Arquivo da tag: derrota

Náutico faz 1 a 0 e Treze chega à sua sétima derrota

O Treze entrou em campo neste domingo (21) com uma missão nada fácil. Fora de casa, o lanterna do Grupo A na Série C precisou enfrentar um dos times com melhor campanha, o Náutico. O resultado no Estádio dos Aflitos não fugiu do que parecia óbvio. Deu Náutico, vitória por 1 a 0.

Vislumbrando o acesso à zona de classificação, o Náutico chegou ao jogo embalado. Jefferson Nem assustou o Treze logo nos primeiros momentos, mas Mauro Iguatu fez boa defesa. Aos 8 minutos, Paulinho teve gol anulado pela arbitragem. O Náutico seguiu pressionando, mas com o decorrer do tempo o Treze conseguiu equilibrar o ritmo da partida. A primeira etapa terminou 0 a 0.

No segundo tempo, o Treze voltou um pouco melhor, mas não o bastante para fazer o Náutico recuar. Os donos da casa seguiram insistindo em jogadas ofensivas. Aos 34 minutos, Rafael Oliveira, que tinha acabado de entrar, acertou de cabeça o ângulo superior direito do Treze.

O Treze volta a jogar pela Série C no domingo (28), contra o Globo-RN, a partir das 16h no Estádio Amigão, em Campina Grande.

 

portalcorreio

 

 

Botafogo-PB sofre gol no apagar das luzes e Santa Cruz evita derrota ao garantir empate

Santa Cruz e Botafogo-PB se encontraram pela terceira vez no ano, pela 12ª rodada da Série C, no Arruda, neste domingo. E mais uma vez, o Santa Cruz não conseguiu vencer em casa. Em jogo bastante prejudicado pela chuva que encharcou o gramado, os dois times lutaram muito, mas o 0 a 0 insistiu em continuar. Até que aos 44 minutos do segundo tempo, o Botafogo-PB encaixou contra-ataque para abrir o placar. Porém, para manter a tradição do confronto em 2019, já no apagar das luzes, o volante Charles cobrou falta com violência e estufou as redes de Saulo.

O empate foi muito ruim para a pretensão de ambos os times. A igualdade retirou a chance de ambos voltarem ao G4, fazendo com que times que estavam próximos como Confiança e Sampaio Corrêa abrissem vantagem. Além disso, em caso de vitória do Náutico, na segunda-feira, contra o líder Ferroviário-CE, as duas equipes perderam mais uma posição na tabela.

O Santa Cruz chega a três jogos sem vencer e irá se preparar para enfrentar o Sampaio Corrêa, concorrente direto pelo G4, fora de casa, na próxima quinta-feira, às 20h. Já o Botafogo-PB recebe o ABC, no sábado, às 17h, em João Pessoa.

O jogo

Com o gramado encharcado por causa do grande volume de chuva que caiu sobre o Recife durante o final de semana, o jogo no Arruda começou em ritmo lento. As duas equipes pareciam ter dificuldades em se adaptar ao piso da partida. Por isso, ambas iniciaram a primeira etapa se valendo das bolas paradas e dos lançamentos longos ao invés de trocarem passes.

A dificuldade com o campo fez com que os primeiros minutos registrassem diversas jogadas ríspidas, que originaram dois cartões amarelos para o time do Santa Cruz antes dos 15 primeiros minutos. Em duas faltas duras, Augusto e Kadu foram advertidos, sendo que o do atacante foi o terceiro e ele não enfrentará o Sampaio Corrêa, para cumprir a suspensão automática.

Com o passar do tempo, o Santa Cruz se adaptou melhor ao gramado e começou a impor seu jogo. O time coral teve duas boas chances em sequência perto dos 20 minutos. Primeiro, Dudu fez excelente jogada e clareou para Pipico, que bateu e a bola foi defendida com os pés por Saulo. Menos de um minuto depois, após cruzamento interceptado pelo goleiro do Belo, Charles recebeu bola limpa, com o gol aberto e chutou para fora.

No último terço do primeiro tempo, o Botafogo-PB cresceu. Especialmente, em jogadas protagonizadas por Marcos Aurélio. Aos 27, o camisa 10 do Belo tenta um sem-pulo para o gol, mas a bola é facilmente defendida por Anderson. Dois minutos depois, o experiente jogador bate falta perigosa e exige excelente intervenção de goleiro coral. Mesmo sem grandes chances no minuto final, o alvinegro continuou dominando as ações até o fim da primeira etapa, o que causou insatisfação e tímidas vaias direcionadas aos corais na saída de campo.

