Arquivo da tag: crise

Em crise, UEPB anuncia fechamento de gráfica, corte de pessoal e leilão de veículos

A crise que assola a Universidade Estadual da Paraíba terá mais um agravante nesse segundo semestre do ano de 2019.

Segundo o reitor da instituição, o professor Antônio Guedes Rangel Júnior, já no final de mês de junho a gráfica da universidade fechará as portas, deixando de produzir papel timbrado e livros na quantidade que se fazia anteriormente. A informação do reitor foi divulgada nesta quinta-feira (16), durante entrevista à Rádio Campina FM.

Rangel explicou que todo o sistema está sendo migrado para o digital e por isso a universidade, diante do cenário de crise, tomou essa medida.

“A UEPB não tem dinheiro. Ano passado editamos 46 livros impressos, esse ano serão 23, é um corte de 50%”, argumentou.

Ainda conforme Rangel, outro corte que está previsto é a despesa com pessoal. A expectativa é que esse montante chegue a R$ 4 milhões;

“Parte desse pessoal vai para o setor de privatização e outra parte será demitida. Na terceirização vai para despesa de custeio, isso para ajudar o governo do Estado a cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e desonera a folha. Se não tem os recursos do custeio, que é igual ao do ano passado, como é que vou aumentar em R$ 4 milhões? Para isso eu tenho que deixar de fazer algumas coisas”, explicou.

Além desses, outros cortes também estão previstos, um deles será o leilão de pelo menos 12 veículos cuja manutenção já não é mais viável para a instituição.

PB Agora

 

 

Prefeitos de cidades da PB discutem crise financeira com Michel Temer

Mais de 60 prefeitos de municípios paraibanos irão participar, nesta quarta-feira (22), de um encontro com o presidente Michel Temer (PMDB). A audiência está marcada para acontecer no auditório Petrônio Portela, em Brasília.

O gestores estão na Capital Federal desde esta terça-feira (21). Dentre os pontos que serão discutidos na conversa com Temer, está a solicitação de uma ajuda financeira para os municípios.

Além dos representantes paraibanos, cerca de 1.700 prefeitos de outras cidades brasileiras participarão do encontro.

MaisPB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Homem tenta matar esposa após crise de ciúme na Paraíba, diz polícia

Pelo menos três casos de violência contra a mulher foram registrados na Paraíba no domingo (9). Em um deles, um homem de 48 anos tentou matar a própria esposa na noite de domingo (9) na cidade de Juazerinho, no Seridó paraibano. Durante a confusão, a filha do casal foi atingida com um tiro de raspão no braço e precisou ser socorrida e levada para o hospital.

De acordo com informações repassadas pela Polícia Militar, o suspeito achou que a esposa teria relacionamento com outra pessoa e, por isso, invadiu a casa e tentou matá-la com uma espingarda. Contudo, uma das três filhas do casal, que tem 20 anos, entrou na frente da pai e impediu que ele atirasse contra a mãe.

Após entrarem em luta corporal, a filha conseguiu tomar a arma do pai, mas foi atingida com um tiro de raspão no braço. A PM foi acionada e conseguiu encontrar o suspeito horas depois, na zona rural da cidade.

O suspeito foi conduzido à delegacia onde prestou depoimento e foi encaminhado para a cadeia pública de Juazeirinho, onde aguarda a audiência de custódia.

Espancamentos no Cariri e no Sertão

Um homem é suspeito de espancar a esposa na cidade de Sousa, no Sertão paraibano. De acordo com a vítima, o marido chegou embriagado em casa e sem motivos aparentes a agrediu com socos no rosto. O homem ainda tentou sufocá-la com um travesseiro. O casal foi levado para a delegacia, onde prestaram esclarecimentos sobre o caso.

