Arquivo da tag: cancerígena

Anvisa proíbe venda de paçoca por alto teor de substância cancerígena

pacocaA Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou nesta segunda-feira (20) um lote de paçoca rolha da marca Dicel, produzida em Goiânia (GO). Os produtos interditados excediam o limite permitido de aflatoxinas, substâncias tóxicas produzidas por fungos que podem causar câncer.

Segundo a resolução, o lote 0027, fabricado em 18 de novembro do ano passado, com validade até 18 de novembro deste ano, estava impróprio para o consumo. O alimento é distribuído pela Indústria e Logística Westhonklauss Constante Ltda.

O laudo do Laboratório de Análise Micotoxicológicas, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, atestou teores de aflatoxinas acima do limite máximo tolerado para amendoim com casca, descascado, cru ou tostado, pasta de amendoim ou manteiga de amendoim.

A interdição vale para todo o território nacional.

Procurada, a Dicel informou que não havia sido notificada sobre a interdição.

UOL

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

 

Batata frita tem substância cancerígena, ativada pela alta temperatura do óleo

batata_fritaPresente em todos os happy hours, redes de fast food e papos com os amigos, a batata-frita é uma unanimidade. Muito difícil achar alguém que não goste. No entanto, estudos mostram que o tubérculo, quando frito, sofre uma reação química e libera uma substância cancerígena, a acrilamida.

O nutrólogo Roberto Navarro explica que a reação acontece com quando o alimento é aquecido a altas temperaturas, aquelas maiores de 120ºC. “Se fala da fritura porque o cozimento não atinge essa temperatura alta”, esclarece. O aminoácido asparagina reage com a glicose (ou frutose) e libera a maléfica acrilamida, composto já conhecido pela ciência por causar câncer em ratos. “Existem outros alimentos que liberam acrilamida, mas a batata é a que apresenta maior teor dessa substância quando é frita, por isso se fala tanto dela”.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Além da batata, entram nesta lista a beterraba, o pão e os cereais. Todos eles têm o aminoácido asparagina, glicose e frutose (no caso das frutas), mas não se costuma comê-los após serem submetidos a temperaturas tão altas, o que os deixa livres da acrilamida.

A explicação científica, segundo um estudo publicado pelo periódico Journal of the National Cancer Institute, é que a acrilamida muda as estruturas do DNA e conduz à mutação, que, por sua vez, levaria à formação de tumores. Os efeitos cancerígenos da acrilamida foram comparados ao BPDE, uma substância já conhecida por causar câncer, e presente na fumaça do cigarro, combustíveis, além de outros.

Outro estudo, publicado no periódico Journal of the Science of Food and Agriculture, mostrou que deixar batatas de molho antes de fritá-las reduz os níveis da substância. A pesquisa comparou o porcentual da substância em três situações: ao lavar batatas, deixá-las de molho por 30 minutos e deixá-las de molho por duas horas. A acrilamida foi reduzida em 23%, 38% e 48%, respectivamente. A redução só acontece, no entanto, se as batatas forem fritas levemente douradas. O problema persiste se a batata estiver frita em um tom mais escuro.

Uma terceira pesquisa publicada no periódico Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention mostrou que houve um risco aumentado de câncer de endométrio e ovário pós menopausa naquelas mulheres que consumiam acrilamida na dieta, particularmente entre mulheres não-fumantes (o cigarro atrapalha o resultado da pesquisa, porque ele é um potencial causador de tumores). O câncer de mama não foi relacionado com a ingestão de acrilamida. O grupo de 62 mil mulheres foi observado por cerca de 11 anos.

Sem pânico

Apesar do potencial cancerígeno da acrilamida, o mais provável é que o organismo consiga lutar contra ela. “Existem as substâncias xenobióticas, que são estranhas ao nosso organismo e não são necessárias, mas o corpo tem defesas para excretar e anular essas substâncias. A desintoxicação é feita pelo fígado, que elimina por meio das fezes, suor e urina”, explica o nutrólogo Roberto Navarro.

A oncologista clínica do Hospital Israelita Albert Einstein, Ana Paula Garcia Cardoso, explica que o grande vilão do câncer ainda são os fatores ambientais e os maus hábitos, como o cigarro e o sedentarismo. “O consumo excessivo da batata frita pode levar à obesidade, e ela sim é uma comprovada causadora de câncer”.

O diretor do Instituto Paulista de Cancerologia (IPC), Hezio Jadir Fernandes Junior, diz que fica com o “pé atrás” quando ouve dizer que alimentos como refrigerante e batata frita causam câncer. Segundo ele, sabe-se que a acrilamida pode ser causadora do câncer, mas não se sabe o quanto dessa substância que uma pessoa necessita ingerir para ter o câncer. “É a grande interrogação atual.”

IG

Bebidas clandestinas têm metanol, cobre e substância cancerígena

Uma pesquisafeita com amostras de bebidas alcoólicas clandestinas, como cachaças de alambique, uísques falsificados e licores artesanais, apontou a presença de substâncias tóxicas como cobre, metanol e carbamato de etila.

