Arquivo da tag: bariátrica

Bariátrica não é milagre: cirurgia requer cuidados antes e depois

andremarquesO que o apresentador André Marques, o diretor Boninho e o ator Leandro Hassum têm em comum? Todos apostaram na redução de estômago para ajudar a conquistar corpo dos sonhos, assim como muitos brasileiros no ano passado. Tanto que os números da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM) mostram que esse tipo de cirurgia cresceu 6,25% em relação a 2014.

No entanto, e apesar dos vários casos de sucesso, o procedimento pode dar problemas. Filho de Estevam e Sônia Hernandes, fundadores da igreja Renascer, Felipe Daniel Hernandes morreu na última quarta-feira (14) após ficar cinco anos em coma vegetativo. Em 2005, ele passou por uma cirurgia bariátrica e emagreceu mais de 40 quilos, segundo informações publicadas pela imprensa na época. Contudo, meses depois, teve fortes dores abdominais e precisou ser operado para remover um pedaço obstruído do intestino. Uma das suturas se rompeu, causando hemorragia interna e uma forte infecção, que o levou ao quadro com o qual permaneceu até o dia de sua morte.

Reprodução/Instagram/@leandrohassum
Leandro Hassum perdeu 63kg depois de uma cirurgia bariatrica no final de 2014imagem: Reprodução/Instagram/@leandrohassum

Caetano Marchesini, presidente eleito da SBCBM, nega que este seja um procedimento perigoso. “Atualmente, a bariátrica é reconhecida como a forma mais eficaz de tratar obesidade mórbida. Ela também possui os mesmos riscos que qualquer outro tipo de cirurgia e pode ter complicações – como sangramento ou trombose. Ou seja, problemas não necessariamente relacionados a esta técnica”, explica o médico.

Segundo o profissional, o paciente precisa compreender que esta é uma decisão para a vida inteira e representa a cura para uma doença, a obesidade. Por isso mesmo, passa longe de ser um tratamento estético ou uma solução mágica.

Os cuidados pré e pós-cirúrgicos incluem apoio nutricional, psicológico e até psiquiátrico — caso seja necessário — além de um acompanhamento multidisciplinar permanente e anual para que a pessoa permaneça saudável e bem longe dos antigos hábitos.

Outra dica que pode parecer óbvia, mas que é extremamente importante: você deve escolher um profissional especializado no assunto. Atualmente, segundo Marchesini, o Brasil possui a segunda maior sociedade metabólica e bariátrica no mundo. “Vale a pena procurar informações sobre o médico em órgãos reconhecidos pela categoria e ainda utilizar a internet para ir atrás de mais informações. Atitudes assim diminuem a chance de você acabar em mãos erradas”, orienta.

Suporte especializado

Para a vice-presidente da Comissão de Especialidades Associadas da SBCBM (COESAS), Andrea Levy, que também é psicóloga clínica e bariátrica, algo fundamental para o sucesso do procedimento é o bom preparo. “Esta é uma cirurgia eletiva (o paciente marca o procedimento), não emergencial e com efeitos para o resto da vida. A pessoa precisa estar com a saúde clínica e mental em ordem”, explica. Por isso, além do diagnóstico clínico, é importante fazer um acompanhamento psicológico bem detalhado antes da operação. “Se descobrirmos uma depressão ou ansiedade, por exemplo, melhor adiar um pouco e tratar o problema”.

A questão nutricional é um ponto-chave no acompanhamento do paciente, pois alguns quadros de desnutrição podem ser confundidos com depressão, algo possível de ser descoberto durante as consultas de rotina. “E, se a pessoa estiver desnutrida, ainda aumenta a chance de se tornar compulsiva”, destaca.

Andrea ainda conta que não é algo comum, mas existe o risco da pessoa trocar o vício da comida por outro — se tiver alguma predisposição. “A absorção do álcool fica mais rápida depois da cirurgia, o que pode gerar um comportamento abusivo em quem já fazia uso antes. Mas quero ressaltar que não é o que acontece na maioria dos casos, e sim algo em torno de 2% a mais da população que já tem problemas com a bebida”, diz.

Uol

Acompanhe mais notícias do FN nas redes sociais: FacebookTwitterYoutube e Instagram

Entre em contato com a redação do FN:  WhatsApp (83) 99907-8550. 

E-mail: jornalismo@focandoanoticia.com.br

 

Mulheres obesas recorrem à cirurgia bariátrica para engravidar

obesaAlém de aumentar os riscos de câncer e de doenças crônicas, a obesidade pode prejudicar a fertilidade feminina. Por esse motivo, muitas mulheres têm recorrido à cirurgia bariátrica para serem mães.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), Almino Ramos, em geral a obesidade provoca alterações hormonais e prejudica o desenvolvimento dos óvulos, o que pode gerar infertilidade ou dificuldade de engravidar. “Com a cirurgia, a perda de peso corrige essas irregularidades hormonais, aumentando as chances de gravidez”, disse ele.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

Mas depois da cirurgia bariátrica é necessário que a mulher espere um período, de no mínimo um ano, antes de engravidar, já que antes disso o organismo ainda está em fase de adaptação à nova rotina nutricional. “O ideal seria que, antes da gravidez, fossem feitos todos os exames e avaliações, com liberação tanto do serviço de cirurgia bariátrica quanto do obstetra ou ginecologista”, aconselhou Ramos.

O excesso de peso na gravidez pode ocasionar diabetes gestacional, eclâmpsia, parto prematuro ou até mesmo aborto espontâneo. Além disso, engravidar acima do peso pode gerar os mesmos problemas para a criança, e ainda pode causar malformação fetal.

Segundo dados do Ministério da Saúde, pouco mais de 18% das brasileiras maiores de 18 anos são obesas, ou seja, tem o Índice de Massa Corpórea superior a 30.

Ramos ressalta que o objetivo principal da cirurgia bariátrica não é a perda de peso, e sim a melhora da saúde como um todo, com o controle de doenças como hipertensão, diabetes, colesterol e triglicérides altos, problemas ortopédicos e apneia do sono, entre outros.

“A cirurgia também melhora as condições para a gestação, mas não é uma solução mágica. As mulheres precisam se informar, falar com seu obstetra e estar cientes de que deverão seguir as recomendações médicas para que os benefícios da operação sejam reais. É necessário acompanhamento médico contínuo e uma mudança no estilo de vida, com dieta balanceada e uso de suplementos”, explicou.

Caso depois da cirurgia, a mulher engravide antes do período recomendado, ele salientou que, além de todos os exames de rotina de uma gestante, ela ainda deve ter acompanhamento nutricional durante a gestação e fazer exames de avaliação para checar se existe carência de algum nutriente, o que consequentemente prejudicaria a gravidez.

”Por isso, é preciso redobrar os cuidados nas relações sexuais. Após a cirurgia, a mulher deve procurar uma avaliação ginecológica adequada para definir qual método anticoncepcional seria mais indicado. O parceiro deve sempre usar preservativo, que serve de segurança extra até que novas medidas anticoncepcionais sejam definidas”, aconselhou Ramos.

Fonte: Agência Brasil

Sete estados ainda não têm hospitais credenciados para cirurgia bariátrica pelo SUS, diz sociedade médica

 

Rondônia, Paraíba, Goiás, Amazonas, Acre, Roraima e Piauí são os estados que ainda não têm hospitais credenciados para fazer a cirurgia bariátrica pelo Sistema Único de Saúde (SUS). É o que aponta levantamento da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM).

O Ministério da Saúde reduziu de 18 para 16 anos a idade mínima para realização da cirurgia na rede pública, nos casos em que há risco de morte para o paciente. De acordo com comunicado da pasta, a decisão foi tomada com base em estudos que apontam o aumento da obesidade entre adolescentes. Dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares de 2009 (POF) indicam que, na faixa de 10 a 19 anos, 21,7% dos brasileiros apresentam excesso de peso. Em 1970, o índice era 3,7%.

