Arquivo da tag: causas

Conheça as principais causas de cãibra e formigamento

Quem tem cãibra com frequência sabe o quanto dói. E às vezes, essa dor pode ser consequência de algo, como diabetes, doença renal e até Parkinson. O Bem Estar desta terça-feira (17) conversou sobre o assunto com o neurologista Denizart dos Santos Neto. E quando o formigamento pode ser sinal de AVC e infarto? Quem tirou as dúvidas foi o consultor e cardiologista Roberto Kalil.

A cãibra é uma contração involuntária dos músculos voluntários e acontece, principalmente pelo estresse e fadiga muscular, desequilíbrio dos sais minerais, problemas circulatórios, medicamentos e doenças.

Ex-tenista Guga se tornou um garoto propaganda da banana

Ex-tenista Guga se tornou um garoto propaganda da banana

Entre as causas estão: doenças neurológicas (como Parkinson), doenças renais, diabetes, medicamentos (diuréticos e estatinas), atividade física, muito suor e pouca hidratação, álcool e cafeína, gravidez.

Geralmente, a cãibra tem duração de poucos segundos a um minuto. Alguns critérios podem identificar seriedade – se é muito frequente, se a dor é muito intensa, quando tem sintomas neurológicos associados, quando não passa.

Como evitar a cãibra? Alimentação rica em sais minerais (banana, uva), beber bastante líquido e evitar atividade física em local muito quente. Quando estiver com a cãibra, faça alongamento. Água morna e massagem também ajudam.

Quando se preocupar com o formigamento? (Foto: Augusto Carlos/TV Globo)

Quando se preocupar com o formigamento? (Foto: Augusto Carlos/TV Globo)

Formigamento
O formigamento ocorre pela compressão do nervo, falta de oxigênio, lesão do nervo ou lesão do sistema nervoso central. Pode ocorrer em qualquer região do corpo, mas geralmente surge nas extremidades.

Na maioria das vezes, o formigamento não é grave. Mas se houver outros sintomas associados ou se o paciente é idoso, diabético, tem alguma doença do coração ou é hipertenso, é importante dar atenção ao sintoma.

Quando se preocupar? Se o formigamento é muito rápido, não pega um membro inteiro e dura pouco tempo, não se preocupe. Se ele vem e vai com o tempo, não muito intenso, é importante marcar uma consulta. Se o formigamento pega um órgão inteiro ou metade do corpo, procure atendimento médico com urgência.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Pesquisadores de SP e Texas estudam causas do estresse crônico em crianças

Um grupo de pesquisadores do Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em parceria com colegas da Texas Tech University (TTU), dos Estados Unidos, desenvolve um estudo que pretende identificar, nos dois países, causas comuns do estresse crônico, principalmente em crianças.

Abuso infantil
Abuso infantil é uma das principais causas do estresse em criançasMarcello Jr/Arquivo da Agência Brasil

O estresse crônico normalmente está relacionado à pobreza, abusos, conflitos familiares e uso de drogas. “Já detectamos que é comum, nas duas regiões, a alta prevalência de abuso infantil”, destacou a pesquisadora Andrea Parolin Jackowski, professora da Unifesp e coordenadora do projeto do lado brasileiro.

Informações preliminares do estudo indicam que, apesar das diferenças culturais, há semelhanças significantes nas reações das crianças dos dois países ao estresse tóxico: crianças que vivem em extrema pobreza em East Lubbock, no Texas, ou no centro-sul de Los Angeles, por exemplo, apresentam efeitos cognitivos e comportamentais semelhantes aos das que moram em favelas no Brasil.

“O que a gente percebe é que, independentemente do país que você resida, seja em um país como os Estados Unidos, que é um país desenvolvido, ou um país como o Brasil, que é um país em desenvolvimento, o estresse afeta da mesma forma o desenvolvimento da criança. Claro que existem diferenças culturais, que têm um papel importante, mas é uma forma de a gente poder fazer uma comparação entre as populações”, disse Parolin.

Em outubro, os pesquisadores do Texas vieram a São Paulo para conhecer os lugares pesquisados – como a região da cracolândia, no centro da capital paulista – e verificar in loco a realidade em que vivem as crianças que estão sendo estudadas pela coordenadora do projeto brasileiro. Em 2017, será a vez de os pesquisadores brasileiros irem aos EUA.