Já na cidade de Alcantil, no Cariri paraibano, um agricultor tentou matar a mulher a facadas, mas como não conseguiu espancou a vítima com socos e pontapés. O crime ocorreu na zona rural do município e o suspeito, de 40 anos, foi preso em flagrante e levado para a delegacia de Solânea.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Prefeita paraibana exonera todos os comissionados, reduz salários e corta gratificações devido à crise

(Foto: Reprodução/diariodosertão)

Por decreto, a prefeita de Joca Claudino localizado no sertão paraibano,  Jordhanna Lopes (PSB), determinou a exoneração de todos os comissionados do Município nesta segunda-feira (15). A gestora justifica a medida como consequência da crise financeira, bloqueio de receitas e queda no Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Além das demissões, a prefeita também cortou gratificações e reduziu em 30%, por prazo indeterminado, os salários dela, do vice-prefeito, do procurador jurídico da prefeitura, dos secretários, secretários-adjuntos e do tesoureiro.

No decreto, a prefeita ainda explica que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) vem promovendo mensalmente bloqueio de recursos na conta do Município. Segundo ela, o último bloqueio foi de R$ 179,6 mil.

“As medidas de contenção de gastos adotadas até o presente momento não foram suficientes para sanear as dívidas existentes contra o Município. Durante esses quatro meses de gestão, esta administração tentou de todas as formas equacionar os problemas financeiros, valendo destacar pagamento até o presente momento a todo funcionalismo dentro do mês trabalhado”, afirma a gestora, no decreto.

O documento ressalva, no entanto, que ficam livres da exoneração servidoras grávidas ou que estejam em licença maternidade, além de servidores que estejam em auxílio-doença ou licença para tratamento de saúde.

clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Para minimizar crise, Temer come picanha com embaixadores

temerApós uma série de reuniões neste domingo na tentativa de minimizar os efeitos da Operação Carne Fraca sob as exportações, o presidente Michel Temer terminou o dia com churrasco. Ele convidou embaixadores de países importadores de carne para uma churrascaria em uma área nobre de Brasília. Nem bem chegou, o presidente foi servido com picanha, que comeu acompanhado de uma caipirinha.

Participaram do evento 19 embaixadores e oito encarregados de negócios. O presidente se sentou ao lado dos representantes da Angola e da China. Também estiveram na churrascaria ministros de Estado, como o da Agricultura, Blairo Maggi, e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco. Aos diplomatas e membros do governo foram servidos ainda de vinho tinto e caipirinhas.

A churrascaria fica às margens do Lago Paranoá e cobra, aos domingos, R$ 119 por pessoa. A reserva foi feita para 80 convidados.

Mais cedo, em reunião no Palácio do Planalto, o presidente disse aos embaixadores que as suspeitas de irregularidades na inspeção e liberação de produtos impróprios para consumo se limitam a uma parcela pequena dos frigoríficos do país. Ele fez questão de ressaltar que, dos mais de quatro mil empreendimentos brasileiros, apenas 21 estão sob investigação. Deles, três foram interditados.

O presidente da República tirou fotos com a equipe de funcionários da churrascaria e participou da brincadeira do chefe de cozinha, que lhe passou o chapéu para a fotografia. Na saída, ele reforçou o discurso de que são poucos os frigoríficos envolvidos na Operação e disse que os embaixadores entenderam e irão divulgar aos seus países que há tranquilidade para o consumo da carne brasileira:

– Os embaixadores disseram que vão divulgar aos seus países a tranquilidade em relação ao consumo da carne. Não é para causar um terror que está possivelmente se imaginando que se possa causar em relação a isso. Todos eles (embaixadores) aceitaram o meu convite e se deliciaram.

 

maispb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Apesar da crise em estados do nordeste, produção de cana-de-açúcar está normalizada na Paraíba

cana-de-acucarNesta segunda-feira (06), a Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) anunciou que estado deve sofrer uma perda de 50% na produção de cana-de-açúcar por causa da estiagem prolongada que já atinge 54 municípios.

O setor já vem sofrendo ao longo dos anos com as perdas, a crise, e com a seca a situação ficou ainda pior”, afirmou o prefeito de Messias, Jarbas Omena (PSDB).

