Arquivo da tag: Enem

Com escolas em quarentena, Startup leva simulado do ENEM online a estudantes

Com mais de 2.500 escolas parceiras, Evolucional já prepara alunos para o Enem e aplicará pela primeira vez o simulado do exame via internet
Enquanto surgem especulações sobre a possibilidade do adiamento do ENEM 2020, devido à suspensão de aulas provocada pelo coronavírus, a Evoluciona– empresa que auxilia gestores e educadores a tomarem decisões pedagógicas baseadas em dados e evidências – programa seu primeiro simulado online do Enem para seguir preparando alunos no Brasil todo. O simulado, que é muito similar à versão oficial, é aplicado presencialmente nas mais de 2500 escolas clientes da empresa e agora será oferecido no formato digital, durante a quarentena.

“Neste momento de isolamento social, as escolas precisam criar alternativas para manter os alunos engajados em sua proposta pedagógica, além de não deixá-los despreparados para os vestibulares e exames, que vão acontecer, mesmo se adiados. Um dos principais desafios neste período é a estruturação e aplicação de uma avaliação significativa da aprendizagem”, comenta o Diretor de Inovação Pedagógica da Evolucional, Vinícius Freaza. A empresa destaca que o simulado presencial do Enem ainda é a melhor forma de avaliação, “mas a versão online, elaborada para a quarentena, já é um passo para que as escolas comecem a experimentar novos formatos de avaliação e estejam preparadas para essa revolução digital no ensino. O próprio INEP já divulgou uma aplicação oficial do ENEM, no formato digital, para 500 mil alunos em outubro deste ano”, complementa.

Questão do Simulado Enem online da Evolucional
Assim como na versão presencial, o simulado online terá seus resultados calculados com a metodologia conhecida como TRI (Teoria de Resposta ao Item), a mesma usada no Enem. O algoritmo desenvolvido pela Evolucional para apurar os resultados dos simulados presenciais permite prever, com até 99,7% de precisão, o resultado da escola no exame oficial. O simulado online contará com questões já calibradas pela startup, distribuídas nas 4 áreas do conhecimento trabalhadas pelo ENEM: Matemática, Linguagens e Códigos, Ciências da Natureza e Ciências Humanas. A partir desta terça-feira (31), escolas parceiras da Evolucional poderão conectar seus alunos do 9º ano do Ensino Fundamental à 3ª série do Ensino Médio no simulado online do Enem, em todo Brasil.

“Nesse curto período de tempo, as escolas estão dando grandes saltos rumo à implementação de uma cultura digital. No processo de adaptação de aulas para o ambiente online e estruturação de novos modelos de avaliação, é importante oferecer aos alunos estímulos e recursos capazes de mantê-los preparados para o ENEM, mesmo à distância”, finaliza Freaza.

 

Reeducando que cumpre pena na Cadeia Pública de Solânea é destaque na prova do Enem

Um reeducando da Cadeia de Solânea foi destaque na prova do Enem para Privados de Liberdade – 2019. O jovem J.G.O.C obteve nota 800 em sua redação e atingiu média geral 566,12, ficando entre as 15 maiores médias registradas entre os 698 reeducandos inscritos no Enem-PPL 2019.

As provas desta edição foram aplicadas em 57 unidades prisionais nos dias 10 e 11 de dezembro de 2019.

Dados da Seap apontam a melhoria no desempenho dos reeducandos, haja vista que no Enem-PPL de 2018, a média geral foi 614,00, e somente 30 apenados obtiveram média acima de 500 pontos e nesta  edição (2019), este número saltou para 56 apenados – entre homens e mulheres – que tiveram médias superiores a 500 pontos e a maior média geral foi 701,98.

Esses resultados positivos no ENEM-PPL 2019 são reflexos do trabalho de incentivo à educação e consequentemente, ressocialização para os privados de liberdade que vem sendo desenvolvidos pelos profissionais da Secretaria de Segurança Penitenciária e da Secretaria de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba.

O destaque para a Cadeia de Solânea se faz devido a abrangência   dos projetos de Ressocialização da Seap, e o incentivo  aos projetos individuais que a unidade promove, a exemplo do cultivo de hortaliças orgânicas no interior da cadeia,  que servem para a produção da alimentação dos reeducandos; e a abertura de uma sala de aula, que em breve estará sendo inaugurada dentro da unidade prisional.

