Arquivo da tag: empurrado

Polícia Civil investigará se jovem que morreu ao cair de camionete ao voltar de comício foi empurrado

alexUm adolescente de 17 anos morreu, na noite desta quarta-feira (21), após cair de uma camionete na PB-148, que liga as cidades de Boqueirão e Cabaceiras, no Cariri paraibano, ao retornar de um comício, na Zona Rural de Boqueirão.

Segundo a PM, o jovem teria se desequilibrado quando a camionete saiu de uma estrada vicinal e entrou na PB-148. Ele bateu com a cabeça no chão e morreu no local.

A hipótese do jovem ter sido empurrado de cima do veículo na está descartada, uma vez que o motorista e o carro não foram localizados. O caso vai ser investigado pela Polícia Civil.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Empurrado pela torcida, Bellucci bate Cuevas, vibra muito e vai às oitavas

O repertório foi completo. Teve voleio, deixadinha, belas paralelas e cruzadas que tiraram o rival do eixo. Jogando o “fino”, Thomaz Bellucci não decepcionou a torcida que encheu o Centro Olímpico de tênis, bateu o uruguaio Pablo Cuevas e avançou às oitavas de final. O triunfo por 2 sets a 1, parciais de 6/2, 4/6 e 6/3, veio com grande participação do público e alguma irritação de seu oponente. Empurrado a cada ponto, o paulista, 54 do ranking mundial, não se deixou levar pela pressão de jogar em casa e foi superior praticamente por toda a partida. A vitória, além de manter vivo o sonho da medalha, aconteceu sobre um rival que hoje é o número 21 do mundo e chegou a interromper o duelo para reclamar do barulho das arquibancadas.

Bellucci em jogo contra Cuevas (Foto: Toby Melville/Reuters)Bellucci vibra muito com vitória sobre Cuevas (Foto: Toby Melville/Reuters)

Sempre frio, Bellucci parecia outro. Vibrava com a torcida a cada ponto. A atmosfera estava toda a favor de Thomaz, que reconheceu isso com uma vitória tranquila no primeiro set. Só que do outro lado estava um cara experiente, acostumado com a catimba. E Cuevas voltou do buraco empatando o jogo. No desempate, o brasileiro foi amplamente melhor e confirmou o triunfo, para delírio de todos os presentes.

Nas oitavas de final, Bellucci terá pela frente o belga David Goffin, que mais cedo entrou em quadra e venceu o israelense Dudi Sela por 2 sets a 0, parciais de 6/3 e 6/3. A programação da próxima fase ainda não foi divulgada pela organização dos Jogos, mas todas as partidas estão previstas entre esta quarta e quinta-feira. Se passar por Goffin, o brasileiro pode encarar o espanhol Rafael Nadal ou Gilles Simon, da França, que se enfrentam.

COMEÇO ARRASADOR E REEQUILÍBRIO

​​Thomaz Bellucci tênis olimpíada rio 2016 (Foto: REUTERS/Toby Melville)Brasileiro teve atuação segura contra o uruguaio (Foto: REUTERS/Toby Melville)

Esperava-se um jogo mais complicado no primeiro set. E assim começou. Bellucci sacou e fez 1 a 0, mas Cuevas, sem dificuldades, igualou. Em seguida, o brasileiro confirmou seu saque da mesma forma. E então partiu para o “atropelo”. O paulista colocou 3 a 1, quebrando o serviço do uruguaio com bom jogo de transição e poucas trocas de bola. Depois, sacou para fazer 4 a 1. Cuevas ainda diminuiu para 4 a 2 quando sacou, mas não teve mais chances. Bellucci fez 5 a 2 e depois repetiu a quebra devolvendo bem as tentativas do rival, fechando o set em 6 a 2 para delírio dos brasileiros.

O segundo set começou melhor para Cuevas. No terceiro game, o uruguaio quebrou o serviço do brasileiro, que errou um pouco mais, e fez 2 a 1. Daí em diante, os dois foram confirmando os serviços sem sofrer tanto. Com uma hora de jogo, o placar do set tinha 4 a 3 para Cuevas, com o rival do brasileiro no saque. No game da sequência, o brasileiro complicou a vida de Pablo, mas com uma boa passada, Cuevas saiu do buraco e fez 5 a 3. Empurrado pela torcida, Thomaz confirmou o saque: 5 a 4. O uruguaio fez o mesmo e empatou a partida em 1/1.