 

http://paraiba.com.br

 

 

Nos pênaltis, Flamengo derrota o Vasco e conquista Taça Rio

Com muita emoção, o Flamengo conquistou a Taça Rio, neste domingo, no Maracanã. Os rubro-negros arrancaram o empate por 1 a 1 com o Vasco nos acréscimos e levou a melhor na disputa por pênaltis.

Após um primeiro tempo com poucas chances de gol, o Vasco abriu o placar com Tiago Reis na etapa final. Já nos acréscimos, Arrascaeta deixou tudo igual para o Flamengo. Nos pênaltis, os rubro-negros fizeram 3 a 1 e ficaram com o título no segundo turno do Campeonato Carioca.

De Arrascaeta comemora seu gol durante partida entre Vasco X Flamengo válida pela final da Taça Rio do campeonato Carioca de 2019, no estádio do Maracanã, zona norte da cidade, neste domingo (31/03)
De Arrascaeta comemora seu gol durante partida entre Vasco X Flamengo válida pela final da Taça Rio do campeonato Carioca de 2019, no estádio do Maracanã, zona norte da cidade, neste domingo (31/03)

Foto: RUDY TRINDADE/FRAMEPHOTO / Estadão Conteúdo

Com o resultado, o Vasco terá que disputar a semifinal do Estadual, contra o Bangu, no próximo fim de semana. Já o Flamengo terá pela frente o Fluminense. Tanto Vasco quanto Flamengo jogam pelo empate para avançarem para final do Estadual.

O jogo – A final começou movimentada, com o Flamengo chegando com perigo logo com um minuto. Ronaldo chegou an linha de fundo, mas cruzou para ninguém. O Vasco não se intimidou e buscava os avanços no toque de bola. Só que os cruzmaltinos pecavam nos passes e pouco incomodavam o goleiro César.

Enquanto o Vasco seguia tendo mais posse de bola, o Flamengo chegava com mais perigo no ataque. Tanto que aos 15 minutos, Vitinho recebeu passe na área e chutou em cima da zaga.

O panorama da partida seguia o mesmo. O Flamengo teve a melhor chance para abrir o placar aos 30 minutos, quando Thuler aproveitou escanteio, mas cabeceou pela linha de fundo, muito perto do gol de Fernando Miguel. O Vasco respondeu quatro minutos depois, com Tiago Reis. O atacante cabeceou cruzado para fora.

Tiago Reis marca gol durante Vasco x Flamengo, partida válida pela final da Taça Rio (Campeonato Carioca), realizada no estádio Maracanã, localizado na cidade do Rio de Janeiro, RJ, neste domingo (31).
Tiago Reis marca gol durante Vasco x Flamengo, partida válida pela final da Taça Rio (Campeonato Carioca), realizada no estádio Maracanã, localizado na cidade do Rio de Janeiro, RJ, neste domingo (31).

Foto: NAYRA HALM/FOTOARENA / Estadão Conteúdo

Os rubro-negros voltaram a assustar aos 35 minutos. Vitinho tentou o cruzamento, mas quase acertou o gol. Fernando Miguel estava atento e mandou para escanteio.

Nos minutos finais, o clássico teve seu momento de tensão quando Bruno Silva se chocou com Ricardo Graça e ficou estirado no chão. O volante não teve condição de continuar e deu lugar a Raul. Foi a segunda substituição do Vasco por conta de lesão já que Leandro Castán deu lugar a Ricardo Graça. Antes do intervalo, o Flamengo ainda assustou em duas oportunidades com Vitinho. Na primeira, a bola foi pela linha de fundo. Na segunda, Fernando Miguel fez boa defesa para manter o empate nos primeiros 45 minutos.

No segundo tempo, o Flamengo voltou melhor e pressionou o Vasco no início. No entanto, os rubro-negros não conseguiram transformar a posse de bola em lances de gol. os cruzmaltinos aproveitaram os espaços e criaram a primeira boa chance da etapa final aos nove minutos. Marrony arriscou da entrada da área e parou em boa defesa de César.

Só que na cobrança de escanteio, o Vasco abriu o placar. Tiago Reis se antecipou a marcação e cabeceou cruzado, sem chance para César.

O revés fez o Flamengo aumentar a intensidade no ataque. Os rubro-negros assustaram aos 14 minutos, em chute de Vitinho, mas Fernando Miguel fez a defesa. A resposta do Vasco veio com Rossi. Só que o atacante chutou fraco e facilitou a defesa de César.

Com o passar do tempo, os rubro-negros tentaram aumentar a pressão, mas sofriam para transpor a marcação cruzmaltina. O Vasco tentava avançar nos contra-ataques, sem qualquer sucesso. O Flamengo só conseguiu levar perigo aos 36 minutos, quando Arrascaeta aproveitou bate e rebate na área e chutou próximo ao gol.

