Arquivo da tag: Candidatas

Apenas 12% das mulheres candidatas foram eleitas para prefeituras no Brasil

urnaO primeiro turno do pleito municipal deste ano elegeu apenas 12% de mulheres para os cargos de prefeito em todo país, mostra análise feita pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC) com base em dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nesta eleição, o percentual de mulheres que disputaram cargos eletivos ultrapassou 30%. De acordo com o tribunal, a primeira vez que isso ocorreu foi nas eleições municipais de 2012, quando partidos políticos e coligações atingiram o percentual de 32,57% de candidatas.

Segundo o TSE, do total de candidatos na eleição,155.587 (31,60%) eram mulheres e 336.819 (68,40%), homens. Na disputa para os cargos de vereador em todo o país, a proporção foi ainda maior: 32,79% candidatas. Na disputa majoritária, para prefeito, 12,57% dos candidatos eram do sexo feminino.

A região que proporcionalmente elegeu mais mulheres nos cargos de prefeito foi o Nordeste, com um índice de 15,99%, seguido por Norte (14,80%) e Centro-Oeste (12,58%). As regiões Sul e Sudeste ficaram abaixo dos dez pontos percentuais, com 7,05% e 8,9% respectivamente. O Estado do Rio Grande do Norte foi o que elegeu mais mulheres, em 28,14% dos cargos. O menor percentual ficou com o Espírito Santo: do total de vagas preenchidas, apenas 5,41% foram ocupadas por mulheres.

Atualmente, as mulheres têm baixa participação em cargos eletivos no país, com 10% das cadeiras da Câmara dos Deputados e 14%, no Senado. Segundo o TSE, o percentual é idêntico nas assembleias estaduais e menor ainda nas Câmaras de Vereadores e no Poder Executivo.

Para equilibrar o cenário, a obrigatoriedade imposta de percentual mínimo de mulheres nas disputas eleitorais foi reforçada pela alteração na Lei nº 12.034/2009, que substituiu a expressão prevista na lei anterior – “deverá reservar” – para “preencherá”. A partir de então, o TSE tem o entendimento de que, na impossibilidade de registro de candidaturas femininas no percentual mínimo de 30%, o partido ou a coligação devem reduzir o número de candidatos do sexo masculino para se adequar às cotas de gênero.

Cor

Dos candidatos eleitos em todo país ao cargo de prefeito, 70% se declararam brancos. O estado com maior percentual de candidatos da cor parda eleitos foi o Acre, com 72,73%. Por outro lado, Santa Catarina foi o estado com o maior índice de prefeitos brancos eleitos, com 98,29%.

A faixa etária da maioria dos prefeitos eleitos está entre 40 e 59 anos, equivalente a 62,39% do total. O levantamento aponta ainda que mais da metade dos prefeitos eleitos no primeiro turno tem o ensino superior completo, o índice alcançou 52,24%.

Agência Brasil 

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Mulheres paraibanas candidatas nas Eleições de 2016 têm melhor grau de instrução que homens

eleiçõesApesar de representarem a minoria no registro de candidaturas nas Eleições 2016 na Paraíba, as mulheres se destacam no quesito grau de instrução. Das 3.600 candidatas que disputam uma vaga nas Prefeituras ou Câmaras do estado, 24,58% (885) possuem curso superior completo. Enquanto isso, apenas 18,24% (1.489) dos 8.160 candidatos do sexo masculino aos mesmos cargos, possuem este grau de instrução. No total, são 11.760 candidatos registrados no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

A comparação também mostra o melhor desempenho feminino em outros níveis de formação educacional. São 396 (4,85%) homens com Ensino Superior incompleto enquanto 214 (5,94%) mulheres tem essa mesma instrução. No Ensino Médio as diferenças são proporcionais. São 2.890 (35,4%) homens com o nível completo e outros 408 (5%) com o nível incompleto. No lado das mulheres, são 1.416 (39,3%) com o nível completo e outras 175 (4,9%) com o nível incompleto.

Nos demais graus de formação, fica claro que muitos candidatos ainda apresentam déficit educacional. Do total de homens, por exemplo, 1.100 têm apenas o Ensino Fundamental completo, outros 1.570 têm Ensino Fundamental incompleto e 307 candidatos do sexo masculino apenas lê e escreve. No sexo feminino, 343 têm o Ensino Fundamental completo, 455 têm Ensino Fundamental incompleto e 112 mulheres apenas lê e escreve.

blogdogordinho

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Candidatas ao Miss Bumbum pedem voto no aeroporto de SP

candidatasCandidatas ao Miss Bumbum Brasil 2014 aproveitaram a manhã desta terça-feira, 9, para fazer campanha no aeroporto de Congonhas em São Paulo e atraíram muitos olhares. Usando um shortinho fio dental, as beldades paravam quem passava pelo local pedindo voto.

