Arquivo da tag: CORREÇÃO

Dilma Rousseff confirma correção de 4,5% no Imposto de Renda

imposto_de_rendaA presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira (20) que não há recursos para correção maior que 4,5% na tabela do Imposto de Renda para pessoa física. A presidente disse que se comprometeu com a correção de 4,5% e que esse será o índice defendido pelo governo. No início do ano, ela vetou texto vindo do Congresso Nacional que corrigia a tabela em 6,5%.

“Eu tenho um compromisso e eu vou cumprir meu compromisso, que é 4,5%. Nós não estamos vetando porque queremos. Estamos vetando porque não cabe no Orçamento. Nunca escondemos que era 4,5%”, disse a presidente a jornalistas, após participar de cerimônia de entrega de credenciais a embaixadores em Brasília.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O veto da presidente ao texto do Congresso pode ser derrubado pelos parlamentares. Questionado pelos jornalistas sobre essa possibilidade, a presidente afirmou que não está vetando porque quer, mas porque não há recursos. Segundo ela, a discussão terá que ser reaberta se o Congresso não aceitar o índice proposto pelo governo.

Vetei, não é porque não queira fazer. Não tem recurso para fazer. É essa questão. Se por algum motivo não quiserem os 4,5%,  vamos ter que abrir discussão novamente. O governo tem condições perfeitamente de agora olhar os 4,5%”, afirmou Dilma.

Reajuste de 6,5%

Se  tivesse sido aprovado o reajuste como queria o Congresso, pessoas que ganham até R$ 1.903,98 ficariam isentas de Imposto de Renda. Atualmente, o teto de isenção é de R$ 1.787,77. O reajuste de 6,5% seria aplicado também nas demais faixas da tabela.

Na justificativa para o veto, em janeiro, a presidente escreveu que a medida traria renúncia fiscal, ou seja, menos pessoas pagariam o imposto, sem indicação de meios para compensação.

G1

Confira o gabarito extraoficial e a correção das provas do Enem 2014

enemO primeiro dia do Enem 2014 (Exame Nacional do Ensino Médio) foi realizado neste sábado (8) em todo o Brasil. Os candidatos realizaram provas de ciências humanas e suas tecnologias e de ciências da natureza e suas tecnologias. Acompanhe abaixo o gabarito extraoficial do primeiro dia do exame. Se a sua prova não é a amarela, selecione outra cor no menu. Em breve, serão publicados também comentários de cada questão. As provas foram corrigidas pelos professores do Curso e Colégio Objetivo.

 

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Escolha a sua prova:

Prova amarela

Correção comentada

Ciências Humanas 45 questões

Ciências da Natureza 45 questões

uol

OAB entra neste mês com ação para mudar correção da tabela do IR

oabA Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entrará até o fim deste mês com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a mudança da forma de correção da tabela do Imposto de Renda para Pessoa Física, segundo informou o presidente nacional da entidade, Marcus Vinícius Furtado Coêlho.

O Conselho Federal da OAB aprovou na última semana o ajuizamento da ação e agora a entidade finaliza o documento que será apresentado ao STF. Depois de protocolada, a ação será distribuída para algum dos ministros ser relator. O magistrado ficará responsável por ouvir as partes interessadas, elaborar um relatório e liberar o tema para julgamento no plenário.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O cidadão que ganhava até seis salários mínimos há quinze anos não pagava o imposto de renda. Hoje, esse patamar está em dois salários mínimos e meio. Então, uma defasagem de 60% em 15 anos”
Marcus Vinícius Furtado Coêlho, presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil

A ação da OAB no caso do imposto de renda vai questionar a aplicação da Taxa Referencial (TR) a partir de 1999 como critério para definir quem tem direito à isenção e para estabelecer as faixas de pagamento do imposto.

A entidade quer que o Supremo determine, a partir de 2014, a correção da tabela com base na inflação. Segundo o presidente da OAB, a aplicação da TR gerou uma defasagem de 60% nas faixas de pagamento do imposto.

Um dos argumentos da OAB para alterar a forma de correção da tabela do imposto de renda será a decisão tomada em março do ano passado pela Suprema Corte, que julgou a TRilegal para corrigir perdas inflacionárias nos precatórios (títulos de dívidas que o governo emite para pagar quem ganha na Justiça processos contra o poder público).