Além de Alagoas, o tempo seco também tem provocado perdas consideráveis na produção da planta na região litorânea de Sergipe e na produção de grãos no interior dos dois estados.

Apesar do momento ruim nos estados nordestinos, o Diretor Tesoureiro da Associação dos Plantadores de Cana (Asplan), Oscar de Gouvea Cunha Barreto Neto, informou que, apesar de ainda não existir nenhum prognóstico emitido, a produtividade na Paraíba vem mantendo o nível esperado para o período.

“Choveu um pouco no litoral paraibano e isso já propicia uma recuperação, mas não tem como depender apenas disso. Só tem uma forma, que é criando melhorias na irrigação”, disse Oscar.

A safra 2015/2016 contabilizou um resultado final de 5.068.684 toneladas, somando a matéria-prima de fornecedores ligados à Asplan, com a cana dos acionistas de indústrias sucroalcooleiras locais. Esse quantitativo foi inferior ao da safra passada, que atingiu 6.723.322 toneladas.

Yves Feitosa /Paraíba.com

Estudo aponta que Paraíba é o estado do Nordeste menos impactado pela crise

ComercioA Paraíba foi o estado do Nordeste menos impactado pela crise econômica nacional nos últimos dois anos, conforme pesquisa da Consultoria Tendências. Em 2015 e 2016, o Produto Interno Bruto (PIB) retraiu, respectivamente, 0,2% e 2,6%, enquanto a queda em âmbito nacional foi de 3,8% e 3,5% no mesmo período. O estudo foi divulgado na última segunda-feira (6) pelo Jornal O Globo.

O estudo da Consultoria Tendências é mais um indicador que comprova que a economia paraibana tem conseguido minimizar os impactos da recessão. O reflexo é percebido no mercado de trabalho local, que sofreu retração de apenas 2,85% em 2016 na comparação com 2015, a menor redução entre os nove estados nordestinos, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Importante termômetro da atividade econômica, o comércio varejista paraibano também tem apontado que o estado vem superando as adversidades.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos dois últimos meses analisados (novembro e outubro) a Paraíba apresentou alta, com destaque para novembro, quando foi registrada expansão de 11% nas vendas ante o mesmo período de 2015 – na mesma comparação, o país sofreu redução de 3,5%. No acumulado do ano, a retração no mercado paraibano é de apenas 1,9%, o terceiro melhor desempenho do Brasil.

Para 2017 a expectativa é que a atividade econômica ganhe novo ânimo. Um indicativo é o número de emissões de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), que em janeiro registrou crescimento de 10,79% sobre o mesmo mês de 2016. Foi o terceiro mês seguido que as emissões, concentradas nas indústrias e distribuidores, são superiores aos meses do ano anterior, apontando maior intensidade ou retomada da atividade econômica.

Salários em dia e investimentos

A administração pública detém aproximadamente um terço do PIB da Paraíba e, por isso, o pagamento de salários aos servidores em dia tem relação direta com o desempenho da economia. A Paraíba faz parte de um grupo de dez estados brasileiros que conseguiram manter o pagamento dos servidores em dia sem interrupção desde 2015 e figura na lista dos oito estados que conseguiram manter superávit primário.

Com as finanças ajustadas, o Governo do Estado conseguiu dar continuidade aos investimentos em obras e ações. A melhoria da infraestrutura em todas as regiões da Paraíba é um fator que tem possibilitado impulsionar a economia em municípios que estavam à margem do desenvolvimento. Os investimentos para a implantação de mais de 1,1 mil quilômetros de novas adutoras e do Canal Acauã-Araçagi, além da construção e recuperação de mais de dois mil quilômetros de estradas são exemplos de ações que contribuirão para o crescimento econômico em todo o estado nos próximos anos.

paraibaja

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Empregos na crise oferecem renda menor e sem proteção

empregoPara conseguir um emprego hoje no Brasil, em geral é preciso ter menos de 24 anos de idade, aceitar ganhar menos e se conformar com um regime de trabalho frágil, sem a proteção oferecida por vagas que têm carteira assinada.

