Arquivo da tag: campanha

Professores da UFPB irão participar da campanha nacional ‘Fora Bolsonaro’

O presidente do Sindicato dos Professores da Universidade Federal da Paraíba (Adufpb), Fernando Cunha promoveu na ultima semana uma plenária docente para discutir a proposta de calendário extraordinário na UFPB e a participação da categoria na campanha nacional Fora Bolsonaro. A atividade ocorreu por videoconferência – devido às medidas de isolamento social decorrentes da pandemia de covid-19 – e reuniu cerca de 60 professores e professoras.

Na ocasião, a plenária docente concordou com a proposta de o sindicato participar dos atos virtuais e simbólicos (com atividades de rua) que estão sendo organizados no país pelas frentes Brasil Popular e Povo sem Medo dentro da campanha Fora Bolsonaro. Além disso, a entidade também tomará parte no ato nacional a ser realizado no dia 2 de julho pela Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), que também inclui na pauta o Fora Bolsonaro. Além de ações virtuais, a atividade prevê atos simbólicos, como a afixação de cartazes e cruzes simbolizando as vítimas da covid-19.

Indagado como enxerga as medidas do Governo Federal diante dos movimentos sindicais o presidente Fernando Cunha, disse: “No movimento sindical, os tempos com o governo Bolsonaro têm sido muito difícil. Desde a aprovação da reforma trabalhista no governo Michel Temer, um forte ataque aos movimentos sindicais foi iniciado. Bolsonaro, ao assumir, aprovou a reforma da Previdência que, em si já é uma ampliação da retirada de direitos, ampliando o tempo de trabalho… isso teve impacto no movimento sindical. Na medida em que você tem, entre os trabalhadores uma redução de seu ganho salarial eles fazem as opções de onde vão contribuir. A contribuição sindical é voluntária e a sindicalização garante a autonomia política e financeira dos sindicatos. Na reforma trabalhista também entrou o fim do sindicato como mediador dos vínculos de trabalho entre o empregador e o trabalhador. Então qualquer contato estabelecido entre o empregador e o trabalhador passa a ser validado sem a aprovação do sindicato que aumenta o sucateamento dos sindicatos e do próprio trabalhador. O trabalhador é descartável para esse governo, essa é a visão, o trabalhador não é de interesse deles. Toda a narrativa desse governo é de proteger os empresários e aumentar seus privilégios e ele vem fazendo isso”, comentou.

Em relação ao calendário extraordinário da UFPB, o sindicato apresentou proposta de realização de uma plenária unificada dos três segmentos da comunidade universitária já no mês de julho e também de plenárias dos centros para se discutir o ensino remoto e o semestre letivo 2020.1. Na avaliação da ADUFPB, o semestre só deve ser reiniciado se as condições mínimas para o ensino e a aprendizagem forem garantidas pela universidade.

Várias intervenções e análise foram realizadas ao longo do evento. O professor Carlos, por exemplo, avaliou que a UFPB vem conduzindo o processo de aulas remotas de maneira burocrática. A professora Maria de Fátima Rodrigues lembrou que os problemas não se limitam ao ensino, mas atacam também a extensão e a pesquisa. E o professor Antônio Joaquim Feitosa destacou os docentes não podem ser obrigados a utilizar aparelhos pessoais (computadores, celulares) para realizar atividades públicas.

Para o professor Marcelo Sitcovsky, as universidades devem continuar desenvolvendo atividades relacionadas ao enfrentamento da pandemia e seus reflexos nas mais variadas áreas da vida social. “Realizar atividades que envolvem ensino, pesquisa e extensão, colocando toda nossa capacidade a serviço da sociedade. Temos condições de promover ações amplas direcionadas para comunidade interna e externa”, avaliou. Segundo ele é preciso indicar que a UFPB busque com o governo federal acessar o Fundo de Democratização das Comunicações no sentido de adquirir hardware e software para a comunidade acadêmica.

Na avaliação da professora Juliana, a formação universitária não se dá apenas pelo ensino curricular. “A pesquisa e a extensão também formam e ensinam, e muito. A UFPB deveria focar em ampliar o fomento de ações de pesquisa e extensão (que inclui ensino não curricular) da comunidade acadêmica com vistas a apoiar a sociedade no enfrentamento da pandemia de covid-19”.