O mesmo julgamento do STF sobre precatórios também serviu de base para ação do partido Solidariedade, apresentada nesta semana, que pediu suspensão da utilização da TR na correção das contas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

“No caso dos precatórios, o Supremo Tribunal Federal decidiu que a TR é inconstitucional porque ela não consegue manter o valor dos créditos. Isso significa um confisco do Estado em relação ao direito do cidadão, tal qual a tese em relação ao imposto de renda. Há 15 anos, o cidadão que ganhava até seis salários mínimos não pagava o imposto de renda. Hoje, esse patamar está em dois salários mínimos e meio. Então, uma defasagem de 60% em 15 anos”, disse Furtado Coêlho.

A OAB vai propor ainda que o Supremo crie uma regra, a chamada “modulação” dos efeitos da decisão, para a reposição aos contribuintes das perdas desde 1999 até agora, a fim de que não resulte em “impacto grave” para os cofres públicos.

“Devemos pedir a modulação dos efeitos para que o período atrasado seja parceladamente recomposto nos próximos dez anos, como está propondo o Sindicato dos Auditores Fiscais da Fazenda Nacional – a partir deste ano ter a correção integral a cada ano, e o passivo ser corrigido na base de 10% por ano nos próximos dez anos, para que não haja impacto grave nas contas públicas.”

‘Queria testar a correção do Enem’, diz jovem que pôs receita na redação

Redação enemUm candidato inseriu uma receita de macarrão instantâneo no meio da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obteve 560 pontos na prova (a nota máxima é 1.000 pontos). O estudante postou a prova no seu perfil do Facebook junto com as justificativas dos corretores do exame com o comentário “Bela avaliação”. O caso foi destacado na edição desta terça-feira (19) do jornal “O Globo”. Em entrevista ao G1, o estudante mineiro Carlos Guilherme Ferreira, de 19 anos, disse que escreveu um parágrafo com a receita “para testar o novo sistema de avaliação do Enem”.

A redação foi considerada “adequada” pelos corretores do Enem. Segundo o MEC, o texto não apresentou discrepância de nota acima de 200 pontos entre os dois corretores e não precisou ir para um terceiro corretor.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Acho que vendo essa redação, esse ano a correção vai ser ainda mais rigorosa e isso é bom né”
Carlos Guilherme Ferreira,
autor da redação

A redação tem os dois primeiros parágrafos dissertando sobre o tema  “Movimento imigratório para o Brasil no século 21”.. Em seguida, o texto diz: “Para não ficar muito cansativo vou agora ensinar a fazer um belo miojo, ferva trezentos mls de água em uma panela, quando estiver fervendo coloque o miojo, espere cozinhar por três minutos, retire o miojo do fogão, misture bem e sirva.” O texto termina com mais um parágrafo sobre o tema da imigração.

“Escrevi a receita para testar o novo método de avaliação dos corretores, já que falaram que em 2012 seria diferente, a prova passaria por três corretores diferentes”, afirma Ferreira. Ele explica que se inscreveu no Enem quando estava sem estudar, mas no meio do ano entrou no curso de engenharia civil do Centro Universitário Lavras (Unilavras), e resolveu fazer o exame do MEC sem muito compromisso.

Redação com receita do macarrão instantâneo recebeu nota 560 no Enem (Foto: Reprodução/Facebook)Redação com receita do macarrão instantâneo recebeu nota 560 no Enem (Foto: Reprodução/Facebook)

O jovem espera que com a repercussão de sua redação inusitada, os critérios para o próximo Enem sejam mais rigorosos. “Acho que vendo essa redação, esse ano a correção vai ser ainda mais rigorosa e isso é bom né?”

A redação do Enem deve obedecer cinco competências previstas no edital. A realização da prova de redação deveria cumprir as exigências de cinco competências determinadas no edital do MEC:

1ª competência: Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita.

2ª competência: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

3ª competência: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

4ª competência: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação.

5ª competência: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando

Na correção, o estudante recebeu 40 pontos de um total de 200 na competência V: “Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos”. Segundo a correção da prova, o candidato atingiu 20% da Competência 5, atendendo aos critérios definidos a seguir. O participante elabora proposta de intervenção tangencial ao tema ou subentendida no desenvolvimento da argumentação.

Não cabe dizer que o participante teve a intenção de anular sua redação, uma vez que dissertou sobre o tema e não usou palavras ofensivas
Nota do Ministério da Educação

Em nota, o Ministério da Educação alegou que “o texto, em sua totalidade, não fugiu ao tema, e não feriu os direitos humanos. Tampouco cabe dizer que o participante teve a intenção de anular sua redação, uma vez que dissertou sobre o tema e não usou palavras ofensivas”.

