Arquivo da tag: Doenças

PB tem 12,4 mil casos suspeitos de doenças causadas por Aedes

A Paraíba tem mais de 11 mil casos prováveis de dengue, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira (2). Por isso, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) recomenda busca ativa para detecção precoce e evitar o agravamento da situação.

Conforme os dados, tanto a dengue quanto a chinkungunya registraram aumento em relação a 2018. Até a 28ª Semana Epidemiológica de 2019, foram registrados 11.258 casos prováveis de dengue. Quando comparados aos dados do mesmo período de 2018, com 8.458 casos prováveis, observa-se um aumento de 33,10%.

Já em relação à chikungunya, foram notificados 860 casos prováveis, o que corresponde a um aumento de 18,78%, em relação a 2018, quando houve registro de 724 casos prováveis. Quando à zika, foram notificados 248 casos, o mesmo quantitativo de casos prováveis do ano de 2018.

A predominância de casos notificados das arboviroses concentra-se nos municípios de Princesa Isabel, São José de Princesa e Juru, da 11ª Região de Saúde; Lucena, Caaporã e Conde, da 1ª Região; Areia, Esperança e Alagoa Nova, da 3ª; São Sebastião do Umbuzeiro, Prata e Monteiro, da 5ª e Teixeira, Matureia e São José do Sabugi, da 6ª Região.

De acordo com o gráfico do boletim, podem ser observados picos de casos nos meses de abril e maio, reduzindo a partir de junho. Diante da constatação, a gerente de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares, faz um alerta aos municípios: “As ações planejadas nos municípios, para o primeiro semestre, devem ser mantidas também para o segundo, pois em muitos locais continuam as chuvas em grande volume, o que proporciona acúmulo de água que favorece a existência de focos do vetor”.

Óbitos

Quanto aos óbitos, foram notificados 36 por arboviroses (doenças provocadas pelo mosquito Aedes Aegypti), sendo cinco confirmados para dengue; um para zika e um para chinkugunya; 16 foram descartados e 13 óbitos continuam sendo investigados.

O boletim apresenta ainda dados do Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRAa). De acordo com o trabalho do LIRAa, foi constatado que 61,26% dos municípios (136) paraibanos estão em situação de alerta.

 

portalcorreio

 

 

Estudo revela que 80% de diabéticos podem ter doenças cardiovasculares

Um estudo realizado pelo EndoDebate em parceria com a Revista Saúde, mostrou que 80% das pessoas com diabetes tipo 2 apresentam indícios de comprometimento cardiovascular. Mais da metade (52%) indicam pelo menos dois destes sintomas: tontura, dores no peito e nas pernas, falta de ar e palpitações.

Intitulado “Quando o Diabetes Toca o Coração”, o estudo foi lançado em junho pelo laboratório Novo Nordisk e divulgado nesta semana. A pesquisa entrevistou 1.439 pessoas com e sem diabetes tipo 2, com idade entre 47 e 55 anos.

O levantamento mostrou que 64% dos diabéticos não seguem rigorosamente o tratamento e apenas 48% dos pacientes consideram a doença muito grave. O diabetes aparece atrás do câncer (92%), do acidente vascular cerebral (79%), do infarto (75%), do mal de Alzheimer (74%), da insuficiência renal (70%) e da insuficiência cardíaca (56%).

“A atenção ao coração é um dos grandes desafios no segmento do paciente com diabetes. Temos objetivos desafiadores no século 21 que vão além do controle da glicose no sangue, fundamental para o tratamento do diabetes tipo 2. Tudo isso passa também por reduzir o peso e o risco de hipoglicemia e umentar a segurança do ponto de vista cardiovascular”, disse o médico endocrinologista e fundador do EndoDebate, evento que ocorre até hoje (20) na capital paulista, Carlos Eduardo Barra Couri.

