Arquivo da tag: automóveis

Corretor de automóveis é morto durante tentativa de assalto em Sapé

Um corretor de automóveis identificado como Wilson Martins Lourenço de 38 anos, morreu durante uma tentativa de assalto na noite desta quinta-feira (23), na cidade de Sapé, Zona da Mata paraibana. O crime aconteceu por volta das 19h30.
De acordo com informações da Polícia Militar, a vítima estava de moto quando foi surpreendida por uma dupla que anunciou o assalto. No meio da ação a vítima foi atingida por tiros.
O homem chegou a ser socorrido e levado para Hospital Doutor Sá Andrade, mas não resistiu. Ele era morador de Sapé.
A polícia realizou buscas mas até a publicação desta matéria nenhum suspeito havia sido identificado.
Fonte: T5

Justiça Federal vai leiloar imóveis e automóveis na Paraíba

justicaA Justiça Federal da Paraíba em conjunto com o leiloeiro oficial Leandro P. Ferreira realizam leilão presencial, eletrônico e videoconferência no dia 26 de maio de 2015, a partir das 09:00 horas, na Justiça Federal de João Pessoa e com lances online de qualquer lugar do país, pelo sitewww.leiloesjudiciais.com.br/pb.

Participarão também por meio de videoconferência as cidades de Campina Grande, Guarabira, Sousa e Patos. Confira no site local para a participação em cada uma das cidades.

ACOMPANHE O FOCANDO A NOTÍCIA NAS REDES SOCIAIS:

FACEBOOK                TWITTER                    INSTAGRAM

No evento serão leiloados imóveis em Campina Grande e Serraria, veículos e outros bens. Interessados podem obter informações mais detalhadas pelo sitewww.leiloesjudiciais.com.br/pbou então pelo 0800-707-9272.

MaisPB

Quase mil veículos formam ‘cemitérios de automóveis’ às margens das BRs da Paraíba

Assuero Lima
Assuero Lima

Quem trafega pela BR 230 e passa por alguns postos da Polícia Rodoviária Federal com certeza já observou uma quantidade considerável de veículos amontoados e a céu aberto, formando verdadeiros cemitérios de automóveis entre as belas paisagens rurais que cercam as rodovias federais da Paraíba.

Os pátios desses postos abrigam quase mil veículos que foram aprendidos pela corporação em operações de fiscalização e de combate a irregularidades no trânsito das chamadas BRs paraibanas. No caso dos veículos acidentados, os proprietários são notificados, e muitas vezes, não vêm resgatá-los.

CURTA o FOCANDO A NOTÍCIA no Facebook

De acordo com a PRF, pátios de quatro dos onze postos chamados de unidades operacionais, e ainda na sede da 14ª Superintendência Regional da PRF-PB localizada no Bairro do Cristo Redentor, na Zona Oeste da Capital, abrigam os veículos.

Esses cemitérios de automóveis além de poluírem o meio ambiente, repassam a ideia de desperdício e descaso com bens que poderiam ter uma utilidade social. A maioria dos veículos, entre eles, carros e motocicletas, é recolhida aos pátios da PRF após remoções previstas em lei e ainda por possuírem restrições administrativas ou judiciais. Veículos envolvidos em acidentes de trânsito também vão parar nos depósitos da PRF.

Leilão 

O destinamento dado a esses veículos, segundo a assessoria de imprensa da Polícia Rodoviária são os leilões.  Dos quase mil veículos existentes hoje nos pátios da PRF, 585, que representa mais da metade, serão destinados a um leilão que acontece no próximo dia 5 de junho.

A PRF informou que o leilão será dividido em dois momentos. No primeiro deles, são 391 veículos que ainda apresentam condições de uso. Num segundo momento, serão oferecidos 194 deles, já em estado de sucata ferrosa.

Quanto aos demais veículos, a PRF informou que eles estão impossibilitados de serem leiloados porque possuem restrições administrativas ou judiciais e somente após a retirada destas restrições é que eles poderão ser liberados para leilão.

Carros ficam à espera do trâmite legalFoto: Veículos ficam à espera do trâmite legal
Créditos: Assuero Lima

Legislação atrasaria desocupação dos pátios 

A PRF explicou que entre as razões para que os pátios permaneçam amontoados e se transformem num retrato incômodo para quem trafega próximo às unidades de polícia federal está a demora quando se trata da destinação. A lentidão acontece, conforme o órgão, porque todo ato administrativo que é feito referente ao destino que será dado às peças é vinculado à legislação em vigor.

