Arquivo da tag: dentes

4 verdades e um mito sobre dentes tortos

Dentes tortos são acusados de causar dor de cabeça, cáries e até dor nas costas. Confira o que é verdade e o que é mito sobre o assunto

dentesA maioria das pessoas buscam realinhar os dentes por uma questão de estética, mas para os dentistas, dentes perfeitos são uma consequência de uma saúde bucal plena.  Dor de cabeça, dor nas costas, gengivite, cáries, apneia…  A partir das dúvidas dos nossos leitores, selecionamos algumas para checar com especialistas o que é mito e o que é verdade sobre os dentes tortos.

Dentes mal alinhados podem causar dor de cabeça ou dor de ouvido – Verdade.

“A presença de dentes tortos ou a má posição dos dentes pode afetar a articulação temporomandilbular (ATM). Essa articulação fica na frente dos ouvidos e é responsável pelos movimentos mandibulares (abertura, fechamento e mastigação). Um dos fatores que mais protege essa articulação é o encaixe perfeito ou equilibrado dos dentes. Se o funcionamento da ATM estiver prejudicado, pode causar fortes dores de cabeça, enxaqueca e também dores de ouvido. Isso acontece porque a região atrás dessa articulação é muito enervada”, explica a dentista Jacqueline Schneider (CRO-SP: 6626), especialista em Prótese Dentária e Implante pela ABO/CE, da Well Clinic.

Dor nas costas pode ter origem nos dentes tortos – Verdade.

Segundo Jacqueline, “Pacientes com dentes desalinhados podem sim ter dores de coluna e isso estar associado. O corpo humano funciona como uma grande engrenagem e um dos principais eixos do nosso organismo é a articulação tempromandibular,  e o equilíbrio dela está associado ao posicionamento dos dentes e outros fatores. Quando os dentes estão tortos, não estão encaixando de maneira correta, a articulação fica desequilibrada e isso acaba se estendendo por toda a coluna, influencia na postura do paciente e pode estar ocasionando dores na coluna”.

Dente torto apresenta mais chance de desenvolver gengivite e cáries – Verdade.

Sim, isso acontece porque os dentes mal posicionados apresentam maior dificuldade para serem higienizados e retém mais alimentos. “Uma das principais causas da gengivite é a retenção alimentar que não é removida pelo paciente. Existem situações em que o desalinhamento dental é tão severo que impede uma limpeza de 100% dos restos alimentares, condenando o paciente a uma gengivite eterna”, alerta Mauro Macedo (CRO-PE: 5318), especialista em Estética Bucal e mestre em Ortodontia, Ortopedia dos Maxilares e Implantes, da Clínica Odontológica Dr. Mauro Macedo.

Respirar pela boca pode provocar o mau alinhamento dos dentes ou da arcada dentária – Verdade.

Para Mauro, “o mau posicionamento dos dentes é uma consequência do respirador bucal. O paciente respirador bucal tem como características faciais a protusão maxilar,  desvio de fonação, de glutição, mordida cruzada e o ressecamento de lábios, entre outros”.

Dentes tortos podem causar ronco e apneia –  Mito.

Na verdade, ambos os problemas são causados por uma série de fatores, explica Mauro. “Entre eles, pode estar a apneia e o ronco podem estar relacionada à formação dos ossos dos maxilares, por exemplo”, avalia ele.

Aparelho ordotodôntico
iStock

Aparelho ordotodôntico

Sorriso novo requer uso de aparelhos

Por tudo que vimos acima, o realinhamento dos dentes não é uma questão restrita para adolescentes, podendo ser realizado por pessoas já na idade adulta. E hoje há uma ampla oferta de opções para quem quiser renovar o sorriso.

“A primeira coisa que o profissional irá analisar é se o problema é de origem dentária ou esquelética. No primeiro caso, os problemas são causados pelo mau posicionamento dente; já no segundo, o desalinhamento pode ou não estar ligado a problemas dentários”, conta Mauro.