De acordo com o Ministério da Saúde, existem 80 unidades habilitadas no país, porém não informou se presentes em todos os estados. Ainda segundo a pasta, para habilitar novos serviços de Assistência de Alta Complexidade ao Portador de Obesidade Grave, o gestor local deve organizar e implantar linha de cuidados ao paciente obeso, procedimento que está sob consulta pública. Os hospitais, inclusive os credenciados, terão um ano para se adaptar aos novos critérios.

Para Irineu Rasera, cirurgião e gestor do Hospital dos Fornecedores de Cana de Açúcar de Piracicaba e membro da SBCBM, o governo deve criar um cadastro único para candidatos à cirurgia bariátrica e também autorizar a videolabaroscopia, que é uma forma menos invasiva de intervenção.

Atualmente, o SUS autoriza três técnicas: a gastroplastia com derivação intestinal; a gastrectomia com ou sem desvio duodenal; e a gastroplastia vertical em banda, que será substituída por apresentar significativo índice de novo ganho de peso pelo paciente. No lugar desse procedimento, está prevista a inclusão da gastroplastia vertical em manga (sleeve).

Quanto aos novos exames autorizados pelo ministério, Rasera acredita que serão vantajosos se “vierem como apenas uma possibilidade, mas se for obrigatório é preocupante”. Ele explica que nem todos os pacientes precisam passar pelos novos, o que pode atrasar a execução da cirurgia.

Rosana Radominski, endocrinologista da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso), acredita que a mudança na idade mínima é positiva. “Esta modificação vai fazer toda a diferença para os adolescentes. Se for caso cirúrgico, ele não vai ter esperar dois longos anos pra ter uma redução considerável de peso.”

Ela alerta para os cuidados nos casos dos adolescentes. “Eu acho que o grupo precisa de uma equipe multidisciplinar, porque ele precisa ter um bom entendimento sobre o procedimento, precisa de maturidade para entender o tratamento pós-cirurgia. Eles têm a vida pela frente e têm que entender, por exemplo, as restrições de alimentação”.

Sobre a proibição da venda e uso de inibidores de apetite anfetamínicos,  Rosana Radominski acredita que a retirada desses produtos do mercado não é causa do aumento de obesos, mas destaca que os medicamentos fazem falta para alguns grupos de pacientes. “No Brasil, tem aquele grupo de pacientes que perdem peso com dieta e atividade física, tem aquele grupo que vai fazer cirurgia bariátrica e tem aquele grupo, no meio, que não consegue emagrecer com dieta e nem tem indicação para cirurgia. Esses pacientes ficaram desassistidos. Aqueles que já tinham um bom resultado com o tratamento [com os remédios vetados] com a suspensão ficaram sem o remédio. Não se tem uma outra opção por enquanto. Tiraram e não deram uma outra opção,” argumentou.

Há oito anos, a professora aposentada Edna Araújo decidiu se submeter a uma operação de redução de estômago por causa de um problema de pressão alta. Depois da cirurgia, a família de Edna teve papel fundamental no período de adaptação.“Os mais próximos vão cuidar para que você não coma nada além do que é permitido e observar o desenvolvimento de comportamentos estranhos, como uma compulsão.Alguns pacientes trocam a comida por outros vícios, como o álcool. Outros burlam a dieta e tomam leite condensado pelo canudinho”, conta.

A professora ainda relatou que ums dos obstáculos é conscientizar que precisa comer menos. “Um gordo vai sempre pensar como um gordo. Quando um gordo pensa em comer alguma coisa, ele pensa numa massa deliciosa com um molho, em um churrasco, não pensa em uma salada. Quando você vai se servir, tem que lembrar a quantidade recomendada por um nutricionista. Senão vai passar mal”, advertiu Edna.

Fonte: Agencia Brasil

Focando a Notícia