Nos minutos finais, o Flamengo foi com tudo para cima e conseguiu o empate aos 46 minutos, com Arrascaeta, para levar a decisão para os pênaltis. Nas penalidades, Os rubro-negros levaram a melhor por 3 a 1 e conquistaram o título. Vitinho, Uribe e Arrascaeta converteram para os flamenguistas enquanto que apenas Danilo Barcelos fez para os vascaínos. Rossi, Tiago Reis e Werley desperdiçaram as cobranças.

FICHA TÉCNICA

VASCO 1 (1) X 1 (3) FLAMENGO

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 31 de março de 2019 (Domingo)

Horário: 16h(de Brasília)

Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá

Assistentes: Michael Correia e Silbert Faria Sisquim

VAR: Bruno Arleu de Araújo e Diogo Carvalho Silva

Cartões amarelos: Werley, Lucas Mineiro e Bruno César (Vasco); Trauco, Vinícius e Thuler (Flamengo)

GOLS

VASCO: Tiago Reis, aos 9min do segundo tempo

FLAMENGO: Arrascaeta, aos 46min do segundo tempo

VASCO: Fernando Miguel, Raul Cáceres, Werley, Leandro Castan (Ricardo Graça) e Danilo Barcelos; Bruno Silva (Raul), Lucas Mineiro, Bruno César (Thiago Galhardo), Marrony e Rossi; Tiago Reis

Técnico: Alberto Valentim

FLAMENGO: César, Rodinei, Rhodolfo, Thuler (Bill) e Miguel Trauco; Ronaldo (Vinícius), Hugo Moura, De Arrascaeta, Vitinho e Lucas Silva (Vitor Gabriel); Fernando Uribe

Técnico: Leomir (Auxiliar)

Gazeta Esportiva

 

Flamengo derrota o Atlético-MG e encosta nos líderes

Depois de alguns tropeços, o Flamengo voltou a dar alegrias aos seus torcedores. Em partida disputada na tarde deste domingo, no Maracanã, a equipe rubro-negra derrotou o Atlético-MG por 2 a 1, gols marcados por Willian Arão e Lucas Paquetá, em jogadas do lateral peruano Trauco; O gol do time mineiro foi marcado pelo zagueiro Leonardo Silva. O resultado fez o time da Gávea reassumir a terceira colocação com 48 pontos ganhos e voltar a sonhar com a liderança do Campeonato Brasileiro. O Atlético-MG, por sua vez, permanece com 42 pontos ganhos e segue afastado das primeiras posições. O Alético-MG é o sexto colocado.

O resultado refletiu o andamento da partida. O Flamengo saiu na frente no primeiro minuto, permitiu a reação do adversário na primeira etapa, mas desempatou no começo do segundo tempo e soube administrar a vantagem. O Atlético foi uma equipe sem qualquer inspiração durante a maior parte do jogo. O time alvinegro só incomodou a defesa adversária em jogadas de bola parada numa demonstração da fragilidade do seu ataque. Só nos minutos finais é que a equipe de Thiago Larghi partiu para o ataque e desperdiçou algumas chances para empatar.

Na próxima rodada, o Flamengo vai enfrentar o Bahia, na Fonte Nova; o Atlético-MG vai receber o Sport, no Independência.

Lucas Paquetá marcou o gol da vitória do Flamengo
Lucas Paquetá marcou o gol da vitória do Flamengo

Foto: Celso Pupo / Fotoarena / Estadão Conteúdo

O jogo

Logo no primeiro minuto de jogo, o Flamengo marcou. O peruano Trauco investiu pela esquerda em grande arrancada e cruzou para Willian Arão, livre na área. O meia rubro-negro bateu, de primeira, no canto direito de Víctor.

Desnorteado pelo gol sofrido no primeiro ataque do adversário, o Atlético não conseguia armar jogadas ofensivas e se limitava a trocar passes no meio campo sem causar danos à retaguarda da equipe da casa.

Motivado e contando com o apoio da torcida, o Flamengo criou nova situação de perigo aos oito minutos, Trauco, novamente, fez ótimo lançamento para Lucas Paquetá que tentou usar a cabeça para levar vantagem sobre a zaga, mas a bola correu demais e Victor fez a defesa.

Os atacantes da equipe carioca marcavam a saída de bola atleticana e os zagueiros eram obrigados a dar chutões para tirar a bola da defesa, prejudicando a ação dos meias e atacantes.

Aos 13 minutos, após cruzamento de Matheus Sávio, Henrique Dourado conseguiu colocar a bola nas redes, mas a arbitragem invalidou a jogada, marcando impedimento do Ceifador.

