de Monteiro, Christianne Leal (PHS), que tenta mais um mandato, mas teve o registro de candidatura negado pelo Tribunal Regional da Paraíba (TRE-PB), nesta segunda-feira (26), anunciou nesta terça-feira (27), que seus advogados já recorreram da decisão e disse ter certeza que disputará o pleito do próximo domingo (02).

A parlamentar também negou que sua candidatura foi indeferida por envolvimento na operação Sanguessuga. “Esta afirmação jamais foi dita por nenhum membro do Tribunal Regional Eleitoral”, afirmou.

Christianne Leal ainda frisou que toda população de Monteiro conhece a sua história e o seu passado e sabe que a mesma jamais se envolveu em nenhum tipo de falcatrua. O processo a que se referem os meus adversários, sequer foi julgado no STJ (Superior Tribunal de Justiça), ainda está em fase de julgamento e portanto, de acordo com a Constituição desse País, nenhum cidadão pode ser considerado culpado antes que seja declarada a sentença definitiva do caso.

A vereadora disse que continua sua campanha de forma normal sem se preocupar com a parte jurídica e que tem a consciência que nada deve a Justiça e ao final de tudo provará sua inocência, principalmente aos seus desafetos que tentam sujar seu nome e sua imagem as vésperas de um pleito eleitoral.

MaisPB com Assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Envolvimento de deputado com PCC arranha ainda mais imagem do PT

luiz moura-ptEm pleno ano eleitoral, a imagem do PT, já desgastada pelo julgamento do mensalão, que levou alguns de seus principais dirigentes à cadeia, se arranha ainda mais. Nos primeiros cinco meses de 2014, surgiram casos que ligam figuras petistas ao PCC (Primeiro Comando da Capital — facção que comanda o crime organizado de dentro dos presídios em São Paulo) e ao doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal acusado de liderar um esquema que desviou mais de R$ 10 bilhões.

No caso mais gritante, o deputado estadual Luiz Moura (SP) foi flagrado por policiais em uma reunião com sindicalistas na garagem de uma cooperativa na qual também estavam dezoito membros da facção criminosa. A reunião foi descoberta quando Policiais do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) apuravam os ataques a ônibus na cidade. O setor de transporte é investigado pela polícia por suspeita de lavagem de dinheiro do crime organizado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Tendo base política na Zona Leste da capital paulista, consolidada em grande parte com o apoio de cooperativas de perueiros, Moura é apadrinhado pelo político que mantém íntimas relações com essa categoria, o também petista Jilmar Tatto, deputado federal e atual secretário municipal de Transportes do governo Fernando Haddad.

Ex-assaltante

Antes dessa ligação com o PCC, Moura já tinha enfrentado problemas com a Justiça. Ex-assaltante, ele fugiu da cadeia em 1993 e passou os dez anos seguintes foragido, até ser levado ao PT por seu irmão, o vereador Senival Moura. Tentando minimizar o impacto, a Executiva Estadual do PT suspendeu a filiação do deputado por 60 dias.

Com isso, acabaram as chances de Moura à reeleição, já que ele não poderá participar da Convenção Estadual petista, quando o partido distribuirá legendas aos candidatos em São Paulo.

Em pronunciamento dado na semana passada na Assembleia Legislativa de São Paulo, o petista se justificou dizendo que estava na reunião da cooperativa com membros do PCC apenas para impedir a greve dos motoristas de ônibus.

— Querer me atribuir um crime dessa magnitude, me envolver com facção criminosa, é um absurdo. O que estão fazendo comigo e minha família é imoral. Pesa ainda contra o PT, nesse caso, o interesse que a cúpula do partido tinha em Moura e sua influência junto às cooperativas de transporte.

Em 2010, diversos membros do mais alto escalão doaram dinheiro para a campanha do deputado. Figuram na lista, além do padrinho Jilmar Tatto, os ministros Marta Suplicy (Cultura) e Aloizio Mercadante (Casa Civil), os ex-deputados João Paulo Cunha e José Genoino, ambos presos por sua participação no mensalão, e os deputados federais Cândido Vaccarezza, Devanir Ribeiro, Arlindo Chinaglia e Carlos Zarattini.

