Arquivo da tag: Cristovam Buarque

Professor deveria ganhar R$ 9.500, diz senador Cristovam Buarque em entrevista

cristovam-buarqueO senador Cristovam Buarque é um incansável defensor da educação como causa transformadora do Brasil: “A bandeira do Brasil, em vez de ‘Ordem e Progresso’, seria ‘Educação é Progresso’”, disse em entrevista a Roberto D`Avila neste sábado, na GloboNews.

Inconformado com o Brasil atual, o senador acredita que só a indignação é capaz de mudar o país. “Eu não tenho dúvidas do que hoje o que falta é uma força moral. Eu me lembro inclusive que recomendei a Marina Silva que em vez de criar um partido, ela fosse uma espécie de Betinho do século XXI, trazendo uma liderança moral. E hoje a gente precisa. Só uma força moral vai fazer com que a educação fique boa”, afirma Buarque, que foi ministro da Educação entre 2003 e 2004, durante o primeiro governo Lula.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“A saúde de qualidade é uma questão moral. Educação de qualidade é uma questão moral. Enquanto ficarmos apenas no discurso político-econômico, este país não desperta para a necessidade de acabar com essas duas indignidades. Isso sem falar na corrupção – que já é,  em si, uma imoralidade sem precisar de nenhuma análise”, avalia.

Mas o criador do programa Bolsa-Escola, precursor do Bolsa-Família, acredita que a grande transformação no Brasil só será possível com a federalização da educação. “Nenhum prefeito, nenhum governador tem condições disso; só o governo federal. Eu tenho chamado de ‘adoção’ pelo governo federal das escolas nas cidades cujas prefeituras não têm dinheiro para dar uma boa educação para os seus filhos”, explica sobre a política de educação ampla, que deverá levar uns 20, 30 anos.

Discípulo de Darcy Ribeiro, Buarque também defende as escolas públicas em período integral. E afirma que o salário dos professores deveria ser muito maior do que é na prática: “Eu tenho chamado isso de ‘Escola Ideal’, com o professor ganhando R$ 9.500 por mês – porque menos que isso não consegue trazer os melhores quadros da juventude para o magistério, que prefere ir para o direito, para a engenharia – com dedicação exclusiva, e ao mesmo tempo sem a estabilidade plena, sujeita a avaliações periódicas, e sabendo manejar os equipamentos modernos. Dar aula em uma lousa inteligente, usar televisão, celular como equipamento pedagógico. Isso se faz ao longo do tempo”.

Cristovam sabe que não é fácil chegar a esse ideal e lamenta não ter reformulado as escolas do Distrito Federal quando governou a capital federal, entre 1995 e 1998. Mas garante que dinheiro para isso não falta no governo federal. “Não precisa de tanto dinheiro assim. Você pagar R$ 9.500 a um professor – desde que seja realmente bom, bem dedicado, bem formado e avaliado – leva a um custo de R$ 9.500 por ano por aluno. A gente vai ter 52 milhões de alunos daqui a 20 anos. Se você fizer as contas, isso vai custar 6,4% do PIB. Tem uma lei chamada Lei do Plano Nacional de Educação que já obriga a colocar 10%. Então, se você tem 6,4% para isso, incluindo a pré-escola, universidade e um grande programa de educação das massas do Brasil, custaria uns 9,4% do PIB. Além disso, já se gasta 5,5%. Só precisaria de uns 4% a mais. É possível”, explica Buarque, ressaltando que o plano leva em conta uma estimativa do PIB para daqui a 20 anos, supondo que ele cresça 2% ao ano – “que é uma taxa pequena na história do Brasil”.

GNews

Escola é violenta com aluno, diz Cristovam Buarque

cristovamUm dos grandes defensores da educação como instrumento de transformação do Brasil, o senador Cristovam Buarque considera que o problema da violência na rede pública de ensino do país é gerado principalmente por causa da desvalorização da escola como instituição.

Em entrevista exclusiva à BBC Brasil, Cristovam afirma que a escola no Brasil “está sem moral”. “A escola desvalorizada gera violência, e a violência desmoraliza ainda mais a escola. Os jovens sabem que saindo com o curso ou sem, de tão ruim que são os cursos, não vai fazer diferença, porque o curso não agrega muito na vida dele. Os alunos não veem retorno na escola”, explica.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Ministro da Educação do governo Lula entre 2003 e 2004, Cristovam Buarque chegou a se candidatar à Presidência em 2006 levantando como principal bandeira a “revolução na educação de base”. Ele acredita que só ela poderia resolver de vez o problema da violência e fazer com que a escola voltasse a ser respeitada no país.

