Arquivo da tag: Corinthians

Com gol de Love no fim, Corinthians bate São Paulo e é tri

Com um gol de Vagner Love aos 44 do segundo tempo, o Corinthians venceu o São Paulo por 2 a 1 neste domingo, em Itaquera, e garantiu seu 30º título de campeão paulista. A arena alvinegra, com público recorde de 46.842 torcedores, passou boa parte da segunda etapa apreensiva, mas no finalzinho foi à loucura e comemorou o tricampeonato consecutivo.

Foi a vitória do futebol de resultado de Fábio Carille, que ajeitou a casa no início da temporada e recolocou o time alvinegro no caminho da vitória. O treinador estava presente nas outras duas conquistas. A última vez que o Corinthians havia conseguido tal feito foi há 80 anos. De quebra, o clube torna-se o único paulista quatro vezes tricampeão seguido – os outros foram de 1922 a 1924, de 28 a 30 e de 37 a 39 – o Santos é três vezes tri.

O São Paulo segue com seu jejum de nunca ter vencido o Corinthians na arena em Itaquera. São 11 jogos, com oito vitórias do Corinthians e três empates. O time tricolor também agora amargará 15 anos sem um título paulista – o último foi em 2005. O último título da equipe foi em 2012, quando levantou o troféu da Copa Sul-americana.

O técnico Fábio Carille optou por uma formação mais ofensiva do que no jogo de ida. Sem poder contar com Junior Urso, machucado, ele colocou Ramiro de segundo volante, Sornoza na vaga de Jadson no meio e Pedrinho aberto pela direita. No lado do São Paulo, Cuca manteve Hernanes na reserva, Jucilei substituiu Liziero e o setor ofensivo foi completado por Everton.

Com a bola rolando, as duas equipes demonstraram perfeita organização defensiva, facilitada também pelo excesso de passes errados de ambos os lados. O São Paulo segurava as jogadas dos anfitriões pelas laterais. Pedrinho e Clayson não conseguiam criar. O Corinthians congestionava sua intermediária e os visitantes não incomodavam Cássio.

O Corinthians buscava um pouco mais o ataque e abriu o placar em jogada de bola parada. Aos 31, Sornoza cobrou escanteio, Ralf desviou no meio da área e Danilo Avelar mandou para as redes. Com a vantagem no marcador, o time alvinegro foi para cima e por pouco não ampliou com Fagner. O lateral avançou pela direita, invadiu a área, cortou para o meio e bateu cruzado para grande defesa de Thiago Volpi, que mandou para escanteio.

O São Paulo pareceu sentir o gol. Nos acréscimos, no entanto, chegou ao empate após vacilo do adversário. Pedrinho arrancou pela direita, Clayson e Gustagol se atrapalharam na meia-lua e possibilitaram contra-ataque do São Paulo. Antony recebeu na direita, cortou para o meio e, de fora da área, bateu no canto esquerdo de Cássio para empatar: 1 a 1.

No segundo tempo, assim como no primeiro jogo, Cuca colocou Hernanes no lugar de Everton Felipe. O Corinthians seguia com dificuldades para chegar à linha de fundo e cruzar para a área. Com isso, passou a tentar acionar Gustagol da intermediária, facilitando a vida dos zagueiros são-paulinos. Carille tentou corrigir o problema do ataque com Vagner Love no lugar de Pedrinho e Boselli na vaga de Gustagol. Cuca buscou acertar seu meio-campo com Léo e Willian Farias para saídas de Jucilei e Everton.

As equipes, no entanto, pareciam mais preocupadas em não levar gols. Os torcedores já estavam apreensivos nas arquibancadas à espera da decisão por pênaltis, quando Sornoza lançou da direita com perfeição para Vagner Love, que bateu de primeira para marcar um golaço. O gol do título, do tricampeonato.

 

Estadão

 

 

Corinthians confirma vaga com Cássio expulso e gol de Roger

O Corinthians não se furtou a usar a vantagem conquistada em Fortaleza para garantir sua classificação à quarta fase da Copa do Brasil com certo susto e sem muito esforço também. Na noite dessa quarta-feira, 34.911 torcedores acompanharam uma vitória do Ceará por 1 a 0 no apenas morno confronto na Arena Corinthians, reflexo da ausência de capacidade do Ceará em levar perigo aos paulistas. O cenário só se complicou para os mandantes depois de um deslize de Ralf, que culminou com a expulsão de Cássio, e ameaçou a situação corintiana.

Fábio Carille resolveu mandar a campo força máxima, a exceção de Marllon, que substituiu Manoel por causa de um problema no ombro do zagueiro titular. O resultado foi um time seguro em campo, mas longe de ter aquela gana pela vitória, como se viu no último domingo, por exemplo, contra o Santos.

O início do jogo até prometeu. Enquanto muitos torcedores ainda passavam pelas catracas, Clayson mandou a bola na trave de Richard depois de boa trama com Danilo Avelar pela esquerda.

O Corinthians ainda assustou com algumas bolas cruzadas à área, mas, com o passar do tempo, a superioridade corintiana inevitavelmente contribuiu para uma queda de rendimento. O lance mais perigoso do Vozão antes do intervalo foi um quase gol contra de Gustagol após cobrança de escanteio.

Se o jogo já estava lento, na etapa final virou um verdadeiro marasmo. E assim a partida caminhava até a falta de concentração atingir o sempre ligado Ralf. O volante errou o recuo de bola para Henrique e Cássio foi forçado a defender chute de Ricardo Bueno com as mãos, fora da área, para evitar o gol dos visitantes aos 18 minutos.

O resultado da lambança foi a expulsão do goleiro, pedidos de perdão do volante e a saída de Clayson para que Walter assumisse a meta do Timão.

Ao menos o confronto ganhou um pouco de emoção. Lisca mandou Roger a campo, Carille tentou ajustar sua equipe com Ramiro na vaga de Sornoza. A Fiel ainda pediu Pedrinho, mas quem entrou foi Boselli.

E o que se viu a partir daí? Fernando Sobral acertou a trave de Walter em chute de longe, Roger abriu o placar de cabeça, em falha de Henrique e Marllon, e Walter ainda precisou fazer duas boas defesas para evitar o pior.

O apito final veio após seis angustiantes minutos de acréscimos e foi acompanhado de um suspiro de alívio entre os corintianos na Arena de Itaquera.

Agora, com a invencibilidade quebrada depois de 14 jogos, o Timão retoma suas atenções para a semifinal do Campeonato Paulista. Segunda-feira, às 20h (de Brasília), no Pacaembu, o desafio é contra o Santos. Um empate basta. Na Copa do Brasil, o Corinthians aguardará um sorteio para conhecer seu adversário na quarta fase.