Desconhecimento

Sobre a primeira palavra lembrada ao pensarem em problemas do coração, 662 entrevistados mencionaram infarto; 159 disseram morte; 39, hipertensão; 25, AVC. O diabetes ficou em último. Entre os diabéticos, 61% disseram acreditar que a doença está entre os fatores de risco para problemas cardiovasculares, contra 42% entre os não diabéticos. Nos dois grupos, a pressão alta aparece em primeiro lugar, seguida do colesterol e dos triglicérides altos.

Para 60% das pessoas com diabetes tipo 2, o médico transmitiu informações insatisfatórias ou nem mencionou as questões relacionadas ao coração na última consulta para controlar o diabetes. Embora 62% desses pacientes tenham sido diagnosticados há pelo menos cinco anos, 90% dizem ainda sentirem falta de mais informações durante o tratamento.

“O tempo é determinante. É muita informação que o médico tem que passar. Eu acredito que há uma mistura de falta de informação e desconhecimento de como abordar direito esse paciente. Como falar em um tom acolhedor humano e ao mesmo tempo incisivo, informativo? Muitos médicos não sabem como fazer isso”, comenta Couri.

Percepção limitada

Apesar da gravidade da doença, a pesquisa também revelou uma percepção limitada sobre os riscos do diabetes tipo 2. Ao todo, 64% das pessoas com diabetes entrevistadas não seguem o tratamento à risca. “A adesão ao tratamento começa quando o médico abre a porta do consultório, quando o médico levanta para atender o paciente, quando o paciente tem uma consulta digna, quando o médico ouve o paciente. Adesão é muito mais do que explicar como toma o remédio, é acolher o paciente e ser humano na consulta”, explica Couri.

Segundo o laboratório parceiro da pesquisa, 13 milhões de pessoas vivem com o diabetes tipo 1 ou tipo 2 no Brasil. Desse total, estima-se que 90% tenham diabetes tipo 2, no qual o pâncreas produz a insulina insuficiente ou não age de forma adequada para diminuir a glicemia. Ele é mais comum em adultos com obesidade e em pessoas com histórico familiar de diabetes tipo 2. Quase metade das pessoas com diabetes tipo 2 não sabem ter a doença. Além disso, duas a cada três mortes de pessoas com diabetes são ocasionadas por doenças cardiovasculares.

 

Agência Brasil

 

 

Conheça as principais doenças da próstata e seus tratamentos

A próstata é uma glândula presente no organismo masculino, do tamanho de uma noz, responsável pela produção do líquido seminal. Ela cresce pouco até a puberdade, quando passa a sofrer influências mais intensas do hormônio masculino (testosterona), alcançando seu tamanho normal, em torno de 15 a 20 gramas, por volta dos 20 anos. Já está provado que seu crescimento está relacionado com o envelhecimento. Existem três doenças muito frequentes que acometem a próstata, conheça cada uma delas.

Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB): Por volta dos 45 anos, a próstata tende a aumentar naturalmente de tamanho, no que chamamos de Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB). Essa condição atinge cerca de 14 milhões de brasileiros de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia e pode causar obstrução parcial ou totalmente da uretra, sendo, por isso, considerada uma doença. MUITO frequente, essa condição prejudica a qualidade de vida do homem, afetando sua rotina e também a vida sexual. O Professor Dr. Francisco Cesar Carnevale, médico da CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa, destaca que dados recentes da OMS sugerem que a HPB ocorra em 1/4 dos homens com 50 anos de idade; em 1/3 daqueles com 60 anos e em metade dos que têm 80 anos ou mais.

Dentre seus principais sintomas, estão a dificuldade para urinar, a necessidade frequente e urgente de urinar, o aumento da micção noturna, a constante sensação de não esvaziamento completo da bexiga, entre outros.

Considerada uma doença, por conta das consequências que traz para o bem-estar do paciente, a HPB pode ser tratada por meio de um método minimamente invasivo: a chamada Embolização das Artérias Prostáticas (EAP), realizada por via Endovascular para reduzir o fluxo de sangue da glândula. “O procedimento é reconhecido como opção segura e eficaz”, garante o Dr. Francisco Carnevale.

Câncer de próstata: Chega a atingir em torno de 16% dos homens e a sua frequência aumenta com a idade dos homens.

