Arquivo da tag: engravidar

Homem é preso suspeito de engravidar a filha de 13 anos, na Paraíba

Um homem de 57 anos foi preso na noite desta segunda-feira (29), suspeito de estuprar e engravidar a própria filha, de 13 anos, em Mamanguape, Litoral Norte da Paraíba. Ele foi preso sob força de um mandado de prisão preventiva e, conforme relato da vítima à polícia, os abusos aconteciam há cerca de dois anos.

De acordo com a Polícia Militar, o homem estava escondido dentro de uma casa abandonada, em uma mata, na região de Camaratuba, distrito de Mamanguape. Ele estava escondido há alguns dias com medo de ser preso ou espancado pela população. Por isso, estava com o corpo bastante debilitado. Ele foi encaminhado ao Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa e, quando receber alta, será encaminhado para um presídio da região.

De acordo com a esposa do suspeito, também mão da vítima, ela já estava notando um comportamento diferente da filha e percebeu que a barriga dela estava crescendo. Ao levar a adolescente ao médico, descobriu que ela estava grávida do próprio pai há um mês.

Na presença da mãe e de um conselheiro tutelar, na delegacia de Mamanguape, a menina contou que era abusada pelo pai desde os 11 anos de idade. O homem pedia para que ela não contasse, ameaçava a adolescente e dava dinheiro para que ela não o denunciasse.

O Ministério Público da Paraíba denunciou o homem por estupro de vulnerável. O G1 não conseguiu contato com o Hospital de Trauma para saber o estado de saúde do homem e se já recebeu alta.

G1

 

Holandês com mais de 100 filhos ajuda brasileiras a engravidar

edHoje é aquele dia em que os pais ganham beijos, abraços, presentes. Mas, e se você fosse pai de mais de 100 filhos? Imagina dar conta dessa turma toda? Essa é a história de Ed Houben, o holandês que ajuda mulheres no mundo inteiro a engravidar. Se lembra dele?

Aliás, foi por causa dessa reportagem do Fantástico que Ed veio ao Brasil. Mais de cem brasileiras escreveram e essa semana ele já passou já por São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro!

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Desse jeito, no próximo ano, o Ed pode ter motivo para comemorar o Dia dos Pais por aqui também.

O holandês Ed Houben está se sentindo em casa! Mas, a missão dele em São Paulo não termina na cozinha. Um casal de mulheres faz parte do grupo que pediu a vinda de Ed ao Brasil. Ele pagou a própria passagem, mas recebeu uma ajuda para bancar as despesas no país.

“Através do Fantástico, vimos a reportagem do Ed e criou aquela expectativa”, diz uma das mulheres.

Sem cobrar nada, ele vem ajudando mulheres do mundo todo a engravidar. Holanda, Alemanha, Bélgica, Luxemburgo, Inglaterra, Itália, Israel, França, Áustria, Canadá Vietnã… E já tem uma encomenda da China para o ano que vem. Mas antes, ele tem oito compromissos no Brasil, em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Santa Maria.

Para Ed, isso é mais do que um trabalho: “Eu vejo como um dever moral. Você pode entrar para a Cruz Vermelha, ajudar na África, doar dinheiro, mas faça algo com a sua vida”, diz.

Segundo a candidata a mamãe, a relação entre eles foi natural. É que o Ed prefere o método tradicional, ou seja, o ato sexual. “O momento foi bastante tranquilo. Ele já havia conversado comigo, explicando que ele teria calma, que seria tudo no meu tempo”, explica.

Missão cumprida em São Paulo, Ed embarcou para Brasília, para outro compromisso. Desta vez, com um casal heterossexual que não quis gravar entrevista.

“Essa rotina é muito estressante. Eu perco um tempão nisso”, confessa Ed.

Próxima parada, Rio de Janeiro. Ed foi logo encontrar um outro casal de mulheres. “Nós tentamos duas vezes a fertilização. É um tratamento caro e oferece poucas chances de sucesso e a gente estava super animada com a ideia, mas o desgaste emocional e o desgaste financeiro é muito grande”, explica a futura mamãe.