Já o Ceará, de apenas duas derrotas no ano e seis jogos seguidos sem perder, volta para o Nordeste eliminado, mas de cabeça erguida. Sábado, tem duelo contra o Náutico no Castelão pela Copa do Nordeste.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 0 X 1 CEARÁ

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: 3 de abril de 2019, quarta-feira

Horário: 21h30 (de Brasília)

Árbitro: Rafael Traci (SC)

Assistentes: Henrique Neu Ribeiro e Thiaggo Americano Labes (ambos de SC)

Cartões amarelos: Clayson (COR); Chico (CEA)

Cartão vermelho: Cássio (COR)

Público: 34.639 pagante / 34.911 total.

Renda: R$ 1.241.132,50.

GOL:

Ceará: Roger, aos 42 minutos do 2T.

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Marllon, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Júnior Urso; Vagner Love, Sornoza (Ramiro) e Clayson (Walter); Gustagol.

Técnico: Fábio Carille

CEARÁ: Richard, Samuel Xavier, Thiago Alves, Luiz Otávio e Thiago Carleto; Fabinho, Juninho e Ricardinho (Wescley); Felipe Baxola (Fernando Sobral), Chico (Roger) e Ricardo Bueno.

Técnico: Renan Freitas

 

 

Gazeta Esportiva

 

 

Corinthians vence Santos e fica em vantagem no paulista

Em um clássico com três falhas do setor defensivo, venceu quem errou menos. O Corinthians aproveitou melhor as oportunidades e derrotou o Santos por 2 a 1 neste domingo, em Itaquera, no jogo de ida das semifinais do Campeonato Paulista.

O zagueiro Manoel apareceu entre os zagueiros adversários e abriu o placar para o time da casa. Mas Cássio falhou e permitiu o Santos empatar com Derliz González com sete minutos de partida. Ainda na etapa inicial, Luiz Felipe afastou mal e a bola sobrou para Clayson garantir a vitória.

O resultado deixa a equipe de Fábio Carille com a vantagem do empate no duelo de volta, marcado para segunda-feira, às 20h, no Pacaembu. Se o Santos ganhar por um gol de diferença a decisão da vaga vai para os pênaltis. Na outra semifinal, Palmeiras e São Paulo empataram o primeiro jogo sem gols no Morumbi e jogam novamente no domingo, no Allianz Parque.

O Corinthians volta a campo na quarta-feira, quando receberá o Ceará na partida de volta da terceira fase da Copa do Brasil. O time paulista venceu a ida, fora de casa, por 3 a 1. Pela mesma competição, o Santos visitará o Atlético-GO na quinta-feira no primeiro confronto entre as equipes.

Em Itaquera, quem esperava o Santos tocando de um lado ao outro e o Corinthians com suas duas linhas de quatro esperando a falha do adversário teve de esperar os surpreendentes dez minutos iniciais. Sornoza cruzou da esquerda logo aos três, Manoel apareceu livre entre os zagueiros adversários e mandou de cabeça para as redes.

A resposta do Santos veio em seguida também na bola parada. Jean Mota cobrou escanteio da direita, Cássio saiu mal e deixou a bola escapar. Derliz González aproveitou e fez: 1 a 1. Só a partir daí as coisas voltaram ao normal. O Corinthians adotou o mesmo padrão dos jogos com a Ferroviária, postura diferente do duelo com o Santos pela primeira fase. Em vez de marcar sob pressão, esperava o adversário em seu campo de defesa.

O Santos era o mesmo, girava a bola com passes curtos até chegar aos pés do goleiro Vanderlei, deixando seu torcedor sem ar. Faltava um finalizador no ataque. As equipes tinham dificuldade para criar até que veio mais uma falha. O zagueiro Luiz Felipe afastou de cabeça nos pés de Clayson, que cortou Victor Ferraz na esquerda e bateu cruzado no canto oposto de Vanderlei para marcar.

Nos minutos finais da primeira etapa, o zagueiro Felipe Aguilar se chocou com Danilo Avelar e desmaio na pequena área. O jogador deixou o campo de ambulância e deu lugar a Lucas Veríssimo. De acordo com a assessoria de imprensa do Corinthians ele recebeu atendimento no posto médico do estádio e depois foi encaminhado “consciente e responsivo” ao Hospital Sírio Libanês.

No segundo tempo, Sampaoli colocou Rodrygo na vaga de Cueva para tentar dar mais mobilidade ao ataque. O Santos até tentou esboçar uma pressão. Mas o Corinthians era mais eficiente. Clayson mandou de bicicleta e Vanderlei quase soltou nos pés de Vagner Love.

O Corinthians não deixava o Santos criar. Apesar de ter menos posse de bola, a equipe de Carille segurava o adversário na intermediária. O time visitante passou a tentar mais as laterais do campo, mas não tinha um centroavante para finalizar. Luiz Felipe teve a chance de se redimir nos minutos finais, mas cabeceou por cima garantindo a vitória aos anfitriões.

FICHA TÉCNICA:

CORINTHIANS 2 X 1 SANTOS

CORINTHIANS – Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso e Sornoza (Richard); Vagner Love (Pedrinho), Gustagol e Clayson (Mateus Vital). Técnico: Fábio Carille.

SANTOS – Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar (Lucas Veríssimo), Luiz Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca, Carlos Sánchez (Soteldo), Jean Mota e Cueva (Rodrygo); Derliz González. Técnico: Jorge Sampaoli.

GOLS – Manoel, aos 3, Derliz González, aos 7, e Clayson, aos 31 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO – Vinícius Gonçalves Dias Araújo.

CARTÕES – Sornoza (Corinthians); Vanderlei e Alison (Santos)

PÚBLICO – 39.919 pagantes.

RENDA – R$ 2.467.185,50.

LOCAL – Arena Corinthians, em São Paulo.

 

 

Estadão

 

 

Gustagol sai do banco e arranca empate para o Corinthians

A estrela de Gustagol segue mais forte do que nunca. De volta após 22 dias de lesão, o camisa 19 saiu do banco de reservas e fez o Corinthians arrancar o empate em 1 a 1 com o Ferroviária, em jogo tenso neste domingo, na Arena Fonte Luminosa no qual Diogo Mateus abriu o placar e Cássio saiu machucado, em jogo válido pelas quartas de final do Paulistão.

Com o resultado, tudo está em aberto para o jogo de volta, nesta quarta-feira, na Arena Corinthians, às 21h30. Um novo empate leva a decisão para os pênaltis. O clube que conseguir uma vitória simples se garante nas semifinais.

