Arquivo da tag: cirurgia

Deputado Edmilson Soares recebe alta de UTI após cirurgia delicada

O deputado estadual Edmilson Soares recebeu alta nesse domingo (28), da UTI onde estava internado desde a realização de uma cirurgia de alta complexidade na última quarta-feira (24).

Durante a cirurgia Edmilson retirou o rim direito, um tumor e um trombo.

De acordo com informações compartilhadas no perfil de Tanilson Soares, filho do deputado, Edmilson está se recuperando bem, mas não pode receber visitas devido à complexidade da operação e o período de pandemia da covid-19.
PB Agora

 

Edmilson Soares passa por cirurgia delicada para retirada de trombo

O deputado estadual Edmilson Soares (Avante) está sendo submetido, nesta quarta-feira (24), a uma cirurgia delicada para contensão de um trombo que teve início nos rins e atinge o coração.

O procedimento é realizado no Hospital Memorial São Francisco, em João Pessoa, e a previsão de término é após às 14h.

Nas redes sociais, o filho de Edmilson, vereador Tanilson Soares, pediu correntes de orações para a saúde de seu pai.

“Começou no início da manhã desta quarta-feira (24), a cirurgia do deputado estadual Edmilson Soares para contensão do trombo que se iniciou no Rim e está atingindo o coração. O procedimento ocorre no Hospital Memorial São Francisco, em João Pessoa, e a previsão de término é após às 14h. Obrigado pelo carinho e orações” escreveu o vereador na legenda.

pbagora

 

Cirurgia bariátrica: Conheça os principais mitos e verdades sobre o procedimento

Especialista comenta sobre as principais dúvidas relacionadas à cirurgia

Perder peso é um grande desafio para muitas pessoas e em diversos casos, a luta em busca pelo emagrecimento não acontece apenas pela questão estética, mas também pela saúde. Atualmente, a obesidade é uma das condições de saúde que mais atingem a população brasileira, e essa condição está ligada não só a fatores genéticos, mas também pelos hábitos de vida pouco saudáveis, como alimentação desequilibrada e falta de exercícios físicos.

De acordo com os dados mais recentes do Ministério da Saúde divulgados em 2017, um em cada cinco brasileiros está muito acima do peso. A pesquisa apontou que 41,6 milhões de pessoas ou 19,8% da população possui índice de massa corporal (IMC) acima de 30, o que é considerado obesidade. Destes, um terço (ou 13,6 milhões), possuem IMC acima de 35, o que os coloca na posição de obesos mórbidos.

E esses números alarmantes aos poucos começam a se refletir também no volume de cirurgias bariátricas realizadas no País: de acordo com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), em 2018 foram realizadas 63.969 cirurgias de redução do estômago, como o procedimento é popularmente conhecido. Destes, 49.521 foram realizados por meio da saúde suplementar (planos de saúde), 11.402 cirurgias pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e 3.046 cirurgias particulares.

Isso representa um aumento de 4,38% em comparação a 2017, quando foram realizadas aproximadamente 61.283 mil cirurgias pelo SUS e ANS. Todavia, o total de procedimentos realizados no ano passado representa apenas 0,47% da população obesa com IMC acima de 35, e que, portanto, seria elegível à cirurgia bariátrica e metabólica no Brasil.

Em partes isso ainda se deve à desconfiança da população em torno do procedimento e da falta de conhecimento sobre a relação da intervenção com a melhoria da saúde e da qualidade de vida.

Diante das muitas dúvidas de pacientes e familiares, o cirurgião bariátrico Thales Delmondes Galvão esclarece os principais mitos e verdades sobre o procedimento.

Qualquer pessoa pode realizar a cirurgia bariátrica
Mito: O procedimento é indicado para pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) maior que 40, ou maior que 35, desde que possuam um conjunto de doenças associadas à obesidade, como diabetes, hipertensão e dislipidemias (anomalias dos lipídios no sangue). Além disso, a cirurgia também é recomendada para pacientes com o IMC maior que 30 com diabetes de difícil controle.

O paciente pode engordar de novo após realizar o procedimento
Verdade: A cirurgia bariátrica estimula a perda de peso de forma efetiva. Porém, se o paciente não adotar uma mudança de hábitos saudáveis como uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos, poderá ocorrer algum reganho de peso.

Após realizar a cirurgia, o paciente terá que realizar cirurgia plásticas
Mito: A necessidade de realizar cirurgia plástica após o procedimento deve ser avaliada caso a caso e é importante que essa avaliação seja realizada por uma equipe multidisciplinar. Em pacientes mais jovens, com IMC não tão altos, e que praticam atividade física a necessidade de cirurgia plástica após a Cirurgia Bariátrica são menores.

Cirurgia bariátrica ajuda a reduzir o risco de doenças graves
Verdade: Além da perda de peso, a cirurgia bariátrica auxilia na melhora do quadro de doenças relacionadas à obesidade entre eles: diabetes, hipertensão arterial, apneia do sono, dislipidemias, esteatose hepática além da elevação da qualidade de vida e longevidade

Quem faz a redução de estômago não pode engravidar
Mito — A paciente poderá engravidar. A mulher fica mais fértil e com chances de uma gravidez mais saudável após a cirurgia bariátrica. Entretanto o recomendado é que a gravidez seja evitada antes de completar um ano e meio após a cirurgia até que ocorra a estabilização do peso.

Antes de realizar a cirurgia, é necessário realizar avaliação médica completa com uma equipe multidisciplinar
Verdade — É necessário que o paciente candidato a uma cirurgia bariátrica seja avaliado não só pelo cirurgião, mas também por cardiologista, endocrinologista, nutricionista, psicólogo, fisioterapeuta e pneumologista.

digitaltrix

 

‘Paciência, por favor. Minha mãe fez cirurgia’: Filha põe cartazes em caminhonete para justificar lentidão em viagem até SC

Por conta da recente cirurgia da mãe que exigiu uma viagem interestadual, a designer de turismo sensorial Audmara Veronese, de 47 anos, encontrou uma forma criativa para alertar os outros motoristas sobre o motivo para trafegar lentamente pelas rodovias entre Pato Branco (PR) até Xanxerê, no Oeste catarinense.

Com três cartazes colocados na traseira da caminhonete, Audmara fez o apelo: “Paciência, por favor! Minhã mãe fez cirurgia. Tenho que dirigir devagar”.

Cirurgia da mãe

A recém-operada Iolanda Veronese, de 70 anos, passou por uma cirurgia para retirar quatro hérnias da região abdominal no dia 31 de outubro e teve alta no último domingo (3).

Segundo Audmara, a ideia surgiu como resposta após uma recomendação médica. “O médico disse que os solavancos na estrada poderiam comprometer a recuperação da minha mãe depois da cirurgia. Então eu tinha que dirigir bem devagar, principalmente por conta dos buracos. Mas, quem está no trânsito tem suas razões e condições na hora de dirigir. Foi quando pensei nas placas de forma bem prática para explicar a situação”, disse.

Dirigir devagar

Ela lembra que levou quase três horas para percorrer 110 km. “Teve trechos que tinha lombadas e precisei reduzir para 20km/h ou até menos para a minha mãe não sentir tanta dor. Quando eu olhava pelo retrovisor tinha uma fila enorme de veículos. Por incrível que pareça, não tinha ninguém buzinando, foi inacreditável. Todos respeitaram e quando me ultrapassavam as pessoas acenavam”, disse.

A iniciativa foi parar na internet e ganhou grande repercussão nas redes sociais. “Recebi muito retorno de pessoas que eu não conheço e de todo país desejando melhoras para minha mãe, além de outras falando que já tiveram que enfrentar o trânsito com alguém doente”, explica a designer.

No Hospital Thereza Mussi em Pato Branco, antes de Iolanda ir para a cirurgia — Foto: Audmara Veronese/ Arquivo pessoal

No Hospital Thereza Mussi em Pato Branco, antes de Iolanda ir para a cirurgia — Foto: Audmara Veronese/ Arquivo pessoal

‘Paciência, por favor’

Audmara, que é natural de Caçador e reside em São Paulo (SP), afirmou que está acostumada com o trânsito complicado e que a palavra paciência poderia ser mais aplicada diante de tantos transtornos. A mãe, que também é de Caçador, e reside há cinco anos em Xanxerê terá que retornar até o Paraná para dar andamento no tratamento.

“Vamos usar as placas novamente, uma vez que alguns trechos da rodovia são muito ruins assim como a passagem das lombadas que exige uma velocidade baixa. Ela ainda sente dor e se tiver solavancos será pior, mesmo a caminhonete sendo um veículo grande e pesado, não consegue vencer os buracos e remendos da pista sem trepidar”, afirma.

A designer explica que a experiência também trouxe lições compartilhadas. “Tem muita gente que precisa dirigir com maior lentidão e isso deve repetir diariamente em grandes capitais ou no interior. O que me deixou feliz foi perceber que as pessoas que conseguiram ler as placas estavam se colocando no lugar do outro. O mais importante é que em tempo de tanta intolerância existe empatia e respeito”, finaliza Audmara.

Audmara e a mãe Iolanda  — Foto: Audmara Veronese/ Arquivo pessoal

Audmara e a mãe Iolanda — Foto: Audmara Veronese/ Arquivo pessoal

 

G1

 

 

Projeto de lei obriga SUS realizar cirurgia plástica reconstrutiva de lábio leporino

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou na terça-feira (10) parecer favorável a um projeto de lei que obriga o Sistema Único de Saúde (SUS) a realizar cirurgia plástica reconstrutiva de lábio leporino ou fenda palatina. O texto segue agora para análise da Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

O PL 3.526/2019 estabelece que o SUS, por intermédio de sua rede de unidades públicas ou conveniadas, é obrigado a prestar serviço gratuito de cirurgia plástica reconstrutiva e de tratamento pós-cirúrgico, abrangendo as especialidades de fonoaudiologia, psicologia e ortodontia, bem como de outras intervenções necessárias para a recuperação integral do paciente.

Autor do projeto, o deputado Danrlei de Deus Hinterholz (PSD-RS) alega que são registrados 5,8 mil casos de bebês com fissuras labiopalatais todos os anos no Brasil e, na prática, menos da metade dos recém-nascidos são atendidos pelo SUS.

Segundo o relator, senador Otto Alencar (PSD-BA), a falta de atendimento adequado aos recém-nascidos acarreta problemas na alimentação e na fala dos indivíduos, prejudicando seu desenvolvimento físico, psicológico e social.

“A consequência econômica disso é a subutilização do potencial humano de parcela não desprezível da população, com efeitos deletérios sobre a geração de riqueza e, por extensão, sobre a arrecadação tributária, afetando a sustentabilidade das contas públicas”, argumenta em seu voto.

Custos

Ainda conforme a relatoria, o ônus do atendimento obrigatório aos pacientes será repartido entre União, estados, Distrito Federal e municípios, a quem compete financiar a provisão de serviços de saúde pelo SUS. As correções desses defeitos congênitos se enquadram como serviços de saúde de média e alta complexidade.

“Especificamente no caso da União, existe dotação orçamentária de R$ 49,1 bilhões na Lei Orçamentária Anual de 2019 para cobrir a Ação 8585 (Atenção à Saúde da População para Procedimentos em Média e Alta Complexidade). Isso implica que a União pode ajustar a alocação de recursos na área da saúde para cumprir as disposições do projeto sem a elevação global de despesas, de modo a não impactar adversamente o cumprimento do limite de despesas primárias do Poder Executivo federal no âmbito do Novo Regime Fiscal, instituído pela Emenda Constitucional 95, de 2016”, explica o relator.

Otto Alencar disse ainda que a iniciativa é correta e que a cirurgia não é uma questão de estética, mas corrige um problema que atrapalha muito os pacientes.

— Não é uma cirurgia plástica. Às vezes a pessoa pensa que a fenda palatina é só uma cirurgia plástica. Não é. Dificulta a alimentação, causa uma série de problemas para  as pessoas que são portadoras. Portanto, é uma necessidade do paciente fazer a cirurgia — disse o senador, que também é médico.

 

clickpb

 

 

Cirurgia reconstrói couro cabeludo de menino torturado pela mãe

O menino de sete anos vítima de tortura pela própria mãe passou por cirurgia de reconstrução do couro cabeludo nesta segunda-feira (22), no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. Conforme boletim médico, foi utilizado enxerto de pele no procedimento e a criança está em recuperação de pós operatório. Ainda não há previsão de alta hospitalar.

O garoto deu entrada no Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande no dia 10 de julho. Ele estava sendo mantido em cárcere privado pela própria mãe, na zona rural do município de Boqueirão. A criança foi encontrada acorrentada e teria sido espancada com fios elétricos e cordas.

A mãe e o padrasto do menino foram presos em caráter preventivo na última quinta-feira (18).

 

paraibadebate

 

 

Lei prevê atendimento prioritário a mulheres vítimas de violência que precisem de cirurgia na PB

Foi promulgada e entrou em vigor nesta terça-feira (18) uma lei que determina o atendimento prioritário para a mulher vítima de violência doméstica e familiar, quando o dano físico necessitar de realização de procedimento cirúrgico estético reparador, nos serviços públicos de saúde. A lei, de autoria do deputado estadual Wallber Virgolino (Patriota), foi publicada no Diário Oficial do Estado da Paraíba (DOE-PB).

Conforme a lei, a prioridade é para atendimento psicoterápico e de cirurgia plástica reparadora em casos de violência. O dano físico estético disposto na Lei é caracterizado quando a mulher apresenta, em decorrência de violência, qualquer deformidade ou deficiência em relação aos parâmetros clínicos estéticos reconhecidos pela comunidade médica.

O texto diz ainda que os serviços públicos de saúde devem adotar medidas necessárias para que seja realizado, prioritariamente, procedimento cirúrgico a fim de sanar a deformidade. O documento detalha que após realizado o diagnóstico e comprovada a agressão e dano, mediante autorização da vítima, ela deve ser inscrita em cadastro único.

A comprovação de ser a mulher portadora de deficiência ou deformidade, em decorrência de violência doméstica e familiar, deve ser atestada por laudo médico. A inscrição das vítimas no cadastro único do Sistema Único de Saúde (SUS) deve nortear a ordem de atendimento das vítimas no serviço público, com ressalva para os casos de risco iminente de dano irreversível, que impliquem a necessidade de intervenção imediata dos profissionais.

Na justificativa do projeto de lei, o deputado aponta que é dever do Estado delinear estratégias e políticas públicas para acabar com a violência contra a mulher, “cabendo ao serviço de saúde assumir também a sua responsabilidade, dando atenção especial às vítimas desses crimes, acolhendo-as, de forma a minimizar sua dor e evitar outros agravamentos”.

A justificativa também diz não é raro que em casos de violência contra a mulher, o resultado das agressões são cicatrizes e outro danos físicos incapacitantes, que influenciam na própria condição de ser mulher.

“Desse modo, a atenção psicológica imediata contribui para o resgate da dignidade da vítima de violência doméstica, bem como a assistência médica reparadora tem o condão de devolver a autoestima da mulher”, diz o texto.

G1

 

João Kléber é internado em São Paulo e fará cirurgia no coração

João Kléber foi internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, após um exame cardíaco de rotina mostrar que duas artérias de seu coração estão obstruídas. Mara Ferraz, namorada do apresentador do Você na TV e do João Kléber Show, deu detalhes em uma conversa ao vivo com Sonia Abrão no “A Tarde é Sua”.

“João foi fazer exames de rotina e na esteira descobriu uma alteração no coração. Ele tem obstruções em duas artérias, uma delas 95% obstruida e a outra com mais de 70%. O melhor tratamento é colocar dois stents para o João ter uma vida normal, feliz e com muito trabalho”, disse ela.

O apresentador passará por uma cirurgia nesta sexta-feira (31) para colocar os dois stents no coração, que são pequenos tubos usados para restaurar o fluxo sanguíneo.

A namorada disse que João Kléber deve receber alta em dois dias: “Em dois dias, ele terá alta. João não bebe, não fuma, faz atividade física todos os dias, mas o médico do Sírio entendeu que, após a angiotomografia, ele não deveria ir embora para ele não correr risco de vida. Com uma artéria 95% entupida, ele poderia infartar a qualquer momento”.

Reprodução/Instagram)

TV Fama

 

 

Justiça defere mais nove pedidos para mudança de gênero no RG mesmo sem cirurgia

A Justiça da Paraíba deferiu, nessa quarta-feira (4), mais nove pedidos de mudança de sexo jurídico no registro civil de pessoas transexuais que não passaram por cirurgia de transexualização. Agora, mais de 11 pessoas transexuais já foram beneficiadas com o mesmo entendimento.

A decisão sobre as determinações foi do juiz titular da Vara de Feitos Especiais da Capital, Romero Carneiro Feitosa. Segundo o juiz, nos casos em que o transexual já foi submetido à cirurgia para modificação do seu sexo, a jurisprudência já admitia a alteração, não só do nome, mas também do gênero registral.

Agora, com entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ), também vem sendo permitido a mudança também do gênero, sem a necessidade de transgenitalização, como ocorreu com os paraibanos.

“O sexo é físico-biológico, caracterizado pela presença de aparelho genital e outras características que diferenciam os seres humanos entre machos e fêmeas. O gênero, por sua vez, refere-se ao aspecto psicossocial, ou seja, como o indivíduo se sente e se comporta, frente aos padrões estabelecidos como femininos e masculinos a partir do substrato físico-biológico”, disse o juiz.

Outras decisões

Em 2016, segundo o Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), a juíza Michelini Jatobá atuou na Vara de Feitos Especiais de Campina Grande e autorizou a mudança do gênero masculino para o feminino de uma pessoa trans, argumentando que a cirurgia de transgenitalização não deve ser apreciada como um requisito indispensável para a retificação do gênero no documento.

Já em junho deste ano, o juiz da Vara de Feitos Especiais de Campina Grande, Marcos Jatobá Filho, reconheceu o direito de mudança de gênero no registro civil de nascimento a um transexual sem que ele tenha feito cirurgia de mudança de sexo.

Na decisão, o juiz reconheceu que o transexual possuía, desde a puberdade, uma real identidade de gênero com o sexo oposto. Diante das provas, ele considerou possível a alteração desejada sem o prévio ato cirúrgico.

Outro magistrado que também vem determinando mudanças de sexo jurídico no registro civil de pessoas transexuais é Marcos Aurélio Pereira Jatobá Filho que, em suas decisões, fundamenta, a partir de estudos da psiquiatra e da psicologia, que há um descompasso entre o sexo anatômico e o psicológico do indivíduo transexual.

No dia 2 deste mês, o juiz Romero Carneiro julgou procedente a mudança de sexo jurídico no registro civil de uma pessoa transexual que não passou pela cirurgia de transexualização.

portalcorreio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Chifrado nas nádegas, toureiro passa por cirurgia para reconstrução do reto

Reprodução/Twitter(La Razón)
Reprodução/Twitter(La Razón)

O toureiro Antonio Romero sofreu um duro golpe quando se apresentava na Plaza México, na Cidade do México, no último domingo (19/3). O matador azteca foi chifrado violentamente no meio das nádegas pelo touro Caporal e levado às pressas à enfermaria da arena.

Transferido para um hospital da capital mexicana, Romero precisou ser submetido a cirurgia para reconstrução do reto e passou por colostomia. O chifre penetrou 20 centímetros. O estado de saúde do toureiro ainda inspira cuidados, mas não há risco de morte, de acordo com a emissora Univision.

“A chifrada dói, mas dói ainda mais não ter vencido. Estou contente porque me esforcei ao máximo. Já quero voltar a tourear”, disse Romero no hospital, segundo o site “Toros e Faenas”.

Toureiro Antonio Romero descansa após passar por cirurgia

Abaixo, alguns momentos de Romero toureando Caporal do domingo:

 

 

O Globo

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br