Para isso, segundo ela, “é necessária uma política de fomento e suspensão de alguns pontos da resolução 52, que amplie a carga horária dedicada a essas atividades. Além disso, temos as atividades de gestão que incluem a necessidade de planejamento coletivo, envolvendo o conjunto de professores, técnicos e estudantes para pensar essas estratégias e planejar um futuro quando for possível o retorno presencial que vai precisar de novas condições de organização física e institucional”.

pbagora

 

Solânea inicia primeira etapa da campanha de vacinação contra Febre Aftosa

De 01 a 30 de junho ocorrerá a 1ª Etapa da Campanha de Vacinação contra Febre Aftosa. Devido à pandemia da Covid-19 foi estabelecido maneiras remotas de realizar a comprovação dessas vacinas, evitando assim que o produtor seja exposto ao se deslocar para realizar a sua comprovação.

A Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal (ULSAV) de Solânea elaborou um banner de divulgação que possui um QR CODE. Através do QR Code, divulgado na imagem abaixo, os produtores tem acesso a um número de WhatsApp o qual pode realizar a comprovação da vacina. A maneira de comprovação via QR CODE é prática, bastando o produtor enviar a Nota Fiscal e o formulário de comprovação da vacina (anexo 13).

Como acessar

Para acessar o QR CODE o produtor basta apontar o celular com a câmera aberta para a imagem de QR CODE, caso não possua aplicativo de leitura no celular pode baixar fazendo a busca no Google “baixar aplicativo de QR CODE”.

 Assessoria de Comunicação

 

Vacinação é prorrogada para público de todas as fases da campanha

Diante de um baixo índice de vacinação de grupos prioritários, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe teve seu prazo ampliado e agora vai até o dia 30 deste mês. Segundo o Ministério da Saúde, dos 77,7 milhões de pessoas consideradas público prioritário, 63,53% receberam a vacina. Com a prorrogação, a expectativa é vacinar mais 28,3 milhões de pessoas.

A campanha teve três fases. Dividida em duas etapas, a terceira e última fase, iniciada em 11 de maio, tinha previsão de vacinar 90% do grupo considerado prioritário até o dia 5 de junho. Como o resultado ainda está aquém do esperado, o governo adotou a estratégia de prorrogar a data final para o dia 30.

Segundo o Ministério da Saúde, até o último fim de semana 25,7% de 36,1 milhões de pessoas estimadas nesta terceira fase foram vacinadas. “Desde o início da ação nacional, em 23 de março, 50 milhões de pessoas foram vacinadas, faltando ainda 28,3 milhões que ainda não receberam a vacina”, informou a pasta.

Nesta segunda etapa, a campanha tem como foco principal os professores de escolas públicas e privadas e adultos de 55 a 59 anos. Já a primeira etapa (da terceira fase da campanha) teve como público-alvo pessoas com deficiência; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes e mães no pós-parto até 45 dias.

Em nota, o secretário substituto de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Eduardo Macário, disse que, além de ser importante para reduzir complicações e óbitos em decorrência da gripe influenza, a prorrogação da campanha é “mais uma oportunidade para que os públicos de todas as fases, que ainda não se vacinaram, possam procurar de forma organizada as unidades de saúde”.

Agência Brasil

 

 

Pandemia pode alterar as regras e influenciar a campanha e o voto do eleitor

A pandemia impactou profundamente a sociedade em todo o mundo, da macroeconomia às relações pessoais. E não será diferente com o processo político. Em meio à crise sanitária, 47 países já tiveram de adiar suas eleições, enquanto treze optaram por mantê-las. O Brasil encontra-se agora próximo desse dilema, tendo em vista o pleito municipal previsto para outubro. Não há ainda uma definição sobre o assunto, mas já existe um consenso entre lideranças políticas e a Justiça Eleitoral sobre o que não deve ser feito: prorrogar os atuais mandatos, ou seja, fazer a votação em 2021 ou, como querem alguns, apenas em 2022, unificando-a com a escolha de presidente, governadores, senadores e deputados. A decisão deve ocorrer até o fim de junho, por uma comissão formada pela Câmara e pelo Senado. Em caso de alteração do cronograma, é preciso ainda que o Congresso aprove uma proposta de emenda constitucional. “Se for necessário, nós nos comprometemos a votar a PEC em uma semana”, diz um dos integrantes da comissão, o senador Weverton Rocha (PDT-MA).