Ferroviária e Corinthians empataram em 1 a 1 no primeiro jogo das quartas de final do Campeonato Paulista
Ferroviária e Corinthians empataram em 1 a 1 no primeiro jogo das quartas de final do Campeonato Paulista

Foto: Thiago Calil/Agif / Gazeta Press

Locomotiva a todo vapor
Trocando passes em marcha lenta e sendo pouco incisivo, o Corinthians, aos poucos, deu espaços para a Ferroviária avançar. Após cruzamento de Diego Gonçalves, Lúcio Flávio levou a melhor sobre Manoel e assustou em um voleio. Em seguida, Arthur Henrique abriu caminho no meio em uma tabela com Léo Arthur, que concluiu rasteiro. Cássio, caído, apenas observou a bola sair.

Cadê a precisão, Timão?
Aos poucos, a equipe de Fábio Carille voltou a tomar as rédeas do duelo. Pedrinho e Clayson se empenhavam para furar o bloqueio adversário, mas apenas aos 33 minutos veio a primeira chance clara. Em falta cobrada por Pedrinho, Avelar alçou e, depois de um desvio de Henrique, Manoel viu sua cabeçada parar em Tadeu. No rebote, o defensor concluiu para fora. No finzinho, Pedrinho cobrou falta por cima. Em novo cabeceio, Manoel, sozinho, tirou tinta da trave.

Cássio sai e Timão quase se perde na ferrovia
O Corinthians voltou do intervalo em clima de preocupação: Cássio, com dores no quadril, deu lugar a Walter. Pedrinho até lutou ofensivamente, mas o Timão se perdeu na defesa. Diogo Mateus avançou como quis pela direita e encheu o pé. Walter, sem ritmo, tentou desviar, mas a bola carimbou a trave antes de entrar. Em seguida, a Ferroviária quase ampliou. Léo Arthur concluiu, a bola passou por Walter e Michel Macedo salvou em cima da linha.

Gustagol (de novo) salva o Corinthians
Fábio Carille apostou em Jadson e Gustagol para tornar o Corinthians mais ofensivo. Aos trancos e barrancos, a equipe foi aumentando seu ímpeto. Michel Macedo arriscou e a bola passou rente à trave. Em seguida, Vagner Love bateu e a bola passou pelo lado de fora da rede. Cabia a Gustagol salvar a equipe corintiana novamente. De volta após 22 dias, o camisa 19 aproveitou cruzamento de Clayson e concluiu para a rede. Está tudo em aberto para a quarta-feira.

FICHA TÉCNICA

FERROVIÁRIA 1×1 CORINTHIANS

Data-Hora: 24-03-19 – 19h
Estádio: Arena Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Árbitro: Vinicius Furlan (SP) – Nota L!: 7,0 – Conduziu bem a partida. Acertou ao não dar pênalti para o Timão em lance no início do segundo tempo.
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Vitor Carmona Metestaine (SP)

Cartões amarelos: Henrique, Danilo Avelar (COR)

Gols: Diogo Mateus, 9/2º T (1-0), Gustagol, 43/2º T (1-1)

FERROVIÁRIA: Tadeu; Diogo Mateus, Rayan, Rodrigão e Arthur; Anderson Uchoa, Tony e Leo Arthur (Higor, 20/2º T); Diego Gonçalves (Uilliam, 35/2º T), Felipe Ferreira e Lúcio Flávio (Thiago Santos, 20/1º T). Técnico: Vinícius Munhoz

CORINTHIANS: Cássio (Walter, intervalo); Michel Macedo, Henrique, Manoel e Danilo Avelar; Júnior Urso, Ralf (Jadson, 26/2º T) e Sornoza; Pedrinho (Gustagol, 15/2º T), Clayson e Vagner Love. Técnico: Fábio Carille

 

Lance

 

 

Com gol impedido do Inter, Corinthians sofre empate na Arena

O Corinthians tentou, mas não conseguiu a virada em cima do Internacional na tarde desse domingo. Depois de sofrer um gol impedido de Leandro Damião, o time alvinegro empatou com Douglas e fechou o placar do confronto válido pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro em 1 a 1, na Arena de Itaquera. O resultado levou o Corinthians aos 34 pontos, na provisória sétima posição. O Inter, por outro lado, chegou aos 50 pontos, uma menos que o São Paulo, ainda líder. O Palmeiras, que completa a rodada ainda nesse fim de semana, agora tem a chance de assumir o posto da equipe colorada na tabela de classificação.

Sem centroavante, mas ciente da pressão de se impor diante de seu torcedor, o Corinthians colocou seus homens de frente para pressionar a saída de bola do Internacional. A maior novidade foi a liberdade dada a Douglas, que diferente dos últimos jogos, passou a encostar nos atacantes e participar mais das ações ofensivas.

Damião celebra gol do Internacional
Damião celebra gol do Internacional

Foto: Marco Galvão / Fotoarena / Estadão Conteúdo

O plano de Jair Ventura funcionou nos primeiros 15 minutos. Primeiro Douglas e depois Fagner tiveram chances claras de abrir o placar em jogadas concluídas de dentro da área do time colorado.

Jadson mais uma vez se mostrou cérebro da equipe alvinegra, com passes precisos e verticais. O problema é que a agilidade corintiana foi perdendo velocidade com o passar do tempo. Aos poucos, o Inter equilibrou o confronto, principalmente por meio das bolas paradas. No mais, o maior susto ao gol de Cássio se deu justamente em um erro do goleiro, que acertou as costas de Leandro Damião ao tentar lançamento e causou calafrios nos corintianos.

Mas o grande lance do primeiro tempo foi protagonizado pelo bandeira goiano Cristhian Passos Sorence. Foi ele o responsável por levar o árbitro Eduardo Tomaz de Aquino Valadão a validar um gol impedido de Leandro Damião, após cobrança de falta de Edenílson.

Jadson é marcado por Patrick
Jadson é marcado por Patrick

Foto: Marco Galvão / Fotoarena / Estadão Conteúdo

Protestos à parte, o Corinthians repetiu a estratégia e voltou para a etapa final amassando o Internacional. Dessa vez, porém, o alvinegro foi premiado. Jadson cobrou escanteio, Romero desviou e Douglas pegou rebote do travessão para marcar seu primeiro gol com a camisa corintiana.

O cenário parecia propício a um grande fim de jogo, mas as duas equipes caíram de rendimento. O Inter, apesar da busca pela liderança da competição, sequer assustou nos poucos contra-ataques efetivos. O Corinthians tentou colocando Pedrinho, Araos e até Emerson Sheik nas vagas de Vital, Douglas e Romero, mas também não encontrou forças para a virada.

Assim, como a própria torcida lembrou após o apito final, “é quarta-feira”. No meio de semana, o Corinthians decide uma vaga na grande final da Copa do Brasil, contra o Flamengo, de novo em sua Arena. Pelo Brasileirão, o América-MG, sábado que vem, em Minas, é o próximo desafio. Já o Internacional volta a campo no domingo, diante do Vitória, no Beira-Rio.

