Arquivo da tag: crianças

Idoso de 93 anos é preso suspeito de abusar sexualmente crianças em Campina Grande

Um idoso de 93 foi preso na segunda-feira (6) suspeito de abusar sexualmente de duas crianças de 9 e 8 anos no bairro de Bodocongó, em Campina Grande. Segundo registro do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), as crianças foram brincar em um campo de futebol próximo à casa do suspeito e retornaram para as residências apresentado sangramento.

De acordo com a polícia, com base no relato das crianças aos familiares, o idoso se aproximou das crianças oferecendo balas e aproveitou a abordagem para cometer os abusos sexuais. O idoso foi preso em flagrante e encaminhado para delegacia.

Os parentes das crianças também foram encaminhadas para delegacia para prestar esclarecimentos. O caso foi registrado na tarde de segunda-feira, por volta das 14h15 (horário local), na rua Santa Terezinha.

g1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Crianças são intoxicadas por veneno e mãe aponta pai delas como suspeito, na PB

(Foto: Maurício Melo/G1)

Três crianças foram internadas no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, na noite desse domingo (22), vítimas de intoxicação por veneno de lagarta. Elas são da cidade de Livramento, Cariri paraibano, a 243 km de João Pessoa.

Segundo a assessoria de comunicação do hospital, com base no relato da mãe, o pai das crianças seria o responsável pela intoxicação. Ela contou que o homem teria espalhado veneno em um pano e, em seguida, colocado o tecido na cabeça das crianças – duas meninas e um menino, que têm três, seis e sete anos de idade.

A mãe das crianças também informou que o homem tentou agredir funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) que atuaram no socorro às vítimas.

Ainda conforme a assessoria do hospital, as crianças estão internadas na ala de observação infantil, com quadro clínico estável.

Em contato com o Portal Correio, o delegado de Livramento, Ariosvaldo Adelino, disse que a Polícia Civil ainda não foi acionada sobre o caso. “Estamos aguardando o comunicado para iniciar o processo de investigação e procura por esse homem que está sendo apontado como suspeito”, informou.

Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

‘Insulina análoga’ será liberada pelo SUS para crianças com diabetes no Brasil

Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Imagem Ilustrativa

As crianças portadoras de diabetes tipo 1 terão à disposição no Sistema Único de Saúde (SUS) um dos mais modernos medicamentos para o tratamento da doença: a insulina análoga. O medicamento deverá estar disponível no país em 2018 e foi apresentado nesta quarta-feira (11) pelo Ministério da Saúde.

O Ministério da Saúde anunciou que irá investir R$ 135 milhões, por ano, na compra do novo insumo. Segundo o governo, a nova aquisição será uma importante ferramenta na melhora da qualidade de vida de 100 mil crianças com maior dificuldade de controle da doença.

Estudos apontaram que insulina análoga proporciona um melhor controle glicêmico nos sintomas relacionados à hiperglicemia e diminuição das complicações agudas e crônicas decorrentes do diabetes. O produto é de fácil aplicação, sua embalagem é uma caneta, resposta rápida e com doses que podem ser adaptadas a situação do paciente.

O novo tratamento será ofertado, prioritariamente, às crianças e adolescentes, já que o diabetes tipo 1 apresenta o seu pico entre 10 a 14 anos. A demanda representa 10% do total de crianças com diabetes no país, que são 1 milhão. No entanto, pacientes adultos, com este tipo da doença, também poderão ter acesso ao medicamento, desde que tenham indicação médica.

Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Mais duas crianças atacadas em creche são transferidas para Belo Horizonte

(Foto: Natália Jael/Inter TV Grande Minas)

Mais duas crianças feridas no ataque à creche em Janaúba, um menino de cinco e uma menina de quatro anos, foram transferidas para o hospital João XXIII, em Belo Horizonte, na madrugada deste sábado (7).

De acordo com a assessoria da unidade de saúde, os dois transferidos estão em estado grave. Outras oito crianças estão internadas no hospital, elas também estão em estado grave. Há também duas mulheres, que segundo a assessoria, estão em estado gravíssimo.

