Arquivo da tag: conquistar

Em Caiçara, Cidade da Leitura, grupo Atitude aposta em cordéis para conquistar mais leitores

leituraO Grupo Atitude, ONG que promove a leitura e a cultura em Caiçara, iniciou os trabalhos de 2017 com a apresentação de um novo acervo de cordéis adquiridos da Editora Luzeiro, de São Paulo. Para prestigiar o lançamento, no último sábado, estiveram na cidade o pesquisador de literatura de cordel José Paulo Ribeiro e o cordelista Paulo Gracino, ambos de Guarabira.

O Grupo e os convidados creem que o cordel, além de ser o gênero que melhor representa a cultura nordestina, pode motiva a leitura em todas as idades. São romances, aventuras fantásticas, engraçadas, de bravura, críticas, etc. que também podem atrair leitores e também servir para variados projetos de leitura nas escolas.

O acervo foi destaque na “Barraca da Leitura”, biblioteca itinerante que a quase 2 anos funciona na feira livre da cidade e no “Programa Atitude”, da rádio comunitária da cidade onde o pesquisador Zé Paulo falou dentre outros temas, da história do cordel, dos gêneros, das principais obras e autores, e do uso educacional do cordel. O premiado cordelista Paulo Gracino comentou suas obras, seu mais novo formato o “microcordel” e realizou doação para o Grupo.

O Grupo Atitude, além da barraca na feira, leva leitura para os presos da cadeia da cidade, mantêm três bibliotecas comunitárias e três pontos de leitura em parceria com comerciantes locais, em todos eles existem “cordeltecas” que agora terão seus acervos ampliados. Pelas ações do Grupo e pelo rol de escritores nascidos no município Caiçara vem sendo reconhecida como a “Cidade da Leitura”.

Assessoria

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

 

Chances de o Palmeiras conquistar o Campeonato Brasileiro chegam a 49%; Flamengo tem 41%

palmeirasNo sábado, o Palmeiras venceu o Coritiba por 2 a 1 no seu estádio. No domingo, o Flamengo também fez valer o seu mando de campo e derrotou o Cruzeiro de virada pelo mesmo placar (2 a 1), em Cariacica. Como ambos fizeram o seu dever de casa na 27ª rodada, o Verdão segue na liderança do Brasileirão, agora com 54 pontos, apenas um a mais que o Rubro-Negro, que foi a 53.

Apesar de a diferença na pontuação ser mínima, e os dois clubes ainda terem 11 jogos para disputar, a equipe paulista tem 49% de chances de conquistar o título, segundo o site Infobola.com.br, do matemático Tristão Garcia. Por sua vez, a probabilidade de o time carioca ser campeão é de 41%. Em relação à ultima rodada, o Palmeiras aumentou em 3% as suas possibilidades, enquanto o Flamengo, 2%. Outros três clubes têm pequenas chances de levantar a taça: Atlético-MG (7%), Santos (2%) e Fluminense (1%).

O levantamento tem como base o mando de campo dos jogos e o retrospecto das equipes na competição, bem como a dificuldade dos jogos em função dos adversários.

Quando o assunto é a Taça Libertadores, os quatro primeiros seguem como os principais favoritos para assegurar vaga na principal competição do continente, pois em termos de possibilidades têm uma vantagem considerável para o Fluminense, atual quinto colocado. Palmeiras (98%) e Flamengo (97%) estão muito perto da classificação. O Atlético-MG (80%) está com a situação encaminhada. Em quarto lugar, com 45 pontos, o Santos tem 55% de chances, mas tem que manter a atenção para impedir a aproximação de rivais, entre eles o Fluminense, que foi a 43 pontos após a vitória fora de casa por 1 a 0 sobre o Timão, aumentando as suas possibilidades de 15% para 29%. Os outros concorrentes são: Atlético-PR (14%), Corinthians (10%), Ponte Preta (6%), Grêmio (5%), além de Botafogo e Chapecoense, ambos com 3%.

De acordo com Tristão Garcia, um time chega muito próximo da Libertadores se somar 65 pontos. Há ainda a possibilidade das quatro vagas para a Libertadores se tornarem apenas três, pois Flamengo, Coritiba, Santa Cruz e Chapecoense disputam a Copa Sul-Americana e, se vencerem, conquistam um lugar no torneio mais importante do continente e o “roubam” do quarto colocado.

