Arquivo da tag: cabo

Cabo da PM é confundido por policias à paisana e morto a tiros em Tacima, na PB

Um policial militar de 36 anos morreu após uma troca de tiros com outros PMs na tarde desta terça-feira (29), no município de Tacima, no Agreste da Paraíba. Segundo informações do delegado seccional de Solânea e responsável pelo caso, Diógenes Fernandes, Edmo Tavares teria confundido policiais que estavam à paisana com bandidos e atirado contra eles.

Ainda de acordo com o delegado, a vítima vendia cestas básicas durante a folga, no distrito de Cachoerinha. No mesmo local, outros três policiais militares do Rio Grande do Norte estavam à paisana, enquanto realizavam uma operação para capturar foragidos.

Quando desceu do carro em que estava, Edmo viu que os policiais estavam armados e os confundiu com bandidos. Ele atirou contra os PMs, que revidaram com vários tiros.

O delegado informou também que a Polícia Militar do Rio Grande do Norte não comunicou a PM da Paraíba sobre a operação.

Ele pediu que os policiais voltem à Paraíba para esclarecerem o que aconteceu.

A assessoria da Polícia Militar da Paraíba informou ao G1 que Edmo era policial há 10 anos e trabalhava no batalhão de Picuí.

G1

 

Cabo da PM e grávida são mortos durante confronto com criminosos na PB

Foto: Reprodução/WhatsApp)
Foto: Reprodução/WhatsApp)

Um policial militar foi baleado e morreu na noite deste sábado (13) em um bar no distrito de Várzea Nova, em Santa Rita, Região Metropolitana de João Pessoa. O militar, identificado como Laurentino, foi alvejado durante um confronto com criminosos que tinham o objetivo de matar uma mulher que trabalhava no estabelecimento comercial.

De acordo com informações da Polícia Militar, o cabo estava no bar quando dois homens em um carro chegaram para matar a mulher. Ao ouvir o disparo, o cabo tentou intervir, mas acabou sendo atingido por dois tiros na região da cabeça.

Ele morreu na hora e a mulher foi socorrida rapidamente pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, mas também não resistiu. Ela estava grávida de sete meses, segundo a PM.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

Até às 9h deste domingo (14) a polícia não havia localizado nenhum suspeito. O crime será investigado.

Tenente da PM foi morreu após ser baleado durante operação na capital
Tenente da PM foi morreu após ser baleado durante operação na capital

Segundo caso em dez dias
Está é a segunda morte de policial em menos de dez dias na Paraíba. Na última quinta-feira (4), um tenente da Polícia Militar, de 33 anos, morreu após ser baleado nas costas no início da noite em Mangabeira, na Zona Sul de João Pessoa. O militar foi baleado nas costas e não resistiu.

De acordo com o coronel Senna, comandante do 5º Batalhão de Polícia Militar, o tenente vítima dos disparos de arma de fogo, estava em uma averiguação em um conjunto habitacional, no Bairro de Mangabeira VIII. O alvo das investigações seria um rapaz, filho de outro policial militar, que estava sendo investigado por porte ilegal de armas.

Delegado diz que “ordem é matar quem atirar em um policial”
Em entrevista a um programa de rádio, o delegado Walber Virgulino, da Seccional de Guarabira, disse que a polícia não pode ser refém da bandidagem. “É preciso impor a Lei e não se pode perder para os criminosos”, afirmou, acrescentando que sua ordem é para matar qualquer criminoso que queira enfrentar a polícia. “A ordem é para matar qualquer um que atire em um policial. Vamos reagir.” O delegado ressaltou ainda que “bandido tem que ter medo de polícia. Estou procurando um bandido pra me desafiar.”

 

 

manchetepb

Cabo e soldado do Exército são presos após praticar assaltos na Zona Oeste da Capital

Material apreendido pela Polícia Militar
Material apreendido pela Polícia Militar

Um soldado e um cabo do Exército foram presos na noite dessa terça-feira (3) suspeitos de praticar assaltos no bairro de Cruz das Armas, Zona Oeste de João Pessoa. Um operário de 34 anos também foi preso por integrar o grupo. Com o trio, foram apreendidas duas armas de fogo, uma touca ninja, celulares roubados, cocaína e maconha.

De acordo com a Polícia Militar, a prisão aconteceu após uma estudante relatar à guarnição que realizava rondas no local que havia sido assaltada por três homens. Ela informou que eles estavam em um carro e descreveu o veículo para os policiais.