Ainda na capital, outras três crianças estão internadas no Hospital Odilon Behrens. Novos boletins serão divulgados neste sábado.

Até a publicação desta reportagem, sete crianças e uma professora morreram após o vigia Damião Soares dos Santos atear fogo nele próprio atacar crianças e professoras dentro da creche Gente Inocente em Janaúba, na Região Norte de Minas Gerais nesta quinta-feira (5). O vigia também morreu.

Outras vítimas feridas estão internadas em Montes Claros e Janúba.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Sobe para sete o número de crianças mortas no incêndio da creche em Janaúba

Sobe para sete o número de crianças mortas no incêndio da creche em Janaúba, região norte de Minas. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, Cecília Davina Gonçalves Dias e Yasmin Medeiros Salvino, ambas de quatro anos, faleceram na tarde desta sexta-feira, 6, no hospital em que estavam internadas em Montes Claros, também na região norte do estado. O total de mortos na tragédia, agora, é de nove. Sete crianças, uma professora e o vigia da creche, que provocou o incêndio na creche.

Sobe para seis o número de crianças mortas no incêndio da creche em Janaúba: Entre a noite de quinta a manhã desta sexta, 11 crianças vítimas do incêndio foram levadas para Belo Horizonte© Fredsom Souza/Estadão Entre a noite de quinta a manhã desta sexta, 11 crianças vítimas do incêndio foram levadas para Belo Horizonte  

Na manhã desta sexta-feira, 6, em Belo Horizonte, três crianças atingidas pelo fogo e levadas para o Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em Belo Horizonte, foram transferidas para o Hospital Municipal Odilon Behrens, também na capital.

A assessoria do pronto-socorro, referência em queimados, não informou se a ida para outro local de tratamento ocorreu por melhora no quadro clínico dos pacientes. Os bombeiros elevaram para 43 o total de feridos, conta feita ants do falecimento de Cecília. Conforme a corporação, houve mais procura por atendimento médico em Janaúba durante a madrugada.

Entre a noite de quinta a manhã desta sexta, 11 crianças vítimas do incêndio foram levadas para Belo Horizonte. Todas em estado grave, com queimaduras entre 10% e 80% do corpo, e nas vias aéreas. As crianças transferidas para o hospital municipal têm três anos. Entre os pacientes que permanecem no João XXIII, oito têm cinco anos e um tem quatro anos. Outras duas vítimas, ambas professoras da creche, chegaram há pouco a Belo Horizonte.

O incêndio na creche, conforme investigações da Polícia Civil, foi provocado pelo vigia da instituição, Damião Soares dos Santos, de 50 anos, que antes teria jogado líquido inflamável nas crianças e no corpo.

Quatro alunos morreram imediatamente após o ataque. Uma professora, outra criança e o autor do crime faleceram depois de internadas no hospital de Janaúba. Ainda segundo as investigações, o crime foi premeditado. Galões com combustível foram encontrados na casa do vigia. Damião também teria dito a familiares que “daria um presente a todos, se matando em breve”.

Risco de morte

Em entrevista coletiva mais cedo, antes da confirmação da morte das meninas, o diretor do Hospital Regional de Janaúba Helvécio Campos de Albuquerque havia dito que as 13 vítimas internadas no hospital João XXIII, em Belo Horizonte, ainda estavam em estado gravíssimo e corriam sério risco de morrer. Além dessas pessoas, as meninas Cecília e Yasmin, que estavam internada em Montes Claros, também tinham o mesmo diagnóstico.

Os corpos das vítimas começaram a ser velados por familiares, em casa, na noite de quinta-feira. Os enterros ocorrem separadamente no cemitério da cidade.

Estadão

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Sobe para 6 número de crianças mortas após vigia atear fogo em creche de Janaúba (MG); professora também morre

Mais duas crianças morreram na noite desta quinta-feira (5) depois de terem sido queimadas em uma creche de Janaúba, no Norte do Minas Gerais. Assim, sobe para seis o número de alunos mortos.