“A gente quer entender qual é o papel da cultura, das questões culturais no próprio desenvolvimento da criança, se são fatores protetores, aquilo que pode deixar o ambiente mais saudável e impedir que essa criança tenha uma doença no futuro. E entender também um pouco mais quais são os fatores de risco, porque existem questões que são muito peculiares de cada cultura”, ressaltou.

A pesquisa brasileira está sendo financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O intercâmbio entre os pesquisadores recebe apoio do programa São Paulo Researchers in International Collaboration (Sprint – em português, Pesquisadores de São Paulo em Colaboração Internacional).

Agência Brasil

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Governo do Estado investiga casos de doenças com manchas avermelhadas de causas desconhecidas

Funcionário da TV Arapuan ficou doente
Funcionário da TV Arapuan ficou doente

Desde o mês de março, em algumas regiões do Estado, está sendo registrada a ocorrência de casos atípicos de doenças exantemáticas (manchas avermelhadas), que não se enquadram nas definições de casos suspeitos de dengue e outras doenças, como sarampo e rubéola, de notificação compulsória (obrigatória). Diante deste cenário, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) solicitou o apoio do Ministério da Saúde, que enviou técnicos para orientar e executar as ações que estão sendo desenvolvidas, com o objetivo de esclarecer o diagnóstico da doença. Até o momento, as amostras de espécimes coletadas desses pacientes para sorologia e analisadas pelo Laboratório de Saúde Pública do Estado (Lacen-PB) deram positivas apenas para dengue.

A recomendação da SES às Secretarias Municipais de Saúde é para que os pacientes atendidos nas unidades de saúde, apresentando exantema (manchas avermelhadas na pele com coceira), acompanhado ou não de febre (até 37,7ºC), independente de outros sintomas, deverão ser notificados como casos suspeitos de dengue, assim como aqueles com a sintomatologia clássica da dengue (febre, dores no corpo, nas articulações, atrás dos olhos, de cabeça e manchas vermelhas pelo corpo), conforme preconizado pelo Ministério da Saúde. “A notificação é importante para que as ações de investigação sejam desencadeadas”, esclareceu a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Renata Nóbrega.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

De acordo com o Ministério da Saúde, os casos devem ser testados primeiro para dengue, caso sejam negativos, serão avaliados outros diagnósticos.

Ao apresentar esses sintomas, os usuários devem procurar as Unidades de Saúde de seus municípios para avaliação das equipes de saúde. Para os casos de dúvidas, a SES disponibiliza os contatos da Vigilância Epidemiológica Estadual: 3218-7331 /0800-281-0023/ 8828-2522 (Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde Estadual – Cievs).

Secom PB

Conheça as causas do inchaço nas pernas

inchaçoQuando as pernas incham é sinal de que algo não está bem. A causa pode ser simples e inofensiva – como o verão, que faz com que o rim não dê conta de eliminar o líquido que consumimos em excesso – mas também pode sinalizar algo muito grava, como a trombose, doença que pode causar danos irreparáveis e exige que a pessoa vá ao pronto-socorro imediatamente.

Segundo Paulo Camiz, clínico geral e geriatra do Hospital das Clínicas de São Paulo, o inchaço acontece por conta de um desequilíbrio da quantidade de sangue que desce para a perna com aquele sangue que volta. “Se a pessoa toma algum remédio que abre muito a circulação, como os vasodilatadores, por exemplo, desce mais sangue para a perna do que sobe, então a tendência é inchar”, explica.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“O plasma do sangue acaba extravasando os vasos sanguíneos e causa o inchaço”. Segundo ele, exercícios físicos e movimentação das pernas são ótimas táticas para evitar o inchaço e também ajudar a desinchar.

Conheça algumas causas do inchaço nas pernas:

Varizes –  Elas são uma das causas do inchaço nos membros inferiores. “São veias que estão incompetentes, que não permitem que o sangue retorne da perna. A pessoa vai acumular líquidos, porque o sangue não está voltando adequadamente”, explica Camiz, que também é geriatra.

Viagens longas –  Sejam elas feitas de ônibus ou avião: ficar com as pernas paradas durante muito tempo faz com que elas inchem. “Para o sangue descer até o pé, todo santo ajuda, mas para que ele volte é preciso movimentar as pernas. É a musculatura da panturrilha que vai massagear as veias para fazer o sangue circular, é como se fosse a panturrilha fosse o ‘coração’ da perna”, explica Camiz.

