Arquivo da tag: doces

Por que você deveria oferecer doces para criança apenas depois dos 2 anos

crianca-comendo-chocolateA recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) é clara: doces são considerados calorias vazias e seu consumo não tem indicação em nenhuma faixa etária. “Mas, se houvesse a necessidade de oferta, seria somente depois dos dois anos”, diz Elza de Mello, do Departamento Científico de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Então, como controlar a criançada que vê os amigos comendo uma barra de chocolate e o desejo dos avós de fazerem os netos felizes? Como abrir exceções sem perder o controle? Qual tipo de doce oferecer? Abaixo, três pediatras respondem seis dúvidas frequentes relacionadas ao tema.

Consultoria: Elza de Mello, do Departamento Científico de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Werther de Carvalho, pediatra do Hospital Santa Catarina, em São Paulo e Jomara de Araújo, pediatra e médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

  • Por que o consumo é indicado somente depois dos dois anos?

    Por diversos motivos, como não promover alteração da flora oral e, consequentemente, criar risco de surgimento de cáries e não desencadear processo de obesidade ou desenvolvimento de diabetes. Também vale citar que comer doces tão cedo (e até mesmo depois dos dois anos) vicia e empobrece o paladar. É nesta fase que a criança está desenvolvendo o paladar, portanto elas podem ficar mais tolerantes aos doces, querendo cada vez mais porções maiores, para satisfazê-las. Não raro, crianças passam a recusar alimentos salgados e só aceitam os mais adocicados, como mandioquinha e batatas, ou receitas adoçadas, como feijão cozido com batata-doce e arroz com uva-passa.

  • Existe algum tipo de açúcar bem-vindo na rotina alimentar?

    Sim, o que é natural dos alimentos, como o presente em frutas e legumes. A indicação é oferecer diversos tipos de frutas. Mesmo que a criança não queira no início, não desista de dar. Não é recomendável forçar, pois ela tem que entender que o alimento é comum.

  • Como liberar o consumo sem prejudicar a saúde?

    A alimentação é um momento de inserção na vida social e as crianças não podem ser privadas disso. Sendo assim, não há nada de errado liberar um pouco de doce em festas. No dia a dia, o segredo, segundo os especialistas consultados, é não ter esse alimento em casa. O ideal é que doces sejam liberados em quantidades pequenas e ocasionalmente, em eventos festivos, como aniversários e Natal.

  • Como negociar a quantidade com as crianças?

    A determinação dos pais deve prevalecer e, desde cedo, é importante ensinar as crianças a comer doses pequenas e escolher o que comer –dois brigadeiros ou um copo de refrigerante? Também é um equívoco achar que a criança que nunca come doces na rotina pode se esbaldar em uma festa de aniversário. Além do excesso fazer mal, a criança pode passar a se comportar assim em todas outras datas comemorativas e a exceção acaba virando regra.

  • Faz sentido usar doce para chantagear?

    Jamais diga para os pequenos que, se comerem espinafre, vão ganhar sobremesa. Os pais nunca devem fazer chantagem para que o filho coma. Quando se faz isso, a ideia que se forma para a criança é que o alimento o alimento saudável é ruim e para ingerí-lo é preciso comer algo considerado saboroso depois.

  • Doce em excesso deixa as crianças mais agitadas?

    Pode acontecer que o excesso de açúcar seja rapidamente absorvido e cause apenas certa excitabilidade. No entanto, é mais visto que, com a ingestão constante de açúcar simples, aconteçam picos repentinos e frequentes da quantidade de glicose no sangue que, por sua vez, determinam picos de insulina. Com isso, podem ocorrer quadros de irritabilidade, alterações de humor e cansaço.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Abusa de café e doces? Veja 6 hábitos alimentares inimigos da produtividade

cansacoQuando o cansaço bate ao longo do dia e o trabalho parece não render, a culpa pode ser do que você comeu (ou não) mais cedo. Abusar dos doces ou pular refeições, por exemplo, pode prejudicar sua produtividade. A solução é prestar atenção ao que comemos –e em como comemos.

Confira abaixo alguns hábitos alimentares inimigos do bom rendimento no trabalho. As dicas foram reunidas em um artigo do site americano EverUp, e republicadas pelo Business Insider.

1) Pular o café da manhã

Getty Images

A sabedoria popular já dizia: “saco vazio não para em pé”. Sair de casa em jejum não é boa ideia. Depois de uma noite de sono, o nível de açúcar no sangue fica baixo e falta energia para o nosso corpo –inclusive o cérebro– desempenhar bem suas funções.