Aos 22 minutos, o Atlético-MG deixou tudo igual. Pará derrubou Fábio Santos ao lado da área. Luan levantou na área e Leonardo Silva subiu mais do que todo mundo para cabecear e colocar a bola nas redes cariocas.

Depois do gol de empate, o Atlético passou a controlar melhor o jogo e a trocar passes com mais objetividade, mas o Flamengo não reduziu seu ritmo, o que tornou o jogo mais equilibrado, com intensa disputa entre as duas intermediárias.

Aos 34 minutos, Maidana fez lançamento para Chará na área. O colombiano bateu forte para grande defesa de Diego Alves que evitou a virada do time mineiro.

Logo depois, o técnico Thiago Larghi decidiu alterar a forma de jogar da equipe e trocou o argentino Tomás Andrade pelo equatoriano Cazares.

Nos minutos finais da primeira etapa, o Flamengo voltou a ser mais ofensivo e empurrou o Atlético-MG para trás, mas encontrava dificuldades para concluir as jogadas.

Jogadores do Flamengo comemoram gol de Willian Arão
Jogadores do Flamengo comemoram gol de Willian Arão

Foto: André Fabiano / Código 19 / Estadão Conteúdo

No último lance importante do primeiro tempo, Cuéllar recebeu de Paquetá, na entrada da área, e chutou forte, mas a bola passou longe da trave mineira.

O Flamengo voltou para o segundo tempo com Vitinho na vaga de Matheus Sávio. E o primeiro momento de perigo aconteceu aos seis minutos quando Éverton Ribeiro acionou Vitinho e o atacante chutou forte, mas Emerson desviou para escanteio.

Aos oito minutos, o Flamengo passou à frente. A exemplo do que aconteceu no primeiro gol, Trauco fez boa jogada pela esquerda e cruzou para a cabeçada certeira de Lucas Paquetá.

Depois de desempatar , o Flamengo passou a atuar com mais tranquilidade, tocando a bola com inteligência, enquanto o Atlético errava muitos passes e não conseguia construir boas jogadas de ataque.

Aos 19 minutos, Paquetá recebeu de Vitinho, invadiu a área e se chocou com Luan. O jogador rubro-negro pediu a marcação de pênalti, mas o árbitro nada viu de irregular no lance.

O Atlético não conseguia se acertar e só aparecia nos erros do Flamengo, como aconteceu aos 20 minutos. O goleiro Diego Alves saiu jogando errado e Chará ficou com a bola, mas Trauco conseguiu evitar a conclusão do adversário. Dois minutos depois, Luan recebeu de Cazares e chutou forte, mas a bola saiu, levando perigo para o gol carioca.

Para defender o resultado, o técnico Maurício Barbieri tirou o atacante Henrique Dourado e colocou o volante Piris da Motta. Aos 30 minutos, o time mineiro, mesmo sem jogar bem, quase chegou ao empate. Após cruzamento de Fábio Santos, a bola desviou em Léo Duarte e bateu no travessão. O golero Diego Alves foi mais rápido do que os atacantes mineiros e ficou com o rebote.

Com três volantes, o Flamengo bloqueava a entrada da sua área e impedia que o time alvinegro chegasse ao ataque em boas condições para finalizar. O atacante Vitinho que havia entrado no intervalo, foi substituido por Marlos Moreno.

Sem outra alternativa, o Atlético-MG se lançou ao ataque e poderia ter chegado ao empate aos 44 minutos. Após cruzamento na área, a bola sobrou para o zagueiro Leonardo Silva que chutou com perigo, mas a bola saiu. No último minuto dos acréscimos, o Atlético-MG quase deixou tudo igual. Cazares bateu falta, a bola desviou em Réver e se chocou com o travessão.

Leonardo Silva comemora gol do Atlético-MG
Leonardo Silva comemora gol do Atlético-MG

Foto: André Fabiano / Código 19 / Estadão Conteúdo

FICHA TÉCNICA

FLAMENGO-RJ 2 x 1 ATLÉTICO-MG

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

Data: 23 de setembro de 2018, domingo

Horário: 16h00 (horário de Brasília)

Público: 36.018 pagantes

Árbitro: Rodolpho Toski Marques (Fifa-PR)

Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Victor Hugo Imazu dos Santos (PR)

Cartão Amarelo: Pará. Henrique Dourado(Fla); Emerson, Denilson(Atlet)

Gols:

FLAMENGO: Willian Arão no primeiro minuto do primeiro tempo e Lucas Paquetá, aos oito minutos do segundo tempo

