Arquivo da tag: crianças

5 coisas que você precisa saber antes de levar crianças à praia

praiaVai dar praia no fim de semana? Antes de fazer as malas e cair na estrada com os filhos, é melhor se preparar com um pouco mais de cuidado. Não dá para usar qualquer tipo de protetor solar e os horários de passeios vão precisar ser reavaliados. Confira abaixo algumas sugestões para não esquecer na hora de se preparar e aproveite os dias quentes com mais tranquilidade.

  • A partir de que idade?

    Não existe um consenso sobre quando os bebês podem começar a frequentar a praia, mas os especialistas costumam recomendar esperar pelo menos até os seis meses de vida para fazer a primeira visita ao litoral. O que não muda são as recomendações de cuidado com a exposição solar –os horários adequados são antes das 10h e depois das 16h. A partir do quarto mês de vida, o bebê já pode entrar na piscina. Para nadar no mar, porém, é melhor esperar até ele completar um ano.

  • A questão do protetor solar

    Protetores solares são indicados somente para crianças a partir de seis meses. Antes disso, não devem usar o produto nem ser expostas de maneira intensa ao Sol. As crianças mais velhas podem usar produtos específicos, preferencialmente sem compostos químicos, como ácido paraminobenzóico (PABA) ou Benzofenona-3. Leia mais

  • Na bagagem

    A mala de viagem deve incluir itens como camisetas leves e claras, bonés ou chapéus, fraldas próprias para a água, toalhas e brinquedos para a praia. Para crianças com mais de um ano, leve também um repelente (lembrando sempre de consultar antes o pediatra, para evitar problemas com eventuais alergias).

  • Alimentação

    Assim como os adultos, hidratação é fundamental para as crianças: água, sucos e água de coco são sempre bem-vindos, consumidos a cada 30 minutos. No entanto, os alimentos costumeiramente vendidos à beira-mar, como espetinhos ou sanduíches com maionese, não são boa escolha para os pequenos. E, mesmo de férias, deve-se procurar manter a rotina da criança, com seus horários de alimentação.

  • Para evitar problemas

    Criança perdida na praia é um clássico das férias de verão. Para que não aconteça com você, fique sempre de olho e, se possível, coloque uma pulseira de identificação com os dados básicos dos pequenos. Para crianças mais velhas, ensine para quem elas podem procurar ajuda caso se percam (como os salva-vidas ou policiais) e combine um ponto de encontro seguro para que eles possam se dirigir em caso de desencontro com os pais.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

CG deverá ser a 1ª cidade brasileira a ter centro de referência para crianças com microcefalia

microcefaliaReportagem da Revista Época, de circulação nacional, indicou que Campina Grande deve ser a primeira cidade brasileira a ter um centro de referência para crianças com microcefalia. Segundo a repórter Bárbara Lobato, o assunto foi discutido em reunião sobre o Programa Criança Feliz, com a presença do ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra.

Leia a reportagem na íntegra:

O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, conduziu, nesta quarta-feira (4), reunião sobre o Programa Criança Feliz com foco no atendimento às crianças com microcefalia. Inaugurações de centros integrados de referência para vítimas de microcefalia estão nos planos. O mais provável é que a primeira unidade seja criada em Campina Grande, na Paraíba, local em que vários bebês foram afetados pelo vírus da zika. O centro deverá prestar atendimento continuado para a estimulação precoce das crianças com lesão neurológica grave.

Assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Pesquisadores de SP e Texas estudam causas do estresse crônico em crianças

Um grupo de pesquisadores do Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em parceria com colegas da Texas Tech University (TTU), dos Estados Unidos, desenvolve um estudo que pretende identificar, nos dois países, causas comuns do estresse crônico, principalmente em crianças.

Abuso infantil

Abuso infantil é uma das principais causas do estresse em criançasMarcello Jr/Arquivo da Agência Brasil

O estresse crônico normalmente está relacionado à pobreza, abusos, conflitos familiares e uso de drogas. “Já detectamos que é comum, nas duas regiões, a alta prevalência de abuso infantil”, destacou a pesquisadora Andrea Parolin Jackowski, professora da Unifesp e coordenadora do projeto do lado brasileiro.

Informações preliminares do estudo indicam que, apesar das diferenças culturais, há semelhanças significantes nas reações das crianças dos dois países ao estresse tóxico: crianças que vivem em extrema pobreza em East Lubbock, no Texas, ou no centro-sul de Los Angeles, por exemplo, apresentam efeitos cognitivos e comportamentais semelhantes aos das que moram em favelas no Brasil.