 

Redação FN

 

 

Gabaritos trocados: ministro admite erros na nota do Enem 2019

Um dia depois de dizer que o Enem 2019 foi o melhor de todos os tempos, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, admitiu erros na correção das provas. Ele revelou neste sábado (18) que alguns estudantes tiveram o gabarito trocado e, por isso, receberam uma nota errada nessa sexta-feira (17). Mas prometeu que até segunda-feira (20) tudo estará resolvido.

“A equipe do Inep virou a noite porque encontramos algumas inconsistências na contabilização e na correção da segunda prova do Enem do ano passado. Um grupo muito pequeno de pessoas teve o gabarito trocado quando foram fechados os envelopes”, informou o ministro em um vídeo que gravou junto com o presidente do Inep, Alexandre Lopes, e publicou nas suas redes sociais.

Segundo Weintraub, o erro afetou apenas “0,01% das milhões de pessoas” que fizeram o Enem. Ele admitiu, porém, que a falha pode alterar significativamente a nota e, consequentemente, a colocação dos estudantes na disputa por uma vaga ma universidade. “É um número baixo. Para 99% das pessoas está tudo bem. Mas esses indivíduos, apesar de estatisticamente não serem significativos… individualmente não pode haver uma injustiça como essa”, afirmou.

O ministro garantiu, então, que o erro já está sendo corrigido pelo Inep e prometeu que até segunda-feira estará tudo acertado. “Ninguém será prejudicado”, assegurou.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, acrescentou que, por conta disso, também está sendo realizada uma nova “busca ampliada para identificar eventuais outras incosistências”. Mas afirmou que, mesmo assim, quem tiver dúvidas sobre a sua nota do Enem pode procurar o Inep para ter o gabarito corrigido novamente, de forma manual.

Foto: reprodução

 

Congresso em Foco

 

 

Estudante da PB faz 980 pontos na redação do Enem 2019: ‘Escolas públicas podem fazer a diferença’

Nathalya do Santos, de 18 anos, carrega o orgulho de ser estudante de escola pública e de ter conquistado uma boa pontuação na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2019). Aluna da Escola Cidadã Integral Professor Lordão, na cidade de Picuí, a 234km de João Pessoa, ela fez 980 pontos, fruto de muita dedicação da estudante, que precisou vencer o cansaço do período integral na escola para continuar estudando em casa.

“Eu pegava das 7h30 às 17h30 da tarde, passava o dia na escola. Em casa, quando chegava, descansava e voltava a estudar, fazendo redações regularmente”, disse Natalya.

A estudante teve o incentivo da professora de redação, da coordenadoria pedagógica da escola e dos pais. Esse foi o segundo ano em que ela tentou o Enem, porém dessa vez não mais como treineira. O segredo para a aluna foi o esforço, porque, apesar de passar tantas horas na escola, também buscou na internet outras formas de se dedicar e de aprimorar os conhecimentos dos conteúdos do exame.

Os argumentos utilizados por Nathalya para escrever a redação – que teve como tema este ano “Democratização do acesso ao cinema no Brasil” – foram a má distribuição das salas de cinema no território nacional e a desigualdade quanto ao preço cobrado nas bilheterias, que nem toda população consegue ter acesso e custear.

“Uma dica pra ir bem na redação do Enem é treinar. Adotar uma modelo de redação, no caso dissertativa, e seguir aprimorando esse modelo com vários temas e fazer uma ou duas redações por semana, pelo menos. É importante ver notícias e estar ligado em diversas áreas para adquirir conhecimento de mundo”, afirmou.

Aluna de escola pública da Paraíba faz 980 pontos na redação do Enem 2019 — Foto: Reprodução/Inep

Aluna de escola pública da Paraíba faz 980 pontos na redação do Enem 2019 — Foto: Reprodução/Inep

“Eu estava muito bem treinada. Você tinha que ter conhecimento de mundo na hora de escrever e quando eu estudava eu procurava melhorar as minhas principais dificuldades em redação, assim como eu buscava ir bem nas outras matérias, porque tudo está relacionado. Além de todo apoio que a escola me deu. Isso prova que as escolas públicas podem sim fazer a diferença”, afirmou a aluna.