ATLÉTICO-MG: Leonardo Silva, aos 22 minutos do primeiro tempo

FLAMENGO: Diego Alves; Pará, Réver, Léo Duarte e Trauco; Cuéllar, Willian Arão, Lucas Paquetá, Everton Ribeiro e Matheus Sávio(Vitinho)(Marlos Moreno); Henrique Dourado(Piris da Motta)

Técnico: Maurício Barbieri

ATLÉTICO-MG: Victor; Emerson, Léo Silva, Maidana e Fábio Santos; José Welison, Elias, Tomás Andrade(Cazares) e Luan(Edinho); Chará e Ricardo Oliveira(Denilson)

Técnico: Thiago Larghi

 

Gazeta Esportiva

Idoso é preso suspeito de atirar contra vizinho que comemorava derrota do Flamengo

Um idoso de 67 anos foi preso, na noite dessa quinta-feira (28), após atirar contra um vizinho que comemorava a derrota do Flamengo na Copa do Brasil, ocorrida no dia anterior. O caso aconteceu no bairro Castelo Branco, em João Pessoa.

Segundo a Polícia Ambiental, responsável por atender a ocorrência, a própria vítima acionou o telefone 190 da Polícia Militar. Quando a viatura chegou ao local, a vítima já não estava mais lá. O idoso foi detido em flagrante, com um revólver calibre 38, que tinha quatro munições intactas e uma deflagrada.

Porém, como a polícia não sabe se a vítima realmente foi ferida pelo disparo realizado, o suspeito foi autuado apenas por porte ilegal de arma de fogo.

Ao Portal Correio, o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena informou que não recebeu pacientes provenientes do Castelo Branco. A redação tentou contato com o Ortrotrauma em Mangabeira (Trauminha) – aonde a vítima também poderia ter sido atendida – mas as ligações não foram atendidas.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Fim da linha: após derrota na Ilha, Zé Ricardo deixa o comando do Flamengo

Zé Ricardo não suportou a sequência de jogos sem vitória. Na noite deste domingo, após derrota por 2 a 0 para o Vitória, na Ilha do Urubu, o treinador deixou o comando do Flamengo. Efetivado no dia 26 de maio de 2016, Zé ficou 432 dias à frente do Rubro-Negro, com 47 triunfos, 25 empates e 17 derrotas.

zé ricardo flamengo vitória (Foto: André Durão / GloboEsporte.com)

zé ricardo flamengo vitória (Foto: André Durão / GloboEsporte.com)

A pressão por parte dos torcedores pela saída de Zé Ricardo era enorme. Nesta manhã, o técnico novamente foi alvo de manifestações com o revés na Ilha. No jogo, ele testou uma formação mais ofensiva, com apenas um volante, dois meias e três atacantes. Porém, novamente a equipe não conseguiu se impor.

Policiamento reforçado na Ilha do Urubu depois da derrota do Flamengo para o Vitória

Policiamento reforçado na Ilha do Urubu depois da derrota do Flamengo para o Vitória

O presidente Eduardo Bandeira de Mello e Rodrigo Caetano, diretor executivo do futebol rubro-negro, sempre foram favoráveis à manutenção do comandante. O mantiveram quando o time foi eliminado na primeira fase da Libertadores, por exemplo, quando a pressão foi enorme. No entanto, as má exibições, aliadas a falta de resultado, pesaram.

O ano de 2017 começou com a conquista do Campeonato Carioca. Porém, a pressão tomou conta após a eliminação precoce da Libertadores, ainda na fase de grupos. Sem a competição internacional, a expectativa e cobrança no Brasileiro cresceu, mas o resultado não foi o esperado. Na 19ª rodada, o time ocupa a 5ª posição, a 18 pontos do líder Corinthians.

Zé Ricardo encerra a primeira experiência como treinador com 62,2% de aproveitamento e um título (Carioca).

Globoesporte.com

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Fortaleza vence o Belo, que sofre quarta derrota seguida na Série C do Brasileirão

Botafogo-PB e Fortaleza se enfrentaram em busca da reabilitação na Série C na noite desta sexta-feira (21), no estádio Almeidão, em João Pessoa. Jogando mal, o time paraibano sofreu a quarta derrota consecutiva e pode deixar o G4 no fim da rodada. Os dois gols da equipe adversária foram marcados por Bruno Melo. 

Jogando em casa, o Belo começou a partida tentando pressionar e, nos primeiros minutos, rondava bastante a área. Sem muita efetividade, mas controlava as ações do jogo. Mas logo na primeira chegada, o Leão do Pici abriu o placar. Aos 11 minutos, após cobrança de escanteio pela direita, Bruno Melo se antecipou e, no primeiro pau, desviou de cabeça e mandou no canto direito do goleiro para abrir o placar.