Outro “ilustre” doador da campanha de Moura foi o ex-presidiário Claudemir Augusto Carvalho, condenado por roubo e apontado pela polícia como um dos membros do PCC.

Patrimônio

Também chama a atenção a evolução patrimonial do petista. Em janeiro de 2005, como forma de conseguir sua reabilitação criminal, Moura assinou um atestado de pobreza no qual afirmava que não tinha condições financeiras de ressarcir a vítima do assalto que praticou em 1993. A vítima em questão é um supermercado, do qual o petista roubou R$ 2,4 mil.

Além disso, o petista apresentou declaração de Imposto de Renda de 2004 afirmando que no ano anterior teve rendimentos que somaram R$ 15,8 mil. O que equivale a ganhos de R$ 1,3 mil por mês.

Já em 2010, quando se candidatou pela primeira vez, Moura afirmou em sua declaração de bens entregue à Justiça Eleitoral possuir um patrimônio de R$ 5,1 milhões, dos quais R$ 4 milhões vinham de cotas de uma empresa de ônibus, além de cinco postos de gasolina, quatro casas e um ônibus.

 

R7

Collor nega envolvimento com doleiro preso pela operação Lava Jato

collorO senador Fernando Collor de Melo (PTB-AL), ex-presidente da República, afirmou nesta segunda-feira (26) em discurso no plenário do Senado que não mantém qualquer relação política ou pessoal com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal (PF) sob suspeita de participar de esquema de lavagem de dinheiro que movimentou cerca de R$ 10 bilhões.

“Quanto ao Youssef, posso afirmar de modo categórico que não conheço e jamais mantive com ele qualquer relacionamento de ordem pessoal e política”, declarou Collor.

O senador também apontou em seu discurso para o fato de não haver indício nos inquéritos da Polícia Federal de seu envolvimento no caso.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Esta foi a primeira vez que Collor se pronunciou sobre as denúncias de que teria sido beneficiado com dinheiro pago pelo doleiro. Na última quinta-feira (22), o juiz federal do Paraná Sérgio Moro informou ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que a PF apreendeu no escritório de Youssef oito comprovantes de depósitos bancários que tiveram Collor como beneficiário.

Collor afirmou que as informações divulgadas pela imprensa se devem ao fato de os meios de comunicação estarem “inconformados” e “desiludidos” com a sua absolvição, em abril, pelo Supremo das acusações de peculato, corrupção passiva e falsidade ideológica.

“O principal teor do expediente do ministro Sergio Moro ao ministro Teori Zavascki foi sua taxativa declaração de que não há qualquer envolvimento meu nos oito inquéritos  da Polícia federal vinculados àquela operação [Lava Jato]. E isso é de fundamental e importância e merece realce”, disse Collor.

No ofício de Moro ao ministro do STF, o magistrado O magistrado ressalvou “que não há qualquer indício do envolvimento do referido parlamentar nos crimes”  referentes à Operação Lava Jato sob apuração na Justiça Federal.Em discurso no plenário do Senado, Collor nega ter relação com Alberto Youssef

O senador Fernando Collor de Melo (PTB-AL), ex-presidente da República, afirmou nesta segunda-feira (26) em discurso no plenário do Senado que não mantém qualquer relação política ou pessoal com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal sob suspeita de participar de esquema de lavagem de dinheiro que movimentou mais de R$ 10 bilhões.

Esta foi a primeira vez que Collor se pronunciou sobre as denúncias de que ele foi beneficiado com dinheiro pago pelo doleiro. Na última quinta-feira (22), o juiz federal do Paraná Sérgio Moro informou ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que a PF apreendeu no escritório de Youssef oito comprovantes de depósitos bancários que tiveram Collor como beneficiário.

Collor afirmou que as informações divulgadas pela imprensa se devem ao fato de os meios de comunicação estarem “inconformados” e “desiludidos” com a sua absolvição, em abril, pelo Supremo das acusações de peculato, corrupção passiva e falsidade ideológica.

“Quanto ao Youssef, posso afirmar de modo categórico que não conheço e jamais mantive com ele qualquer relacionamento de ordem pessoal e política”, declarou Collor. O senador também apontou em seu discurso para o fato de não haver indício nos inquéritos da Polícia Federal de seu envolvimento no caso.