Se houver mudança de datas (algo que parece cada vez mais provável), a alternativa será adiar o pleito para novembro ou dezembro. Assim, os novos prefeitos e vereadores assumiriam em 1º de janeiro de 2021, como está previsto. Recém-empossado presidente do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro Luís Roberto Barroso tem ouvido epidemiologistas para tentar prever a situação da pandemia nas próximas semanas, pois tem urgência em definir alguns trâmites técnicos, como o envio de servidores aos estados para testar as urnas eletrônicas, um passo corriqueiro que será mais difícil na atual situação. Alternativas têm sido levadas ao TSE por especialistas, como a possibilidade de manter a eleição nas datas previstas, mas com as seções em horário estendido para reduzir aglomerações. “Temos condições de fazer em outubro usando criatividade e tecnologia”, afirma Marcelo Weick Pogliese, coordenador-geral da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), que propôs essa e outras mudanças, como a suspensão da biometria para evitar o contato direto entre eleitores e mesários, destaca reportagem da Veja.

O coronavírus terá ainda um peso decisivo na escolha dos eleitores, e as atitudes dos políticos com relação ao problema já estão sob o julgamento da população, em muitos casos, com efeitos positivos para os atuais prefeitos. “Os governantes que vão disputar a reeleição se beneficiam da visibilidade obtida pelo combate à doença”, diz Murilo Hidalgo, do Paraná Pesquisas. Levantamento do instituto mostrou que 42,3% dos entrevistados avaliam como ótima ou boa a atuação dos prefeitos contra a Covid-19. Já 61,8% disseram que aqueles que estão se saindo bem são favoritos à reeleição (veja o quadro). Os atuais gestores vão tentar um novo mandato em catorze das 26 capitais, como Bruno Covas (PSDB), em São Paulo, Marcelo Crivella (Republicanos), no Rio, Alexandre Kalil (PSD), em Belo Horizonte, e Nelson Marchezan (PSDB), em Porto Alegre. De certa forma, a disputa eleitoral já está em curso e a oposição, sem o mesmo espaço no noticiário, vai se movimentando. Em Belo Horizonte, Rodrigo Paiva, do Novo, o mesmo partido do governador Romeu Zema, foi indicado para enfrentar Kalil. Em Porto Alegre, Manuela d’Ávila (PCdoB) fechou uma aliança com o PT como vice para duelar com Marchezan. No Rio, Marcelo Freixo (PSOL) desistiu, mas Eduardo Paes (DEM) e Paulo Marinho (PSDB) já estão com o nome na disputa. Em São Paulo, além de Jilmar Tatto, do PT, o ex-governador Márcio França (PSB) lançou sua candidatura com o apoio do PDT de Ciro Gomes, assim como o PCdoB, com Orlando Silva, e o Republicanos, com Celso Russomanno. Outros partidos, como o PSOL, deverão ter postulantes ao cargo na cidade. Além de enfrentarem prefeitos com grande exposição, eles terão uma dificuldade extra: a pandemia, que deve de alguma forma resistir por alguns meses, vai limitar as campanhas de rua e o corpo a corpo com os eleitores. Será mesmo a eleição mais singular da história recente.

Veja

 

 

Pré-candidata a vereadora solicita à ALPB hospital de campanha e benefícios para Bananeiras

A pré-candidata a vereadora de Bananeiras, Cláudia Cristina de Carvalho (Cristina de Chagas), enviou à deputada Camila Toscano uma solicitação para que possa ser requerido na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) vários benefícios para a cidade. Entre os pedidos, Cristina pediu ajuda no combate à pandemia do novo Coronavírus.

Estão entre as solicitações enviadas à deputada por Cristina, que a UPA do município seja adaptada a um hospital de campanha ou ponto de apoio em ações referentes a Covid-19 e que a cidade seja contemplada com insumos de proteção para profissionais de saúde.

Mas não é apenas com a pandemia que Cristina de Chagas está preocupada. E, pensando em outros setores que contribuem para o crescimento de Bananeiras, ela também solicitou apoio ao esporte do município; casa de apoio para mulheres que sofrem violência doméstica e psicológica, com psicólogo e proteção; e, apoio a crianças autistas (equipe multidisciplinar) especializada permanente, composta por fonoaudiólogos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, entre outros.