A disciplina redação já tinha sido uma conquista para Nathalya. Isso porque, em maio de 2019, ela levou a premiação de melhor redação do Concurso Se Liga no Enem Paraíba, oferecido pela Secretaria de Educação do Estado, que tem como objetivo promover o interesse dos alunos em escrever e praticar a redação.

A aluna espera agora poder conquistar uma vaga no curso de engenharia mecânica, química ou medicina na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). “Eu me identifico muito com a área de exatas, mas também gosto muito de biologia e de cuidar das pessoas”, confessou Nathalya.

O Enem 2019 teve 53 notas 1 mil na redação, de acordo com um balanço divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) nesta sexta-feira (17). A Paraíba teve uma nota 1 mil, de uma estudante de 16 anos. O nome dela, no entanto, não foi divulgado. Esta é a maior pontuação que pode ser atingida.

*Sob supervisão de Krys Carneiro

G1

 

Notas do Enem 2019 são divulgadas pelo Inep

As notas individuais do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 foram divulgadas nesta sexta-feira (17) por volta das 8h30 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

G1 conseguiu acessar as notas por meio de CPF e senha na Página do Participante (https://enem.inep.gov.br/participante/) e pelo aplicativo do Enem.

Quem não lembra da senha para acessar os dados pode recuperá-la ou mesmo resetá-la e fazer uma nova. Confira aqui o passo a passo para recuperar a senha do Enem.

Os participantes poderão consultar a nota da redação (que varia de zero a 1 mil) e o desempenho em cada área de conhecimento: linguagens, ciências humanas, ciências da natureza e matemática.

De acordo com o Inep, 3.709.809 pessoas fizeram o Enem 2019 em 3 e 10 de novembro – 72,81% dos 5.095.388 inscritos.

Quem fez a prova como “treineiro”, ou seja, aqueles que ainda não concluíram o ensino médio, terão que esperar até março do ano que vem para acessar o boletim individual.

Quando se inscrever no Sisu 2020?

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) é o sistema do MEC que reúne centenas de milhares de vagas de graduação em universidades públicas brasileiras. Para participar do Sisu em 2020, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019, e não ter tirado nota zero na prova de redação.

Com a nota do Enem 2019, os candidatos podem se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do primeiro semestre de 2020. O prazo começa na próxima terça (21) e encerra as 23h59, na sexta-feira (24). A inscrição é feita pelo site do programa: http://sisu.mec.gov.br/.

Neste primeiro semestre, serão ofertadas 237.128 vagas em 128 instituições de todo o país. No site do Sisu é possível escolher duas opções de curso. Quem teve melhor pontuação no Enem tem mais chances de conquistar a vaga.

Cronograma do Sisu 2020:

  • Abertura das inscrições: 21 de janeiro
  • Fim das inscrições: 23h59 de 24 de janeiro
  • Resultado: 28 de janeiro

Além do Sisu, as notas do Enem podem ser usadas pelos candidatos no Programa Universidade para Todos (ProUni), Financiamento Estudantil (Fies), e em 37 universidades de Portugal.

Veja abaixo os cronogramas para o Prouni e para o Fies.

Quando abre Prouni?

O Programa Universidade Para Todos (Prouni) oferece bolsas de estudo parciais (que cobrem 50% da mensalidade) e integrais em universidades privadas em cursos de graduação e de cursos sequenciais de formação específica.

O programa tem dois critérios de avaliação: desempenho no Enem e a avaliação da renda familiar.

Cronograma do Prouni 2020:

  • Início das inscrições: 28 de janeiro
  • Fim das inscrições: 31 de janeiro
  • Primeira chamada: 4 de fevereiro
  • Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 4 a 11 de fevereiro
  • Segunda chamada: 18 de fevereiro
  • Entrega dos documentos para garantir a matrícula: 18 a 28 de fevereiro
  • Adesão à lista de espera: 6 a 9 de março

Quando abre o Fies 2020?

O Programa de financiamento Estudantil (Fies) é um programa de financiamento para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas e, atualmente, possui duas categorias: a primeira, oferece vagas com juros zero para os estudantes com renda mensal familiar de até três salários mínimos.