Quando diagnosticado nas fases iniciais, a cirurgia ou a radioterapia podem curar o câncer da próstata, porém, em fases mais avançadas não existe cura, mas o câncer pode ser neutralizado e permanece inativo quando se bloqueia a ação do hormônio masculino (testosterona). A testosterona tem ação sobre o crescimento da próstata e esta pode ser bloqueada por meio de de injeções ou pela castração cirúrgica do portador de câncer avançado da próstata.

O exame periódico do homem com o urologista é extremamente importante porque o câncer da próstata não apresenta sintomas nas fases iniciais. Portanto, o diagnóstico precoce e a possibilidade de cura só existem quando se faz exames rotineiros, pelo menos uma vez ao ano.

Prostatite: É bastante comum e chega a atingir quase 30% da população masculina. Ela é muito comum na forma crônica e geralmente é assintomática, mas, quando dá sintomas, os mais frequentes são: ardor ou queimação ao urinar ou um desconforto junto ao orgasmo, esperma de cor amarelada, vontade frequente para urinar, etc. Quando cai a resistência física das pessoas, a prostatite se exacerba e aparece de uma forma bastante aguda provocando febre alta, queda do estado geral e sintomas típicos de infecção urinária, como ardor ao urinar e micções extremamente frequentes.

As principais causas de prostatite no homem são após as uretrites, como a gonorreia, após relacionamentos com parceiras com infecções ginecológicas e ainda após relação anal sem preservativo. O tratamento é feito com antibiótico e por um período mais longo do que os tratamentos habituais. Após o tratamento, o paciente necessita ficar atento, pois os sintomas da prostatite aguda podem voltar sempre que houver uma queda da resistência do homem portador da prostatite crônica.

Prof.  Dr. Francisco Cesar Carnevale – médico do CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – autoridade médicareferência nacional e internacional em Radiologia Intervencionista, Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular. Sua principal linha de pesquisa está focada no tratamento de pacientes com sintomas do trato urinário inferior associados ao crescimento da próstata pela Hiperplasia Prostática Benigna (HPB). Pioneiro a publicar na literatura científica mundial, a técnica de Embolização das Artérias da Próstata (EAP) dentro do Hospital das Clínicas da FMUSP, sob a supervisão dos professores Miguel Srougi e Giovanni Guido Cerri.  É diretor de Radiologia Vascular Intervencionista do Instituto de Radiologia (InRad-HCFMUSP), do Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP) e do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo (SP). É responsável pelas disciplinas de Graduação e Pós-graduação na área de Radiologia Intervencionista da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

Redes Sociais:

Instagram: @clinicacriep

https://www.instagram.com/clinicacriep/

Facebook: @criep.com.br

https://www.facebook.com/criep.com.br/?ref=br_rs

 

 

 

Equipe de Comunicação

 

 

 

Doar sangue pode reduzir risco de doenças cardíacas e até câncer

Doar sangue faz bem! Sim, além de salvar vidas, o ato promove uma série de benefícios à saúde do doador, que vão desde a redução de risco de doenças cardíacas e de alguns tipos de câncer à satisfação em promover uma boa ação. O médico João Rodolfo ressalta os benefícios dessa atitude, que já foi cercada de mitos e que hoje é um procedimento simples, seguro e indolor.

Ele explica que existem estudos que comprovam que a doação de sangue reduz a viscosidade do sangue, permitindo assim, que os doadores sejam menos propensos a desenvolver doenças do coração. Sem falar que, segundo ele, o processo funciona como uma espécie de ‘limpeza sanguínea’.

“O nosso sangue é produzido na medula e renovado a cada três, quatro meses. Nesse processo, de uma forma bem simbólica, é como se dentro desse período o sangue fosse para o lixo; a doação de sangue é pegar algo que é nosso, que leigamente vai para o lixo e ajudar pessoas. Um processo simples, seguro e indolor”, afirmou João Rodolfo que é diretor-geral, médico e intensivista do Hospital Geral do Hapvida, em João Pessoa.