Douglas comemora gol do Corinthians
Douglas comemora gol do Corinthians

Foto: Marcelo Machado de Melo / Fotoarena / Estadão Conteúdo

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 1 X 1 INTERNACIONAL

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: 23 de setembro de 2018, sábado

Horário: 16h00 (Brasília)

Árbitro: Eduardo Tomaz de Aquino Valadão (GO)

Assistentes: Cristhian Passos Sorence (GO) e Leone Carvalho Rocha (GO)

Cartões amarelos: Rodrigo Dourado, Patrick (INT)

Público: 26.916 pagantes (27.199 total).

Renda: R$ 1.149.396,60

GOLS:

Internacional: Douglas, aos 4 minutos do 2T

Internacional: Leandro Damião, aos 44 minutos do 1T

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Gabriel e Douglas (Araos); Romero (Emerson Sheik), Jadson, Mateus Vital (Pedrinho) e Clayson

Técnico: Jair Ventura

INTER: Marcelo Lomba; Zeca (Fabiano), Klaus, Emerson Santos e Iago; Rodrigo Dourado, Edenílson, Patrick e Nico López (Rossi), Pottker (D’Alessandro) e Leandro Damião

Técnico: Odair Hellmann

 

Gazeta Esportiva

Corinthians vence o Colo-Colo, mas cai no gol fora de casa

O Corinthians fez uma boa partida na noite desta quarta-feira, sendo superior ao Colo-Colo em praticamente toda o embate. Um raro momento de desatenção da zaga, no entanto, fez com que Barrios marcasse o gol que deu a classificação aos chilenos para as quartas de final da Copa Libertadores da América. Nem mesmo os gols de Jadson, de pênalti, e Roger, construindo o 2 a 1, foram o bastante.

O Alvinegro, que sofreu ainda com a arbitragem ruim de Nestor Pitana e a infantilidade de Danilo Avelar, sendo expulso nos acréscimos, com rigor não apresentado para os adversário, agora foca as suas atenções para o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil, na qual está na semifinal. O próximo jogo será contra o Atlético-MG, no sábado, às 21h (de Brasília), na Arena Corinthians.

Lucas Barrios comemora gol do Colo-Colo
Lucas Barrios comemora gol do Colo-Colo

Foto: Bruno Ulivieri / Dia Esportivo / Estadão Conteúdo

O vencedor do quente embate em Itaquera agora espera a definição do confronto entre Palmeiras e Cerro Porteño, que se enfrentam no Allianz Parque na noite desta quinta-feira, às 21h45 (de Brasília). No jogo de ida, o arquirrival corintiano venceu por 2 a 0, no Paraguai, deixando bem encaminhada sua vaga nas quartas de final.

Corinthians domina, mas vacila

O Corinthians teve um começo de primeiro tempo muito bom na Arena, talvez o seu melhor sob o comando do técnico Osmar Loss. Intenso e disputando bastante a bola, sem exagerar nas chegadas ou cair na pilha do Colo-Colo, o time da casa não demorou a empurrar o time chileno ao seu time de defesa. O primeiro lance de perigo veio em chute de fora da área de Douglas, que mandou ao lado do gol de Orión.

Roger comemora gol do Corinthians
Roger comemora gol do Corinthians

Foto: Marcelo Machado de Melo / Fotoarena / Estadão Conteúdo

O ritmo alucinante continuou na sequência da tentativa do meio-campista. Após falta sofrida por Romero na lateral da área, Jadson colocou na área e a zaga afastou. Douglas recolocou a redonda na segunda trave e Pedrinho, na tentativa de jogar para o meio da área, pegou de primeira. A bola explodiu na mão de Baeza e o juiz marcou pênalti, batido e convertido por Jadson. Orión chegou a encostar na bola, mas não impediu o tento.

O Corinthians, aparentemente, viu que podia resolver o placar ainda na etapa inicial e se manteve na frente. Em boa enfiada de bola de Jadson, Roger protegeu bem a chegada de Barroso e sofreu falta na entrada da área. Jadson foi para a batida e mandou no canto do goleiro, que espalmou para o lado. A partir dali, o sonho alvinegro de resolver rapidamente sua situação começou a ter seus percalços.

Jadson marca Valdívia
Jadson marca Valdívia

Foto: Marcello Fim / O Fotográfico / Estadão Conteúdo

Até então tímido, o Colo-Colo saiu um pouco de trás e, no primeiro chute a gol, conseguiu empatar. Valdivia, com bastante espaço, acionou Pérez, com mais espaço ainda na lateral da área. O lateral cruzou bem e Barrios, entre Léo Santos e Henrique, cabeceou, mandando a bola ainda na trave antes de entrar. A partir dali, o jogo foi mais discutido e brigado do que jogado, caminhando a passos lentos, como o dos chilenos para bater laterais e faltas, para o intervalo.

Corinthians vence, mas não pelo placar necessário

O Alvinegro voltou para o segundo tempo com o mesmo ímpeto do começo do segundo, com Pedrinho recebendo uma bola pela ponta direita, cortando para o pé esquerdo e chutando forte. Orión espalmou e mandou para escanteio. Jadson, na segunda tentativa do tiro de canto, mandou na primeira trave, Roger bateu e o arqueiro adversário fez linda defesa. No rebote, Léo Santos tentou finalizar, mas foi travado.

O Alvinegro mais uma vez deu uma diminuída no ritmo e viu o Colo-Colo tentar passar o tempo, principalmente trocando passes entre os seus meio-campistas, orquestrado principalmente por Valdivia. Faltou ao time chileno, no entanto, mais rapidez no ataque, já que o meia acionou duas boas enfiadas para Barrios, mas o atacante não alcançou. A penalização foi rápida: em novo escanteio, batida de Jadson e Roger, com o pé direito, fez 2 a 1.

O Corinthians seguiu em cima do adversário e criou diversas chances para fazer o terceiro, apostando sempre numa boa dobradinha de Pedrinho com Fagner pelo lado direito. Em uma boa investida do canhoto corintiano, a bola foi na medida para Romero testar, mas o paraguaio mandou por cima do gol.

O bombardeio corintiano seguiu até o apito final, com muitas bolas sendo alçadas na área e a maioria delas sendo vencidas pelo time da casa. Em grande noite de Orión e com uma passividade impressionante do árbitro com a “cera” do adversário, o Corinthians ainda completou sua sina de terminar com um a menos a partida, em expulsão de Danilo Avelar.