Ainda segundo a nota, “o participante dissertou sobre o tema sugerido, obtendo nota final (560 pontos). No processo de avaliação das redações, a presença de uma receita no texto do participante foi detectada pelos corretores e considerada inoportuna e inadequada, provocando forte penalização especialmente nas competências III (selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista) e V (elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos e considerando a diversidade sociocultural)”.

Ainda de acordo com o MEC, a redação em questão possui 24 linhas, sendo vinte referentes ao tema, atendendo às competências, e quatro referentes à receita, com o que sofreu severa penalização.

Erros de português
Redações que obtiveram nota máxima no Enem apresentaram graves erros de português, segundo reportagem publicada nesta segunda-feira (18) no jornal “O Globo”. Palavras escritas com erros de grafia como “rasoável”, “enchergar” e “trousse” apareceram em alguns textos que ganharam nota 1.000. Também foram percebidos erros de concordância em algumas redações.

O Ministério da Educação explicou que o texto é analisado como um todo, e o que importa mesmo é que candidato tenha um excelente domínio do português, mesmo que ele cometa pequenos desvios gramaticais.

De acordo com o guia elaborado pelo MEC para explicar a correção da prova de redação, a nota máxima na primeira competência significa que apresentou nenhum ou “pouquíssimos desvios gramaticais leves e de convenções da escrita”. O erro de grafia em palavras simples e o fato de que ele não ocorre em várias partes do texto, segundo o ministério, “revela que as exigências da norma padrão foram incorporadas aos seus hábitos linguísticos e os desvios foram eventuais”.

Cálculo da nota
A nota final da redação corresponde à média aritmética simples das notas atribuídas por dois corretores. Caso houvesse discrepância de 200 pontos ou mais na nota final atribuída pelos corretores (em uma escala de 0 a 1.000), ou de 80 pontos ou mais em pelo menos uma das competências, a redação passaria por um terceiro corretor, em um mecanismo que o Inep chama de “recurso de oficio”.

Se a discrepância persistisse, uma banca certificadora composta por três avaliadores examinaria a prova. Os candidatos poderiam solicitar vistas da correção, porém não puderam pedir a revisão da nota.

Dados divulgados pelo MEC em janeiro mostraram que 4.113.558 redações foram corrigidas no exame deste ano, e 826.798 entraram no sistema de terceira correção.

Ainda de acordo com o MEC, 1,82% das redações foi entregue em branco e 1,76% teve nota zero, o que acontece caso o estudante quebre uma das regras da prova (como escrever com caneta preta, com um número mínimo de linhas ou copiar os textos usados como base). Das mais de 826 mil redações com discrepância, 100.087 redações, após a terceira correção, foram encaminhadas ainda para uma banca examinadora, caso previsto para as provas que mantêm uma discrepância mesmo após a terceira correção.

 

 

G1

Importância do aparelho para correção dos dentes

aparelho-dentarioUns acham lindos por terem cores diferentes, darem um contraste no visual e gostariam de usar mesmo que não necessitem. Outros os acham feios e ficam aliviados por não precisarem usá-lo. E tem ainda os que não gostam, mas necessitam usar para concertar certos “defeitinhos” em seus sorrisos.
Em épocas passadas o aparelho ortodôntico é visto como “utilidade de nerd”, assim com os óculos eram vistos. Mas apesar de suas “mutações mais agradáveis”, não deve ser encarado como enfeite e sim como um procedimento para o devido alinhamento da arcada dentária de uma pessoa.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
Existem dois tipos de aparelhos: os fixos e os removíveis. Para saber qual será o ideal para a correção de seus dentes é necessária uma avaliação de seu dentista.
Em geral, os aparelhos removíveis são indicados para concertos de pequenas falhas nos movimentos dentários e para pacientes que estejam em fase de crescimento para se alterar o crescimento do osso da face.
Os fixos, também chamados de ‘tijolinhos’, são bráquetes fixados aos dentes por um resíduo apropriado. São utilizados por pacientes que necessitem de uma maior movimentação em sua arcada para o devido alinhamento de seus dentes. Este aparelho necessita de maior cuidado com a higienização e com a alimentação. Pois dependendo do que se come, se for algo duro como uma maçã, os bráquetes podem se soltar da superfície dos dentes. E se for algo fibroso, pode enroscas nas peças dando o maior trabalho para a remoção da sujeira.
Para quem tem que usar esse tipo de aparelho, mas não gostaria de tê-lo a mostra, existem os bráquetes transparentes. Eles são feitos de uma cerâmica resistente à força e a manchas. Antes desse, foi fabricado um aparelho com bráquetes de plástico, mas que logo caiu em desuso por escurecerem muito rapidamente e por esses ‘tijolinhos’ não serem tão resistes quanto os de metal.
Os benefícios de se usar um aparelho são inúmeros; tanto pela melhora da dicção e da fala em geral, quanto pela ótima aparência da pessoa. Pode ser incômodo no começo, mas os resultados com certeza valem o esforço.