A doação também colabora com a redução de certos tipos de câncer. “Já houve a comprovação que a doação sanguínea promove a redução de alguns tipos de câncer pela redução oxidativos. Com a doação há uma renovação das células, com isso, as células velhas são renovadas”, ressaltou João Rodolfo.

Outro benefício, conforme explicou o médico, é a possibilidade de fazer uma espécie de mini-checkup, já que o doador precisa ser submetido a uma bateria de exames para identificação de possíveis doenças infecto-contagiosas, a exemplo de AIDS, Sífilis, Doença de Chagas, contato prévio com hepatite B e C e vírus HTLV., permitindo que o voluntário esteja mais atento à saúde.

“Sem falar na satisfação de promover o bem: o sentimento de poder ajudar de uma a quatro pessoas com uma única doação. Não existe outra forma de salvar a vida de quem precisa de doação se não for doando. Dessa forma, é possível ter uma satisfação, fortalecer a autoestima e ter a sensação de felicidade”, destacou.

Junho Vermelho

João Rodolfo ainda aproveitou para lembrar que este mês é dedicado a campanha de doação de sangue, no movimento que foi denominado de Junho Vermelho. Ele elogiou a iniciativa e disse que no Nordeste a data é ainda mais importante por causa dos festejos juninos, que acabam levando a um aumento na quantidade de feridos, o que consequentemente, faz que mais pessoas precisem de sangue.

“Esclarecer a importância da doação é o principal caminho. É preciso levar informação clara e objetiva sobre a doação para combater as ‘Fake News’, que muitas vezes afastam os doadores. “Uma única doação de sangue é capaz de salvar quatro vidas. Além disso, para quem doa há o benefício de poder ajudar quem não tem outra opção para saúde para seguir com a vida”, reforçou.

 

portalcorreio

 

 

Doenças Vasculares Periféricas podem atingir até 20% da população

Sintomas como dificuldade progressiva para andar, manter-se em pé ou ainda o súbito aparecimento de dor e dedos frios e pálidos em pés ou mãos podem ser sinais de alerta

 A Doença Arterial obstrutiva Periférica (DAOP) engloba um conjunto de doenças que cursa com a obstrução das artérias dos membros, com graves consequências para todos os territórios do corpo. É agravada por fatores de risco conhecidos, todos ligados à aterosclerose, sua principal causa, como o fumo, diabetes, hipertensão, hipercolesterolêmica, obesidade e vida sedentária. O Acidente Vascular Cerebral (AVC) e a obstrução das artérias de pernas que pode levar a amputações são bons exemplos disso.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), esse problema atinge em torno de 15% a 20% da população com mais de 55 anos.

O acúmulo local de gordura determina a perda de elasticidade da parede dos vasos sanguíneos e pode obstruí-los em diferentes percentuais, prejudicando a circulação local.

“Dor na perna durante a caminhada, de qualquer tipo, deve ser sempre avaliada por um especialista. Além da dor, outros sinais, como a alteração da temperatura (fria) e cor (pálida) da pele, perda de pelos, unhas quebradiças ou o aparecimento de feridas de difícil cicatrização ajudam a identificar o problema”, explica Dr. Airton Mota, médico do CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa.

Dentre as opções de tratamento, a mudança no estilo de vida para minimizar fatores de risco é extremamente importante. Atitudes simples, como parar de fumar, praticar exercícios físicos e adotar dieta saudável são úteis.

Havendo necessidade, o médico poderá optar inicialmente optar pelo uso de medicamentos para a circulação com atividade física orientada para estimular a formação de novos vasos.

Com progressão da doença, que é muito acentuada pelo ato de fumar, pode haver a necessidade de outros tratamentos. A abordagem minimamente invasiva por meio da Angioplastia, que consiste na dilatação de estreitamentos produzidos pelas placas ou colocação de stent (semelhantes aos utilizados no coração) para manter os vasos abertos, representa ótima alternativa.

Esse tratamento poder ser realizado sob anestesia local com um mínimo tempo de internação, se comparado aos procedimentos cirúrgicos convencionais.