Na briga contra o rebaixamento, o América-MG, mesmo com a segunda vitória seguida, desta vez sobre o Botafogo, continua muito ameaçado. Com 21 pontos, o risco de o Coelho cair é de 99%. Outro cuja salvação poderá ser considerada um milagre é o Santa Cruz, que tem 23 pontos. A probabilidade de o Santinha ser rebaixado é de 94%. A derrota para o Atlético-MG por 3 a 1, no Independência, complicou a situação do Internacional, que agora tem 70% de possibilidades de disputar a Série B em 2017. Embora também esteja no Z-4, com 30 pontos, o Cruzeiro (34%) tem menos risco que o Figueirense (41%), último clube fora da degola. Vitória (26%), Sport (15%), Coritiba (12%), São Paulo (7%), Chapecoense (1%) e Botafogo (1%) completam a lista dos times ainda ameaçados pelo rebaixamento. Para Tristão Garcia, 47 pontos é uma soma que praticamente assegura a permanência de uma equipe na elite do futebol nacional.

Globo Esporte

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

A Cia Artística Fascinart de Solânea realiza 1ª assembleia e 2014 promete muitas novidades

uma-historia-de-amor-e-furiaEnquanto os olhos dos cinéfilos brasileiros se voltavam para a campanha de O Som ao Redor, de Kléber Mendonça Filho, agora fora da corrida por uma vaga entre os cinco finalistas ao Oscar de melhor filme estrangeiro, outro longa nacional corria por fora, amealhando críticas positivas na imprensa americana e ampliando suas chances de quebrar um tabu histórico na maior premiação do cinema mundial. Em 16 de janeiro, quando as indicações da Academia de Hollywood forem anunciadas, Uma História de Amor e Fúria, de Luiz Bolognesi, pode tornar-se o primeiro desenho animado do país a competir pela estatueta de melhor longa de animação.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
A afirmação não se baseia em patriotismos. A animação de Bolognesi, mais conhecido pelos roteiros de Bicho de Sete Cabeças (2001) e Chega de Saudade(2007), ambos dirigidos por sua mulher, Laís Bodanzky, está na lista dos 19 semifinalistas da categoria divulgada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas no início de novembro – já deu, portanto, um passo além de O Som ao Redor, que não ficou entre os 19 escolhidos.

A inclusão nesta lista exclusivíssima que nunca recebeu uma produção totalmente brasileira – não vamos esquecer que Rio (2011), apesar de dirigido pelo carioca Carlos Saldanha, é uma superprodução americana – já é um feito comparável ao da chegada de Gustavo Kuerten às semifinais de Roland Garros. Afinal, o Brasil não tem tradição alguma na animação (assim como no tênis) e as poucas produções do gênero no país costumam aparecer e sumir do mapa sem que o público tome nota (assim como as revelações do esporte de Kuerten).

Mas o desenho, que tomou nove anos da vida de Bolognesi, ganhou forma em três cidades diferentes (Águas de Lindoia, Santos e São Paulo) devido à contenção de custos (o orçamento, baixo para uma animação de qualidade, girou em torno de 4,5 milhões de reais) e empregou cerca de 30 jovens animadores, pode chegar longe. No fim de novembro, Rio 2096: A Story of Love and Fury estreou em um cinema de Los Angeles para que, de acordo com as regras do Oscar, se tornasse elegível à premiação. O título internacional espertamente destaca o seu lado ficção científica, caro aos americanos, indicando um Rio de Janeiro futurista que, como os cenários de muitas sagas distópicas hoje em alta, vive dias sombrios. A cidade é dominada por um político corrupto e evangélico e por uma corporação cruel chamada Aquabrás.

O site da revista The Hollywood Reporter adverte que as legendas podem confundir os não-familiarizados com a história do Brasil, já que o filme persegue uma história de amor de um casal de índios (vozes de Selton Mello e Camila Pitanga) por seis séculos e diversas revoluções do país, mas ressalta que a animação é “excelente” e que há “sofisticação nos temas e na execução”. “É um raro exemplo de um desenho feito para avançar nas ideias políticas”, conclui o texto de uma das mais importantes publicações dos Estados Unidos.


A site da revista Variety, bíblia do mercado cinematográfico americano, acredita que a animação brasileira pode surpreender no Oscar e a coloca como forte concorrente ao lado deThe Wind Rises, de Hayao Miyazaki, ganhador da estatueta em 2003 por A Viagem de Chihiro. A revista ressalta a queda criativa da Pixar, que tem Aviões eUniversidade Monstrosna disputa, nenhum dos dois com a recepção favorável de longas como Up: Altas Aventuras(2009) e Toy Story 3 (2010), com que a Pixar, ao lado da Disney, fez história.