Desalinhamentos de origem dentária poderão ser corrigidos por meio de aparelhos fixos ou móveis. “Esses aparelhos podem ser feitos de várias maneiras: ortodontia convencional, através de aparelhos fixos e a ortodontia através dos alinhadores invisíveis – o paciente usa esse tipo de aparelho removível, extremamente discreto e consegue promover o alinhamento dentário”, avalia  Jacqueline.

Já o desalinhamento de origem esquelética irá precisar de aparelhos ortopédicos, de “mascaramento” com aparelhos ortodônticos ou por meio de cirurgias ortognáticas.

O tempo para correção do alinhamento irá depender da severidade do caso.  Há casos em que a correção pode ocorrer em um período de até seis meses, mas os mais graves podem levar de dois a três anos.

 

iG

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Queda dos dentes de leite: entenda os cuidados necessários nessa fase

dents-de-leiteAs crianças possuem 20 decíduos, ou os chamados dentes de leite. São dez na arcada superior e dez na arcada inferior. Esses dentes são formados por coroa, raiz e tecido pulpar na parte interna, conhecida como canal ou polpa do dente, sendo assim, compostos por estruturas semelhantes aos dentes permanentes, mas diferentes no tamanho e formato anatômico.

O início da troca dentária ocorre em média na faixa dos cinco aos sete anos de idade com os incisivos centrais inferiores e é uma fase que envolve grande ansiedade por parte dos pais e das próprias crianças, devido à medo, dúvidas e insegurança. Além do fator envolvendo uma nova fase de maturidade, já que a queda dos primeiros dentes acaba sendo para os mais novos uma prova de que estão crescendo e que já não são meras crianças. E aos olhos dos pais também, pode ser de difícil aceitação o fato de que seus filhos não são mais “bebês”.

Muitas crianças se sentem orgulhosas e ansiosas quando estão prestes a perder um dentinho, mas outras podem se sentir envergonhadas de ficarem “banguelas”. Os pais devem ajudar agindo naturalmente e incentivar a criança dizendo que irá cair um dentinho para nascer um “novo e bem bonito” no lugar deste, explicando que é um processo natural, que seus amiguinhos da escola também estão trocando os dentes e também ganharão uma “janelinha”. Outra ideia que pode ser usada como opção, é a mãe tirar fotos do novo sorriso para colocar no álbum de fotos, e assim, fazer com que a criança entenda que ela está evoluindo.

É importante evitar que a criança fique colocando a mão suja na boca tentando amolecer o dente, porque isso acaba levando mais microrganismos e deixando a região inflamada. O ideal é que o dente caia naturalmente, caso contrário, precisará de avaliação de um profissional.

Geralmente, os primeiros dentes a cair são os anteriores, seguidos pelos caninos e depois os posteriores, mas pode existir alterações nessa ordem. É importante salientar que os primeiros molares permanentes nascem aos seis anos de idade, atrás do último dentinho de leite (segundo molar decíduo), sem que haja a troca. Porém algumas mães ficam surpresas quando vão ao consultório e ficam sabendo que estes são dentes permanentes.

Normalmente o que faz o dente de leite cair é a pressão exercida pelo seu sucessor permanente, sendo que ele poderá aparecer logo em seguida ou em até um mês depois. Nos casos mais demorados, pode estar ocorrendo por falta de espaço para o dente que está nascendo ou devido a gengivas muito fibrosas, e então, deve ser acompanhado de perto por um profissional especializado, pois podem ter outros fatores impedindo os dentes de erupcionar corretamente.

O processo da perda dos dentes de leite ocorre naturalmente e de maneira fisiológica por meio de reabsorção da sua raiz pelo dente permanente que irá erupcionar em seu lugar. Muitas vezes eles caem durante a alimentação, escovação ou até mesmo sozinho. Se os dentes estiverem em sua correta posição e com espaço adequado na arcada, o dente permanente segue um determinado caminho de erupção de encontro à raiz do dente de leite de modo que vai gradualmente estimulando sua reabsorção, até que toda a raiz que está inserida no osso seja perdida. Assim o dente decíduo vai tendo sua mobilidade aumentada até que acaba permanecendo somente a coroa inserida na gengiva.