“Estes procedimentos estão ao seu alcance por meio da Radiologia intervencionista. Foram criados para desobstruir artérias dos membros, melhorar ou aumentar o fluxo de sangue na região, permitindo tratar os sintomas isquêmicos e salvar ou tentar salvar o máximo de membro viável”, finaliza Dr. Airton Mota.

Dr. Airton Mota Moreira, atua como médico da CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – especialista em Angiorradiologia e radiologista intervencionista, com formação pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Residência Médica/MEC SP em Cirurgia Geral e Cirurgia Vascular Periférica, Doutorado na àrea pela USP/SP e Título de Especialista em Radiologia Intervencionista e Angiorradiologia pela Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular (SoBRICE).

CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – centro médico e de pesquisas que é referência nacional e internacional nas áreas de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular, especialidades voltadas ao tratamento minimamente invasivo de doenças com o auxílio de métodos de imagem. Desde 1997, por meio de uma equipe de médicos da Universidade de São Paulo (USP) formada pelo Prof. Dr. Francisco Cesar Carnevale, Dr. Airton Mota Moreira e Dr. André Moreira de Assis, o CRIEP oferece, aos pacientes, uma série de tratamentos por meio de técnicas e equipamentos tecnológicos mais avançados. Site:http://www.criep.com.br

Equipe de Comunicação & Marketing

 

 

7 em cada 10 idosos brasileiros sofrem de doenças crônicas

Um estudo divulgado pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (1º), em Brasília, aponta que 69,3% dos idosos brasileiros sofrem de pelo menos uma doença crônica. Os cinco diagnósticos mais frequentes, na ordem, são hipertensão, dores na coluna, artrite, depressão e diabetes.

Os dados fazem parte do Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros (Elsi), pesquisa também replicada em outros países, que busca entender o perfil da população mais velha à medida em que vai envelhecendo.

  • Idoso com nenhuma doença crônica: 30,7%
  • Com uma doença crônica: 39,5%
  • Com duas ou mais doenças crônicas: 29,8%

Dependência do SUS

Outro ponto abordado pela pesquisa mostra que 75,3% dos idosos dependem exclusivamente do serviço do Sistema Único de Saúde (SUS), e que 83,1% fizeram ao menos uma consulta médica nos últimos 12 meses – considerando também a rede privada.

Atualmente, os idosos representam 14,3% dos brasileiros: são 29,3 milhões de pessoas. De acordo com o Ministério da Saúde, em 2030, o número de idosos deve superar o de crianças e adolescentes.

Para fazer o levantamento, foram ouvidas pessoas com 50 anos ou mais, entre 2015 e 2016, em 70 municípios das cinco regiões do país. A ideia, segundo o ministério, é de acompanhar este mesmo grupo de pesquisados ao longo do tempo.

Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, durante divulgação do Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros — Foto: Gabriel Luiz/G1

Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, durante divulgação do Estudo Longitudinal de Saúde dos Idosos Brasileiros — Foto: Gabriel Luiz/G1

O medo

O estudo, elaborado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), também mostra qual é o principal receio da população idosa: o de cair. De acordo com a pesquisa, 43% dos idosos disseram ter medo de cair na rua.

“O ambiente urbano está associado ao medo de queda, que é um dos eventos mais indesejáveis. E a participação social está associada ao medo de atravessar a rua e a dificuldade com os meios de transporte”, disse uma das coordenadoras do estudo, professora Maria Fernanda Lima e Costa.

“A cidade amiga do idoso é uma importante iniciativa. Mas temos que sair do discurso.”

Para o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, a pesquisa traz dados que alertam para a necessidade de se antecipar e traçar políticas públicas coordenadas voltadas aos idosos.

“Avaliamos que saúde é responsabilidade de todos: educação, mobilidade, saneamento, oportunidade de morar em residência digna”, declarou. “Temos que aproveitar os estudos para fazer uma ampla discussão com outros setores do governo, para que possamos trazer alternativas a essa população que envelhece.”