O estudo foi feito em sete municípios de São Paulo e Minas Gerais pelo Cebrid (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas), da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Além do Brasil, participaram da pesquisa países como Rússia, China, Índia, México e Sri Lanka.Os resultados foram apresentados nesta terça-feira (30) durante um simpósio sobre o assunto em São Paulo.

Para as análises brasileiras, foram consideradas 65 amostras de bebidas (51 somente de cachaças) colhidas nas cidades de São Paulo e Diadema, na região metropolitana de São Paulo, durante o ano de 2010. Dessas, 61 foram obtidas entre consumidores e vendedores informais. O restante foi pego diretamente com produtores. “Coletamos, principalmente, as \[bebidas] que achávamos que eram falsificadas. Quando tinham rótulos, não tinham selo de garantia do Ministério da Agricultura e os preços eram muito baixos”, explicou Elisaldo Carlini, professor do Cebrid e coordenador do estudo.

Outras 87 amostras (63 apenas de cachaças) foram obtidas em cinco cidades de Minas Gerais, entre elas a capital Belo Horizonte, além de cidades famosas pela produção da bebida, como Passa Quatro e Salinas. As bebidas foram colhidas entre 2011 e 2012, em bares e festas e com vendedores de rua.

Bebida com metanol e cobre

De acordo com Carlini, um dos elementos tóxicos encontrados nas amostras foi o metanol, tipo de álcool altamente tóxico e que, se ingerido, pode causar cegueira e até levar à morte. Entre as amostras mineiras, em 25 do total de 87 garrafas foi encontrado metanol, mas nenhuma das amostras ultrapassou o limite permitido de 200 partes por milhão (ppm), disse Carlini. Das amostras paulistas, 24 das 54 que foram levadas para análise apresentaram o álcool tóxico, mas apenas uma amostra de vinho registrou índice acima do limite legal.

Outro elemento presente nas bebidas foi o cobre, que pode prejudicar a absorção de minerais no organismo. O elemento foi encontrado em 11 amostras de São Paulo e em 15 das mineiras. Algumas estavam muito acima do limite legal, de 5 ppm, chegando a 26 ou 27 ppm.

O carbamato de etila, um agente cancerígeno, também estava presente em 65 das 87 bebidas de Minas Gerais. “Em algumas amostras, \[a concentração] era tão grande que dava para saber que estava exagerado”, concluiu o pesquisador.

Outra irregularidade constatada foi que a concentração alcoólica de 27 das 51 amostras de cachaça de São Paulo e de 30 das 63 amostras de cachaça de Minas Gerais ficaram abaixo do que determina a lei. “Ficamos surpresos. Não sabemos se isso é ruim ou se é bom, nós só sabemos que não está legal.”

Consumo de álcool

Além de analisar as bebidas, o estudo ouviu 430 adultos do Estado de São Paulo e 564 de Minas Gerais. Os participantes eram, majoritariamente, homens com idades entre 18 e 30 anos e nível de escolaridade entre nível médio e superior. A maioria dos entrevistados, 60,1% dos mineiros e 96,3% dos paulistas, declarou consumir álcool.

O tipo de bebida mais frequente foi a cerveja, seguido pelo vinho. A cachaça ficou em terceiro lugar como a mais consumida em Minas Gerais e em quarto entre as preferidas dos paulistas. As razões apontadas pelo estudo para o alto consumo da cachaça foram o preço baixo e o fácil acesso à bebida.

Uol

Organização Mundial da Saúde classifica fumaça do diesel como cancerígena

Chances de uma pessoa contrair câncer pelas emissões da fumaça do diesel são as mesmas de um fumante passivo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou a fumaça do diesel como cancerígena. A classificação se baseia em estudos divulgados pela Agência Internacional para Pesquisas sobre Câncer (IARC), órgão encarregado de estudar a doença.

De acordo com a agência de pesquisa, a chance de uma pessoa contrair câncer pelas emissões da fumaça do diesel são as mesmas de um fumante passivo. A conclusão foi baseada em estudos com animais e humanos.

A chefe da área de Câncer Ocupacional do Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), Ubirani Otero, explica que a fumaça do diesel já era considerada potencialmente cancerígena. “A mudança traz esse agente para o grupo 1, na mesma categoria do amianto, benzeno, formol e tabaco”, explica.

Os perigos afetam principalmente os trabalhadores expostos à fumaça, como caminhoneiros, mineiros e mecânicos, mas os níveis de poluição também atingem outros cidadãos.

De acordo com o IARC, a preocupação agora é como as cidades vão se adaptar para diminuir a emissão dos gases e, assim, proteger a saúde da população. “A gente espera que esse diesel seja substituído por outro agente que possa cumprir a mesma função, mas que não contamine o ar e afete a saúde das pessoas”, avalia. O órgão também sugere um esforço para diminuir a emissão dos gases.

Fonte:
Ministério da Saúde