“Coma uma boa fonte de proteína [iogurte, leite, ovos, frios etc.] no café da manhã para estabilizar os níveis de glicose no sangue ao longo do dia e ter energia constante para o corpo e o cérebro”, afirma Erin Palinski Wade, autora do livro “Belly Fat Diet For Dummies” (“Dieta para Gordura da Barriga para Leigos”, em português).

2) Almoço rico em carboidratos

Getty Images

Outra dica que parece simples, mas é importante: a qualidade do que se come no almoço também afeta a produtividade no restante do dia.

O ideal é maneirar nos alimentos ricos em carboidratos simples, como arroz branco, macarrão, pão branco, refrigerantes, sucos concentrados e doces. Por serem digeridos rapidamente, eles causam picos e quedas bruscas de energia.

O melhor é optar por alimentos com carboidratos que são digeridos mais lentamente pelo corpo, como cereais integrais, vegetais e grãos (feijão, lentilha, ervilha etc.).

O ideal é que, após o almoço, o nível de açúcar no sangue fique estável, mantendo uma energia mais contínua até a próxima refeição.

3) Pular o almoço

Getty Images/iStockphoto

Quando você tem muita coisa para fazer em pouco tempo, acha que uma boa tática é deixar o almoço de lado e aproveitar aquela hora a mais para acelerar as tarefas? Está enganado.

Alimentar-se corretamente, com uma refeição nutritiva, melhora o desempenho do cérebro. A falta de energia para o corpo, por outro lado, faz a produtividade cair.

Wade diz que a glicose é a principal fonte de energia para o cérebro, por isso é importante mantê-la em um nível constante ao longo do dia. A autora sugere comer algo em intervalos de duas a quatro horas, ingerindo a energia necessária para permanecer concentrado e alerta.

4) Tomar muito café

Getty Images/iStockphoto

Quando bate o cansaço do meio da tarde, você costuma apostar naquela xícara de café? Ok, a cafeína pode ser uma aliada para conseguir retomar a atenção e completar o que tem para fazer, mas abusar na quantidade pode ter o efeito contrário.

Tomar mais do que quatro xícaras de café por dia pode ter efeitos negativos no corpo, como inquietação, irritabilidade, nervosismo e dores de estômago, o que atrapalha a qualidade do trabalho.

5) Tomar pouca água

Getty Images

A desidratação também pode afetar bastante as funções cerebrais. Beber menos água do que o necessário pode causar impacto na concentração e memória de curto prazo. Mesmo uma desidratação moderada pode afetar o humor, a energia e a habilidade de pensar claramente.

A recomendação clássica de médicos é tomar dois litros de água por dia, mas um estudo científico contesta isso.

6) Abusar dos doces no meio da tarde

Getty Images/iStockphoto

Passadas algumas horas do almoço, quando a fome bate novamente, pode surgir a tentação de atacar aquele chocolate ou bolinho, mas o melhor é tentar controlar esse impulso.

Como dito antes, os doces elevam rapidamente o nível de açúcar no sangue, aumentando bruscamente a energia para o trabalho. Em pouco tempo, porém, esse açúcar no sangue vai diminuir muito e rapidamente, causando sonolência.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Aprenda a controlar a compulsão por doces

Começar a fazer dieta quase sempre não é fácil. Só de ter que maneirar em alguns alimentos já vem o desânimo, principalmente quando o assunto são os doces.

Uma dieta equilibrada permite que você coma tudo o que quiser, mas sem nenhum exagero. E as besteirinhas, como doces e balas, são os maiores vilões quando a meta é não passar da conta.

De acordo com a nutricionista Roseli Lomele Rossi, da Clínica Equilíbrio Nutricional, pessoas que comem doces todos os dias acham que jamais conseguirão parar com o açúcar, estabelecendo uma espécie de dependência. “Muita gente acredita que não conseguirá manter uma dieta sem a sensação de relaxamento e bem-estar que as guloseimas proporcionam”, afirma.

Mas, já que para tudo na vida dá-se um jeito, é possível se livrar dessa compulsão por açucarados. Siga as dicas da nutricionista e acabe já com esse mau hábito:

Faça um diário alimentar: “Muitas pessoas não se dão conta daquilo que comem”, diz a nutricionista Roseli Rossi. Portanto, se você acha que está exagerado nos doces, que tal montar uma lista com tudo o que você come durante o dia e em quais horários? “Quando você vê o total ingerido em uma lista, percebe que pode haver muitos nutrientes faltando na dieta”, completa a especialista. Se, ao fazer a lista, você notar que tem açúcar de sobra, corra atrás do prejuízo!

como parar? - Foto Getty Images Pare definitivamente ou gradualmente: Isso não é uma regra. Algumas pessoas preferem ser radicais e excluir os doces da dieta por completo para, depois de superado o hábito, inseri-lo na rotina alimentar aos poucos novamente.