G1

 Foto: Prefeitura de Nova Odessa

Doenças de pele podem ser causadas por problemas psicológicos; dermatologista explica

Gabriel Jabur/ Agência Brasília
Imagem Ilustrativa

Alergias, queda de cabelo e acne. Essas podem ser consideradas doenças comuns e muito conhecidas pela população. O que muita gente não sabe é que, por trás desses problemas de pele, podem estar os fatores psicológicos, pois a pele e o sistema nervoso estão diretamente ligados.

“Existe uma ligação desde a vida embrionária. Tanto a pele, como o sistema nervoso se originam do ectoderma, e, com a evolução no decorrer dos meses, eles formam o tubo neural, que origina a pele na parte externa e internamente o sistema nervoso central, daí que vem a ligação. É muito comum escutar os pacientes dizerem que “ficou roxo de raiva”, porque uma vez que você tenha determinados estímulos, isso vai reagir na pele”, disse a dermatologista Carla Marsicano.

Não há estudos que apontem quantos problemas de pele são causados por transtornos mentais, mas um relato publicado pela Sociedade de Psicodermatologia do Reino Unido aponta que 85% dos paciente com problemas de pele consideram que os aspectos psicossociais são os principais componentes da doença.

Assista à reportagem completa abaixo:

Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Número de mortes por doenças relacionadas ao fumo cai na PB, mas Estado ainda tem 453 mil dependentes

cigarroEstimativas do Instituto Nacional do Câncer revelam que a Paraíba possui atualmente 453 mil fumantes (o que corresponde a 11,5% da população). O quadro do Inca mostra que as ações e alertas de combate ao fumo promovidas pela Secretaria Estadual de Saúde estão tendo resultados positivos na Paraíba.

Em 2014, em todo o Estado, 426 pessoas morreram vítimas de cânceres relacionados ao fumo. Em 2016, este número caiu para 359. Segundo a chefe do Núcleo de Doenças e Agravos não Transmissíveis da SES-PB, Gerlane Carvalho, a intenção de alertar a população contra os males do fumo desde que foi instituído o Dia Estadual de Combate ao Fumo é levar informação para a população, visando uma melhor qualidade de vida e proporcionando ambientes livres do cigarro.

“Todos os anos, nesta data, nosso papel é orientar os fumantes, mostrando que existem maneiras de parar de fumar, oferecendo inclusive apoio psicológico”, disse Gerlane, alertando que todo fumante num futuro próximo terá a diminuição de sua capacidade respiratória, porque o cigarro figura como potencializador de doenças crônicas.

“Mas nossa missão é motivar os fumantes para que eles procurem ajuda profissional para que deixem o vício e tenham vida saudável”. O diagramador Evandro Oliveira da Silva, 65 anos, esteve no Tambiá Shopping para fazer avaliação e confessou que fumou durante 30 anos e disse que há dez anos não acende um cigarro porque começou a se sentir incomodado com uma dor nos rins e também porque sua pressão começou a ficar alterada. “Depois de todos esses problemas fui ao médico e diante dos alertas, decidi parar de fumar em definitivo. Nunca mais volto a fumar”, disse Evandro.

Tratamento – Na Paraíba, o paciente pode ser atendido na Unidade Básica de Saúde (UBS) do seu município e, posteriormente, encaminhado ao serviço adequado para sua necessidade. Em todo o estado existem atualmente 37 Centros de Referência para Tratamento dos Fumantes, onde se pode buscar apoio para se livrar do vício em nicotina.

O serviço é oferecido em Unidades de Saúde da Família, em Centros de Atenção Psicossocial (Caps), Centros de Atenção Integral à Saúde (Cais), Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf) e Centros de Saúde. Em alguns casos, os pacientes em tratamento abandonam o cigarro com menos de um mês de acompanhamento.

pbagora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Cigarro aumenta o risco de doenças como Alzheimer

cigarroTodos conhecemos a relação entre fumar cigarro e o aumento do risco para doenças cardiovasculares e cerebrovasculares, como o AVC. Entretanto, o cigarro também tem uma relação com doenças neurodegenerativas, menos conhecida, que discutiremos abaixo.