Segundo ele, nada no corpo foi feito para ficar parado. “Quando fica parado, coagula. Se a pessoa fica com a perna parada, o sangue fica parado e coagulado lá. Quando se solta, faz o caminho por dentro dos vasos até o pulmão, e se esse coágulo for muito grande, pode causar um problema respiratório grave e levar até à morte. Esse é o principal medo de quem viaja de avião”, explica.

Trombose –  Inchaço nas pernas também pode ser indicativo de trombose. “A queixa é de uma hora para outra, que houve um inchaço e dor na perna que apareceu rápido. O ideal é ir para o pronto-socorro fazer um exame, pois pode ser que seja um coágulo”, explica o especialista do Hospital das Clínicas.

Doenças cardíacas, como a insuficiência –  Camiz explica que, se o coração não bombeia o sangue de forma adequada, ele vai acumular. “É como se o sangue ficasse represado, então incha o corpo de uma forma geral. Aparece mais nas pernas apenas por uma questão gravitacional”.

Mau funcionamento da tireoide –  O hipotireoidismo, quando a tireoide não funciona bem, causa inchaço no corpo todo, mais visivelmente nas pernas. “Mas esse inchaço não é exatamente por extravazamento de líquido, mas por depósito de uma proteína na região do subcutâneo. É um inchaço duro, diferente daquele que fica com a marca da meia no final do dia”, explica o clínico geral.

Anticoncepcionais –  Segundo Camiz, anticoncepcionais a base de estrógeno costumam causar um pouco de inchaço, mas ele não é grande e é generalizado, sendo visualizado mais nas pernas por conta do efeito da gravidade.

Verão –  Segundo o clínico geral, o tempo quente propicia o inchaço das pernas por dois motivos. “Normalmente as pessoas tomam muita água, até mais do que o necessário, então acumula-se líquido no corpo. Em segundo lugar, o calor faz com que as artérias que levam o sangue para a periferia fiquem mais cheias de sangue”, diz ele, acrescentando que movimentar as pernas ajuda a desinchar. “As pessoas ficam mais indispostas por conta do calor, então mexem menos a perna também”, explica.

 

 

iG

Causas e tratamentos para unhas frágeis

UnhasNosso bom estado de saúde reflete na beleza de nossos cabelos e unhas. Se não nos cuidarmos por dentro e não nos alimentarmos corretamente, ambos ficarão danificados e quebradiços.

Nossas unhas são constituídas basicamente por uma proteína indispensável, que ajuda o organismo a promover o crescimento correto das mesmas: a queratina.

Além disso, para mantê-las em bom estado, se faz necessária uma variedade razoável de vitaminas, como vitaminas A, B, C etc, assim como a quantidade adequada de minerais e aminoácidos sulfurados, encontrados nas gorduras vegetais, por exemplo.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Agora, veremos calmamente os principais problemas que podem afetar as nossas unhas e os melhores tratamentos para eles.

Principais problemas que afetam as unhas

unhas-despedaçadas

 

  • As linhas de Beau: são pequenas depressões que surgem nas unhas, costumam aparecer logo após apresentarmos alguma doença que nos deixou fracos e com as defesas do organismo debilitadas.
  • Unhas frágeis e quebradiças: elas se quebram com facilidade e a causa, em alguns casos, é a passagem natural do tempo, de envelhecimento; porém, na maioria das vezes, isso pode ser consequência de algumas doenças.
  • Em certas ocasiões, quando expomos nossas unhas à umidade, ou quando somos acostumadas a usar esmalte com frequência, as unhas podem descascar e ficarem frágeis.
  • Surgimento de fungos: nossas unhas mudam de cor, forma e textura.
  • As infecções bacterianas podem causar dor embaixo das unhas e ao redor delas. São processos muito incômodos, que podem resultar na perda das mesmas.
  • Mudanças de cor nas unhas: que podem ser causadas por problemas cardíacos e hepáticos.
  • Distúrbios nas tireoides podem causar unhas quebradiças.
  • Manchas brancas nas unhas, também chamadas leuconiquia:existem muitos falsos mitos a respeito destas manchas brancas, por exemplo, o de que é consequência da falta de cálcio no organismo. Isso não é verdade, pois tratam-se basicamente de pequenas lesões na unha, em decorrência de algum processo inflamatório ou traumatismo na raiz da unha, provocando uma queratinização anormal. É algo inofensivo.

