Arquivo da tag: Caribe

Bispos da América Latina e do Caribe se preparam para próximo Sínodo

 

celam-283x300Tem início na sexta-feira, 27 de julho, na sede da Conferência Episcopal da Colômbia, em Bogotá, o encontro preparatório dos Bispos e Delegados das Conferências Episcopais da América Latina e Caribe que participarão da XIII Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos.

O Presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano e Caribenho (Celam), Dom Carlos Aguiar Retes, explicou que esta reunião será uma oportunidade prévia para conhecer-se, intercambiar ideias e adentrar-se na metodologia do próximo Sínodo.

O Sínodo se realizará em Roma de 7 a 28 de outubro. O tema proposto pelo Santo Padre Bento XVI é “A Nova Evangelização para a transmissão da fé cristã”.

“Nós nos atualizaremos com as reflexões mais importantes que o Celam tem feito sobre a Nova Evangelização, com a finalidade de ajudar a visão dos bispos que participarão deste Sínodo”, indicou Dom Aguiar Retes. Além disso, haverá um intercâmbio de experiências sobre o que cada bispo sabe, conhece ou realizou em seu trabalho pastoral.

O Celam estudou previamente um relatório apresentado por cada uma das Conferências Episcopais da América Latina e a partir deles dará uma iluminação aos padres sinodais como conhecimento da realidade que se vive.

Por sua vez, o Secretario do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, Dom Octavio Ruiz Arenas, que estará presente nesta reunião, declarou que “ter uma análise prévia da realidade da América Latina permitirá que a presença na sala sinodal seja uma presença onde se leve em consideração a realidade latino-americana e a grande experiência de mais de 30 anos neste campo”.

Também participará do encontro, que se realiza até terça-feira, 30 de julho, o Secretário-Geral do Sínodo dos Bispos, Dom Nikola Eterovic.


Fonte: cnbb
Focando a Notícia

Comunidades Eclesiais de Base da América Latina e do Caribe

No embalo das Comunidades Eclesiais de Base (CEBS) da América Latina e do Caribe, nós, representantes das CEBS do Brasil, acompanhados pela imagem de Nossa Senhora Aparecida e impulsionados pela mensagem de Pedro Casaldaliga, partimos para Honduras para participar do IX Encontro Latino Americano e Caribenho das CEBS. Fomos acolhidos/as pelas comunidades eclesiais de base de Honduras, com muito carinho, na casa Monte Horeb, por sinal, um lugar lindíssimo, situado no meio das montanhas, com jardins belíssimos.