Fantástico: Mas não é uma situação estranha?
Candidata a mãe: A atitude dele é uma atitude que não nos constrange por causa da naturalidade com que ele trata a questão pelo gesto de carinho e por ele dividir conosco esse sonho.
Fantástico: Vocês não querem nada dele?
Candidata a mãe: Queremos, só o sêmen!

As famílias não esperam nenhum compromisso legal de Ed. E pela lei está tudo certo. “O direito hoje consegue perceber as relações familiares pelo prisma do afeto. Importa muito mais a realidade sócio afetiva do que os valores formais, de quem é o verdadeiro pai, biologicamente falando”, explica o advogado Dimitri Sales.

Existe outra questão muito séria, de saúde. Ed diz que faz exames regularmente e é totalmente saudável. Mas será que, para as mulheres, isso é 100% seguro?

Aos olhos da medicina, não. Este médico é categórico. “Essas mulheres que estão tendo relação com ele estão correndo risco de se contaminarem de doenças tipo HIV, hepatite B, hepatite C, sífilis e outras”, alerta o ginecologista Artur Dzik.

Ed garante que a qualidade e a quantidade dos seus espermatozoides são acima do normal.

Fantástico: Existe isso?
Ginecologista Artur Dzik: Não, nem mais forte, nem mais fraco. Quanto ao fato de ele ter um volume no espermograma aumentado, isso não é nenhum sinal maior de fertilidade.

A agenda no Brasil ainda não terminou. E um encontro em particular está deixando o Ed um pouco ansioso.

“Uma das mulheres que me escreveu desistiu de ter um filho agora, mas disse que está buscando um relacionamento sério. A gente vai se conhecer pessoalmente ainda, talvez a gente goste um do outro, talvez não. Mas a ideia de encontrar com ela tem me deixado assim todo arrepiado”, confessa Ed.

Fantástico

Mulheres obesas recorrem à cirurgia bariátrica para engravidar

obesaAlém de aumentar os riscos de câncer e de doenças crônicas, a obesidade pode prejudicar a fertilidade feminina. Por esse motivo, muitas mulheres têm recorrido à cirurgia bariátrica para serem mães.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), Almino Ramos, em geral a obesidade provoca alterações hormonais e prejudica o desenvolvimento dos óvulos, o que pode gerar infertilidade ou dificuldade de engravidar. “Com a cirurgia, a perda de peso corrige essas irregularidades hormonais, aumentando as chances de gravidez”, disse ele.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Mas depois da cirurgia bariátrica é necessário que a mulher espere um período, de no mínimo um ano, antes de engravidar, já que antes disso o organismo ainda está em fase de adaptação à nova rotina nutricional. “O ideal seria que, antes da gravidez, fossem feitos todos os exames e avaliações, com liberação tanto do serviço de cirurgia bariátrica quanto do obstetra ou ginecologista”, aconselhou Ramos.

O excesso de peso na gravidez pode ocasionar diabetes gestacional, eclâmpsia, parto prematuro ou até mesmo aborto espontâneo. Além disso, engravidar acima do peso pode gerar os mesmos problemas para a criança, e ainda pode causar malformação fetal.

Segundo dados do Ministério da Saúde, pouco mais de 18% das brasileiras maiores de 18 anos são obesas, ou seja, tem o Índice de Massa Corpórea superior a 30.

Ramos ressalta que o objetivo principal da cirurgia bariátrica não é a perda de peso, e sim a melhora da saúde como um todo, com o controle de doenças como hipertensão, diabetes, colesterol e triglicérides altos, problemas ortopédicos e apneia do sono, entre outros.

“A cirurgia também melhora as condições para a gestação, mas não é uma solução mágica. As mulheres precisam se informar, falar com seu obstetra e estar cientes de que deverão seguir as recomendações médicas para que os benefícios da operação sejam reais. É necessário acompanhamento médico contínuo e uma mudança no estilo de vida, com dieta balanceada e uso de suplementos”, explicou.

Caso depois da cirurgia, a mulher engravide antes do período recomendado, ele salientou que, além de todos os exames de rotina de uma gestante, ela ainda deve ter acompanhamento nutricional durante a gestação e fazer exames de avaliação para checar se existe carência de algum nutriente, o que consequentemente prejudicaria a gravidez.