 

Dieta adequada para fortalecer as unhas

Vitaminas essenciais

Copa de fresas

 

Vitamina B: essencial para a saúde não apenas das unhas, mas também do cabelo, nesse caso, a levedura de cerveja e o gérmen de trigo são muito recomendáveis. Além disso, você pode tentar conseguir, com seu médico, cápsulas de vitamina B, que são um ótima opção.

Vitamina A: rica em betacaroteno. Os alimentos que contêm este composto serão facilmente reconhecidos, graças aos seus pigmentos avermelhados, amarelados e alaranjados presentes neles. Alguns exemplos são as cenouras, os morangos, os frutos silvestres, os tomates, os pimentões ou as abóboras etc.

Minerais essenciais

Se incluirmos legumes em nossa dieta, conseguiremos unhas mais saudáveis, pois são uma fonte de ferro, cálcio e iodo. As avelãs, amêndoas e nozes também são muito benéficas para as unhas.

As batatas e as berinjelas são muito ricas em zinco, além de essenciais para a síntese do colágeno e formação das unhas. Não deixe de incluí-las em sua dieta!

Remédios caseiros para unhas frágeis

Azeite de oliva e suco de limão

limao-para-varizes

 

Faça uma massagem nas unhas com um preparo à base de: uma colher pequena de azeite de oliva misturado com suco de limão. Com um algodão, umedeça as unhas com este líquido pelo menos por 2 vezes na semana à noite. Ele fará com que as unhas frágeis fiquem mais saudáveis.

Remédio com sal marinho

Misture 2 colheres pequenas de sal marinho refinado com 2 gotas de suco de limão, acrescente também uma colher de gérmen de trigo (ideal para saúde das unhas). Depois, misture-os com um pouco de água morna (menos de meio copo). Aplique 2 vezes por semana, para notar os bons resultados.

Remédio com cerveja e vinagre de maçã

Este é um remédio igualmente eficaz para as unhas quebradiças e será de grande ajuda. É muito simples de fazer!

Esquente 1/4 de um copo de azeite de oliva, misturando-o com uma quantidade igual de vinagre de maçã e a metade de um copo de cerveja. Os ingredientes usados são essenciais para a saúde das unhas. Uma vez preparado, mergulhe as unhas na mistura por 15 minutos, para que absorvam os nutrientes necessários. É simplesmente excelente!

Use o remédio que achar mais fácil ou que mais te agradar, mas, o mais importante é ser constante e fazê-lo por pelo menos 2 vezes na semana e sempre à noite. Se além disso você se alimentar adequadamente e evitar hábitos inadequados, como morder as unhas, aos poucos, notará uma melhora progressiva .

Imagem oferecida por TratamientosdeBelleza.

 

melhorcomsaude

Você ronca? Veja as causas e cuide-se!

Thinkstock Photos
Thinkstock Photos

Se você não ronca, com certeza conhece alguém que sim. Causa comum na população mundial, o ronco pode ter várias causas, sendo as principais a obstrução nasal, a obesidade, o alcoolismo, o tabagismo e as alterações anatômicas na garganta.

Segundo Levon Mekhitarian Neto, membro da Sociedade Panamericana de Otorrinolaringologia e especialista brasileiro no tratamento dos distúrbios respiratórios do sono, esses fatores que causam o ronco podem acontecer isolados ou associados.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“O ronco em si não tem um caráter perigoso, diria apenas que é um alerta para algo mais grave, pois pode estar associado à apneia do sono”, explica Neto. A apneia é o que acontece quando a pessoa literalmente para de respirar durante o sono, durante alguns segundos.

Mas o ronco não atinge só a população adulta. Algumas crianças já roncam com os mesmos decibéis de gente grande. Neto explica que a causa mais comum é o aumento das amídalas ou das adenoides, popularmente conhecidas por ‘carne esponjosa’. “Não deve ser descartado também a obesidade muito comum em crianças nos dias de hoje”, explica. O perigo está na ocorrência da apneia, que altera o sono e traz sérios prejuízos no crescimento e desenvolvimento da criança. “Nessa caso, a retirada das amídalas e da adenoide resolve plenamente o problema.”