Danilo Avelar se envolve em confusão com jogadores do Colo-Colo
Danilo Avelar se envolve em confusão com jogadores do Colo-Colo

Foto: Marcello Fim / O Fotográfico / Estadão Conteúdo

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 2 X1  COLO-COLO

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: 29 de agosto de 2018, quarta-feira

Horário: 21h45 (de Brasília)

Árbitro: Néstor Pitana (Fifa-ARG)

Assistentes: Juan Belatti e Gustavo Rossi (ambos da ARG)

Público: 38.112 pagantes

Renda: R$ 2.736.246,5

Cartões amarelos: Ralf, Pedrinho (Corinthians); Pérez, Barroso, Carmona, Barrios, Zaldivia (Colo-Colo)

Cartão vermelho: Danilo Avelar (Corinthians)

Gols:

CORINTHIANS: Jadson, de pênalti, aos 17 minutos do primeiro, Roger, aos 22 minutos do segundo tempo

COLO-COLO: Barrios, aos 32 minutos do primeiro tempo

CORINTHIANS: Cássio; Fagner (Mateus Vital), Pedro Henrique (Léo Santos), Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Douglas; Pedrinho (Emerson Sheik), Jadson e Romero; Roger

Técnico: Osmar Loss

COLO-COLO: Orión; Zaldivia, Insaurralde e Barroso; Opazo, Carmona, Baeza, Valdivia e Pérez (Fierro); Barrios e Paredes (Pavez)

Técnico: Héctor Tapia

Gazeta Esportiva

Jadson marca no fim, Corinthians elimina a Chape e avança à semi

O Corinthians fez um dos seus piores jogos do ano em termos de técnica e qualidade na noite desta quarta-feira, contra a Chapecoense, em Chapecó. Porém, depois de mais de 80 minutos satisfeito com a vantagem de 1 a 0 obtida no jogo de ida, o Alvinegro ainda viu Jadson achar um gol de falta e sacramentar a passagem da equipe para as semifinais da Copa do Brasil.

O Timão agora enfrenta o Flamengo, que derrotou o Grêmio por 1 a 0 também nesta quarta-feira, no Maracanã, e assegurou sua vaga por ter empatado no duelo de ida, na casa do adversário. Data e horário dos jogos ainda serão divulgados pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Enquanto não sabem quando voltam as suas atenções novamente ao mata-mata nacional, os comandados de Osmar Loss seguem na caminhada pelo Campeonato Brasileiro no sábado, às 19h (de Brasília), contra o Grêmio, na Arena Corinthians, fechando o primeiro turno do torneio nacional. Já os atletas de Guto Ferreira também vão para a capital paulista, mas para encarar o líder São Paulo, às 19h (de Brasília) do domingo, no Morumbi.

Jogo fraco e VAR utilizado

O primeiro tempo da partida em Chapecó não mostrou nada de muito relevante no que prometia um jogo bastante disputado pela vaga na semifinal da Copa do Brasil. O primeiro lance de razoável perigo foi ainda aos cinco minutos, quando Jadson levantou a bola na área e falta lateral e Romero cabeceou na primeira trave. Jandrei, bem posicionado, mandou para escanteio.

A oportunidade, no entanto, foi um mero acaso numa disputa repleta de embates físicos e lançamentos direto para a linha lateral. Sem um centroavante na frente nem a habilidade de Pedrinho para abrir espaços, o Timão mal conseguiu ficar com a bola até os 30 minutos de bola rolando, quando Jadson, da entrada da área, chutou forte e parou em defesa tranquila de Jandrei.

A Chape, que viveu de bolas paradas na intermediária e nas laterais, quase conseguiu abrir o placar em falta batida por Canteros que Thyere, livre, completou para a rede. O defensor, no entanto, estava bastante impedido, como apontou o auxiliar e confirmou o VAR, após um minuto de paralisação. O placar, portanto, não foi alterado na primeira etapa.

Belo gol de Jadson “salva” o fim

O segundo tempo começou mais movimentado logo de cara, com Douglas arriscando de fora da área e mandando rente à trave de Jandrei. Com um pouco mais de espaço, o Timão passou a jogar mais no campo de ataque e teve outra oportunidade minutos depois, quando Fagner chegou na linha de fundo e rolou para Emerson Sheik chutar rasteiro, ao lado do gol.

Precisando de um gol para manter-se vivo na competição, o time da casa começou a tentar empurrar o Alvinegro para o seu campo de defesa com bolas longas à procura de Wellington Paulista. Preocupado em dar mais gás à sua equipe, o técnico Guto Ferreira mandou a campo Alan Ruschel, Kendy e Doffo, que fizera o gol da vitória no domingo, na esperança de levar mais perigo.

A tática quase deu certo pouco depois dos 30 minutos, quando Kendy ganhou disputa na área e a bola ia saindo, mas Henrique tentou dominar e quase colocou para dentro. Para sorte do corintiano, no entanto, a bola passou embaixo do pé do zagueiro e foi para a linha de fundo.

Quando a partida parecia caminhar para um final de bolas na área e pressão da Chape, porém, Mateus Vital entrou na vaga de Clayson e sofreu falta na lateral da área. Jadson foi para a batida, a bola encobriu Jandrei e entrou no ângulo, sacramentando a sequência da caminhada corintiana.

FICHA TÉCNICA 

CHAPECOENSE 0 x 1 CORINTHIANS

Local: Arena Condá, em Chapecó (SC)

Data: 15 de agosto de 2018, quarta-feira

Horário: 21h45 (horário de Brasília)

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)

Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Guilherme Dias Camilo (Fifa-MG)

Público: 11.438 presentes

Renda: R$ 389.005,00

Cartões amarelos: Amaral, Kendy (Chape); Emerson Sheik, Cássio, Clayson (Corinthians)

Gols:

CORINTHIANS: Jadson, aos 39 minutos do segundo tempo

CHAPECOENSE: Jandrei; Eduardo, Rafael Thyere, Douglas e Bruno Pacheco (Alan Ruschel); Marcio Araújo, Amaral, Bruno Silva (Kendy), Yann Rolim (Doffo) e Canteros; Wellington Paulista

Técnico: Guto Ferreira

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Henrique e Danilo Avelar; Gabriel, Douglas (Ralf); Romero, Jadson, Emerson Sheik (Jonathas) e Clayson (Mateus Vital)

Técnico: Osmar Loss

Gazeta Esportiva
(Foto: Tarla Wolski/Futura Press)

Cássio salva má atuação e Corinthians perde no Chile

O Corinthians teve uma atuação muito abaixo da crítica na noite desta quarta-feira e só não viu sua chance de passar às quartas de final se esvair devido ao ótimo desempenho do goleiro Cássio. Com ao menos três defesas incríveis, o arqueiro só não conseguiu parar um gol de rebote de Carmona, no primeiro tempo, que determinou a vantagem mínima para o Colo-Colo no estádio Monumental, em Santiago.