É comum, portanto, ter um leve desconforto gengival acompanhado de um pequeno sangramento na região que envolve o dente que está prestes a cair ou após a perda dentária. Neste último caso, pode ser feita um bolinha de algodão ou gaze para que a criança fique mordendo por 5 minutos até que cesse o sangramento. É muito importante que os pais entendam que é um processo natural e mantenham a calma e a serenidade para que a criança não fique nervosa ou apreensiva.

Em alguns casos, os dentes podem encontrar alguma dificuldade para cair e isso pode estar relacionado a diversos motivos, entre eles:

  • Perda do caminho de erupção do dente permanente, que acaba por não reabsorver por completo a raiz do dente decíduo
  • Arcada muito pequena e/ou estreita, em que os dentes não tenham seu devido espaço
  • Falta de estimulo mastigatório do dente em questão
  • Forte inserção de fibras gengivais.

O estímulo do dente através da mastigação de alimentos duros e fibrosos auxilia esse processo e é importante para que tudo ocorra na sua correta cronologia. Em algumas situações pode ser necessário a intervenção de um odontopediatra para auxiliar nesse processo e com um exame clínico e/ou radiográfico irá avaliar a indicação de fazer a remoção dentária com o uso de anestésicos.

A higiene e os cuidados necessários

A importância da boa higiene mesmo nos dentes que estão com muita mobilidade e prestes a caírem também deve ser ressaltada. Isto é significativo para que a criança não fique incomodada devido a uma possível inflamação acompanhada de sangramento gengival no local e para proteção dos dentes permanentes contra cáries. Os dentes permanentes também devem receber cuidados especiais, porque são dentes que ficarão para a vida toda.

Os dentes de leite podem cair antecipadamente, fora do período normal, por causa de algum trauma na região, por quedas, ou batidas na face ou até mesmo por lesões de cáries. Esses casos devem ser avaliados e acompanhados por um profissional, pois podem causar uma série de problemas como alteração na posição de língua atrapalhando a fala, mastigação e deglutição; perda do espaço ideal para o dente permanente, causando problemas nos encaixe das mordidas; acarretar em algum dano psicológico na criança por ficar sem os dentes antes da fase em que os amigos ficarão e muitas vezes ao se sentirem envergonhadas, ficam inibidas socialmente.

Por isso, a minha dica fundamental é que a criança tenha um acompanhamento profissional desde os seus primeiros meses.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Saiba como proteger os dentes dos seus filhos desde a primeira infância

dentes-bebeMais da metade (53%) dos brasileiros de até 5 anos já tiveram cárie, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde Bucal, de 2010. Preservar a integridade dos dentes de leite tem enorme impacto na saúde. Esses dentinhos temporários estão associados ao desenvolvimento da mastigação, fala, deglutição, respiração e estética. “Sua perda precoce pode causar má oclusão, pois eles são responsáveis por ‘guardar o espaço’ para os sucessores permanentes”, diz Cássia Cilene Dezan Garbelini, professora da Bebê Clínica da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Pais e responsáveis devem cuidar da limpeza dos dentes dos pequenos de até 3 anos, aproximadamente. “Depois disso, é preciso supervisionar a criança até ela realmente dar conta de fazer a escovação sozinha, por volta dos 7 anos”, afirma Helenice Biancalana, odontopediatra da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD).

Com paciência e jogo de cintura, é possível transformar a limpeza em um momento divertido do dia. Cantar músicas e usar escovas de dente coloridas ajuda a entreter e motivar os pimpolhos. E não basta falar: é preciso dar o exemplo. “Diversos estudos têm mostrado a associação entre os hábitos de higiene bucal de pais e filhos”, aponta Jenny Abanto, professora de odontopediatria da Fundação Faculdade de Odontologia (Fundecto).