 

 

guiadicas.com

Candidato já pode conferir correção da redação do Enem 2012

Redação enemOs candidatos que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2012 já podem acessar o espelho da correção de sua redação. Os documentos foram divulgados pelo Ministério da Educação nesta quarta-feira (6) no site de resultados do exame. O acesso, porém, é só para consulta individual. É preciso inserir o CPF ou número de inscrição e a senha cadastrada para visualizar os dados.

De acordo com a assessoria de imprensa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), cada candidato poderá ver a versão digitalizada de seu texto e a nota de cada uma das cinco competências avaliadas na prova, acompanhada de um parágrafo que explica o significado da competência.

Além disso, os estudantes poderão ver um gráfico comparativo entre o seu desempenho individual e o desempenho médio de todos os candidatos do Brasil.

Segundo o MEC, o acesso ao espelho da correção da redação serve apenas para fins pedagógicos. Conforme as regras do edital do Enem 2012, não existe possibilidade de recurso administrativo para os candidatos que discordam de sua nota. Para tentar solicitar uma nova correção, o estudante deve entrar na Justiça.

A divulgação do espelho da correção faz parte do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado pela Subprocuradoria Geral da República, pela União e pelo Inep em 2012, no qual o MEC se comprometeu a divulgar a “vista pedagógica” da redação a todos os candidatos.

A nota final corresponde à média aritmética simples das notas atribuídas pelos dois corretores. Caso haja discrepância de 200 pontos ou mais na nota final atribuída pelos corretores (em uma escala de 0 a 1.000), ou de 80 pontos ou mais em pelo menos uma das competências, a redação passa por um terceiro corretor, em um mecanismo que o Inep chama de “recurso de oficio”.

Se a discrepância persistir, uma banca certificadora composta por três avaliadores examinará a prova. Os candidatos poderão solicitar vistas da correção, porém não poderão pedir a revisão da nota.

Dados divulgados pelo MEC em janeiro mostram que 4.113.558 redações foram corrigidas no exame deste ano, e 826.798 entraram no sistema de terceira correção.

Ainda de acordo com o MEC, 1,82% das redações foi entregue em branco e 1,76% teve nota zero, o que acontece caso o estudante quebre uma das regras da prova (como escrever com caneta preta, com um número mínimo de linhas ou copiar os textos usados como base). Das mais de 826 mil redações com discrepância, 100.087 redações, após a terceira correção, foram encaminhadas ainda para uma banca examinadora, caso previsto para as provas que mantêm uma discrepância mesmo após a terceira correção.

A redação do Enem teve como tema “Movimento imigratório para o Brasil no século 21”. A realização da prova de redação deveria cumprir as exigências de cinco competências determinadas no edital do MEC:

1ª competência: Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita.

2ª competência: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.

3ª competência: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.

4ª competência: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação.

5ª competência: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

Reclamações
A nota final do Enem foi divulgada pelo MEC em 28 de dezembro do ano passado. A prova de redação foi novamente alvo de críticas por parte de estudantes. Indignados com a nota, eles iniciaram, no mesmo dia, um movimento para acionar a Justiça e conseguir uma nova correção.

Centenas de candidatos conseguiram liminares judiciais para obter a vista antecipada da correção. Segundo informações confirmadas pelo Ministério da Educação, pelo menos duas pessoas chegaram a ver a prova, mas, nos demais casos, a Justiça aceitou o recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e suspendeu as liminares.

No dia 3 de janeiro, o Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE) ajuízou uma ação civil pública, em caráter de urgência, para que a Justiça determinasse ao Inep a divulgação imediata das provas de redação, e não somente nesta quarta. Porém, no dia seguinte, o presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), Paulo Roberto de Oliveira e Lima, acatou o recurso da AGU e indeferiu o pedido.