Depois do gol sofrido, a equipe pessoense sentiu a pressão e pouco conseguiu criar. A chance mais clara foi em um chute de fora da área de Cleyton, aos 14 minutos, que passou à direita da meta cearense. O Fortaleza se fechou e neutralizou as infiltrações botafoguenses, que aconteciam sempre pelo meio de campo, e assim conseguiu levar a vantagem para o intervalo do jogo.

No segundo tempo, o time da Capital seguia sem conseguir se organizar. O técnico Itamar Schülle voltou com Lito na vaga de Rafael Cruz, mas pouca coisa mudou. Sem conseguir criar, o Belo teve mais de 20 minutos para jogar com um jogador a mais, quando Jefferson foi expulso, aos 25 minutos. Mas ainda assim o time sofria com a criação e também com o visível nervosismo dos jogadores.

A única chance clara de empate no segundo tempo veio aos 42 minutos, quando depois de cruzamento da esquerda, a bola sobrou na grande área para Lito, que encheu o pé, mas mandou a bomba por cima do gol.

Já quase no final da partida, aos 48 minutos, Lito cometeu pênalti em Everton. Na cobrança, Bruno Melo mandou no meio do gol, marcou o segundo dele na partida e fechou o placar. Logo na sequência o árbitro apitou o fim do jogo.

 Voz da Torcida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Santos não tolera derrota para Corinthians e demite Dorival

Dorival Júnior não é mais técnico do Santos. A derrota para o Corinthians, em Itaquera, foi a gota d’água para a cúpula santista, que resolveu interromper o trabalho do treinador para buscar um novo profissional. Modesto Roma Júnior, presidente do clube, seguia com o pensamento de manter o treinador no comando da equipe, mesmo com o mau momento do time, mas acabou ficando isolado e cedeu à pressão de dirigentes, conselheiros e torcedores. Em uma reunião na tarde desse domingo, Dorival foi comunicado oficialmente e pessoalmente de sua demissão. Levir Culpi, sem clube atualmente, é um nome que agrada a diretoria do Peixe, mas ainda não houve qualquer contato. Por enquanto, Elano comandará o time de forma interina.

Foto: Sérgio Barzaghi / Gazeta Press

Desde o apito final no clássico deste sábado, o clima de instabilidade e incertezas passou a pairar na Vila Belmiro. Cartolas e pessoas influentes na rotina do clube passaram a trocar mensagens e ligações e até uma reunião chegou a ser feita na Baixada Santista durante a noite para avaliar qual postura seria adotada.

No CT Rei Pelé, o elenco foi recebido com muito protesto de torcedores que aguardaram a viagem da equipe de volta a Santos. A subsede do clube na Capital Paulista também amanheceu com pichações nos muros e portões, assim como já havia ocorrido durante o Campeonato Paulista, em reflexo a uma derrota para o Palmeiras.

Dorival Júnior não tinha qualquer problema com o elenco para desenvolver seu trabalho e contava com a confiança de Modesto Roma Júnior. O que pesou foi a pressão externa, que diante dos resultados insatisfatórios na temporada, se tornou insustentável para o mandatário santista. Mesmo contra vontade, Modesto foi convencido a demitir Dorival Júnior.

Em 2017, o Peixe conseguiu 15 vitórias, quatro empates e oito derrotas sob o comando do agora ex-treinador. Apesar do Santos ser o único clube brasileiro invicto na Libertadores da América e estar classificado na Copa do Brasil, a queda nas quartas de final do Campeonato Paulista, o início ruim no Campeonato Brasileiro e principalmente o fato de não ter vencido nenhum clássico no ano culminaram para um descontentamento quase que generalizado com o trabalho que vinha sendo feito.

Gazeta Esportiva

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Botafogo-PB derrota o Paraíba com um gol contra e dispara na liderança

perpetaoA fase definitivamente não anda nada boa para o Paraíba de Cajazeiras. Jogando em casa, precisando da reabilitação, o time perdeu para o Botafogo-PB por 1 a 0, com um gol contra marcado pelo zagueiro Correia, no segundo tempo.

O magro, mas importante placar, deixa o Belo ainda mais líder do Campeonato Paraibano. Para se ter uma ideia, o time pessoense encerrou a fase de jogos de ida, com 21 pontos, nove de diferença para o rival Auto Esporte, o quinto colocado.

O Paraíba, com mais esse revés, estaciona na lanterna da competição com apenas seis pontos positivos.

Os dois times só voltam a jogar pelo campeonato dia 1º de março. O Paraíba encara o Sousa, no Marizão. Já o Botafogo-PB enfrentará o Internacional-PB. Antes disso, o time tem jogo pela Copa do Nordeste, onde recebe o Sergipe, sábado, dia 25, no Almeidão. O Tricolor do Contorno é lanterna do grupo E, com apenas três pontos.