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

7 alimentos que ajudam na saúde dos dentes e gengiva

dentesAlguns alimentos podem ajudar suas gengivas e dentes saudáveis. Para saber quais sã esses alimentos, confira a nossa lista:

1. Vitamina C

A falta de vitamina C causa sangramento das gengivas e diminuição da massa óssea, o que pode levar a perda dos dentes. Mas é bom não exagerar no consumo de alimentos muito ácidos – como a laranja e o abacaxi, ricos em vitamina C – que causam desmineralização e deixam o dente mais poroso. E, ao tomá-los, use canudinhos, impedindo o contato direto com os dentes.

2. Alimentos fibrosos

A mastigação de alimentos ricos em fibras, além de contribuir para a saúde gastrointestinal, tem a capacidade de promover a autolimpeza dos dentes, evitando a formação de placa bacteriana, a causadora de cáries e gengivite.

3. Leite e derivados

O cálcio presente no leite e derivados dele é essencial para garantir ossos fortes e saudáveis. E o mesmo vale para os dentes. O nutriente é parte da composição dos dentes e, em níveis adequados, garante uma boa saúde a eles, principalmente durante a sua formação.

4. Água

O consumo de água (com gás ou não) é importante para eliminar detritos, açúcares e ácidos. Além disso, a água das grandes cidades é fluoretada, que reforça a resistência do esmalte do dente. Quando ingerido durante a formação dos dentes, isso é, até os doze anos de idade, o flúor torna os dentes muito mais resistentes à cárie por toda a vida.

5. Chiclete sem açúcar

Mascar chicletes sem açúcar entre as refeições estimula a formação de saliva, o que contribui para a limpeza dos dentes.

6. Alimentos crus

Para mastigar alimentos crus, geralmente é necessário fazer mais força com os ossos da mandíbula e do maxilar. Essa força deixa os ossos que sustentam os dentes mais fortes, garantindo firmeza a eles.

7. Vitamina D

O papel mais conhecido da vitamina D é sua atuação na absorção dos minerais cálcio e fósforo, relacionados à formação óssea. A vitamina D aumenta a eficiência da absorção intestinal de cálcio em até 40% e a de fósforo em 80%.

Fonte: Minha Vida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Saiba quais são os cuidados com os alimentos que mancham os dentes

dentesO que proporciona cor aos dentes é a dentina, tecido que está logo abaixo do esmalte dental, que por sua vez é a camada mais externa e protetora. “Indivíduos podem ter os dentes naturalmente escuros ou amarelados e esse fato não parece ser influencia pela ingestão de alimentos e ou bebidas excessivamente coradas”, afirma a cirurgiã-dentista Maristela Lobo, especializada em odontologia estética.

Porém, alguns outros alimentos de fato podem fazer com que os dentes fiquem manchados ou amarelados. Há dois tipos de alimentos que proporcionam este problema. Os que possuem a pigmentação excessiva, como o café e o suco de uva, e aqueles que são muito ácidos, como as frutas cítricas e as bebidas alcoólicas.

A combinação entre esses dois alimentos favorece ainda mais as manchas nos dentes. Entenda por que essas comidas e bebidas podem levar a manchas e cor mais escura dos dentes e saiba o que fazer para prevenir e tratar o problema.
Alimentos que mancham os dentes devido à coloração
Alguns alimentos possuem excesso de pigmentação. “Apesar de não parecer, o esmalte do dente é poroso, quando essas comidas e bebidas são consumidas com frequência e a higienização não é correta os dentes podem ficar manchados”, explica o cirurgião-dentista Marcos Moura, presidente da Associação Brasileira de Halitose.

Confira quais são os principais alimentos que podem causar as manchas nos dentes:

Café
Chá
Açaí
Beterraba
Vinho tinto
Molho de soja (shoyo)
Catchup
Mirtilo (blueberry)
Suco de uva
Refrigerante.
Alimentos que mancham os dentes devido à acidez
Alimentos excessivamente ácidos também favorecem as manchas nos dentes. “Isto porque quando eles são consumidos com frequência fazem com que o ambiente bucal fique ácido que por sua vez potencializa a maior captação de pigmentos por parte dos dentes”, diz a cirurgiã-dentista Maristela Lobo, especializada em odontologia estética.

