Arquivo da tag: bebê

Guarabira: mulher com carrinho de bebê é atacada por bandido e tem celular roubado

Na noite deste domingo (17), um marginal armado com um punhal atacou uma mulher em frente ao Colégio Geo Santo Antônio, em Guarabira. A vítima estava empurrando um carrinho de bebê e em companhia de outras crianças, mas mesmo assim foi atacada e teve o celular roubado.

Imagens de monitoramento flagraram momento do ataque. Assustada com o assaltante, a mulher soltou o carrinho, caiu e teve o celular tomado. O carrinho foi alcançado por uma das crianças e por sorte não desceu ladeira abaixo.

A Polícia Militar foi acionada, agiu rápido e conseguiu prender o indivíduo em flagrante.

 Assista ao vídeo:

Leia o relatório da PM

A Polícia Militar efetuava rondas quando recebeu uma denúncia que um indivíduo armado com um punhal acabara de roubar o celular da vítima.

De imediato a guarnição foi ao local e mediante informações repassadas pela vítima foram realizadas diligências vindo a lograr êxito na localização do acusado.

Após abordagem foi encontrado em seu poder um punhal. A guarnição da Força Tática comandada pelo Cabo Evangelista conduziu o acusado à Delegacia de Polícia Civil para o auto de lavratura em flagrante delito.

 

portal25horas

 

 

Homem é preso suspeito de esfaquear companheira e filho bebê

Um homem foi preso no início da madrugada deste domingo (17), em João Pessoa, suspeito de esfaquear a companheira e um filho deles, um bebê de um ano e cinco meses de idade, na noite desse sábado (16), no bairro de Cruz das Armas, na Zona Oeste da Capital.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar, a corporação recebeu um chamado por volta das 23h30 informando que uma mulher de 30 anos tinha sido ferida a faca.

“Chegando ao local, ela estava com dois ferimentos na cabeça e braço. A vítima contou que o autor foi o companheiro dela, que fugiu do local levando o filho. Quando atendia a ocorrência, a PM foi informada que na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro tinha acabado de chegar um homem em uma moto, com uma criança com corte no braço. Chegando lá, tratava-se do acusado, que foi preso e apresentado na Delegacia da Mulher”, relatou a assessoria.

As circunstâncias que levaram às agressões não foram informadas pela polícia.

A mulher e a criança foram socorridas para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena. O estado de saúde das vítimas não foi divulgado até o fechamento desta matéria.

 

portalcorreio

 

 

Acidente entre dois carros deixa bebê morto e outros 4 feridos

Um bebê com 9 meses de vida morreu e outras quatro pessoas ficaram feridas em um acidente entre dois carros, na PB-041, entre os municípios de Sapé e Capim, na região da Mata Paraibana. Segundo a Polícia Civil, um dos carros estava com excesso de passageiros.

O acidente ocorreu em uma reta na noite deste domingo (30), por volta das 18h30. De acordo com a Polícia Civil, em Sapé, a suspeita é de que um veículo modelo Parati tenha invadido a pista contrária e batido de frente com outro carro modelo Zarifa, porém isso só vai ser confirmado após ser divulgado o resultado de uma perícia.

A Polícia Civil destacou que o carro Parati tem capacidade máxima para cinco pessoas, mas transportava sete. Já o carro Zarifa também estava com sete pessoas, mas tem capacidade para isso. O motorista da Zafira se apresentou na delegacia, prestou depoimento e foi liberado.

Já o motorista da Parati, também ficou ferido e foi socorrido. Ele ainda não foi ouvido. Segundo a Polícia Civil, o inquérito vai ser encaminhado para a justiça, que vai julgar a culpa de cada motorista no acidente. Os quatro feridos foram encaminhados para hospitais de João Pessoas.

G1

Ginecologista ressalta os cuidados e a importância da amamentação para a mãe e o bebê

No Brasil, só 41% das crianças são amamentadas exclusivamente com leite materno até os seis meses, como a OMS recomenda.

 

O aleitamento materno exclusivo é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) até os 6 meses de vida do bebê, sendo continuado após esse período por até 2 anos ou mais, com a adição de suplementos alimentares. No Brasil, só 41% das crianças são amamentadas exclusivamente com leite materno até os seis meses, como a OMS recomenda.

“A amamentação é um processo importantíssimo para o bebê. Além de fortalecer os laços entre a criança e a mãe, o leite materno tem um papel fundamental para o desenvolvimento do sistema imunológico do recém-nascido, já que o protege contra doenças e alergias”, reforça a ginecologista e obstetra Dra. Erica Mantelli.

Um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) confirmou que a alimentação exclusiva com leite materno no começo da vida faz mesmo muita diferença no desenvolvimento do organismo do bebê.