Ficha técnica:

Paraíba 0×1 Botafogo-PB  – Campeonato Paraibano (9ª rodada)

Estádio: Perpetão

Gol: Correia (gol contra, em favor do Botafogo-PB)

Paraíba: Ricardo, Apodi, Afonso, Correia, Arnold, Gleidson, G. Ítalo (Renatinho), Olavo, Cleitinho, Vavá (Jardel) e França (Daniel Piauí). Técnico: Alexandre Duarte

Botafogo-PB: Edson, Gustavo, Walber, Bruno Maia, Luiz Paulo; Djavan, Sapé (Warley), Tarcísio (Marcinho), Fernandes, Wanderson e Danillo Galvão (Fernandinho). Técnico: Itamar Schülle

paraibaonline

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Defesa falha e SP toma 4 gols do Audax em 1ª derrota do técnico Ceni

Na mesma Arena Barueri em que marcou seu 100º gol como goleiro em 2011, Rogério Ceni sofreu sua primeira derrota como treinador. Neste domingo, o Audax bateu o São Paulo por 4 a 2 e marcou negativamente o primeiro compromisso oficial do técnico tricolor no calendário brasileiro. Até então, o treinador havia disputado apenas a Flórida Cup, torneio amistoso nos Estados Unidos no qual empatou duas vezes e conquistou título contra o Corinthians nos pênaltis.

O Audax abriu dois gols de vantagem nos primeiros 10 minutos do primeiro tempo, com Marquinho e Pedro Carmona. O Tricolor foi às redes duas vezes com Chavez e empatou ainda antes do intervalo, aproveitando bronca de Fernando Diniz que parece ter desestabilizado o time de Osasco. No entanto, Felipe Rodrigues tocou de cabeça aos 9 da etapa complementar para garantir a vitória aos mandantes, e Pedro Carmona voltou a balançar a rede em cobrança de pênalti aos 29 para fechar a conta.

Marcello Zambrana/AGIF

Ceni promoveu duas mudanças em relação à equipe titular e campeã nos jogos da Florida Cup. O goleiro escolhido foi Sidão, com Denis no banco. Já na zaga, Douglas ganhou uma chance e Breno ficou como opção, com Rodrigo Caio adiantado como volante.

Apagão

Campeão paulista em 2016 diante do mesmo Audax de Fernando Diniz, o Santos de Dorival Júnior deixou o manual para quem quisesse superar o time de Osasco: posicionamento compacto e recuado. O São Paulo de Rogério Ceni fez o contrário no começo do jogo, uma vez que o técnico apostou inicialmente em uma defesa fechada com Maicon e Douglas – dois zagueiros de menor movimentação – e em um setor ofensivo veloz. Consequentemente, as linhas tricolores ficaram muito espaçadas e convidaram o adversário para a festa.

Lambança em portunhol

A bola não parecia tão ameaçadora quando espirrou na área do São Paulo aos cinco minutos. Porém, Maicon ficou para trás, Buffarini e Douglas bateram cabeça e ela sobrou redondinha pela direita para Marquinho, que só dominou e fuzilou a meta de Sidão para abrir o placar. Sua comemoração homenageou o garoto Tiago Linck, jovem embaixador do clube que nasceu sem os membros.

Quatro minutos depois, o golaço: os mesmos nomes do lance anterior voltaram a falhar enquanto assistiam a troca de passes do Audax, com direito a toque de calcanhar de Ytalo, culminando no chute rasteiro e no gol de Pedro Carmona.

Na etapa complementar, Bruno não subiu tanto quanto Felipe Rodrigues e viu os adversários comemorarem o terceiro tento, que já lhes devolvia a vantagem. Vinte minutos depois, Buffarini se complicou ainda mais ao cometer pênalti sobre Gabriel Leite, que havia acabado de entrar no lugar de Ytalo. Sidão não voltou a repetir o bom desempenho mostrado nos penais da Florida Cup: bola de um lado, goleiro do outro, e o quarto gol do Audax na rede.

Que bronca

O São Paulo encontrou menos dificuldades a partir do momento em que o time tricolor inteiro começou a subir para o ataque, diminuindo os espaços e buracos entre suas linhas. Foi assim que Cueva encontrou Chavez bem posicionado entre os zagueiros do Audax, que bobearam na linha de impedimento e deixaram o argentino livre para testar o goleiro Felipe Alves aos 29.

Antes que a bola voltasse a rolar no círculo central, as duas equipes aproveitaram a parada de hidratação para se reorganizarem junto aos seus treinadores. Diferente de Rogério Ceni, Fernando Diniz se exaltou e brigou bastante com seus defensores, em especial André Castro e Betinho.