 

Redação FN

 

 

Campanha solidária: radialista Jean Gomes precisa de sua ajuda agora

O radialista Jean Gomes, o ‘Ganso’, funcionário da Rádio Guarabira FM, continua sua luta em tratamento de saúde e esta semana voltou a ser internado no Hospital Regional de Guarabira, onde encontra-se numa enfermaria e tendo os devidos cuidados médicos.

Jean estava no Hospital Universitário Lauro Wanderley, em João Pessoa, teve alta médica e retornou para casa. Essa semana teve alteração no quadro clínica e precisou voltar a ser internado, desta feita numa unidade hospitalar de Guarabira.

Nesta sexta-feira (22), o radialista Rafael San, colega de Jean em programa matutino da Guarabira FM, iniciou uma campanha para ajudar no tratamento do comunicador, para fazer face a pagamentos de exames, medicamentos e outras necessidades.

Quem quiser doar qualquer quantia deve depositar no Banco Bradesco
Agência: 2007
Conta Corrente: 8492-1
Jean Gomes de Souza

Ganso sofre de pancreatite. A pancreatite pode começar subitamente e durar dias ou pode ocorrer ao longo de muitos anos. Ela tem várias causas, incluindo cálculos biliares e consumo intenso e crônico de álcool.

Os sintomas incluem dor na parte superior do abdômen, náuseas e vômitos.
Normalmente, o tratamento requer hospitalização. Depois de estabilizarem o paciente, os médicos tratam a causa subjacente.

Jean também trata uma leucemia e precisa tomar dores regulares de insulina, que é um medicamento de preço elevado.

No rádio

Com mais de 20 anos de profissão, Jean Gomes iniciou no rádio como motorista da unidade móvel da Rádio Rural. Com sua desenvoltura, foi convidado pelo empresário João Rafael para fazer um programa na Rádio Cultura e a partir daí não parou mais. Fez programas musicais de grande audiência na Rural, fez jornalismo na Rádio Cultura e depois contratado pela Guarabira FM, divide bancada com Rafael San.

De estilo próprio, ganhou popularidade com matérias na área policial e faz sucesso no rádio. No programa, uma de suas marcas é a solidariedade com as pessoas necessitadas que procuram a emissora precisando de ajuda e fez inúmeras campanhas de arrecadação de donativos e de valores financeiros para ajudar famílias de Guarabira e da região.

 

portal25horas

 

 

Hospital de campanha para pacientes com coronavírus é inaugurado em Campina Grande

Um hospital de campanha para o tratamento exclusivo de pacientes infectados pela Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, foi inaugurado na manhã desta terça-feira (12), em Campina Grande. De acordo com a prefeitura, o hospital conta com 42 leitos de internação e nesta terça-feira, sete deles já contam com respiradores. De acordo com a Secretaria de Saúde, apesar da entrega do hospital, profissionais ainda estão em fase de contratação.

O espaço vai funcionar no complexo do Hospital Municipal Pedro I, na estrutura onde estava sendo construída a central de hemodiálise do município. Todos os 42 leitos do hospital terão pontos de oxigênio, sendo 20 deles reservados para UTI, com respiradores. De acordo com Secretaria Municipal de Saúde, os outros 13 respiradores já foram solicitados.

A estrutura demorou pelo menos 37 dias para ser concluída. Com o novo espaço, o complexo do Hospital Municipal Pedro I, que é referência no tratamento da doença em Campina Grande, passa a ter 138 leitos para o tratamento de pacientes do coronavírus.

Segundo a Secretaria de Saúde, os profissionais que vão atuar no novo hospital estão em fase de contratação, passando pelos trâmites necessários e ainda existem vagas para contratação. O hospital só vai receber pessoas com encaminhamentos de outras unidades de saúde. As pessoas que tiverem sintomas da Covid-19 devem procurar a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Alto Branco.

G1

 

Campanha em Bananeiras incentiva o uso de máscaras para a prevenção da Covid-19

Uma campanha lúdica e criativa tem movimentado as redes sociais na cidade de Bananeiras, no brejo paraibano.