Estiveram presentes participantes dos seguintes países: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Estados Unidos, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, República Dominicana, Uruguai, Venezuela, Alemanha. Foram convidados, Estela Padilla, de Filipinas; bispos presentes: Dom Giovane Pereira de Melo, da Diocese de Tocantinópolis, bispo referencial para o setor CEB’s da CNBB; Monsenhor Ángel Garachana Pérez, bispo de San Pedro de Sula.
O objetivo geral do encontro foi compartilhar e avaliar, projetar e celebrar a caminhada das CEB’s no continente e, assim, continuar semeando a semente e os frutos da nova sociedade e da Igreja em vista do Reino de Deus. Tema: Relançamento das Comunidades Eclesiais de Base; Lema: As Comunidades Eclesiais de Base a Serviço de Justiça e da Vida.
CEBSHonduras1Os primeiros dias, apesar da indignação pelos incidentes que sofreram nossos amigos do Haiti, que impossibilitou sua participação no encontro, pois lhes foi negado o visto de entrada em Honduras, foram de muita partilha sobre as experiências vividas no dia a dia das comunidades, considerando as seguintes provocações: qual é a minha história na CEBs, onde e como começamos essa caminhada, o que nos move até hoje. Muitos de nós viemos dos grupos reflexão, dos círculos bíblicos, da luta pela terra e pela água, moradia e outros. Ouvimos histórias e testemunhos belíssimos de pessoas que nem sabiam o que é uma comunidade e, hoje, são discípulas/os de Jesus Cristo em seus países.
Vários presbíteros e leigos/as deram testemunho da sua vocação nascida no seio das CEBs. Entre eles, o bispo referencial das CEBs e do laicato brasileiro, Dom Geovane Pereira de Melo, os padres Josivan Arruda Calixto e Benedito Ferraro. São histórias e compromissos ricos para a vida Igreja e, principalmente, para nós, leigos e leigas. São vocações nascidas nas comunidades, ou seja, vieram do meio do povo e continuam, hoje, presentes no meio do povo.
Quando a delegação brasileira fez sua apresentação, juntamente com Dom Geovane, os participantes gritavam “queremos os bispos no meio do povo”. Isso, para nós, foi um clamor do povo interpelando os nossos pastores para que estejam mais presentes na vida do povo sofrido e esquecido. Nesse sentido, a presença de Dom Geovane foi muito positiva. Ele acompanhou e participou conosco em todos os momentos do encontro, assim, fez Ferraro. Isso marcou o encontro. Algumas pessoas diziam para nós: “aquela é a verdadeira Igreja de Jesus de Nazaré”. Essas presenças, a da juventude e das mulheres, foram avaliados positivamente pela equipe continental das CEBs.
Outro momento importante do encontro foi a análise de conjuntura. A partir dela partimos para as discussões sobre a ecologia, a luta pela terra, a situação dos povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos, mulheres, educação, a importância da nossa presença nos movimentos sociais e na pastoral social.
Interpelados por esses temas, continuamos refletindo sobre as nossas fraquezas, debilidades e desafios. Foram momentos muito ricos nos quais percebemos que estamos mais vivos que nunca, somos resistentes e não deixamos a chama das CEBs se apagar, ou seja, a Célula das CEBs permanece viva, e sem perder aquilo que é mais sagrado na caminhada das comunidades Eclesiais de Base, a vivência e a prática do evangelho de Jesus Cristo no meio dos pobres e excluídos/as.
Cebslatinamerica2012Os bispos afirmaram isso no Documento 25 da CNBB: “As CEBS são expressão do amor preferencial da Igreja pelo povo simples”. Sabemos também que estamos vivenciando um tempo de muitas mudanças sociais e eclesiais, que dificultam as nossas ações e a nossa identidade. Todavia, neste encontro reafirmamos a nossa identidade. E, diante desses desafios, conclamamos a todos com as mesmas palavras de Dom Pedro Casaldaliga pronunciadas na mensagem de abertura do IX Encontro Latino Americano: “O Espírito nos anima a transformar a hora escura da crise em hora luminosa de Kairós. Ser diálogo, diaconia, evangelização integral, militância e contemplação; a partir do dia a dia da família e do trabalho, da eclesialidade ministerial e da organização popular, da pastoral e da política. Três atitudes maiores nos devem definir nessa hora: Indignação profética, Compromisso militante, Esperança pascal. Com isso reafirmamos nosso compromisso com a Igreja dos pobres, de todos os povos, e com o meio ambiente.
As palavras de Dom Pedro Casaldáliga encheram nosso coração de esperança. Podem nos tirar tudo, menos a esperança. Devemos fazer questão de vivermos, todos, agitando, se comprometendo. Cada um de nós é uma célula-mãe, espalhando vida, provocando a vida. A Igreja da libertação está viva, ressuscitada, porque é a Igreja de Jesus. A teologia da libertação, a espiritualidade da libertação, a liturgia da libertação, a vida eclesial da libertação está profundamente arraigada no mistério pascal, que é o mistério da vida de Jesus, o mistério das nossas próprias vidas.
Tivemos também um dia de missão. Fomos visitar e conhecer as comunidades de Honduras. Foi uma riqueza imensa conhecer as comunidades. A realidade não é muito diferente da nossa. São muitas comunidades distantes uma das outras, e poucos presbíteros. O que chama a atenção é que as comunidades são bem organizadas e articuladas pela diocese e suas paróquias. As lideranças, as mulheres predominam, são pessoas simples. Uma experiência boa foi vivida em uma paróquia, onde o pároco tinha convidado as lideranças de todas as comunidades para dar seu testemunho de vida comunitária; ou seja, não foi o presbítero quem falou da vida da comunidade, mas sim o animador da comunidade que está no dia a dia da comunidade. Isso, para mim, foi divino perceber a valorização dos animadores das comunidades. Podíamos ver no rosto desses animadores a alegria de estar falando da sua comunidade e da sua experiência de vida comunitária. Quem sabe, nós, brasileiros também poderíamos nos inspirar nesse exemplo. Pois, muitas vezes dizemos o que vamos fazer para a comunidade e não as pessoas que vivem lá falar de sua própria experiência.
Nas celebrações da Palavra e da Eucaristia experimentamos uma espiritualidade diversificada. Apesar das diferentes línguas, esses momentos celebrativos nos uniam cada vez mais. Foram momentos muito significativos para todos nós. Dizem que o Céu é muito bom! Eu, particularmente, experimentei um pedacinho do céu. Fui seduzida mais uma vez pelo nosso Deus.
O que deixamos em Honduras: Além da imagem de Nossa Senhora Aparecida e a mensagem de Dom Pedro, nosso canto “Peneirei Fubá”. Nós, brasileiros, éramos convocados várias vezes para animar o encontro com esse canto e o “Trem das CEBs”. Deixamos também a nossa experiência, nossa firmeza, a nossa alegria e paixão em fazer parte dessa grande família do Reino, as CEBS, nossa amizade, a solidariedade e um grande carinho pelo povo e pela equipe das CEBs de Honduras.
O que trazemos de volta: mais experiências, alegria e muita esperança; a importância da nossa articulação com os movimentos sociais e com a pastoral social. O sentido de pertença à Pátria Grande. Uma imensa gratidão à equipe das CEBs de Honduras. O compromisso com a ecologia, a articulação entre o Bem Viver e o Bem Conviver, a solidariedade com os migrantes, o desejo de fortalecer as CEBs e acolher os jovens.
Termino com as frases do saudoso Dom Luciano Mendes: “O encontro das CEBs é um verdadeiro pentecostes. É a festa da Redenção, o povo pobre e organizado, mulheres, homens, jovens e crianças, se reúnem para dançar a dança da redenção”.