”Por isso, é preciso redobrar os cuidados nas relações sexuais. Após a cirurgia, a mulher deve procurar uma avaliação ginecológica adequada para definir qual método anticoncepcional seria mais indicado. O parceiro deve sempre usar preservativo, que serve de segurança extra até que novas medidas anticoncepcionais sejam definidas”, aconselhou Ramos.

Fonte: Agência Brasil

Homem é suspeito de estuprar e engravidar sobrinha de 11 anos no Brejo da PB

Policial .Um homem de 40 anos é suspeito de estuprar e engravidar a sobrinha de 11 anos na cidade de Pilões, no Agreste da Paraíba. A informação foi divulgada pelo Conselho Tutelar e o caso foi encaminhado para a Polícia Civil. O delegado de Pilões, Eraldo Barbosa, que investiga o caso, intimou testemunhas e o próprio suspeito para depor nesta quinta-feira (26). De acordo com o conselheiro tutelar Daniel Vicente, a criança está com aproximadamente três meses de gestação.

A denúncia foi feita pelo pai da criança. A menina mora com a mãe, que é irmã do suspeito de cometer o estupro no sítio Ouricuri, na Zona Rural de Pilões. De acordo com o pai da menina, quem descobriu o abuso foi uma irmã dela. “Quando eu soube [que ela estava grávida], cheguei pra ela para conversar e saber quem foi. Quando eu perguntava ela começava a chorar”, contou. De acordo com o Conselho Tutelar, a mãe e a menina já prestaram depoimento à polícia.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Segundo informações passadas pela polícia, o tio suspeito do estupro morava com a irmã e a sobrinha até a gravidez ser descoberta, fato que confirmou as suspeitas da polícia com relação ao abuso. Em entrevista à TV Cabo Branco, a menina explicou que a relação com o tio não foi forçada. O pai dela afirmou que a mãe não sabia do relação da filha com o tio, mas o Conselho Tutelar acredita que havia conivência por parte da irmã do suspeito.

A criança de 11 anos continuará sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar de Pilões e todo o pré-natal deve ser feito em João Pessoa. De acordo com o delegado Eraldo Barbosa, mais exames podem ser solicitados para confirmar a paternidade do bebê.

Do G1PB

Dez coisas que você precisa saber antes de engravidar

engravidarA maternidade é uma das fases mais incríveis da vida de uma mulher. Portanto, é muito importante garantir que tudo esteja em ordem e que você esteja preparada antes de engravidar.

Assim que você e seu parceiro decidirem viver essa experiência única, é preciso dedicar tempo e atenção para criar o melhor ambiente possível para a nova família que irá se formar. Pequenas mudanças no seu estilo de vida podem fazer uma grande diferença e aumentar suas chances de engravidar.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Leve em consideração os seguintes pontos:

1. Fale com seu ginecologista

A primeira coisa que você deve fazer quando decidir engravidar é contar ao seu ginecologista. Se você tem endometriose, diabetes ou inflamação pélvica, seu médico poderá ajudá-la a controlar essas condições no momento da concepção.

2. Consulte um nutricionista

Se você quer engravidar e está abaixo do peso, é recomendável ganhar alguns quilos para que isso não afete o ciclo menstrual. Se está acima do peso, consulte um nutricionista para chegar a seu peso ideal antes da concepção.

Perder peso não só fará você se sentir melhor durante a gravidez como a ajudará a ficar em forma para o parto, já que diminui suas chances de desenvolver pressão alta, diabetes gestacional ou ter um parto prematuro.

Não espere engravidar para perder os quilinhos a mais, já que uma dieta restritiva pode prejudicar o bebê. Para aumentar as chances de engravidar, coma de forma saudável e comece a se exercitar moderadamente.

3. Diga adeus aos maus hábitos

Está provado que fumar e ingerir álcool durante a gravidez é muito prejudicial. Mães que fumam e/ou bebem podem gerar bebês com problemas cardíacos e deficiência mental. Portanto, antes de engravidar, pare de fumar e reduza o consumo de álcool. Também é aconselhável reduzir o consumo diário de cafeína, que afeta a fertilidade.

4. Tome vitaminas (pré-natal)

O ácido fólico ou vitamina B9 é o suplemento mais importante para as mulheres que desejam engravidar. Alguns médicos recomendam começar a tomá-lo até dois anos antes da concepção, pois ajuda a prevenir deficiências congênitas no bebê.