O ambiente bucal ácido favorece essa maior captação de pigmentos porque leva a desmineralização da superfície do esmalte, ou seja, danifica o esmalte do dente. Isso será corrigido pela própria saliva que realiza a ação remineralizadora devolvendo minerais como o cálcio, fosfato e flúor ao dente.
Quando o esmalte é afetado, o dente fica mais sensível aos pigmentos. “Durante o processo de remineralização pigmentos podem ser incorporados ao dente, principalmente se eles estiverem presentes com frequência na saliva”, constata Lobo. Por isso, evite consumir um alimento ácido e logo depois um com pigmentação forte, por exemplo, tomar um suco de limão e depois um cafezinho.

Alguns alimentos muito ácidos são frutas cítricas, como o limão, a laranja, o kiwi, abacaxi e mexerica, e bebidas alcoólicas. Vitaminas efervescentes também são excessivamente ácidas.

Cuidados após o consumo dos alimentos
Um dos cuidados após ingerir os alimentos com pigmentação forte ou muito ácidos é fazer um bochecho com água. “Também procure escovar os dentes cerca de 10 a 20 minutos depois da ingestão de alimentos ácidos, assim você evita a abrasão das superfícies desmineralizadas e permite a ação remineralizadora da saliva”, diz Lobo.

Isto significa que dar um tempo irá evitar que a escovação lesione ainda mais o dente que já estava prejudicado pelo ambiente ácido e permitirá que a saliva tenha tempo de corrigir o problema.
Escovar os dentes evita que eles manchem
Primeiro, é essencial realizar a higiene bucal adequada, escovando os dentes após cada refeição. “Quando isso não acontece, o dente pode perder minerais, o que faz com que a proteção dentária, o esmalte, seja danificada, tornando o dente mais poroso e assim mais suscetível à ação de alimentos pigmentados e que consequentemente mancham os dentes”, explica o cirurgião-dentista Alexandre Bussab.

Procure visitar o dentista de seis em seis meses. Esse profissional irá realizar uma limpeza dental e assim ajudar a prevenir o aparecimento de manchas e polimentos para remover a manchas mais externas. “Ingira os alimentos que mancham os dentes com moderação. No caso do café, opte pela versão de café com leite”, orienta Moura.
Clareamento dental é opção para dentes manchados
Quando o dente já está manchado ou amarelado uma opção para resolver o problema é o clareamento dental. “O procedimento oferece a possibilidade de clarear os tecidos mais internos do dente por meio da ação oxidante do peróxido de hidrogênio, a qual quebra as moléculas de pigmento em moléculas menores, favorecendo a reflexão de luz. Assim, o dente aparenta ser mais claro”, explica Lobo.

Dentes que estão sendo clareados com substâncias à base de peróxido de hidrogênio, ou que passaram por técnicas clareadoras recentemente, ficam transitoriamente mais porosos em sua superfície e, portanto, mais suscetíveis à pigmentação. Por isso, é importante tomar algumas medidas mais rígidas quanto à alimentação durante e após um clareamento.
Não fumar é essencial após o clareamento
Durante e após o clareamento é importante que a pessoa evite o cigarro e batom vermelho, isto porque eles também podem manchar os dentes. Além disso, os alimentos excessivamente corados e os ácidos também devem ser evitados e não apenas ter o seu consumo restringido. “As recomendações mais específicas para cada tipo de clareamento são dadas pelo cirurgião-dentista”, observa Lobo.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Sete inimigos dos dentes bonitos e saudáveis

Certas atitudes e hábitos são verdadeiros inimigos para quem deseja ter dentes saudáveis e bonitos. Para identificar quais são eles, ouvimos os dentistas Edson Saleme Junior (CRO-MG 30665), Renan Cavanha Rossi (CRO-SP 116162) e Roberto Abdalla Jr. (CRO-SP 67232).