Segundo a assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, os dois, um menino e uma menina, estavam sendo transportados de Janaúba para Montes Claros. Ambos tinham quatro anos de idade. Os nomes ainda não foram divulgados.

A creche em que eles estavam foi incendiada pelo vigia noturno Damião Soares dos Santos, de 50 anos, segundo a polícia. Ele também morreu horas depois.

Também na noite desta quinta morreu, em Janaúba, a professora Helley Abreu Batista, de 43 anos. Ela estava com 90% do corpo queimado após ter sido atingida pelo fogo. A informação da morte foi dada por Ricardo Tolentino, diretor da Fundação Hospitalar de Janaúba, onde ela estava internada.

Segundo o Instituto Médico-Legal da cidade, também morreram no ataque:

  • Ana Clara Ferreira Silva, 4 anos
  • Luiz Davi Carlos Rodrigues, 4 anos
  • Juan Pablo Cruz dos Santos, 4 anos
  • Juan Miguel Soares Silva, 4 anos

Outras 24 pessoas seguem internadas, 21 das quais crianças, segundo o Corpo de Bombeiros.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Incêndio em apartamento no Bairro das Indústrias deixa crianças feridas

Um incêndio causado possivelmente por uma explosão de botijão GLP deixou três crianças e uma senhora feridas neste sábado (5) a noite no bairro das Indústrias, em João Pessoa. De acordo com informações policiais, inicialmente, o fogo atingiu o terceiro andar do condomínio residencial conhecido como ‘Dilmão’.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, os moradores do apartamento passaram mal e foram atendidos e socorridos por ambulâncias ao hospital. As vítimas foram retiradas do meio da fumaça pelos bombeiros, pois não conseguiram abandonar o local.

Na chegada ao local da ocorrência, as guarnições de incêndio logo controlaram o fogo e, depois de quase duas horas de rescaldo, declararam a área livre do novos focos ou sem vítimas das chamas.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Homem é preso por tocar fogo em residência com cinco crianças dentro, em Bananeiras

Homem é preso em flagrante após ter ateado fogo numa residência nesta quarta-feira (20), no sítio Caboclo, município de Bananeiras-PB. De acordo com a Polícia, testemunhas acionaram o Copom/Solânea, relatando que um homem havia ateado fogo em uma casa, com cinco crianças dentro da residência.

De imediato, a guarnição da R/P de Solânea, comandada pelo CPU Tenente Willys, se deslocou ao local e conseguiu prender o suspeito Joelson Olímpio da Silva, 31 anos.

Testemunhas informaram a PM que o acusado chegou à residência, arrombou a porta e jogou gasolina no telhado da residência e ateou fogo. Ele também chegou a ameaçar de cortar as orelhas de uma das crianças. Os vizinhos conseguiram resgatar as crianças, pois estavam sozinhas, já que sua genitora estava na maternidade em serviço de parto.

O acusado alega que uma das vítimas (criança) tinha discutido com uma de suas filhas, que também é menor. O indivíduo para se vingar praticou o ato criminoso.

A guarnição, após efetuar diligências, prendeu o criminoso e com ele foi apreendida uma arma de fogo de calibre indefinido.

O acusado foi conduzido à DP de Solânea juntamente com a arma apreendida e autuado em flagrante delito por incêndio criminoso, posse ilegal de arma de fogo e dano.

Bananeiras Online

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Trauma de JP recebe mais de 800 crianças vítima de acidentes domésticos

Junho e julho são os meses mais preocupantes para os pais, pois se somam férias escolares das crianças, chuva e tempo ocioso, contribuindo para o aumento de acidentes domésticos. Dados do Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, demonstram que as famílias precisam mesmo estar em alerta durante este período, já que foram registrados 811 casos com crianças atendidas na unidade de saúde.

Só nos 14 dias de julho deste ano já foram registrados 249 acidentes domésticos com crianças entre 0 a 12 anos, somando com os ocorridos em junho (562) foram 811 casos. Os motivos geralmente são os mesmos: quedas (458), corpo estranho (164), pancada (67), queimadura (31), atropelamento (22), acidente com bicicleta (24), corte (5) e choque (3).

