Arquivo da tag: delegado

Mulher é morta a facadas na PB e ex-companheiro é suspeito; ‘cena macabra’, diz delegado

Uma mulher foi morta e a filha dela, de 13 anos, foi esfaqueada na madrugada desta quarta-feira (28), em Condado, no Sertão da Paraíba. De acordo com o delegado da Seccional de Patos, Manoel Martins, responsável pelo caso, o principal suspeito do crime é o ex-companheiro da mulher, um homem de 39 anos, que teria arrombado a casa da vítima com uma alavanca e, em seguida, atacado a ex-companheira.

“O que a gente viu foi uma cena macabra. Não dá pra dizer de quem é exatamente o sangue espalhado pela casa, porque a mulher foi esfaqueada, a filha dela, de 13 anos, também e, pelo que vimos, houve luta corporal e ele também deve ter ficado bastante ferido”, contou o delegado Manoel Martins.

O caso aconteceu por volta da 0h30, na rua Sebastião Barbosa dos Santos. Conforme o delegado, a Polícia Militar foi acionada ao local por volta da 1h. Ao chegar na casa, a polícia encontrou a mulher morta, a filha dela gravemente ferida e um menino de 5 anos, que também estava no local e, segundo o delegado, estava transtornado.

“O suspeito arrombou a casa pela porta da sala com uma alavanca. Lá dentro estava a mulher morta cheia de perfurações, a filha de 13 anos esfaqueada e um menino de 5 anos, que a gente ainda não sabe se é filho da vítima ou do suspeito”, relatou o delegado.

Na casa, além da mulher morta, identificada como Juberlúcia Oliveira da Silva, de 30 anos, a polícia encontrou a alavanca utilizada pelo suspeito para entrar na casa e uma faca. De acordo com o delegado, ainda não se sabe se a faca seria do suspeito ou se a vítima teria pego o objeto para se defender.

Polícia encontrou celular e documentos do suspeito

Segundo o delegado, a polícia acredita que o suspeito do crime também ficou ferido. “A polícia encontrou um grande rastro de sangue saindo da casa até um matagal próximo do local. O suspeito fugiu pra dentro dessa mata e lá nós encontramos o celular e todos os documentos dele”, contou.

Conforme o delegado, testemunhas relataram que o suspeito já havia premeditado o crime. “As primeira investigações revelaram que ele estava morando em São Paulo há algum tempo e que vivia ameaçando a ex-companheira de morte e aí ele teria vindo pra cidade só para matar a mulher”, frisou.

Menina de 13 anos em estado grave

Ainda de acordo com o delegado Manoel Martins, a filha da Juberlúcia de Oliveira, uma menina de 13 anos, foi encontrada ferida com diversos golpes de faca. A menina foi socorrida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada para o Hospital Regional de Patos.

“A menina está internada em estado grave na UTI do Hospital Regional de Patos. Só ela vai poder nos relatar o que de fato aconteceu dentro dessa casa. E isso só será possível após a recuperação dela, porque não podemos ouvir o menino de 5 anos, que também estava na casa. A criança também foi encontrada transtornada”, disse o delegado.

Até as 11h desta quarta-feira (28), as informações do delegado eram de que o suspeito do crime continuava foragido. “A gente acredita que ele não vai conseguir ficar muito tempo escondido, porque pela cena do crime, ele ficou muito ferido também. Então logo logo ele vai ter que procurar ajuda médica”, salientou Manoel Martins.

G1

 

Dois PMs são presos suspeitos de integrarem grupo que planejava matar delegado e oficiais, na PB

Dois policiais militares e mais outras 23 pessoas foram presas na manhã desta quinta-feira (22) durante a Operação Conexão, que acontece em cidades do Cariri e Sertão paraibano. De acordo com os delegados Cristiano Santana e Cristiano Jacques, responsáveis pela operação, os suspeitos fazem parte de uma organização criminosa envolvida com crimes de pistolagem, assalto a bancos e tráfico de drogas.

Conforme os delegados, entre as 25 pessoas presas estão o cabo Cláudio Chaves Correia, conhecido por “Chapinha”, lotado no município de Manaíra, e o sargento Cícero Roserval Rodrigues Leite, lotado em São Bento. Eles são suspeitos de, junto com o grupo criminoso, planejar matar um delegado da Polícia Civil e dois oficiais da Polícia Militar que trabalhavam nas investigações.

“A organização criminosa é suspeita de praticar os roubos às agências do Bradesco e Correios de Água Branca e dos Posto de Atendimento do Bradesco de Imaculada. O grupo planejava a morte de dois oficiais da Polícia Militar e um delegado da Polícia Civil, tendo em vista estarem trabalhando nas investigações”, revelou o delegado Cristiano Jacques.

Segundo Cristiano Jacques, a grupo criminoso, que tinha como “quartel general” o sítio Gavião, no município de Jurú, praticava homicídios por pistolagem ou por disputa de área de tráfico de drogas. Os presos são suspeitos de estarem envolvidos nas mortes de Antônio Burgo de Campos, executado no município de Tavares, Dimas da Silva Ramos, morto em Jurú, e Josué Bernardo de Oliveira, assassinado em Água Branca.

A Operação Conexão acontece nos municípios de Imaculada, Jurú, Água Branca, Tavares, Catolé do Rocha, Patos e Sumé. De acordo com o delegado Cristiano Jacques, além dos mandados a serem cumpridos na Paraíba, há também uma ordem judicial a ser cumprida em São Paulo.

Até as 10h desta quinta-feira (22), as informações da polícia eram de que, além dos 25 presos, durante a operação haviam sido apreendidas armas de fogo, cocaína e dinheiro. Conforme o delegado Cristiano Jacques, a droga comercializada pela associação criminosa saía do município de Sumé.

Na Paraíba, participam da ação cerca de 240 policiais das Regiões Integradas de Segurança Pública (Reisp) de Campina Grande e Patos, com reforço de cães farejadores e de viaturas de resgate e busca e salvamento do Corpo de Bombeiros. As equipes continuam nas ruas e novas prisões poderão acontecer no decorrer do dia.

Mandados de busca e apreensão, prisão preventiva e prisão temporária, no Sertão e Cariri da Paraíba — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Mandados de busca e apreensão, prisão preventiva e prisão temporária, no Sertão e Cariri da Paraíba — Foto: Polícia Civil/Divulgação

 

G1

 

 

Delegado pede exame de corpo de delito e convoca parentes de criança agredida em Mamanguape

A criança de dois anos de idade que sofreu agressões e espancamento do próprio padrasto será levada para a realização de exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML) em João Pessoa. O delegado de Rio Tinto, Deusdete Leitão, que acompanha o caso, confirmou em entrevista ao ClickPB que enviará um agente até o Hospital de Trauma, onde a criança está internada, para avaliar a sua situação e decidir quando será feito o exame.

“A partir do momento que tiver condições de fazer o exame. Quando tiver uma melhora aí vou solicitar”, ressaltou o delegado.

Ele comentou ainda que recebeu a documentação repassada pelo delegado plantonista e instaurou o inquérito para prosseguir com as investigações. Os parentes da criança serão convocados para prestar depoimento. O delegado Deusdete Leitão detalhou que pretende ouvir a mãe da criança, o padrasto e os avós maternos.

Os depoimentos deverão ser tomados logo após a realização do exame de corpo de delito. O delegado declarou ainda que se for necessário, irá colher os depoimentos nas residências dos envolvidos. O Conselho Tutelar da região deverá elaborar um relatório sobre o caso para enviar o documento ao delegado.

Até o momento ninguém foi ouvido pela polícia nem nenhuma prisão foi solicitada. Desdete Leitão antecipou ao ClickPB que, quando os agressores forem identificados, poderão ser autuados pela prática de maus tratos e lesão corporal. A mãe da criança, que tem 17 anos de idade, chegou a ser detida pela polícia, mas foi liberada pouco depois. Já o padrasto segue foragido.

De acordo com as primeiras informações, a criança, que tem dois anos de idade, teria sido agredida pelo próprio padrasto. O menino foi socorrido pelo avô materno, que o levou até o Hospital Infantil no bairro Valentina Figueiredo, em João Pessoa. De lá, precisou ser encaminhado até o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, também em João Pessoa.

De acordo com informações da assessoria do hospital, a criança segue internada na enfermaria infantil com quadro de saúde considerado regular. O menino não teve fraturas, mas apresenta vários hematomas pelo corpo e pelo rosto.

 

clickpb

 

 

‘Pai era muito controlador e não aceitava relacionamento’, conta delegado que investiga assassinato de ator

O delegado responsável pelo caso do homem que matou o ator Rafael Henrique Miguel, de 22 anos, e os pais dele em frente à casa da namorada do jovem ontem, na Zona Sul de São Paulo, diz que ele era contra o relacionamento dos dois: “O pai era muito controlador e não aceitava o relacionamento da filha com o Rafael”.

Fernando Bessa, da 6ª seccional, afirma que os três foram até a casa de Paulo Matias para conversar com ele sobre o namoro: “Eles conversavam no portão com Isabela e a mãe dela quando o Paulo chegou sem falar nada e atirou”.

As duas, por enquanto as únicas testemunhas chamadas pela polícia, não puderam prestar depoimento por questões de saúde: “Elas passaram mal depois do fato e foram para o hospital”.

A polícia acredita que a arma de Paulo Cupertino Matias era ilegal, já que ele tinha passagens pela polícia por roubo, furto, ameaça e lesão corporal nos anos 1990 e chegou a cumprir pena. O comerciante continua foragido.

Band News

 

 

Delegado diz que ‘tudo indica’ que Exército fuzilou carro de família por engano no Rio

O delegado Leonardo Salgado, da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro, disse neste domingo (7) que “tudo indica” que os militares do Exército que mataram Evaldo dos Santos Rosa em uma ação durante a tarde em Guadalupe, Zona Oeste do Rio, atiraram ao confundirem o carro com o de assaltantes.

O automóvel de uma família foi atingido por mais de 80 disparos, segundo perícia realizada pela Polícia Civil. As cinco pessoas que estavam no carro iam para um chá de bebê: Evaldo, a esposa, o filho de 7 anos, o sogro de Evaldo (padastro da esposa) e outra mulher.

Evaldo dos Santos Rosa, de 51 anos, morreu na hora. O sogro dele, Sérgio, foi baleado nos glúteos. Seu quadro era estável. A esposa, o filho de 7 anos e a amiga não se feriram. Um pedestre que passava no local também ficou ferido ao tentar ajudar. Ainda não há informações sobre seu estado de saúde.

A Polícia Civil realizou a perícia no local porque os militares tiveram dificuldade em realizá-la, segundo o delegado, devido à revolta dos moradores que testemunharam o crime. Os envolvidos foram ouvidos em uma delegacia militar.

“Foram diversos, diversos disparos de arma de fogo efetuados, e tudo indica que os militares realmente confundiram o veículo com um veículo de bandidos. Mas neste veículo estava uma família. Não foi encontrada nenhuma arma [no carro]. Tudo que foi apurado era que realmente era uma família normal, de bem, que acabou sendo vítima dos militares”, afirmou o delegado em entrevista à TV Globo.

A família estava em um carro branco que, segundo testemunhas, foi confundido com um veículo da mesma cor que passou momentos antes.

Investigação militar

Os militares envolvidos no caso foram ouvidos, segundo a Polícia Civil, pelo próprio Exército – que entendeu que a investigação deveria ser militar. A Polícia Civil, no entanto, vê indícios para prisão em flagrante.

“Fica muito difícil tomar uma decisão diferente desta [prender], não vejo uma legítima defesa pela quantidade de tiros que foi. Os indícios apontam para uma prisão em flagrante”, afirmou o Salgado.

Comando militar fala em ‘injusta agressão’ de ‘assaltantes’

Logo após a morte de Evaldo dos Santos Rosa, o Comando Militar do Leste (CML) negou que tenha atirado contra uma família e disse que respondeu a uma “injusta agressão” de “assaltantes”. À noite, em outra nota, informou que o caso estava sendo investigado pela Polícia Judiciária Militar com a supervisão do Ministério Público Militar.

‘Continuaram atirando’

Uma amiga da família, que estava dentro do carro, contestou a versão do Exército e disse que os militares não fizeram nenhuma sinalização antes de abrir fogo contra o veículo.

“Eu não vi onde foi o tiro, mas eu acho que foi nas costas. Só que a gente pensou que ele tinha desmaiado no volante […] A gente saiu do carro, eu corri com a criança e ela também. A gente saiu do carro e mesmo assim eles continuaram atirando “, afirmou por telefone à TV Globo a amiga da família.

O que diz o Comando Militar do Leste

“A fim de realizar uma apuração preliminar da dinâmica dos fatos ocorridos, foi determinado pelo Comandante Militar do Leste que sejam coletados os depoimentos de todos os militares envolvidos, bem como ouvidas todas as testemunhas civis, o que está em andamento, nesse momento, na Delegacia de Polícia Judiciária Militar ativada na Vila Militar. O Ministério Público Militar já foi informado e está supervisionando a condução dessas oitivas”.

G1 

 

 

Tiro que atingiu idosa de 94 anos, em Pedras de Fogo, PB, partiu do neto, diz delegado

O tiro que atingiu uma idosa de 94 anos, na cidade de Pedras de Fogo, no Litoral Sul da Paraíba, partiu do neto da vítima, segundo informações do delegado Paulo Martins. O caso aconteceu na noite última terça-feira (2) e Marília Adília da Conceição estava em frente de casa quando foi baleada na orelha direita.

Ainda de acordo com o delegado, ainda não se pode afirmar se o tiro foi acidental ou proposital. “Ainda preciso ouvir a vítima, testemunha chave desse caso”, disse. O delegado também informou que o neto só será ouvido após a idosa depor.

Até então, as informações que se tinha sobre o caso, é que houve uma briga entre dois grupos criminosos rivais e a idosa, que estava em frente de casa, acabou sendo atingida.

De acordo com a assessoria do Hospital de Trauma de João Pessoa, a vítima segue internada e o estado de saúde dela é considerado regular.

G1

 

Delegado da PB que postou texto ofensivo contra mulheres pede desculpas por ‘linguagem rasa’

O delegado Francisco Azevedo, que publicou um texto ofensivo contra as mulheres, publicou em seu perfil pessoal do Instagram, nesta quarta-feira (3), uma mensagem de retratação. “Se as companheiras se sentiram ofendidas, desculpem-me pela minha linguagem rasa”, disse na publicação. Francisco Azevedo foi afastado da 9ª Delegacia Distrital, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, de onde era titular. Na publicação no perfil pessoal no Facebook, o delegado afirma que “mulher petista é mulher rapariga, safada, rodada, gostosa de transar e fácil de se apaixonar”.

A Delegacia-Geral de Polícia Civil da Paraíba encaminhou nesta quarta-feira (3) para a Corregedoria uma denúncia contra o delegado. O texto foi compartilhado em caráter público no dia 15 de fevereiro deste ano pelo delegado, mas só ganhou destaque nesta quarta-feira (3).

Na publicação do Instagram, Francisco Azevedo colocou a foto de uma pintura francesa com uma mulher, em cima de alguns corpos, empunhando a bandeira da Revolução Francesa em uma mão e uma baioneta na outra. Na mensagem, ele explicou que escreveu no Facebook “uma crônica sob licença poética, o que não tem compromisso com a gente, apesar de me basear na minha história de luta no movimento estudantil e no PT nos anos 90”. Ao final, completou: “o que ainda nos une é a liberdade”. A rede social onde o pedido de desculpas foi publicado é restrita aos amigos do delegado.

Delegado é afastado do cargo após publicar texto ofensivo contra mulheres, na PB

Delegado é afastado do cargo após publicar texto ofensivo contra mulheres, na PB

O Partido dos Trabalhadores (PT) na Paraíba ao tomar conhecimento do texto emitiu uma nota de repúdio nesta quarta e informou que vai entrar com uma denúncia coletiva contra o delegado no Ministério Público, assim como com uma ação judicial. O secretário da Segurança e da Defesa Social, Jean Francisco Nunes, considerou uma “atitude reprovável que não tem, jamais, qualquer apoio da Polícia Civil ou da secretaria”.

Ainda nesta quarta-feira, o texto publicado pelo delegado foi criticado pelos vereadores Marcos Henriques (PT) e Sandra Marrocos (PSB) na tribuna da Câmara de Vereadores de João Pessoa. Após repercussão negativa do texto, o delegado Francisco Azevedo apagou a publicação do seu perfil pessoal.

Ao G1, a Delegacia-Geral de Polícia Civil informou, por meio da assessoria, que uma investigação preliminar vai ser aberta pela Corregedoria da Polícia Civil. O procedimento tem um prazo inicial de 20 dias, podendo ser ampliado caso os corregedores julguem necessário. A partir desta investigação, o procedimento pode ser convertido em sindicância, processo administrativo disciplinar ou ser arquivado, caso a Corregedoria não encontre irregularidades no comportamento do delegado.

Texto compartilhado por delegado da Paraíba afirma que 'mulher pestista é mulher rapariga' — Foto: Reprodução/Facebook

Texto compartilhado por delegado da Paraíba afirma que ‘mulher pestista é mulher rapariga’ — Foto: Reprodução/Facebook

Na parte final da publicação, delegado da Paraíba lamenta que o 'PT deixou de ser raiz' — Foto: Reprodução/Facebook

Na parte final da publicação, delegado da Paraíba lamenta que o ‘PT deixou de ser raiz’ — Foto: Reprodução/Facebook

No texto compartilhado pelo delegado, ele conta sua experiência na juventude, quando fez parte da militância do PT, a partir de 1996, e mantinha relações sexuais com mulheres que também integravam o partido. Francisco Azevedo, de acordo com o texto compartilhado por ele, ainda afirma que o único que crime que ele e os demais cometiam no partido era fumar maconha.

“Os integrantes do partido se apresentavam como líderes (e ou liderados). Você só era alguém no PT se liderasse alguma coisa”, relata. Em seguida, o delegado segue contando seu passado no partido. “Tinha até líder das bichas, mas surpreendentemente não havia líder das raparigas! Era estranho, pois nunca vi tanta rapariga junta num só lugar”, completa no texto.

No decorrer do texto publicado, Francisco Azevedo relata suas experiências sexuais com as mulheres do partido na época e conclui “enquanto a burguesia fazia sexo papai e mamãe e seus filhos cheiravam pó na orla, uma revolução se desenhava bem no centro, sob olhares dos edifícios que materializam o Poder do Estado. Pena que o PT deixou de ser raiz”.

No fim da publicação, o delegado explica que está lendo o livro de memórias de José Dirceu, integrante do partido preso no Mensalão, indicando indiretamente que a leitura motivou uma procura particular por uma memória sua do período em que integrou o partido.

G1

 

Delegado da PB que publicou texto ofensivo contra mulheres é afastado de delegacia, diz Seds

O delegado Francisco Azevedo foi afastado da titularidade da 9ª Delegacia de Polícia Civil, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa, após uma publicação de um texto no perfil pessoal no Facebook, em que afirma que “mulher petista é mulher rapariga, safada, rodada, gostosa de transar e fácil de se apaixonar”. A informação foi confirmada pela assessoria da Secretaria de Estado da Segurança e Defesa Social (Seds) e publicada no Boletim Interno da Polícia Civil.

A Delegacia-Geral de Polícia Civil da Paraíba encaminhou nesta quarta-feira (3) para a Corregedoria uma denúncia contra o delegado. O texto foi compartilhado em caráter público no dia 15 de fevereiro deste ano pelo delegado, mas só ganhou destaque nesta quarta-feira (3).

O Partido dos Trabalhadores (PT) na Paraíba ao tomar conhecimento do texto emitiu uma nota de repúdio nesta quarta e informou que vai entrar com uma denúncia coletiva contra o delegado no Ministério Público, assim como com uma ação judicial. O secretário da Segurança e da Defesa Social, Jean Francisco Nunes, considerou uma “atitude reprovável que não tem, jamais, qualquer apoio da Polícia Civil ou da secretaria”.

Ainda nesta quarta-feira, o texto publicado pelo delegado foi criticado pelos vereadores Marcos Henriques (PT) e Sandra Marrocos (PSB) na tribuna da Câmara de Vereadores de João Pessoa. Após repercussão negativa do texto, o delegado Francisco Azevedo apagou a publicação do seu perfil pessoal.

Ao G1, a Delegacia-Geral de Polícia Civil informou, por meio da assessoria, que uma investigação preliminar vai ser aberta pela Corregedoria da Polícia Civil. O procedimento tem um prazo inicial de 20 dias, podendo ser ampliado caso os corregedores julguem necessário. A partir desta investigação, o procedimento pode ser convertido em sindicância, processo administrativo disciplinar ou ser arquivado, caso a Corregedoria não encontre irregularidades no comportamento do delegado.

“Tomei conhecimento e de imediato determinei que a Polícia Civil, que a delegacia geral de Polícia Civil encaminhasse o conteúdo para corregedoria para que seja apurado, todos os fatos e todas as circunstância”, explicou o secretário de Segurança da Paraíba.

No texto compartilhado pelo delegado, ele conta sua experiência na juventude, quando fez parte da militância do PT, a partir de 1996, e mantinha relações sexuais com mulheres que também integravam o partido. Francisco Azevedo, de acordo com o texto compartilhado por ele, ainda afirma que o único que crime que ele e os demais cometiam no partido era fumar maconha.

“Os integrantes do partido se apresentavam como líderes (e ou liderados). Você só era alguém no PT se liderasse alguma coisa”, relata. Em seguida, o delegado segue contando seu passado no partido. “Tinha até líder das bichas, mas surpreendentemente não havia líder das raparigas! Era estranho, pois nunca vi tanta rapariga junta num só lugar”, completa no texto.

Texto compartilhado por delegado da Paraíba afirma que 'mulher pestista é mulher rapariga' — Foto: Reprodução/Facebook

Texto compartilhado por delegado da Paraíba afirma que ‘mulher pestista é mulher rapariga’ — Foto: Reprodução/Facebook

Na parte final da publicação, delegado da Paraíba lamenta que o 'PT deixou de ser raiz' — Foto: Reprodução/Facebook

Na parte final da publicação, delegado da Paraíba lamenta que o ‘PT deixou de ser raiz’ — Foto: Reprodução/Facebook

No decorrer do texto publicado, Francisco Azevedo relata suas experiências sexuais com as mulheres do partido na época e conclui “enquanto a burguesia fazia sexo papai e mamãe e seus filhos cheiravam pó na orla, uma revolução se desenhava bem no centro, sob olhares dos edifícios que materializam o Poder do Estado. Pena que o PT deixou de ser raiz”.

No fim da publicação, o delegado explica que está lendo o livro de memórias de José Dirceu, integrante do partido preso no Mensalão, indicando indiretamente que a leitura motivou uma procura particular por uma memória sua do período em que integrou o partido. O G1 tentou contato com o delegado, mas não houve resposta.

G1

 

Delegado da Polícia Civil da PB que xingou mulheres petistas entra na mira da Corregedoria

O delegado Francisco Azevêdo, que proferiu ofensas, em uma rede social, contra mulheres petitas será investigado pela Corregedoria da Polícia Civil da Paraíba por determinação do governador do Estado, João Azevêdo (PSB). A decisão foi anunciada nesta quarta-feira (03), após a repercussão negativa da atitude do servidor público.

Segundo o governador, a conduta é suficiente para abertura de inquérito

Na postagem, o delegado teria tachado as militantes petistas de “raparigas, safadas e rodadas”.

Na Câmara Municipal os vereadores  Marcos Henriques (PT) e a vereadora Sandra Marrocos (PSB) repudiaram o ato.

Sandra Marrocos disse que pedirá ao governador a exoneração de Francisco Azevêdo cargo de delegado. Já Marcos exigiu providências enérgicas por parte da gestão estadual.

 

PB Agora

 

 

Delegado vê fatalidade em morte de ex-prefeito de Baraúna

O delegado Jorge Luiz, responsável pelas investigações sobre a morte do ex-prefeito da cidade de Baraúna, Alyson Azevedo (foto), do PSB,  informou que o inquérito sobre o caso deve ser concluído em até 30 dias. Ele alegou que, conforme apurado, o caso se tratou de uma fatalidade.

O pai da vítima, autor dos disparos, confessou que foi quem praticou o crime por confundir o filho com um assaltante. Ele prestou depoimento na delegacia de Picuí,  no Seridó paraibano, e apresentou a arma de fogo – revólver calibre 38 – no qual manuseou e disparou.

O delegado explicou que na arma havia munições deflagradas, o que corrobora com a versão até agora colhidas dos fatos.

“O pai disse que foi acordado pela companheira no momento em que havia alguém tentando entrar na casa em que eles estavam. Ele informou que foi acordado às pressas e rapidamente se armou. Após isso, se posicionou em determinado ponto da casa a espera de quem estava tentando ‘invadir’ o local. Quando a porta finalmente foi aberta, ele disparou duas vezes”.

Conforme o delegado, não foi expedido nenhum pedido de prisão preventiva ou similar. Até o momento o caso é tratado como fatalidade. O pai da vítima ficará à disposição para novos depoimentos, mas enquanto durá as investigações permanecerá em liberdade por ter se apresentado, confessado e estar colaborando com a justiça.

 

pbagora