Seu médico também poderá receitar as vacinas necessárias e exames genéticos para detectar doenças hereditárias.

Se você faz uso contínuo de algum medicamento, consulte seu médico. Algumas drogas e antibióticos não são seguros durante a gestação.

5 – Ele também precisa entrar em forma

Seu parceiro também precisa começar a cuidar da saúde para não comprometer a fertilidade. Fumar e beber em excesso podem reduzir a contagem de espermatozoides.

Além de parar de fumar e reduzir o consumo de álcool, o futuro pai deve evitar roupas apertadas e verificar se consome algum medicamento que comprometa a fertilidade.

6. Evite produtos químicos e tóxicos

Seja com xampus, produtos antipulgas, inseticidas, produtos de limpeza ou cosméticos, mantenha o hábito de ler os rótulos para evitar o contato com substâncias tóxicas, que podem ser nocivas tanto para você como para o bebê. Evite chumbo, mercúrio, plásticos feitos de ftalatos e bisfenol A, monóxido de carbono, solventes, tintas, benzina e formaldeído, entre outros.

Durante a gravidez, prefira produtos orgânicos ou naturais.

7. Conheça seu ciclo menstrual

A essa altura da vida, você certamente conhece diversos métodos para evitar uma gravidez. Mas e quanto a engravidar? Conhecer seu ciclo menstrual ajudará você a identificar quais são os melhores dias para a concepção.

Em um ciclo normal, que dura em torno de 28 dias, a ovulação ocorre mais ou menos na metade do ciclo. Além do dia em si, você tem mais chances de engravidar se tiver relações dois ou três dias antes da ovulação.

Anote as datas de seu ciclo menstrual e verifique o aumento do fluxo vaginal para identificar os dias em que está ovulando.

8. Tenha relações na medida certa

Dez-coisas-que-você-precisa-saber-antes-de-engravidar-discovery-mulher

Os médicos recomendam ter relações uma vez por dia, sobretudo nos dias de ovulação. Fazer sexo mais de uma vez por dia pode reduzir a contagem de espermatozoides de seu parceiro.

Também é recomendado não usar lubrificantes artificiais durante a relação, já que podem alterar o PH vaginal e enfraquecer os espermatozoides. Depois do sexo, não levante da cama por pelo menos dez minutos.

9. Evite o estresse

O estresse pode alterar o ciclo menstrual e comprometer a ovulação. Portanto, evitar situações estressantes é fundamental para uma concepção bem-sucedida.

A mesma recomendação serve para o pai de seu futuro bebê, já que o estresse também pode afetar os níveis de testosterona e a produção de espermatozoides.

Uma boa ideia para relaxar é fazer uma viagem romântica ou planejar uma segunda lua de mel antes de engravidar.

10 – A gravidez não é imediata

Apenas 20% dos casais conseguem conceber no primeiro mês de tentativas; entre 10% e 15% passam por período de infertilidade. Para a maioria, a gravidez pode demorar até um ano. Portanto, relaxe e evite a ansiedade ao longo do processo.

 

 

Uol

55% das mães não planejaram engravidar, aponta pesquisa

A pesquisa “Nascer no Brasil”, baseada em depoimentos obtidos nas maternidades de 266 hospitais públicos e privados e coordenada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), revelou que 55% das mulheres entrevistadas não planejavam engravidar.

Foram ouvidas 23.894 mulheres, sempre após o parto, entre fevereiro de 2011 e outubro de 2012, em 191 cidades.

A jornalista Anita Santos, 31, que deu à luz há uma semana a Mathias, se enquadra nesse grupo.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Ele não foi planejado. Foi sem querer, uma troca de anticoncepcional. Mas não quer dizer que foi indesejado. Em momento algum pensamos em aborto. Quando ocorreu, fizemos planos para incluir essa pessoa na nossa vida.”

Raquel Cunha/Folhapress
A doceira Milene Mascarenhas, 31, com seus filhos Bernardo e Theodoro de 9 meses
A doceira Milene Mascarenhas, 31, com seus filhos Bernardo e Theodoro de 9 meses

Não é o que acontece com 9% das entrevistadas na pesquisa, que permaneciam insatisfeitas com a gravidez. “Mesmo com o bebê no colo, 9% das mulheres não estavam felizes”, disse Silvana Granato, uma das pesquisadoras do projeto.