Os suspeitos foram encontrados próximo ao quartel do 15º Batalhão de Infantaria Motorizado. Segundo o aspirante Isaque Sabino, que comandou a prisão, dois suspeitos se identificaram como sendo integrantes do Exército no momento da abordagem policial. “Revistamos os suspeitos e o carro e encontramos armas, drogas e celulares roubados”, informou. Os três homens foram reconhecidos pela vítima.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

O Exército Brasileiro foi informado sobre o ato praticado por dois de seus membros e os suspeitos foram levados para a 12ª Delegacia Distrital, em Manaíra.

 

Portal Correio

Mãe suspeita de agredir filha com cabo de vassoura pode ser presa, no Sertão da Paraíba

Município de Sousa
Município de Sousa

A Polícia Civil da Paraíba, por meio de um trabalho realizado pela 19ª Delegacia Seccional, com sede em Sousa, no Sertão paraibano, vai pedir a prisão preventiva da dona de casa Samara Menezes de Gomes, 31, acusada de agredir a própria filha, de 11 anos, com golpes de cabo de vassoura. O fato aconteceu na manhã dessa quinta-feira (15), na residência da criança, no bairro Rachel Gadelha. Após as agressões, a garota foi para a escola, onde a direção acionou o Conselho Tutelar para acompanhar o caso, juntamente com a polícia.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook
De acordo com o delegado Sylvio Rabelo, titular da Seccional, imediatamente a Polícia Civil localizou a mãe da menina e a interrogou. A prisão preventiva de Samara Menezes já foi solicitada à Justiça local, por lesão corporal grave, maus tratos e violência doméstica. “Ela alegou que bateu na criança por ela se recusar a estudar e ser muito trabalhosa. Já a garota explicou que apanhou porque não lavou os pratos. Ela está com lesões nos dois antebraços, braços, escápula esquerda e região lombar e deve permanecer com gesso por 25 dias”, explicou, acrescentando que a vítima foi encaminhada para acompanhamento psicológico.

A Polícia Civil continua as investigações referentes ao caso, para apurar se houve apenas as agressões que resultaram na denúncia ou a violência acontecia com frequência por parte de Samara Menezes. “Nesse caso, a genitora da menina poderá responder pelo crime de tortura”, frisou a policial.

O nome da dona de casa foi divulgado pela Secretaria de Comunicação do Estado.

PORTAL CORREIO

Taça da Copa estará na Estação Cabo Branco para visitação do público neste domingo em JP

taçaEnquanto não começam os jogos da Copa do Mundo Fifa 2014, que este ano será realizada no Brasil, os pessoenses poderão ficar bem perto da Taça oficial da competição. É que neste domingo (11), durante todo o dia, a Taça da Copa poderá ser visitada na Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, no Altiplano. A iniciativa faz parte da campanha da Coca-Cola e é chamada de “Tour da Taça”.

“É um momento especial onde todos podem ver de perto a taça, tirar fotos, entrar no clima da Copa do Mundo e torcer pelo Brasil. Além disso, temos na exposição muitas outras informações sobre as Copas já realizadas em outros países, inclusive com bolas utilizadas nas edições anteriores, mostrando a evolução delas”, comentou Sérgio Meira, Secretário da Juventude, Esportes e Recreação (Sejer).

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Para ter acesso ao local onde à Taça ficará exposta, o visitante terá que adquirir dois produtos da Coca-Cola que estarão sendo vendidos em João Pessoa em 109 pontos de vendas. Em seguida, o interessado deve acessar o endereço eletrônico www.cocacola.com.br e cadastrar o número que vem na tampa da embalagem.

Ainda na página da empresa, a pessoa faz o agendamento do seu horário de visita e imprimir o bilhete que dá acesso ao local. A lista com os pontos de venda dos produtos está disponibilizada também no site.

Tour – Até o momento, a Taça já percorreu 12 capitais brasileiras. Serão 41 dias percorrendo 27 cidades, fazendo um percurso de 150 mil quilômetros. Depois de João Pessoa, a Taça segue para o Maranhão.

A Estação Cabo Branco está apenas cedendo o local para o evento. Toda divulgação e controle do acesso a Taça está sendo realizado pela empresa Coca-Cola, que firmou parceria com a FIFA. No dia da visita terá um profissional, credenciado da empresa, tirando fotos das pessoas junto a Taça.

