Arquivo da tag: aves

Policiamento Ambiental captura mais de 1,3 mil aves silvestres este ano na Paraíba

passarosO Batalhão de Policiamento Ambiental da Paraíba realizou, até novembro deste ano, 1.360 capturas de animais silvestres. Grande parte deles estava em situação de maus-tratos quando foi resgatada. O balanço, ainda não conclusivo, mostra que as aves continuam no topo das agressões praticadas contra o meio ambiente. Das 1.360 resgates, 879 foram de aves, o que corresponde a 64,6%. Em seguida, aparecem os mamíferos, com 242 recapturas, o equivalente a 17,7%, e os répteis, com 239, o que corresponde a 17,5%. O mês que concentrou o maior número de registro de apreensões de aves silvestres foi janeiro, com 442.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De acordo com o chefe do setor de Planejamento Estratégico do Batalhão de Policiamento Ambiental, tenente Wellington Aragão, os números são expressivos. “São números que gostaríamos que não existissem. Por outro lado, refletem o nosso compromisso de combater qualquer tipo de agressão ao nosso meio natural, ao nosso meio ambiente. Para isso, assim como fizemos em 2014, vamos aumentar ainda mais as operações e as fiscalizações”, destacou.

Wellington Aragão enfatiza que a PM Ambiental não tem como função apenas reprimir os crimes ambientais. “Temos, antes de tudo, a missão de conscientizar a sociedade sobre a importância de se preservar as riquezas naturais que nós temos. Então, é necessário que, à medida que coibimos os crimes ambientais, tenhamos também um processo de conscientização do quanto é importante proteger a nossa fauna e flora”, disse.

Crimes mais comuns – A caça e o comércio ilegais, além do desmatamento, estão entre os crimes mais comuns cometidos contra o meio ambiente. “O nosso estado tem grandes áreas em que ocorrem todos esses tipos de crime. Mas  podemos dizer que a caça ilegal ocorre muito no interior do estado – até por uma questão cultural – enquanto o comércio ilegal de aves silvestres, notadamente, se concentra nas feiras livres da Região Metropolitana de João Pessoa”, explicou Wellington Aragão.

De acordo com o tenente, a Paraíba tem, ao todo, 38 unidades de conservação. Dentro dessas áreas, estão incluídos os parques estaduais e as áreas de pesquisa. “É um rico patrimônio que precisamos e devemos preservar. A filosofia adotada por nós é de que é melhor conscientizar, educar, do que punir. E é por esse objetivo que trabalhamos todos os dias do ano”, acrescentou.

Outras ações – O balanço mostra ainda que as autuações por poluição sonora tiveram o maior registro. Até novembro, foram 42 autuações, contra 41 por falta de licença ambiental para a execução de obras, por exemplo. Em seguida, aparecem os crimes praticados contra a fauna, com 31 ocorrências, e extração de minério, com 13 ocorrências. Ocorrências de desmatamento totalizaram 12.

Secom-PB

 

Operação da PRF e Ibama apreende 219 aves em Campina Grande

Aves vão ser levadas para João Pessoa (Foto: Divulgação/PRF)

Uma operação integrada entre a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Ibama, realizada na manhã deste domingo (19), apreendeu 219 aves silvestres, que estavam sendo comercializadas ilegalmente na feira da Prata, em Campina Grande. A informação é do inspetor da PRF Samuel Wesley, um dos responsáveis pela ação integrada. Entre as espécies apreendidas estavam galos de campina, sabiás, concriz e outras ameaçadas de extinção como a pinta-silgo e a maracanã.

“Além da apreensão das aves, foram detidas 13 pessoas que estão sendo ouvidas e qualificadas para a adoção de medidas penais e administrativas. Apenas com o desenrolar das investigações é que saberemos se o crime se trata de tráfico de animais ou apenas comércio ilegal”, explicou o inspetor Samuel. Os suspeitos podem responder por crime ambiental, pagando multa de R$ 1 mil a R$ 10 mil por animal e detenção de seis meses a um ano.

Os animais eram levados do Sertão e do Cariri do estado para serem vendidos em feiras como a de Campina Grande. As instituições realizaram simultaneamente a ação nas cidades de Catolé do Rocha e Brejo do Cruz, além de Campina.

Ainda conforme o inspetor Samuel as aves serão levadas para a sede do Ibama em João Pessoa onde serão avaliadas. Aquelas que estiverem machucadas serão transferidas para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), onde receberão cuidados veterinários, e as demais, que estiverem saudáveis, serão soltas em seu habitat natural.

G1 PB