Faltando aproximadamente dois meses para a final da disputa, o clima entre as concorrentes está cada vez mais quente. Recentemente Renata Alves, candidata que representa o Ceará, e Rebeka Francis, que representa Rondônia, trocaram farpas pelo Twitter. A final do concurso acontece no dia 17 de novembro, em São Paulo.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Entre as novidades, o concurso traz como participante uma “quarentona”, Patrícia Oliveira, 40 representa o Estado de Mato Grosso. A participante afirma se garantir perto das outras de vinte e poucos anos. Já a representante do Pará é a primeira Plus Size do Miss Bumbum, Juliana Bittencourt quer representar as mulheres mais cheinhas e diz ter muitas chances de levar o título em 2014.

aero1.jpg

aero2.jpg

aero3.jpg

aero4.jpg

aero5.jpg

aero6.jpg

aero7.jpg

aero8.jpg

180 Graus

Concurso da polícia baiana desobriga exames caso candidatas sejam virgens

policial“A candidata que possui hímen íntegro está dispensada de entregar os exames que constam no item 11.12.2.1, inciso VI, alínea ‘a’: colposcopia, citologia e microflora, desde que apresente atestado médico que comprove a referida condição, com assinatura, carimbo e CRM do médico que o emitiu.”

A frase, que consta no edital de um concurso da polícia civil da Bahia (clique aqui) com vistas ao preenchimento das vagas de escrivã, investigadora e delegada de polícia, refere-se a uma “opção” que as candidatas teriam para não terem de se submeter a uma “avaliação clínica ginecológica contendo colposcopia, citologia e microflora”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Em resposta à obrigatoriedade de terem de passar por tais exames ou comprovarem serem virgens, a OAB-Bahia divulgou uma nota que questiona a regulamentação da etapa e coloca em pauta a violação dos direitos à “dignidade da pessoa humana” e “intimidade e vida privada” do cidadão, que estão dispostos no 1º e 5º artigos da Constituição Federal de 1988.

Além disso, a OAB também aponta que questões relacionadas à liberdade sexual das candidatas ou doenças ginecológicas em nada interferem no desempenho dos cargos pretendidos, sendo assim, essas não deveriam ser parâmetros para qualificação ou desqualificação no concurso.

“A imposição legal de critérios de admissão baseados em gênero, idade, cor ou estado civil configura uma forma gravosa de intervenção no âmbito da proteção à igualdade jurídica (CF, art. 5º, caput) e da regra que proíbe quaisquer desses requisitos como critério de admissão (art. 7º, XXX,CF)”, ressalta a OAB.

Em entrevista ao jornal O Globo, Sérgio Camargo, especialista em concursos e direitos humanos, também destaca que essas medidas são de cunho discriminatório e restringem o poder que a mulher possui sobre seu próprio corpo. “É uma limitação que pune o privilégio dado à mulher de procriação da espécie e endossa a manutenção da submissão das mulheres ao homem.”

Diante da repercussão do caso, A Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb), formuladora do edital, alega que o procedimento não é exclusivo do concurso baiano e que diversos outros exames adotaram cláusulas semelhantes. Ainda em nota, a Secretaria ainda defende que os exames são apenas optativos, caso as mulheres não queriam realizar outras avaliações médicas propostas.

O concurso disponibiliza 600 vagas com salários que podem atingir até R$ 9.155,28 para o cargo de delegada.

 

 

brasildefato

Com cota, número de donas de casa candidatas aumenta 131% no país

Com a cota obrigatória de 30% para candidaturas de um dos sexos, o número de candidatas donas de casa mais que dobrou nestas eleições, segundo levantamento do G1 junto aos dados de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). É a quarta ocupação mais declarada, passando de 9.869 candidaturas na última eleição para 22.789 em 2012 – aumento de 131%.