Já a segunda, chamada P-Fies, é direcionada para os estudantes com renda mensal familiar de até cinco salários mínimos.

Cronograma do Fies 2020:

  • Inscrições: 5 a 12 de fevereiro
  • Pré-seleção: 26 de fevereiro
  • Chamada da lista de espera: 26 de fevereiro a 31 de março

Enem 2020

Neste ano, o Inep deverá testar uma versão totalmente digital do Enem.

O projeto é piloto e não será aplicado a todos os participantes. A ideia é testar o modelo para 50 mil candidatos de 15 capitais.

Os participantes poderão escolher no momento da inscrição se querem aderir ao modelo digital ou se preferem fazer a prova escrita tradicional. As 50 mil vagas serão preenchidas por ordem de chegada. O valor da taxa será o mesmo.

Enem digital em formato piloto acontecerá nos dias 11 e 18 de outubro.

Já o Enem regular acontecerá em 1º e 8 de novembro.

Confira abaixo alguns pontos da mudança:

  • A aplicação em 2020 será em 15 capitais brasileiras: Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Paulo (SP);
  • A adesão dos candidatos será opcional no ato de inscrição, até um total de 50 mil participantes, o equivalente a 1% do total de participantes;
  • O valor da inscrição será o mesmo para todos os participantes;
  • O Inep estima investir cerca de R$ 20 milhões no projeto-piloto de 2020, e não pretende comprar novos computadores, mas sim usar equipamentos de instituições de ensino localizadas nas cidades participantes;
  • Entre 2021 e 2025, o Inep ampliará o número de aplicações do Enem digital, ainda em formato piloto e participação opcional;
  • A partir de 2026, o Enem será 100% digital;
  • Tanto as provas objetivas quanto a prova de redação serão feitas em formato digital no piloto;
  • O Enem para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL) só passará ao formato digital a partir de 2026.
Mapa mostra as 15 capitais brasileiras que participaração da primeira edição do Enem digital, em 2020, em projeto-piloto — Foto: Rodrigo Sanches/G1

Mapa mostra as 15 capitais brasileiras que participaração da primeira edição do Enem digital, em 2020, em projeto-piloto — Foto: Rodrigo Sanches/G1

 

G1

 

 

Inep anula questão do Enem 2019

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) anunciou, na manhã desta terça-feira (19), a anulação de uma questão da prova de ciências humanas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019 .Segundo o instituto, por causa da metodologia do Enem, a Teoria de Resposta ao Item (TRI), “a anulação de um item, ou mesmo a aplicação de provas com itens diferentes, não compromete o processo de estimação da nota das participantes”.

Correlação da questão anulada:

Caderno azul: questão 90
Caderno amarelo: questão 78
Caderno branco: questão 66
Caderno rosa: questão 72

Segundo o Inep, a questão não tem problemas no enunciado ou nas alternativas; o motivo da anulação foi o fato de ela já ter aparecido no Enem 2018, no chamado Caderno de Questões Braille e Ledor.

“O caderno Ledor é preparado para os aplicadores que atuam como ledores para os participantes que, por algum motivo, solicitam auxílio para a leitura da prova como recurso de acessibilidade”, explicou a autarquia.

Esse atendimento específico para candidatos com deficiência pode fazer com que algumas questões do caderno de provas desses candidatos sejam diferentes dos demais candidatos. O Inep diz que isso acontece quando é preciso substituir uma questão com recursos visuais, como os gráficos e as imagens, por outras, já que o trabalho de descrição desses recursos tornaria a questão difícil demais para a compreensão dos participantes com deficiência.

Esse é o segundo ano consecutivo em que uma questão do Enem é anulada por já ter aparecido em outra prova. No ano passado, uma questão da prova de matemática sofreu o mesmo fim, depois de professores do Curso Anglo, em São Paulo, terem identificado que ela já havia sido publicada em 2014 no vestibular da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Leia abaixo a nota na íntegra do Inep:

“O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informa a anulação de uma questão da prova de Ciências Humanas e suas Tecnologias da aplicação regular do Enem 2019: questão 90 do Caderno Azul; questão 78 do Caderno Amarelo; questão 66 do Caderno Branco e questão 72 do Caderno Rosa.