O coordenador da pediatria do Hospital de Trauma, Fabiano Alexandria, destaca algumas situações de risco que para os pais parecem pouco perigosas. “Nas áreas de serviços das casas é onde ocorrem os principais acidentes, como por exemplo: baldes com água, tanque, tomadas desencapadas e produtos químicos, principalmente com crianças entre 2 a 4 anos”, frisou.

Traumas e fraturas em braços e pernas também são bastante comuns. Boa parte das contusões, entorses e até mesmo fraturas sofridas por crianças ocorrem dentro de casa. Na instituição, as principais entradas são de quedas e corpo estranhos. Para se ter uma idéia, em julho de 2016, foram 550 acidentes envolvendo crianças. 313 foram vítimas de quedas e 117 de corpo estranho. E em junho do mesmo ano foram 205 quedas e 110 corpos estranhos. Segundo o coordenador da ortopedia, Umberto Jansen, a região mais atingida nos pequenos é o membro superior. “Sendo a fratura mais comum no antebraço, principalmente o punho. Já no membro inferior, a perna é a parte mais atingida”, completou.

Entre os ambientes mais perigosos das residências, a campeã é a cozinha, onde estão expostos fogão, botijão de gás, tomadas, baldes e objetos cortantes. Foi nesse ambiente que a pequena Mirella Vitória, de apenas um ano, se queimou após colocar a mão no forno quente. “Foi muito rápido, questões de segundos, havia acabado de pedir ao pai que olhasse a menina. Um susto grande que serve de alerta para todos os pais: lugar de criança não é na cozinha”, relatou a mãe, Maria Vitória Lima dos Santos. Por isto, o cirurgião plástico da unidade de saúde, Saulo Montenegro, pede atenção redobrada dos pais. “Atenção ao utilizar o forno (que fica na altura dos olhos das crianças) e com panelas, frigideiras, cafeteiras e tudo que fica sobre o fogão. Utilizar as bocas de trás e manter o cabo dos utensílios para dentro, não para fora do eletrodoméstico, é um primeiro passo para atenuar eventuais problemas”, salientou.

Na unidade de saúde, os casos mais comuns com relação às queimaduras são por líquido em alta temperatura que já somam 74 neste período de férias, seguidos de acidentes por fogo (13), fogo de artifício (12) e por contato com objeto de alta temperatura (13). Uma das vítimas foi Lucas Gabriel, de dois anos, que puxou a toalha da mesa da sala onde estava a garrafa de café quente e acabou virando em cima dele. “Meu filho sempre foi muito calmo, nunca imaginei que ele pudesse tomar essa iniciativa, agora todo cuidado é pouco com ele”, comentou a mãe Jaqueline Araújo.

PB Agora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Pais devem acompanhar o acesso de crianças à internet, alertam especialistas

Julho é o mês das férias escolares e, com elas, vêm a preocupação de muitos pais sobre como os filhos aproveitam o tempo livre. O acesso à internet e às redes sociais é uma das formas de passar o tempo, mas deve ser feito com cuidado para não prejudicar as crianças e adolescentes.

Especialistas concordam que o acesso à rede mundial é um caminho sem volta, e a proibição do uso não é a melhor opção para os pais. O presidente da organização não governamental Safernet, Thiago Tavares, diz que a melhor estratégia continua sendo o diálogo, a conversa franca e a relação de confiança que deve existir entre pais e filhos.

“Da mesma forma que você conversa com seus filhos sobre os riscos que existem ao sair na rua, na escola, no cinema, você diz para ele não aceitar bala de estranhos, você também deve orientá-lo em relação ao uso seguro da internet”, diz. Ele recomenda também o uso de versões customizadas de sites e aplicativos, que selecionam o conteúdo apropriado para crianças.