1 – ‘Alimentar’ bactérias
A alimentação é o principal fator que devemos atentar quanto à saúde dos dentes. O acúmulo de restos de alimentos compostos por carboidratos simples como doces, bolos, massas e até frutas são o prato preferido das bactérias que vivem na boca e produzem os ácidos que causam as cáries.

 “Quando as cáries se instalam, elas oferecem condições para que bactérias mais agressivas possam atuar na boca, causando o tártaro e posteriormente a gengivite”, alerta Edson. A prevenção é fácil: escovação com pasta com flúor, de cerdas macias e uso do fio dental, se não em todas as refeições, ao menos na higienização noturna.

2 – Corantes
Café, açaí, beterraba e vinho e outros alimentos ricos em corantes podem pigmentar os dentes. No caso das bebidas, Renan recomenda que o consumo seja intercalado com água. Já no caso dos alimentos, a solução é escovar os dentes logo após as refeições.

3 – Alteradores do PH 
Refrigerantes, isotônicos e alimentos ácidos alteram o pH (índice que mede a acidez, alcalinidade ou neutralidade) da boca, tornando-o mais ácido – o ambiente bucal mais ácido favorece a ação das bactérias causadoras da cárie. Por isso, é indicada a higienização da boca na sequência.

O contato com itens ácidos é tão danoso para os dentes que até a prática de natação em piscinas entrou para o radar dos dentistas: “O cloro usado na água da piscina também pode prejudicar o esmalte dos dentes. O indicado é que a pessoa escove os dentes na sequência da atividade física com pasta com flúor”, recomenda Roberto.

4 – Escovação errada
Quem acredita que escovar os dentes muitas vezes por dia ou com mais força é a melhor conduta erra.

“Escovar os dentes muitas vezes ao dia não é recomendado. E escovação não é força, é técnica para que sejam atingidas todas as faces do dente (frente, posterior, em cima ou embaixo, e entre os dentes). Quando é aplicada força, o organismo entende aquilo como uma agressão, causando a retração do osso e da gengiva, o que torna a sustentação do dente mais frágil. Ninguém vai ficar 15 minutos escovando os dentes, mas de três a cinco minutos é o ideal”, analisa Renan.

5 – Não trocar a escova
A troca constante da escova de dente é fundamental, embora bastante negligenciada. Uma vez que as cerdas comecem a esgarçar é hora de trocar, o que acontece, em média, a cada dois meses. Quem usa aparelho, nota um desgaste mais intenso, precisando trocar a escova a cada 30 dias.

Hábitos corriqueiros podem provocar cáries e abrir nossas defesas para a chegada de doenças
iStock

Hábitos corriqueiros podem provocar cáries e abrir nossas defesas para a chegada de doenças

6 – Roer unhas, ranger dentes
No quesito hábitos, roer as unhas ou ranger os dentes também é prejudicial porque agrava o desgaste dos dentes, causando fraturas invisíveis, que podem aumentar com o tempo. Ações como usar os dentes como ferramenta para cortar fios, abrir garrafas, ou morder canetas e lápis, ou ainda mastigar alimentos muito duros, como o gelo, podem causar o mesmo malefício.

7 – Tabaco
O cigarro é um grande arqui-inimigo da saúde bucal. Ele causa o amarelamento dos dentes, devido aos pigmentos contidos em sua formulação. Também causa a vasoconstrição, ou seja, diminui a circulação de sangue na gengiva.

“O tabaco causa 50 doenças diferentes, havendo muitos casos de doenças periodontais, que podem evoluir até para a perda do dente. Um fumante tem três vezes mais chances de ter doenças na boca que um não fumante”, conclui Roberto.

iG

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Saiba quais são os alimentos que deixam seus dentes mais feios

Getty Images
Getty Images

O segredo do sorriso perfeito não está somente na escovação e na visita regular ao dentista. O cardápio também pode comprometer não só a saúde, como a beleza dos dentes. O UOL conversou com especialistas para saber quais tipos de comida causam esse problema.