O portal Examiner foi ainda mais elogioso. “Saia da frente, Pocahontas“, escreveu a crítica Jana Monji, dando quatro estrelas ao filme brasileiro e comparando-o à história da indígena americana que casou com um colonizador inglês e virou desenho em 1995. “A Disney pode ter feito a sua história com animais bonitinhos e tê-la transformado em uma trama politicamente incorreta, mas Uma História de Amor e Fúria tem um olhar decididamente nativo: sangrento e, geralmente, triste.”

“Desde que a lista do Oscar foi anunciada, estamos cada dia mais fortes, principalmente por causa das críticas dos americanos, todas muito elogiosas”, comemora Bolognesi, que não recebeu nenhuma ajuda do Ministério da Cultura para promover a animação junto aos membros da Academia de Hollywood e teve a divulgação bancada pela Buriti Filmes em parceria com a produtora Gullane. “A Ancine deu 300 000 reais (na verdade, foram 284 000 reais) para O Som ao Redor, mas nós não tivemos nada. Deveríamos fazer sessões com debates, mas só conseguimos uma pequena assessora para nos ajudar em Hollywood.”

A ausência do apoio – o MinC só prevê o prêmio para o representante nacional ao Oscar de filme estrangeiro – é ainda mais marcante porque Uma História de Amor e Fúria conquistou o troféu de melhor filme do Festival de Annecy, em junho passado. Apesar de não ser tão famoso quanto Cannes ou Veneza, o evento francês, exclusivo para animações, é considerado o Oscar do gênero – nos últimos quatro anos, dois de seus vencedores, Coraline e o Mundo Secreto (2009) e O Fantástico Sr. Raposo (2010), foram indicados à estatueta americana.

“Nosso grande trunfo é a vitória em Annecy, que serve de termômetro para o Oscar. Existe um grande culto ao cinema francês entre os cinéfilos americanos, então, ter o reconhecimento do festival de animação mais importante do mundo nos transforma naquele cavalo que corre por fora, mas não baixa a cabeça”, brinca o cineasta, que já teve o desenho premiado na Argentina, Armênia, Japão e China. “Não éramos nada antes do evento, agora temos 5% de chances de concorrer ao Oscar.”

O reconhecimento internacional vem compensar o fracasso da animação nos cinemas brasileiros. Lançada em abril em 65 salas, Uma História de Amor e Fúria foi bem recebida pela crítica, mas naufragou nas bilheterias, acumulando apenas 30 000 espectadores. “Esperava algo em torno de 50 000 pagantes. Admito que entrei em depressão com esses números”, diz Bolognesi. “Mas o mal-estar acabou dois meses depois, quando ganhamos Annecy. Hoje, depois de percorrer tantos festivais, ter o filme lançado em DVD e contrato de exibição assinado com a HBO, já batemos os 100 000 espectadores, 70% deles fora do Brasil.”

Se a animação ficar entre os cinco (ou menos) finalistas do Oscar 2014, Bolognesi acredita que a visibilidade aumentará no Brasil, mas não vê possibilidade de outro lançamento no cinema. “Já está bombando entre os pirateiros”, conta.

Considerando que umas das tramas de Uma História de Amor e Fúria é sobre um traficante transformado em herói, nada mais coerente que essa força underground do filme. “Senti falta da nossa intelectualidade discutindo o longa, reverenciado em outros países como um desenho de resistência”, dispara Luiz Bolognesi. “Ainda somos ignorantes em relação a animação.”

Veja

Nadja Palitot e Marcos Henriques começam campanha para conquistar preferência

PTO Partido dos Trabalhadores está envolvido em mais uma disputa interna. Menos de um mês após a realização do Processo de Eleições Diretas (PED) que resultou na renovação do seu diretório Estadual, o PT agora vive o dilema para saber quem será o candidato da legenda ao governo do Estado em 2014. A ala liderada pelo prefeito de João Pessoa Luciano Cartaxo e pelo presidente Estadual da legenda, Charliton Machado, lançou no último dia 10, o nome da advogada Nadja Palitot como pré-candidata a governadora em 2014. Ela seria a opção do partido para o blocão, que é formado ainda pelo PP e PSC. Ladja aliás, já anunciou que vai deixar o Procom Municipal de João Pessoa para se dedicar a campanha. E garante que a sua pré-candidatura é prá valer.