 

Serviço:

“Tour da Taça”

Local: Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes – Altiplano

Assessoria

Solidariedade faz Natal de catador de latas ser inesquecível em Cabo Frio

solidariedadeO Natal de 2013 vai ser inesquecível para o catador de latinhas Marinô Pascoal de Melo, de 45 anos, morador de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio. Há quatro meses vivendo a incerteza de quem perdeu todas as economias, ele agora pode voltar a sorrir. Após todo o dinheiro que tinha guardado em uma mochila no quarto ser furtado pelas próprias sobrinhas, de 13 e 14 anos, acompanhadas de uma amiga de 14 anos e da mãe da amiga, Marinô viu uma grande mobilização se formar em torno de seu sofrimento. O resultado desta rede de solidariedade foi uma surpresa para ele e a mãe, Neide Pascoal de Melo, de 76 anos. Ao conferirem o extrato do banco na sexta-feira (20), eles tiveram a boa notícia: agora Marinô tem quase R$ 43 mil em sua conta no banco.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

“Nem sei o que dizer. Quero apenas agradecer a tantas pessoas que me ajudaram”, disse ele, ao lado da mãe, ao ver o saldo da conta.

Extrato Marinô (Foto: Tomás Baggio/G1)Extrato da conta mostra os depósitos da campanha e
o saldo atual (Foto: Tomás Baggio/G1)

A história do homem simples que juntou
R$ 28 mil em casa e teve o dinheiro furtado comoveu moradores de Cabo Frio e internautas de todo o país. Marinô tinha o sonho de comprar um imóvel para alugar e viver com a renda. Ele é deficiente físico, mora com a mãe e economizou quase tudo o que ganhava como catador de latinhas e guardador de carros ao longo de dez anos. O dinheiro ficava em uma mochila guardada no armário do quarto, mas ao procurá-lo para pagar a quitinete de R$ 25 mil que decidiu comprar, Marinô deu conta do sumiço do dinheiro.

A campanha na web tinha o objetivo de devolver toda a quantia e fazer com que ele pudesse adquirir o imóvel desejado. A organizadora da campanha, Fabiana Andrade, chegou a viajar 580 Km de Baependi, em Minas Gerais, até Cabo Frio para conhecer Marinô e a família. O saldo desejado foi preenchido por meio de financiamento coletivo em aproximadamente dois meses. Mas, segundo Fabiana, problemas na documentação de Marinô atrasaram a entrega do dinheiro.

Fabiana (esquerda) viajou 580 quilômetros para conhecer Dona Neide e Marinô (Foto: Tomás Baggio/G1)Fabiana Andrade (esquerda) viajou 580 Km para
conhecer Marinô (Foto: Tomás Baggio/G1)

“O financiamento foi feito por meio de um site que transfere automaticamente o dinheiro para a conta indicada. Como eu criei a campanha, tive que fazer um termo de transferência de propriedade para o dinheiro ser depositado na conta do Marinô. Mas para esse termo ter validade, o site precisava das informações de todos os documentos do Marinô, e isso demorou a chegar. Assim que as informações foram repassadas, o site iniciou a operação de transferência, que tem prazo de 15 dias úteis para ser concluída. Fico feliz que ele possa ter recebido o dinheiro antes do Natal”, disse ela por telefone.

Doações e promessas não cumpridas
Dois depósitos foram feitos pela campanha: um de R$ 4.999,99 e outro de R$ 22.494,19, que entrou após a confirmação do primeiro. O total desta campanha é de R$ 27.494,58, já descontadas as taxas de operação bancária. Entretanto, além do financiamento coletivo, Marinô também recebeu doações diretas na conta dele, cujo número foi divulgado na imprensa local. De acordo com a mãe de Marinô, as doações diretas na conta chegaram a cerca de R$ 13 mil. Além disso, a venda de parte do material comprado com o dinheiro do furto, como móveis e equipamentos eletrônicos, que foram entregues a Marinô após a descoberta da autoria, também rendeu mais um trocado. O resultado é um saldo de R$ 42.994,18 na poupança dele.

Nos levaram até um terreno no Jardim Esperança para uma reportagem na televisão e disseram que o terreno era meu. Um homem foi lá, disse que era empresário e que eu era um guerreiro. Ele prometeu me doar o terreno para recomeçar o meu sonho ali mas, depois que a reportagem foi ao ar, ele nunca mais voltou e nem a equipe de reportagem da televisão”
Marinô Pascoal de Melo

Mas, apesar da felicidade pelo sucesso da campanha, Marinô e dona Neide também ficaram ressentidos com a forma que a história deles foi tratada. Eles reclamam de compromissos não cumpridos, e garantem que um terreno prometido nunca foi realmente doado. “Nos levaram até um terreno no Jardim Esperança (bairro de Cabo Frio) para uma reportagem na televisão e disseram que o terreno era meu. Um homem foi lá, disse que era empresário e que eu era um guerreiro. Ele prometeu me doar o terreno para recomeçar o meu sonho ali mas, depois que a reportagem foi ao ar, ele nunca mais voltou e nem a equipe de reportagem da televisão”, conta o cabofriense. “Isso não foi certo”, emenda a mãe dele.

Decepção dentro da própria família
Foram muitas surpresas na vida de Marinô nos últimos meses. O furto do dinheiro de dentro da mochila que ficava no armário do quarto deu início a uma série de acontecimentos que envolveram toda a família. Na semana seguinte à descoberta do furto, os investigadores da 126ª DP (Cabo Frio) chegaram até as sobrinhas de Marinô. Em depoimento, elas confessaram o furto e deram detalhes. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Luiz Cláudio Cruz, o dinheiro foi furtado aos poucos.

“Esta versão foi confirmada após os depoimentos prestados na delegacia. As duas sobrinhas descobriram que ele tinha o dinheiro e começaram a furtá-lo aos poucos. Elas envolveram uma amiga e, posteriormente, a mãe desta amiga descobriu o que estava acontecendo ao ver as coisas que a filha estava comprando. Só que a mãe incentivou o crime e as meninas continuaram furtando até a vítima descobrir, um mês depois”, explicou o delegado.

Só temos a agradecer de todo o coração às pessoas que nos ajudaram desta forma. Gente que fez isso por nós mesmo sem nos conhecer. Desejo que Jesus possa abençoar a todos. E que tenham um Natal com a mesma felicidade que nós vamos ter”
Neide Pascoal de Melo, mãe de Marinô

Segundo ele, o dinheiro foi usado para comprar roupas, produtos domésticos e de informática, além de bancar passeios e jantares. As menores foram autuadas por furto, enquanto a mulher identificada como Marcely, mãe de uma delas, responde por corrupção de menores. Os processos estão em andamento e todos os envolvidos respondem em liberdade.

“Estamos muito decepcionados, é claro. Jamais poderíamos imaginar isso”, disse, na época, a irmã de Marinô e mãe das outras duas meninas que participaram do furto, Ednéia Pascoal de Melo.

Marinô Pascoal de Melo mostra o armário e a mochila que guardavam o dinheiro roubado (Foto: Tomás Baggio/G1)Marinô mostra o armário e a mochila onde guardava o dinheiro roubado (Foto: Tomás Baggio/G1)

Arrecadação por financiamento coletivo
O sucesso da campanha foi motivo de comemoração também para os diretores do site em que a campanha foi hospedada. Para eles, o resultado é mais um indício da consolidação deste tipo de financiamento.

“Esta campanha fugiu um pouco do que estamos acostumados a fazer pelo valor expressivo do financiamento. Isso mostra o crescimento e a consolidação desta atividade. Cada vez mais o financiamento coletivo estará presente no dia-a-dia das pessoas”, afirma Fabrício Milesi, co-fundador do Vakinha.

Marinô e dona Neide conferem o saldo da conta no banco (Foto: Tomás Baggio/G1)Marinô e dona Neide conferem o saldo da conta no
banco (Foto: Tomás Baggio/G1)

Promessa de não repetir o descuido
Humilde, com pouca instrução e dificuldade para lidar com equipamentos eletrônicos, Marinô Pascoal de Melo afirma que juntava o dinheiro no quarto por não saber realizar operações bancárias. Mas o susto pela perda do dinheiro, seguido da surpresa por ver o dobro do valor ser recuperado, foi uma lição para ele.

“O dinheirinho do meu trabalho agora vai para o banco”, diz ele, que pretende contar com a ajuda de familiares para fazer a movimentação financeira.

Apesar da quitinete que ele queria antes do dinheiro ser furtado não estar mais disponível, Marinô não desiste do sonho e faz planos. Como tem mais dinheiro agora do que tinha antes, ele cogita comprar um terreno e construir o imóvel aos poucos. Já a mãe dele, que não acreditava que o dinheiro pudesse ser recuperado, agora é só alegria. Para ela, o resultado da campanha solidária “é um milagre”.

“Só temos a agradecer de todo o coração às pessoas que nos ajudaram desta forma. Gente que fez isso por nós mesmo sem nos conhecer. Desejo que Jesus possa abençoar a todos. E que tenham um Natal com a mesma felicidade que nós vamos ter”, disse dona Neide.

G1

Usuário de celular, net e TV a cabo pode suspender plano por até 120 dias sem pagar

Cliente deve ser atendido pela operadora em até um minuto (Foto: CC PH Zioli/ Flicker)

Suspensão gratuita da linha do telefone por até 120 dias, proibição de envio de mensagens publicitárias, tempo de espera para atendimento de no máximo um minuto e ressarcimento em dobro por cobranças indevidas. Pode ser que nem todo mundo saiba, mas esses são alguns dos direitos dos usuários de serviços de telefonia fixa, móvel, internet banda larga e TV a cabo, que foram divulgados no último dia 28 em cartilha da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

O documento, chamado “Principais Direitos dos Usuários e Obrigações das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações”, é focado nos quatro maiores serviços de atendimento ao público: Serviço Móvel Pessoal, Serviço de Comunicação Multimídia (banda larga), TV por assinatura e Serviço Telefônico Fixo Comutado – que juntos somam mais de 338,5 milhões de acessos, de acordo com a Anatel.

Para os quatro serviços valem algumas regras úteis, porém até então desconhecidas: o usuário pode, por exemplo, pedir a suspensão gratuita do serviço por um período de 30 a 120 dias, uma vez por ano, durante o qual o valor da assinatura não é cobrado. Assim é possível economizar em uma viagem. Qualquer reparo no serviço deve ser realizado em até 48 horas após o pedido do usuário.

Ao ligar para a central de atendimento, o usuário deve ter a opção de falar com um atendente em todos os menus eletrônicos e, em nenhum caso, deve esperar mais de 60 segundos para ser atendido. Além disso, todos os valores pagos em cobranças indevidas devem ser devolvidos em dobro para o cliente, “acrescidos dos mesmos encargos aplicados pela prestadora aos valores pagos em atraso”, de acordo com o texto.

Os serviços de telefonia e TV a cabo são campeões de reclamação na Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de São Paulo, ao lado de bancos e financeiras, de acordo com a diretora de atendimento do órgão, Selma do Amaral. “Há um problema sério de desinformação. O consumidor tem uma série de direitos que precisa conhecer para que eles se efetivem.”

Para Selma, no entanto, não basta instruir os clientes. “É preciso que quem os atenda também saiba dos diretos que possuem. Muitas vezes, o setor jurídico da empresa conhece esses direitos, mas quem fala com o cliente não sabe que o que ele esta exigindo é legítimo”, avalia. “Recebemos aqui muitas reclamações de pessoas que tentam cancelar um serviço e não conseguem. Isso seria o básico para a empresa.”

Caso a caso

Os usuários de telefonia celular devem ficar atentos: as operadoras são proibidas de enviar mensagens publicitárias sem prévio consentimento, e essas podem ser canceladas a qualquer momento. Em contas pré-pagas, os créditos vencidos devem ser “renovados a cada nova recarga”. As mensagens devem ser entregues em um minuto ou reenviadas por 24 horas até serem recebidas. Se não forem não podem ser cobradas.

Para os serviços de TV a cabo, a publicação alerta, por exemplo, que quando se solicita um ponto extra, a prestadora só pode cobrar pela instalação, pelo aparelho e por possíveis reparos, sendo que o serviço contratado deve ser oferecido em todos os pontos. Ela não pode demorar mais do que 48 horas para fazer a instalação do equipamento ou reparos.

Para os usuários de banda larga, caso o serviço seja suspenso por mais de 30 minutos a operadora tem a obrigação de abater o valor proporcional da conta do cliente. “Em caso de interrupção para manutenção da rede, a prestadora deve comunicar o fato aos usuários atingidos com antecedência mínima de uma semana, além de efetuar o desconto na fatura por dia de indisponibilidade”, diz o texto.

Quem usa telefone fixo tem direito a portabilidade em até cinco dias úteis, e os prestadores de serviço são proibidos de criar qualquer tipo de fidelidade do cliente a um plano. Em caso de interrupção dos serviços, o usuário tem o direito de receber crédito proporcional ao tempo que ficou sem a linha telefônica.

redebrasilatual

Cabo da PM mata homem em bebedeira e só é preso após denúncia de promotor

Foto: Belarmino Notícia

O policial militar Francisco Braz do Nascimento, conhecido ‘Cabo Braz’, foi preso nesta quinta-feira (6), por força de um mandado de prisão expedido pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Esperança, Jailson Suassuna. De acordo com o promotor Otacílio Costa, que requereu a prisão, o policial matou um homem com tiros a queima roupa no dia 1º de dezembro deste ano, na cidade de Esperança, Agreste paraibano.

Ainda de acordo com o promotor, o cabo estava bebendo em um bar da cidade quando João Batista da Costa, 35 anos de idade, chegou no estabelecimento apertou a mão do policial e ofereceu uma bebida.

 “O policial não gostou da atitude de João Batista e jogou a bebida no rosto dele. Assustado, o homem correu e o cabo Braz efetuou disparos nas costas do homem que morreu na hora”, disse Otacílio Costa.

O major Afonso Galvão, comandante do 9º BPM, revelou que o acusado foi preso em casa. “Recebi o mandado e fui cumprir. O acusado foi preso em casa, após passar a noite trabalhando. Ele não quis comentar sobre o caso, mas adiantou que já contratou um advogado e só vai se pronunciar na Justiça”.

Segundo o promotor, a morte de João Batista foi por motivo torpe e deverá responder por homicídio duplamente qualificado. Ele foi preso pelo policiamento da cidade de Cuité, na mesma região, e será transferido para o 2º BPM, em Campina Grande, onde ficará a disposição da Justiça.

Hyldo Pereira

Cabo da PM é baleado durante troca de tiros com assaltantes em Cabedelo

Foto: Emerson Machado

Um cabo da Polícia Militar da Paraíba foi baleado durante troca de tiros com assaltantes, no município de Cabedelo, na região metropolitana de João Pessoa. O crime ocorreu na noite dessa quinta-feira (18).

De acordo com o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), guarnições da PM foram acionadas para coibir um assalto ao Posto Costinha, localizado no bairro Camboinha II, quando os policiais interceptaram a dupla na saída do estabelecimento comercial. Os criminosos estavam em uma moto fan preta armados.

Houve perseguição, troca de tiros e o cabo Weldson Oliveira, lotado na 3ª CIA de Cabedelo, foi atingindo por um disparo de arma de fogo. O tiro atingiu a perna esquerda.

Durante o tiroteio, um dos assaltantes identificado como sendo o ex-presidiário Leonardo Monteiro da Silva, 26 anos, foi baleado. Ele foi encaminhado para o Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa. O acusado foi medicado e liberado.

O outro criminoso conseguiu fugir. Os policiais conseguiram recuperar R$ 1.167 em espécie e três celulares, além de documentos pessoais dos funcionários do posto. Leonardo Monteiro saiu do Presídio do Roger, na Capital, recentemente onde cumpriu pena por assalto. Ele é morador do bairro Jardim Manguinhos, em Cabedelo. O caso foi registrado no Distrito Integrado de Segurança Pública (Disp), no bairro de Manaíra, em João Pessoa.

portalcorreio

Mulher entra em luta corporal contra 3 policiais, derruba sargento e quebra os óculos de um cabo


Duas mulheres, uma de 30 e outra de 35 anos, ambas de Itaporanga, deram trabalho à Polícia Militar na madrugada da quarta-feira, 19. Elas bebiam em um bar nas proximidades do terminal rodoviário da cidade e estavam com o som do carro em uma altura não compatível para o horário, o que motivou moradores das proximidades a acionarem a polícia.

Uma guarnição da Polícia Militar foi até o local sem imaginar o trabalho que teria: contrariada, uma das mulheres, a dona do carro, baixou o som do veículo, mas passou a agredir verbalmente os policiais, conforme o boletim da PM. Ao receber voz de prisão do sargento comandante da guarnição por desacato, a acusada resistiu, entrou em luta corporal contra os três policias e chegou a derrubar um deles no chão e agredi-lo com chutes e pontapés.

O sargento ainda teve um relógio danificado, e um cabo saiu com seus óculos quebrados e ainda sofreu ameaça. Até a viatura policial ficou danificada. Depois de muita luta, a acusada foi contida. Receosos de machucá-la, os policiais disseram que preferiram não utilizar a força física, e, assim, conseguiram controlar a situação.

A mulher que estava na companhia da dona do carro não entrou na peleja física, mas agrediu moralmente os policiais e também terminou detida. As duas foram encaminhadas à delegacia de Itaporanga junto com o veículo, onde os PMs encontraram um litro de uísque.

No Relatório de Ocorrência Policial Militar , o comandante da guarnição registrou os crimes de desacato, desobediência, resistência, ameaça e som abusivo pelos quais elas vão responder em liberdade.

Folha do Vali