Análise feita pela Folha em estatísticas do Ministério do Trabalho mostra que os contratados com carteira assinada estão recebendo, em média, 21% menos do que os demitidos da mesma ocupação.

Essa desvantagem também foi observada em anos anteriores, mas a diferença atual é o dobro da verificada nos anos dourados do mercado de trabalho no início da década, quando a taxa de desemprego despencou e a economia brasileira gerava milhões de empregos por ano.

As novas vagas, segundo as estatísticas do IBGE, estão predominantemente no mercado informal, sem carteira de trabalho assinada. No mercado formal, conforme os registros do Ministério do Trabalho, as contratações só superam as demissões entre trabalhadores com até 24 anos.

A retração da atividade, que abateu a economia em meados de 2014, começou a pesar no mercado de trabalho em 2015, quando 1,5 milhão de vagas com carteira assinada foram destruídas. O prolongamento da recessão, no ano passado, abateu mais 1,3 milhão de empregos.

Isso afetou a remuneração oferecida aos que conseguem trabalho. “Quando o mercado está bombando, aumenta a disputa pelos melhores trabalhadores, e as pessoas saem de seus empregos para ganhar mais. Hoje, se uma pessoa é demitida ganhando R$ 1.000, fica feliz da vida em conseguir uma vaga por R$ 800”, afirma Hélio Zylberztajn, professor da USP e coordenador do Salariômetro, da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisa Econômica).

Em 2013, antes de o país mergulhar na atual recessão, quase metade das 2.465 ocupações monitoradas pelo Ministério do Trabalho geraram postos de trabalho. No ano passado, foi verificada criação de vagas em um quinto das 2.497 ocupações analisadas.

SOBRANDO GENTE

Mas o achatamento salarial atingiu até as que geraram empregos. Entre as 30 ocupações que mais criaram vagas em 2016, quem foi contratado recebeu em média 4,5% menos do que os trabalhadores demitidos. Para operadores de telemarketing, por exemplo, a diferença chegou a 12%.

“Estamos vivendo o oposto do que aconteceu lá atrás, quando as empresas tinham que contratar até pessoas que não tinham qualificação adequada. Agora está sobrando gente”, afirma Zylberztajn.

O cenário revelado pelos números foi encontrado pela analista de recursos humanos Ceciliana Gomes de Andrade, 29, na sua busca por trabalho. Mesmo com formação superior, ela não conseguiu mais do que bicos de garçonete desde que ficou desempregada, há oito meses.

“O piso de um assistente de recursos humanos é R$ 1.200, mas estou fazendo entrevistas para operadora de telemarketing, que paga de R$ 880 a R$ 917”, diz. “Nem isso estou conseguindo”.

Andrade conta que, à medida que as vagas se escassearam, os empregadores aumentaram as exigências. “Querem contratar o melhor dos melhores candidatos pagando menos”, explica. “No meu caso, exigem experiência, e não trabalho com telemarketing desde 2009, quando entrei na faculdade e consegui um emprego melhor.”

O marido dela também perdeu o emprego que tinha registrado na carteira. Trabalhava como chapeiro numa padaria e agora faz bico para um restaurante popular, tentando atrair clientes nas ruas.

Folha de São Paulo

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Em meio a crise penitenciária, ônibus é incendiado e carro do governo leva tiros em Natal

onibus-incendiadoUm ônibus e um carro do governo do Rio Grande do Norte foram alvos de ataques no início da tarde desta quarta-feira (18) na Zona Leste de Natal.

Segundo o major Eduardo Franco, da assessoria de comunicação da PM, a Secretaria de Segurança investiga se os ataques têm relação com a crise no sistema penitenciário do estado.