Dentes amarelados

Segundo a dentista Juliana Ayoub, todos os alimentos que contêm corantes, sejam naturais ou artificiais, podem amarelar os dentes se forem consumidos em excesso. “Alguns exemplos que temos é a beterraba, molhos como de tomate, catchup, molhos escuros (como molho madeira), suco de ameixa e de uva e vinho. Lembrando que o consumo da fruta em si não mancha”, diz a profissional. Outras bebidas como café, refrigerantes de cola e chás podem escurecer os dentes por conter substâncias que colorem o produto.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Aparência desgastada

Juliano Jacinto, gerente de odontologia da clínica Care Plus, afirma que alimentos ácidos podem corroer o esmalte dentário. Entre eles estão os refrigerantes, bebidas energéticas, molho de tomate e sucos de frutas industrializados. Juliana acrescenta ainda os alimentos em conservas, que contêm vinagre altamente ácido. Frutas cítricas também podem danificar a estrutura dos dentes.

Limpeza difícil

Alguns alimentos são considerados vilões por ficarem grudados ou por seus pedaços entrarem em locais mais difíceis de limpar. Exemplo disso são os doces, balas e bolachas. Além disso, esses produtos são ricos em açúcar e fazem com que as bactérias existentes na boca produzam ácidos que ajudam no aparecimento de cáries.

O que fazer?

Prevenção e consultas regulares ao dentista ainda são as melhores opções para manter o sorriso bonito. “Vale lembrar que não precisa eliminar totalmente esses alimentos da rotina para ter um lindo sorriso, eles apenas devem ser consumidos com moderação”, diz Juliana. Jacinto lembra ainda que existem alimentos “amigos” dos dentes, tais como a maçã (é fibrosa e limpa o dente) e derivados do leite (fortalecedores do esmalte, visto a concentração de cálcio).
Uol

Campanha pede que crianças doem dentes de leite em prol da ciência

denteDentistas estão convocando as crianças a abandonarem o hábito de deixar seus dentes de leite para a “fada do dente”.

Em vez disso, sugerem que elas os doem para a ciência. A campanha para estimular a doação de dentes de leite será lançada no 17º Congresso Latino-americano de Odontopediatria, que começa nesta quinta-feira (21) em São Paulo.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Os dentes doados são importantes para a formação dos alunos do curso de odontologia e também são imprescindíveis para pesquisas na área, segundo José Carlos Imparato, professor da Faculdade de Odontologia da USP e coordenador do Banco de Dentes Humanos da instituição.

No ensino, os dentes doados são usados para que os estudantes pratiquem e aprimorem determinadas técnicas antes de aplicá-las nos pacientes. Já na pesquisa, os dentes são usados para testar novos materiais odontológicos desenvolvidos por cientistas. “Você precisa muitas vezes de dentes humanos para servir como substrato, para que simulem as condições da cavidade bucal”, diz Imparato.

O dentista enfatiza que tanto o ensino quanto a pesquisa necessitam de uma quantidade muito grande de dentes. Uma única disciplina da graduação – por exemplo, a de endodontia, sobre tratamentos de canais – exige que cada aluno tenha nove dentes para o treinamento. “Se levarmos em conta que cada turma tem 50 alunos e que no Brasil há mais de 300 cursos de odontologia, temos uma ideia de como a demanda é grande.”

Comércio ilegal
O Banco de Dentes Humanos da USP foi criado em 1992 seguindo a legislação que rege os bancos de órgãos. Segundo Imparato, foi o primeiro banco do tipo no Brasil. Desde então, outras instituições têm criado bancos semelhantes para abastecer seus cursos e pesquisas.