Para aquelas pessoas que passam a roncar ao longo dos anos, Neto explica que pode ser que haja alguma alteração nos hábitos que levem a isso, como o aumento acentuado de peso. “Além disso, pode haver uma alteração na anatomia da via aérea, como um trauma nasal ou aumento das amídalas”, explica, ressaltando que a consulta com um especialista é muito importante.

O médico avaliará o real motivo do ronco e procurará corrigir as causas. “Não se pode pensar em um tratamento para o ronco sem pensar no caráter multifatorial da condição”, conclui o médico.

 

 

iG

Descubra as causas e saiba como combater o chulé

chuléQuem tem, morre de vergonha. E quem é obrigado a senti-lo, chega a passar mal com o cheiro ruim. O nome do problema é até engraçado, mas conviver com ele não tem nada de divertido: o chulé tira o ânimo e abala a autoestima de qualquer pessoa. Viajar e dividir o quarto com os amigos é complicado, usar o vestiário da academia causa vexame e mesmo experimentar um calçado novo antes de comprar é desagradável. Mas não é só suor excessivo que causa o mau cheiro nos pés, o veredito é consenso entre os dermatologistas. Conversamos com dois deles: Carla Albuquerque, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, e Celso Garrete, da Clínica New Man. E ambos destacam que o material e a conservação dos calçados também influencia o aparecimento do odor ruim, assim como o tipo de meia que você usa. Acompanhe abaixo a entrevista com os especialistas, que explicam porque os talcos próprios para os pés são melhores do que os tradicionais, desvendam porque os homens são as maiores vítimas do problema e, em sete passos, ensinam como manter seus pés limpos e saudáveis.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Qual é a causa? 

O chulé, que cientificamente é chamado de bromidose plantar, é causado pelo suor excessivo na planta dos pés. O problema é agravado pela falta de higiene, que leva à proliferação de bactérias e fungos. O suor excessivo também pode estar relacionado a doenças como hipertireoidismo, diabetes e obesidade.

Pés - foto: Getty ImagesExiste algum tipo de suor que é mais propício ao problema? 

Não exatamente. Na realidade, o odor resulta da ação de bactérias e fungos na queratina macerada pelo suor. Homens jovens e de meia-idade são mais freqüentemente acometidos, mas pode ocorrer também em crianças.

Meia colorida - foto: Getty ImagesUsar a mesma meia mais de uma vez é prejudicial? 

As meias devem ser trocadas diariamente e ser, de preferência, de algodão. As meias feitas com material sintético, como poliéster e náilon, fazem o pé transpirar mais.

Calçado ao sol - foto: Getty ImagesO calçado pode ser usado novamente sem lavar? 

O ideal é que as pessoas, no mínimo, exponham os sapatos ao sol depois de usar. O calor seca o suor, diminuindo as bactérias e os fungos. E tente não repetir o mesmo calçado em dias seguidos.

Talco - foto: Getty ImagesOs talcos realmente previnem o problema?

Existem alguns sprays e talcos antiperspirantes ou antibacterianos, para serem usados nos pés após o banho, que podem auxiliar na profilaxia. Eles agem diminuindo o suor e eliminando as bactérias que causam mau cheiro nos pés.

Os talcos próprios para os pés podem ser grandes aliados no tratamento contra o chulé, porque absorvem a umidade e podem conter substâncias antissépticas.

Tênis - foto: Getty ImagesAlgum material usado nos calçados é mais propício a dar mau cheiro? 

O uso contínuo de sapatos fechados de borracha ou de plástico, além de meias sintéticas, facilitam a produção de suor e impedem a ventilação dos pés. Por isso, é melhor evitá-los se você tem tendência a ter chulé.

Pés - foto: Getty ImagesPor que, em geral, os homens sofrem mais com o problema? 

Na verdade, qualquer pessoa, independente da idade ou do sexo, pode ter esse mau odor nos pés. No entanto, os homens jovens e de meia-idade são mais frequentemente acometidos porque o hormônio testosterona pode determinar uma maior transpiração nos pés. Além disso, os homens usam mais sapatos fechados, o que aumenta as chances das bactérias e fungos se proliferarem. As mulheres também podem ser atingidas pelo chulé, no entanto em menor número porque elas costumam utilizar sandálias abertas e trocam os sapatos com maior frequência do que os homens.