“Não tratamos de aborto nesse estudo, mas acho que esse é um assunto para ser discutido mais abertamente. O país tem que parar de fazer de conta que está todo mundo feliz com a maternidade.”

O estudo apontou ainda que, em cada 100 partos nos hospitais privados, 88 são por meio de cesarianas.

O índice é considerado alarmante por autoridades de saúde. A média nacional de cesarianas ficou em 52% do total de partos. Nas maternidades públicas atingiu 46%.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, o índice desse tipo de cirurgia deve ficar em torno de 15%.

“Por ser uma cirurgia, a cesariana é um fator de risco a mais, tanto para a mãe quanto para o filho”, alertou Maria do Carmo Leal, coordenadora da pesquisa.

A confeiteira Milene Mascarenhas, 31, achava que seu primeiro filho nasceria de parto normal, em dezembro de 2007. Com 39 semanas, porém, o médico sugeriu agendar uma cesárea.

Bernardo nasceu com desconforto respiratório e teve que passar 11 dias no hospital, no interior de SP.

Milene diz acreditar que o médico quis agendar a cirurgia para que o parto não ocorresse no meio das festas de fim de ano.

 

FABIO BRISOLLA

Pesquisadores realizam transplante de útero em mulheres que não conseguem engravidar

feto-uteroNove mulheres na Suécia receberam transplantes de úteros doados por parentes e, de acordo com os pesquisadores da Universidade de Gotenburgo, na Suécia, uma delas que recebeu o transplante entre 2012 e 2013, teve o processo de fertilização in vitro bem-sucedido, no final do mês de janeiro. Se a gravidez for adiante será a primeira mulher no mundo a ter um bebê com útero transplantado.

Segundo o especialista em reprodução assistida, Nilo Frantz, membro da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e da Sociedade Europeia de Reprodução Humana (ESHRE), problemas relacionados a fatores uterinos são os maiores responsáveis pela infertilidade, incluindo problemas congênitos (ausência ou má formação), ou adquiridos, depois de uma histerectomia (retirada do útero por qualquer outro motivo).

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Conforme as informações do jornal britânico The Telegraph, a mulher, que não teve seu nome revelado, participou do estudo porque tem uma doença genética caracterizada pela ausência do útero. Mulheres com essa doença, chamada síndrome de MRKH, têm ovários totalmente desenvolvidos, o que permite que a fertilização artificial utilize seus próprios óvulos. Ainda de acordo com o jornal, quem doou o útero para essa paciente foi a mãe dela, o que significa que o bebê seria gerado no mesmo útero que gerou a própria mãe.

Pacientes transplantadas

As pacientes, na faixa etária dos 30 anos, nasceram sem o órgão ou tiveram de retirá-lo devido a um câncer cervical. As cirurgias ocorreram a partir de setembro de 2012, mas o experimento só foi divulgado em 2014.

Novas tentativas

Os resultados mostram que as nove pacientes passam bem. Algumas menstruaram seis semanas depois dos transplantes, um sinal de que os úteros estavam saudáveis e funcionando. Foram poucos episódios de rejeição e nenhuma das doadoras ou beneficiadas precisaram de acompanhamento médico intensivo após a operação.

As tentativas anteriores pelo mundo de realização de transplantes de útero não foram bem sucedidas. Uma delas foi em 2011, na Turquia. Uma jovem de 22 anos recebeu o órgão do cadáver de uma mulher com quem não tinha parentesco. A gestação foi interrompida duas semanas depois.

Método polêmico

Para o médico Nilo Frantz, o trabalho dos suecos é promissor, mas merece cautela em relação aos efeitos do transplante na saúde da paciente e com a possibilidade de que a placenta não leve a quantidade necessária de alimentos para o feto.

Transplantes de órgãos como coração, fígado e rim são realizados há décadas e a medicina está investindo cada vez nos transplantes de mãos, rosto e outras partes do corpo que possam melhorar a qualidade de vida dos pacientes. No útero, porém, os estudos são incipientes.