“O principal teor do expediente do ministro Sergio Moro ao ministro Teori Zavascki foi sua taxativa declaração de que não há qualquer envolvimento meu nos oito inquéritos  da Polícia federal vinculados àquela operação [Lava Jato]. E isso é de fundamental e importância e merece realce”, disse Collor.

No ofício de Moro ao ministro do STF, o magistrado O magistrado ressalvou “que não há qualquer indício do envolvimento do referido parlamentar nos crimes”  referentes à Operação Lava Jato sob apuração na Justiça Federal.

G1

Folha destaca suposto envolvimento de Benjamin Maranhão em escândalo das ambulâncias

benjamin

O jornal Folha de S.Paulo fez um levantamento dos parlamentares que migraram para partidos recém-criados e que são alvos de investigações criminais no Supremo Tribunal Federal (STF).

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Entre eles, está o deputado federal Benjamin Maranhão (SDD-PB), apontado como “réu em ação penal sob suspeita de formação de quadrilha e fraude em licitações. Segundo a denúncia, Maranhão teria apresentado emendas ao Orçamento para viabilizar a compra de ambulâncias superfaturadas”.
Em contato com a Folha, o parlamentar afirmou que as acusações contra ele são “infundadas”.

Blog do Luís Torres

Mais do que carência, engatar um relacionamento em outro pode ser um indicador não muito bom de um envolvimento ilusório

“As pessoas terminam os relacionamentos e já engatam em outro sem intervalo de tempo para refletir a relação anterior. Ou mesmo antes de terminá-los, procuram outra pessoa para quando acontecer o término, não sofrerem tanto

“Nem sempre a carência leva a pessoa a emendar um relacionamento no outro” Mais do que carência isso pode ser um indicador não muito bom de um envolvimento ilusório.

separacaoAssim, acredita-se que viveu intensamente o relacionamento, a convivência, a parceria e os próprios sentimentos. Entretanto, ao avaliar e refletir profundamente sobre o ocorrido, se dá conta do quanto foi superficial.

Outra situação é aquela em que a pessoa não consegue viver o sentimento de perda ou luto da separação. Ou seja, não suporta a dor de perder ou ter seus sentimentos destruídos, preferindo buscar relações fugazes e sem grandes atrativos com a intenção de se distrair para não sofrer.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Relacionamentos vividos dessa forma podem ser ruins na medida em que não constrói solidez nos sentimentos para que esses sejam significativos e motivem um envolvimento mais profundo: fica-se na superficialidade sem grandes emoções.

Essas vivências muitas vezes passam imperceptíveis, fazendo com que a pessoa só se dê conta quando há um sentimento de vazio ou de grande insatisfação, numa situação que deveria ser maravilhosa, como por exemplo, um passeio ou belo jantar romântico.

Carência pode ser também um fator, mas ela pode ser mais facilmente identificável, pois quando se é ou se está carente, fica evidente a necessidade de estar com o outro independente de estar com ele ou não. Se estiver longe dele, quer estar na companhia dele; se está com ele, isso não é o suficiente, quer estar colada nele o tempo todo e isso passa a ser uma obsessão. Isso pode trazer inconvenientes do tipo: o parceiro se incomodar ou sentir-se sufocado. E sabemos que por mais que o sentimento seja enorme, ninguém gosta de sentir-se perseguido ou sufocado.

Sendo assim, é importante que se possa dar conta de sua carência, pois nenhum relacionamento resiste ao par pegajoso. Curtir e aproveitar o máximo quando se está junto, pode diminuir essa carência, se ainda assim não mudar, procure por ajuda psicoterapêutica para superar suas inseguranças e medos.

Reflexão sobre engatar relacionamentos

Em relação à busca incessante por um relacionamento, é importante pensar sobre como isso acontece, se é movida por motivações que não quer encarar.

Como por exemplo:

– ter sido rejeitada;

– não ter conseguido aprofundar o vínculo nesse relacionamento;

– temer ficar só;

– não querer olhar para os próprios defeitos que poderiam ter levado ao término.

Enfim pensar, avaliar e elaborar sobre o fim do relacionamento.

 

 

Uol