Lavar os pés - foto: Getty ImagesExiste uma maneira de acabar de uma vez por todas com o chulé? 

Para ficar livre do chulé, é preciso redobrar os cuidados com a higiene. Assim, a umidade dos pés é eliminada, dificultando a ação dos fungos e das bactérias. Para evitar o problema, são recomendadas as seguintes orientações:

– Após o banho, secar bem os pés e entre os dedos (o que evitará também as frieiras)

– Evitar calçados fechados no verão porque eles aumentam a temperatura e a transpiração.

– Usar sapato com meias limpas e, de preferência, as de algodão que absorvem melhor o suor.

– Não ande descalço em pisos úmidos (banheiro coletivo, sauna e lava-pés).

– Use seu próprio material para cortar as unhas.

– Não use os mesmos sapatos todos os dias.

– Exponha os calçados ao sol

Pés - foto: Getty ImagesPor que alguns chinelos dão chulé, apesar de o pé permanecer descoberto? 

Porque os calçados produzidos com materiais sintéticos, como borracha e plástico, tendem a concentrar mais o calor e a umidade e, conseqüentemente, aumentar o mau cheiro.

 

 

minhavida

Papa e Cardeais votam causas de canonização

CardeaisBento XVI vai presidir na próxima segunda-feira, 11 de feevreiro, em Roma, um consistório ordinário público para votar as causas de canonização de três novos santos da Igreja Católica: um mártir e duas fundadoras de institutos religiosos.

De acordo com o Escritório de Celebrações Litúrgicas do Vaticano, os candidatos são Maria Guadalupe, Laura de Santa Catarina de Sena e Antônio Primaldo. Maria Guadalupe (1878-1963), mexicana, foi uma das fundadoras da Congregação das Servas de Santa Margarida Maria e dos Pobres.

A colombiana Laura de Santa Catarina de Sena (1874-1949) fundou a Congregação das Irmãs Missionárias da Beata Virgem Maria Imaculada e de Santa Catarina de Sena. Já o mártir italiano Antonio Primaldo, foi assassinado com cerca de 800 companheiros leigos “por ódio à fé” em agosto de 1480, na cidade de Otranto, (sul) durante uma invasão de tropas turcas.

No consistório, os cardeais se unem ao Pontífice para decidir sobre temas importantes ou participar de atos solenes.

 

 

POR: CNBB/RADIO VATICANO

Principais causas da cegueira, catarata e glaucoma são reversíveis

No Dia Nacional do Deficiente Visual, 13 de dezembro, o presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Marco Antonio Rey, destacou que as principais causas de cegueira são a catarata e o glaucoma, mas que ambas têm tratamento e os danos são reversíveis

Governo de São Paulo A catarata e o glaucoma, acompanhadas da degeneração macular, são problemas relacionados ao envelhecimento da população. O diabetes também aparece como causa importante da cegueira

  • A catarata e o glaucoma, acompanhadas da degeneração macular, são problemas relacionados ao envelhecimento da população. O diabetes também aparece como causa importante da cegueira

Dados do Censo 2010 indicam que 6,5 milhões de brasileiros têm algum tipo de deficiência visual. Mais de 528 mil são incapazes de enxergar. No Dia Nacional do Deficiente Visual, lembrado nessa quinta-feira (13), o presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Marco Antonio Rey, destacou que as principais causas de cegueira são a catarata e o glaucoma, mas que ambas têm tratamento e os danos são reversíveis.

Segundo o especialista, as duas doenças, acompanhadas da degeneração macular, são problemas relacionados ao envelhecimento da população. O diabetes também aparece como causa importante da cegueira e pode comprometer a visão na fase adulta, caso não seja tratado.

Outro aspecto da deficiência visual envolve a catarata congênita e o glaucoma congênito, principais causas da cegueira na infância. O problema pode ser diagnosticado por meio de um exame simples, o teste do olhinho. De acordo com o presidente do conselho, qualquer profissional de saúde pode dilatar o olho do bebê e avaliar o reflexo da luz no local.

Infográfico/Portal Brasil Cerca de R$ 230 milhões serão investidos na ampliação do atendimento pelo SUS

  • Cerca de R$ 230 milhões serão investidos na ampliação do atendimento pelo SUS

O exame deve ser feito em todos os recém-nascidos antes que o bebê complete 1 ano. Caso haja alguma suspeita, a criança deve ser encaminhada ao oftalmologista. “Quanto mais cedo, melhor. Só que o teste não é obrigatório na rede pública. E toda doença, na criança, tem que ter diagnóstico precoce, porque o olho e a parte sensorial estão sendo formados”, explicou.