Maria da Silva Costa Rossi
Coordenadora das CEBs (Regional Oeste II)
Articuladora das CEBs Nacional e Continental

Prossegue encontro latinoamericano de articulação de CEBs no Caribe

 


Encontro_Intercontinental1706
Está em andamento desde o último sábado, 16 de junho, na cidade de San Pedro, Honduras, o 9º Encontro latino-americano e caribenho das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs).
“Refletimos sobre a inculturação de um novo paradigma de evangelização na América. Civilização e cultura são campos de conflito na sociedade continental. Fica claro que precisamos superar um culturalismo romântico e defender a inculturação, mostrando que existem alternativas e caminhos como resposta as demandas do tempo presente”, afirmou o Padre Vileci B. Vidal, um dos coordenadores 13º Intereclesial.

Padre Vileci afirmou que o 9º Encontro está servindo de novas bases de articulação das CEBs no Continente Americano. “Neste dia de encontro, estamos tratando do relançamento das CEBs no continente dada nestes quatros anos de caminhada. Vimos que o 12º Intereclesial no Brasil foi o marco deste relançamento para revitalizar as CEBs, tendo como fruto o Documento 92 da CNBB. Além disso, o 13º Intereclesial nos fez ver que precisamos discutir mais a relação CEBs e Religiosidade Popular na América”.

O religioso continuou explicando: “Neste sentido, a missão é pela conquista da América como lugar do diálogo e relação intercultural no campo da evangelização numa atitude ecumênica. Pois, não podemos aceitar a mudança do mundo sem a nossa participação”. O encontro vai até o dia 21 de junho.

Fonte: cnbb
Focando a Notícia

Encontro reunirá jovens realizadores de audiovisual da América Latina e do Caribe

Jovens da América Latina e do Caribe ligados ao cinema se encontrarão, na próxima semana, em Sobral, cidade do Ceará, no Nordeste brasileiro, para o I Nossas Américas – Nossos Cinemas: I Encontro de Jovens Realizadores da América Latina e do Caribe. O evento está marcado para ocorrer entre os dias 23 e 26 deste mês no Teatro São João.

Bárbara Cariry, diretora-geral do encontro, explica que a ideia surgiu a partir da necessidade de eventos na área audiovisual que divulgassem os trabalhos produzidos pelas juventudes latino-americanas e caribenhas. De acordo com ela, o objetivo é justamente “debater novas possibilidades de difusão e intercâmbio” das produções realizadas por jovens da região. “[Vamos discutir] como fazer esse cinema [feito por jovens] ser visto e como os países podem trabalhar juntos”, acrescenta.

Durante quatro dias, o encontro contemplará mostras de filmes, mesas de debates, oficinas e palestras, além de apresentações culturais, momentos que proporcionarão a troca de experiência entre os/as participantes e convidados/as. A programação será gratuita e aberta ao público.

Segundo Bárbara, o encontro enviou convite para diversas associações, instituições e universidades da América Latina e do Caribe, as quais indicaram jovens realizadores que trabalham com audiovisual. A diretora-geral da mostra destaca que todos os estados brasileiros estarão representados no evento, além de países como Argentina, Costa Rica, Cuba, Equador, República Dominicana e Venezuela. “Será uma riqueza, com pessoas de várias idades, de diferentes segmentos”, acredita.

O encontro ocorrerá em Sobral, cidade a 235 km da capital do Ceará, estado nordestino. De acordo com Bárbara, a ideia é que o evento seja itinerante e, nesta primeira edição, a intenção era que acontecesse no Nordeste do Brasil. A produção crescente na área audiovisual e o interesse na população levaram à escolha de Sobral como município para sediar o evento, o que, para Bárbara, também contribui para a descentralização de atividades como essa, já que o evento não ocorrerá em uma capital.