 

 

G1

Efraim quer acesso a correção da redação do Enem

 Efraim Filho questiona a falta de acesso imediato à correção das redações do Enem

O deputado federal Efraim Filho (DEM-PB), questionou em entrevista o porquê do Governo Federal não permitir o acesso imediato à correção  acompanhadas das justificativas da pontuação das redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“Por não prevê a possibilidade que o estudante recorram da nota obtida na prova de redação, candidatos entram com ações no Ministério Público pedindo revisão das notas, ocasionando uma guerra jurídica entre o Governo e os estudantes”  disse Efraim.

Efraim Filho informou que mais de 826 mil redações tiveram 3ª correção, o que demonstra  ainda mais a necessidade do acesso as correções, que de forma inexplicável, não são disponibilizadas para os estudantes que ficam prejudicados em suas inscrições no Sistema de Seleção Unificada (SiSU) que utilizam essas notas com critério para acesso em diversas universidades brasileiras. “Em um mundo cada dia mais informatizado é inadmissível esse veto por parte do Governo Federal ao acesso dos estudantes a essa correções, é pura falta de qualidade na gestão do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM)” afirmou.

Efraim Filho disse ainda que os seus questionamentos estão em conformidade com as reivindicações do Ministério Público que também demonstrou descontentamento com a medida, ocasionando uma guerra de liminares.

“O governo com essa medida, está assumindo a sua incapacidade de gerenciar o Exame Nacional do Ensino Médio, e o pior de tudo, é querer tirar do cidadão o direito de questionar possíveis erros, o que vem ocorrendo comumente na realização do ENEM nos últimos anos” concluiu  Efraim Filho.

PB Agora

Procurador defende nova correção da redação do Enem

Para Oscar Costa Filho, MEC deve atender pedido de participantes insatisfeitos com correção dos textos. Queixas de estudantes continuam

Candidatos do Enem realizam passeata pelas ruas do centro do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira. Revoltados com as notas da redação do Enem 2012 (Marcos De Paula/AE)

Após os protestos contra a correção da redação do Enem 2012 se espalharem pelas redes sociais, o procurador da República Oscar Costa Filho, do Ministério Público Federal no Ceará, prometeu apresentar à Justiça uma ação civil pública pedindo que os participantes da avaliação insatisfeitos com suas notas tenham direito a uma nova correção dos textos. “A partir do momento em que o governo explicitou os critérios de correção da redação, ele é obrigado a atender às reclamações daqueles que consideram que tais critérios não foram seguidos”, diz Costa Filho. É incerta, porém, a chance de sucesso da ação do procurador na Justiça. Afinal, no ano passado, o Ministério da Educação e o próprio Ministério Público Federal, órgão ao qual é subordinado o procurador, firmaram um Termo de Ajustamento de Conduta estabelecendo que a partir do Enem 2012 os candidatos passariam a ter acesso à correção de suas provas – sem direito, contudo, a uma nova avaliação. A medida, acordaram as partes, teria apenas “caráter pedagógico”.

Desde sexta-feira, quando as notas da redação foram divulgadas, uma série de queixas se espalhou pelas redes sociais. Insatisfeitos com seus resultados, participantes da avaliação convocaram manifestações públicas para 13 capitais do país.

No Facebook, a comunidade “Ação judicial – Redação Enem 2012” já reúne mais de 27.000 pessoas. Os estudantes também organizam um abaixo-assinado virtual para servir de subsídio a uma eventual ação na Justiça. Eles pedem que o MEC libere o acesso à correção da redação antes do início das inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que começam na próxima segunda-feira. Dessa forma, aqueles que discordarem da nota atribuída teriam tempo hábil para questioná-la judicialmente. “Não estamos reclamando de notas baixas, mas de notas esdrúxulas e injustas, que apresentam evidências fortíssimas de terem sido atribuídas aleatoriamente”, afirmam membros da comunidade.

De acordo com o calendário oficial do Enem 2012, o acesso à correção da prova de redação só será liberado no dia 6 de fevereiro. Contudo, de acordo com o Termo de Ajustamento de Conduta, mesmo após essa data, não será possível contestar a nota atribuída pelos avaliadores.

A prova de redação é uma das notas mais valiosas na hora da disputa de uma das vagas do Sisu, sistema que escolhe os candidatos para as instituições públicas de nível superior. Além disso, o estudante que teve nota igual a zero na dissertação está impossibilitado de se inscrever no sistema e também está de fora da disputa por uma bolsa do Programa Universidade Para Todos (ProUni).