Jogando junto, a torcida brasileira levava Bellucci nos braços. O brasileiro venceu o seu game e deu um calor em Cuevas no segundo. Tanto é que o uruguaio, depois de quase 15 minutos de game, foi reclamar com a arbitragem do barulho vindo das arquibancadas. Mesmo assim, igualou o jogo em 1 a 1. Bellucci fez 2 a 1, e depois, debaixo do coro “Brasil, Brasil”, quebrou o saque do rival, fazendo 3 a 1. Sob aplausos e rapidamente, o brasileiro ampliou para 4 a 1. O uruguaio, sem se abater, diminuiu e depois quebrou o saque do paulista, trazendo para 4 a 3. Então, Thomaz parou o jogo para receber atendimento médico e fazer um curativo no pé machucado. Na volta, Bellucci quebrou o rival e depois confirmou o saque, vencendo por 6/3.

Globoesporte.com

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Em noite de R49 pouco inspirado, Fla é empurrado pela torcida e bate Galo

Todas as atenções estavam voltadas para Ronaldinho Gaúcho, nesta quarta-feira. Cada vez que ele tocava na bola, 30 mil apitos ecoavam pelo Engenhão, mas em noite pouco produtiva, ele não conseguiu ajudar muito o Atlético-MG, e quem levou a melhor foi o Flamengo, que empurrado por sua torcida, atuou com muita garra, fez belos gols e venceu por 2 a 1. Vagner Love e Liedson, um em cada tempo, marcaram para o Rubro-Negro, e Jô descontou para o Galo.

O resultado colocou o time carioca de novo no meio da tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, em décimo lugar, com 34 pontos, e deixou o vice-líder Galo com 52, a quatro do Fluminense. A renda somou R$ 532.060, para um público pagante de 34.116 pessoas (39.060 no total).

Pela 27ª rodada, o Flamengo fará o clássico contra o Fluminense, domingo, às 16h (de Brasília), no Engenhão.

– A gente estava perto da zona de rebaixamento, já deu uma respirada. Agora é ter tranquilidade, temos uma batalha domingo, um clássico, a gente vai fazer de tudo para vencer também – disse Vagner Love.

O Atlético-MG irá a São Paulo para jogar contra a Portuguesa, um dia antes, no Canindé, às 18h30m.

– Pagamos pelo primeiro tempo, foi muito ruim. No segundo tempo, voltamos melhor, conseguimos o gol, mas tomamos o segundo. Com um homem a menos, dificultou – disse o volante atleticano Pierre, referindo-se ao cartão vermelho levado pelo zagueiro Réver.

Era uma partida adiada da 14ª rodada do Brasileirão, mas parecia final de campeonato. Estádio lotado e dois times nervosos, dando chutões para todos os lados no início, com muitas faltas e confusões até o fim. E foi numa sobra da defesa adversária que o time da casa quase fez sua torcida delirar, em chute de Cleber Santana que resvalou na trave esquerda de Victor e saiu pela linha de fundo, aos sete minutos.

Com uma marcação adiantada para dificultar a saída em toques do Galo, o Flamengo tomava conta do jogo, mas falhava muito no último passe. Com Ronaldinho atuando mais no ataque pelo lado esquerdo, o Atlético-MG encontrava poucas soluções para ameaçar o gol defendido por Felipe. Mesmo depois que o camisa 49 recuou um pouco para armar, o time mineiro pouco conseguia sair de seu campo.

Wellington Silva e Ronaldinho, Flamengo x Atlético-MG (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Ronaldinho tenta dominar a bola marcado por Wellington Silva (Foto: André Durão / Globoesporte.com)

E de tanto martelar, o Rubro-Negro chegou ao gol. Na verdade, um golaço. Cleber Santana cobrou escanteio (marcado equivocadamente, pois houve falta de Leandro Donizete em Wellington Silva, que foi o último a tocar na bola antes de ela sair), González cabeceou, Marcos Rocha salvou também de cabeça quase em cima da linha, Cáceres dividiu no alto e a bola sobrou para Vagner Love dar linda virada, acabar com jejum de cinco partidas sem marcar e fazer o seu 11º gol no Brasileirão, igualando-se a Luis Fabiano (São Paulo) e Bruno Mineiro (Portuguesa), com um a menos que Fred (Fluminense).