Algumas mães são mais sensíveis ao ato de amamentar, e podem sofrer no início por conta da mama inchada, das fissuras e do ingurgitamento mamário. É pelo leite materno que o bebê recebe fontes de nutrição, proteção, estimulação e conveniência nos primeiros meses de vida.

De acordo com a medica, é preciso ter alguns cuidados durante a gestação para que no pós-parto essa fase seja menos conturbada. “É importante que a mulher utilize loção hidratante apenas nas mamas, evitando a aréola e os mamilos. O sutiã tem que se adequar ao novo tamanho e peso, para evitar que a mamãe sinta dor nos ombros, nas mamas e evitar o aparecimento de estrias. O indicado é usar sutiã com boa sustentação, alças mais largas e fácil de ser aberto”, ressalta.

Para que as aréolas fiquem mais resistentes e menos propensas à rachaduras e machucados, é indicado que a gestante tome sol por cerca de 15 minutos (antes das 10h ou depois das 16h) ou um banho de luz, que pode ser feito com uma lâmpada de 40 watts com distância de 15 cm da pele.

O processo de aleitamento pode ser bastante difícil inicialmente, porém, com o passar dos dias, as dores tendem a melhorar. “Nos casos em que a mãe sentir desconforto e dor na hora da mamada é importante que ela seja avaliada para corrigir a posição e a pega, além de receber orientações para evitar o surgimento de machucados que possam predispor às infecções como, por exemplo, a mastite. É preciso conversar sempre com o médico responsável e procurar ajuda especializada em caso de dúvidas ou dificuldades”, completa Erica Mantelli.

Dra. Erica Mantelli

Graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro, com título de especialista em Ginecologia e Obstetrícia, Dra. Erica Mantelli tem pós-graduação em Medicina Legal e Perícias Médicas e Sexologia/Sexualidade Humana pela Universidade de São Paulo (USP). É formada também em Programação Neurolinguística, por Mateusz Grzesiak (Elsever Institute).

Assessoria especial para o FN

Bebê é encontrado morto dentro de sacola plástica em rodovia da PB

Reprodução
Imagem ilustrativa

Um bebê foi encontrado morto, enrolado em uma sacola plástica, às margens da BR-104, entre os municípios de São Sebastião de Lagoa de Roça e Esperança, no Agreste da Paraíba, na manhã desta quinta-feira (15).

Moradores que esperavam ônibus às 7h, foram os primeiros a perceber que se tratava de um bebê abandonado. Logo em seguida, chamaram a polícia.

Os peritos perceberam que se tratava de um bebê do sexo masculino, cabelo preto e com o corpo já formado. A perícia informou que o próximo passo é investigar como o bebê foi morto, já que ele não foi abandonado vivo.

A polícia constatou um ferimento grave na cabeça da criança e deu andamento a duas hipóteses sobre o caso. A primeira é a de que o bebê tenha morrido asfixiado com o saco plástico. A segunda é que ele teria sido arremessado para fora de um carro.

O inquérito será instaurado pela Delegada de Plantão de Esperança e será encaminhado para a Delegacia de São Sebastião de Lagoa de Roça, que vai investigar os suspeitos.

Clickpb

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Bebê é encontrado morto dentro de saco em lixão de Pirpirituba

O corpo de um bebê foi encontrado dentro de um saco plástico por catadores que trabalhavam no lixão do município de Pirpirituba, no Agreste paraibano, a 110 quilômetros de João Pessoa. O caso aconteceu na manhã desta terça-feira (30) e, segundo a polícia, a criança já estava com o corpo totalmente formado e deveria estar perto de completar os nove meses de gestação.

Ao Portal Correio, a Polícia Civil contou que o corpo da criança foi encaminhado para a Gerência de Medicina e Odontologia Legal (Gemol) para saber se o bebê nasceu morto ou se nasceu vivo e morreu pouco tempo depois ou se foi assassinado.

“O corpo foi levado para passar por necropsia, onde será determinada a causa morte da criança e os peritos vão descobrir se ela nasceu morta ou se foi assassinada. Também iremos fazer um levantamento na região para tentar saber de mulheres que estavam perto de ter bebê e depois apareceram sem a barriga para tentar descobrir suspeitas”, disse um agente da Polícia Civil.

Halan Azevedo do Portal Correio

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Foto de mulher com bebê conforto em motocicleta viraliza na Paraíba

Uma imagem de uma mulher transportando um bebê conforto, na garupa de uma moto, em plena BR 230, em João Pessoa, viralizou nas redes sociais, no Estado da Paraíba, neste domingo (03).

Ainda não há informações se havia um bebê acomodado no compartimento.