“O que a gente percebe é que, independentemente do país que você resida, seja em um país como os Estados Unidos, que é um país desenvolvido, ou um país como o Brasil, que é um país em desenvolvimento, o estresse afeta da mesma forma o desenvolvimento da criança. Claro que existem diferenças culturais, que têm um papel importante, mas é uma forma de a gente poder fazer uma comparação entre as populações”, disse Parolin.

Em outubro, os pesquisadores do Texas vieram a São Paulo para conhecer os lugares pesquisados – como a região da cracolândia, no centro da capital paulista – e verificar in loco a realidade em que vivem as crianças que estão sendo estudadas pela coordenadora do projeto brasileiro. Em 2017, será a vez de os pesquisadores brasileiros irem aos EUA.

“A gente quer entender qual é o papel da cultura, das questões culturais no próprio desenvolvimento da criança, se são fatores protetores, aquilo que pode deixar o ambiente mais saudável e impedir que essa criança tenha uma doença no futuro. E entender também um pouco mais quais são os fatores de risco, porque existem questões que são muito peculiares de cada cultura”, ressaltou.

A pesquisa brasileira está sendo financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O intercâmbio entre os pesquisadores recebe apoio do programa São Paulo Researchers in International Collaboration (Sprint – em português, Pesquisadores de São Paulo em Colaboração Internacional).

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Preso em flagrante suspeito de praticar crimes sexuais contra crianças em Pilões

sireneNa tarde desta quinta-feira (15) policiais civis da delegacia de Pilões, no Brejo da Paraíba, a 117 km de João Pessoa, prenderam em flagrante um jovem de 18 anos suspeito de praticar crimes de natureza sexual contra crianças do município. A polícia chegou até ele depois de investigar denúncias feitas por mães e pais de crianças que moram próximas ao suspeito.

O jovem foi preso na casa dele, no sítio Rio do Braz, na Zona Rural de Pilões. Ele foi ouvido na delegacia e reconhecido pelos pais de algumas vítimas de atos que teriam sido praticados por ele. As mães que procuraram a autoridade policial informaram que o suspeito praticava atos obscenos na frente dos filhos e tentava aliciá-los oferecendo dinheiro. O detido vai ficar na delegacia de Pilões aguardando determinações da Justiça.

Outra prisão

A Polícia Civil da 8ª Delegacia Seccional de Guarabira, também no Brejo da Paraíba, a 98 km da Capital, em uma ação coordenada pela equipe da delegacia de Pilões, deu cumprimento, na tarde desta quinta, a um mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça contra um homem de 36 anos, suspeito de praticar vários assaltos na cidade.

A polícia começou a investigar o suspeito depois que várias vítimas procuraram a delegacia denunciando que foram abordadas por um grupo de assaltantes. Algumas o descreveram como um dos integrantes do grupo criminoso. A partir das informações repassadas, os policiais iniciaram as buscas.

Foi montada uma campana no bairro apontado pelas vítimas como o local de atuação dos criminosos e, depois de uma diligência, foi descoberta a residência do suspeito. Ele foi preso na casa onde mora, no sítio Tabocal, localizado na Zona Rural de Pilões. Durante a abordagem ele disse que era o responsável por apontar para os outros integrantes do grupo as vítimas e as residências que seriam assaltadas.

O preso foi ouvido na delegacia e está recolhido na carceragem aguardando decisão da Justiça. Agora a polícia continua as investigações para identificar e prender os outros suspeitos de praticar os crimes patrimoniais.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Em Belém/PB, idoso constrói parque de diversão com material reciclável para crianças da zona rural

Com quase 80 anos de idade, o sr. José Luiz, morador no Sítio Lagoa de Serra, município de Belém, no Agreste paraibano, resolveu construir, em harmonia com a natureza, um criativo parque de diversão feito com materiais recicláveis para atender as crianças de sua comunidade.
O parque de diversão, localizado no alto do sítio Lagoa de Serra, com uma bela vista panorâmica da lendária Serra da Copoaba, tornou-se uma alternativa de lazer para as crianças daquela localidade rural e adjacências, além de um atrativo turístico para os grupos que fazem trilhas ecológicas pela região:
“Eu tive a honra de conhecer esse guerreiro. Nós, da Associação de Bombeiros Civis [de Belém], incluímos o parque do seu Luiz em nossas atividades, como ponto de visita em nossas caminhadas ecológicas. Até ajudamos o mesmo de forma singela, doando tintas para que ele embeleze suas criações. Orgulho de nossa terra!”, disse o bombeiro civil Izaias Matias.
Confira algumas fotos do parque de diversão do Sr. José Luiz, no sítio Lagoa de Serra, em Belém (PB):

 

Por: Correio Belenense

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Crianças dão a luz a 500 bebês por ano na Paraíba, aponta estudo do IBGE

menina-gravida-estuproO corpo franzino e os traços infantis no rosto de Ana (fictício) revelam a transição da infância para a adolescência. Para a garota, de 14 anos, essa nova fase, por vezes complicada e cheia de mudanças, virá com a responsabilidade de cuidar da pequena Laura (fictício), de apenas 10 dias de nascida. Ana está no universo de meninas, de até 15 anos, que todos os anos dão a luz a cerca de 500 bebês na Paraíba.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2004 até 2014, 5.499 mil crianças nasceram de meninas de até 15 anos na Paraíba. Ou seja, 499,9 partos feitos, anualmente, em mulheres nessa faixa etária. A trajetória de Ana é a mesma de Flávia (fictício). As duas iniciaram a vida sexual aos 12 anos e, aos 13, Flávia tinha uma criança no ventre. O ar infantil da menina que embala um bebê se mistura à maquiagem da mulher que teima em antecipar as responsabilidades da vida adulta.

“Tudo é novidade para mim. A sorte que minha mãe e minha irmã me ajudam a cuidar dele”, relatou a mãe do pequeno Luis (fictício), de apenas sete dias.

O desconhecimento sobre os métodos contraceptivos é um dos fatores que estão presentes na realidade da maioria das adolescentes que ficam gestantes. Essa situação pode gerar outros agravantes, como problemas de saúde para a mãe e o bebê. Um estudo feito por um grupo de pesquisa em Saúde Pública da Universidade de São Paulo apresentado à Sociedade Paulista de Pediatria (SPP) mostrou que problemas relacionados à gestação, parto ou pós-parto ocasionaram a internação de 59,5% de mulheres, na faixa etária dos 15 anos 19 anos, em todo o País.

Embora os dados do estudo sejam de 2014, essa é uma realidade contínua, segundo explicou o ginecologista e obstetra do Instituto Cândida Vargas de João Pessoa, Genival Ferreira de Lima. “O pré-natal de uma mãe adolescente necessita de mais cuidado e acompanhamento, porque é uma gravidez de risco. Tem que explicar para elas a importância de tomar as medicações, fazer os exames para evitar problemas, como infecção urinária. Como a parte hormonal delas ainda é deficitária, elas têm uma predisposição maior em ter esse problema”, alertou.

Educação sexual

Para a coordenadora do Núcleo de Estudos de Violência Doméstica contra Criança e Adolescente da Sociedade Paulista de Pediatria, Renata Waksman, a gravidez indesejada que afeta muitas adolescentes é reflexo da falta de educação sexual também em casa, com a família. Ela reforça a falta de maturidade das jovens ao não ter responsabilidade em usar os métodos contraceptivos e ainda o retardo em procurar acompanhamento médico, quando engravidam. “A atividade sexual dos adolescentes está começando cada vez mais cedo. Muitas vezes, as adolescentes engravidam e não sabem.

Fazem o pré-natal tarde ou de maneira inadequada. Tudo isso traz agravantes para a saúde. A orientação de como se cuidar e os perigos que se tem nas relações sexuais é papel dos pais e não somente da escola. Os pais não podem esperar a menina menstruar ou começar a namorar para falar sobre isso”, reforçou.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado da Saúde (SES) para comentar os dados mas, até o fechamento desta edição, não obteve resposta.

Dois partos por dia na Capital
Até setembro deste ano foram realizados 589 partos em adolescentes que deram entrada no Instituto Cândida Vargas, em João Pessoa. Com a média de dois partos por dia feitos em gestantes na faixa etária dos 11 aos 17 anos, o supera o total de procedimentos em mulheres de 18 e 19 anos.

Do Jornal Correio da Paraíba

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Meningite assusta pais de crianças pequenas e pode ser confundida com gripe

mae-e-filhaSão muitos os quadros de meningite, já que essa é uma doença que pode ser causada por diferentes agentes –dentre os quais, vírus e bactérias–, que apresentam variados sintomas e níveis de gravidade. Buscar informações sobre o mal é importante para não negligenciar um quadro bacteriano nem se desesperar diante de uma meningite viral, que geralmente é a sua forma mais branda.

O Brasil é um dos países que considera meningite uma doença endêmica –casos são esperados durante todo o ano–, porém quadros virais são mais comuns no verão e bacterianos, no inverno, podendo ocorrer surtos.

Confira nove perguntas e respostas sobre a doença.

1 – O que é meningite?

É um termo amplo usado para fazer referência à inflamação das meninges (as três membranas que envolvem e protegem o encéfalo, no cérebro, e a medula espinhal) e outras partes do sistema nervoso central. Essa inflamação pode surgir a partir de uma ampla variedade de doenças infecciosas ou não. Quando tem origem infecciosa, a inflamação acomete o corpo quando um microrganismo –como uma bactéria ou um vírus– ataca as meninges.

2 – Quais os tipos da doença?

A meningite pode ser viral, mais comum em crianças. Ela pode ser causada por alguns vírus principais: enterovírus, arbovírus, vírus do sarampo e da caxumba, adenovírus e vírus herpes simples. Também existem as meningites bacterianas, cujos agentes mais comuns são as bactérias meningococos, pneumococos e hemófilos, transmitidas pelas vias respiratórias ou associadas a quadros infecciosos de ouvido, por exemplo.

Há também casos mais raros de meningites provocadas por fungos ou pelo bacilo de Koch, o mesmo que causa a tuberculose.

3 – Que exame é feito para confirmar o diagnóstico de meningite?

É necessário fazer a coleta de líquido cefaloraquidiano (líquor), retirado preferencialmente por meio de punção na região lombar da coluna, e de sangue, para identificar com precisão o que está causando os problemas apresentados pelo doente.

4 – É preciso isolar o doente do convívio com as demais pessoas da casa?

Sim, pois o contágio pode ocorrer quando o doente tosse, espirra, beija ou toca com as mãos sujas outras pessoas e usa objetos que serão manipulados por quem está ao redor. Por isso, as crianças não devem ir à escola, e a direção precisa ser notificada imediatamente após o diagnóstico médico ser confirmado, para que notifique os órgãos de saúde públicos competentes sobre o caso. Isso serve para as autoridades avaliarem se é necessária a realização da quimioprofilaxia (espécie de dedetização com substâncias para evitar a propagação da doença) no colégio. A notificação é obrigatória para todo e qualquer caso de meningite.

5 – Existem maneiras de prevenção?

Sim. Caprichar na higiene pessoal e manter a carteira de vacinação em dia são dois dos cuidados mais importantes. Outros: não secar as mãos em toalhas úmidas –dando preferência sempre que possível às descartáveis–, higienizar muito bem legumes, frutas e verduras antes do consumo e manter utensílios de uso individual para cada pessoa da casa (como toalhas de rosto e de banho), principalmente no caso de crianças.

6 – Todos os tipos de meningite são gravíssimos?

Não. As pessoas normalmente se recuperam de uma meningite viral dentro de uma a duas semanas, sem problemas a longo prazo. Claro que isso depende muito da saúde do paciente (pessoas com sistema imunológico comprometido inspiram mais cuidados). A exceção são bebês com menos de três meses, especialmente nos casos causados pelos vírus herpes simples –esse cenário é grave.

Já a meningite causada por bactérias é agressiva e considerada emergência médica, pede ação rápida, pois pode levar o doente à morte em horas.

7 – Como são tratados os quadros de meningite? Todos necessitam de internação?

No caso da meningite viral, uma vez que os médicos tenham certeza do diagnóstico, em geral, a internação acontece por cautela, para acompanhamento médico mais próximo, hidratação e maior conforto do doente. É comum serem prescritos antitérmicos e analgésicos, que aliviam os sintomas, tal como é praxe no tratamento de outros males provocados por vírus. Para quadros bacterianos, a internação é fundamental, dado à gravidade do caso e porque é necessário ministrar antibióticos diretamente na veia do paciente.

8 – Quais os sintomas típicos da doença?

Nas meningites causadas por vírus, pode parecer que a pessoa está com gripe, em função dos sintomas mais leves. O doente apresenta febre, dor de cabeça, rigidez da nuca, falta de apetite e irritação.

Já quando a meningite é causada por bactérias, o caso é mais grave e o quadro do doente, mais delicado. Rapidamente, ele apresenta febre alta, mal-estar, vomita, tem dores fortes de cabeça e no pescoço e sente dificuldade para encostar o queixo no peito. Manchas roxas podem aparecer espalhadas pelo corpo, e a pessoa ter o nível de consciência alterado, um sinal de que a infecção está se espalhando pelo sangue. Em bebês, um sinal da doença é a elevação da moleira.

9 – Existe vacina para a meningite?

Sim, mas apenas para a forma bacteriana da doença. São elas:

Vacina Meningocócica C Conjugada

Disponível no sistema público de saúde, onde é aplicada em crianças de dois meses a menores de cinco anos.

São três doses: uma aos três meses, uma aos cinco e uma aos 12 meses (podendo ser aplicada até os quatro anos).

Além dessas doses, a SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) recomenda um reforço entre cinco e seis anos e outro aos 11 anos. Quem segue a recomendação tem de fazê-la em clínicas particulares, arcando com os custos.

A partir de 2017, crianças e adolescentes de nove a 13 anos também vão receber uma dose da vacina meningocócica C na rede pública de saúde.

Vacina Meningocócica Conjugada Quadrivalente (ACWY)

Disponível somente na rede privada de saúde. A dose custa R$ 367 (o preço pode variar dependendo da clínica escolhida).

A primeira dose deve ser dada aos três meses de idade, com mais duas doses no primeiro ano de vida. A criança deve receber uma dose de reforço com um ano, uma com cinco anos e a última com 11.

Para adolescentes que nunca foram imunizados, são recomendadas duas doses, com intervalo de cinco anos entre elas.

Vacina Meningocócica B

Disponível somente na rede privada de saúde. A dose custa R$ 680 (o preço pode variar dependendo da clínica escolhida).

A SBP recomenda o uso rotineiro de quatro doses dessa vacina, uma aos três meses, uma aos cinco, uma aos sete e a última dose entre 12 e 15 meses.

No caso de crianças maiores e adolescentes não vacinados na infância, o ideal é que a vacina seja dada em duas doses, com intervalo de um ou dois meses entre elas.

Vacina Haemophilus Influenzae Tipo B

Disponível na rede pública de saúde, integra a vacina pentavalente.

Em clínicas particulares, faz parte das vacinas pentavalente e hexavalente e também pode ser encontrada em sua forma isolada.

É recomendada em três doses, aos dois, quatro e seis meses de idade. A SBP recomenda uma quarta dose entre 12 e 18 meses.

Crianças com mais de cinco anos e adolescentes não vacinados devem tomar duas doses, com intervalo de dois meses entre elas.

Consultoria: Marco Aurélio Sáfadi, presidente do Departamento Científico de Infectologia da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), Glaucia Varkulja, infectologista do Hospital Santa Catarina, em São Paulo, e Victor Nudelman, pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein, também na capital paulista.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Paraibano diz não lembrar como matou crianças na Espanha

sobrinhoO paraibano suspeito do brutal assassinato de quatro parentes na Espanha disse à polícia espanhola que não lembra como matou os dois filhos de seus tios, Marcos Campos e Janaína Santos Américo, segundo o comandante Reina, da Guarda Civil.

“Não lembra, diz não se lembrar em nenhum momento, como cometeu o assassinato das crianças”, afirmou Reina, acrescentando que Patrick prefere não mostrar a monstruosidade que foi capaz de protagonizar naquela noite no chalé de Pioz.

François Patrick Nogueira Gouveia, que se entregou às autoridades espanholas na semana passada, foi acusado na sexta-feira (21) pelos homicídios dos dois adultos e das duas crianças de um e quatro anos, após confessar “parcialmente” a autoria dos crimes.

Patrick é acusado de esquartejar em agosto seu tio, sua tia e matar os dois filhos pequenos do casal. Os quatro corpos foram encontrados em 18 de setembro em um chalé de Pioz, 60 km de Madri, depois que um vizinho alertou para o mau cheiro que emanava do local.

Os restos mortais estavam em sacos plásticos, e os dois adultos tinham sido esquartejados. François Patrick devia voltar ao Brasil em 16 de novembro, mas, no dia seguinte da descoberta, trocou a passagem rapidamente, retornando ao país em 20 de setembro.

No entanto o jovem viajou na última quarta-feira para a Espanha para se entregar voluntariamente, depois que a Guarda Civil espanhola informou ter “provas inquestionáveis” de seu envolvimento no crime.

Comportamento agressivo
O jornal El Español, que teve acesso ao depoimento de Patrick à Justiça espanhola, destacou que o jovem apresentou um comportamento agressivo nos quatro meses que conviveu com os tios e primos na localidade de Torrejón de Ardoz, a leste de Madri.

Ainda segundo o jornal, “Patrick estava irritado com seu tio porque este recusou que fosse morar com eles no condomínio de Pioz”, e isto se deu “por oposição de Janaína, devido ao assédio pessoal a que Patrick a submetia, somado aos repetitivos episódios psicóticos que ele sofria”.

O ministro do Interior espanhol, Jorge Fernández, afirmou que as provas contra o rapaz, natural da Paraíba (nordeste do Brasil) são “estarrecedoras”.

Entre elas, o ministro mencionou “dados de DNA que apareceram no domicílio de Pioz, de uma gota de suor a impressões digitais na fita usada para fechar os sacos que continuam os restos do casal e dos filhos”.

Além disso, a geolocalização do celular do rapaz o situa na casa de Pioz no dia em que se acredita que os crimes foram cometidos: 17 de agosto.

Com perfil marcado pelo “egoísmo”, “narcisismo” e “falta de apego à vida humana”, segundo os investigadores, François Patrick tem um passado violento, tendo agredido um professor no Brasil.

MaisPB com G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

MP estabelece medidas para coibir venda de bebidas alcoólicas a crianças em Caiçara e Logradouro

placa-proibido-bebidaA Promotoria de Justiça de Caiçara realizou, na última quarta-feira (19), uma audiência com membros do conselho tutelar, polícia militar, polícia civil e proprietários ou responsáveis pelos estabelecimentos que comercializam bebidas alcoólicas dos municípios de Caiçara e Logradouro para discutir ações efetivas para prevenir e coibir o acesso, a comercialização e o fornecimento de bebidas alcoólicas a crianças e adolescentes.

Durante a audiência, a promotora Airles Kátia Borges Rameh destacou que o consumo de bebidas alcoólicas por crianças e adolescentes compromete o desenvolvimento social e psicológico, bem como o crescimento digno e sadio.

A Promotoria, durante a audiência, recomendou aos proprietários ou responsáveis por bares e outros estabelecimentos onde ocorrem eventos abertos ao público, que efetuem o rigoroso controle de acesso aos locais de diversão de forma a não permitir o ingresso de criança e adolescente desacompanhado dos pais ou responsável legal.

Já aos proprietários de estabelecimentos que vendem bebidas alcoólicas devem se abster vender, fornecer ou servir a crianças e adolescentes, afixando em local público cartazes com essa proibição. Eles também devem coibir o fornecimento de bebidas alcoólicas a crianças e adolescentes por terceiros. Os proprietários receberam cartazes confeccionados pelo Ministério Público, alertando sobre a proibição, tendo se comprometidos a afixá-los no prazo de 30 dias.

Ficou decidido ainda que o conselho tutelar vai visitar os estabelecimentos comerciais para verificar a afixação dos cartazes, informando ao MP qualquer descumprimento. Os estabelecimentos onde são realizados eventos públicos devem assegurar o livre acesso dos conselheiros tutelares, representantes do Ministério Público, Poder Judiciário e órgãos de segurança para fiscalização da recomendação e para evitar ou reprimir eventuais infrações. Os órgãos de segurança deverão atuar para coibir a venda de bebidas a crianças e adolescentes.

De acordo com a promotora, as ocorrências de comercialização de bebidas alcoólicas a crianças e adolescentes deverão ser imediatamente comunicada à autoridade policial.

Assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Suspeito de pagar R$ 2 para estuprar crianças de 4 e 5 anos é preso em Caiçara-PB

casos de policiaUm homem de 27 anos foi preso na cidade de Caiçara, no Agreste paraibano, suspeito de pagar para estuprar duas crianças, de 4 e 5 anos, que são irmãs. Segundo a Polícia Civil, a prisão aconteceu na quinta-feira (13) em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. Os crimes ocorreram em Logradouro, cidade vizinha, em maio deste ano.

Ainda de acordo com a polícia, o suspeito confessou que oferecia R$ 2 para cada criança, um menino e uma menina, para poder praticar os abusos sexuais. Conforme mandado expedido pela Justiça, o suspeito deve responder pelos crimes de estupro, corrupção de menores e posse sexual mediante fraude.

O suspeito ainda informou à polícia que os abusos aconteceram por duas vezes. A operação que resultou na prisão do suspeito contou com a participação de policiais de Guarabira,Caiçara e Campina Grande. Ele deve ficar preso à espera do julgamento.

G1 PB

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br