Arquivo da tag: degustação

Portal Uol destaca Caminhos do Frio 2012: ‘Roteiro mistura história e degustação de cachaça pelo interior da Paraíba’

Os efeitos colaterais são visíveis. Os olhos quase não piscam diante de cada um dos detalhes sobre engenhos e escravidão; o sorriso parece não caber na boca com as deliciosas histórias contadas sobre tempos passados; e o corpo começa a ficar mais relaxado logo após a segunda degustação de cachaça. Esses são alguns dos (agradáveis) sintomas para quem realiza a rota ‘Caminhos dos Engenhos’, no interior da Paraíba.

‘Caminhos dos Engenhos’ é roteiro turístico embriagante pelo interior da Paraíba

Foto 1 de 31 – O centro histórico de Areia, município de 23 mil habitantes do interior da Paraíba, abriga um belo conjunto arquitetônico declarado Patrimônio Histórico Nacional, em 2005. A cidade, um dos destinos históricos da rota ‘Caminhos dos Engenhos’ servia de parada de tropeiros que seguiam para o sertão nordestino e, anos mais tarde, abrigou diversos engenhos produtores de produtos derivados da cana-de-açúcar Eduardo Vessoni/UOL

Pode parecer história de fazendeiro exagerado, mas bem longe da cobiçada costa litorânea paraibana o viajante encontra um inesperado roteiro turístico que inclui visita a antigos engenhos produtores de cachaça, casario histórico bem preservado e um clima de interior com direito até a friozinho serrano.

Localizada no Brejo paraibano, uma microrregião daquele estado formada por serras e vales, Areia é uma das principais portas de entrada. Esse pequeno município de 23 mil habitantes, que no século 17 servira de parada de tropeiros que seguiam para o sertão nordestino, abriga um belo conjunto arquitetônico declarado Patrimônio Histórico Nacional, em 2005.

SERVIÇO

Areia
www.areia.pb.gov.br
Bananeiras www.bananeiras.pb.gov.br
Brejo Paraibano www.brejoparaibano.com.br
Parahyba Convention & Visitors Bureau Campina Grande e Região
Av. Floriano Peixoto, 53 (sala 7) – Centro de Campina Grande
Tel: (83) 3322-6363
De seg. a sex. das 8h às 12h e das 14h às 18h

É lá que estão o Teatro Minerva, obra de 1859 considerado o primeiro teatro da Paraíba, a casa onde nasceu Pedro Américo, o artista que pintou o famoso ‘Grito do Ipiranga’, e dezenas de casarões do período em que a região era formada por engenhos de açúcar.

Areia abriga os primeiros engenhos da Paraíba a contarem com máquinas a vapor.
Outro dado curioso é que essa cidade de tendências abolicionistas antecipou-se à Lei Áurea e, dias antes, libertou os últimos escravos que trabalhavam na região. O que não deve faltar são altas doses de boas histórias contadas nos engenhos locais visitados. Moderação só no nível de álcool ingerido.

Estabelecimentos como o Engenho Triunfo, estabelecimento que produz 250 mil garrafas por mês e que ficou conhecido pela produção natural que não utiliza nenhum produto químico, e o Engenho Vaca Brava, um engenho histórico de 1860 administrado pelo divertido e falante Aurélio Leal Freire.

Se depender do ‘Seu’ Aurélio, o engenho deve continuar como nos velhos tempos das máquinas francesas compradas na década de 50. “Enquanto eu estiver vivo, ninguém tira essas ferragens daqui. É um maquinário histórico”, ameaça com tom de voz mais elevado o simpático senhor de mais de 80 anos.

  • Eduardo Vessoni/UOLA cachaça Rainha é fabricada no Engenho Goiamunduba desde 1877 e é um clássico da Paraíba

Sem dúvida, esse é um dos pontos máximos da viagem pela zona rural da região. O proprietário, cujo estabelecimento recebe os visitantes de forma improvisada (mas não menos acolhedora) pois ainda não possui estrutura voltada para o turista, é capaz de dar um show na hora de contar histórias da época de José Rufino, personagem local que morou em uma casa equipada com uma senzala, e ao descrever, detalhadamente, o processo caseiro de preparação da sua cachaça.

A vizinha Bananeiras, a quase 30 km dali e a 552 metros sobre o nível do mar, é outro destino que merece uma visita. Esse município de passado colonial, recortado por ladeiras e sobrados do século 19, foi o maior produtor de café de toda a Paraíba e abriga um casario com 80 construções catalogadas pelo IPHAEP.

A região abriga também o histórico engenho Goiamunduba que, desde 1877, fabrica a cachaça ‘Raínha’, um clássico da Paraíba. A cidade ainda conta com outras construções históricas como um túnel de trem de 1922 e um cruzeiro do final do século 19 localizado a 507 metros de altura, além da Cachoeira do Roncador, uma queda d’água de 45 metros.

Entre julho e agosto, quando a região chega a registrar temperaturas de até 12°, o Brejo paraibano serve também de cenário para o evento ‘Caminhos do Frio’. Areia, Bananeiras e Alagoa Grande são algumas das cidades que recebem os visitantes com atividades como exposições de artesanato, apresentações de dança e de grupos folclóricos, shows de forró pé-de-serra, oficinas culturais e passeios como trilhas e visita aos engenhos locais.

Se depender do alto número de histórias contadas sem moderação, o visitante deve deixar a região viciado por uma das mais agradáveis opções turísticas e históricas de toda a Paraíba.

Uol