O Inep identificou que a referida questão fez parte do Caderno de Questões Braile e Ledor da aplicação do Enem 2018 (questão 56 do Caderno Laranja). O caderno Ledor é preparado para os aplicadores que atuam como ledores para os participantes que, por algum motivo, solicitam auxílio para a leitura da prova como recurso de acessibilidade.

O cálculo estatístico da nota do Enem, de acordo com a metodologia da Teoria da Resposta ao Item (TRI), considera a combinação da coerência do padrão de resposta com o pressuposto da cumulatividade, e ainda, as características (parâmetros de complexidade) de cada item. Por isso, a anulação de um item, ou mesmo a aplicação de provas com itens diferentes, não compromete o processo de estimação da nota das participantes.

Respeitando a comparabilidade garantida pela TRI, as questões que compõem as provas acessíveis podem sofrer ligeira alteração comparadas à prova de aplicação regular devido às especificidades deste público. As provas do Caderno Braile e Ledor, por exemplo, contém a descrição de gráficos, imagens, esquemas e outros recursos visuais utilizados e questões que inviabilizam ou dificultam demasiadamente a compreensão por parte dos participantes com algum tipo de deficiência visual são substituídas.”

 

 

G1

 

 

Gabaritos oficiais do Enem 2019 serão divulgados dia 13

Os gabaritos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão divulgado no dia 13 de novembro, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Texeira (Inep). Os participantes prestaram o exames no domingo passado e hoje.

No dia 13, os participantes poderão acessar os gabaritos pelo portal do Inep ou pelo aplicativo do Enem. No total, são seis gabaritos para cada dia e seis Cadernos de Questões, de acordo com as cores da prova e opções acessíveis.

Segundo o Inep, os candidatos deverão ficar atentos para conferir o gabarito relativo à cor de prova que fez em cada domingo de aplicação.

Mesmo com o gabarito em mãos, não será possível saber a nota final do Enem. Isso por que o sistema de correção da prova, que segue a chamada Teoria de Resposta ao Item (TRI), não atribui um valor fixo para cada questão.

Os resultados individuais do Enem 2019 serão divulgados também na Página do Participante ou no aplicativo do Enem, em data a ser anunciada, a partir de consulta com CPF e senha. A previsão é de que ocorra em janeiro.

De acordo com o Inep, o resultado dos participantes eliminados não será divulgado, mesmo que eles tenham realizado o Enem nos dois dias de aplicação. Para os treineiros, que fazem o exame para autoavaliação de conhecimentos, a consulta só será liberada 60 dias após a divulgação dos resultados.

Agência Brasil

 

 

Especialistas analisam primeiro dia do ENEM 2019

Prova chamou atenção por não citar ditadura militar, mas temas como direitos humanos e distribuição de renda marcaram presença
Ao fim do primeiro dia de aplicação do ENEM 2019, o que se viu foi uma prova próxima ao padrão dos últimos anos, cobrando vários dos temas que os estudantes se acostumaram a esperar do ENEM, como desigualdade social e direitos humanos.

“Embora o assunto ‘ditadura militar’ tenha sido deixado de lado pela primeira vez desde 2009, não se pode afirmar que a prova abandonou os temas progressistas. Houve itens sobre padrões de beleza, respeito aos direitos humanos na comunicação, violência doméstica, bullying, refugiados, liberdade religiosa e distribuição de renda, por exemplo”, afirma Cícero Gomes, da Evolucional, startup de educação baseada em evidências que realiza simulados modelo ENEM.

Quanto ao nível de dificuldade dos itens, profissionais da Evolucional que fizeram a prova afirmam que ela estava um pouco mais fácil do que em anos anteriores. De acordo com a equipe da Evolucional, os itens de Ciências Humanas estavam mais curtos e diretos, de forma geral, enquanto os de Linguagens e Códigos pareceram menos ambíguos do que em edições recentes. Também chamou atenção o menor número de itens de Linguagens e Códigos baseados em tiras de quadrinhos, que costumam aparecer com frequência na prova.