Antes disso, segundo Imparato, era comum que os professores exigissem dos alunos uma determinada quantidade de dentes para cada disciplina e os estudantes acabavam recorrendo ao comércio ilegal. “Os alunos tinham que comprar muitas vezes em cemitérios ou em clínicas e ficavam expostos a situações de comércio ilegal de órgãos. Isso, infelizmente, ainda existe e configura infração penal”, diz Imparato

180 Graus

Uso inadequado de escova de dentes pode causar doenças

escovacaoTer uma correta higienização oral é fundamental para a saúde. Escovar os dentes após as refeições – pelo menos três vezes ao dia -, antes de dormir e utilizar o fio dental ajudam a prevenir doenças nos dentes, língua e gengivas. Porém, muitas pessoas esquecem ou não sabem como cuidar corretamente do principal objeto desse processo: a escova.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O cuidado com a escova de dentes é imprescindível. É comum deixá-la exposta na pia do banheiro ou em ambientes úmidos, sem qualquer proteção das cerdas. O problema é que, com esse costume, a pessoa pode levar à boca uma quantidade considerável de bactérias. Quando não está protegida adequadamente, as cerdas expostas acumulam microorganismos lançados no ar, sendo alguns provenientes do vaso sanitário.

A lista de doenças causadas por bactérias acumuladas na escova é grande. Periondotite, candidíase, gengivites, cáries e até diarreia. O problema, aparentemente simples, pode agravar e causar doenças graves cardiopatias e pneumonias.

Para tentar amenizar esse acúmulo, é aconselhável o uso de protetores ou até mesmo guardá-las fora do banheiro. O cirurgião-dentista, Marcelo Pimenta, orienta como se deve guardar a escova. “Ela deve ser colocada em um recipiente fechado e a uma distância de pelo menos dois metros do vaso sanitário. É importante, também, deixar a tampa do vazo sanitário sempre abaixada na hora da descarga e quando não estiver em uso”.

Mas tampar o recipiente ou mantê-la em armários fechados resolve o problema apenas em parte. Isso porque ambientes abafados e úmidos podem contribuir para a proliferação de bactérias ou até mesmo aquelas vindas da própria boca.

“Muitas bactérias permanecem vivas nas cerdas da escova por até 24 horas. Por isso, é importante eliminar o excesso de água após o uso, mas nunca utilizando toalhas para secá-la. Borrifar um antisséptico nas cerdas ajuda também. O mais indicado é a clorexidina 0,12%, encontrada em farmácias”, explica o dentista.

A vida útil da escova também é algo a ser levado em conta. Ainda de acordo com o Marcelo Pimenta, a troca deve ser feita a cada quatro meses e o tipo de escova varia do gosto pessoal do usuário.

Agência Brasil

Como deixar dentes brancos em 1 hora para o Ano-Novo

Foto: Shutterstock
Foto: Shutterstock

Quem disse que só a roupa deve ser branca no Ano-Novo? Os dentes também merecem atenção e podem fazer o sorrio brilhar na hora de pular as sete ondinhas. O procedimento indicado pelo cirurgião-dentista, Joel Mauri dos Santos, é o clareamento realizado na clínica. Ele é indicado para pessoas que tenham pressa para o resultado final, pois demora de 45 minutos a uma hora.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

A rapidez no resultado se dá pelo produto usado – gel à base de peróxido de hidrogênio – e pelo uso de luzes – LED ou Laser são as mais comuns. Outro ponto é que a concentração da substância usada pelo profissional é mais forte. O dentista também terá o cuidado de proteger lábios e gengivas para que não haja contato na hora da aplicação.

 

“O ideal é não deixar muito em cima da hora, pois dependendo do caso é necessário mais sessões e, em alguns casos, complementar com o clareamento em casa”, diz Joel. O custo varia de R$350 a R$1.000, dependendo do caso.

 

Para manter o resultado, o ideal é evitar corantes em bebidas e alimentos e refazer o clareamento assim que a cor do dente for amarelando. “A durabilidade depende também do cuidado do paciente com relação ao que come e bebe”, afirma o especialista.

 

Beta
Terra