Existe toda uma legislação federal contida no Código de Trânsito Brasileiro que deve ser seguida nos casos da destinação de veículos apreendidos, removidos ou retidos. Por conta de todo esse trâmite legal e administrativo, alguns veículos podem demorar mais de ano para ser encaminhado para leilão.

Quanto à venda dos veículos através de leilão, a PRF informou que geralmente todas as peças colocadas para aquisição são vendidas.

Meio Ambiente 

No caso da poluição visual e nos prejuízos causados ao meio ambiente, a PRF informou que tem feito trabalho incansável na busca de soluções para ‘esvaziar’ seus pátios com o objetivo da preservação ambiental e da saúde pública.

O órgão alerta os proprietários desses veículos para o fato deles também serem responsáveis pela preservação da natureza e principalmente de serem responsáveis por aquele bem, independente dele estar sob a tutela temporária do poder público.

Na opinião da PRF, a população no entanto precisa se conscientizar de que o desenrolar do processo de destinação dos veículos, sem a participação dos proprietários dos veículos que na sua maioria age de forma omissa ao abandoná-los, deixa todo o processo mais difícil e lento.

 

 

portalcorreio

Seguro obrigatório para automóveis terá novos valores a partir de janeiro

A partir de janeiro de 2013, o valor pago pelo Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (Dpvat) será maior, seguindo resolução da Superintendência de Seguros Privados (Susep) publicada dia 24 no Diário Oficial da União.

Os valores do prêmio tarifário variam de acordo com a categoria do veículo. A categoria 1, que abrange automóveis particulares, passará a pagar R$ 101,10 anuais – mesmo valor que será pago por táxis e carros de aluguel (categoria 2).

O seguro pago por ônibus, micro-ônibus e lotação com cobrança de frete (categoria 3) – urbanos, interurbanos, rurais ou interestaduais – passará a ser de R$ 390,84; e a categoria 4, que abrange micro-ônibus com cobrança de frete, mas com lotação não superior a 10 passageiros, e ônibus, micro-ônibus e lotações sem cobrança de frete, passará a pagar R$ 242,33 anuais pelo seguro.

Com o aumento, motocicletas, motonetas, ciclomotores e similares (categoria 9) passarão a pagar R$ 286,75; e máquinas de terraplanagem e equipamentos móveis em geral licenciados, além de camionetas pickup de até 1.500 kg de carga e caminhões (todos pertencentes à categoria 10), pagarão R$ 105,81.

Agência Brasil

Projeto torna obrigatório dispositivos para ‘cadeirinhas’ em automóveis

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado (CDH) aprovou na quinta-feira (28) um projeto de lei que exige que carros e camionetas apresentem, como equipamento obrigatório, dispositivos para a fixação de assentos infantis – para assim diminuir os riscos de um assento mal instalado. O próximo passo na tramitação dessa matéria será seu exame na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado (CCJ).

O projeto (PLS 64/12) foi apresentado em março pelo senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF). Ao justificar a iniciativa, ele argumenta que “quem transporta criança pequena conhece a dificuldade e o trabalho de se instalar a cadeirinha utilizando apenas o cinto de segurança do carro”. Rollemberg propõe que os automóveis ofereçam sistemas como o Isofix, o Lower Anchors and Tethers for Children (Latch), o Lower Universal Anchorage System (Luas) ou similares.

Em seu relatório sobre a matéria, o senador Cyro Miranda (PSDB-GO) defendeu a aprovação do projeto. Ele afirma que “os assentos infantis automotivos são pouco ou nada eficazes se não forem instalados corretamente, e o maior mérito dos sistemas de fixação em pontos de ‘ancoragem’ [como os sugeridos por Rollemberg] é facilitar a instalação e a verificação da segurança desses sistemas”.

De acordo com Rollemberg, sistemas como o do Isofix dispensam o uso do cinto de segurança, sendo constituídos por pontos de fixação presos à estrutura do veículo, entre outras características. Cyro Miranda diz que a oferta desses sistemas não aumentaria significativamente os custos de fabricação dos automóveis.

Agência Senado