“Na prova de Ciências Humanas, observamos a continuação de duas tendências de anos recentes: os itens de Filosofia estão bastante conteudistas, fugindo ao modelo interpretativo dos primeiros anos do ENEM, enquanto os itens de Geografia dão um destaque à Geografia física”, explica Cícero.

Quanto à prova de Redação, o especialista afirma ter achado a proposta “Democratização do Acesso ao Cinema no Brasil” pouco previsível, mas, ainda assim, dentro dos padrões da prova: “os temas de redação sempre se referem a questões sociais presentes no Brasil, o que foi novamente o caso neste ano. Embora quase ninguém tenha apostado em ‘democratização do cinema’, muito se discutiu a questão do acesso à cultura em 2019. Além disso, a polêmica envolvendo a Ancine levou muitos professores a falar sobre a importância da produção audiovisual no país”.

 

MEC libera R$ 115 milhões para aumentar acesso à internet nas escolas e viabilizar Enem digital

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou, nesta segunda-feira (4), que a pasta liberou cerca de R$ 115 milhões para aumentar o número de escolas com acesso à internet. O objetivo é viabilizar a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em versão digital em todo o país, até 2026.

“Para o Brasil ter o Enem digital, a gente precisa dar condições para todos os jovens e crianças estarem iguais, estarem familiarizados com computador (…). Precisa estar conectado à internet. Estamos seguindo o fluxo, apesar de ser uma coisa óbvia, mas nunca foi feita a expansão”, afirmou Weintraub, durante coletiva de imprensa em Brasília.

Segundo Jânio Carlos Endo Macedo, secretário de educação básica do MEC, a verba liberada é dividida em duas partes:

  • R$ 82,6 milhões serão direcionados a 24.500 escolas que ainda não têm conexão com internet de banda larga;
  • R$ 32 milhões irão para colégios que já possuíam acesso à internet, para que continuem conectados.

Além disso, o governo afirma que 7 mil escolas rurais já estão recebendo sinal via satélite.

Pré-requisitos para escolas

Para receber a conexão por banda larga, as escolas necessitam:

  • ter mais que 15 alunos;
  • disponibilizar, no mínimo, três computadores para uso dos estudantes;
  • possuir um computador administrativo;
  • apresentar ao menos uma sala de aula em funcionamento.

Os recursos serão liberados por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), administrado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento e Educação (FNDE). A transferência do valor deverá ser feita diretamente para as escolas municipais e estaduais.

A escolha das instituições de ensino beneficiadas ficará a cargo do Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do MEC (Simec) e do PDDE Interativo (ferramenta de apoio à gestão escolar).

Enem digital

Em julho de 2019, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) anunciou que o Enem deixará de ser aplicado em papel a partir de 2026.

A transição para a versão digital começará, segundo o órgão, em 2020, com um projeto-piloto para 50 mil candidatos, de 15 capitais.

Mapa mostra as 15 capitais brasileiras que participaração da primeira edição do Enem digital, em 2020, em projeto-piloto — Foto: Rodrigo Sanches/G1

Mapa mostra as 15 capitais brasileiras que participaração da primeira edição do Enem digital, em 2020, em projeto-piloto — Foto: Rodrigo Sanches/G1

A seguir, confira os principais pontos das mudanças anunciadas naquela data:

  • A aplicação digital em 2020 será em 15 capitais brasileiras: Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Paulo (SP);
  • A adesão dos candidatos será opcional no ato de inscrição, até um total de 50 mil participantes, o equivalente a 1% do total de inscritos;
  • O valor da inscrição será o mesmo para todos os participantes;
  • O Inep estima investir cerca de R$ 20 milhões no projeto-piloto de 2020, e não pretende comprar novos computadores. Usará equipamentos de instituições de ensino localizadas nas cidades participantes;
  • Entre 2021 e 2025, o Inep ampliará o número de aplicações do Enem digital, ainda em formato piloto e participação opcional;
  • A partir de 2026, o Enem será 100% digital;
  • Tanto as provas objetivas quanto a prova de redação serão feitas em formato digital no piloto;
  • O Enem para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL) só passará ao formato digital a partir de 2026.

Conteúdo do Enem 2019

Durante a coletiva de imprensa, o ministro não comentou sobre o Enem 2019. No domingo (3), mais de 3,9 milhões de candidatos responderam a 45 questões de Ciências Humanas e a 45 de Linguagens.