Reprodução

O problema é que a bronca parece ter desestabilizado a zaga mandante, já que Chavez fez o que quis para passar pela marcação e só chutou cruzado para empatar aos 36. Constantemente exaltado, Fernando Diniz ainda foi expulso pela arbitragem no segundo tempo.

Ficou só na lembrança

“Voltar aqui a Barueri, estádio com bons jogos, boas histórias… Muito gostoso”, disse Ceni ao Premiere antes do apito inicial. No dia 27 de março de 2011, o então goleiro marcou em cobrança de falta o seu 100º gol sobre o Corinthians nesta mesma Arena Barueri. Por pouco, Cueva não repetiu os passos do comandante com boa cobrança de falta que explodiu no travessão – e os poucos torcedores nas arquibancadas “pediram” que a cobrança fosse executada por Rogério. Mas as lembranças desse domingo não devem entrar para o rol de favoritas de Rogério…

Como foi Sidão?

Sidão teve os direitos econômicos adquiridos pelo São Paulo junto ao… Próprio Audax. O goleiro disputou o último Campeonato Brasileiro emprestado ao Botafogo, mas esteve no elenco de Fernando Diniz que se sagrou vice-campeão paulista em 2016, eliminando o próprio Tricolor pelo caminho. Titular neste domingo com vantagem sobre Denis, o camisa 12 esteve tão desorientado nos dois primeiros gols adversários quanto o restante da zaga. Uma vez passado o susto inicial, fez boas defesas em chutes de longa distância e não voltou a comprometer.

Ytalo deixou saudade?

Contratado pelo São Paulo junto ao Audax em maio de 2016 como “reforço para a Libertadores”, o atacante Ytalo refez seu caminho e voltou a defender o time de Osasco. Neste domingo, o camisa 9 se limitou a participar das triangulações ofensivas de sua equipe, sem testar as luvas de Sidão. Mas o toque de calcanhar para o primeiro gol de Pedro Carmona foi muito bonito e deve trazer calafrios aos são-paulinos.

Dono da camisa 9

Apesar de ser o jogador do elenco que mais fez gols em 2016 (dez em 25 jogos), Chavéz era pressionado. Logo quando assumiu o comando do time, Rogério Ceni pediu a contratação de um centroavante. O clube negociou com Calleri, Colmán e sondou Nilmar. Agora, sonha com Lucas Pratto. Por outro lado, Gilberto ganhou chance nos testes de pré-temporada. Chavéz, por sua vez, recebeu propostas da China. Mas no primeiro jogo do estadual, o argentino deu conta do recado e marcou dois gols.

Boicote a Vampeta

A torcida são-paulina prometeu e cumpriu. Em represália ao presidente do Audax, o ex-jogador corintiano Vampeta, os tricolores não foram à Arena Barueri prestigiar a estreia de Rogério Ceni. Os torcedores ficaram revoltados com o fato de Vampeta querer lucrar com o jogo e colocar o ingresso mais barato a R$ 100. Com isso apenas 2.219 pessoas compareceram ao estádio. O gramado seco e com alguns buracos também chamou a atenção. A declaração do próprio ex-goleiro ao dizer que “o Morumbi sempre será o melhor palco para qualquer tipo de apresentação” reforça a ideia da torcida de considerar o jogo de domingo que vem (12) no Morumbi como a verdadeira estreia do ídolo.

FICHA TÉCNICA
AUDAX 4 X 2 SÃO PAULO

Data e hora: 05 de fevereiro de 2017, domingo, às 17h00 (de Brasília)
Local: Arena Barueri, em Barueri (SP)
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Daniel Paulo Ziolli
Público e renda: 2.219 pessoas; R$ 102.288,00
Cartões amarelos: Pedro Carmona, André Castro (Audax); Rodrigo Caio (São Paulo)
Gols: Marquinho, aos cinco minutos, Pedro Carmona, aos nove do primeiro tempo e aos 29 do segundo, e Felipe Rodrigues, aos nove do segundo (Audax); Chavez, aos 29 e aos 36 do primeiro tempo (São Paulo)

AUDAX: Felipe Alves; Felipe Rodrigues, André Castro (Magal), Betinho e Marquinho; Danielzinho, Léo Artur e Pedro Carmona; Hugo, Denilson (Matheus Vargas) e Ytalo (Gabriel Leite)
Técnico: Fernando Diniz

SÃO PAULO: Sidão; Bruno, Maicon, Douglas (João Schimidt) e Buffarini; Rodrigo Caio, Thiago Mendes, Cueva, Wellington Nem (Cícero) e Luiz Araújo; Chavez (Gilberto)
Técnico: Rogério Ceni

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br