Zero Hora

Policia Militar e Guarda Municipal prende acusado de estuprar e engravidar enteada de 13 anos em Bananeiras

acusado
acusado

Uma operação conjunta entre a Polícia Militar da 2ª Companhia de Solânea e a Guarda Municipal de Bananeiras conseguiu prender um foragido da cidade de João Pessoa acusado de vários crimes.

Informações colhidas por agentes da Guarda Municipal davam conta de que o acusado Jonas Santino Simões, 29 anos, estava escondido em uma residência na Rua Genival Gentil da Rocha, no Conjunto Major Augusto Bezerra, em Bananeiras-PB.

Rapidamente as guarnições da Força Tática, RP de Bananeiras e os Agentes Municipais foram ao local, onde fizeram o cerco e encontraram o acusado em baixo de uma cama. Na casa foi encontrado um revólver Taurus, cal. 32, com 11 munições intactas e 5 deflagradas.

O acusado e a arma foram entregues na DP de Bananeiras, onde ficará a disposição da Autoridade Policial. Jonas Santino é acusado de violentar sexualmente e engravidar a enteada de apenas 13 anos, e de uma tentativa de homicídio ocorrida ontem (09), no bairro de Oitizeiro, na Capital.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

GCM

Arma

 

Bananeiras Online com 2ª Cia

Cinco dicas para aumentar as chances de engravidar depois dos 30 anos

cegonhaSe as novas gerações de mulheres têm algo em comum é a vontade de priorizar a carreira. Dos 15 aos 30 anos o objetivo é estudar, trabalhar e conquistar independência financeira.

Hoje, as mulheres estão adiando a maternidade para depois dessa fase e optando por ter um ou dois filhos apenas. Só tem um problema: a mãe-natureza é conservadora. Ou seja, quanto mais o tempo passa, fica ainda mais difícil ter um bebê.

Todos os meses, jovens saudáveis têm 20% de chance de engravidar. Depois dos 35 anos, essa taxa cai para 5%·, diz a ginecologista Silvana Chedid.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ou seja, cada vez mais a mulher moderna se depara com a necessidade de buscar ajuda médica para ter um filho.

Na opinião da especialista, a situação é menos assustadora do que parece. “Não há dúvida de que adiar a gravidez pode dificultar a realização do sonho de ser mãe. Mas isso não significa impedir. Se, por um lado, a mulher está mais exposta ao estresse, aos efeitos nocivos da poluição, do sedentarismo e da má alimentação, por outro lado a ciência tem avançado bastante. Até as décadas de 80 e 90, era muito arriscado ter um filho aos 40 anos. Hoje, até mesmo uma sexagenária pode engravidar.

Cinco dicas para quem quer priorizar a carreira sem medo de ter de abrir mão de formar uma família mais tarde

1ª) Conheça seu próprio corpo

É importante que desde menina, a mulher saiba identificar as fases do ciclo menstrual. Não propriamente para saber quando está de TPM, mas quando está ovulando, por exemplo.

2ª) Preserve sua saúde

Pratique sexo seguro desde o início da atividade sexual e evite doenças sexualmente transmissíveis (DST), isso é um fator-chave para prolongar a fertilidade. Portanto, faça uso de preservativos sempre e não se esqueça de passar em consulta ginecológica pelo menos uma vez por ano.

3ª) Fique longe dos vícios

Diga não às drogas, mas também às bebidas alcoólicas e ao cigarro, que diminuem consideravelmente as chances de gerar um bebê, além de prejudicar a saúde.

4ª) Cuide bem da sua alimentação

Mais de 10% dos casos de infertilidade são atribuídos ao excesso ou à falta de peso. Portanto, inclua mais vegetais, legumes, cereais integrais, sementes, óleos nobres, queijos e iogurtes em sua dieta. Além disso, alguns alimentos são obrigatórios: tomate, alho, maçã e nozes.

5ª) Não se entregue ao sedentarismo

Por menos tempo que a mulher tenha para se dedicar aos exercícios físicos, ela não deve relaxar. A caminhada de meia hora todos os dias é uma grande aliada desse processo de manutenção da saúde.

Fonte: Dra. Silvana Chedid, Ginecologista formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP); Especialista em Reprodução Humana pelo Center for Reproductive Medicine da Universidade de Bruxelas (Bélgica)

 

 

Uol