Arquivo da tag: cansada

Adapte a leitura para evitar a vista cansada

Diante da falta de tempo, é comum a leitura ocorrer em lugares inusitados, como no ônibus, na cama e em ambientes escuros. Mas será que esses hábitos de leitura podem prejudicar a vista? Segundo o oftalmologista Wagner Ghirelli, na verdade, quanto mais lemos, melhor. “Quem lê muito tem uma capacidade visual melhor e lê mais rápido”, conta. “Com o uso do computador, há pessoas que se tornam muito ágeis e desenvolvem habilidade visual muito grande, já que associam habilidade visual com motora.” Desbanque os mitos a seguir e fique atento a alguns cuidados.

Ler no ônibus faz mal?

Há quem acredite que esse hábito pode causar até mesmo descolamento de retina, mas não é verdade. “O problema na retina é relacionado a traumas e independe de hábitos relacionados à leitura”, explica o oftalmologista Omar Assae. Um baque muito grande, por exemplo, é o que pode causar o descolamento, que é mais comum em pessoas com alto grau de miopia ou com diabetes.

Ler no ônibus - Getty Images
Ler no ônibus

O que a leitura no ônibus pode causar é incômodo e mal-estar, pois o balanço do veículo provoca uma confusão no sistema vestibular do cérebro, responsável pelo equilíbrio.

Leitura no escuro é prejudicial?

Ler em locais com pouca luminosidade está longe de piorar doenças como miopia, hipermetropia, astigmatismo etc., tampouco “forçar a vista”. O que pode acontecer, segundo Osmar Assae, é a fadiga, ou seja, sensação de cansaço dos olhos, já que é preciso força-los mais para enxergar.

“O que se recomenda é apenas não permanecer muito tempo com o foco de visãoem um mesmo objeto próximo, já que isso causa dor de cabeça e sensação de baixa visão”, aconselha o oftalmologista. “O ideal é fazer pequenas pausas durante a leitura.”

Tablets deixam a vista cansada?

Ler em tablets (como iPad) também não pode ser considerado um mau hábito, pelo contrário: o oftalmologista Osmar Assae vê esses gadgets como aliados da boa leitura, já que a função “zoom” permite aumentar as letras, o que confere melhor visualização, além da possibilidade de ajustar a iluminação ao seu conforto.

Leitura - Getty Images
Leitura

É importante lembrar, apenas, de fazer pequenas pausas, já que o esforço repetitivo para visualizar imagens em curta e média distância causa o ressecamento da vista. Uma pessoa pisca os olhos, em média, 20 vezes por minuto, enquanto em frente ao eletrônico pisca apenas de seis a sete vezes.

Leitura na praia é permitida?

A luz da praia exige mais cuidados. Essa luminosidade excessiva, segundo o oftalmologista Wagner Ghirelli, pode gerar degenerações na retina, . Por isso, a leitura exige óculos escuros ou, pelo menos, um boné para proteger os olhos da luz intensa.

Crianças precisam de cuidados ao ler?

Para os pequenos, ficar muito próximo ao livro (ou da televisão, computador etc.) pode levar ao desenvolvimento de miopia, que se acentua conforme o hábito perdura. “Isso faz com que o olho tenha um crescimento maior do que deveria ter pelo fato dela ler muito de perto”, esclarece Wagner Ghirelli. Mas esse risco só vale para crianças. Em adultos, ler com o livro muito perto pode causar, no máximo, desconforto.

Para uma boa leitura

Mais do que se preocupar com boatos, é preciso prestar atenção em pequenas atitudes que, com certeza, garantirão maior conforto durante a leitura:

– Independente de ser livro, tablet etc., o objeto deve ficar a, aproximadamente, 40 cm de distância dos olhos, com luminosidade adequada (determinada pela sensação de conforto ao ler);

– O objeto de leitura deve ficar sempre abaixo dos olhos, nada de deitar na cama e colocar o livro acima deles;

– A iluminação é importante aliada de leitura e não pode incomodar a visão, seja pela falta ou pelo excesso. Embora o conforto seja relativo, Osmar Assae recomenda uma lâmpada de 60w, que deve fornecer iluminação suficiente.

minhavida

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

“Meu marido quer sexo mesmo quando estou muito cansada. Como satisfazê-lo?”

Thinkstock/Getty Images
Thinkstock/Getty Images

O sexo só é ótimo quando as duas pessoas sentem prazer. Quando se torna estressante, em decorrência da frequência ou prática sexual para um dos cônjuges, é indesejável e, com o tempo, até evitado.

Não existe uma frequência semanal indicada, cada casal tem seu ritmo.

O tempo de duração é variado, pode acontecer uma rapidinha prazerosa, bem como uma transa mais demorada, e os dois aproveitam para retirar o máximo de prazer com um sexo mais elaborado.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Outro aspecto que pode prolongar a duração é a dificuldade do homem para ejacular, indicando uma disfunção. Ou, na medida em que sua idade avança e a sensibilidade do pênis diminui, ele necessita de mais estímulos físicos e mentais. Nessa fase, as rapidinhas deixam de acontecer, aumentando o tempo de carícias e o uso de fantasias.

Por outro lado, há homens jovens que superaram a fase da autoafirmação. A transa deixou de ser apenas um desafio para provar seu desempenho e a potência do seu pênis. Aproveitam melhor o sexo controlando a ejaculação e curtindo mais as preliminares.

Cara leitora, não sei a idade do seu parceiro, nem a maneira como transam, portanto a demora no sexo pode vir de outros fatores.

A duração da transa não parece ser o seu maior problema, inclusive pode ajudá-la a atingir o orgasmo. Acredito que a frequência sexual diária é demais para quem chega muito cansada do trabalho.

Meu conselho: converse com seu parceiro e entrem num acordo sobre o número satisfatório de relações sexuais para ambos. Não faça nada que pese como uma cobrança para você mesma: ele pode lidar com a frustração. Assim, o sexo não será afetado por uma desmotivação total no futuro.

Mas, para aqueles dias em que você está com baixa motivação ou energia para o sexo e mesmo assim quer dar prazer ao parceiro, algumas dicas ajudam a facilitar o gozo:

– Massagear suavemente a glande (cabeça do pênis) com a ponta dos dedos ou a mão, usando um gel lubrificante a base de água para facilitar. Ou, com a ponta da língua, faça movimentos rotativos e leve sucção da glande com a boca;

– Masturbar e ao mesmo tempo tocar com a ponta dos dedos da outra mão o ânus ou os testículos, faz aumentar rapidamente a excitação;

– Estimular a próstata, com os dedos médio e indicador na região do períneo (local entre o saco escrotal e o ânus), ou massagear a próstata pelo ânus. Esta última prática nem sempre é bem aceita, por um preconceito masculino;

– Massagear levemente com os dedos ou a língua os testículos. Nesse momento tocar o períneo, o ânus ou sugar suavemente cada bolinha, colocando-a dentro da boca, pode levar o homem rapidamente ao orgasmo.

Fátima Protti é psicóloga, terapeuta sexual e de casal. Pós-graduada pela USP e autora do livro “Vaginismo, quem cala nem sempre consente”.

iG