Como será feita a correção da redação do Enem 2012

Passo 1 O primeiro avaliador atribui uma nota para cada uma das cinco competências exigidas pelo MEC. Cada competência vale 200 pontos e, portanto, a nota total do aluno pode variar de 0 a 1.000 pontos.
Passo 2 O segundo avaliador repete o processo do primeiro e atribui também uma nota de 0 a 1.000 à redação. Se houver concordância, a nota final será a média aritimética das duas notas.
Desempate Caso haja uma discrepância de 200 pontos entre as duas notas – ou uma diferença de 80 pontos em cada uma das competências avaliadas – um terceiro avaliador é convocado. Até 2011, a margem de diferença era de 300 pontos.
Passo 3 O terceiro avaliador analisa a redação e atribui a ela uma nota entre 0 e 1.000 pontos. Caso não haja discrepância entre o terceiro e pelo um dos outros avaliadores, a nota final será a média aritimética das duas notas que mais se aproximarem.
Desempate Caso persista a diferença de 200 pontos entre os três avaliadores anteriores, uma banca composta por três outros corretores será convocada.
Passo 4 Após a avaliação dos três integrantes, uma nova final será atribuída ao candidato.

Competências avaliadas no texto

Número 1 Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita.
Número 2 Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
Número 3 Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
Número 4 Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação.
Número 5 Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

As razões da nota zero

Razão 1 Não atender a proposta solicitada ou apresentar outra estrutura textual que não seja a do tipo dissertativo-argumentativo, o que configurará “fuga ao tema/não atendimento ao tipo textual”.
Razão 2 Deixar a folha de redação em branco.
Razão 3 Escrever menos de sete linhas na folha de redação, o que configurará “texto insuficiente”. Linhas com cópias do texto de apoio fornecido no caderno de questões não serão consideradas na contagem do número mínimo de linhas.
Razão 4 Escrever impropérios, fazer desenhos e outras formas propositais de anulação
Razão 5 Desrespeitar os direitos humanos

Veja

Enem 2012 teve abstenção de 27,9%; mais de 1,6 milhão de inscritos faltaram; confira a correção

O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2012 registrou abstenção média de 27,9 %. Inep divulgou o dado em seu site na noite desse domingo (4). Ou seja, mais de 1,6 milhão de inscritos não foram fazer a prova. O Enem 2012 teve recorde de inscritos: 5.791.290.

Os Estados com maior índice de faltosos, nos dois dias, foram Roraima, Bahia e Amazonas. Com menor índice registraram-se Piauí, Santa Catarina e Alagoas. No ano passado, o índice de abstenção média havia sido de 26,4% e, em 2010, 28%.

As provas foram encerradas às 18h30 deste domingo. No segundo dia de aplicação de provas, os candidatos responderam a 90 questões sobre Linguagens, Códigos e suas tecnologias e de Matemática e suas tecnologias. Fizeram também a prova de redação, que teve como tema “Movimento imigratório para o Brasil no século XXI”.

Siga em tempo real a correção comentada do último dia de provas do Enem 2012

Clique aqui

UOL

CORREÇÃO: Josenias não registra candidatura e Solânea pode ter apenas um concorrente a prefeitura

 

Josenias e Tião Gomes

Nesta sexta-feira (06) o FOCANDO A NOTÍCIA publicou reportagem informando que dois candidatos haviam efetuado registro na intenção de concorrer a prefeitura do município de Solânea. Seriam eles Beto do Brasil (PPS) e o professor Josenias Pereira (PTB).

No entanto, segundo o chefe do cartório local, Océlio Batista Mendes, até esta sexta-feira às 14h apenas Beto havia protocolado pedido de registro de candidatura. Significa que o município corre o risco de ter candidatura única este ano.

De acordo com o Artigo 11 da Lei Eleitoral (9.504), os partidos e coligações solicitarão à Justiça Eleitoral o registro de seus candidatos até às 19h do dia 5 de julho do ano em que se realizarem as eleições.

Já o parágrafo 4º do mesmo Artigo diz que “na hipótese de o partido ou coligação não requerer o registro de seus candidatos, estes poderão fazê-lo perante a Justiça Eleitoral, observado o prazo máximo de quarenta e oito horas seguintes à publicação da lista dos candidatos pela Justiça Eleitoral.

Os nomes de Josenias Pereira (prefeito) e Alan Viana (vice-prefeito) foram lançados nessa quinta-feira (05), último dia para o pedido de registro de candidatura e a informação chegada ao Focando a Notícia dava conta de que a chapa havia sido registrada.

O ex-prefeito Nal Viana, pai de Alan, informou que as providências para o registro estão sendo tomadas para que o registro seja protocolado.

Redação/Focando a Notícia