BBC Brasil – Como o senhor define o problema da violência nas escolas do Brasil? Por que ele acontece?

Cristovam Buarque – A sociedade brasileira é uma sociedade muito violenta hoje, então as pessoas se sentem no direito de agir violentamente, às vezes, até não necessariamente com agressão física, mas com palavras.

As escolas estão rodeadas de traficantes, a violência do meio influencia. O outro é o fato de que a escola não é uma instituição valorizada e, ao não ser valorizada, as crianças também entram na mesma onda da não valorização, se sentem no direito de quebrar os vidros, se sentem no direito de levar as coisas pra fora.

Aqui mesmo na UnB (Universidade de Brasília), eu vi a enciclopédia britânica sendo rasgada, porque o aluno em vez de tirar o xérox da folha que ele precisava, arrancou a página e levou. Os próprios professores são tratados como seres sem importância, que ganham salários baixos. Além disso os jovens sabem que saindo com o curso ou sem, de tão ruim que são os cursos, ele sabe que não agrega muito na vida dele. Os alunos não veem retorno da escola.

BBC Brasil – Quais as consequências da violência na escola para a educação no país?

Cristovam Buarque – A escola desvalorizada gera violência, e a violência desmoraliza ainda mais a escola. Os professores hoje estão fugindo, porque o salário é baixo e há muito desrespeito com relação à profissão deles. Quando a gente analisa o concurso para entrar na universidade, o vestibular, os últimos cursos na preferência dos vestibulandos são pedagogia e licenciatura, isso gera um clima de desvalorização.

Pelo Twitter, leitores comentaram a entrevista do senador à BBC Brasil

 

Para entrar em medicina são 50 por vaga, para pedagogia às vezes têm mais vagas que candidatos. Isso gera desvalorização. E aí as pessoas ficam quebrando as coisas, são violentas. Cria um ciclo vicioso. A desvalorização da escola aliada à violência do país induz à violência dentro da escola.

É preciso ter disciplina na escola, mas para o professor ser agente da disciplina, ele tem que ter moral. Só que a escola hoje está sem moral. Uma das coisas básicas da disciplina é o aluno chegar na hora. Como chegar na hora se nem o professor dele chega na hora? Se o professor dele ficou dois meses de greve?

O professor se vai um dia, não vai outro. A ausência do professor no Brasil é tão grande quanto a do aluno. Eles faltam igualmente. Então está faltando moral na escola.

BBC Brasil – Quais seriam as medidas a curto prazo para conter o problema?

Cristovam Buarque – Eu não vejo como resolver isso no curto prazo, só se for atribuindo Valium (calmante) para todo aluno, se colocar Valium na merenda. Brincadeira, mas é que é difícil ver uma solução a curto prazo. Qual o caminho a médio e longo prazo? Valorizar a escola, hoje o salário médio do professor na escola é R$ 2 mil, se você pagar menos do que paga para quem vai ser engenheiro ou médico, os melhores não vêm, eles não vão querer ser professores.

Você tem que ter um salário compensador, eu calculo R$ 9.500. Só que para merecer esse salário, tem que ter um processo muito rígido de seleção do aluno, para ver se a pessoa tem vocação, tem que quebrar a estabilidade plena de que o professor continue no cargo sem se aperfeiçoar, tem que ser uma estabilidade sujeita a avaliações.

Para professor ouvido pelo Facebook da BBC Brasil, salário almejado por Buarque seria inviável

 

Para a escola ser respeitada, o prédio tem que ser respeitado. As pessoas não saem quebrando shopping, porque é um prédio bonito, confortável. As crianças se sentem desconfortáveis na escola, por isso que elas são violentas. A verdade é que a escola é mais violenta com o aluno do que o aluno com ela. Ela obriga o aluno ficar sentado 6, 7 horas numa cadeira desconfortável, num prédio feio e mal cuidado.