Os dois times voltam a se enfrentar apenas no final deste mês, em duelo marcado para o dia 29 de agosto, na Arena Corinthians. Com o resultado desta noite, o time alvinegro precisa ganhar por dois gols de diferença para não depender dos pênaltis na busca pela vaga. Empate ou vitória mínima com gol do Colo-Colo (2 a 1, 3 a 2…) dão a classificação aos raçudos chilenos.

Esteban Paredes e Danilo Avelar disputam a bola
Esteban Paredes e Danilo Avelar disputam a bola

Foto: Felipe Zanca / Photosport / Dia Esportivo / Estadão Conteúdo

Enquanto o segundo embate não acontecesse, os comandados de Osmar Loss seguem sua caminhada no Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil. O próximo rival, por sinal, é o mesmo nos dois torneios. O time enfrenta a Chapecoense, no domingo, pelos pontos corridos, e, na quarta-feira, pelo mata-mata, ambas as vezes na Arena Condá.

Colo-Colo domina e sai na frente

O começo da partida em Santiago parecia mostrar um Corinthians bastante calmo frente ao estádio lotado e às tentativas de pressão do time da casa. O primeiro bom sinal veio com Pedrinho, que deu belo drible em Barroso logo em seu primeiro lance, passou por Insaurralde e só pecou ao tentar cruzar, mandando em cima da defesa chilena.

Esse início, no entanto, foi apenas um sopro de bom futebol dos alvinegros frente a um combativo, porém fraco tecnicamente Colo-Colo. Totalmente dependente de Valdivia, atleta com longo histórico de problemas físicos, o time da casa passou a empurrar o Corinthians ao seu campo e conseguiu impor certa pressão nas bolas alçadas na área, principalmente faltas laterais e escanteios.

Jadson defende a bola pelo Corinthians
Jadson defende a bola pelo Corinthians

Foto: Marcelo Hernandez / Getty Images

O primeiro lance perigoso veio quando Paredes chutou de fora da área e Cássio mandou para o canto. Após a cobrança, a bola pipocou na área, a zaga não conseguiu tirar e Zaldívia, frente a frente com Cássio, parou em uma defesa com o corpo do arqueiro. Pouco depois, porém, o arqueiro corintiano não foi capaz de mandar o arremate de Lucas Barrios para longe, deu rebote e Carmona finalizou para o fundo do gol, abrindo o placar.

O tento, que teve grande mérito de Valdivia e Barrios na construção, deixou o jogo mais nervoso, com três cartões amarelos distribuídos em dez minutos. Sem bola rolando, a vantagem dos donos da casa seguiu intacta até o árbitro Wilmar Roldán decretar o final da primeira etapa.

Carmona marcou um gol pelo Colo-Colo
Carmona marcou um gol pelo Colo-Colo

Foto: Ivan Alvarado / Reuters

Corinthians fica com um a menos e se segura

O segundo tempo começou igual para o Corinthians, sem conseguir manter a posse de bola, mas com uma notícia muito ruim em menos de dez minutos: Gabriel chegou atrasado em dividida e Carmona valorizou na queda. O juiz Wilmar Roldán considerou que a falta merecia uma segunda advertência e mandou para fora o corintiano.

O jogo parecia que ficaria restrito ao lado corintiano do campo, com um a menos e a opção por repor Gabriel com a saída de Jadson, único meia da equipe. Léo Santos, que fez apenas um jogo oficial como titular na posição de volante, entrou com a missão de parar as investidas de Valdivia, principal arma chilena.

Os donos da casa, no entanto, se retraíram e passaram a dar a bola para o Corinthians, talvez por estratégia, talvez por cansaço pelo forte ritmo imposto na marcação. O time alvinegro, no entanto, só conseguiu ameaçar em uma rara boa jogada de Avelar com Pedrinho, que o lateral recebeu dentro da área e chutou rasteiro, para fora.

Observando que poderia ampliar a vantagem, o Colo-Colo contou com a vitalidade de Valdes, recém-colocado em campo. Em chute do meia, Cássio espalmou e Pérez mandou para fora no rebote. Depois, Barrios recebeu cruzamento livre na área e mandou no contrapé de Cássio, que fez linda defesa. No fim, em bate-rebate, mais uma vez o arqueiro apareceu para salvar e manter a desvantagem mínima.

Jogadores do Colo-Colo comemoram
Jogadores do Colo-Colo comemoram

Foto: Ivan Alvarado / Reuters

FICHA TÉCNICA 

COLO COLO 1 X 0 CORINTHIANS

Local: Estádio Monumental, em Santiago (Chile)

Data: 8 de agosto de 2018, quarta-feira

Horário: 21h45 (de Brasília)

Árbitro: Wilmar Roldan (Colômbia)

Assistentes: Alexander Guzman e John Alexander Leon (ambos da Colômbia)

Cartões amarelos: Carmona, Opazo, Baeza, Insaurralde, Zaldivia (Colo-Colo); Gabriel, Douglas, Pedrinho (Corinthians)

Cartão vermelho: Gabriel (Corinthians)

Gols:

COLO-COLO: Carmona, aos 38 minutos do primeiro tempo

COLO-COLO: Orión; Opazo (Fierro), Zaldivia, Insaurralde e Barroso; Carmona (Valdes), Pérez, Baeza e Valdivia; Barrios e Paredes

Técnico: Hector Tapia

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pedro Henrique, Henrique (Carlos Augusto) e Danilo Avelar; Gabriel e Douglas; Pedrinho, Romero, Jadson (Léo Santos) e Clayson (Emerson Sheik)

Técnico: Osmar Loss

Gazeta Esportiva

Rodriguinho marca no fim e Corinthians vence o São Paulo nos pênaltis

O jogo foi bastante disputado na Arena Corinthians, com um São Paulo muito diferente da postura apresentada durante todo o Campeonato Paulista, mas, no fim, falou mais alto a força do Timão dentro da sua casa. Aos 47 minutos da etapa final, quando a vaga são-paulina parecia encaminhada, Rodriguinho marcou de cabeça e deu a chance de Cássio pegar dois pênaltis, assegurando a vaga alvinegra na final.

Com o resultado, o clube do Parque São Jorge agora encara a equipe do Palmeiras na final da competição. O primeiro jogo está marcado para sábado, às 16h30 (de Brasília), novamente na Arena, com a segunda partida agendada para o dia 8, no Allianz Parque. O Tricolor, por sua vez, terá duas semanas de treinamento até a estreia no Campeonato Brasileiro, contra o Paraná, no dia 16, no estádio do Morumbi.

Jogo muito pegado e pouco jogado

O primeiro tempo começou com o São Paulo marcando de forma adiantada, dificultando a saída de bola corintiana. Apostando em uma pressão, principalmente quando Fagner era acionado pelo lado direito, o Tricolor conseguiu travar os lances corintianos e se manteve tranquilo com o 0 a 0, fazendo a temperatura se elevar somente quando Gabriel tirou a bola de Trellez, que estava no chão, causando um princípio de confusão em Itaquera.