Outras preferem o caminho contrário: parar com os doces aos poucos. Segundo a nutricionista, existem casos em que a pessoa sofre de uma espécie de abstinência, ficando nervosa, enjoada ou com dores de cabeça se não comer doces. “Nessas situações, a forma gradual é melhor, pois a seleção de alimentos é naturalmente feita”, aconselha.

substituições inteligentes - Foto Getty Images Procure substituições inteligentes: É importante comer bem do café da manhã até a janta. A nutricionista conta que manter índice glicêmico em níveis normais diminui a vontade por doces. “Ter picos glicêmicos e depois o rebote, ou seja, ficar com o índice glicêmico muito baixo, aumenta a vontade de comer açúcares”, diz.

Hoje, é possível incluir alimentos doces em sua dieta sem apelar para os bolos e tortas pouco saudáveis. Frutas frescas ou desidratadas, chocolate amargo combinado a uma fruta, leite com aveia, mel e canela, geleia light com torrada e cookies integrais são algumas opções que a nutricionista Roseli sugere. É sempre importante manter uma alimentação rica em fibras, pois elas aumentam a saciedade e estabilizam o índice glicêmico. De acordo com a nutricionista Mônica Venturineli, do Hospital Sírio Libanês, as barras de cereais são uma boa fonte de fibras e aumentam a saciedade.  “Contudo, vale ressaltar que as barras cobertas com camada de chocolate devem ser evitadas já que são mais calóricas e ricas em gorduras”, completa.

jejum - Foto Getty Images Fuja do jejum: A fim de perder os quilinhos a mais ou driblar as calorias adquiridas pelos doces, muitos optam por pular refeições ou ficar horas em jejum. Essa é a maior das ciladas. Longos períodos em jejum fazem com que nosso índice glicêmico fique extremamente baixo, nos deixando com mais fome, principalmente por carboidratos e açúcares. “É necessário alimentos com mais qualidade e os doces em menor quantidade, em vez de se acabar no açúcar e depois pular refeições”, explica a especialista. “Isso só trará malefícios à saúde do paciente”.

refeição - Foto Getty Images Não substitua uma refeição por doces: Na mesma linha do jejum, algumas pessoas procuram comer menos no almoço ou no jantar para poder saborear uma sobremesa sem culpa. Essa orientação, porém, está totalmente errada. “Não posso deixar de comer proteína, arroz e feijão só para comer uma torta de morango depois”, diz a nutricionista.

Roseli afirma que muitas pessoas fazem essa troca pensando em calorias, mas 100 calorias de arroz e feijão estão longe de ser equivalente a 100 calorias de bolo de chocolate, já que as respostas metabólicas são diferentes. “O aproveitamento de nutrientes que o seu corpo terá com o arroz e feijão é muito maior”, esclarece.

Por isso, nada de saborear um doce prejudicando uma refeição saudável e equilibrada, que é tão importante para o seu rendimento físico e mental.

doces na dispensa - Foto Getty Images Elimine os doces da sua dispensa: Nada de passar vontade ou conviver com as tentações ao alcance da mão. Evite comprar doces e estocá-los nos armários, geladeiras, gavetas e até mesmo no trabalho. “Muitas vezes, a pessoa alega que compra doces para o filho ou outro membro da família, quando, na verdade, compra pra si”, conta Roseli.

Portanto, é hora de tomar coragem e parar de comprar besteiras. É óbvio que nenhum alimento é proibido, mas o ideal é não comprar aos montes um alimento que você sabe ser inadequado, pois sempre pode surgir um momento de fraqueza. “O fato de possuirmos doces em casa aumenta a tentação em ingeri-los”, diz a nutricionista Mônica, que afirma que o comportamento saudável deve começar na compra e perdurar no dia-a-dia.

doces - Foto Getty Images

Se a vontade for incontrolável… Prefira comer o docinho no período da tarde. Evite ao máximo os doces pela manhã, pois nosso corpo está se desintoxicando e ingerir muito açúcar nesse período dá mais trabalho para nosso metabolismo. Prefira o doce no lanche da tarde em vez de comê-lo na sobremesa, já que o seu organismo está satisfeito da refeição. Por isso, opte por horários entre 17h30 e 18h30.

Fonte: Minha Vida