Só que a petista não está com o caminho livre para concorrer ao Palácio da Redenção. A ala  do Partido dos Trabalhadores batizada de Frente Sindical liderada pelo deputado estadual Frei Anastácio lançou à pré-candidatura do presidente do Sindicato dos Bancários, Marcos Henriques, ao Governo do Estado nas eleições de 2014. A pré-candidatura é a segunda anunciada pela PT. Nadja Palitot terá de enfrentar Marcos Henriques, na preferência dos petistas para ser considerada a candidata da legenda ao Governo do Estado.

O lançamento de Marcos aconteceu após uma série de reuniões, sindicalistas dos setores bancários, da construção civil, têxteis, eletricitários, metalúrgicos, telefônicos, educação e saúde, além de representantes de movimentos sociais na Paraíba, decidiram pela indicação de Marcos Henriques, que segundo eles, poderá dialogar com a sociedade e representaria a renovação de conceitos e práticas exigidas pela população.

Marcos e Nadja já estão em plena campanha. Marcos Henriques garantiu que está disposto a debater com todas as forças do partido que se identificam com essa proposta, pois o PT não tem tradição de impor nomes. “Achamos extremamente democrático que apareçam segmentos organizados que queiram construir uma candidatura viável e que possam dialogar com os outros partidos políticos de nosso arco de alianças”, lembrou, acrescentando que considera salutar o partido dispor de mais de uma opção, pois quem ganhará com isso é o filiado, que vai poder cobrar posturas e analisar o candidato através de suas ações no presente, avaliando o passado dele para projetar o futuro.

“O PT não tem dono, e é isso que gostamos tanto, nossa democracia interna é muito importante e serve de referência para todos os outros partidos”, arrematou. Para Marcos Henriques, é importante que se abra o debate interno, inclusive ampliando essa discussão nos sindicatos, movimentos sociais e agrupamentos políticos. Para isso, espera ter a oportunidade de dialogar com o filiado, por considerar importante que na condição de candidato ao governo do PT, tenha em suas propostas a responsabilidade partidária de apresentação de políticas públicas acumuladas durante anos, que englobem e atenda a todos os segmentos da sociedade.

O ex-presidente do PT de João Pessoa Josenilton Feitosa avaliou negativamente “a antecipação do lançamento das duas candidaturas. “A mesma surpresa que nós tivemos com o nome de Nadja Palitot lançada pelo setor que hoje estar à frente da presidência do PT, nós tivemos da de Marcos Alves. Esse é o momento para de levar a instância do PT fazer o debate para depois começa a inscrever os nomes, infelizmente como o nome de Nadja foi lançado daquele jeito outros grupos acham no direito de fazer o mesmo”, disse.

PBAgora

Treze aposta na defesa para conquistar o acesso para a Série B

trezeO Treze não tem torcida. Tem uma legião de apaixonados que trata o time quase como uma legião. E é essa torcida aguerrida, vibrante que promete levar o Galo a tão sonhada Série B do Campeonato Brasileiro em 2014. Depois de um começo desastroso na Série C com derrotas e goleadas, o Galo se reabilitou o cresceu na produção, saindo da desconfortável zona de rebaixamento para o G4.

O time que trocou de treinador no decorrer da competição, e há 9 jogos é comandado por Luciano Silva , ocupa hoje a terceira colocação no Grupo A da Série C com 26 pontos, estando apenas a 1 para alcançar o líder. Vem embalado de três vitórias seguidas, sendo uma dela, muito comemorada, fora de casa. Faltando quatro rodadas para o final da fase classificatória da competição, o alvinegro já conseguiu mais pontos do que toda a Série C do ano passado. Em 2012, o Galo conquistou 22 pontos em 18 partidas. Foram 7 vitórias, 10 derrotas e 1 empate. Marcou 24 gols e sofreu 33 tentos, terminando a fase em quinto lugar, atrás de Fortaleza, Luverdense, Ycasa em Paisandú.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Este ano a realidade é outra. Em 16 jogos, o Galo venceu 8 perdeu 6 e empatou 2. Marcou 20 gols e sofreu 26, somando até o momento, 26 pontos. Mesmo futebol sendo coletivo, o sucesso dessa boa campanha é atribuído principalmente ao desempenho do sistema defensivo. Se o ataque não consegue marcar tantos gols, a zaga se garante. O Galo não leva gols a mais de 270 minutos, uma marca impressionante na Série C.