Segundo a legislação de trânsito não é permitido o transporte desse tipo de item em motocicletas, já que há probabilidade de causar acidentes, especialmente em estradas mais movimentadas, como as rodovias federais.

 

PB Agora

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Grávida perde bebê após acidente em moto com quatro crianças, na PB

(Foto: Reprodução/TV Paraíba)

Uma mulher que estava grávida de sete meses e sofreu um acidente de moto perdeu o bebê e está em coma induzido, no Hospital Regional de Sousa, no Sertão da Paraíba. A mulher trafegava de moto, levando mais quatro crianças na garupa do veículo, quando o acidente ocorreu na noite do sábado (25), na zona rural de Sousa.

A perda da gestação foi confirmada na manhã desta segunda-feira (27), pelo Hospital Regional de Sousa. Na moto também estavam quatro crianças de 1, 4, 11 e 12 anos. A criança de 1 ano foi transferida para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande e está internada em estado grave. O menino sofre fratura na perna e traumatismo craniano.

Segundo o pai das crianças, a mulher costumava sair de moto com os filhos e sempre era alertada. “O acidente poderia ter sido evitado, se ela não tivesse saído na moto com os quatro meninos. Todo mundo alertava a ela”, disse José Rodolfo Medeiros, que é gari.

As outras três crianças tiveram ferimentos leves e já receberam alta médica, ainda no Hospital Regional de Sousa. A Polícia Militar tomou conhecimento do caso, mas não sabe como o acidente ocorreu. Segundo o pai das crianças, a moto teria sido atingida por um carro descontrolado.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

Areia-PB: Bebê que teve traumatismo craniano era agredida pela mãe, diz padrasto à polícia

(Foto: Reprodução/TV Paraíba)

O padrasto da bebê de 11 meses que deu entrada no Hospital de Trauma de Campina Grande com traumatismo craniano e ferimentos no rosto disse que as agressões sofridas pela vítima partiram da mãe. Na manhã desta quinta-feira (16), o homem prestou depoimento à delegada de Polícia Civil Symone Lacet, na cidade de Areia, no Brejo paraibano, onde o caso ocorreu. A mãe da bebê é uma adolescente de 16 anos.

Segundo a delegada, durante o depoimento, o homem de 33 anos contou que quando começou o relacionamento com a adolescente, a criança já tinha marcas de agressão. “Ele conta que ela tinha ferimentos pelo corpo e também nas partes íntimas, destacando o comportamento agressivo que a mãe tinha com a filha”, disse a delegada.

Ainda durante o depoimento, segundo a delegada, o padrasto contou que a mãe inventou um acidente para negar a agressão. “Ele disse que estava no quintal da casa e a mãe estava com a bebê dentro de casa, quando ele ouviu os gritos da criança. Ao entrar em casa, ele já viu a criança ensanguentada e ajudou a socorrer. A mãe disse que a bebê teria caído no banheiro, mas ele acredita que ela agrediu (a criança)”, destacou a delegada.

Outras duas pessoas que ajudaram a socorrer a criança foram ouvidas, também na manhã desta quinta-feira. Segundo a delegada Symone Lacet, parentes da adolescente também vão ser ouvidos. “Pelo que já investigamos, tudo indica que foi a mãe quem agrediu a criança. Vamos também ouvir parentes para questionar esse histórico de agressões relatado pelo padrasto”, informou a delegada.

A Polícia Civil informou que o inquérito já está sendo concluído e deve ser encaminhado ao Ministério Público da Paraíba (MPPB) para que sejam tomadas providências em relação à guarda da criança. O Conselho Tutelar da cidade de Areia já comunicou o caso ao MPPB. A criança continua internda e está sendo acompanhada pela mãe.

Estado de saúde

A bebê deu entrada no Hospital de Emergência Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande, na última segunda-feira (13) com traumatismo craniano e lesões no rosto. Segundo o Conselho Tutelar de Areia, exames confirmaram que as lesões foram provocadas por agressões.

De acordo com a assessoria de imprensa do Hospital de Trauma de Campina Grande, a bebê continua internado na ala pediátrica Em entrevista a, TV Paraíba ela disse que não sabe como a criança se feriu. “Ela tava no banheiro, porque ela anda demais”, disse a mãe.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

‘Não vejo melhora’, diz mãe de bebê com microcefalia dois anos após surto no NE

Com quase dois anos de idade, o paraibano Shayde Henrique vive uma rotina movimentada ao lado da mãe Janine dos Santos, de 25 anos. O menino nasceu em João Pessoa com um perímetro cefálico de 28 cm, em pleno surto de microcefalia que atingiu o Nordeste em 2015. A microcefalia é diagnosticada quando o perímetro da cabeça é igual ou menor do que 32 cm. Porém, mesmo em meio a tantos tratamentos, consultas e exames, a mãe não percebe evolução no desenvolvimento da criança e luta por algum progresso. O decreto de emergência em saúde pública do Governo Federal completa dois anos neste sábado (11).

“Não vou dizer a você que eu vejo melhora, eu não vejo. O pessoal já veio falar que ele tá evoluindo. Mas, no meu olhar de mãe, eu não vejo não”, disse Janine.

Henrique, como é chamado pela mãe, ainda não consegue ficar em pé, sentar, falar e mal tem forças para segurar o pescoço. Ele precisa usar órteses nas pernas para dar mais força e usa óculos para melhorar a visão.

Janine descobriu que teria um filho com microcefalia cerca de uma semana antes do parto; Shayde nasceu com perímetro cefálico de 28cm (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Janine descobriu que teria um filho com microcefalia cerca de uma semana antes do parto; Shayde nasceu com perímetro cefálico de 28cm (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Em 11 de novembro de 2015, o Governo Federal declarou estado de emergência em saúde pública por causa da situação na região. Foi aproximadamente nessa data também que Janine descobriu que teria um filho com microcefalia, cerca de uma semana antes do parto.

“Foi um susto. Mas a gente tinha esperança de nascer saudável. A ficha só cai quando a gente realmente vê. E, pra a gente, era como se só ele fosse nascer [com microcefalia]. Porque a gente não sabia ainda dessa bomba do zika”, lembrou.

Além de lidar com a pouca evolução no desenvolvimento no filho, Janine tem que se dedicar a ele com pouca ajuda. O pai não quis assumir a criança ao saber da deficiência. O governo dá um benefício de um salário mínimo por mês, que não cobre nem as necessidades básicas do mês – com alimentação, fraldas e transporte.

A jovem estima que os gastos fixos básicos com o filho são de R$ 1.300 por mês, sem contar despesas com órteses, exames que o Sistema Único de Saúde não cobre e outros gastos oscilantes.

“Não é suficiente [o benefício]. Uma criança especial, a gente sabe que gasta bastante. Henrique toma um leite especial, porque ele tem sobrepeso, que custa R$ 60 a lata. E a lata não dá nem pra uma semana direito. Fora medicação, transporte”, contou.

Shayde faz terapia ocupacional, entre outras terapias, para ajudar no desenvolvimento (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Shayde faz terapia ocupacional, entre outras terapias, para ajudar no desenvolvimento (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Janine conseguiu terminar os estudos e chegou a trabalhar como cuidadora de idosos. Mas agora, sem tempo para trabalhar e estudar, ela depende da ajuda de dois irmãos – com quem ela mora – e de uma rede de mães de crianças com microcefalia em João Pessoa que criaram uma associação.

“A gente tem um grupo, troca experiências, desabafa um pouco. A maioria precisa de ajuda, porque muitas têm baixa renda, não tem benefício. Então uma ajuda a outra. Se precisa de leite, a gente tira do filho da gente pra ajudar”, explicou Janine.

A Associação Mães de Anjos da Paraíba (AMAP) reúne 52 mães de crianças com microcefalia em João Pessoa.

Mãe e filho têm rotina movimentada, entre fisioterapia, fonoterapia, terapia ocupacional, estimulação visual, entre outras atividades (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Mãe e filho têm rotina movimentada, entre fisioterapia, fonoterapia, terapia ocupacional, estimulação visual, entre outras atividades (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Rotina movimentada

Desde que nasceu, Henrique faz terapias para auxiliar no desenvolvimento. Por isso, o dia-a-dia de Janine é intenso há dois anos. Na terça-feira, ele tem sessões de fisioterapia e fonoaudiologia. Na quarta à tarde e na sexta-feira nos dois turnos, tem mais fisioterapia. A quinta-feira é dia de estimulação visual e terapia ocupacional.

Apesar de tanto estímulo, os médicos ainda não tem uma perspectiva de como vai ser o desenvolvimento de Henrique, já que esse “novo” tipo de microcefalia, causada pelo vírus da zika, ainda está sendo estudado. “É só esperar e ver como vai ser daqui pra frente. Não dá pra saber se ele vai andar”, comentou a mãe.

Janine tem esperança que o filho vai andar e falar no futuro (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Janine tem esperança que o filho vai andar e falar no futuro (Foto: Krystine Carneiro/G1)

Mesmo com pouco conhecimento do que vai acontecer no futuro, Janine permanece firme, dedicando sua vida ao filho, motivada pela esperança de alguma evolução.

“É pensar que um dia eu quero ver meu filho ao menos sentar. Se ele pudesse ao menos falar, me dizer o que ele sente, já seria muito bom”, afirmou.

G1

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br