Em termos de chances de gol, a inicial saiu em escanteio cobrado por Nenê, que tentou surpreender Cássio ao bater direto para o gol. O goleiro alvinegro, no entanto, conseguiu salvar em cima da linha. Na resposta, após outro escanteio, Emerson Sheik dominou bola na segunda trave e conseguiu chutar, mas acabou mandando por cima do gol de Sidão, arrancando gritos de “uh” dos presentes à arena.

Com o Tricolor baixando sua marcação, quase que naturalmente, para aguentar o ritmo da partida, o Timão rondou a área adversária por diversas vezes, mas não conseguiu entrar. Em resposta pontual, Trellez ganhou de Pedro Henrique e só não parou dentro do gol porque Cássio saiu muito bem da sua meta. Pouco depois, Sheik viu cruzamento de Fagner passar por Rodriguinho e sobrar limpo para ele chutar. A bola, no entanto, foi para a arquibancada.

Preocupado com os avanços corintianos, Diego Aguirre pediu seguidas vezes para os seus comandados avançarem a marcação e não deixarem o Alvinegro ficar tanto tempo com a bola. Em uma rara jogada trabalhada do seu time, ele quase foi para o itnervalo em vantagem. Liziero recebeu na entrada da área e entrou driblando até a linha de fundo. O volante cruzou, a zaga não afastou e Militão bateu forte, exigindo outra boa intervenção de Cássio.

Defesa são-paulina falha uma vez

O segundo tempo foi de uma tônica sò: Corinthians rondando a área e a zaga do São Paulo afastando todas as vezes em que a redonda entrava na área tricolor. Arboleda e Bruno Alves, facilitados pela ausência de um homem de referência na área para marcar, conseguiram afastar quase sempre que Clayson e Mateus Vital levaram a bola até o fundo, sem precisar fazer Sidão trabalhar.

Preocupado em fazer o time ter mais perigo, Carille acionou Pedrinho pela ponta direita, na vaga de um sem função Gabriel. Logo na sua primeira bola, o canhoto foi para cima da marcação acionou Rodriguinho e o meia cruzou forte para o meio da área, onde Emerson Sheik não alcançou. A bola ainda quase sobrou para Clayson na esquerda, mas Éder Militão, como em quase todo o jogo, ganhou a disputa.

Preocupado também em não deixar o seu time muito exposto, Carille demorou a mexer, esperando que a formação escolhida fosse para cima do adversário. A mudança seguinte do treinador corintiano veio já na casa dos 30 minutos da etapa final, quando Mantuan substituiu um esgotado Fagner. O lateral, que estava com a Seleção Brasileira na Alemanha, aguentou mais tempo do que o esperado.

A última escolha foi Danilo, que entrou na vaga de Emerson Sheik para tentar dar mais presença de área ao time. O experiente armador nem sequer conseguiu receber uma bola em boa condição dentro da área, saindo mais para ajudar na armação. Quando tudo parecia perdido, no entanto, Clayson bateu escanteio pelo lado direito e achou Rodriguinho livre no meio da área para testar e vencer Sidão, levando a decisão aos pênaltis.

FICHA TÉCNICA 

CORINTHIANS 1 X 0 SÃO PAULO

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: 28 de março de 2018, quarta-feira

Horário: 21h45 (de Brasília)

Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias

Assistentes: Anderson de Moraes e Daniel Ziolli

Público: 43.062 torcedores 

Renda: R$ 2.603.440,11

Cartão Amarelo: Rodriguinho, Fagner e Henrique (Corinthians); Reinaldo, Éder Militão e Sidão (São Paulo) 

Gol: Rodriguinho, aos 47 minutos do segundo tempo

PÊNALTIS:

CORINTHIANS: Mateus Vital, Clayson, Pedrinho, Maycon e Danilo

SÃO PAULO: Lucas Fernandes, Bruno Alves, Reinaldo e Éder Militão

CORINTHIANS: Cássio; Fagner (Mantuan), Pedro Henrique, Henrique e Sidcley; Gabriel (Pedrinho), Maycon, Mateus Vital, Rodriguinho e Clayson; Emerson Sheik (Danilo)

Técnico: Fábio Carille

SÃO PAULO: Sidão; Militão, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Petros e Liziero; Marcos Guilherme (Caíque), Nenê (Lucas Fernandes) e Tréllez (Diego Souza)

Técnico: Diego Aguirre

Gazeta Esportiva

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Grêmio tropeça, e Corinthians pode ser campeão na quarta

No estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS), Grêmio e Vitória empataram em 1 a 1, neste domingo, em partida válida pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do duelo foram marcados por Patric em posição duvidosa, para o Vitória, e Fernandinho, para o Grêmio.

Fernandinho (D), jogador do Grêmio, comemora seu gol com os companheiros de equipe durante partida contra o Vitória, válida pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro 2017.
Fernandinho (D), jogador do Grêmio, comemora seu gol com os companheiros de equipe durante partida contra o Vitória, válida pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro 2017.

Foto: Everton Silveira/Photo Premium/Gazeta Press

Com o resultado, o time gaúcho alcança os 58 pontos e permanece em segundo na classificação, mas pode ser ultrapassado pelo Santos, que joga nesta segunda-feira, contra a Chapecoense, na Arena Condá (SC). O clube baiano chegou aos 39 pontos e segue na 16ª posição. O empate foi bom também para o Corinthians, que depende apenas de uma vitória na próxima rodada, contra o Fluminense, para garantir o título matematicamente.

O confronto ocorreu no estádio do Juventude, na Serra Gaúcha, devido ao show do ColdPlay que aconteceu na Arena do Grêmio no sábado. Com isso, o gramado do local não tinha condições de receber o jogo no domingo.

No Grêmio, o técnico Renato Portaluppi teve três desfalques. No gol, Paulo Victor entrou no lugar de Marcelo Grohe, que estava com dores na cervical. Na lateral-direita, Edílson, com um desconforto muscular, foi poupado e Léo Moura assumiu a posição. Sem Bruno Cortez e Marcelo Oliveira (lesionados), o treinador improvisou na lateral-direito Leonardo na esquerda. O restante da equipe foi toda titular. A curiosidade foi a opção pelo garoto Jaílson iniciar o jogo e Michel, considerado titular, ficar no banco de reservas.

O técnico do Vitória, Vagner Mancini, teve três desfalques. O meia Yago, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, deu lugar para o retorno de Neílton. O volante Uillian Correia, expulso no duelo contra o Palmeiras, foi substituído por Ramon. O zagueiro Wallace pertence ao time gaúcho e está impedido de atuar devido a uma cláusula contratual, teve a posição ocupada por Bruno Bispo.