PROFISSÕES/ OCUPAÇÕES MAIS DECLARADAS E Nº DE CANDIDATOS
2008 2012
Agricultor
(42.516)
Servidor público municipal
(39.268)
Comerciante (35.976) Agricultor
(38.655)
Servidor público municipal
(25.426)
Comerciante (35.160)
Vereador
(19.232)
Dona de casa (22.789)
Empresário
(13.047)
Vereador
(20.787)
Professor de ensino fundamental (11.682) Empresário
(20.494)
Professor de ensino médio (11.224) Aposentado (14.860)
Aposentado (10.916) Professor de ensino fundamental (13.481)
Dona de casa (9.869) Professor de ensino médio (11.509)
Fonte: Tribunal Superior Eleitoral, divulgação de candidaturas – 2012

As donas de casa representam 4,8% do total de candidatos, atrás apenas dos servidores públicos municipais, agricultores e comerciantes. Em 2008, a ocupação aparecia em 9º lugar.

Os dados mostram que o aumento ocorre em razão do elevado número de candidatas a vereadora. São 22.536 inscritas, 98,9% do total. Em 2008, eram 9.546 candidatas.

Para prefeita e vice, no entanto, o número caiu. Neste ano, 81 donas de casa (0,35% do total de candidaturas nessa ocupação) concorrem ao cargo do Executivo. Nas últimas eleições, eram 102 candidatas com esta ocupação. Para vice, agora são 172 candidaturas (0,75% do total). Em 2008, havia 221 postulantes ao cargo.

‘Laranjas’
Para o cientista político José Eustáquio Alves, a explicação mais provável para o aumento significativo e para a disparidade entre os cargos disputados é a obrigatoriedade da cota sexual nestas eleições.

Agora, a lei exige 30% dos candidatos de um dos sexos nos partidos e coligações na disputa para vereador. A regra provocou um aumento na participação feminina nas eleições. O Tribunal Superior Eleitoral afirma que a coligação ou partido que não cumprir a cota obrigatória poderá ter a lista inteira de candidatos rejeitada.

“Esses partidos não investiram na formação de mulheres, não prepararam. Então, para preencher a cota, eles lançam a famosa candidata ‘laranja’. Lançam a mãe, a irmã, até a empregada doméstica, só para preencher”, afirma Eustáquio Alves.

Josefina, Dalva, Célia e Suelane são donas de casa candidatas a vereadora em suas cidades (Foto: Reprodução/TSE)Josefina, Dalva, Célia e Suelane: donas de casa e
candidatas a vereadora nas eleições municipais
de suas cidades em 2012 (Foto: Reprodução/TSE)

‘Sou do lar’
“Fui convidada para ser candidata, por ser mulher, porque tenho ficha limpa e sou filiada ao partido”, diz Josefina Rocha de Oliveira, a Tia Fina (PSB), que pela primeira vez disputa o cargo de vereadora no município de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. A cidade é a campeã em candidaturas de donas de casa em todo o país, com 55 postulantes a cargos eletivos.

Viúva, 61 anos, a moradora do bairro Corumbá afirma não fazer campanha por causa da artrose e também por não ter dinheiro. A propaganda é boca a boca: o pedido de voto é feito aos parentes e amigos. Ela atende ao telefone em casa. “Eu sou do lar, não tenho profissão não.”

Tia Fina também conta não frequentar reuniões de partido. Mesmo assim, diz levantar a bandeira dos animais. “Eu nunca me imaginei [candidata], aí de repente me apareceu essa chance. A minha chance de ganhar é muito, muito pouca mesmo. Mas eu tenho muita fé dentro do meu coração. Vai que alguém já viu o que eu desejo, e um outro político faz.”

Pra eles [partidos] até pode ser só para preencher. Não estão levando fé em mulher, mas a mulher está dominando”
Josefina Rocha de Oliveira,
candidata a vereadora

Sobre o preenchimento das cotas, ela diz: “Pra eles [partidos] até pode ser só para preencher. Não estão levando fé em mulher, mas a mulher está dominando. A sabedoria é delas. Olha a nossa presidente. Se eu for eleita, eu vou fazer e acontecer.”

De casa em casa
No município de Abaetetuba, nordeste do Pará, cinco candidatas da coligação União por Abaeté (PR-PRB) são donas de casa, de um total de 30 aspirantes.

“A gente fez um trabalho forte em cima de filiação”, afirma Keimenson Nascimento, diretor jurídico do partido no estado. “A filiação das mulheres é dez vezes menor que a de homens no Pará, e tínhamos que cumprir a cota de 30% de candidatas. No caso do PRB, a quantidade de donas de casa é decorrente disso”, revela.

“É uma exigência legal. Tentamos fazer com que as mulheres se interessem pela política, fomos de casa em casa. Por isso, temos muitas donas de casa, que são parte expressiva do eleitorado, assim atingimos este tipo de eleitor. Fazemos este trabalho (de atrair mulheres para o partido) há um ano”, afirma.