Primeiro, sabemos que o envelhecimento é o principal fator de risco não modificável para doenças neurodegenerativas como Alzheimer e Parkinson. Quando analisamos Alzheimer, entretanto, além da questão “idade” fatores de risco clássicos para doenças vasculares como tabagismo, hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia são também fatores de risco que podem deflagrar doenças neurodegenerativas, como Alzheimer.

Segundo, sabemos que existem aqueles indivíduos em uma zona de fronteira conhecida por “comprometimento cognitivo leve”, quando o indivíduo tem normalmente um problema cognitivo importante, mas que não o impede de exercer suas atividades de vida diária. A importância de fatores de risco como fumar cigarro neste contexto é que indivíduos com comprometimento cognitivo leve terão mais chance para converter em Alzheimer se fumar um cigarro que indivíduos não-tabagistas. Assim, evitar o cigarro é uma atitude essencial para diminuir as chances de Alzheimer.

Em relação à doença de Parkinson, paradoxalmente, estudos em modelos animais e estudos epidemiológicos em humanos já demonstraram que a nicotina pode ter um efeito neuroprotetor. Isto mesmo, neuroprotetor. Este mecanismo é complexo e envolve liberação de neurotransmissores, modulação de apoptose e necrose, função imune e aumenta produção fatores tróficos (Trends in Neuroscience v. 27, p.561-8; 2004). Na vida real isto não é tão simples, uma vez que junto com a nicotina centenas de outros produtos extremamente tóxicos/cancerígenos são aspirados em um cigarro e não se recomenda, em hipótese alguma, fumar cigarro para evitar ou atrasar doença de Parkinson.

Como na própria doença de Alzheimer, o tabagismo associado a outros fatores de risco para doenças cerebrovasculares acaba contribuindo para piora dos sintomas parkinsonianos, em particular, no surgimento de sintomas não-motores como a própria demência associada à doença de Parkinson.

Evitar o tabagismo, mesmo passivo, é uma atitude importante para se ter um cérebro saudável por bastante tempo. Mais do que isto, evitar o tabagismo pode influenciar no desenvolvimento ou no surgimento de complicações relacionadas a doenças neurodegenerativas.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

2,175 milhões de pessoas tiveram doenças ligadas ao ‘Aedes’ em 2016

dengueA previsão da tríplice epidemia se confirmou. Boletim divulgado nesta quinta-feira, 2, pelo Ministério da Saúde mostra que em 2016 o País conviveu com epidemias simultâneas: dengue, chikungunya e zika. Ao todo, foram 2,175 milhões de casos de infecções, com 846 mortes. Chama a atenção o expressivo número de óbitos provocados por chikungunya.

Durante 2016, 196 pessoas morreram em razão da infecção, 14 vezes mais do que o registrado em 2015, com 14 óbitos Quando o vírus foi confirmado no País, autoridades sanitárias afirmavam que a doença trazia pouco risco de morte. A zika, outra doença também que era tida como “prima fraca” da dengue, provocou 8 mortes.

O boletim indica que a epidemia de dengue ocorreu em todas as regiões do País. Os Estados mais castigados foram Minas (com 2.531 casos a cada 100 mil habitantes), Goiás (com 1.845 casos a cada 100 mil habitantes), Mato Grosso do Sul (com 1.684 casos a cada 100 mil habitantes) e Rio Grande do Norte (com 1.670 casos a cada 100 mil habitantes).

A chikungunya afetou sobretudo o Nordeste. Sete de nove Estados apresentaram níveis considerados muito altos, com incidência superior a 300 casos por cada 100 mil habitantes. No Sudeste, a maior incidência ocorreu no Rio, com 108 casos a cada 100 mil habitantes.

Os casos de zika foram em menor número: 215.319. A maior incidência foi no Mato Grosso (671 casos por 100 mil), Rio de Janeiro (414 casos por 100 mil) e Bahia (340 por 100 mil).

Estadão

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br