As boas defesas do goleiro Éder; ajudaram o alvinegro a entrar no G4 e sonhar com o acesso. Ocupando atualmente a vaga do ídolo do Galo Beto, Éder mantém o discurso humilde e diz que os resultados estão aparecendo graças a determinação do time. “Futebol é conjunto e todos estão imbuídos de um mesmo objetivo” disse. Até mesmo o reserva de Éder, o goleiro Beto, reconhece a boa fase do amigo. “Nós travamos uma disputa saudável. Fico muito feliz que ele tem aproveitado a oportunidade e ajudado ao Treze” comentou.

A sorte também tem sido aliada do Galo nessa trajetória. No jogo contra o CRB, a bola bateu duas vezes na trave. “A gente também precisa contar com a sorte” disse Éder.

A torcida, que no primeiro turno vaiou o time e fez protesto, está empolgada e promete incentivar os jogadores a buscar mais vitórias no duelo contra o Fortaleza marcado para este domingo às 19h no PV. Se vencer o Galo pode ultrapassar os concorrentes diretos e se tornar o novo líder da competição, ficando muito próximo do acesso. Um revez dentro de casa poderia mudar os planos do alvinegro que nem pensa mais com o indesejado retorno a zona de rebaixamento.

“Vamos pra cima fazer valer o mando de campo” disse o atacante Tiago Chulapa.

Treze praticamente definido para enfrentar o Fortaleza

O Galo está pronto para mais um duelo na Série C contra o Fortaleza-CE. O treinador Luciano Silva já tem o time definido mas não revela a escalação. Para o compromisso deste domingo, o time alvinegro não poderá contar com o zagueiro Negretti e o volante Rodrigo Celeste sentiu um incômodo muscular na virilha. Para a vaga de Negretti, o técnico Luciano Silva deve optar pela entrada de Pitty, porém, Sandoval segue na briga. Já no lugar de Rodrigo Celeste, quem entra é Escobar.

Apesar dos desfalques, o clima é de confiança no PV. Jogadores, comissão técnica, diretoria e torcida apostam numa grande exibição do Galo. Isso porque, se vencer o Tricolor do Pici, o Galo amanhecerá a segunda-feira líder da Série C independente de qualquer outro resultado. E terá conquistado mais pontos do que os demais 19 clubes que disputam a competição.

O Treze deve ir a campo diante do Fortaleza com Éder; Júnior Barbosa, Pitty (Sandoval), Marco Tiago e Anderson Paim; Jonata Escobar, Sapé (Jé), Húdson e Cristian; Birungueta e Tiago Chulapa.

Torcida promete se transformar no 12º jogador

A expectativa é de um grande público no PV. A torcida do Treze promete se transformar no 12º jogador no duelo contra o Fortaleza. Sonhando em ver o líder na liderança da Série C, os torcedores correram durante a semana para garantir os ingressos de forma antecipada. A venda de ingressos foi disputada, e filas se formaram em frente a loja do Galo no Centro. Em dois dias mais de 2 mil ingressos foram vendidos. O PV deve se transformar em um caldeirão. “É importante o apoio de nossa torcida nesse momento. Aliás, a torcida tem comparecido aos jogos e feito a sua parte” afirmou o meia Cristian, um dos ídolos do time.

Até o começo da tarde da última sexta-feira apenas 200 ingressos restavam disponíveis para a arquibancada geral. A expectativa é que o montante fosse vendido na manhã do sábado.

O presidente do Treze, Eduardo Medeiros, afirmou que a torcida será importante para o duelo contra o Fortaleza. O mandatário ainda revelou que o PV deve receber um púbico referente a sua capacidade que é de 12 mil pessoas.

A expectativa para um bom público no jogo entre Treze e Fortaleza no Estádio Presidente Vargas, movimentou a cidade. O vice-presidente do Galo, Hênio Galdino, chegou a afirmar que as vendas de ingressos antecipados atingissem um bom número durante a semana, o clube iria disponibilizar uma arquibancada móvel, aumentando em mil lugares a capacidade do PV.

Com estádio cheio, o Galo promete fazer um grande jogo, e vencer o Fortaleza, alcançando assim o topo da tabela do Grupo A da Série C do Brasileiro.

Severino Lopes 

PBAgora

“Ricardo Coutinho tem tudo para conquistar a reeleição”, afirma ex-vice governador paraibano

jose-lacerdaCada vez mais líderes reconhecem a possibilidade de uma vitória de Ricardo Coutinho (PSB) na disputa pelo governo do Estado em 2014. Desta vez foi o ex-vice-governador da Paraíba, José Lacerda Neto (PSD), que afirmou que o nome de Ricardo é o mais certo para vencer as próximas eleições.

“O governador tem tudo para conquistar a reeleição. A população continuará acreditando no projeto girassol que ele lidera”, afirmou.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Além de Lacerda, quem também tem lutado para o sucesso desta reeleição é o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que reafirmou a aliança com o governo socialista na Paraíba.

“O governador foi prefeito de João Pessoa e teve uma administração boa. Ninguém pode negar isso. Ele tem popularidade boa e acredito em sua reeleição. Não se pode dizer que ele está eleito, porque isso só se decide quando abrem-se as urnas e contam-se os votos, mas eu coloco Ricardo entre os candidatos mais fortes. Acredito com tranquilidade que ele terá a reeleição”, destacou.

 

Paraíba Já

Após conquistar apoio de peemedebistas, Ricardo consegue adesão de prefeitos de outros partidos

ricardo adesõesDepois de conquistar o apoio de seis prefeitos do PMDB, o governador Ricardo Coutinho (PSB) segue com a enxurrada de adesões e passa a conseguir a adesão de gestores de outros partidos também.

 

O prefeito de Nova Floresta, João Elias (DEM), anunciou adesão ao projeto de reeleição do governador Ricardo Coutinho (PSB), durante reunião na tarde desta segunda-feira (18), no Hotel Tambaú.

 

João Elias apoiou o candidato a governador do PMDB nas eleições de 2010, mas disse que não poderia deixar de estar junto com o atual governo diante do grande trabalho realizado nos municípios. “Buscamos essa parceria porque acreditamos que é o melhor caminho para solucionar e minimizar os problemas enfrentados pelo município e pela Paraíba como um todo”, explicou.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Além do prefeito João Elias, o governador Ricardo Coutinho recebeu o vice-prefeito Rosélio, o ex-vice-prefeito, Gilson Borges e auxiliares da prefeitura de Nova Floresta. Também acompanharam a audiência o presidente estadual do PSB, Edvaldo Rosas e a secretária de Comunicação Institucional, Estela Bezerra.

 

O prefeito de Nova Floresta acrescentou que mesmo não tendo votado no governador em 2010, como prefeito não sofreu nenhuma discriminação por parte do governo. “Com certeza vamos construir novas parcerias para melhorar a qualidade de vida do nosso povo”.

 

O presidente estadual do PSB, Edvaldo Rosas, informou que somente este ano cerca de 15 prefeitos que não haviam votado com Ricardo em 2010 aderiram ao seu projeto político. “A procura dos prefeitos interessados em ingressar na aliança política do PSB se deve a relação respeitosa, séria e transparente que o governador tem adotado com os prefeitos, independente de quem votou na eleição passada. Essa postura adotada pelo governador em dar acesso às políticas públicas do Estado aos prefeitos facilita as adesão e o fortalecimento do projeto ”, completou Rosas.

 

FONTE: POLÍTICAPB COM SECOM-PB

Marquinha sexy: como conquistar a sua

Rede Globo/DivulgaçãoA funkeira Lurdinha, interpretada por Bruna Marquezine em 'Salve Jorge', reforça a marquinha sexy tomando sol com esparadrapo na pele
Rede Globo/Divulgação
A funkeira Lurdinha, interpretada por Bruna Marquezine em ‘Salve Jorge’, reforça a marquinha sexy tomando sol com esparadrapo na pele

Calça baixa, top e uma marquinha de biquíni evidente. O visual faz sucesso entre as periguetes e mexe com a imaginação dos homens. Na televisão, a funkeira Lurdinha, vivida por Bruna Marquezine em Salve Jorge, faz esse tipo.

No início do mês, o segredo de sedução característico da personagem foi revelado. Um fotógrafo flagrou a atriz durante uma gravação pegando uma cor com um esparadrapo colado na pele. O objetivo, claro: simular a marquinha da calcinha do biquíni.

Carla Perez, Scheila Carvalho, mulheres frutas e tantas outras já exibiram as suas marquinhas nas revistas masculinas. Fetiche incontestável. Na vida real, é impossível a marca de sol não chamar atenção, principalmente no decote.

A reportagem do iG foi até a praia do Pepê, na Barra da Tijuca, para saber qual é a marca de biquíni ideal e como mantê-la. Se você curte e quer cultivar a sua, fique de olho nas dicas dessas praieiras.

1. Sol todos os dias
Difícil para você? Tomar sol diariamente é a recomendação da professora Tatiane Magalhães, de 31 anos, que gosta do modelo cortininha. “Tento pegar duas horas de sol, todos os dias. Como moro perto da praia, consigo fazer isso com certa regularidade. Mas nesta semana, por exemplo, ela está fraca, pois fez pouco sol”, disse.

2. Não variar o modelo
Amigas, as fisioterapeutas Débora Santos e Paula Ataide, de 24 e 29 anos, usam sempre o mesmo modelo de biquíni: frente única. Variar o corte seria problema, pois isso poderia interferir na marca do biquíni. “É uma loucura quando chego numa loja e gosto de um biquíni, penso sempre em levar pelo menos dois do mesmo modelo, mas com outra estampa”, disse Paula. Débora acrescentou: “É feio quando fica com várias marcas diferentes”.

3.  Comidinhas bronzeadoras
Uma fórmula certeira para se bronzear mais rápido e o dourado da pele durar bastante é… comer cenoura! Isso porque o vegetal é rico em betacaroteno, substância que auxilia na formação de melanina em nosso organismo. É a melanina que deixa a pele bronzeada. Além da cenoura, outros alimentos como manga, abóbora e beterraba também são ricos em betacaroteno . Você também encontra batacaroteno nos nutricosméticos, à venda nas farmácias.

4. Hidratar a pele
Não adianta se bronzear e depois descuidar da pele. O bronzeado fica mais bonito e demora mais para “desbotar” quando a pele está hidratada. Aplique o hidratante logo após o banho, quando a pele estiver ainda úmida, pois assim o produto é melhor absorvido.

5. Proteção solar
Parece um contrassenso falar de proteção solar e bronzeamento, mas a verdade é que os dois têm tudo a ver. O protetor solar não impede que a pele pegue cor, mas proporciona um bronzeado mais seguro. Aplique protetor solar generosamente para evitar queimaduras, envelhecimento da pele e os outros problemas decorrentes da exposição ao sol. Seu bronzeado vai ser mais saudável e duradouro .

Mas nem todas gostam…
Nem todas apreciam a marquinha, algumas mulheres até consideram vulgar. Nesse caso o sutiã toma que caia é o melhor amigo.

Karina de Oliveira, de 18 anos, varia a marquinha de acordo com o vestido da vez. “Acho feio usar um tomara que caia com a marca aparecendo. Então, nesse caso, uso um biquíni sem alça. Se for um vestido que não apareça o colo, por exemplo, vou para praia com o cortininha, que é mais confortável”, diz.

A mineira Ana Amélia Cardoso, de 25 anos, chegou ao Rio de Janeiro com a marca de um sutiã frente única, mas logo se encantou pelo tomara que caia. “Achei bonita a moda e resolvi aderir. Venho para a praia com o meu tomara que caia, passo protetor no meu corpo inteiro, menos na região do peito, onde passo bronzeador para acelerar a troca da marca”, explica.

Alexandra Delibero, 43 anos, só usa tomara que caia. “Fica mais elegante, chique. A marquinha de biquíni muito forte pode ficar vulgar. É melhor não arriscar”. A psicóloga Mariana Holanda, de 24 anos, concorda na escolha do modelo e ensina um truque para esconder a marca. “Amo praia, o que torna inevitável a marca de biquíni. Não gosto muito dela, então quando uso uma roupa decotada, por exemplo, coloco pó compacto branco para disfarçá-la”.

Catherine Cruz, de 21 anos, não gosta de nenhum tipo de marca. Por isso, opta for fazer topless quando está em casa. “Aqui na praia, desamarro o biquíni quando pego sol de costas e, quando fico de frente, fico embaixo do guarda sol. Mas em casa, que é bom, fico mais a vontade”.

 

 

Luisa Girão , iG

Deputados investem na família para conquistar prefeituras da Paraíba

Nas eleições deste ano sete deputados estaduais estão disputando prefeituras de cinco municípios da Paraíba. No entanto, eles não são os únicos membros da Assembleia Legislativa que estão envolvidos diretamente no pleito. Outros 15 parlamentares estão ‘investindo’ em familiares  na briga pelas administrações municipais. Filhos, irmãos, esposas e outros parentes de deputados são candidatos.

A maior parcela de parentes de parlamentares na disputa de outubro é formada por esposas e esposos. São seis conjugues de deputados estaduais que lutam para se manter ou conquistar as prefeituras municipais. Na cidade de Alhandra, por exemplo, a mulher de Branco Mendes (PEN), Gorete Mendes (PSDB), está na disputa par tentar substituir Renato Mendes (DEM), que é sobrinho do deputado.

Em Bayeux, na Grande João Pessoa, a esposa do deputado Domiciano Cabral (DEM), Sara Cabral (DEM), tenta voltar a prefeitura da cidade. No entanto, ela teve a candidatura barrada com base na Lei da Ficha Limpa  e ainda está recorrendo da decisão para participar do pleito. Já em Guarabira, quem concorre é o ex-prefeito Zenóbio Toscano (PSDB), que é casado com a deputada e também ex-prefeita  Léa Toscano (PSB).

Nas cidades de Areia de Baraúnas e Monteiro as prefeitas Vanderlita Guedes (PSDB), a Dequinha Mineral, e Edna Henrique (PSDB) querem continuar no poder. As duas são casadas respectivamente com Antônio Mineral (PSDB) e João Henrique(DEM). Em Pocinhos, a candidata a vice-prefeita Eliane Galdino (PSB) é esposa do deputado Adriano Galdino (PSB), que governou a cidade por três mandatos. Já o prefeito e candidato à reeleição Arthur Galdino (PSDB) é sobrinho do parlamentar.

Outros cinco deputados estaduais têm irmãos no pleito municipal, entre eles está o presidente da Assembleia Legislativa Ricardo Marcelo (PEN) que tem Tarcísio Marcelo (PSB) na disputa em Belém. Em Queimadas, Carlinhos de Tião (PSC), irmão de Doda de Tião (PPL), tenta se reeleger, a mesma situação de Aparecida Rodrigues (DEM) em São José dos Ramos, ela é irmã de João Gonçalves (PEN). Ainda têm irmãos na disputa eleitoral os deputados Tião Gomes (PSL), Paulo Gomes (PRB) em Areia; e Caio Roberto (PR), Bruno Roberto (PR) como vice de Tatiana Medeiros (PMDB) em Campina Grande.

Os deputados Márcio Roberto (PMDB) e Manoel Ludgério (PSD), que está licenciado do cargo exercendo função de secretário de Estado, decidiram investir em seus herdeiros. Jullys Roberto (PMDB) e Anna Ludgério (PSB) concorrem em São Bento e Barra de Santana. Em Araruna quem concorre à reeleição é a mãe da deputada Olenka Maranhão (PMDB), Wilma Maranhão (PMDB), que também é irmã do ex-governador e candidato em João Pessoa José Maranhão (PMDB). Na cidade de Conceição o sobrinho do deputado estadual Wilson Braga (PSD), Alexandre Braga (PDT), tenta a prefeitura e por pouco não se envolve em uma disputa familiar com a tia Vani Braga (PSD) que desistiu da eleição.

Característica de clã
Para o cientista político Ítalo Fittipaldi as candidaturas de parentes são uma forma que os políticos encontram para manterem fortes os nomes das famílias na vida pública. “Eles começam a incentivar a  participação dos parentes como uma forma de se perpetuarem na política”, afirmou. “É uma característica clânica mesmo. Isso ocorre em todo o país, mas aparece com mais frequência na região Nordeste”, acrescentou o especialista.

O cientista ainda afirma que o apoio dos deputados a parentes nas eleições municipais desse ano também pode ser visto como uma estratégia visando as eleições estaduais de 2014. Pois com familiares no comando das prefeituras eles podem viabilizar à reeleição mais facilmente. “É uma forma de se manter com o reduto eleitoral”, afirmou Ítalo Fittipaldi.

Candidatos em cinco cidades

Cinco cidades da Paraíba têm deputados estaduais disputando as prefeituras municipais. Em Campina Grande concorrem Daniella Ribeiro (PP) e Guilherme Almeida (PSC). Sousa tem André Gadelha (PMDB) e Lindolfo Pires (DEM) concorrendo.Luciano Cartaxo (PT) disputa em João Pessoa, Arnaldo Monteiro (PSC) em Esperança e Francisca Motta (PMDB) em Patos.

G1 PB