CIDADES COM MAIS DONAS DE CASA CANDIDATAS NO PAÍS
Nova Iguaçu (RJ) 55
Rio de Janeiro 46
Jaboatão dos Guararapes (PE) 45
Anápolis (GO) 40
Campos dos Goytacazes (RJ) 32
Fortaleza 32
Japeri (RJ) 32
Recife 32

Vontade própria
Em Bandeira do Sul (MG), a dona de casa Maria Dalva de Oliveira Rodrigues, 53 anos, também disputa uma vaga pelo PSD na Câmara Municipal pela primeira vez. Sua coligação tem cinco candidatas com a mesma ocupação, de um total de 18 postulantes ao cargo.

Ela diz que sempre trabalhou nas eleições e decidiu concorrer por causa do histórico político da família. “Agora recebi o convite para me candidatar”, conta. “Antes eu não podia porque morava na roça, tinha filhos pequenos. Agora, cuido apenas do meu neto, então tenho mais tempo para tentar melhorar Bandeira do Sul.”

Celia Maria de Araújo, 51 anos, também é candidata no município pela primeira vez. “Eu já tinha essa vontade e neste ano o partido me convidou”, diz a candidata do PSD.

“Acredito que não tenha sido apenas para cumprir a cota de 30% de mulheres candidatas, mas, de qualquer maneira, tenho ideias muito bacanas para o município, especialmente no setor da educação e da saúde”, afirma.

A dona de casa Suelane dos Santos Silva, candidata em Jaboatão dos Guararapes (PE) pelo PSC, também diz que resolveu disputar por vontade própria. “Vou de porta em porta, não tenho nenhum meio de investir. Tenho ajuda de amigos, parentes e pessoas da comunidade”, afirma. “Eu sempre quis, sempre tive vontade só que não tinha tempo.”

Prejuízo eleitoral
Segundo José Eustáquio Alves, apenas preencher a cota, embora não seja ilegal, pode ser “um tiro no pé” para os partidos. Por isso, ele afirma apostar na racionalidade por parte das legendas.

“Se uma mulher é simplesmente dona de casa, se não tem experiência pública, é muito difícil de ela se eleger, não tem capital social, capital político”, diz o cientista político. “O partido que não investir na mulher vai ficar prejudicado no seu próprio desempenho eleitoral.”

O partido que não investir na mulher vai ficar prejudicado no seu próprio desempenho eleitoral”
José Eustáquio Alvez,
cientista político

“Eu defendo a ideia de que se as mulheres são metade da população, se já superaram os homens em termos de nível educacional, se estão no mercado de trabalho, têm uma participação tão importante, não tem sentido manter na política um ‘clube do bolinha’”, completa o especialista.

“Por isso eu acho que esse aumento é muito positivo, porque está se lutando há muito tempo por isso”, conclui.

Pelo país
Dona de casa também é a profissão declarada em que há a maior diferença entre mulheres e homens nesta eleição. São 22.709 candidatas mulheres para 80 candidatos que se declararam “donos de casa”, do sexo masculino.

Veja no quadro a seguir as profissões e ocupações mais declaradas por homens e mulheres:

PROFISSÕES MAIS DECLARADAS DE ACORDO COM O SEXO DOS CANDIDATOS:
MULHERES
HOMENS
– Dona de casa
– Professor de ensino fundamental
– Servidor público municipal
– Comerciante
– Professor de ensino médio
– Agricultor
– Vereador
– Estudante, bolsista, estagiário e assemelhados
– Aposentado (exceto servidor público)
– Técnico em enfermagem e assemelhados
– Empresário
– Auxiliar de escritório e assemelhados
– Enfermeiro
– Agente de saúde/sanitarista
– Advogado
– Pedagogo
– Cabeleireiro
– Agricultor
– Comerciante
– Servidor público municipal
– Vereador
– Empresário
– Aposentado
– Trabalhador rural
– Motorista de veículos de transporte coletivo de passageiros
– Professor do ensino médio
– Servidor público estadual
– Advogado
– Motorista de veículos de transporte de carga
– Professor de ensino fundamental
– Estudante, bolsista, estagiário e assemelhados
– Motorista particular
– Médico
– Administrador
– Trabalhador de construção civil

Embora a participação feminina tenha aumentado nesta eleições, elas ainda são minoria na maioria dos profissões declaradas. O número de candidatos homens supera o de mulheres em 199 de um total de 243 profissões entre as inscritas, ou 82% do total.