O oftalmologista alertou para os cuidados durante o pré-natal, uma vez que a cegueira em recém-nascidos está comumente relacionada à doenças adquiridas durante a gestação, como a rubéola e a toxoplasmose. A dica é cumprir o calendário de vacinas da gestante e evitar consumir alimentos crus fora de casa, além do contato com gatos.[bb]

Para a representante da Fundação Dorina Nowill, Susi Maluf, a acessibilidade de quem tem algum tipo de perda de visão melhorou, mas precisa avançar mais. “No Brasil, antigamente, a cegueira era uma coisa menos percebida. Não existia preocupação em dar igualdade de oportunidades. Hoje em dia, as pessoas começam a perceber que existe esse público e a percebê-lo em todos os sentidos. Afinal, é um público que vai à escola, que é consumidor, que trabalha.”

“Mas a população não vê que a pessoa com deficiência visual é capaz de fazer qualquer coisa e ter uma vida independente, como alguém que enxerga. Ao dar informação para a sociedade, você esclarece, diminui preconceitos e barreiras e promove a inclusão”, completou.

Depoimentos

Antônio dos Reis Costa, 54 anos, perdeu a visão após um quadro de pressão alta seguido de um aneurisma. “Fui tomar banho e, no banheiro, desmaiei. Fiz uma cirurgia, mas o sangue coagulou na cabeça e provocou o aneurisma. No corte, o nervo ótico partiu e, desde esse dia, não vejo nada”, lembrou.

“Cada dia é uma novidade que você aprende e acrescenta. Mas, a princípio, não é fácil. O deficiente, quando nasce sem visão, aprende a escrever em braile com mais facilidade. A gente é mais cabeça dura. Eu, particularmente leio em braile, mas tenho muita dificuldade em escrever.”

Amadeu da Paixão Caldeira, 59 anos, foi diagnosticado com retinose pigmentaria e desaceleração da retina do nervo ótico quando tinha 3 anos. Na época, a mãe percebeu que havia algum problema ao vê-lo tropeçando muito nas coisas.

“Como a perda foi progressiva, minha adaptação também foi. Hoje, ando sozinho, viajo sozinho e perdi o medo da vida. Antes, eu procurava esconder a cegueira porque que meus olhos são normais. Depois de frequentar a escola, assumi minha condição e comecei a usar a bengala. Minha vida mudou para melhor”, disse.

Fonte:

Agência Brasil

Candidaturas que defendem as causas LGBT crescem no país

Em 1996, um grupo de oito ativistas gays resolveu dar visibilidade às demandas da população de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) junto ao Legislativo, e se candidataram nas eleições municipais daquele ano. Dezesseis anos mais tarde, em 2012, há 155 candidaturas LGBT, representando um aumento de 1.937,5%.

Há uma candidatura (gay) ao cargo de prefeito de João Pessoa e 154 candidaturas a vereador(a) em 24 dos 26 estados (não há eleições no Distrito Federal), faltando apenas os estados do Acre e do Mato Grosso. São 85 candidaturas de gays, 25 lésbicas, 24 transexuais, 16 travestis, 4 bissexuais e 1 drag queen.

Os estados com mais candidaturas LGBT incluem a Bahia com 34, seguida de São Paulo com 27, Minas Gerais com 18 e Rio Grande do Sul com 12.

As candidaturas também são diversificadas em termos dos partidos políticos. São 24 partidos ao total, desde o PSC e os Democratas até o PSTU. Os partidos com mais candidaturas LGBT são o PT (27), o PSOL (19), o PSB (15), o PCdoB (134), o PV (9), o PSDB (6) e o Democratas (3).

Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT, salienta que “embora tenhamos feito essa lista de candidaturas LGBT e aliadas à causa LGBT com o objetivo de orientar o eleitorado LGBT, é importante que as pessoas procurem conhecer a história de luta e as propostas dos/das candidatos/as antes de votar neles”.

Mais informações identificando as candidaturas, cargos pretendidos, município, estado, partido e contatos estão disponíveis em www.abglt.org.br.

Adital