Programação

Os quatro dias do I Nossas Américas – Nossos Cinemas: I Encontro de Jovens Realizadores da América Latina e do Caribe serão dedicados a discussões, trocas de experiências e reflexões sobre as possibilidades de difusão e intercâmbio de produções realizadas por jovens latino-americanos e caribenhos.

A programação do encontro inclui quatro mostras: Nossas Américas, de longas-metragens; Santiago Alvarez, dedicada às produções do cineasta cubano; Grande Caribe, com filmes caribenhos; e Curta Ceará, com curtas-metragens produzidos por cearenses.

Segundo Bárbara Cariry, diretora-geral do encontro, a população de Sobral e de cidades vizinhas poderão participar das oficinas de Roteiro Audiovisual e de Direção de Arte durante o evento. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas na Escola de Música de Sobral (Avenida Dom José, 1126 – Centro).

Entre os debates, destacam-se mesas como: “Panorama do Cinema Caribenho e do seu desenvolvimento como uma das manifestações do Novo Cinema Latino-Americano”, “O Cinema dos Povos Originários”, “Cinema: Ensino e Prática”, “Um Cinema Sem Fronteiras”, “Cinema entre Fronteiras”, “Distribuição e Difusão – Cinema e Transmídia” e “Novos desafios para a gestão governamental”. A expectativa é que o evento também produza um documento final, denominado “Carta de Sobral”, o qual, de acordo com Bárbara, reunirá as principais demandas dos/as jovens do setor audiovisual para os países participantes.

Adital

Cepal revela aumento de gravidezes em jovens da América Latina e Caribe

O maior número de gravidezes em adolescentes se registra em países da América Central como Nicarágua, Honduras e Guatemala, de acordo com um recente estudo realizado pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL).

Um estudo realizado pela Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL) revelou nesta quinta-feira cifras sobre a situação de aumento da maternidade adolescente na região, onde entre 25 e 108 de cada mil jovens de 15 a 19 anos são mães.

De acordo com a CEPAL, a alta incidência de gravidezes em adolescentes na América Latina é superada apenas por países africanos e a maior proporção de jovens mães na região se registra em países da América Central como Nicarágua, Honduras e Guatemala.

Nicarágua encabeça a lista dos países afetados por este problema, devido a que 27% das adolescentes, entre 15 e 19 anos passaram pela maternidade. No caso de Honduras, 30% das mães são menores de 18 anos.

Sobre isso, a Fiscalia

Al respecto, la Fiscalía de la Niñez hondureña publicó un estudio en el que revela que el 50 por ciento de los embarazos en adolescentes tienen su origen en abusos sexuales y muchos de los casos, los violadores son parte del grupo familiar.

Situação parecida acontece em El Salvador, onde a maioria das gravidezes em jovens menores de idade está vinculada com violações. De acordo com as Nações Unidas, em 2010 do total de mulheres salvadorenhas vítimas de violência sexual, 84% foram crianças e adolescentes com menos de 20 anos e 16% menores de 10;

Os casos de gravidezes de adolescentes também aumentaram de forma alarmante na Guatemala nos últimos anos. Segundo a Pesquisa Nacional Materno Infantil 2008-2009, existem no país 114 mães de 10 a 20 anos, para cada mil habitantes.

Gravidez precoce na América do Sul

A lista de gravidez em adolescentes dos países do sul da América Latina é encabeçada por Venezuela, pelo que em dezembro passado o Governo iniciou oficinas de educação sexual nos colégios da nação.

O mandatário venezuelano, Hugo Chávez, qualificou de “alarmantes” as cifras de gravidez precoce e revelou que dos 591.303 partos registrados em 2010, 130.888 foram de menores de 19 anos e 7.778 de adolescentes que não ultrapassavam os 15 anos.

A este país segue Equador, onde mais de 17% das jovens entre 15 e 19 anos são mães. A respeito disso, o Governo presidido por Rafael Correa anunciou o investimento de 29 milhões de dólares neste ano na campanha “Fala sério. Sexualidade sem mistério”, com a qual busca criar consciência entre os adolescentes.

Na Colômbia, a alta mortalidade de mulheres gestantes menores de 15 anos preocupa as autoridades que indicaram que 90 de cada mil adolescentes resultam grávidas a cada ano.

Em Uruguai, a porcentagem de gestações adolescentes é similar a do resto da América do Sul. Entre 2000-2005 foi de 64 mil mulheres.

As jovens paraguaias entre 20 e 24 anos têm tido pelo menos uma gravidez, pelo que a nação registra uma alta taxa de maternidade precoce com 63 nascimentos para cada mil mulheres. Enquanto que no Peru 13,5% das adolescentes entre 15 e 19 anos estão no período de gestação e já são mães.

A notícia é de teleSUR-Efe/sa – FC

Adital