Os ataques acontecem no mesmo momento em que a PM faz a remoção de presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz. No local, 26 detentos morreram durante uma rebelião no final de semana. Destes, segundo o governo, 15 foram decapitados. Alcaçuz fica em Nísia Floresta, cidade da Grande Natal.

A remoção dos presos é uma nova tentativa de o Estado retomar o controle da unidade. Para a retirada dos detentos o governo está usando ônibus de turismo locados.

Ataques
Comandante do 1º Batalhão da Polícia Militar, o major Soares disse ao G1 que o carro do governo estava estacionado na frente da casa de um servidor que mora no bairro de Mãe Luíza. Seis pessoas teriam se aproximado a pé e atirado contra o veículo, que em seguida pegou fogo.

Ônibus foi destruído pelas chamas, ninguém se feriu (Foto: PM/Divulgação)Ônibus foi destruído pelas chamas, ninguém se feriu (Foto: PM/Divulgação)

Já na comunidade de Brasília Teimosa, que fica perto de Mãe Luíza, um ônibus da empresa Santa Maria foi incendiado.

Após ser baleado, carro do governo pegou fogo (Foto: PM/Divulgação)Após ser baleado, carro do governo pegou fogo (Foto: PM/Divulgação)

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Temer convoca governadores para discutir crise nos presídios e assinar acordos de cooperação

ricardo-coutinho-temerO presidente Michel Temer convidou os governadores das 27 unidades da federação para um evento na próxima quarta-feira (18), quando pretende que eles assinem acordos de cooperação se comprometendo com o cumprimento do Plano Nacional de Segurança Pública. A intenção do presidente é receber uma espécie de compromisso político dos governos estaduais para que se empenhem em uma solução para os problemas do sistema prisional brasileiro.

Nesta terça-feira (17), o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, vai se reunir com os secretários de segurança pública estaduais para receber sugestões e finalizar os detalhes dos acordos que serão anunciados. A solenidade de quarta-feira deve reunir também representantes dos órgãos de segurança pública estaduais que auxiliaram na elaboração do plano, além de representantes de organizações da sociedade civil ligadas à área.

Lançado no início do ano após a deflagração de uma crise no sistema prisional que já deixou mais de 100 mortos, o Plano Nacional de Segurança Pública tem como objetivo a reduzir o número de homicídios, combater o tráfico transnacional de drogas e melhorar a gestão do sistema penitenciário.

Dentre as ações previstas no plano que precisam de adesão dos estados e do Distrito Federal para serem implementadas está o chamado núcleo de inteligência integrada. O governo federal necessita que os entes federados concordem com o compartilhamento de informações com os órgãos de inteligência da União sobre questões referentes, por exemplo, ao tráfico nas fronteiras.

O mapeamento dos locais de homicídios dolosos e violência contra a mulher, inicialmente a ser aplicado nas capitais e depois expandido para demais municípios das regiões metropolitanas, deve ser objeto de outro acordo a ser assinado. Outro ponto que deve ser ratificado posteriormente é a interligação dos diversos sistemas de videomonitoramento em centros integrados de controle regionais e nacional.

Meta para construção de presídios

Nas conversas que tem feito sobre o sistema prisional, Michel Temer sinalizou que estabelecerá uma meta para a construção dos cinco presídios federais anunciados por ele em sua primeira fala pública após o massacre no Complexo Prisional Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, onde 56 presos morreram. O objetivo é determinar que as penitenciárias sejam construídas no prazo máximo de um ano.

O investimento para a construção dos presídios vai contar, ao todo, com R$ 200 milhões. O plano é construir uma unidade em cada região brasileira. Na semana passada, o presidente anunciou que uma das penitenciárias será construída no Rio Grande do Sul.

Além de Moraes, Temer esteve reunido nesta segunda-feira com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Sergio Etchegoyen, para discutir o assunto. Neste domingo (15), ele recebeu, no Palácio do Jaburu, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ayres Britto, durante um longo almoço.

EBC

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br