Como fazer isso funcionar no Brasil a curto e médio prazo? Ir implantando isso por cidade. Leva 20 anos no país todo, mas precisa de um ou dois anos para fazer em uma cidade. E até lá, como faz? É o que estão fazendo, colocar polícia, bom diretor. A polícia tem que ficar longe da escola, mas no longo prazo. No curto prazo ela é uma necessidade, porque ela diminui a violência da sociedade que está na escola.

Além disso, é preciso identificar os alunos violentos. Um só jovem faz uma violência que desmoraliza a escola inteira. Então identificando os jovens que são agentes da violência você resolve o problema, levando ao psicólogo, tratando esse jovem.

BBC Brasil – O que o senhor acha do modelo de educação nas escolas de hoje?

Cristovam Buarque – Não dá para seduzir uma criança com métodos seculares como quadro negro, tem que ser computador, vídeo. O professor tem que ser capaz de cavalgar a tecnologia da informação, de se comunicar com a criança usando o computador. E finalmente a escola tem que ser 6h ou 7h por dia. O menino se comporta melhor na escola que ele fica o dia inteiro porque ela passa a ser um pouco da casa dele, a escola tem que ser a extensão da casa da criança.

BBC Brasil – Aprovou-se no ano passado a medida de destinar 10% do PIB pra educação. Esse dinheiro é suficiente? Então qual é o problema da educação hoje em dia (se não é dinheiro)?

Cristovam Buarque – O problema é dinheiro, mas não é só dinheiro. Se chover dinheiro no quintal da escola, a primeira chuva vira lama. Se aumentar muito o salário do professor agora, isso não vai mudar nada. Precisa de todas ações juntas, a revolução mesmo da educação. Para pagar os R$ 9 mil (para os professores), para construir as escolas novas, você precisa de 6,5% do PIB (na educação de base, sem contar investimentos nas universidades).

Esse negocio de 10% do PIB foi uma farsa. Por que não colocaram 10% da receita? Porque ao dizer que é do PIB, ninguém sabe de onde vai sair o dinheiro. O PIB não existe, ele é um conceito abstrato de estatística.

Para fazer a revolução a qual eu me refiro, nós precisamos para a educação de base R$ 441 bilhões em 20 anos, por isso que eu digo 6,4% do PIB. Se supõe que pré-sal vai dar R$ 225 bi, ele poderia ser uma fonte desse dinheiro. Eu peguei 15 fontes de onde a gente poderia conseguir esse dinheiro e com elas a gente pode chegar a R$ 750 bi. (Quais fontes?) São várias, não vou citar todas aqui. Mas por exemplo, quem vai querer um imposto sobre as grandes fortunas, reduzir publicidade do governo, eliminar subsídio que se dá para educação privada, porque se a pública vai ser boa, não precisa bancar a privada, ou então voltar a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), só que fazer ela ser toda destinada pra educação, pegar 50% do lucro das estatais que vão pro governo, usar rentabilidade de reservas?

Tudo isso dá o dinheiro que a gente precisa. Não precisa dos 10% do PIB. Isso não existe. Eu defendo a federalização das escolas para tornar o ensino público uma referência no Brasil. Hoje, das 196 mil escolas públicas que nós temos, pouco mais de 520 são federais e essas são boas. A seleção do professor é mais cuidadosa, as instalações são melhores o regime de trabalho é melhor. Temos que levar esse padrão para todas as outras.

BBC Brasil: Mas o senhor tinha consciência disso quando entrou no Ministério? O que o senhor fez pra mudar?

Cristovam Buarque: Eu sabia. Essa ideia de implantar escolas boas por cidade, eu comecei. Escolhi 29 cidades e comecei. Eu comecei a fazer isso nas cidades com dinheiro do MEC e não sensibilizei o governo. Para fazer isso leva tempo, quando a gente conseguiu aprovar, eu fui demitido. Mas o governo não tinha interesse em investir em educação de base, como todos os outros, ele só queria investir em universidade. Educação de base não dá voto, você fica na história, mas não fica no governo. Universidade é imediato. Eu recebi 520 parlamentares em um ano que fiquei lá no ministério, desses só um me pediu uma ajuda de investimento para educação de base, um deputado da Bahia, o resto, todos os outros queriam investimento para faculdade, ensino técnico, ou regularizar faculdade particulares..

 

BBC Brasil