O especialista não recomenda o monitoramento dos filhos com o uso de softwares espiões. Segundo ele, esses programas passam uma falsa sensação de segurança e podem comprometer a relação de confiança entre pais e filhos. “Proibir o uso da internet não adianta. E monitorar o que seu filho faz por meio de softwares espiões também não ajuda, porque quebra uma relação de confiança e é ineficiente, porque as crianças não acessam a internet de um único dispositivo”, justifica.

Espaço público

A mestre em psicologia clínica Laís Fontenelle orienta aos pais acompanhar os acessos virtuais dos filhos da mesma forma como é feito no mundo real. “O mesmo cuidado que tem de ter na internet é o cuidado que tem de ter em um espaço público. Os pais têm de monitorar da mesma forma que monitora a casa do amigo que o filho vai, a praça que vai frequentar, a festa, porque é como se fosse um espaço público, só que virtual”, explica.

No caso de crianças não alfabetizadas, o acesso à internet precisa sempre ser feito com a supervisão de um adulto, diz a psicóloga. “A mediação é imprescindível principalmente para crianças que não estão alfabetizadas. Elas vão com o dedinho no touchscreen [tela do celular ou tablet] e podem cair em um conteúdo que não é adequado para elas, e não têm a maturidade para lidar com o conteúdo que está ali”, adverte.

A psicóloga também “puxa a orelha” dos pais, alertando para a responsabilidade do exemplo dado às crianças. “Não adianta a gente fazer um overposting dos nossos filhos nas redes sociais, expondo tudo que acontece na vida deles: ‘ganhou um peniquinho, comeu a primeira papinha’ e dizer para eles não fazerem isso. Se a gente não sabe lidar com esses limites claros sobre o que pode ser publicizado sobre a intimidade das nossas vidas, eles nunca vão saber”, diz Laís.

Os principais riscos do uso da internet por crianças e adolescentes são os acessos a conteúdos inapropriados para a idade, como pornografia, a exposição da privacidade em redes sociais, o cyberbulling e a exposição da intimidade, principalmente na adolescência. “Os casos de vazamento de nudes [fotos de nudez] não param de crescer ano a ano”, diz o presidente da Safernet. Além disso, há o perigo do contato com estranhos, que pode resultar em tentativas de assédio, aliciamentos ou golpes.

Uma pesquisa divulgada no ano passado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil mostrou que 87% crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos têm perfil em redes sociais, e 66% acessam a internet mais de uma vez por dia. Segundo o estudo TIC Kids Online Brasil, 11% dos entrevistados acessaram a internet antes dos 6 anos de idade.

Trem-bala

A jornalista Melissa Gass levou um susto quando viu que o canal no Youtube da filha Lívia, de 7 anos, tinha mais de 15 mil visualizações. O sucesso veio quando a menina postou um vídeo dançando o hit Trem-Bala, da cantora Ana Vilela. “Como ela não posta muita coisa, eu não esperava, mas por causa desse vídeo acabou tendo uma repercussão maior. É muita exposição, a gente fica meio preocupado”, conta a mãe.

Em seu canal, Lívia mostra brincadeiras, músicas, livros e até receitas culinárias. “Eu gosto de ser famosa”, diz a menina, que também participa de aulas de canto, dança e vai começar a fazer teatro.

Para Melissa, não tem como proibir o acesso das crianças à internet, mas é preciso monitorar as atividades dos pequenos na rede. “A tecnologia é uma realidade. Com um ano de idade, ela mexia no celular, então não tem como fugir. Quando a gente proíbe, é pior, porque vai fazer escondido. Então a gente monitora, acompanha, incentiva o que pode incentivar”, explica.

Entre as orientações que os pais dão para Lívia, estão não seguir canais de adultos e não comentar nem trocar mensagem privada com desconhecidos. “A gente fala que têm adultos que querem fazer maldades para as crianças, então que ela tem de tomar cuidado, a gente dá essa orientação”, diz Melissa. A mãe também monitora as redes sociais da filha e, quando vê algo suspeito, desabilita o contato.

Agência Brasil 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

O Jornalismo em Ação