Entre as profissões em que a quantidade de mulheres candidatas supera proporcionalmente a de homens estão, além de dona de casa, a de empregada doméstica, governanta, secretária e datilógrafa, assistente social, faxineira, telefonista e fonoaudióloga.

Nenhuma profissão é exclusividade das mulheres. Mas há aquelas apenas declaradas por homens. São elas: funileiro, bombeiro e instalador de gás, água, esgoto e assemelhados, chaveiro, leiturista, ministro de estado, relojoeiro e montador de instrumento de precisão, carvoeiro, piloto de aviação comercial, navegador, mecânico de voo e assemelhados, guardador de veículos, trabalhador de fabricação, vulcanização e reparação de pneumáticos, meteorologista, capitalista de ativos financeiros, paramédico, físico, geofísico, diplomata e antropólogo.

Colaboraram Ingo Müller, do G1 PA; Jéssica Balbino, do G1 Sul de Minas; e Vanessa Bahé, do G1 PE

Nas eleições de 2012, cresce número de mulheres candidatas

A participação feminina na disputa pelos cargos de vereadoras e prefeitas aumentou nas eleições deste ano. Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do total de candidatos ao cargo de prefeito, 1.941, ou 12,5% são mulheres. No caso do pleito às Câmaras Municipais, o índice é ainda maior: são 146.220 candidatas, ou 32,5% do total. Portanto, pela primeira vez o número de candidatas à vereadora ultrapassa em 2,5% o mínimo de 30% exigido em lei.

Ainda de acordo com a base de dados do TSE, existem 2.704 candidatas à vice-prefeita, portanto, 17,2%. No Brasil, milhares homens e mulheres registraram candidatura para cargos do executivo municipal – 448.713 para Câmara Municipal, 15.448 para prefeitura e 15.708 para vice-prefeitura.

Fonte: cnm

Líder da oposição em Taperoá participa do seminário ‘Mulheres Pré-Candidatas’ do PSB

A líder da oposição em Taperoá, Socorro Farias, vai participar neste final de semana do seminário ‘Mulheres Pré-Candidatas’ do PSB.
O evento vai reunir milhares de mulheres que vão concorrer nas eleições municipais de outubro em todo o país em um hotel localizado na orla da capital pernambucana.
Socorro atendeu ao convite da secretária nacional do partido, Dora Pires, que vai presidir ao encontro e debater com colegas o tema “Compartilhando Experiências”, nesta sexta-feira, 18, e no sábado, 19.
Dentro do partido aqui no Estado, a pré-candidata à prefeita de Taperoá, Socorro Farias, já é reconhecida pela forma honesta como conduz o PSB local, o que permite à legenda crescimento e respeito no cariri e nas outras regiões paraibanas. Sua postura logo chegou aos ouvidos de outras autoridades socialistas, como da Secretária Dora Pires, que pretende dividir com companheiras aprendizados nos dois dias do encontro.
Mesmo com a agenda lotada, dona Socorro, como é mais conhecida, fez questão de encontrar um espaço para atender ao convite de Dora Pires, por saber também que o seminário das Mulheres Socialistas vai propiciar uma contribuição para a realização de um trabalho mais consistente e produtivo durante a campanha eleitoral que se aproxima.
“O partido impressiona pela sua estrutura organizacional e o quanto se preocupa em capacitar seus membros para a realização de um trabalho coerente que está fazendo a diferença na forma atual de governar, e como exemplo, temos o governador do Estado, Ricardo Coutinho, que insere com sucesso um modelo de governabilidade que fomenta o desenvolvimento da Paraíba através da participação popular”, destaca Socorro que disse, ainda, que o PSB pode e vai fazer muito também pela cidade de Taperoá, e que muito embora sejam importante e necessária a parceria com o governo federal, o município precisa de um modelo próprio de administração que não fique restrito apenas às políticas sociais desenvolvidas por Brasília, como atualmente acontece, e o Partido Socialista Brasileiro tem condições para efetivar isso.
Ao cumprir todos os compromissos desta semana, a pré-candidata viaja para Recife na sexta-feira, 18, dia que assim como o sábado, 19, será cheio de atividades e de discussões que colaborarão para a troca e o aprimoramento de ideias de mulheres socialistas que se destacam em seus municípios espalhados pelo Brasil pela força e pela determinação de trabalhar por melhorias para a população.

Ascom/Jandro Gomes para o Focando a Notícia