A campanha “Bananeiras de máscara” tem ao fundo pontos turísticos da cidade e pessoas utilizando máscaras de proteção. Essa foi a maneira que Eduardo Guimarães, Secretário de Cultura e Turismo, viu como uma forma de contribuir neste período de pandemia.

As orientações são de que todos que circulem na cidade estejam de máscara, como forma de prevenção, uma vez que é comprovado que o uso do utensílio diminui, consideravelmente, a contaminação entre as pessoas.

Vale destacar o desempenho da Prefeitura Municipal que tem realizado um trabalho constante com a distribuição de máscaras e álcool 70% para higienização nas principais ruas da cidade.

Outra medida a ser implantada nos próximos dias será a instalação de lavatórios nos principais pontos de maior circulação de pessoas.

Todos contra a Covid-19 com prevenção e esclarecimentos para a população.

 

Ascom-PMB

 

 

Campanha emergencial da LBV no enfrentamento a covid-19 em prol de famílias pobres

Saiba como ajudar as famílias afetadas pelo novo coronavírus na Paraíba

A Legião da Boa Vontade (LBV) arrecada doações para famílias afetadas pelo novo coronavírus na Paraíba, para que elas possam enfrentar esse desafio em melhores condições. Para isso, solicita a sociedade a colaborar ainda mais com o seu trabalho.

Com a Solidariedade e a União de todos podemos ajudar mais pessoas para que se previnam desse vírus e tenham condições de o enfrentarem com força e saúde.

Serviço:

Campanha SOS Calamidades da LBV

O que doar:

Cestas de alimentos não perecíveis;

arroz, feijão, óleo de soja, açúcar, macarrão, farinha de mandioca, fubá, extrato de tomate e sal;

Itens do kit de limpeza:

sabão, água sanitária, desinfetante, detergente, álcool 70 e limpador multiuso.

Em João Pessoa/PB, as doações poderão ser entregues diretamente no Centro Comunitário de Assistência Social da LBV, localizado à Rua das trincheiras, 703 – Bairro de Jaguaribe – Telefone: (83) 3198.1500.

Já em Campina Grande/PB, a unidade socioassistencial, está situada à Rua Bráulio Araújo de Gusmão, 402 – Bairro Distrito Industrial – Telefone: (83) 3341.1426.

A entidade também oferece em buscar as doações. Mais Informações no site www.lbv.org e faça a sua doação.

Assessoria LBV

 

 

Segunda fase da campanha de vacinação contra gripe começa quinta-feira

Começa na próxima quinta-feira (16) a segunda fase da Campanha de Vacinação Contra a Gripe. Depois dos idosos e profissionais de saúde, agora será a vez de serem imunizados os profissionais das forças de segurança e salvamento, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e portuários.

Para tanto, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) deu início nesta segunda-feira (13) à distribuição do primeiro lote de vacinas para esta segunda fase. “Até o momento, 108 mil doses já foram repassadas para as Gerências Regionais de Saúde para esta segunda fase da Campanha. Cada município deverá ter estratégias para que os grupos prioritários tenham acesso à vacinação e evitar aglomeração”, informou a chefe do Núcleo de Imunização da SES, Isiane Queiroga.

Na terceira fase da Campanha, prevista para começar no dia 9 de maio, serão vacinados professores, crianças de seis meses a menores de seis anos, grávidas, mães no pós-parto, população indígena, pessoas acima de 55 anos e pessoas com deficiência.

A meta da vacinação contra a gripe é imunizar, pelo menos, 90% de cada um desses grupos, até o dia 22 de maio. O dia “D” de mobilização nacional para a vacinação acontece no sábado, dia 9 de maio.

Dados – Na primeira fase da Campanha de Vacinação contra a Gripe a Paraíba vacinou 483.329 pessoas. Até então, o Estado atingiu 88,70% dos idosos e 83,19% dos trabalhadores de saúde.

Vacinação antecipada – Neste ano, o Ministério da Saúde antecipou o início da campanha contra a gripe, de abril para março, para proteger os públicos prioritários. Esta vacina não tem eficácia contra o coronavírus, porém, neste momento, auxilia os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico da gripe, já que os sintomas são parecidos, para chegar mais rapidamente à conclusão do diagnóstico de coronavírus. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde.

 

pbagora