O Enem é conhecido por ser um exame focado em interpretação de texto e, na edição de 2019, essa característica esteve ainda mais presente. Mesmo nas questões de história e geografia, a maioria das respostas podia ser deduzida a partir dos enunciados e dos textos de apoio, segundo professores ouvidos pelo G1.

Entre os temas abordados nas questões, estavam:

  • Música “In this life”, da cantora americana Madonna
  • Canção “O blues da piedade”, de Cazuza e Frejat
  • O físico e astrônomo brasileiro Marcelo Gleiser
  • Trecho do livro “1822”, de Laurentino Gomes, sobre Maria Quitéria, heroína da Guerra da Independência
  • Poema “Lua enlutada”, da escritora brasileira Hilda Hilst
  • Bullying
  • Anorexia
  • Liberdade de expressão e discursos de ódio nas redes sociais
  • Refugiados
  • Direitos do idoso
  • Exposição de crianças na internet pelos pais, desde a gravidez
  • Relação entre agrotóxicos e a morte de abelhas, e como a produção agrícola pode crescer de forma mais sustentável

Redação

Os candidatos também fizeram a redação, cujo tema foi “Democratização do acesso ao cinema no Brasil”. Na avaliação de professores ouvidos pelo G1, a proposta foi “inesperada, atual e fácil”. Leia os comentários dos docentes.

A prova contou com quatro textos motivadores:

  • um trecho do artigo “O que é cinema”, de Jean-Claude Bernardet;
  • um trecho do texto “O filme e a representação do real”, de C.F. Gutfreind;
  • um infográfico do periódico “Meio e Mensagem”, sobre o percentual de brasileiros que frequentam as salas de cinema;
  • e um trecho do texto “Cinema perto de você”, da Ancine, a agência do governo brasileiro para o audiovisual. O excerto citava que que o Brasil ocupa uma posição ruim – 60º lugar – na relação de habitantes/sala de cinema. Há pouco mais de 2 mil salas, uma queda em relação à década de 1970.

Foto da prova

O ministro da Educação também optou por não comentar a foto de uma prova do Enem, vazada antes dos primeiros candidatos deixarem o local de provas.

No domingo, ele havia informado que um funcionário responsável por aplicar a prova registrou a imagem e a fez circular pelas redes sociais.

“A gente supõe que essa pessoa pegou a prova de ausentes e tirou foto da página da redação. (…) Agora ele vai ter que responder na Justiça. Vamos pegar essa pessoa e vamos atrás dela” – Abraham Weintraub

* Com supervisão de Luiza Tenente.

G1

 

Abstenção no Enem 2019 foi a mais baixa da história, diz ministro

Ontem (03), no primeiro domingo de prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mais de 3,9 milhões de participantes compareceram aos locais de aplicação do exame em todo o Brasil. O número representou 76,9% dos 5,1 milhões de inscritos neste ano. As abstenções representaram 23,1%, ou seja, 1,2 milhão de candidatos faltosos. A taxa é menor que o primeiro dia de prova da edição de 2018, quando 24,9% dos inscritos não compareceram ao exame.

O ministro da Educação Abraham Weintraub, durante coletiva de imprensa para avaliar a realização do primeiro de dia de provas, comemorou a aplicação da avaliação, o que para ele foi um sucesso.

“Deu tudo certo, foi tudo perfeito, funcionou tudo bem. Tivemos a mais baixa abstenção da história”, afirmou. Para Weintraub, o número de eliminados também foi baixo. Neste ano, 376 pessoas foram eliminadas por descumprirem as regras do exame.

Gabaritos do Enem 2019 A previsão é que os gabaritos do Enem sejam divulgados no próximo dia 13 de novembro, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). As respostas poderão ser consultadas por meio do portal do Inep e pelo aplicativo do Enem. No total, são seis gabaritos para cada dia e seis Cadernos de Questões, de acordo com as cores da prova e opções acessíveis.

Mesmo com o gabarito em mãos, não será possível saber a nota final do Enem. Os resultados individuais serão divulgados, também, na Página do Participante e no aplicativo do Enem, a partir de consulta com CPF e senha, em data a ser anunciada com previsão para janeiro.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil