Arquivo da tag: deixar

Mudança pode deixar mais barata conta de luz de quem usa menos energia

Consumidores que têm poucos eletrodomésticos e por isso usam menos energia podem passar a pagar uma conta de luz mais barata. É o que prevê uma proposta em discussão na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A ideia é que passe a vigorar para consumidores de todas as classes a chamada tarifa binômia. Já disponível para grandes indústrias, ela estabelece faixas de cobrança pelo serviço de distribuição – que é a construção e manutenção da rede que leva a energia até as casas e as empresas.

O custo do serviço de distribuição, a chamada “tarifa fio”, representa cerca de 30% do total pago nas contas de luz. Esses recursos servem para remunerar as distribuidoras pelo uso da rede.

Hoje, casas ou lojas que consomem muita energia pagam, pelo serviço de distribuição, o mesmo valor que outras que usam pouca. Com a tarifa binômia, a lógica é que os grandes consumidores passem a pagar mais pelo serviço porque exigem um maior investimento das distribuidoras para atender à sua demanda. E, quem usa menos energia, pagaria menos.

“Se você tem dois consumidores, você tem uma demanda declarada de X e o seu vizinho de metade de X, hoje vocês pagam a mesma tarifa, mas certamente a rede da distribuidora levou em consideração a carga de vocês dois. Você demandou mais de força da rede do que o seu vizinho, então você pagará mais a tarifa de fio do que o seu vizinho”, explicou o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino.

Aneel estuda implantar a tarifa binômia para todos os consumidores (Foto: Arte/G1)Aneel estuda implantar a tarifa binômia para todos os consumidores (Foto: Arte/G1)Aneel estuda implantar a tarifa binômia para todos os consumidores (Foto: Arte/G1)
Quando começa?

A proposta ainda não tem data para ser votada na Aneel, mas os estudos já estão sendo feitos. A agenda regulatória da agência prevê a abertura de audiência pública sobre a tarifa binômia, que é essa cobrança diferenciada, já no segundo semestre de 2018. A votação da proposta está prevista para 2019.

Depois de ser aprovada, a Aneel deve fixar um calendário de implantação. A adesão à tarifa binômia será obrigatória para todos os consumidores.

Quando isso acontecer, cada casa e comércio terá que declarar, à distribuidora que o atende, a sua demanda de energia, que vai levar em conta, por exemplo, a quantidade de eletrodomésticos e equipamentos ligados no imóvel.

Por exemplo: uma casa que tem aparelhos de ar-condicionado demanda mais energia – e mais estrutura de rede da distribuidora – do que outra que não possui esse tipo de equipamento.

Com dessa declaração, será possível definir quem vai pagar uma tarifa de distribuição mais cara e quem vai pagar uma mais barata.

Essa declaração pode ser simplificada pela análise do disjuntor usado na residência, por exemplo. Esse disjuntor, que fica no relógio de energia, é instalado levando em consideração o número de eletrodomésticos e o consumo da residência.

Penalidade contra fraude

Segundo Rufino, para evitar que alguém informe à distribuidora uma necessidade mais baixa de energia que a real, para pagar uma tarifa de distribuição mais barata, haverá penalidade, uma espécie de multa, que será cobrada sempre que um consumidor usar mais eletricidade do que a prevista na faixa em que ele se declarou.

“O que o consumidor poderia imaginar: eu vou subcontratar para pagar uma tarifa baixinha, mas aí tem uma regra que, se ele ultrapassar o que contratou, é muito mais caro. Então, é uma penalidade pela ultrapassagem”, disse o diretor-geral da Aneel

“Ele [consumidor] tem que contratar a demanda correta para as distribuidoras dimensionarem a rede. Ela não pode superdimensionar, porque ela [distribuidora] estaria investindo sem necessidade, mas não pode subdimensionar, porque aí teria problema de tensão e começa a dar problema”, completou ele.

Indústria vê vantagens

O presidente da Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) e ex-diretor da Aneel, Edvaldo Santana, diz que a medida é positiva e que funciona bem para os consumidores de alta tensão.

“Se você perguntar hoje para os consumidores de alta tensão se querem voltar para o modelo antigo, ninguém quer”, afirmou.

Segundo ele, no início os consumidores residenciais podem ter algum problema para fazer o dimensionamento correto da sua demanda por energia, mas a adaptação é rápida.

“A demanda depende muito da quantidade de equipamentos. O contrato de demanda levaria em consideração a energia necessária para ligar todos os equipamentos elétricos da casa ao mesmo tempo”, disse.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Doze cidades da Paraíba vão deixar de receber água da Operação Carro-Pipa

Foto:Divulgação
Carro-pipa (ilustração)

O governo federal definiu que vai encerrar o abastecimento de água de 12 municípios paraibanos que eram contemplados com a Operação Carro-Pipa, realizada pelo Exército brasileiro. A determinação é da Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec) e do Ministério da Integração Nacional (MI) e já pode mudar a realidade dessas localidades a partir do mês que vem.

De acordo com a decisão, as cidades paraibanas estavam incluídas no programa, de maneira equivocada, já que não pertencem à região do semiárido nordestino. No Nordeste, a Operação Carro-Pipa só atende cidades do semiárido.

A determinação começou a preocupar as populações e os gestores públicos desses locais que vão deixar de receber água da operação. De acordo com Eugênio Alves, coordenador da Defesa Civil de Matinhas, município do Brejo da Paraíba e que está na lista das cidades que não vão mais receber o serviço, a decisão prejudica a maior parte da população do município.

“É muito difícil essa situação. Nós não temos água na cidade. Vivemos a base justamente desse serviço. Aumentamos os pontos de coleta de água na cidade e precisamos desses carros-pipa. Nossa zona rural é muito grande e a maior parte da população está lá. Não temos como abastecer essas pessoas”, disse, preocupado, o gestor.

Além de Matinhas, as cidades de Joca Claudinho, São Domingos de Pombal, Alagoa Grande, Alagoa Nova, Araçagi, Areia, Belém, Caldas Brandão, Cuité de Mamanguape, Gurinhém, Juarez Távora, Lagoa de Dentro, Pilar, Pilões, Pirpirituba, São Miguel de Taipu, Serra da Raiz, Serra Redonda e São Vicente do Seridó.

As prefeituras desses municípios assinaram um documento em conjunto, que foi enviado ao Ministério da Integração, pedindo a revogação da decisão. Segundo a determinação, o prazo para que essas cidades saiam da rota da Operação Carro-Pipa é de 180 dias, contados a partir do recebimento da notificação pela cidade.

Por Pedro Alves

 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Usar “clones do WhatsApp” pode deixar usuários sem serviço por até 24 horas

clone-do-whatsappPessoas que baixam aplicativos “clone do WhatsApp” em lojas de aplicativo alternativas estão levando gancho de 24 horas sem poder usar o programa de troca de mensagens. As informações são do site de tecnologia “thehackernews.com”.

De acordo com o site, usuários de programas como WhatsApp MD e WhatsApp Plus começaram a receber notificações de infração dos termos de uso do serviço nesta quarta-feira (21). Além do tempo sem usar, o aplicativo envia para o usuário o link oficial para download do software na Google Play, loja de conteúdos para o sistema Android.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O WhatsApp Plus disponibiliza funções exclusivas aos usuários, como novos temas, emojis diferentes, a possibilidade de desabilitar o recurso que mostra a última vez que o usuário se conectou, etc.

O aplicativo ganhou repercussão entre alguns usuários por se dizer uma espécie de “versão de teste” do software oficial. A diferença desse programa para o convencional é que este tem um logotipo azul – o do original é verde.

Na seção de perguntas e respostas (em inglês), o WhatsApp informa que o WhatsApp Plus não tem nenhum ligação com eles e que esse aplicativo pode conter linhas de código de segurança duvidosa.

 

Uol

Falha no Word pode deixar que invasores acessem computador remotamente

-wordA Microsoft divulgou hoje um alerta sobre uma nova falha no Word. De acordo com a empresa, a vulnerabilidade CVE-2014-1761 já está sendo explorada em ataques com foco no Word 2010.

Além do Word 2010, a falha também afeta os seguintes produtos:

Microsoft alerta para nova falha no Word
A vulnerabilidade CVE-2014-1761 pode permitir a execução remota de códigos maliciosos no computador caso o usuário abra no Word um documento RTF especialmente criado ou pré-visualize ou abra uma mensagem de e-mail RTF no Microsoft Outlook tendo o Word como visualizador padrão.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Se a falha no Word for explorada com sucesso, o responsável pelo ataque pode obter os mesmos privilégios do usuário logado no momento.

Em seu boletim de segurança, a Microsoft afirma que a falha é causada quando o Word analisa dados formatados em RTF especialmente criados pelo responsável pelo ataque, causando assim a corrupção da memória e permitindo que ele execute códigos maliciosos no computador atacado.

No caso do Outlook, a falha só pode ser explorada se o Word for o visualizador padrão de e-mails. Vale destacar que o Word é o visualizador padrão de e-mails no Outlook 2007, Outlook 2010 e Outlook 2013.

Enquanto uma correção oficial para a falha no Word não é lançada, a Microsoft disponibilizou uma solução temporária na forma de um utilitário Fix it.

COMO UTILIZAR A SOLUÇÃO TEMPORÁRIA PARA A FALHA NO WORD

  • Clique na imagem abaixo para fazer o download do utilitário Fix it necessário:

Microsoft_Fix_it_51010_01

  • Depois de baixar o utilitário Fix it, execute-o e siga as instruções na tela:

Microsoft_Fix_it_51010_02Microsoft_Fix_it_51010_03Microsoft_Fix_it_51010_04
A Microsoft não informou quando a correção para a falha no Word será lançada, mas é possível que ela seja disponibilizada junto com as atualizações de segurança do mês de abril.

Baboo

Nove ministros deverão deixar o governo para disputar eleições

eleiçoes-destaque_interno.As eleições de outubro farão com que pelo menos nove dos 39 ministros do governo Dilma Rousseff deixem os cargos para disputar uma vaga em seus estados. A presidente deverá oficializar a saída dos ministros nas próximas semanas, em meio à reforma ministerial que vem sendo costurada com os partidos aliados.

Segundo determina a legislação eleitoral, ministros que queiram disputar uma vaga de governador, deputado ou senador precisam se “desincompatibilizar” do cargo até o início de abril, seis meses antes da data do pleito, que este ano será em 5 de outubro.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O objetivo, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é dar “maior lisura ao processo eleitoral, impedindo que o candidato se utilize da função em benefício de sua candidatura”. Apesar de ainda terem um prazo de pouco mais de três meses, vários titulares devem antecipar a saída para organizar suas campanhas.

Esse é o caso da ministra Gleisi Hoffmann, braço-direito da presidente no Palácio do Planalto. Ela deixará a chefia da Casa Civil, onde está desde junho de 2011, para disputar o governo do Paraná pelo PT.

Gleisi deverá começar a passar o comando da pasta para seu substituto – o atual ministro da Educação, Aloizio Mercadante – já nesta sexta-feira (24), segundo informou o blog da Cristiana Lôbo.

Outros três ministros vão concorrer ao governo de seus estados. Alexandre Padilha, da Saúde, vai deixar a pasta que comanda desde o início da gestão Dilma para disputar o comando do Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

Fernando Pimentel (do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), que também é ministro há três anos, deverá se candidatar ao governo de Minas Gerais, enquanto Marcelo Crivella, ministro da Pesca e Aquicultura desde março de 2012, pode concorrer ao governo do Rio de Janeiro.

Dois ministros gaúchos devem concorrer a deputado federal: Pepe Vargas, que comanda o Desenvolvimento Agrário desde março de 2012, e Maria do Rosário, chefe da Secretaria de Direitos Humanos há três anos. Outra possibilidade é que ambos concorram ao Senado.

Outros três ministros disputarão uma vaga na Câmara dos Deputados. Aguinaldo Ribeiro (Cidades), à frente da pasta desde fevereiro de 2011, concorrerá pela Paraíba; Gastão Vieira (Turismo), empossado em setembro de 2011, pelo Maranhão; e Antônio Andrade (Agricultura), no ministério desde março de 2013, pode tentar uma vaga de deputado ou vice-governador por Minas Gerais.

G1

Sem nomeação de Vital, PMDB marca reunião e pode deixar governo

dilma-rousseffDepois que a presidente Dilma Rousseff (PT) revelou que não pretende ampliar a participação ministerial do PMDB, partido do vice-presidente Michel Temer, a cúpula peemedebista irá se reunir nesta quarta-feira (14) para traçar a estratégia para garantir a ampliação de cinco para seis ministérios. O senador Vital do Rêgo (PMDB) esteve na noite desta segunda-feira (13) com Temer para analisar a ‘demora’ no anuncio de seu nome como ministro da Integração Nacional.

O paraibano é cotado para o posto, mas até agora, apesar da indicação do PMDB, não teve a convocação confirmada. De acordo com o jornalista Lauro Jardim, o PMDB vai reunir os seus poderosos na casa do vice-presidente para colocar a disposição de Dilma todos os postos que ocupa no Governo Federal, esta seria a forma de pressionar a presidente a contemplar Vitalzinho e ampliar a participação do partido na administração.

O senador Vital do Rêgo continua como indicado do PMDB para ser o próximo ministro da Integração, mas a pasta também é cobiçada por outros partidos da base aliada e há seis meses das definições das alianças para as eleições 2014, o paraibano pode ser o estopim de um rompimento do PMDB com o PT.

MaisPB com Radar Online 

Couto pede que Cartaxo aplique recursos do Governo Federal em JP e alfineta: ‘tem que deixar política de lado’

LUIZ COUTOO deputado Federal, Luiz Couto (PT), pediu que o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo aplique os recursos que o Governo Federal tem enviado à cidade e alfinetou: ‘precisamos deixar de lado a política para a direção do partido’.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ainda ressentido com a participação ativa de Cartaxo no Processo de Eleição Direta (PED) do PT, o deputado pediu que o prefeito se voltasse para o município aplicando os recursos que vieram do Governo Federal e assim deixasse de lado a política para ser uma questão da direção do partido.

“É preciso fazer com que as obras liberadas para João Pessoa sejam implementadas”, diz.

Com informações da CBN João Pessoa.

Marília Domingues

Prefeitos presos na operação pão e circo devem deixar cargos até esta sexta e vices assumem

Os três prefeitos presos durante a Operação Pão e Circo da Polícia Federal, Ministério Público da Paraíba e Controladoria Geral da União devem estar sendo notificados sobre a decisão da Justiça que determinou o afastamento dos gestores das prefeituras até esta sexta-feira (06). Após a notificação, devem deixar a gestão imediatamente os prefeitos de Alhandra (Renato Mendes), Sapé (João da Utilar) e de Solânea (Dr. Chiquinho).

Também devem ser afastados os servidores das devidas prefeituras que estão envolvidos no esquema criminoso que, conforme o MPPB e a PF, era destinado a fraudar licitações e desviar recursos públicos federais, estaduais e municipais.

Além disso, ficou determinado que as empresas envolvidas no esquema estão proibidas de contratar serviços para prefeituras.

A decisão da justiça pelo afastamento dos prefeitos e funcionários ainda cabe recurso.

Com o afastamento dos prefeitos, assumem os cargos os vices. Caso eles não aceitem assumir ou estejam impossibilitados, assumem a vaga os presidentes das Câmaras Municipais e, em última instância, interventores podem passar a comandar as prefeituras.

A informação foi repassada pelo Procurador Geral de Justiça do Estado, Oswaldo Trigueiro Filho, durante uma entrevista coletiva concedida no final da tarde desta quinta-feira (05), logo após a justiça ter deferido a Medida Cautelar interposta pelo Ministério Público pedindo o afastamento dos gestores.

Segundo Oswaldo Trigueiro, esse afastamento é necessário para evitar que os prefeitos envolvidos tenham acesso a documentos e possam forjar novas situações. “O afastamento dessas pessoas das prefeituras deve permanecer durante todo o decorrer do processo. Eu acredito que esses prefeitos não retornem mais às prefeituras, disse o procurador.

Denúncia – O procurador Oswaldo Trigueiro afirmou que acredita que num prazo de 60 dias o Ministério Público estará oferecendo denúncia contra os envolvidos no escândalo do ‘Pão e Circo’.

Os bens dos envolvidos – As pessoas envolvidas na fraude tiveram seus bens bloqueados e, conforme Oswaldo Trigueiro, esses bens podem ser leiloados para que eles possam ressarcir as prefeituras. “Houve o seqüestro dos bens e se ficar comprovada a deterioração, nós podemos pedir que esses bens sejam leiloados para ressarcir o erário público”, informou.

Entenda o caso – O Ministério Público da Paraíba (MPPB), a Polícia Federal (PF) e a Controladoria Geral da União (CGU) deflagram, no último dia 28, a operação “Pão e circo”. Vinte e oito mandados de prisão temporária; 65 mandados de busca e apreensão; sete mandados de condução coercitiva e ordens de sequestro de bens móveis e imóveis expedidos pelo Tribunal de Justiça da Paraíba e pelo Tribunal Regional Federal da 5a Região foram cumpridos em várias cidades paraibanas e no Estado de Alagoas.

A operação tem como objetivo desarticular um esquema criminoso destinado a fraudar licitações e desviar recursos públicos federais, estaduais e municipais. Durante um ano, as investigações feitas pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do MPPB constataram a participação direta de prefeitos, seus familiares e servidores públicos, além de empresas “fantasmas” que foram constituídas com a finalidade de desviar dinheiro público e fraudar procedimentos de contratação de serviços para a realização de eventos festivos (Ano Novo, São João e São Pedro, Carnaval e Carnaval fora de época, aniversários das cidades, etc).

As fraudes eram feitas em licitações, dispensas e inexigibilidades de licitação, contratos com bandas musicais, montagem de palcos, som, iluminação, comercialização de fogos de artifício, shows pirotécnicos, aluguéis de banheiros químicos e serviços de segurança.

Mais de 40 mil gravações com autorização judicial foram feitas. As investigações apontaram também o superfaturamento dos objetos contratados, a inexecução dos serviços contratados e documentos forjados atestando a falsa exclusividade de artistas e bandas para justificar irregularmente o procedimento de inexigibilidade de licitação.

De acordo com o procurador-geral de Justiça, Oswaldo Trigueiro do Valle Filho, o esquema era comandado por empresários dentro das próprias prefeituras. Estima-se que, nos últimos seis meses, foram desviados mais de R$ 65 milhões dos cofres públicos.

Mandados – Os mandados de prisão temporária compreenderam os prefeitos de Sapé, Solânea e Alhandra; as primeiras-damas de Alhandra e Solânea, além de secretários municipais de Sapé, Santa Rita e Solânea; servidores públicos do Instituto de Previdência e Assistência Social de João Pessoa (Ipam) e da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope); empresários que atuam no ramo de eventos festivos e outros servidores públicos. Um dos mandados está sendo cumprido em Alagoas, contra o empresário Carlos Abílio Ferreira da Silva.

Eles são acusados de falsificar documentos públicos e privados, falsidade ideológica, crimes contra a ordem tributária (sonegação), corrupção ativa e passiva, fraude em licitação, desvio de verba pública, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Já os mandados de busca e apreensão foram cumpridos nas sedes das prefeituras de Alhandra, Boa Ventura, Cabedelo, Capim, Conde, Cuité de Mamanguape, Itapororoca, Jacaraú, Mamanguape, Mulungu, Sapé, Santa Rita, Solânea e na Funjope, na Capital, além de sedes de diversas empresas que atuam no ramo de eventos festivos, localizadas em Alhandra, Bayeux, Conde, João Pessoa, Mari, Pirpirituba, Rio Tinto e Santa Rita, bem como nas residências dos respectivos sócios.

FONTE: POLÍTICAPB

Uso de drogas pode deixar de ser crime no novo Código Penal


A comissão de juristas que está elaborando projeto de reforma para o Código Penal aprovou na segunda-feira (28/5) proposta para diferenciar na lei o tráfico do consumo pessoal de entorpecentes.
Pela proposta aprovada, as pessoas que forem flagradas com quantidades pequenas, que sirvam para consumo próprio por até cinco dias, não podem mais ser presas. Na prática, a sugestão dos juristas representa a descriminalização do uso de drogas no país.
A proposta prevê ainda que a autoridade sanitária irá regulamentar posteriormente a quantidade que poderá ser enquadrada como consumo próprio, dependendo de cada tipo de droga. Se a pessoa for flagrada vendendo substâncias entorpecentes, independente da quantidade que possua, será enquadrada como traficante e presa. Nesse caso, a pena proposta pelos juristas será de cinco a dez anos de prisão, e não mais até 15 anos como na lei atual.
Atualmente, cabe aos juízes interpretar se a quantidade de droga apreendida com a pessoa caracteriza crime de tráfico ou consumo pessoal. Pela proposta do novo Código Penal, a lei irá determinar essa quantidade para pacificar as decisões judiciais e garantir que o usuário não seja mais considerado criminoso.
Caso a proposta dos juristas seja aprovada pelo Congresso Nacional posteriormente, os usuários poderão até cultivar plantas como a maconha para uso pessoal. Para isso, no entanto, é preciso que o texto do anteprojeto do novo código, que será entregue ao presidente do Senado José Sarney (PMDB-AP) no dia 25 de junho, seja aprovado pelo Senado e depois pela Câmara dos Deputados. A proposta pode receber alterações dos parlamentares quando começar a tramitar no Congresso.

Mariana Jungmann/Repórter da Agência Brasil
Focando a Notícia

Pré-candidatos a vereador devem deixar cargos até este sábado

Magistrados, defensores públicos, secretários estaduais e municipais que pretendem concorrer ao cargo de vereador nas eleições de outubro deste ano devem deixar das funções até este sábado (7), segundo o calendário eleitoral aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A exigência também vale para governadores que, eventualmente, queiram concorrer à prefeitura. A norma diz que a desimcompatibilização do cargo deve ocorrer seis meses antes da eleição, sob pena de que o futuro candidato seja declarado inelegível.

Para os pré-candidatos que pretendem disputar os cargos de prefeitura, o prazo limite é de quatro meses antes do pleito, o que ocorrerá no dia 7 de junho. Se enquadram nessa regra ministros de Estado, membros do Ministério Público, militares, os que ocupam a presidência, a diretoria ou a superintendência de autarquia ou empresa pública. Chefes de órgãos de assessoramento direto, civil e militar da Presidência da República e dirigentes sindicais também precisam interromper as funções.

De acordo com o TSE, a data para que os pré-candidatos deixem cargos, no caso das eleições municipais, varia de três a seis meses anteriores às eleições. No dia 7 de julho, servidores públicos em geral que pretendem concorrer a prefeituras deverão sair dos cargos.

Há ainda situações nas quais não há necessidade de interromper as funções. É o caso dos prefeitos que estão exercendo o primeiro mandato e vão concorrer à reeleição e dos parlamentares federais, estaduais e municipais interessados em disputar prefeituras. Essa regra também vale para profissionais cujo trabalho pressupõe exposição na mídia, como atores e jogadores de futebol.

G1