O JOGO

A partida começou com muita marcação no meio de campo, o que forçava os jogadores de ambos os times fazerem lançamentos, sem perigo, para o ataque. Em algumas oportunidades, o Grêmio chegava tocando bem a bola perto da área adversária, mas sem efetividade na conclusão.

A primeira finalização do jogo ocorreu aos 11 minutos. O volante gremista Jaílson recebeu na entrada da área e arriscou uma conclusão. A bola passou quicando na direita de defesa do goleiro Fernando Miguel.

O Vitória respondeu no lance seguinte. Em cobrança de escanteio Neílton, a defesa gremista afastou mal e a bola sobrou na entrada da área para José Welison concluir forte em direção à meta. Contudo, o zagueiro Pedro Geromel apareceu a tempo e a redonda desviou na coxa do jogador e saiu para mais um escanteio.

Um minuto depois, em jogada individual, o atacante David passou pela marcação e finalizou muito forte e o goleiro Paulo Victor fez boa defesa.

A pressão do Vitória deu certo e aos 16 minutos, o time baiano abriu o placar. Depois de bela troca de passes entre David, Fillipe Souto e Patric, o lateral recebeu, livre na esquerda em posição irregular e ficou cara-a-cara com o arqueiro gremista. O jogador afundou o pé para balançar as redes no estádio Alfredo Jaconi.

Nem deu muito para o torcedor do Leão comemorar, pois dois minutos depois, o Grêmio com Fernandinho. Em ataque pela esquerda, o lateral Leonardo fez bonita tabela com o meia Ramiro e cruzou para a área. O atacante Fernandinho subiu mais alto e desviou para deixar tudo igual na Serra Gaúcha.

Aos 25 minutos, após cobrança curta de escanteio, a bola rodou de pé em pé até chegar no meia Ramiro que, de de fora da área, mandou uma bomba no ângulo. A redonda tinha lugar certo para entrar, mas o goleiro Fernando Miguel saltou e fez grande defesa, impedindo a virada do Tricolor Gaúcho. Aos 32 minutos, em ataque pela direita, Neilton cruzou para a área, a bola passou toda extensão até David ficar com a redonda na esquerda. O atacante colocou novamente na área e Tréllez subiu sozinho, mas cabeceou mal, para fora.

O Vitória quase voltou a ficar na frente do marcador aos 45 minutos. Após cobrança de lateral direto na área, um bate-rebate iniciou na pequena área gremista até a redonda sobrar no pé do atacante Neílton. Contudo, o jogador chutou alto demais, desperdiçando a chance de colocar o Leão na frente.

Antes do apito final, o craque gremista Luan quase fez um gol de placa. O jogador fez uma bela jogada, dando um lençol em Ramon, e, sem deixar a bola cair, bateu de primeira visando o ângulo esquerdo de ataque. Porém, o arqueiro Fernando Miguel defendeu com tranquilidade a conclusão, agarrando a redonda com as duas mãos.

SEGUNDO TEMPO

Os dois times retornaram do vestiário para o gramado do estádio Alfredo Jaconi sem alterações. Em boa marcação da equipe baiana, Fernandinho perdeu a bola no meio de campo e o Vitória armou um contra-ataque rápido, aos 4 minutos. Na jogada, Tréllez recebeu na entrada da área, puxou para finalizar com o pé esquerdo, mas o chute saiu muito alto e passou sob a meta defendida pelo goleiro Paulo Victor.

Aos nove minutos, após cobrança rápida de falta no meio de campo, Luan recebeu próximo à grande área e ergueu na segunda trave. O atacante Fernandinho aparecia pelo setor, mas cabeceou alto, sob o gol de Fernando Miguel.

O Vitória ficou com um jogador a menos aos 13 minutos do segundo tempo. No lance, Fillipe Souto, o único atleta com amarelo na partida até então, fez falta em Ramiro, recebeu o segundo amarelo e consequentemente o vermelho.

Com um jogador a mais na partida, o Grêmio iniciou uma blitz. Aos 14 minutos, Ramiro recebeu na direita da área e tocou na pequena área para o centroavante Lucas Barrios, livre, desviar para o gol. O goleiro Fernando Miguel fechou os espaços e fez mais uma bela defesa no jogo. Um minuto depois, Ramiro colocou na área novamente, o arqueiro do Vitória espalmou e, no rebote, Leonardo pegou fraco na redonda.

Aos 18 minutos, o Luan marcou para o Grêmio, mas, em posição irregular, o lance foi corretamente anulado pela arbitragem. Dois minutos depois, novamente Luan recebeu e arriscou um chute colocado de fora da área, a bola desviou no meio do caminho e o arqueiro Fernando Miguel chegou a saltar, mas a redonda passou rente à trave esquerda de defesa.

O Vitória se retrancou e o Grêmio se jogou para o ataque, porém o time gaúcho encontrava dificuldades para furar a barreira baiana. Aos 37 minutos, Jael recebeu na ponta direita e tocou para Luan finalizar, dentro da área. A bola explodiu na marcação e saiu para escanteio. Aos 45 minutos, após contra-ataque rápido, o Vitória chegou a marcar um gol, mas a arbitragem assinalou o impedimento.

As duas equipes retornam a campo no meio de semana pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), o Grêmio enfrenta o São Paulo, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS). Na quinta-feira, às 20h (de Brasília), o Vitória encara a Chapecoense, na Arena Condá, em Chapecó (SC).

FICHA TÉCNICA

GRÊMIO 1 X 1 VITÓRIA

Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS)

Data: 12 de novembro de 2017, domingo

Horário: 17h (de Brasília)

Árbitro: Marcelo Aparecido R de Souza – SP

Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho – SP  e Bruno Salgado Rizo – SP

GOLS

Grêmio: Fernandinho, aos 18 minutos do primeiro tempo

Vitória: Patric, aos 16 minutos do primeiro tempo

CARTÕES AMARELOS

Grêmio:

Vitória: Fillipe Souto (duas vezes), Kanu

CARTÃO VERMELHO

Vitória: Fillipe Souto

GRÊMIO: Paulo Victor; Léo Moura, Pedro Geromel, Walter Kannemann e Leonardo (Éverton); Jaílson (Jael), Arthur, Ramiro, Luan e Fernandinho (Patrick); Lucas Barrios.

Técnico: Renato Portaluppi

VITÓRIA: Fernando Miguel; Patric, Bruno Bispo, Kanu e Geferson; José Welison, Ramon, Fillipe Soutto e Neílton (Caíque Sá); Santiago Tréllez (André Lima) e David (René Santos).

Técnico: Vagner Mancini

Gazeta Esportiva

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br