A vantagem fez o time da casa recuar um pouco e tentar os contra-ataques. O Atlético-MG ganhou espaço, e Ronaldinho passou a procurar mais o jogo. Porém, foi o Flamengo que quase fez o segundo, com Love recebendo de Cleber Santana no lado esquerdo, invadindo a área e dividindo com Victor, que ainda teve de se atirar novamente aos pés de Ramon para ficar com a bola, aos 32. O Galo insistiu no ataque, e R49 teve duas boas faltas para cobrar, uma de frente para o gol, mas jogou na barreira, aos 41. No entanto, dois minutos depois, lançou bem na área, e Richarlyson concluiu para fora, à esquerda de Felipe. Jô ainda teve outra oportunidade em meia-bicicleta meio desengonçada, mas o primeiro tempo acabou com o placar de 1 a 0 para o Fla.

Galo volta com tudo, empata, mas Liedson desempata logo depois

O Atlético-MG voltou a toda velocidade para o segundo tempo e teve ótima chance com menos de um minuto.  Após Carlos César, que substituíra ainda no primeiro tempo Leandro Donizete, acertar um chutaço em que a bola bateu no rosto de Ramon, Ronaldinho deu para Escudero, que dentro da área pelo lado esquerdo tentou deslocar Felipe, mas chutou por cima. A blitz atleticana teve resultado aos quaro. Ronaldinho lançou de cabeça na esquerda para Marcos Rocha, que cruzou na área; houve um bate-rebate, e a bola sobrou para Jô chutar de virada e mandar a bola no canto esquerdo do goleiro rubro-negro: 1 a 1. Logo após, Ramon, completamente zonzo, deixou o campo para a entrada de Magal, no Fla.

Vagner Love e Liedson gol Flamengo x Atlético-MG (Foto: Marcelo Theobald / O Globo)Love, autor do primeiro gol, comemora com Liedson o da vitória do Fla (Foto: Marcelo Theobald / O Globo)

O gol não acomodou o Galo, que continou marcando a saída de bola adversária, e naquele momento era o time da casa que não conseguia ter uma solução para atacar com qualidade. E tome chutão. Foi só colocar a bola no chão e tocar a bola com rapidez que o Fla encontrou o segundo gol: Wellington Silva recebeu na direita de Cáceres, avançou bem e cruzou na medida para Liedson pegar de sem-pulo e sair para comemorar, aos 11. O gol acalmou e melhorou o time carioca, e abalou um pouco a equipe de Belo Horizonte. Mesmo assim o Atlético-MG era muito perigoso nos contra-ataques. Nesses momentos, o camisa 49 atraía todas as atenções rubro-negras.

Aos 25, Cuca tirou Escudero para a entrada de Neto Berola, com o objetivo de dar mais velocidade e fôlego ao seu ataque. Porém, um minuto depois, perdeu um jogador expulso: Réver deu uma braçada no rosto de González na área do Fla e recebeu o cartão vermelho. O jogo já tinha apresentado vários lances ríspidos, discussões e tumultos, dando muito trabalho a Jailson Macedo Freitas. No mesmo lance, o árbitro mostrou amarelo para Jô e González, e aos 31 teve de advertir Richarlysson com o mesmo cartão após um carrinho perigoso em Wellington Silva.

Mesmo com um a menos, o Alvinegro de Minas passou a ser mais perigoso. Aos 37, Ronaldinho recebeu limpa na área e bateu de primeira, a bola parecia que tinha endereço certo, mas Frauches estava na frente e cortou o lance. O jogo estava aberto, e num contragolpe Cleber Santana arriscou de fora da área, a bola tocou na canela direita de Liedson e atingiu a trave direita de Victor. Comandado pelo camisa 88 e com boa colaboração de Léo Moura, o time rubro-negro passou a segurar a bola em seu setor ofensivo para garantir os importantíssimos três pontos. Mas o Galo era valente e não desistia. Aos 44, Carlos César chutou de fora da área, rasante, e deu trabalho a Felipe, que conseguiu segurar a bola e a vitória rubro-negra, para delírio de sua torcida.

Globoesporte.com